Vida CristãNotícias › 12/08/2018

Os sonhos dos jovens são as estrelas mais luminosas

PAPA_120818

Cidade do Vaticano – O Santo Padre deixou a Casa Santa Marta na tarde deste sábado (11/8), e dirigiu-se ao Circo Máximo, no centro de Roma, para o encontro com os jovens italianos. Cerca de 40 mil jovens italianos fizeram, nestes dias, uma peregrinação a Roma, intitulada “Por mil estradas”, para encontrar o Papa Francisco, em vista do próximo Sínodo dos Bispos sobre os Jovens.

O encontro de Francisco com a “Caravana da esperança”, realiza-se em duas etapas:

● No sábado, 11, no Circo Máximo de Roma: Vigília de Oração, com cantos, reflexões e momentos de oração;

● Neste domingo, 12, na Praça São Pedro: “Envio” dos jovens missionários, bênção da estátua de Nossa Senhora de Loreto e do Crucifico, símbolos das JMJ, e Oração mariana do Angelus.

A primeira etapa, neste sábado: O Santo Padre foi aguardado por cerca de 70 mil jovens, provenientes de quase 200 dioceses, acompanhados por seus respectivos Bispos e sacerdotes.

Ao chegar ao Circo Máximo, em pleno centro de Roma e perto do Coliseu, o Papa foi acolhido, com entusiasmo e com cantos, pelos milhares de jovens, passando entre a multidão com o papamóvel. Ao ser saudado no palco por uma jovem, recebeu de presente uma férula talhada em madeira, respondendo a seguir às perguntas de alguns jovens. Após este primeiro momento, teve início o encontro de oração, entremeado por cânticos, leituras e reflexões.

PAPA_120818_1

A mensagem do Papa aos jovens

O Santo Padre concluiu seu encontro com os jovens, dirigindo a eles algumas palavras:
Antes de tudo, o Papa recordou a peregrinação a pé dos jovens, que, por diversas estradas, passaram por cidades e povoados, respirando as alegrias e as dificuldades, a vida e a fé do povo italiano, até chegarem a Roma.

Depois, citando o Evangelho da Vigília de Oração, Francisco meditou sobre os discípulos, que, informados pelas mulheres sobre a ressurreição de Jesus, foram às pressas ao sepulcro do Mestre.

Temos tantos motivos para correr em nossa vida, disse o Papa, devido à vida frenética e o pouco tempo que nos resta. Mas, às vezes, temos pressa, sobretudo, diante de um acontecimento novo, bonito ou interessante, ou então, para fugir de uma ameaça ou perigo.

Os discípulos foram às pressas ao túmulo de Jesus por receberem a notícia de que o corpo do Mestre não estava mais no sepulcro. Nestes acendeu-se a chama da esperança de rever o Senhor. Quem correu mais foi João, o mais jovem e o discípulo amado por Jesus. Desde então, disse o Papa, a história mudou:

“A hora, em que a morte parecia triunfar, na verdade, se revela a hora da sua derrota. Nem mesmo aquela pedra maciça, colocada diante da sepulcro, resistiu. Assim, desde aquela manhã, todos os lugares, onde a vida é oprimida, onde domina a violência, a guerra, a miséria, e onde o homem é espezinhado e humilhado, se acende a chama da esperança e da vida”.

“Quantos sepulcros hoje esperam pela nossa visita! Quantas pessoas feridas, mesmo jovens, sigilaram o seu sofrimento colocando uma pedra em cima”.

PAPA_120818_3

Por isso, dirigindo-se aos jovens presentes, Francisco disse “sentir o palpitar dos seus corações” como aqueles dos discípulos; expressou sua participação na sua romaria, pelas estradas da Itália e nas suas aspirações, impulsionados pelo Espírito, que anima seus sonhos juvenis. Assim, exortou-os a arriscar, com audácia, para contribuir com a construção do Reino de Jesus na terra, por uma humanidade mais fraterna. E o Papa ponderou: “A Igreja precisa do seu impulso, das suas intuições, da sua fé. Caminhando juntos, nestes dias, vocês perceberam quando custa estar ao lado de um irmão ou uma irmã, mas também quanta alegria! Caminhar juntos torna-nos um povo, o Povo de Deus”.

Os discípulos, ao entrar no túmulo vazio, “viram e creram”, afirmou o Papa; devemos “ver e crer”, nos sinais dos tempos, o rosto invisível de Deus, revelado por Cristo.

Por fim, Francisco afirmou o seguinte recado aos jovens: “Não devemos temer o túmulo vazio, porque nele resplandece a vitória da vida sobre a morte. Jesus não é um herói imune da morte, mas aquele que a transforma com o dom da vida… a morte não tem nenhum poder sobre Ele”. E o Papa concluiu:

“Então, não tenhamos medo! Não tomemos distância dos lugares de sofrimento, de derrota, de morte. Jesus, venceu a morte e nos deu a vida, nos envia pelo mundo para anunciar a Boa Notícia aos nossos irmãos. Assim, a nossa vida se torna uma corrida alegre e esperançosa rumo a Jesus e aos irmãos”.

Ao término da Vigília de Oração, o Santo Padre retornou ao Vaticano. Por sua vez, os jovens romeiros continuaram sua festa, com testemunhos pessoais, música e cantos, abrilhantados pela participação de artistas e cantores famosos da Itália.

Enfim, como coroação da primeira etapa da sua peregrinação a Roma, os jovens participaram da iniciativa intitulada “Noite Branca”.

Durante toda a noite, 19 igrejas da Cidade Eterna ficaram abertas para acolher os jovens, que queriam passar momentos de oração, adoração Eucarística, cultura e espiritualidade e participar do sacramento da Reconciliação.

A segunda do encontro do Papa com os Jovens da Itália, ocorre neste domingo, 12, na Praça São Pedro, onde a juventude italiana participará da Santa Missa, presidida pelo Cardeal Gualtiero Bassetti, Presidente do Episcopado Italiano.

RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS

“Por mil estradas rumo a Roma”: Desde o início da tarde deste sábado, 11, mesmo com o forte calor, milhares de jovens italianos começaram a chegar ao Circo Máximo, em Roma, para a Vigília e o encontro com o Papa Francisco, que deixou o Vaticano às 18 horas. Mas as atividades tiveram início já às 16h30, com as boas-vindas e a animação com Christian Music (The Sun). O Papa passou de papamóvel entre a multidão e depois, no palco, respondeu às perguntas de alguns jovens. (O texto não contém as improvisações do Santo Padre):

A Primeira pergunta, foi feita por dois jovens: Letizia, 23 anos e Lucamatteu, 21. Eles expressam dois aspectos da mesma busca: a construção da própria identidade e dos próprios sonhos:

Letizia:

Caro Papa Francisco, sou Letizia, tenho 23 anos e estou estudando na universidade. Eu gostaria de dizer ao senhor uma palavra sobre nossos sonhos e como vemos o futuro. Quando eu tive que realizar a importante escolha do que fazer no final do V superior, eu estava com medo de confiar no que eu realmente sonhava em querer me tornar, porque isso teria significado descobrir-se completamente aos olhos dos outros e de mim mesma.

Decidi confiar na opinião de alguns adultos que eu admirava pela profissão e pelas escolhas. Dirigi-me para o professor que mais estimava, o prof. de Artes, aquele que ensinava as coisas para mim mais apaixonantes. Eu disse a ele que queria seguir seu caminho, ser como ele. E eu escutei uma resposta que agora já não era mais como uma vez, que os tempos mudaram, que havia uma crise, que eu não encontraria trabalho e que deveria escolher um campo de estudos que respondesse melhor às exigência do mercado. “Escolha economia”, ele me disse. Eu senti uma grande decepção; senti-me traída no sonho que lhe havia confiado, quando, em vez disso, eu procurava um encorajamento justamente daquela figura que eu queria imitar. No final, escolhi o meu caminho, escolhi seguir a minha paixão e estudo Arte.

Em vez disso, um dia, em um oratório onde sou educadora, uma das minhas alunas me disse para ter confiança em mim, para estimar as minhas escolhas. Ela me disse que eu representava quase um modelo para ela e que ela gostaria de fazer o que eu fazia.

Foi alí, naquele momento, que decidi conscientemente que assumiria todo o compromisso de ser educadora: não teria sido aquele adulto traidor e desapontador, mas teria dado tempo e energia, com todos os encargos que isso poderia acarretar, porque uma pessoa confiou em mim.

Luccamatteo:

Santo Padre, quando olhamos para o nosso futuro, estamos acostumados a imaginá-lo tingido de cores cinzentas, escuras e ameaçadoras. Para lhe dizer a verdade, para, parece que vejo um diapositivo branco, onde não há nada …

Às vezes eu tentei desenhá-lo, meu futuro. Mas no final vejo algo que não me satisfaz. Eu tento explicar a mim mesmo: acho que somos nós que o desenhamos, mas muitas vezes acontece que partimos de um grande projeto, uma espécie de grande afresco ao qual, apesar de nós mesmos, tiramos pouco a pouco alguns detalhes. O resultado é que os projetos e os sonhos, por medo dos outros e de seu julgamento, acabam sendo menores do que eram no início. E acima de tudo, acabam criando algo que nem sempre gosto …

Papa Francisco:

Os sonhos são importantes. Eles mantêm o nosso olhar amplo, ajudam-nos a abraçar o horizonte, a cultivar a esperança em todas as ações diárias. E os sonhos dos jovens são os mais importantes de todos, são as estrelas mais luminosas, aquelas que indicam um caminho diferente para a humanidade. Assim, queridos jovens, vocês têm em seu coração estas estrelas brilhantes que são seus sonhos: elas são sua responsabilidade e seu tesouro. Façam que que sejam também o seu futuro!

É claro, os sonhos precisam crescer, são purificados, colocados à prova e também compartilhados. Mas vocês nunca se perguntaram de onde vêm os sonhos de vocês? Eles nasceram assistindo televisão? Ouvindo um amigo? Sonhando com os olhos abertos? Eles são grandes sonhos ou sonhos pequenos, miseráveis, ​​que se contentam com o mínimo possível?

A Bíblia nos diz que os grandes sonhos são aqueles capazes de serem fecundos, de semear paz e fraternidade, eis que estes são sonhos grandes, porque pensam em todos com o NÓS. Os grandes sonhos incluem, envolvem, são extrovertidos, compartilham, geram nova vida. E os grandes sonhos, para permanecer como tal, têm necessidade de uma fonte inesgotável de esperança, de um Infinito que sopra dentro e os expanda. Grandes sonhos precisam de Deus para não se tornarem miragens ou delírio de onipotência.

Você sabem? Os sonhos dos jovens assustam um pouco os adultos. Talvez porque eles tenham parado de sonhar e de arriscar, talvez porque os sonhos de vocês minam suas escolhas de vida. Mas vocês, não deixem que roubem seus sonhos. Procurem bons professores capazes de ajudá-los a compreendê-los e torná-los concretos em gradualidade e na serenidade. Sejam por sua vez bons mestres, mestres de esperança e de confiança para as novas gerações que estão no encalço de vocês. O que vocês receberam gratuitamente, coloquem de volta para circular, restituam isso enriquecido com a paixão e inteligência de vocês. A vida não é uma loteria em que apenas os sortudos podem realizar seus sonhos. A vida é um desafio em que se vence realmente quando se vence juntos, se não se esmaga o outro, se ninguém é excluído.

O santo Papa João XXIII dizia: “Eu nunca conheci um pessimista que tenha concluído algo de bom” (entrevista de Sergio Zavoli a Monsenhor Capovilla, em Jesus, 6, 2000). Aqui está. Mantenham um olhar positivo e abençoado nestes tempos e nos futuros. Não tenham medo, as dificuldades sempre existiram para todas as geração e cada geração tem a tarefa de superá-las e torná-las oportunidades de bem.

A segunda pergunta é proposta por Martina, 24 anos, e diz respeito ao discernimento na vida e a ideia de compromisso e responsabilidade em relação ao mundo que os jovens estão fazendo neste tempo

Santo Padre, eu sou Martina, tenho 24 anos. Algum tempo atrás, um professor me fez refletir sobre como a nossa geração não é capaz nem mesmo de escolher um programa na TV, muito menos se envolver em um relacionamento para toda a vida …

Na verdade, acho difícil dizer que estas namorando. Pelo contrário, prefiro dizer “fiquei”: é mais simples! Envolve menos responsabilidades, pelo menos aos olhos dos outros!

No fundo, porém, sinto fortemente que quero comprometer-me em projetar e construir desde agora uma vida juntos.

Então, eu me pergunto: por que o desejo de tecer relações autênticas, o sonho de formar uma família, são considerados menos importantes do que os outros e devem ser subordinados a seguir uma realização profissional? Eu percebo que os adultos esperam isso de mim: que antes tenha uma profissão, depois você começa a ser uma “pessoa”.

Temos necessidade de adultos para nos recordem como é lindo sonhar a dois! Precisamos de adultos que sejam pacientes no estar perto de nós e assim nos ensinem a paciência de estar ao lado; que nos escutem em profundidade e nos ensinem a ouvir, em vez de sempre ter razão!

Temos necessidade de pontos de referência, apaixonados e solidários.

Você não acha que as figuras de adultos verdadeiramente estimulantes são raras no horizonte? Por que os adultos estão perdendo seu senso de sociedade, de ajuda mútua, de compromisso com o mundo e nas relações? Por que isso às vezes acontece também aos padres e educadores?

Eu acredito que sempre vale a pena ser mães, pais, amigos, irmãos … por toda a vida! E eu não quero deixar de acreditar nisto!

Papa Francisco

Escolher, ser capaz de decidir por si mesmo parece ser a mais alta expressão de liberdade. E de certo modo o é. Mas a ideia de escolha que respiramos hoje é uma ideia de liberdade sem vínculos, sem compromissos e sempre com alguma via de fuga: “Eu escolho, no entanto …”. Há sempre um “porém”, que às vezes se torna maior que a escolha e a sufoca. É assim que a liberdade desmorona e não mantém mais suas promessas de vida e felicidade. E então concluímos que também a liberdade é um engano e que a felicidade não existe.

A liberdade de cada um é um grande presente, que não admite meias medidas. Mas como todo dom é para ser acolhido, e nós o recebemos na medida em que abrimos a mente, o coração, a vida … Com os “mas, boh, talvez, eu não sei …”, simplesmente o recusamos, e isso prova não termos entendido do que se trata e o quanto é importante. Claro, dizer “sim” pode provocar medo, causar ansiedade, encher sua cabeça com pensamentos negativos.

Vocês sabiam que mesmo nos tempos de Jesus havia ansiedade? Não é uma invenção tão recente. Aos seus discípulos, ele diz claramente: “Não busquem ansiosamente” (cf. Lc 12,29), tenham fé! Tenham confiança! Distingam o que é importante do que não é: sejam sábios. E acrescenta: ” “Pois onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração” (Lc 12:34).

Então devemos nos perguntar: onde está meu tesouro? Onde está a coisa que considero mais preciosa? Não muitas quinquilharias, mas a única pérola preciosa. Onde? Eis que essa é a fonte da minha alegria, é o lugar onde meu coração encontra casa, pelo qual vale a pena dizer “sim” e gastar sua vida. Deve ser realmente algo de imenso para valer assim tanto!

Então, amigos, entendam que a escolha do casamento, de formar uma família, ou a escolha de dedicar-se a Deus e aos irmãos na consagração é uma questão de ter encontrado este tesouro, o mais precioso. E agir de acordo. Porque é o Senhor que escondeu esse tesouro em sua vida para abençoá-la e torná-la frutífera. A escolha pelo tesouro significa escolher o caminho da gratidão e do reconhecimento, o caminho das bem-aventuranças.

Terceira pergunta é proposta por Dario, 27 anos, e diz respeito ao tema da fé e da busca de sentido.

Santo Padre, meu nome é Dario, tenho 27 anos e sou enfermeiro em cuidados paliativos.

Na vida são raros os momentos em que me confronto com a fé e nestas vezes entendi que as dúvidas superam as certezas, as perguntas que faço têm respostas pouco concretas e que eu não posso tocar com a mão, às vezes penso até mesmo que as respostas não são plausíveis.

Percebo que deveríamos empregar mais tempo nisto: é tão difícil em meio às muitas coisas que fazemos todos os dias … E não é fácil encontrar um guia que tenha tempo para o debate e a busca.

E depois existem as grandes perguntas: como é possível que um Deus grande e bom (assim me disseram dele) permite as injustiças no mundo? Por que os pobres e os marginalizados têm que sofrer tanto? Meu trabalho me coloca diariamente diante da morte e ver jovens mães ou pais de família abandonarem seus próprios filhos me faz perguntar: por que permitir isso?

A Igreja, mensageira da Palavra de Deus na terra, parece cada vez mais distante e fechada em seus rituais. Para os jovens, as “imposições” de cima já não são suficientes, precisamos de provas e de um testemunho sincero da Igreja que nos acompanhe e nos escute pelas dúvidas que a nossa geração coloca todos os dias. As glórias inúteis e os frequentes escândalos tornam a Igreja pouco credível aos nossos olhos.

Santo Padre, com que olhos podemos reler tudo isso?

Papa Francisco

Na oração do Pai Nosso, há um pedido: “Não nos induza à tentação”. Esta tradução italiana foi alterada recentemente, porque poderia parecer ambígua. Pode Deus Pai “nos induzir” à tentação? Ele pode enganar seus filhos? Claro que não. De fato, uma tradução mais apropriada é: «Não nos abandone à tentação». Nos impeça de fazer o mal, liberte-nos dos maus pensamentos … Às vezes as palavras, mesmo que falem de Deus, traem sua mensagem de amor. Às vezes somos nós que traímos o Evangelho.

Devemos nos escandalizar? Claro que podemos. Mas para que serve nos escandalizar-nos? Para se distanciar? Para se sentir melhor? Para decidir sair? Como se o rosto de uma Igreja autêntica não dependesse de cada um de nós, de cada batizado. O testemunho de fé e caridade entre os irmãos deve ser recíproco, circular, não haver alguém que testemunha e os outros fiquem assistindo, caso contrário, julgaremos a Igreja pelas notícias que passam na mídia e nos esquecemos quantas pequenas e escondidas obras de bem realizam os cristãos em nome do Senhor.

A Igreja não é só o Papa, bispos, os sacerdotes, mas todos os batizados, e cada um é convidado a torná-la mais rica de amor, mais capaz de comunhão, menos apegada às coisas terrenas. Se vocês, jovens, não participam da vida da Igreja, se não aceitam a mensagem do Evangelho, a Igreja fica mais pobre, perde a vitalidade! A beleza e a autenticidade da Igreja depende também de vocês. Os instrumentos para ouvir e compreender as boas palavras do Evangelho não faltam. Certamente cabe a vocês encontrar tempo, envolver-se nessa sabedoria repleta de doçura e de luz, mas também a mais subversiva que existe. Não se acredita se não acreditando, assim como não se ama se não amando.

Qual é o segredo? A oração É o diálogo com o Pai que dá alento à mente e ao coração. É na oração que as perguntas e súplicas de vocês encontrarão as palavras certas para subir ao céu. Então, mesmo diante do mal, da dor e da morte, vocês terão a força no Espírito Santo para acolher o mistério da vida e não perder a esperança”.

Após a terceira pergunta, uma jovem que perdeu a mobilidade de suas pernas foi levada ao palco. Com a ajuda de outra mulher (invisível aos olhos do público), ela executou uma pequena dança, dando a impressão de estar sentada. No final, ela foi ajudada a se levantar e sentar em uma cadeira de rodas. Um microfone foi levado a ela, que deixou uma breve mensagem de esperança. O Papa a saudou, sem acrescentar comentários e a Vigília de Oração então teve início.