Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Liturgia diária

dezembro/2019

  • 1º domingo do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 2,1-5

    1 Visão de Isaías, filho de Amós, sobre Judá e Jerusalém. 2 Acontecerá, nos últimos tempos, que o monte da casa do Senhor estará firmemente estabelecido no ponto mais alto das montanhas e dominará as colinas. A ele acorrerão todas as nações, 3 para lá irão numerosos povos e dirão: “Vamos subir ao monte do Senhor, à casa do Deus de Jacó, para que ele nos mostre seus caminhos e nos ensine a cumprir seus preceitos”; porque de Sião provém a lei e de Jerusalém, a palavra do Senhor. 4 Ele há de julgar as nações e arguir numerosos povos; estes transformarão suas espadas em arados e suas lanças em foices: não pegarão em armas uns contra os outros e não mais travarão combate. 5 Vinde, todos da casa de Jacó, e deixemo-nos guiar pela luz do Senhor.

    Palavra do Senhor.

    Sl: 121(122)

    Que alegria quando me disseram: / “Vamos à casa do Senhor!”

    Que alegria quando ouvi que me disseram: / “Vamos à casa do Senhor” /
    E agora nossos pés já se detêm, / Jerusalém, em tuas portas. – R.

    Para lá sobem as tribos de Israel, / as tribos do Senhor. / Para louvar, segundo a lei de Israel, /
    o nome do Senhor. / A sede da justiça lá está / e o trono de Davi. – R.

    Rogai que viva em paz Jerusalém / e em segurança os que te amam! /
    Que a paz habite dentro de teus muros, / tranquilidade em teus palácios! – R.

    Por amor a meus irmãos e meus amigos, / peço: “A paz esteja em ti!” /
    Pelo amor que tenho à casa do Senhor, / eu te desejo todo bem! – R.

    Romanos 13,11-14

    Irmãos, 11 vós sabeis em que tempo estamos, pois já é hora de despertar. Com efeito, agora a salvação está mais perto de nós do que quando abraçamos a fé. 12 A noite já vai adiantada, o dia vem chegando: despojemo-nos das ações das trevas e vistamos as armas da luz. 13 Procedamos honestamente, como em pleno dia: nada de glutonerias e bebedeiras, nem de orgias sexuais e imoralidades, nem de brigas e rivalidades. 14 Pelo contrário, revesti-vos do Senhor Jesus Cristo.

    Palavra do Senhor.

    Mateus 24,37-44

    Naquele tempo, Jesus disse aos seus discípulos: 37 “A vinda do Filho do homem será como no tempo de Noé. 38 Pois, nos dias antes do dilúvio, todos comiam e bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca. 39 E eles nada perceberam, até que veio o dilúvio e arrastou a todos. Assim acontecerá também na vinda do Filho do homem. 40 Dois homens estarão trabalhando no campo: um será levado e o outro será deixado. 41 Duas mulheres estarão moendo no moinho: uma será levada e a outra será deixada. 42 Portanto, ficai atentos, porque não sabeis em que dia virá o Senhor. 43 Compreendei bem isto: se o dono da casa soubesse a que horas viria o ladrão, certamente vigiaria e não deixaria que a sua casa fosse arrombada. 44 Por isso, também vós ficai preparados! Porque, na hora em que menos pensais, o Filho do homem virá”.

    Palavra da Salvação.

    “Ficai atentos e preparados!”.

    O tema central deste evangelho é a vigilância. E quatro expressões marcam bem essa orientação de Jesus: Ficai atentos! Ficai preparados! Na hora em que menos pensais, o Filho do Homem virá! Se soubesse a que horas, certamente vigiaria!

    Duas destes alertas são conselhos sobre a vigilância. Em primeiro, a atenção. Como cristãos, devemos ter atenção à nossa vida, ao modo como  vivemos os sacramentos que nos aproximam da misericórdia de Deus; a participação da comunidade, tendo como exemplo a comunidade dos apóstolos, através da participação nas celebrações dominicais da Eucaristia e na realização das obras de caridade ensinadas por Nosso Senhor. Em segundo, estar preparados. Estamos preparados quando estamos caminhando pelos caminhos de Jesus Cristo, caminho, verdade e vida, e enquanto estamos cumprindo os desígnios de amor do Pai que Jesus nos ensinou.

    Nas outras duas, Jesus está chamando a atenção de quem se descuida desta vigilância. Na hora em que menos pensais significa que não precisamos saber que hora estarmos preparados, porque o Reino dos Céus e os desígnios de amor do Pai já devem ser vividos aqui e agora. Não deixemos para a última hora o bem que podemos fazer gratuitamente hoje, porque se soubéssemos a que horas viria, certamente vigiaríamos!

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 2ª feira da 1ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 4,2-6

    2 Naquele dia, o povo do Senhor terá esplendor e glória, e o fruto da terra será de grande alegria para os sobreviventes de Israel. 3 Então, os que forem deixados em Sião, os sobreviventes de Jerusalém, serão chamados santos, a saber, todos os destinados à vida em Jerusalém. 4 Quando o Senhor tiver lavado as imundícies das filhas de Sião e limpado as manchas de sangue dentro de Jerusalém com espírito de justiça e de purificação, 5 ele criará, em todo o lugar do monte Sião e em suas assembleias, uma nuvem durante o dia e fumaça e clarão de chamas durante a noite: e será proteção para toda a sua glória, 6 uma tenda para dar sombra contra o calor do dia, abrigo e refúgio contra a ventania e a chuva.

    Palavra do Senhor.

    Sl 121(122)

    Que alegria quando me disseram: / “Vamos à casa do Senhor!”

    Que alegria quando ouvi que me disseram: / “Vamos à casa do Senhor!” /
    E agora nossos pés já se detêm, / Jerusalém, em tuas portas. – R.

    Jerusalém, cidade bem edificada / num conjunto harmonioso; /
    para lá sobem as tribos de Israel, / as tribos do Senhor. – R.

    Para louvar, segundo a lei de Israel, / o nome do Senhor. /
    A sede da justiça lá está / e o trono de Davi. – R.

    Rogai que viva em paz Jerusalém, / e em segurança os que te amam! /
    Que a paz habite dentro de teus muros, / tranquilidade em teus palácios! – R.

    Por amor a meus irmãos e meus amigos, / peço: “A paz esteja em ti!” /
    Pelo amor que tenho à casa do Senhor, / eu te desejo todo bem! – R.

    Mateus 8,5-11

    Naquele tempo, 5 quando Jesus entrou em Cafarnaum, um oficial romano aproximou-se dele, suplicando: 6 “Senhor, o meu empregado está de cama, lá em casa, sofrendo terrivelmente com uma paralisia”. 7 Jesus respondeu: “Vou curá-lo”. 8 O oficial disse: “Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa. Dize uma só palavra, e o meu empregado ficará curado. 9 Pois eu também sou subordinado e tenho soldados debaixo de minhas ordens. E digo a um: ‘Vai!’, e ele vai; e a outro: ‘Vem!’, e ele vem; e digo ao meu escravo: ‘Faze isto!’, e ele faz”. 10 Quando ouviu isso, Jesus ficou admirado e disse aos que o seguiam: “Em verdade vos digo, nunca encontrei em Israel alguém que tivesse tanta fé. 11 Eu vos digo, muitos virão do oriente e do ocidente e se sentarão à mesa no reino dos céus, junto com Abraão, Isaac e Jacó”.

    Palavra da Salvação.

    “Muitos virão do Oriente e do Ocidente para o Reino do Céu”.

    Quando Jesus afirma que “muitos virão do Oriente e do Ocidente” Ele quer indicar que virão de todas as culturas do mundo e não apenas de Israel, ou seja, não apenas dos judeus. Este é o primeiro ponto que chama atenção neste evangelho. Jesus está afirmando que a graça de sentar-se “à mesa no Reino dos Céus”, isto é, a Salvação, não é destinado apenas ao povo de Israel, mas para todos os povos mediante a fé.

    Noutra passagem, quando um jovem rico quer entrar no Reino, Jesus é exigente com ele justamente porque ele já segue os preceitos da lei (Mt 19,20), portanto, deve saber como segui-la mais radicalmente. Já o centurião, neste caso, não conhece a lei, mas conhece a misericórdia. Além da esperança mediante a fé, o centurião ainda nos dá um exemplo de caridade intercedendo por seu empregado. O empregado provavelmente não tem condições de retribuir o esforço do seu senhor, mas mesmo assim, ele se compadece e recorre a Jesus confiante que ele o atenderá, não por seu merecimento ou por retribuição, mas porque quem conhece a Caridade conhece quem a pratica.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 3ª feira da 1ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de São Francisco Xavier

    Isaías 11,1-10

    Naquele dia, 1 nascerá uma haste do tronco de Jessé e, a partir da raiz, surgirá o rebento de uma flor. 2 Sobre ele repousará o Espírito do Senhor: espírito de sabedoria e discernimento, espírito de conselho e fortaleza, espírito de ciência e temor de Deus; 3 no temor do Senhor encontra ele seu prazer. Ele não julgará pelas aparências que vê nem decidirá somente por ouvir dizer, 4 mas trará justiça para os humildes e uma ordem justa para os homens pacíficos; fustigará a terra com a força da sua palavra e destruirá o mau com o sopro dos lábios. 5 Cingirá a cintura com a correia da justiça e as costas com a faixa da fidelidade. 6 O lobo e o cordeiro viverão juntos, e o leopardo deitar-se-á ao lado do cabrito; o bezerro e o leão comerão juntos, e até mesmo uma criança poderá tangê-los. 7 A vaca e o urso pastarão lado a lado, enquanto suas crias descansam juntas; o leão comerá palha como o boi; 8 a criança de peito vai brincar em cima do buraco da cobra venenosa; e o menino desmamado não temerá pôr a mão na toca da serpente. 9 Não haverá danos nem mortes por todo o meu santo monte: a terra estará tão repleta do saber do Senhor quanto as águas que cobrem o mar. 10 Naquele dia, a raiz de Jessé se erguerá como um sinal entre os povos; hão de buscá-la as nações, e gloriosa será a sua morada.

    Palavra do Senhor.

    Sl 71(72)

    Nos seus dias, a justiça florirá / e paz em abundância, para sempre.

    Dai ao rei vossos poderes, Senhor Deus, / vossa justiça ao descendente da realeza! / Com justiça ele governe o vosso povo, / com equidade ele julgue os vossos pobres. – R.

    Nos seus dias, a justiça florirá / e grande paz, até que a lua perca o brilho! / De mar a mar estenderá o seu domínio, / e desde o rio até os confins de toda a terra! – R.

    Libertará o indigente que suplica / e o pobre ao qual ninguém quer ajudar. / Terá pena do indigente e do infeliz, / e a vida dos humildes salvará. – R.

    Seja bendito o seu nome para sempre! / E que dure como o sol sua memória! / Todos os povos serão nele abençoados, / todas as gentes cantarão o seu louvor! – R.

    Lucas 10,21-24

    21 Naquele momento, Jesus exultou no Espírito Santo e disse: “Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. 22 Tudo me foi entregue pelo meu Pai. Ninguém conhece quem é o Filho, a não ser o Pai; e ninguém conhece quem é o Pai, a não ser o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar”. 23 Jesus voltou-se para os discípulos e disse-lhes em particular: “Felizes os olhos que veem o que vós vedes! 24 Pois eu vos digo que muitos profetas e reis quiseram ver o que estais vendo e não puderam ver; quiseram ouvir o que estais ouvindo e não puderam ouvir”.

    Palavra da Salvação.

    “Jesus exulta no Espírito Santo”.

    A alegria do Servo de Deus é ver a vontade do Pai se concretizar. Por isso, Jesus se alegra com os pequeninos deste mundo, porque foi do agrado do Pai revelar seus mistérios a eles e não aos sábios e inteligentes que buscam desvendar os Mistérios por seu próprio esforço. Jesus é a máxima revelação do Pai para os pobres e puros de coração (Mt 6,8), porque apenas estes pequeninos podem ver a Deus. E para que isso aconteça é necessário que Jesus mesmo O revele, pois apenas Ele conhece verdadeiramente o Pai e apenas Ele pode revelá-lo através do Espírito Santo.

    Busquemos cultivar a pobreza e a pureza do coração para, cada dia mais, abrirmos espaço para que o Espírito Santo possa encontrar morada e um espaço indiviso em nós e assim, nossos olhares poderão abrir-se verdadeiramente para ver em Nosso Senhor Jesus Cristo o Mistério da Criação perfeita do Pai.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 4ª feira da 1ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de São João Damasceno, doutor da Igreja

    Isaías 25,6-10

    Naquele dia, 6 o Senhor dos exércitos dará neste monte, para todos os povos, um banquete de ricas iguarias, regado com vinho puro, servido de pratos deliciosos e dos mais finos vinhos. 7 Ele removerá, neste monte, a ponta da cadeia que ligava todos os povos, a teia em que tinha envolvido todas as nações. 8 O Senhor Deus eliminará para sempre a morte, e enxugará as lágrimas de todas as faces, e acabará com a desonra do seu povo em toda a terra; o Senhor o disse. 9Naquele dia se dirá: “Este é o nosso Deus, esperamos nele, até que nos salvou; este é o Senhor, nele temos confiado: vamos alegrar-nos e exultar por nos ter salvo”. 10 E a mão do Senhor repousará sobre este monte.

    Palavra do Senhor.

    Sl 22(23)

    Na casa do Senhor habitarei pelos tempos infinitos.

    O Senhor é o pastor que me conduz; / não me falta coisa alguma. /
    Pelos prados e campinas verdejantes / ele me leva a descansar. /
    Para as águas repousantes me encaminha / e restaura as minhas forças. – R.

    Ele me guia no caminho mais seguro / pela honra do seu nome. /
    Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, / nenhum mal eu temerei. /
    Estais comigo com bastão e com cajado, / eles me dão a segurança! – R.

    Preparais à minha frente uma mesa, / bem à vista do inimigo; /
    com óleo vós ungis minha cabeça, / e o meu cálice transborda. – R.

    Felicidade e todo bem hão de seguir-me / por toda a minha vida; /
    e na casa do Senhor habitarei / pelos tempos infinitos. – R.

    Mateus 15,29-37

    Naquele tempo, 29 Jesus foi para as margens do mar da Galileia, subiu a montanha e sentou-se. 30 Numerosas multidões aproximaram-se dele, levando consigo coxos, aleijados, cegos, mudos e muitos outros doentes. Então os colocaram aos pés de Jesus. E ele os curou. 31 O povo ficou admirado quando viu os mudos falando, os aleijados sendo curados, os coxos andando e os cegos enxergando. E glorificaram o Deus de Israel. 32 Jesus chamou seus discípulos e disse: “Tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que está comigo, e nada tem para comer. Não quero mandá-los embora com fome, para que não desmaiem pelo caminho”. 33 Os discípulos disseram: “Onde vamos buscar, neste deserto, tantos pães para saciar tão grande multidão?” 34 Jesus perguntou: “Quantos pães tendes?” Eles responderam: “Sete e alguns peixinhos”. 35 E Jesus mandou que a multidão se sentasse pelo chão. 36 Depois pegou os sete pães e os peixes, deu graças, partiu-os e os dava aos discípulos, e os discípulos, às multidões. 37 Todos comeram e ficaram satisfeitos; e encheram sete cestos com os pedaços que sobraram.

    Palavra da Salvação.

    “Jesus cura muitos e multiplica os pães”.

    A compaixão de Jesus pelas limitações da humanidade é imensa. A começar pela sua humildade porque, sendo Ele de condição Divina, humilhou-se se fazendo semelhante à humanidade até a morte de Cruz (Fl 2,6) e, fazendo-se homem, sentiu os sentimentos humanos, alegrou-se e chorou. Jesus via de perto as dores das multidões e curava suas feridas físicas e espirituais.

    Todos podiam olhar para Jesus e ver alguém como eles, mas em nenhum momento Jesus deixou de ter a Misericórdia Divina e o pão que Ele multiplica e partilha não é apenas pão material que sacia o corpo, mas é também pão espiritual que sacia o espírito e fortalece a fé e a esperança além de ser oferecido em abundância.

    O maior benefício que alguém humilhado e sofrido pelas dores da vida pode querer é a compaixão por suas dores e Jesus diz: Tenho compaixão da multidão. Cada vez que olhamos para um irmão e queremos partilhar com ele sua dor, temos compaixão dele e, tendo compaixão de nossos irmãos manifestamos o Amor de Cristo a ele.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 5ª feira da 1ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 26,1-6

    1 Naquele dia, cantarão este canto em Judá: “Uma cidade fortificada é a nossa segurança; o Senhor cercou-a de muros e antemuro. 2 Abri as suas portas, para que entre um povo justo, cumpridor da palavra, 3 firme em seu propósito; e tu lhe conservarás a paz, porque confia em ti. 4 Esperai no Senhor por todos os tempos, o Senhor é a rocha eterna. 5 Ele derrubou os que habitam no alto, há de humilhar a cidade orgulhosa, deitando-a por terra até fazê-la beijar o chão. 6 Hão de pisá-la os pés, os pés dos pobres, as passadas dos humildes”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 117(118)

    Bendito é aquele que vem vindo em nome do Senhor!

    Dai graças ao Senhor, porque ele é bom! / “Eterna é a sua misericórdia!” /
    É melhor buscar refúgio no Senhor / do que pôr no ser humano a esperança; /
    é melhor buscar refúgio no Senhor / do que contar com os poderosos deste mundo! – R.

    Abri-me vós, abri-me as portas da justiça; / quero entrar para dar graças ao Senhor! /
    “Sim, esta é a porta do Senhor, / por ela só os justos entrarão!” /
    Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes / e vos tornastes para mim o salvador! – R.

    “Ó Senhor, dai-nos a vossa salvação, / ó Senhor, dai-nos também prosperidade!” /
    Bendito seja, em nome do Senhor, / aquele que em seus átrios vai entrando! /
    Desta casa do Senhor vos bendizemos. / Que o Senhor e nosso Deus nos ilumine! – R.

    Mateus 7,21.24-27

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 21 “Nem todo aquele que me diz: ‘Senhor, Senhor’, entrará no reino dos céus, mas o que põe em prática a vontade de meu Pai que está nos céus. 24 Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática é como um homem prudente, que construiu sua casa sobre a rocha. 25 Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não caiu, porque estava construída sobre a rocha. 26 Por outro lado, quem ouve estas minhas palavras e não as põe em prática é como um homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia. 27 Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos sopraram e deram contra a casa, e a casa caiu, e sua ruína foi completa!”

    Palavra da Salvação.

    “Aquele que faz a vontade de meu Pai entrará no Reino dos Céus”.

    O Evangelho de hoje nos fala de fazer a Vontade do Pai. Se, no cotidiano, muitas vezes parece que não conseguimos concretizar nossa vontade, é porque vivemos presos em nossos desejos de posse e controle que nos conduzem a estar sempre “por cima”, ter a razão, sermos os melhores no que fazemos, termos as melhores e mais avançadas tecnologias, andarmos sempre na última moda.

    Cumprir a vontade do Pai vai nos fazer passar por essas mesmas situações da vida e sermos felizes com o que conseguimos sem estarmos necessariamente “por cima”. Jesus diz que cumprir a vontade do Pai é o mesmo que pôr em prática suas palavras. E quais são as palavras mais comuns usadas por Jesus? Amar, perdoar, compaixão, acreditar, fé, alegria, entre outras. Se elencarmos essas palavras-chave ditas por Jesus e as inserirmos no nosso cotidiano, aos poucos nos exercitamos em cumprir a vontade do Pai, fazemos nossa a sua vontade e seremos cada dia mais realizados.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 6ª feira da 1ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de São Nicolau

    Isaías 29,17-24

    Assim fala o Senhor Deus: 17 “Dentro de pouco tempo, não se transformará o Líbano em jardim? E não poderá o jardim tornar-se floresta? 18 Naquele dia, os surdos ouvirão as palavras do livro, e os olhos dos cegos verão no meio das trevas e das sombras. 19 Os humildes aumentarão sua alegria no Senhor, e os mais pobres dos homens se rejubilarão no santo de Israel. 20 Fracassou o prepotente, desapareceu o trapaceiro e sucumbiram todos os malfeitores precoces, 21 os que faziam os outros pecar por palavras, e armavam ciladas ao juiz à porta da cidade, e atacavam o justo com palavras falsas”. 22 Isto diz o Senhor à casa de Jacó, ele que libertou Abraão: “Agora, Jacó não mais terá que envergonhar-se nem seu rosto terá que enrubescer; 23 quando contemplarem as obras de minhas mãos, hão de honrar meu nome no meio do povo, honrarão o santo de Jacó e temerão o Deus de Israel; 24 os homens de espírito inconstante conseguirão sabedoria, e os maldizentes concordarão em aprender”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 26(27)

    O Senhor é minha luz e salvação.

    O Senhor é minha luz e salvação; / de quem eu terei medo? /
    O Senhor é a proteção da minha vida; / perante quem eu tremerei? – R.

    Ao Senhor eu peço apenas uma coisa, / e é só isto que eu desejo: /
    habitar no santuário do Senhor / por toda a minha vida; / saborear a suavidade do Senhor /
    e contemplá-lo no seu templo. – R.

    Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver / na terra dos viventes. /
    Espera no Senhor e tem coragem, / espera no Senhor! – R.

    Mateus 9,27-31

    Naquele tempo, 27 partindo Jesus, dois cegos o seguiram, gritando: “Tem piedade de nós, filho de Davi!” 28 Quando Jesus entrou em casa, os cegos se aproximaram dele. Então, Jesus perguntou-lhes: “Vós acreditais que eu posso fazer isso?” Eles responderam: “Sim, Senhor”. 29 Então Jesus tocou nos olhos deles, dizendo: “Faça-se conforme a vossa fé”. 30 E os olhos deles se abriram. Jesus os advertiu severamente: “Tomai cuidado para que ninguém fique sabendo”. 31 Mas eles saíram e espalharam sua fama por toda aquela região.

    Palavra da Salvação.

    “Dois cegos, crendo em Jesus, são curados”.

    Estes dois homens cegos podem simbolizar todo o povo de Deus que, mesmo crendo em Jesus, não conseguem ver com clareza de espírito aquilo que Ele nos manifesta. Os dois homens seguem Jesus pelo caminho pedindo que tenha piedade deles, mas, é somente quando Jesus entra numa casa que eles conseguem se aproximar verdadeiramente d’Ele. Esta casa pode ser nosso coração quando cultivamos um local propício para o encontro com Jesus dentro dele, ali poderemos nos encontrar face a face com Ele e manifestar nosso pedido mais profundo.

    Antes de Jesus curar suas cegueiras, Ele lhes pergunta “Vós acreditais que eu posso fazer isso?” Esta é uma pergunta constante de Jesus nos Evangelhos, Ele sempre pede uma manifestação de fé aos que lhe pedem socorro. Isso porque Jesus está sempre oferecendo auxílio e esperando que aceitemos sua misericórdia. Por isso, quando Ele diz “faça-se conforme a vossa fé” é como se Ele dissesse: “Eu quero vos curar, se vocês aceitarem ser curados, e acreditarem nisso, faça-se conforme a vossa fé”.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • Sábado da 1ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de Santo Ambrósio, doutor da Igreja

    Isaías 30,19-21.23-26

    Assim fala o Senhor, o santo de Israel: 19 “Povo de Sião, que habitas em Jerusalém, não terás motivo algum para chorar: ele se comoverá à voz do teu clamor; logo que te ouvir, ele atenderá. 20 O Senhor decerto dará a todos o pão da angústia e a água da aflição, não se apartará mais de ti o teu mestre; teus olhos poderão vê-lo 21 e teus ouvidos poderão ouvir a palavra de aviso atrás de ti: ‘O caminho é este para todos, segui por ele, sem desviar-vos à direita ou à esquerda’. 23 Ele te dará chuva para a semente que tiveres semeado na terra, e o fruto da terra será abundante e rico; nesse dia, o teu rebanho pastará em vastas pastagens, 24 teus bois e os animais que lavram a terra comerão forragem salgada, limpa com pá e peneira. 25 Haverá em toda montanha alta e em toda colina elevada arroios de água corrente, num dia em que muitos serão mortos com o desabamento de seus torreões. 26 A lua brilhará como a luz do sol, e o sol brilhará sete vezes mais, como a luz de sete dias, no dia em que o Senhor curar a ferida de seu povo e fizer sarar a lesão de sua chaga”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 146(147A)

    Felizes são aqueles que esperam no Senhor!

    Louvai o Senhor Deus, porque ele é bom, † cantai ao nosso Deus, porque é suave: /
    ele é digno de louvor, ele o merece! / O Senhor reconstruiu Jerusalém / e os dispersos de Israel juntou de novo. – R.

    Ele conforta os corações despedaçados, / ele enfaixa suas feridas e as cura; /
    fixa o número de todas as estrelas / e chama a cada uma por seu nome. – R.

    É grande e onipotente o nosso Deus, / seu saber não tem medida nem limites. /
    O Senhor Deus é o amparo dos humildes, / mas dobra até o chão os que são ímpios. – R.

    Mateus 9,35-10,1.6-8

    Naquele tempo, 35 Jesus percorria todas as cidades e povoados, ensinando em suas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando todo tipo de doença e enfermidade. 36 Vendo Jesus as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam cansadas e abatidas como ovelhas que não têm pastor. Então disse a seus discípulos: 37 “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. 38 Pedi, pois, ao dono da messe que envie trabalhadores para a sua colheita!” 10,1 E, chamando os seus doze discípulos, deu-lhes poder para expulsarem os espíritos maus e para curarem todo tipo de doença e enfermidade. Enviou-os com as seguintes recomendações: 6 “Ide, antes, às ovelhas perdidas da casa de Israel! 7 Em vosso caminho, anunciai: ‘O reino dos céus está próximo’. 8 Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios. De graça recebestes, de graça deveis dar!”

    Palavra da Salvação.

    “Vendo Jesus as multidões, compadeceu-se delas”.

    Jesus se compadece das multidões porque estão cansadas e abatidas, como ovelhas que não tem pastor. Ele que é o Bom Pastor não quer ver suas ovelhas assim. Ao mesmo tempo, Ele sabe que seu rebanho é muito grande e nem todas as suas ovelhas vão até ele sozinhas. Por isso, estende os seus cuidados de Bom Pastor aos seus discípulos para que eles reúnam o povo em torno d’Ele.

    Jesus ainda vê que seu povo, que anseia por estar junto d’Ele, sofre de muitos males neste mundo e por isso seus discípulos são enviados a curar as feridas físicas e espirituais do povo sem deixar de clamar ao Senhor da messe para que envie novos operários para cuidar do rebanho e sem deixar de anunciar o cerne da mensagem de Jesus que é: “O Reino dos Céus está próximo!”.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • Imaculada Conceição

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 3,9-15.20

    9 O Senhor Deus chamou Adão, dizendo: “Onde estás?” 10 E ele respondeu: “Ouvi tua voz no jardim e fiquei com medo, porque estava nu; e me escondi”. 11 Disse-lhe o Senhor Deus: “E quem te disse que estavas nu? Então comeste da árvore de cujo fruto te proibi comer?” 12 Adão disse: “A mulher que tu me deste por companheira, foi ela que me deu do fruto da árvore, e eu comi”. 13 Disse o Senhor Deus à mulher: “Por que fizeste isso?” E a mulher respondeu: “A serpente enganou-me, e eu comi”. 14 Então o Senhor Deus disse à serpente: “Porque fizeste isso, serás maldita entre todos os animais domésticos e todos os animais selvagens! Rastejarás sobre o ventre e comerás pó todos os dias da tua vida! 15 Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”. 20 E Adão chamou à sua mulher Eva, porque ela é a mãe de todos os viventes.

    Palavra do Senhor.

    Sl 97(98)

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / porque ele fez prodígios!

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / porque ele fez prodígios! /
    Sua mão e o seu braço forte e santo / alcançaram-lhe a vitória. – R.

    O Senhor fez conhecer a salvação, / e às nações, sua justiça; /
    recordou o seu amor sempre fiel / pela casa de Israel. – R.

    Os confins do universo contemplaram / a salvação do nosso Deus. /
    Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, / alegrai-vos e exultai! – R.

    Efésios 1,3-6.11-12

    3 Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Ele nos abençoou com toda a bênção do seu Espírito em virtude de nossa união com Cristo, no céu. 4 Em Cristo, ele nos escolheu, antes da fundação do mundo, para que sejamos santos e irrepreensíveis sob o seu olhar, no amor. 5 Ele nos predestinou para sermos seus filhos adotivos por intermédio de Jesus Cristo, conforme a decisão da sua vontade, 6 para o louvor da sua glória e da graça com que ele nos cumulou no seu bem-amado. 11 Nele também nós recebemos a nossa parte. Segundo o projeto daquele que conduz tudo conforme a decisão de sua vontade, nós fomos predestinados 12 a ser, para o louvor de sua glória, os que de antemão colocaram a sua esperança em Cristo.

    Palavra do Senhor.

    Lucas 1,26-38

    Naquele tempo, 26 no sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27 a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi, e o nome da virgem era Maria. 28 O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!” 29 Maria ficou perturbada com essas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. 30 O anjo, então, disse-lhe: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. 31 Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. 32 Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. 33 Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim”. 34 Maria perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso se eu não conheço homem algum?” 35 O anjo respondeu: “O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado santo, Filho de Deus. 36 Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, 37 porque para Deus nada é impossível”. 38 Maria, então, disse: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!” E o anjo retirou-se.

    Palavra da Salvação.

    “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!”.

    O centro de toda Celebração Litúrgica é o Mistério de Cristo e, hoje, no dia em que celebramos o dia da Imaculada Conceição de Nossa Senhora, ela se torna para nós instrumento para contemplarmos a humildade da ação de Deus, afim de nos salvar de nossas próprias culpas.

    A humildade do pobre casal, Maria e José, na pequena cidade de Nazaré, pode ser para nós sinal de nossa pequenez diante da grandeza indizível de Deus, que nos oferece seu Amor gratuito, o que para nós é a Perfeita Alegria.

    O que mais nos perturba em todo esse mistério do amor de Deus é justamente esta gratuidade da graça que d’Ele recebemos, porque cada um de nós, conhecendo suas culpas, não se julga digno de Deus. Mas Deus não julga como nós e não há culpa tão grande que a graça de Deus não supere, porque para Deus nada é impossível.

    Neste dia de hoje, alegremo-nos com Deus que faz o impossível e coloquemo-nos totalmente à disposição de sua obra redentora, que no seu amor nos predestinou a sermos adotados como filhos seus por Jesus Cristo, e a exemplo de Maria Virgem e Mãe, digamos a Ele faça-se em mim segundo a Tua Palavra!

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 2ª feira da 2ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 35,1-10

    1 Alegre-se a terra que era deserta e intransitável, exulte a solidão e floresça como um lírio. 2Germine e exulte de alegria e louvores. Foi-lhe dada a glória do Líbano, o esplendor do Carmelo e de Saron; seus habitantes verão a glória do Senhor, a majestade do nosso Deus. 3 Fortalecei as mãos enfraquecidas e firmai os joelhos debilitados. 4 Dizei às pessoas deprimidas: “Criai ânimo, não tenhais medo! Vede, é vosso Deus, é a vingança que vem, é a recompensa de Deus; é ele que vem para vos salvar”. 5 Então se abrirão os olhos dos cegos e se descerrarão os ouvidos dos surdos. 6 O coxo saltará como um cervo e se desatará a língua dos mudos, assim como brotarão águas no deserto e jorrarão torrentes no ermo. 7 A terra árida se transformará em lago, e a região sedenta, em fontes de água; nas cavernas onde viviam dragões crescerá o caniço e o junco. 8 Ali haverá uma vereda e um caminho; o caminho se chamará estrada santa: por ela não passará o impuro, mas será uma estrada reta em que até os débeis não se perderão. 9 Ali não existem leões, não andam por ela animais depredadores, nem mesmo aparecem lá; os que forem libertados poderão percorrê-la, 10 os que o Senhor salvou voltarão para casa. Eles virão a Sião cantando louvores, com infinita alegria brilhando em seus rostos: cheios de gozo e contentamento, não mais conhecerão a dor e o pranto.

    Palavra do Senhor.

    Sl 84(85)

    Eis que vem o nosso Deus! Ele vem para salvar.

    Quero ouvir o que o Senhor irá falar: / é a paz que ele vai anunciar; /
    a paz para o seu povo e seus amigos, / para os que voltam ao Senhor seu coração. /
    Está perto a salvação dos que o temem, / e a glória habitará em nossa terra. – R.

    A verdade e o amor se encontrarão, / a justiça e a paz se abraçarão; /
    da terra brotará a fidelidade, / e a justiça olhará dos altos céus. – R.

    O Senhor nos dará tudo o que é bom, / e a nossa terra nos dará suas colheitas; /
    a justiça andará na sua frente, / e a salvação há de seguir os passos seus. – R.

    Lucas 5,17-26

    17 Um dia Jesus estava ensinando. À sua volta estavam sentados fariseus e doutores da lei, vindos de todas as aldeias da Galileia, da Judeia e de Jerusalém. E a virtude do Senhor o levava a curar. 18 Uns homens traziam um paralítico num leito e procuravam fazê-lo entrar para apresentá-lo. 19 Mas, não achando por onde introduzi-lo devido à multidão, subiram ao telhado e, por entre as telhas, o desceram com o leito no meio da assembleia, diante de Jesus. 20 Vendo-lhes a fé, ele disse: “Homem, teus pecados estão perdoados”. 21 Os escribas e fariseus começaram a murmurar, dizendo: “Quem é este que assim blasfema? Quem pode perdoar os pecados senão Deus?” 22 Conhecendo-lhes os pensamentos, Jesus respondeu, dizendo: “Por que murmurais em vossos corações? 23 O que é mais fácil, dizer: ‘Teus pecados estão perdoados’ ou dizer: ‘Levanta-te e anda’? 24 Pois, para que saibais que o Filho do homem tem na terra poder de perdoar os pecados” – disse ao paralítico –, “eu te digo: levanta-te, pega o leito e vai para casa”. 25 Imediatamente, diante deles, ele se levantou, tomou o leito e foi para casa, louvando a Deus. 26 Todos ficaram fora de si, glorificavam a Deus e, cheios de temor, diziam: “Hoje vimos coisas maravilhosas!”

    Palavra da Salvação.

    “Hoje vimos coisas maravilhosas!”.

    Essa passagem do Evangelho é um exemplo de fé e de força em comunidade. Lucas conta que uns homens traziam um paralítico num leito para apresentá-lo a Jesus, mas não conseguiam devido a multidão. Mesmo diante dessa situação e da tentação de desistir, estes perseveram em favor do paralítico a ponto de descê-lo pelo telhado da casa. Quem tem fé persevera até o fim, sobretudo a comunidade reunida com fé, pois ela é capaz de ultrapassar qualquer barreira para reerguer um de seus membros.

    Tão louvável é essa atitude que Jesus perdoa os pecados ao paralítico por ver a fé da comunidade que se reunia para ajudá-lo. Além da maravilha de perdoar os pecados e de devolver-lhe a saúde, uma maravilha maior ainda é vista na comunidade que unida intercede por um membro seu. Um milagre de Jesus que acontece ainda hoje e sempre se renovará. O que os fariseus e mestres da lei não veem é a capacidade de Jesus de unir todos os povos ao seu redor para ouvir a vontade de Deus.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 3ª feira da 2ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de Santa Joana Francisca de Chantal

    Isaías 40,1-11

    1 Consolai o meu povo, consolai-o! – diz o vosso Deus. 2 Falai ao coração de Jerusalém e dizei em alta voz que sua servidão acabou e a expiação de suas culpas foi cumprida; ela recebeu das mãos do Senhor o dobro por todos os seus pecados. 3 Grita uma voz: “Preparai no deserto o caminho do Senhor, aplainai na solidão a estrada de nosso Deus. 4 Nivelem-se todos os vales, rebaixem-se todos os montes e colinas; endireite-se o que é torto e alisem-se as asperezas: 5 a glória do Senhor então se manifestará, e todos os homens verão juntamente o que a boca do Senhor falou”. 6 Dizia uma voz: “Grita!” E respondi: “O que devo gritar?” A criatura humana é feno, toda a sua glória é como flor do campo; 7 seca o feno, murcha a flor, ao soprar o Senhor sobre eles. Sim, o povo é feno. 8 Seca o feno, murcha a flor, mas a palavra de nosso Deus fica para sempre. 9 Sobe a um alto monte, tu, que trazes a boa-nova a Sião; levanta com força a tua voz, tu, que trazes a boa-nova a Jerusalém, ergue a voz, não temas; dize às cidades de Judá: “Eis o vosso Deus, 10 eis que o Senhor Deus vem com poder, seu braço tudo domina; eis, com ele, sua conquista, eis à sua frente a vitória. 11 Como um pastor, ele apascenta o rebanho, reúne, com a força dos braços, os cordeiros e carrega-os ao colo; ele mesmo tange as ovelhas-mães”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 95(96)

    Olhai e vede: o nosso Deus vem com poder!

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! /
    Cantai e bendizei seu santo nome! / Dia após dia anunciai sua salvação. – R.

    Manifestai a sua glória entre as nações / e, entre os povos do universo, seus prodígios! /
    Publicai entre as nações: “Reina o Senhor!”, / e os povos ele julga com justiça. – R.

    O céu se rejubile e exulte a terra, / aplauda o mar com o que vive em suas águas; /
    os campos com seus frutos rejubilem, / e exultem as florestas e as matas. – R.

    Na presença do Senhor, pois ele vem, / porque vem para julgar a terra inteira. /
    Governará o mundo todo com justiça, / e os povos julgará com lealdade. – R.

    Mateus 18,12-14

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 12 “Que vos parece? Se um homem tem cem ovelhas e uma delas se perde, não deixa ele as noventa e nove nas montanhas, para procurar aquela que se perdeu? 13 Em verdade vos digo, se ele a encontrar, ficará mais feliz com ela do que com as noventa e nove que não se perderam. 14 Do mesmo modo, o Pai que está nos céus não deseja que se perca nenhum desses pequeninos”.

    Palavra da Salvação.

    “Deus não deseja que se perca nenhum desses pequeninos”.

    “Que vos parece?” Jesus direciona essa pergunta aos seus discípulos depois de eles terem questionado “Quem é o maior no Reino dos Céus?” (Mt 18,1). E hoje, ao lermos este Evangelho, somos provocados por esta pergunta que antecede à parábola, portanto tenhamos viva esta pergunta enquanto a lemos.

    Um pastor que tem cem ovelhas, ao perder uma de vista, não vai à sua procura? E não se alegra grandemente ao encontrá-la? Não fica ele mais feliz tendo a encontrado do que antes de tê-la perdido? Que vos parece? Era o desejo desse pastor perder esta ovelha? Ou ele preferia ter sempre as cem ovelhas junto de si? Não seria ele muito feliz se pudesse dizer que jamais perdeu uma ovelha sequer? Que vos parece? Acaso alguém anseia por perder algo para se alegrar ou prefere ser feliz sem jamais perder aquilo que ama? Mesmo assim, quem perde algo não parece muito mais feliz por encontrar o que perdeu? Que vos parece? Da mesma forma Deus não deseja que se perca nenhum de seus pequeninos amados, mas quando reencontra um desses que estava perdido há muito mais júbilo no Reino dos Céus porque o que estava morto tornou a viver (Lc 15,32).

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 4ª feira da 2ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de São Dâmaso I, Papa

    Isaías 40,25-31

    25 “Com quem haveis de me comparar, e a quem seria eu igual?”, fala o Santo. 26 Levantai os olhos para o alto e vede: quem criou tudo isso? Aquele que expressa em números o exército das estrelas e a cada uma chama pelo nome: tal é a grandeza e força e poder de Deus, que nenhuma delas falta à chamada. 27 Então, por que dizes, Jacó, e por que falas, Israel: “Minha vida ocultou-se da vista do Senhor, e meu julgamento escapa ao do meu Deus”? 28 Acaso ignoras ou não ouviste? O Senhor é o Deus eterno que criou os confins da terra; ele não falha nem se cansa, insondável é sua sabedoria; 29 ele dá coragem ao desvalido e aumenta o vigor do mais fraco. 30 Cansam-se as crianças e param, os jovens tropeçam e caem, 31 mas os que esperam no Senhor renovam suas forças, criam asas como as águias, correm sem se cansar, caminham sem parar.

    Palavra do Senhor.

    Sl 102(103)

    Bendize, ó minha alma, ao Senhor.

    Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / e todo o meu ser, seu santo nome! /
    Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / não te esqueças de nenhum de seus favores! – R.

    Pois ele te perdoa toda culpa / e cura toda a tua enfermidade; /
    da sepultura ele salva a tua vida / e te cerca de carinho e compaixão. – R.

    O Senhor é indulgente, é favorável, / é paciente, é bondoso e compassivo. /
    Não nos trata como exigem nossas faltas / nem nos pune em proporção às nossas culpas. – R.

    Mateus 11,28-30

    Naquele tempo, tomou Jesus a palavra e disse: 28 “Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. 29 Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. 30 Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.

    Palavra da Salvação.

    “Vinde a mim todos vós que estais cansados”.

    Eis que o Senhor vem ao nosso encontro, de forma especial neste tempo litúrgico do Advento, em que a Igreja faz memória da futura vinda gloriosa de Cristo e sua encarnação na humanidade, assumindo a forma de um menino.

    “Vinde a mim todos vós…”, diz Jesus num convite particular a cada um de nós a caminharmos de forma livre e alegre a seu encontro. Cristo quer nos dar a água viva que saciará a nossa sede de um Deus Vivo. Senhor poderoso. Em sua íntima relação com o Pai, Jesus tem o poder de conectar toda a humanidade ao amor do Pai, que Ele mesmo experimenta. O Espírito é o grande dom que o Pai nos concede: através dele, entramos de maneira tão profunda neste mistério de vida e amor da Trindade Santa.

    Não importa para o Senhor o peso que trazemos em nossos corações, pois Ele mesmo nos aliviará. Só Ele tem o poder necessário de nos libertar de nossas aflições e deixar-nos leves para sermos elevados ao seu amor. Confiemos, portanto, em Deus e nada na vida será impossível de ser suportado, pois o amor é o maior mandamento.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 5ª feira da 2ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Festa de Nossa Senhora de Guadalupe

    Gálatas 4,4-7

    Irmãos, 4 quando se completou o tempo previsto, Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher, nascido sujeito à lei, 5 a fim de resgatar os que eram sujeitos à lei e para que todos recebêssemos a filiação adotiva. 6 E porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito do seu Filho, que clama: Abá – ó Pai! 7 Assim já não és mais escravo, mas filho; e se és filho, és também herdeiro, tudo isso por graça de Deus.

    Palavra do Senhor.

    Sl 95(96)

    Manifestai a sua glória entre as nações.

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, † cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! /
    Cantai e bendizei seu santo nome! – R.

    Dia após dia anunciai sua salvação, † manifestai a sua glória entre as nações /
    e, entre os povos do universo, seus prodígios! – R.

    Publicai entre as nações: “Reina o Senhor! † Ele firmou o universo inabalável, /
    e os povos ele julga com justiça”. – R.

    Lucas 1,39-47

    39 Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. 40 Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41 Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42 Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! 43 Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44 Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45 Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”. 46 Então Maria disse: “A minha alma engrandece o Senhor, 47 e o meu espírito se alegra em Deus, meu salvador”.

    Palavra da Salvação.

    “Bendita és tu entre as mulheres e bendito o fruto do teu ventre!”.

    Maria é exemplo de dedicação, doação e missão. Mesmo padecendo ela mesma dos fardos de uma gravidez, pois trazia em si o Salvador, não mede esforços para ajudar sua prima Santa Isabel, que sofre as angústias da gravidez na velhice.

    Por seu sim generoso, a Mãe de Deus doa-se largamente ao projeto do Pai, que deseja estender sua salvação até os confins da terra a todas as nações. Por isso que nossa querida intercessora visita tão frequentemente o seu povo, porque ela sabe muito bem a aflição que passa seu povo simples, uma vez que também ela tanto sofreu com as desigualdades deste mundo e de seus poderosos.

    Celebrando a Virgem de Guadalupe, lembramos os povos indígenas, que tanto padecem as perseguições de uma humanidade que não respeita seus ancestrais, valores culturais e áreas de preservação. Rezemos a Santa Mãe de Deus para que volva seu olhar de amor por todos estes povos, para que possam viver em paz longe da ameaça da ganância e do poder dos homens.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 6ª feira da 2ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de Santa Luzia

    Isaías 48,17-19

    17 Isto diz o Senhor, o teu libertador, o santo de Israel: “Eu, o Senhor teu Deus, te ensino coisas úteis, te conduzo pelo caminho em que andas. 18 Ah, se tivesses observado os meus mandamentos! Tua paz teria sido como um rio, e tua justiça como as ondas do mar; 19 tua descendência seria como a areia do mar, e os filhos do teu ventre como os grãos de areia; este nome não teria desaparecido nem teria sido cancelado de minha presença”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 1

    Senhor, quem vos seguir terá a luz da vida.

    Feliz é todo aquele que não anda / conforme os conselhos dos perversos; /
    que não entra no caminho dos malvados / nem junto aos zombadores vai sentar-se; /
    mas encontra seu prazer na lei de Deus / e a medita, dia e noite, sem cessar. – R.

    Eis que ele é semelhante a uma árvore / que à beira da torrente está plantada; /
    ela sempre dá seus frutos a seu tempo, † e jamais as suas folhas vão murchar. /
    Eis que tudo o que ele faz vai prosperar. – R.

    Mas bem outra é a sorte dos perversos. † Ao contrário, são iguais à palha seca /
    espalhada e dispersada pelo vento. / Pois Deus vigia o caminho dos eleitos, /
    mas a estrada dos malvados leva à morte. – R.

    Mateus 11,16-19

    Naquele tempo, disse Jesus às multidões: 16 “Com quem vou comparar esta geração? São como crianças sentadas nas praças, que gritam para os colegas, dizendo: 17 ‘Tocamos flauta e vós não dançastes. Entoamos lamentações e vós não batestes no peito!’ 18 Veio João, que não come nem bebe, e dizem: ‘Ele está com um demônio’. 19 Veio o Filho do homem, que come e bebe, e dizem: ‘É um comilão e beberrão, amigo de cobradores de impostos e de pecadores’. Mas a sabedoria foi reconhecida com base em suas obras”.

    Palavra da Salvação.

    “Não ouvem nem a João nem ao Filho do homem”.

    Como somos incapazes de reconhecer o bem que mora ao nosso lado, entregues a preconceitos ou valores pequenos que nos prendem e reduzem nossos horizontes. Ao passar por este mundo criado, o Filho de Deus sofreu muitas dores, uma delas foi a rejeição. Muitos não acreditaram na salvação que se encarnou para o bem de toda a humanidade. Se por Adão todos padecemos no pecado, em Cristo fomos salvos de uma vez por todas e se abriram as portas do céu e a salvação do nosso Deus, que unicamente por amor a sua criação assim o fez.

    Precisamos sair do conforto da hipocrisia, para que o sopro do Espírito do Senhor possa converter nosso coração. Neste tempo de Advento, somos chamados a abandonar velhas práticas e nos transformarmos em novos cristãos, que desejam acima de tudo que a Boa-nova de Cristo penetre cada vez mais fundo em nossas almas.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • Sábado da 2ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de São João da Cruz, Doutor da Igreja

    Eclesiástico 48,1-4.9-11

    Naqueles dias, 1 o profeta Elias surgiu como um fogo, e sua palavra queimava como uma tocha. 2 Fez vir a fome sobre eles e, no seu zelo, reduziu-os a pouca gente. 3 Pela palavra do Senhor fechou o céu e de lá fez cair fogo por três vezes. 4 Ó Elias, como te tornaste glorioso por teus prodígios! Quem poderia gloriar-se de ser semelhante a ti? 9 Tu foste arrebatado num turbilhão de fogo, num carro de cavalos também de fogo; 10 tu, nas ameaças para os tempos futuros, foste designado para acalmar a ira do Senhor antes do furor, para reconduzir o coração do pai ao filho e restabelecer as tribos de Jacó. 11 Felizes os que te viram e os que adormeceram na tua amizade!

    Palavra do Senhor.

    Sl 79 (80)

    Convertei-nos, ó Senhor, / resplandecei a vossa face e nós seremos salvos!

    Ó pastor de Israel, prestai ouvidos. / Vós que sobre os querubins vos assentais. /
    Despertai vosso poder, ó nosso Deus, / e vinde logo nos trazer a salvação! – R.

    Voltai-vos para nós, Deus do universo! † Olhai dos altos céus e observai. /
    Visitai a vossa vinha e protegei-a! / Foi a vossa mão direita que a plantou; /
    protegei-a, e ao rebento que firmastes! – R.

    Pousai a mão por sobre o vosso protegido, / o filho do homem que escolhestes para vós! /
    E nunca mais vos deixaremos, Senhor Deus! / Dai-nos vida, e louvaremos vosso nome! – R.

    Mateus 17,10-13

    Ao descerem do monte, 10 os discípulos perguntaram a Jesus: “Por que os mestres da lei dizem que Elias deve vir primeiro?” 11 Jesus respondeu: “Elias vem e colocará tudo em ordem. 12 Ora, eu vos digo, Elias já veio, mas eles não o reconheceram. Ao contrário, fizeram com ele tudo o que quiseram. Assim também o Filho do homem será maltratado por eles”. 13 Então os discípulos compreenderam que Jesus lhes falava de João Batista.

    Palavra da Salvação.

    “Elias já veio, mas não o reconheceram”.

    Os discípulos ainda não compreendem bem os projetos de Jesus, confirmação disso é a dúvida surgida no Evangelho sobre a possível vinda do Profeta Elias. Muito tempo já estando com o Mestre e pouco entendem quem realmente é aquela figura tão divina e tão humana que está ao lado. De fato, não é fácil decifrar os planos de um Deus que se fez homem entre os homens, muito menos ainda interpretar suas palavras cheias de vida e ao mesmo tempo tão enigmáticas. Por outro lado, Jesus se mostra paciente com a falta de compreensão dos discípulos na construção do Reino que Ele tanto pregava.

    Muito nos assemelhamos aos discípulos do Evangelho na falta de atenção que temos ao ouvir a verdade pronunciada dos lábios do mestre. Estar com o Cristo deve ser nossa prioridade primeira na vida, e para isso se faz necessário calar nossa agitação interior e escutar diligentemente cada sílaba pronunciada pelo Filho do Altíssimo. Deus nos conceda a graça da escuta para interpretarmos corretamente as Palavras de Cristo.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 3º domingo do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 35,1-6.10

    1 Alegre-se a terra que era deserta e intransitável, exulte a solidão e floresça como um lírio. 2 Germine e exulte de alegria e louvores. Foi-lhe dada a glória do Líbano, o esplendor do Carmelo e de Saron; seus habitantes verão a glória do Senhor, a majestade do nosso Deus. 3 Fortalecei as mãos enfraquecidas e firmai os joelhos debilitados. 4 Dizei às pessoas deprimidas: “Criai ânimo, não tenhais medo! Vede, é vosso Deus, é a vingança que vem, é a recompensa de Deus; é ele que vem para vos salvar”. 5 Então se abrirão os olhos dos cegos e se descerrarão os ouvidos dos surdos. 6 O coxo saltará como um cervo e se desatará a língua dos mudos. 10 Os que o Senhor salvou voltarão para casa. Eles virão a Sião cantando louvores, com infinita alegria brilhando em seus rostos: cheios de gozo e contentamento, não mais conhecerão a dor e o pranto.

    Palavra do Senhor.

    Sl 145(146)

    Vinde, Senhor, para salvar o vosso povo!

    O Senhor é fiel para sempre, / faz justiça aos que são oprimidos; /
    ele dá alimento aos famintos, / é o Senhor quem liberta os cativos. – R.

    O Senhor abre os olhos aos cegos, / o Senhor faz erguer-se o caído; /
    o Senhor ama aquele que é justo, / é o Senhor que protege o estrangeiro. – R.

    Ele ampara a viúva e o órfão, / mas confunde os caminhos dos maus. /
    O Senhor reinará para sempre! / Ó Sião, o teu Deus reinará. – R.

    Tiago 5,7-10

    Irmãos, 7 ficai firmes até a vinda do Senhor. Vede o agricultor: ele espera o precioso fruto da terra e fica firme até cair a chuva do outono ou da primavera. 8 Também vós, ficai firmes e fortalecei vossos corações, porque a vinda do Senhor está próxima. 9 Irmãos, não vos queixeis uns dos outros, para que não sejais julgados. Eis que o juiz está às portas. 10 Irmãos, tomai por modelo de sofrimento e firmeza os profetas, que falaram em nome do Senhor.

    Palavra do Senhor.

    Mateus 11,2-11

    Naquele tempo, 2 João estava na prisão. Quando ouviu falar das obras de Cristo, enviou-lhe alguns discípulos para lhe perguntarem: 3 “És tu aquele que há de vir ou devemos esperar um outro?” 4 Jesus respondeu-lhes: “Ide contar a João o que estais ouvindo e vendo: 5 os cegos recuperam a vista, os paralíticos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e os pobres são evangelizados. 6 Feliz aquele que não se escandaliza por causa de mim!” 7 Os discípulos de João partiram, e Jesus começou a falar às multidões sobre João: “O que fostes ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento? 8 O que fostes ver? Um homem vestido com roupas finas? Mas os que vestem roupas finas estão nos palácios dos reis. 9 Então, o que fostes ver? Um profeta? Sim, eu vos afirmo, e alguém que é mais do que profeta. 10 É dele que está escrito: ‘Eis que envio o meu mensageiro à tua frente; ele vai preparar o teu caminho diante de ti’. 11 Em verdade vos digo, de todos os homens que já nasceram, nenhum é maior do que João Batista. No entanto, o menor no reino dos céus é maior do que ele”.

    Palavra da Salvação.

    “És tu aquele que há de vir ou devemos esperar um outro?”.

    São João Batista é ainda hoje grande exemplo de conversão e adesão total ao projeto de Deus. Negando a si e aos prazeres do mundo, viveu de forma intensa a radicalidade da Palavra do Pai. Levou a cabo, durante a sua peregrinação terrestre, uma vida de inteira dedicada ao anúncio da mensagem de Deus e preparando os homens para a grande chegada do Filho do Altíssimo na humanidade. Rejeitado, assim como Cristo, foi violentamente decapitado deixando grande inspiração aos seus seguidores e dos que seriam os futuros cristãos.

    A vida do seguimento de Cristo não é fácil, porém nada infeliz. Consiste numa constante entrega e negação do próprio bem estar para se abrir ao amor do próximo. Muitos tormentos são certos neste caminho, mas uma coisa é garantida, a perfeita felicidade. Deixemo-nos guiar pelo exemplo de São João e preparemos corretamente nosso espírito para a chegada de Jesus neste Natal.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 2ª feira da 3ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Números 24,2-7.15-17

    Naqueles dias, 2 Balaão levantou os olhos e viu Israel acampado por tribos. O espírito de Deus veio sobre ele, 3 e Balaão pronunciou seu poema: “Oráculo de Balaão, filho de Beor, oráculo do homem que tem os olhos abertos; 4 oráculo daquele que ouve as palavras de Deus, que vê o que o Poderoso lhe faz ver, que cai, e seus olhos se abrem. 5 Como são belas as tuas tendas, ó Jacó, e as tuas moradas, ó Israel! 6 Elas se estendem como vales, como jardins ao longo de um rio, como aloés que o Senhor plantou, como cedros junto das águas. 7 A água transborda de seus cântaros, e sua semente é ricamente regada. Seu rei é mais poderoso do que Agag, seu reino está em ascensão”. 15 E Balaão continuou pronunciando o seu poema: “Oráculo de Balaão, filho de Beor, oráculo do homem que tem os olhos abertos, 16 oráculo daquele que ouve as palavras de Deus e conhece os pensamentos do Altíssimo, que vê o que o Poderoso lhe faz ver, que cai, e seus olhos se abrem. 17 Eu o vejo, mas não agora; e o contemplo, mas não de perto. Uma estrela sai de Jacó, e um cetro se levanta de Israel”.

    Palavra do Senhor.

    Salmo Responsorial: 24(25)

    Fazei-me conhecer a vossa estrada, ó Senhor!

    Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos / e fazei-me conhecer a vossa estrada! /
    Vossa verdade me oriente e me conduza, / porque sois o Deus da minha salvação. – R.

    Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura / e a vossa compaixão, que são eternas! /
    De mim lembrai-vos, porque sois misericórdia / e sois bondade sem limites, ó Senhor! – R.

    O Senhor é piedade e retidão / e reconduz ao bom caminho os pecadores. /
    Ele dirige os humildes na justiça, / e aos pobres ele ensina o seu caminho. – R.

    Mateus 21,23-27

    Naquele tempo, 23 Jesus voltou ao templo. Enquanto ensinava, os sumos sacerdotes e os anciãos do povo aproximaram-se dele e perguntaram: “Com que autoridade fazes essas coisas? Quem te deu tal autoridade?” 24 Jesus respondeu-lhes: “Também eu vos farei uma pergunta. Se vós me responderdes, também eu vos direi com que autoridade faço essas coisas. 25 Donde vinha o batismo de João? Do céu ou dos homens?” Eles refletiam entre si: “Se dissermos ‘do céu’, ele nos dirá: ‘Por que não acreditastes nele?’ 26 Se dissermos ‘dos homens’, temos medo do povo, pois todos têm João Batista na conta de profeta”. 27 Eles então responderam a Jesus: “Não sabemos”. Ao que Jesus também respondeu: “Eu também não vos direi com que autoridade faço essas coisas”.

    Palavra da Salvação.

    “Donde vinha o batismo de João?”.

    Os sacerdotes e anciãos do povo judeu são tomados pelo escândalo ao serem confrontados com a autoridade de Jesus. Pertencente ao povo simples, da pequena vila de Belém, exercendo o ofício de marceneiro, Jesus revela sua firmeza ao questionar as antigas estruturas do poder judaico, que mais oprimiam o povo do que revelavam a rosto misericordioso de Deus. Esta autoridade revela outra visão de Jesus sobre o exercício do mistério sacerdotal.

    Filho do próprio Deus, o Salvador deseja deixar aos seus discípulos o exemplo de um real sacerdote que dá a vida pelas suas ovelhas. Acima do poder jurídico desempenhado pelos sacerdotes, deve estar presente, acima de tudo, a prática do amor e do bem pelo povo a eles confiado como rebanho. A imagem do Bom Pastor usada por Jesus é exemplo perfeito de um ministério visto como um serviço humilde e simples, que consiste na misericórdia de um Deus amor.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 3ª feira da 3ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 49,2.8-10

    Naqueles dias, Jacó chamou seus filhos e disse: 2 “Juntai-vos e ouvi, filhos de Jacó, ouvi Israel, vosso pai! 8 Judá, teus irmãos te louvarão; pesará tua mão sobre a nuca de teus inimigos, se prostrarão diante de ti os filhos de teu pai. 9 Judá, filhote de leão: subiste, meu filho, da pilhagem; ele se agacha e se deita como um leão e como uma leoa; quem o despertará? 10 O cetro não será tirado de Judá, nem o bastão de comando dentre seus pés, até que venha aquele a quem pertencem e a quem obedecerão os povos”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 71(72)

    Nos seus dias, a justiça florirá / e paz em abundância, para sempre.

    Dai ao rei vossos poderes, Senhor Deus, / vossa justiça ao descendente da realeza! /
    Com justiça ele governe o vosso povo, / com equidade ele julgue os vossos pobres. – R.

    Das montanhas venha a paz a todo o povo, / e desça das colinas a justiça! /
    Este rei defenderá os que são pobres, / os filhos dos humildes salvará. – R.

    Nos seus dias, a justiça florirá / e grande paz, até que a lua perca o brilho! /
    De mar a mar estenderá o seu domínio, / e desde o rio até os confins de toda a terra! – R.

    Seja bendito o seu nome para sempre! / E que dure como o sol sua memória! /
    Todos os povos serão nele abençoados, / todas as gentes cantarão o seu louvor! – R.

    Mateus 1,1-17

    1 Livro da origem de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. 2 Abraão gerou Isaac; Isaac gerou Jacó; Jacó gerou Judá e seus irmãos. 3 Judá gerou Farés e Zara, cuja mãe era Tamar. Farés gerou Esrom; Esrom gerou Aram; 4 Aram gerou Aminadab; Aminadab gerou Naasson; Naasson gerou Salmon; 5 Salmon gerou Booz, cuja mãe era Raab. Booz gerou Obed, cuja mãe era Rute. Obed gerou Jessé. 6 Jessé gerou o rei Davi. Davi gerou Salomão, daquela que tinha sido a mulher de Urias. 7 Salomão gerou Roboão; Roboão gerou Abias; Abias gerou Asa; 8 Asa gerou Josafá; Josafá gerou Jorão; Jorão gerou Ozias; 9 Ozias gerou Jotão; Jotão gerou Acaz; Acaz gerou Ezequias; 10 Ezequias gerou Manassés; Manassés gerou Amon; Amon gerou Josias. 11 Josias gerou Jeconias e seus irmãos, no tempo do exílio na Babilônia. 12 Depois do exílio na Babilônia, Jeconias gerou Salatiel; Salatiel gerou Zorobabel; 13 Zorobabel gerou Abiud; Abiud gerou Eliaquim; Eliaquim gerou Azor; 14 Azor gerou Sadoc; Sadoc gerou Aquim; Aquim gerou Eliud; 15 Eliud gerou Eleazar; Eleazar gerou Matã; Matã gerou Jacó. 16 Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo. 17 Assim, as gerações desde Abraão até Davi são quatorze; de Davi até o exílio na Babilônia, quatorze; e do exílio na Babilônia até Cristo, quatorze.

    Palavra da Salvação.

    “Genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi”.

    Vindo do Pai, o Cristo reveste-se inteiramente das fragilidades humanas, abandona sua condição divina e reata os laços que antes foram perdidos entre Deus Pai e a humanidade pelo pecado de Adão. Revestindo-se de uma majestade simples, nasce da Bem-Aventurada Virgem Maria no pequeno estábulo de Belém entre o boi e o burro, revelado primeiramente aos pastores de campo. Em sua vinda, Jesus é sinal de esperança para o povo hebreu que tanto sofria a opressão de um sistema dominado pelo poder romano e de muitas incoerências por parte das autoridades religiosas judaicas, que deviam dar bom exemplo ao Povo.

    O Messias vem de linhagem davídica e assume o trono deixado por Davi. Há muito se aguardava esta revelação para os Filhos de Deus, brilhando a salvação mais uma vez a Israel. Seu reinado, no entanto, nada se assemelha a nenhum outro visto, com um caráter muito mais humilde e serviçal do que dominador e autoritário. Estando no mundo, amou os seus até o fim para que a luz brilhasse nas trevas e deixou de herança a entrega total de um Deus que muito amou os seus Filhos.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 4ª feira da 3ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Jeremias 23,5-8

    5 “Eis que virão dias, diz o Senhor, em que farei nascer um descendente de Davi; reinará como rei e será sábio, fará valer a justiça e a retidão na terra. 6 Naqueles dias, Judá será salvo e Israel viverá tranquilo; este é o nome com que o chamarão: ‘Senhor, nossa justiça’. 7 Eis que virão dias, diz o Senhor, em que já não se usará jurar ‘pela vida do Senhor que tirou os filhos de Israel do Egito’, 8 mas sim ‘pela vida do Senhor que tirou e reconduziu os descendentes da casa de Israel desde o país do norte e todos os outros países para onde os expulsara; eles então irão habitar em sua terra’”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 71(72)

    Nos seus dias, a justiça florirá / e paz em abundância, para sempre.

    Dai ao rei vossos poderes, Senhor Deus, / vossa justiça ao descendente da realeza! /
    Com justiça ele governe o vosso povo, / com equidade ele julgue os vossos pobres. – R.

    Libertará o indigente que suplica / e o pobre ao qual ninguém quer ajudar. /
    Terá pena do indigente e do infeliz / e a vida dos humildes salvará. – R.

    Bendito seja o Senhor Deus de Israel, / porque só ele realiza maravilhas! /
    Bendito seja o seu nome glorioso! / Bendito seja eternamente! Amém, amém! – R.

    Mateus 1,18-24

    18 A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo. 19 José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria em segredo. 20 Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe, em sonho, e lhe disse: “José, filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. 21 Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados”. 22 Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: 23“Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho. Ele será chamado pelo nome de Emanuel, que significa: Deus está conosco”. 24Quando acordou, José fez conforme o anjo do Senhor havia mandado e aceitou sua esposa.

    Palavra da Salvação.

    “Jesus nascerá de Maria, prometida em casamento a José, filho de Davi”.

    Por mais que tivesse o direito a uma vida de luxo e regalias, Jesus, o Filho do próprio Deus, escolheu  uma vida simples, estando entre os mais simples. Optou por nascer em uma família humilde da menor cidade de Judá, encarnou-se no seio da Virgem Maria prometida a José por esposo. Ela, uma jovem sem dotes extraordinários e ele, homem muito justo e dedicado ao serviço de marceneiro. Tendo muitos sonhos, queriam formar uma família e aí Deus realiza seu grande projeto. Aos pequeninos é que o Pai revela seus segredos e faz grandes obras. Por sua grande fé, o Pai de amor e bondade envia o anjo Gabriel à Virgem e, pelo seu sim humilde e generoso, entrega-se inteiramente nos braços de Deus.

    A Família de Nazaré é, ainda hoje, imagem de grande exemplo a tantas outras famílias ao longo da história da civilização, que em sua pequenez e dificuldades lutam por um ideal de paz e seguimento de um Cristo pobre e crucificado. Jesus, Maria e José abençoe a todas as nossas famílias e não permitam que obstáculo algum seja difícil demais para ser enfrentado e que nenhuma pedra seja tão alta que não possa ser transportada.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 5ª feira da 3ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Juízes 13,2-7.24-25

    Naqueles dias, 2 havia um homem de Saraá, da tribo de Dã, chamado Manué, cuja mulher era estéril. 3 O anjo do Senhor apareceu à mulher e disse-lhe: “Tu és estéril e não tiveste filhos, mas conceberás e darás à luz um filho. 4 Toma cuidado de não beberes vinho nem licor, de não comeres coisa alguma impura, 5 pois conceberás e darás à luz um filho. Sua cabeça não será tocada por navalha, porque ele será consagrado ao Senhor desde o ventre materno e começará a libertar Israel das mãos dos filisteus”. 6 A mulher foi dizer ao seu marido: “Veio visitar-me um homem de Deus cujo aspecto era terrível como o de um anjo do Senhor. Não lhe perguntei de onde vinha, nem ele me revelou o seu nome. 7 Ele disse-me: ‘Conceberás e darás à luz um filho. De hoje em diante, toma cuidado para não beberes vinho nem licor e não comeres nada de impuro, pois o menino será consagrado a Deus desde o ventre materno até o dia da sua morte’”. 24 Ela deu à luz um filho e deu-lhe o nome de Sansão. O menino cresceu, e o Senhor o abençoou. 25 O espírito do Senhor começou a agir nele no campo de Dã.

    Palavra do Senhor.

    Sl 70(71)

    Minha boca se encha de louvor, / para que eu cante vossa glória.

    Sede uma rocha protetora para mim, / um abrigo bem seguro que me salve! /
    Porque sois a minha força e meu amparo, † o meu refúgio, proteção e segurança! /
    Libertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio. – R.

    Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança, / em vós confio desde a minha juventude! /
    Sois meu apoio desde antes que eu nascesse, / desde o seio maternal, o meu amparo. – R.

    Cantarei vossos portentos, ó Senhor, / lembrarei vossa justiça sem igual! /
    Vós me ensinastes desde a minha juventude, / e até hoje canto as vossas maravilhas. – R.

    Lucas 1,5-25

    5 Nos dias de Herodes, rei da Judeia, vivia um sacerdote chamado Zacarias, do grupo de Abia. Sua esposa era descendente de Aarão e chamava-se Isabel. 6 Ambos eram justos diante de Deus e obedeciam fielmente a todos os mandamentos e ordens do Senhor. 7 Não tinham filhos, porque Isabel era estéril, e os dois já eram de idade avançada. 8 Em certa ocasião, Zacarias estava exercendo as funções sacerdotais no templo, pois era a vez do seu grupo. 9 Conforme o costume dos sacerdotes, ele foi sorteado para entrar no santuário e fazer a oferta do incenso. 10 Toda a assembleia do povo estava do lado de fora, rezando, enquanto o incenso estava sendo oferecido. 11 Então, apareceu-lhe o anjo do Senhor, de pé, à direita do altar do incenso. 12 Ao vê-lo, Zacarias ficou perturbado, e o temor apoderou-se dele. 13 Mas o anjo disse: “Não tenhas medo, Zacarias, porque Deus ouviu tua súplica. Tua esposa, Isabel, vai ter um filho, e tu lhe darás o nome de João. 14 Tu ficarás alegre e feliz, e muita gente se alegrará com o nascimento do menino, 15 porque ele vai ser grande diante do Senhor. Não beberá vinho nem bebida fermentada e, desde o ventre materno, ficará repleto do Espírito Santo. 16 Ele reconduzirá muitos do povo de Israel ao Senhor seu Deus. 17 E há de caminhar à frente deles, com o espírito e o poder de Elias, a fim de converter os corações dos pais aos filhos e os rebeldes à sabedoria dos justos, preparando para o Senhor um povo bem-disposto”. 18 Então Zacarias perguntou ao anjo: “Como terei certeza disso? Sou velho e minha mulher é de idade avançada”. 19 O anjo respondeu-lhe: “Eu sou Gabriel. Estou sempre na presença de Deus e fui enviado para dar-te esta boa notícia. 20 Eis que ficarás mudo e não poderás falar até o dia em que essas coisas acontecerem, porque tu não acreditaste nas minhas palavras, que hão de se cumprir no tempo certo”. 21 O povo estava esperando Zacarias e admirava-se com a sua demora no santuário. 22 Quando saiu, não podia falar-lhes. E compreenderam que ele tinha tido uma visão no santuário. Zacarias falava com sinais e continuava mudo. 23 Depois que terminou seus dias de serviço no santuário, Zacarias voltou para casa. 24 Algum tempo depois, sua esposa Isabel ficou grávida e escondeu-se durante cinco meses. 25 Ela dizia: “Eis o que o Senhor fez por mim, nos dias em que ele se dignou tirar-me da humilhação pública!”

    Palavra da Salvação.

    “O nascimento de João Batista é anunciado pelo anjo Gabriel”.

    Neste trecho do Evangelho, é relatado de maneira muito clara o carinho especial pelos pequeninos de nosso mundo. Eles têm um lugar muito especial reservado nos projetos de Deus. Zacarias e Isabel eram de uma descendência digna, ele sacerdote justo e fiel na Lei de Deus, ela descendente da casa de Aarão era de linhagem muito digna e respeitável. Mas, uma coisa não parece certa nessa família, que nos relata o último versículo do trecho, evidenciando uma certa humilhação pública que os dois sofriam. A grande questão aqui é de que o casal de nobre linhagem era já idoso e não possuía filho algum para que a sua linhagem, o seu sangue e os valores de seus antepassados pudessem perdurar para o futuro, explica assim a humilhação sofrida publicamente pelo casal.

    Deus olha os pobres e humilhados e os elava às alturas, feito que os homens de nosso mundo não são capazes de realizar, mesmo se forem movidos e motivados de grande senso de solidariedade. O Senhor nos dê a graça de transformamos a solidariedade em obras cheias de misericórdia para os nossos irmãos e irmãs mais pobres e que nossas mãos não se cansem de abrir-se aos mais necessitados que nos cercam.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 6ª feira da 3ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 7,10-14

    Naqueles dias, 10 o Senhor falou com Acaz, dizendo: 11 “Pede ao Senhor teu Deus que te faça ver um sinal, quer provenha da profundeza da terra, quer venha das alturas do céu”. 12 Mas Acaz respondeu: “Não pedirei nem tentarei o Senhor”. 13 Disse o profeta: “Ouvi, então, vós, casa de Davi: será que achais pouco incomodar os homens e passais a incomodar até o meu Deus? 14 Pois bem, o próprio Senhor vos dará um sinal. Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe porá o nome de Emanuel”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 23(24)

    O Senhor vai entrar, é o rei glorioso!

    Ao Senhor pertence a terra e o que ela encerra, / o mundo inteiro com os seres que o povoam; /
    porque ele a tornou firme sobre os mares / e, sobre as águas, a mantém inabalável. – R.

    “Quem subirá até o monte do Senhor, / quem ficará em sua santa habitação?” /
    “Quem tem mãos puras e inocente coração, / quem não dirige sua mente para o crime. – R.

    Sobre este desce a bênção do Senhor / e a recompensa de seu Deus e salvador.” /
    “É assim a geração dos que o procuram / e do Deus de Israel buscam a face.” – R.

    Lucas 1,26-38

    26 No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27 a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi, e o nome da virgem era Maria. 28 O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!” 29 Maria ficou perturbada com essas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. 30 O anjo, então, disse-lhe: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. 31 Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. 32 Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. 33 Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim”. 34 Maria perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso se eu não conheço homem algum?” 35 O anjo respondeu: “O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado santo, Filho de Deus. 36 Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, 37 porque para Deus nada é impossível”. 38 Maria, então, disse: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!” E o anjo retirou-se.

    Palavra da Salvação.

    “Eis que conceberás e darás à luz um filho”.

    Maria, Mãe de Deus e nossa, é grande exemplo de entrega e adesão total às promessas do Pai. Eis o exemplo perfeito a todo cristão oferecido pelo próprio Deus de amor ao mundo: nascer por uma virgem de Belém o Salvador de toda a humanidade. Salvação que se estende pelos séculos eternamente, porque o próprio amor de nosso Pai é eterno.

    O Evangelho se faz imagem da fragilidade humana frente à grandeza de Deus. Mesmo sendo Gabriel enviado à Virgem, e este comunicando-a o recado divino, Maria não consegue esconder seu medo e perturbação perante a grande aliança sagrada que é oferecida. Confrontar-se a imagem de Deus é sinal de inquietação para a alma e às fragilidades humanas, pois ao contemplá-lo nossa verdadeira forma é transparecida, como num espelho perfeito.

    Tenhamos por alvo o exemplo da Virgem Mãe, e sejamos, não só neste Natal que se aproxima, mas em todos os dias de nossas vidas, um dom gratuito e sincero de entrega nas mãos de Deus.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • Sábado da 3ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Cântico 2,8-14

    8 É a voz do meu amado! Eis que ele vem saltando pelos montes, pulando sobre as colinas. 9 O meu amado parece uma gazela ou um cervo ainda novo. Eis que ele está de pé atrás de nossa parede, espiando pelas janelas, observando através das grades. 10 O meu amado me fala, dizendo: “Levanta-te, minha amada, minha rola, formosa minha, e vem! 11 O inverno já passou, as chuvas pararam e já se foram. 12 No campo aparecem as flores, chegou o tempo das canções, a rola já faz ouvir seu canto em nossa terra. 13 Da figueira brotam os primeiros frutos, soltam perfume as vinhas em flor. Levanta-te, minha amada, formosa minha, e vem! 14 Minha rola, que moras nas fendas da rocha, no esconderijo escarpado, mostra-me teu rosto, deixa-me ouvir tua voz! Pois a tua voz é tão doce, e gracioso o teu semblante”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 32(33)

    Ó justos, alegrai-vos no Senhor! / Cantai para o Senhor um canto novo!

    Dai graças ao Senhor ao som da harpa, / na lira de dez cordas celebrai-o! /
    Cantai para o Senhor um canto novo, / com arte sustentai a louvação! – R.

    Mas os desígnios do Senhor são para sempre, † e os pensamentos que ele traz no coração, /
    de geração em geração, vão perdurar. / Feliz o povo cujo Deus é o Senhor /
    e a nação que escolheu por sua herança! – R.

    No Senhor nós esperamos confiantes, / porque ele é nosso auxílio e proteção! /
    Por isso o nosso coração se alegra nele, / seu santo nome é nossa única esperança. – R.

    Lucas 1,39-45

    39 Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. 40 Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41 Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42 Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! 43 Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44 Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45 Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”.

    Palavra da Salvação.

    “Como posso merecer que a mãe do meu Senhor venha visitar-me?”.

    A pergunta que brota espontaneamente do coração de Isabel é a mesma que todos nós, que nos dedicamos a pensar a respeito do profundo mistério de amor que levou o Filho de Deus a se encarnar no ventre de Maria, dirigimos a Deus.

    Como podemos merecer tal amor? Como podemos nos tornar um pouco mais dignos para acolher o próprio Deus que se encarna na história, se aproxima de nós e deseja partilhar de nossa vida, adentrando em nossos lares simplesmente porque nos ama? A resposta a esta questão deve ser experimentada na fé: não o podemos! Nada que façamos pode diminuir este abismo entre quem nós somos e quem é Deus para nós. Esta distância só pode ser superada por vontade exclusiva de Deus. E Ele já a superou! Ele já se encarnou e permanece encarnado no coração de todos os homens e mulheres de boa vontade que abrem as portas de seu coração para que ali ele possa habitar!

    Que o Menino Deus nos permita cultivar este coração dócil à sua visita para que possamos sentir a mesma alegria que Isabel sentiu ao reconhecê-lo diante de si.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 4º domingo do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 7,10-14

    Naqueles dias, 10 o Senhor falou com Acaz, dizendo: 11 “Pede ao Senhor teu Deus que te faça ver um sinal, quer provenha da profundeza da terra, quer venha das alturas do céu”. 12 Mas Acaz respondeu: “Não pedirei nem tentarei o Senhor”. 13 Disse o profeta: “Ouvi, então, vós, casa de Davi: será que achais pouco incomodar os homens e passais a incomodar até o meu Deus? 14 Pois bem, o próprio Senhor vos dará um sinal. Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 23(24)

    O rei da glória é o Senhor onipotente; / abri as portas para que ele possa entrar!

    Ao Senhor pertence a terra e o que ela encerra, / o mundo inteiro com os seres que o povoam; /
    porque ele a tornou firme sobre os mares / e, sobre as águas, a mantém inabalável. – R.

    “Quem subirá até o monte do Senhor, / quem ficará em sua santa habitação?” /
    “Quem tem mãos puras e inocente coração, / quem não dirige sua mente para o crime. – R.

    Sobre este desce a bênção do Senhor / e a recompensa de seu Deus e salvador.” /
    “É assim a geração dos que o procuram / e do Deus de Israel buscam a face.” – R.

    Romanos 1,1-7

    1 Eu, Paulo, servo de Jesus Cristo, apóstolo por vocação, escolhido para o evangelho de Deus, 2 que pelos profetas havia prometido, nas Sagradas Escrituras, 3 e que diz respeito a seu Filho, descendente de Davi segundo a carne, 4 autenticado como Filho de Deus com poder pelo Espírito de santidade que o ressuscitou dos mortos, Jesus Cristo, nosso Senhor. 5 É por ele que recebemos a graça da vocação para o apostolado, a fim de podermos trazer à obediência da fé todos os povos pagãos, para a glória de seu nome. 6 Entre esses povos estais também vós, chamados a ser discípulos de Jesus Cristo. 7 A vós todos que morais em Roma, amados de Deus e santos por vocação, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e de nosso Senhor Jesus Cristo.

    Palavra do Senhor.

    Mateus 1,18-24

    18 A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo. 19 José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria em segredo. 20 Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe em sonho e lhe disse: “José, filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. 21 Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados”. 22 Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: 23 “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho. Ele será chamado pelo nome de Emanuel, que significa: Deus está conosco”. 24 Quando acordou, José fez conforme o anjo do Senhor havia mandado e aceitou sua esposa.

    Palavra da Salvação.

    “Jesus nascerá de Maria, prometida em casamento a José, filho de Davi”.

    A Palavra de Deus hoje nos convida a voltar os nossos olhos para José, homem dócil à vontade do Senhor, capaz de fazer a leitura correta dos sagrados acontecimentos que se desenrolam em sua vida, crendo na mensagem do anjo revelada em sonho, mesmo que não a compreendesse plenamente.

    O Messias tão ansiosamente esperado iria vir ao mundo através de sua esposa, Maria. O modo como isso aconteceu ultrapassava, em muito, qualquer imaginação do bom homem José, que revelara maturidade e discrição ao não denunciar Maria pelo fato de estar esperando uma criança que não era sua! Seu papel no acontecimento da Encarnação também lhe exige uma postura, uma resposta, um “sim”. Também sua vida mudará ao permitir que Deus se encarne em sua família. E ele o acolhe, ao voltar para casa, e nomear o Menino Deus, com o nome-título Emanuel, o Deus-Conosco.

    Que o testemunho de José seja para nós motivação a buscar nos aprofundar na vivência dos mistérios de Deus e acolher o nosso papel na História de Salvação e amor que Deus vem construindo em nossa vida.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 2ª feira da 4ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Malaquias 3,1-4.23-24

    Assim fala o Senhor Deus: 1 “Eis que envio meu anjo, e ele há de preparar o caminho para mim; logo chegará ao seu templo o dominador, que tentais encontrar, e o anjo da aliança, que desejais. Ei-lo que vem, diz o Senhor dos exércitos; 2 e quem poderá fazer-lhe frente no dia de sua chegada? E quem poderá resistir-lhe quando ele aparecer? Ele é como o fogo da forja e como a barrela dos lavadeiros; 3 e estará a postos, como para fazer derreter e purificar a prata: assim ele purificará os filhos de Levi e os refinará como ouro e como prata, e eles poderão assim fazer oferendas justas ao Senhor. 4 Será então aceitável ao Senhor a oblação de Judá e de Jerusalém, como nos primeiros tempos e nos anos antigos. 23 Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o dia do Senhor, dia grande e terrível; 24 o coração dos pais há de voltar-se para os filhos, e o coração dos filhos para seus pais, para que eu não intervenha, ferindo de maldição a vossa terra”.

    Palavra do Senhor.

    Sl24(25)

    Levantai vossa cabeça e olhai, / pois a vossa redenção se aproxima!

    Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos / e fazei-me conhecer a vossa estrada! /
    Vossa verdade me oriente e me conduza, / porque sois o Deus da minha salvação! – R.

    O Senhor é piedade e retidão / e reconduz ao bom caminho os pecadores. /
    Ele dirige os humildes na justiça, / e aos pobres ele ensina o seu caminho. – R.

    Verdade e amor são os caminhos do Senhor / para quem guarda sua aliança e seus preceitos. /
    O Senhor se torna íntimo aos que o temem / e lhes dá a conhecer sua aliança. – R.

    Lucas 1,57-66

    57 Completou-se o tempo da gravidez de Isabel, e ela deu à luz um filho. 58 Os vizinhos e parentes ouviram dizer como o Senhor tinha sido misericordioso para com Isabel e alegraram-se com ela. 59 No oitavo dia, foram circuncidar o menino, e queriam dar-lhe o nome de seu pai, Zacarias. 60 A mãe, porém, disse: “Não! Ele vai chamar-se João”. 61 Os outros disseram: “Não existe nenhum parente teu com esse nome!” 62 Então fizeram sinais ao pai, perguntando como ele queria que o menino se chamasse. 63 Zacarias pediu uma tabuinha e escreveu: “João é o seu nome”. 64 No mesmo instante, a boca de Zacarias se abriu, sua língua se soltou e ele começou a louvar a Deus. 65 Todos os vizinhos ficaram com medo, e a notícia espalhou-se por toda a região montanhosa da Judeia. 66 E todos os que ouviam a notícia ficavam pensando: “O que virá a ser este menino?” De fato, a mão do Senhor estava com ele.

    Palavra da Salvação.

    “Nascimento de João Batista”.

    O nascimento de João Batista, aquele que irá à frente de Jesus preparando os corações para acolherem a mensagem do Reino de Deus que ele anunciará, é marcado por elementos que prenunciam sua futura missão, como a mudez de seu pai que só será superada após a confirmação de seu nome João e a gravidez em idade avançada de sua mãe. Os vizinhos e parentes de Zacarias e Isabel ficaram admirados com os dois milagres e se perguntavam sobre qual seria o futuro daquela criança.

    João irá se referir a si mesmo como a “voz que clama no deserto”. Uma voz tem por finalidade transmitir uma importante mensagem. Depois, ela deve silenciar para que a mensagem ecoe pelos ouvidos, mente e coração daqueles a quem ela foi destinada. Este será o papel de Zacarias, que desde o ventre da mãe já anunciou o Messias que vem.

    Que João Batista continue a ser para nós essa voz que desperta nossos ouvidos e coração para a docilidade à vontade de Deus e à sensibilidade aos seus sinais em nossa vida.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 3ª feira da 4ª semana do Advento

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    2 Samuel 7,1-5.8-12.14.16

    1 Tendo-se o rei Davi instalado já em sua casa e tendo-lhe o Senhor dado a paz, livrando-o de todos os seus inimigos, 2 ele disse ao profeta Natã: “Vê, eu resido num palácio de cedro, e a arca de Deus está alojada numa tenda!” 3 Natã respondeu ao rei: “Vai e faze tudo o que diz o teu coração, pois o Senhor está contigo”. 4Mas, naquela mesma noite, a palavra do Senhor foi dirigida a Natã nestes termos: 5 “Vai dizer ao meu servo Davi: Assim fala o Senhor: ‘Porventura és tu que me construirás uma casa para eu habitar? 8 Fui eu que te tirei do pastoreio, do meio das ovelhas, para que fosses o chefe do meu povo, Israel. 9 Estive contigo em toda parte por onde andaste e exterminei diante de ti todos os teus inimigos, fazendo o teu nome tão célebre como o dos homens mais famosos da terra. 10 Vou preparar um lugar para o meu povo, Israel: eu o implantarei, de modo que possa morar lá sem jamais ser inquietado. Os homens violentos não tornarão a oprimi-lo como outrora, 11 no tempo em que eu estabelecia juízes sobre o meu povo, Israel. Concedo-te uma vida tranquila, livrando-te de todos os teus inimigos. E o Senhor te anuncia que te fará uma casa. 12 Quando chegar o fim dos teus dias e repousares com teus pais, então suscitarei, depois de ti, um filho teu e confirmarei a sua realeza. 14 Eu serei para ele um pai, e ele será para mim um filho. 16 Tua casa e teu reino serão estáveis para sempre diante de mim, e teu trono será firme para sempre’”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 88 (89)

    Ó Senhor, eu cantarei eternamente o vosso amor!

    Ó Senhor, eu cantarei eternamente o vosso amor, / de geração em geração eu cantarei vossa verdade! /
    Porque dissestes: “O amor é garantido para sempre!” / E a vossa lealdade é tão firme como os céus. – R.

    “Eu firmei uma aliança com meu servo, meu eleito, / e eu fiz um juramento a Davi, meu servidor. /
    Para sempre, no teu trono, firmarei tua linhagem, / de geração em geração garantirei o teu reinado!” – R.

    Ele, então, me invocará: “Ó Senhor, vós sois meu Pai, / sois meu Deus, sois meu rochedo onde encontro a salvação!” /
    Guardarei eternamente para ele a minha graça / e com ele firmarei minha aliança indissolúvel. – R.

    Lucas 1,67-79

    Naquele tempo, 67 Zacarias, o pai de João, repleto do Espírito Santo, profetizou, dizendo: 68 “Bendito seja o Senhor, Deus de Israel, porque a seu povo visitou e libertou. 69 Fez aparecer para nós uma força de salvação na casa de seu servo Davi, 70 como tinha prometido desde outrora, pela boca de seus santos profetas, 71 para nos salvar dos nossos inimigos e da mão de todos os que nos odeiam. 72 Ele usou de misericórdia para com nossos pais, recordando-se de sua santa aliança 73 e do juramento que fez a nosso pai Abraão, para conceder-nos 74 que, sem temor e libertos das mãos dos inimigos, nós o sirvamos 75 com santidade e justiça, em sua presença, todos os nossos dias. 76 E tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo, pois irás adiante do Senhor para preparar-lhe os caminhos, 77 anunciando ao seu povo a salvação pelo perdão dos seus pecados. 78 Graças à misericordiosa compaixão do nosso Deus, o sol que nasce do alto nos visitará, 79 para iluminar os que jazem nas trevas e nas sombras da morte e dirigir nossos passos no caminho da paz”.

    Palavra da Salvação.

    “O sol que nasce do alto nos visitará”.

    O cântico de Zacarias que escutamos hoje se revela como um belo anúncio do Messias aguardado, que visita o seu povo para lhe oferecer a salvação. Cristo vem na singela aparência de uma criança, como um sol a afastar todas as sombras e trevas que podem habitar no coração dos homens. Ele traz a reconciliação: é verdadeiro Príncipe da Paz!

    A Igreja propõe este mesmo cântico para que seja rezado todas as manhãs pelo Povo de Deus, como um permanente lembrete de que aquilo que é ansiosamente esperado e celebrado do Natal é realidade em todos os dias: Deus que vem a nós, sendo Deus Encarnado, para atender aos anseios de paz e justiça através de nós.

    Que a nossa fé e esperança sejam mais uma vez renovadas por Aquele que nos visita e ilumina a história! Desejamos a você um Santo e abençoado Natal!

    Reflexão feita pelos noviços.

  • Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 52,7-10

    7 Como são belos, andando sobre os montes, os pés de quem anuncia e prega a paz, de quem anuncia o bem e prega a salvação, e diz a Sião: “Reina teu Deus!” 8 Ouve-se a voz de teus vigias, eles levantam a voz, estão exultantes de alegria, sabem que verão com os próprios olhos o Senhor voltar a Sião. 9 Alegrai-vos e exultai ao mesmo tempo, ó ruínas de Jerusalém; o Senhor consolou seu povo e resgatou Jerusalém. 10 O Senhor desnudou seu santo braço aos olhos de todas as nações; todos os confins da terra hão de ver a salvação que vem do nosso Deus.

    Palavra do Senhor.

    Sl 97 (98)

    Os confins do universo contemplaram / a salvação do nosso Deus.

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / porque ele fez prodígios! /
    Sua mão e o seu braço forte e santo / alcançaram-lhe a vitória. – R.

    O Senhor fez conhecer a salvação, / e às nações, sua justiça; /
    recordou o seu amor sempre fiel / pela casa de Israel. – R.

    Os confins do universo contemplaram / a salvação do nosso Deus. /
    Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, / alegrai-vos e exultai! – R.

    Cantai salmos ao Senhor ao som da harpa / e da cítara suave! /
    Aclamai, com os clarins e as trombetas, / ao Senhor, o nosso rei! – R.

    Hebreus 1,1-6

    1 Muitas vezes e de muitos modos, falou Deus outrora aos nossos pais pelos profetas; 2 nestes dias, que são os últimos, ele nos falou por meio do Filho, a quem ele constituiu herdeiro de todas as coisas e pelo qual também ele criou o universo. 3 Este é o esplendor da glória do Pai, a expressão do seu ser. Ele sustenta o universo com o poder de sua palavra. Tendo feito a purificação dos pecados, ele sentou-se à direita da majestade divina, nas alturas. 4 Ele foi colocado tanto acima dos anjos quanto o nome que ele herdou supera o nome deles. 5 De fato, a qual dos anjos Deus disse alguma vez: “Tu és o meu Filho, eu hoje te gerei”? Ou ainda: “Eu serei para ele um Pai, e ele será para mim um filho”? 6Mas, quando faz entrar o Primogênito no mundo, Deus diz: “Todos os anjos devem adorá-lo!”

    Palavra do Senhor.

    João 1,1-18 ou 1-5.9-14

    1 No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus; e a Palavra era Deus. 2 No princípio estava ela com Deus. 3 Tudo foi feito por ela, e sem ela nada se fez de tudo que foi feito. 4 Nela estava a vida, e a vida era a luz dos homens. 5 E a luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram dominá-la. 6 Surgiu um homem enviado por Deus; seu nome era João. 7 Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz, para que todos chegassem à fé por meio dele. 8 Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz: 9 daquele que [era a luz de verdade, que, vindo ao mundo, ilumina todo ser humano. 10 A Palavra estava no mundo – e o mundo foi feito por meio dela –, mas o mundo não quis conhecê-la. 11 Veio para o que era seu, e os seus não a acolheram. 12 Mas, a todos os que a receberam, deu-lhes capacidade de se tornarem filhos de Deus, isto é, aos que acreditam em seu nome, 13 pois estes não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus mesmo. 14 E a Palavra se fez carne e habitou entre nós. E nós contemplamos a sua glória, glória que recebe do Pai como Filho unigênito, cheio de graça e de verdade.] 15 Dele João dá testemunho, clamando: “Este é aquele de quem eu disse: O que vem depois de mim passou à minha frente, porque ele existia antes de mim”. 16 De sua plenitude todos nós recebemos graça por graça. 17 Pois por meio de Moisés foi dada a lei, mas a graça e a verdade nos chegaram através de Jesus Cristo. 18 A Deus ninguém jamais viu. Mas o unigênito de Deus, que está na intimidade do Pai, ele no-lo deu a conhecer.

    Palavra da Salvação.

    “A Palavra se fez carne e habitou entre nós”.

    Chegamos ao grande dia da celebração do Natal do Senhor, a segunda maior festa cristã (depois da Páscoa), que nos permite fazer memória e celebrar o mistério da Encarnação: o Filho de Deus que se despoja da glória para poder ser humano como nós, por amor ao Pai e pela humanidade. Ele, a Palavra pela qual tudo foi criado e subsiste, assume a carne humana para, desta forma, tornar-se sinal do imenso amor de Deus, um amor afetuoso e terno, cheio de compaixão por cada pessoa humana em suas fragilidades e limites.

    Deus revela-se como Aquele capaz de se tornar menor para se aproximar daqueles a quem ama! E, neste movimento, mostra qual é o seu poder: o poder escolher amar, perdoar, servir, ser irmão com os irmãos e construir família que busca ao Pai.

    Que o Menino Deus, Príncipe da Paz, nos eduque sempre de novo a buscar este mesmo amor que nos conduz à proximidade uns com os outros, à fraternidade sagrada!

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 2º dia da Oitava do Natal

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Festa de Santo Estêvão, mártir

    Atos 6,8-10; 7,54-59

    Naqueles dias, 8 Estêvão, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. 9 Mas alguns membros da chamada Sinagoga dos Libertos, junto com cirenenses e alexandrinos e alguns da Cilícia e da Ásia, começaram a discutir com Estêvão. 10 Porém não conseguiam resistir à sabedoria e ao Espírito com que ele falava. 7,54 Ao ouvir essas palavras, eles ficaram enfurecidos e rangeram os dentes contra Estêvão. 55 Estêvão, cheio do Espírito Santo, olhou para o céu e viu a glória de Deus e Jesus, de pé, à direita de Deus. 56 E disse: “Estou vendo o céu aberto e o Filho do homem, de pé, à direita de Deus”. 57 Mas eles, dando grandes gritos e tapando os ouvidos, avançaram todos juntos contra Estêvão; 58 arrastaram-no para fora da cidade e começaram a apedrejá-lo. As testemunhas deixaram suas vestes aos pés de um jovem chamado Saulo. 59Enquanto o apedrejavam, Estêvão clamou, dizendo: “Senhor Jesus, acolhe o meu espírito”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 30(31)

    Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito.

    Sede uma rocha protetora para mim, / um abrigo bem seguro que me salve! /
    Sim, sois vós a minha rocha e fortaleza; / por vossa honra, orientai-me e conduzi-me! – R.

    Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito, / porque vós me salvareis, ó Deus fiel! /
    Vosso amor me faz saltar de alegria, / pois olhastes para as minhas aflições. – R.

    Eu entrego em vossas mãos o meu destino; / libertai-me do inimigo e do opressor! /
    Mostrai serena a vossa face ao vosso servo / e salvai-me pela vossa compaixão! – R.

    Mateus 10,17-22

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus apóstolos: 17“Cuidado com os homens, porque eles vos entregarão aos tribunais e vos açoitarão nas suas sinagogas. 18Vós sereis levados diante de governadores e reis por minha causa, para dar testemunho diante deles e das nações. 19Quando vos entregarem, não fiqueis preocupados em como falar ou com o que dizer. Então, naquele momento, vos será indicado o que deveis dizer. 20Com efeito, não sereis vós que havereis de falar, mas sim o Espírito do vosso Pai é que falará através de vós. 21O irmão entregará à morte o próprio irmão; o pai entregará o filho; os filhos se levantarão contra seus pais e os matarão. 22Vós sereis odiados por todos por causa do meu nome. Mas quem perseverar até o fim, esse será salvo”.

    Palavra da Salvação.

    “Não sereis vós que havereis de falar, mas sim o Espírito do vosso Pai”.

    No dia em que celebramos Santo Estêvão, diácono martirizado por ter sido fiel ao anúncio do Deus Encarnado e Crucificado e por sua dedicação aos pobres, o Evangelho nos relembra que tal fidelidade traz consequências por vezes aterradoras àqueles que a vivem. A fé cristã é comprometedora justamente por se opor aos contravalores de injustiça, violência, ódio, egoísmo e indiferença tão presentes em nossa sociedade. Os discípulos de Jesus atraem sobre si sentimentos de rejeição porque seu testemunho lança luz sobre tais males e revelam aqueles que não querem abraçar a proposta de amor revelada por Jesus, o Filho de Deus encarnado.

    Que o Espírito de Deus nos anime na confiança de que com Ele podemos contar e que em nossa vida, marcada pelo esforço por construir o Reino dos Céus, se cumpra a Sua santa vontade.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 3º dia da Oitava do Natal

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Festa de São João, apóstolo e evangelista

    1 João 1,1-4

    Caríssimos, 1 o que era desde o princípio, o que nós ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos tocaram da Palavra da Vida – 2 de fato, a Vida manifestou-se e nós a vimos, e somos testemunhas, e a vós anunciamos a Vida eterna, que estava junto do Pai e que se tornou visível para nós –, 3 isso que vimos e ouvimos, nós vos anunciamos, para que estejais em comunhão conosco. E a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho, Jesus Cristo. 4 Nós vos escrevemos estas coisas para que a nossa alegria fique completa.

    Palavra do Senhor.

    Sl 96(97)

    Ó justos, alegrai-vos no Senhor!

    Deus é rei! Exulte a terra de alegria, / e as ilhas numerosas rejubilem! /
    Treva e nuvem o rodeiam no seu trono, / que se apoia na justiça e no direito. – R.

    As montanhas se derretem como cera / ante a face do Senhor de toda a terra; /
    e assim proclama o céu sua justiça, / todos os povos podem ver a sua glória. – R.

    Uma luz já se levanta para os justos, / e a alegria, para os retos corações. /
    Homens justos, alegrai-vos no Senhor, / celebrai e bendizei seu santo nome! – R.

    João 20,2-8

    No primeiro dia da semana, 2 Maria Madalena saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”. 3 Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo. 4 Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo. 5 Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou. 6 Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão 7 e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte. 8 Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu e acreditou.

    Palavra da Salvação.

    “O outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo”.

    João, o discípulo amado, mostra-nos como a acolhida transformadora da Boa Nova de Deus muda tudo em nossa vida. O Evangelho de hoje oferece sinais claros desta força que o impelia a ver o mundo de nova forma: é João quem corre mais depressa ao ouvir o testemunho de Maria Madalena; é João aquele que, apesar de sua jovialidade, respeita a autoridade de Pedro ao deixá-lo entrar primeiro no túmulo; é João aquele que viu e acreditou que Jesus havia ressuscitado! Amar a Deus nos permite ir além do que nossos olhos podem ver, entregar maiores energias no esforço por reencontrá-lo, reverenciar aquilo e aqueles que Cristo elevou em dignidade. João foi capaz de tudo isso e nos dá o exemplo do que podemos ser se também nos permitirmos tal amor.

    Que a intercessão de São João nos leve a olhar de um modo mais amoroso aos filhos e filhas amados por Deus, reconhecendo-os como irmãos e irmãs, presença do Ressuscitado entre nós.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 4º dia da Oitava do Natal

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Festa dos Santos Inocentes

    1 João 1,5-2,2

    Caríssimos, 5 a mensagem que ouvimos de Jesus Cristo e vos anunciamos é esta: Deus é luz, e nele não há trevas. 6 Se dissermos que estamos em comunhão com ele, mas andamos nas trevas, estamos mentindo e não nos guiamos pela verdade. 7 Mas, se andamos na luz, como ele está na luz, então estamos em comunhão uns com os outros, e o sangue de seu Filho, Jesus, nos purifica de todo pecado. 8 Se dissermos que não temos pecado, estamo-nos enganando a nós mesmos, e a verdade não está dentro de nós. 9 Se reconhecermos nossos pecados, então Deus se mostra fiel e justo, para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda culpa. 10 Se dissermos que nunca pecamos, fazemos dele um mentiroso, e sua palavra não está dentro de nós. 2,1 Meus filhinhos, escrevo isto para que não pequeis. No entanto, se alguém pecar, temos junto do Pai um defensor: Jesus Cristo, o justo. 2 Ele é a vítima de expiação pelos nossos pecados, e não só pelos nossos, mas também pelos pecados do mundo inteiro.

    Palavra do Senhor.

    Sl 123(124)

    Nossa alma, como um pássaro, escapou / do laço que lhe armara o caçador.

    Se o Senhor não estivesse ao nosso lado / quando os homens investiram contra nós, /
    com certeza nos teriam devorado / no furor de sua ira contra nós. – R.

    Então as águas nos teriam submergido, / a correnteza nos teria arrastado /
    e, então, por sobre nós teriam passado / essas águas sempre mais impetuosas. – R.

    O laço arrebentou-se de repente, / e assim nós conseguimos libertar-nos. /
    O nosso auxílio está no nome do Senhor, / do Senhor que fez o céu e fez a terra! – R.

    Mateus 2,13-18

    13 Depois que os magos partiram, o anjo do Senhor apareceu em sonho a José e lhe disse: “Levanta-te, pega o menino e sua mãe e foge para o Egito! Fica lá até que eu te avise! Porque Herodes vai procurar o menino para matá-lo”. 14 José levantou-se de noite, pegou o menino e sua mãe e partiu para o Egito. 15 Ali ficou até a morte de Herodes, para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: “Do Egito chamei o meu filho”. 16 Quando Herodes percebeu que os magos o haviam enganado, ficou muito furioso. Mandou matar todos os meninos de Belém e de todo o território vizinho de dois anos para baixo, exatamente conforme o tempo indicado pelos magos. 17 Então se cumpriu o que foi dito pelo profeta Jeremias: 18 “Ouviu-se um grito em Ramá, choro e grande lamento: é Raquel que chora seus filhos e não quer ser consolada, porque eles não existem mais”.

    Palavra da Salvação.

    “Herodes mandou matar todos os meninos de Belém”.

    A história da humanidade está repleta de homens e mulheres indiferentes ao sofrimento que impõem aos outros, simplesmente para saciar sua própria ambição ou aliviar os seus temores. O horrendo episódio da morte dos inocentes foi provocado pela ira de Herodes, após ter sido enganado pelos magos e por medo do que aquela criança profetizada poderia se tornar no futuro – provavelmente uma ameaça ao seu próprio poder.

    O Menino Deus fora perseguido desde os primeiros dias de vida por aqueles que o rejeitam como Senhor e Salvador, e não poucas vítimas foram feitas nesta perseguição. Sua mensagem de esperança e paz, entretanto, não se cala e nos provoca, ainda hoje, ao compromisso para que ela se alastre pelo mundo, conquistando corações para serem arautos e construtores do Reino de justiça e reconciliação. Que nós possamos nos unir a este hino de alegria, que se ergue acima dos gritos de violência que ameaçam o mundo.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • Festa da Sagrada Família

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Eclesiástico 3,3-7.14-17

    3 Deus honra o pai nos filhos e confirma, sobre eles, a autoridade da mãe. 4 Quem honra o seu pai alcança o perdão dos pecados; evita cometê-los e será ouvido na oração quotidiana. 5 Quem respeita a sua mãe é como alguém que ajunta tesouros. 6 Quem honra o seu pai terá alegria com seus próprios filhos e, no dia em que orar, será atendido. 7 Quem respeita o seu pai terá vida longa, e quem obedece ao pai é o consolo da sua mãe. 14 Meu filho, ampara o teu pai na velhice e não lhe causes desgosto enquanto ele vive. 15 Mesmo que ele esteja perdendo a lucidez, procura ser compreensivo para com ele; não o humilhes em nenhum dos dias de sua vida: a caridade feita a teu pai não será esquecida, 16 mas servirá para reparar os teus pecados 17 e, na justiça, será para tua edificação.

    Palavra do Senhor.

    Sl 127(128)

    Felizes os que temem o Senhor e trilham seus caminhos!

    Feliz és tu se temes o Senhor / e trilhas seus caminhos! /
    Do trabalho de tuas mãos hás de viver, / serás feliz, tudo irá bem! – R.

    A tua esposa é uma videira bem fecunda / no coração da tua casa; /
    os teus filhos são rebentos de oliveira / ao redor de tua mesa. – R.

    Será assim abençoado todo homem / que teme o Senhor. /
    O Senhor te abençoe de Sião, / cada dia de tua vida. – R.

    Colossenses 3,12-21

    Irmãos, 12 vós sois amados por Deus, sois os seus santos eleitos. Por isso, revesti-vos de sincera misericórdia, bondade, humildade, mansidão e paciência, 13 suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos mutuamente se um tiver queixa contra o outro. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai vós também. 14 Mas, sobretudo, amai-vos uns aos outros, pois o amor é o vínculo da perfeição. 15 Que a paz de Cristo reine em vossos corações, à qual fostes chamados como membros de um só corpo. E sede agradecidos. 16 Que a palavra de Cristo, com toda a sua riqueza, habite em vós. Ensinai e admoestai-vos uns aos outros com toda a sabedoria. Do fundo dos vossos corações, cantai a Deus salmos, hinos e cânticos espirituais, em ação de graças. 17 Tudo o que fizerdes, em palavras ou obras, seja feito em nome do Senhor Jesus Cristo. Por meio dele, dai graças a Deus, o Pai. 18 Esposas, sede solícitas para com vossos maridos, como convém, no Senhor. 19 Maridos, amai vossas esposas e não sejais grosseiros com elas. 20 Filhos, obedecei em tudo aos vossos pais, pois isso é bom e correto no Senhor. 21 Pais, não intimideis os vossos filhos, para que eles não desanimem.

    Palavra do Senhor.

    Mateus 2,13-15.19-23

    13 Depois que os magos partiram, o anjo do Senhor apareceu em sonho a José e lhe disse: “Levanta-te, pega o menino e sua mãe e foge para o Egito! Fica lá até que eu te avise! Porque Herodes vai procurar o menino para matá-lo”. 14 José levantou-se de noite, pegou o menino e sua mãe e partiu para o Egito. 15 Ali ficou até a morte de Herodes, para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: “Do Egito chamei o meu filho”. 19 Quando Herodes morreu, o anjo do Senhor apareceu em sonho a José, no Egito, 20 e lhe disse: “Levanta-te, pega o menino e sua mãe e volta para a terra de Israel, pois aqueles que procuravam matar o menino já estão mortos”. 21 José levantou-se, pegou o menino e sua mãe e entrou na terra de Israel. 22 Mas, quando soube que Arquelau reinava na Judeia, no lugar de seu pai, Herodes, teve medo de ir para lá. Por isso, depois de receber um aviso em sonho, José retirou-se para a região da Galileia 23 e foi morar numa cidade chamada Nazaré. Isso aconteceu para se cumprir o que foi dito pelos profetas: “Ele será chamado nazareno”.

    Palavra da Salvação.

    “Levanta-te, pega o menino e sua mãe, foge para o Egito”.

    José, um homem temente a Deus, é orientado por sonhos sobre como pode proceder para proteger o Menino Deus da perseguição operada por Herodes. Maria, aquela que gerou e trouxe o Filho de Deus ao mundo, confia a sua vida e a de Jesus sob a proteção de José, que por sua fé, acolhe as indicações do anjo.

    A Sagrada Família é imagem da união e coragem em vista da proteção daquilo que de mais sagrado possuem: Jesus Cristo, o Príncipe da Paz. Protegem-no das ameaças daqueles que não o querem ver crescer e apresentar a Deus como um Pai amoroso que acolhe a todos aqueles que desejam tê-lo em suas vidas. Protegem-no de todos aqueles que querem silenciá-lo pois sua Palavra poderá trazer vida nova ao mundo.

    Protegem-no para que nós, hoje, possamos escutá-lo, compreender sua mensagem e nos permitirmos ser transformados por ela.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 6º dia da Oitava do Natal

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    1 João 2,12-17

    12 Eu vos escrevo, filhinhos: os vossos pecados foram perdoados por meio do seu nome. 13 Eu vos escrevo, pais: vós conheceis aquele que é desde o princípio. Eu vos escrevo, jovens: vós vencestes o maligno. 14 Já vos escrevi, filhinhos: vós conheceis o Pai. Já vos escrevi, jovens: vós sois fortes, a Palavra de Deus permanece em vós, e vencestes o maligno. 15 Não ameis o mundo nem o que há no mundo. Se alguém ama o mundo, não está nele o amor do Pai. 16 Porque tudo o que há no mundo – as paixões da natureza, a concupiscência dos olhos e a ostentação da riqueza – não vem do Pai, mas do mundo. 17 Ora, o mundo passa, e também a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.

    Palavra do Senhor.

    S 95 (96)

    O céu se rejubile e exulte a terra!

    Ó família das nações, dai ao Senhor, † ó nações, dai ao Senhor poder e glória, /
    dai-lhe a glória que é devida ao seu nome! – R.

    Oferecei um sacrifício nos seus átrios, † adorai-o no esplendor da santidade, /
    terra inteira, estremecei diante dele! – R.

    Publicai entre as nações: “Reina o Senhor!” † Ele firmou o universo inabalável, /
    e os povos ele julga com justiça. – R.

    Lucas 2,36-40

    Naquele tempo, 36 havia também uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era de idade muito avançada; quando jovem, tinha sido casada e vivera sete anos com o marido. 37 Depois ficara viúva e agora já estava com oitenta e quatro anos. Não saía do templo, dia e noite servindo a Deus com jejuns e orações. 38 Ana chegou nesse momento e pôs-se a louvar a Deus e a falar do menino a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém. 39 Depois de cumprirem tudo, conforme a lei do Senhor, voltaram à Galileia, para Nazaré, sua cidade. 40 O menino crescia e tornava-se forte, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele.

    Palavra da Salvação.

    “Pôs-se a falar do menino a todos que esperavam a libertação de Jerusalém”.

    A idade de Ana, uma mulher viúva de 84 anos que passava seus dias no Templo, servindo a Deus com jejuns e orações, lhe permitiram cultivar tal intimidade com Deus em sua busca espiritual que desenvolvera a sensibilidade para reconhecer seus sinais em sua vida. Ao entrar no Templo naquele dia e se deparar com Jesus, o Menino Deus, não tivera dúvidas em reconhecê-lo como o Messias esperado e passou a louvar a Deus pela plenitude dos tempos que se desenrolava diante de seus olhos: o amor se encarnou e isso precisa ser anunciado!

    Nosso encontro com Deus também deve ser marcado pela mesma alegria demonstrada por Ana em seu encontro com Jesus. Que nossa participação nas celebrações da comunidade, nossas orações pessoais ou simples encontro com os irmãos e irmãs revelem tal sensibilidade e desejo de que Deus seja anunciado e amado por ser Deus Conosco!

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 7º dia da Oitava do Natal

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    1 João 2,18-21

    18 Filhinhos, esta é a última hora. Ouvistes dizer que o anticristo virá. Com efeito, muitos anticristos já apareceram. Por isso, sabemos que chegou a última hora. 19 Eles saíram do nosso meio, mas não eram dos nossos, pois, se fossem realmente dos nossos, teriam permanecido conosco. Mas era necessário ficar claro que nem todos são dos nossos. 20 Vós já recebestes a unção do Santo, e todos tendes conhecimento. 21 Se eu vos escrevi, não é porque ignorais a verdade, mas porque a conheceis e porque nenhuma mentira provém da verdade.

    Palavra do Senhor.

    Sl 95 (96)

    O céu se rejubile e exulte a terra!

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! /
    Cantai e bendizei seu santo nome! / Dia após dia anunciai sua salvação. – R.

    O céu se rejubile e exulte a terra, / aplauda o mar com o que vive em suas águas; /
    os campos com seus frutos rejubilem, / e exultem as florestas e as matas. – R.

    Na presença do Senhor, pois ele vem, / porque vem para julgar a terra inteira. /
    Governará o mundo todo com justiça, / e os povos julgará com lealdade. – R.

    João 1,1-18

    1 No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com Deus; e a Palavra era Deus. 2 No princípio estava ela com Deus. 3 Tudo foi feito por ela, e sem ela nada se fez de tudo que foi feito. 4 Nela estava a vida, e a vida era a luz dos homens. 5 E a luz brilha nas trevas, e as trevas não conseguiram dominá-la. 6 Surgiu um homem enviado por Deus; seu nome era João. 7 Ele veio como testemunha, para dar testemunho da luz, para que todos chegassem à fé por meio dele. 8 Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz: 9 daquele que era a luz de verdade, que, vindo ao mundo, ilumina todo ser humano. 10 A Palavra estava no mundo – e o mundo foi feito por meio dela –, mas o mundo não quis conhecê-la. 11 Veio para o que era seu, e os seus não a acolheram. 12 Mas a todos os que a receberam, deu-lhes capacidade de se tornarem filhos de Deus, isto é, aos que acreditam em seu nome, 13 pois estes não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus mesmo. 14 E a Palavra se fez carne e habitou entre nós. E nós contemplamos a sua glória, glória que recebe do Pai como Filho unigênito, cheio de graça e de verdade. 15 Dele João dá testemunho, clamando: “Este é aquele de quem eu disse: ‘O que vem depois de mim passou à minha frente, porque ele existia antes de mim’”. 16 De sua plenitude todos nós recebemos graça por graça. 17 Pois por meio de Moisés foi dada a lei, mas a graça e a verdade nos chegaram através de Jesus Cristo. 18 A Deus ninguém jamais viu. Mas o unigênito de Deus, que está na intimidade do Pai, ele no-lo deu a conhecer.

    Palavra da Salvação.

    “E a Palavra se fez carne”.

    O Evangelho nestes dias não deixa de nos relembrar esta profunda verdade de fé: a Palavra se fez carne para habitar entre nós! Nós contemplamos a sua glória neste movimento de rebaixamento, onde o Filho assume o limite que não lhe era devido para nos resgatar por amor ao Pai e à humanidade! Ele é verdadeira luz a afastar as trevas do pecado e dispõe a ser acolhido por todo homem e mulher de boa vontade em suas vidas.

    Sua presença é graça oferecida imerecidamente a nós, para que o conheçamos, amemos e nos comprometamos com tal amor. Jesus se torna o rosto do Pai, revela seus sentimentos e nos mostra o caminho para que também nós possamos cultivar nossa relação amorosa com Ele.

    Reflexão feita pelos noviços.