Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Liturgia diária

fevereiro/2020

  • Sábado da 3ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    2 Samuel 12,1-7.10-17

    Naqueles dias, 1 o Senhor mandou o profeta Natã a Davi. Ele foi ter com o rei e lhe disse: “Numa cidade havia dois homens, um rico e outro pobre. 2 O rico possuía ovelhas e bois em grande número. 3 O pobre só possuía uma ovelha pequenina, que tinha comprado e criado. Ela crescera em sua casa junto com seus filhos, comendo do seu pão, bebendo do mesmo copo, dormindo no seu regaço. Era para ele como uma filha. 4 Veio um hóspede à casa do homem rico, e este não quis tomar uma das suas ovelhas ou um dos seus bois para preparar um banquete e dar de comer ao hóspede que chegara. Mas foi, apoderou-se da ovelhinha do pobre e preparou-a para o visitante”. 5 Davi ficou indignado contra esse homem e disse a Natã: “Pela vida do Senhor, o homem que fez isso merece a morte! 6 Pagará quatro vezes o valor da ovelha, por ter feito o que fez e não ter tido compaixão”. 7 Natã disse a Davi: “Esse homem és tu! Assim diz o Senhor, o Deus de Israel: 10 ‘Por isso, a espada jamais se afastará de tua casa, porque me desprezaste e tomaste a mulher do hitita Urias para fazer dela a tua esposa’. 11 Assim diz o Senhor: ‘Da tua própria casa farei surgir o mal contra ti e tomarei as tuas mulheres, sob os teus olhos, e as darei a um outro, e ele se aproximará das tuas mulheres à luz deste sol. 12 Tu fizeste tudo às escondidas. Eu, porém, farei o que digo diante de todo Israel e à luz do sol’”. 13 Davi disse a Natã: “Pequei contra o Senhor”. Natã respondeu-lhe: “De sua parte, o Senhor perdoou o teu pecado, de modo que não morrerás! 14 Entretanto, por teres ultrajado o Senhor com teu procedimento, o filho que te nasceu morrerá”. 15 E Natã voltou para a sua casa. O Senhor feriu o filho que a mulher de Urias tinha dado a Davi, e ele adoeceu gravemente. 16 Davi implorou a Deus pelo menino e fez um grande jejum. E, voltando para casa, passou a noite deitado no chão. 17 Os anciãos do palácio insistiam com ele para que se levantasse do chão; mas ele não o quis fazer nem tomar com eles alimento algum.

    Palavra do Senhor.

    Sl 50 (51)

    Criai em mim um coração que seja puro!

    Criai em mim um coração que seja puro, / dai-me de novo um espírito decidido. /
    Ó Senhor, não me afasteis de vossa face / nem retireis de mim o vosso Santo Espírito! – R.

    Dai-me de novo a alegria de ser salvo / e confirmai-me com espírito generoso! /
    Ensinarei vosso caminho aos pecadores, / e para vós se voltarão os transviados. – R.

    Da morte como pena, libertai-me, / e minha língua exaltará vossa justiça! /
    Abri meus lábios, ó Senhor, para cantar, / e minha boca anunciará vosso louvor! – R.

    Marcos 4,35-41

    35 Naquele dia, ao cair da tarde, Jesus disse a seus discípulos: “Vamos para a outra margem!” 36 Eles despediram a multidão e levaram Jesus consigo, assim como estava, na barca. Havia ainda outras barcas com ele. 37 Começou a soprar uma ventania muito forte, e as ondas se lançavam dentro da barca, de modo que a barca já começava a se encher. 38 Jesus estava na parte detrás, dormindo sobre um travesseiro. Os discípulos o acordaram e disseram: “Mestre, estamos perecendo, e tu não te importas?” 39 Ele se levantou e ordenou ao vento e ao mar: “Silêncio! Cala-te!” O vento cessou e houve uma grande calmaria. 40 Então Jesus perguntou aos discípulos: “Por que sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?” 41 Eles sentiram um grande medo e diziam uns aos outros: “Quem é este, a quem até o vento e o mar obedecem?”

    Palavra da Salvação.

    “Quem é este, a quem até o vento e o mar obedecem?”.

    O Evangelho deste dia nos aponta que, assim como os discípulos, muitas vezes deixamos o medo falar mais alto em nossa vida. Sabemos que Jesus escolheu pescadores como apóstolos, portanto essa não seria a primeira tempestade que eles estariam passando. Mas, também, não se dão conta de que Aquele que está junto deles é o Messias, o Filho de Deus, que não deixaria que nada de mal acontecesse a eles. Jesus, então, dominou as águas, como Moisés, para trazer segurança ao povo, no caso os seus discípulos.

    Assim, também nós nos aterrorizamos com um incômodo que não sabemos como superar, esquecemos que Deus está conosco e não deixará nada de mal acontecer. A pergunta central, que diziam uns aos outros: “Quem é este, a quem até o vento e o mar obedecem?”, agora pode ser respondida como Pedro: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”, Senhor do tempo e da história, que caminha conosco, mesmo em nossas maiores dificuldades.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • Apresentação do Senhor

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Malaquias 3,1-4

    Assim diz o Senhor: 1 Eis que envio meu anjo, e ele há de preparar o caminho para mim; logo chegará ao seu templo o dominador, que tentais encontrar, e o anjo da aliança, que desejais. Ei-lo que vem, diz o Senhor dos exércitos; 2 e quem poderá fazer-lhe frente no dia de sua chegada? E quem poderá resistir-lhe quando ele aparecer? Ele é como o fogo da forja e como a barrela dos lavadeiros; 3 e estará a postos, como para fazer derreter e purificar a prata: assim ele purificará os filhos de Levi e os refinará como ouro e como prata, e eles poderão assim fazer oferendas justas ao Senhor. 4 Será então aceitável ao Senhor a oblação de Judá e de Jerusalém, como nos primeiros tempos e nos anos antigos.

    Palavra do Senhor.

    Sl23(24)

    O rei da glória é o Senhor onipotente!

    “Ó portas, levantai vossos frontões! † Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, /
    a fim de que o rei da glória possa entrar!” – R.

    Dizei-nos: “Quem é este rei da glória?” † “É o Senhor, o valoroso, o onipotente, /
    o Senhor, o poderoso nas batalhas!” – R.

    “Ó portas, levantai vossos frontões! † Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, /
    a fim de que o rei da glória possa entrar!” – R.

    Dizei-nos: “Quem é este rei da glória?” † “O rei da glória é o Senhor onipotente, /
    o rei da glória é o Senhor Deus do universo.” – R.

    Hebreus 2,14-18

    Irmãos, 14 visto que os filhos têm em comum a carne e o sangue, também Jesus participou da mesma condição, para assim destruir, com a sua morte, aquele que tinha o poder da morte, isto é, o diabo, 15 e libertar os que, por medo da morte, estavam a vida toda sujeitos à escravidão. 16 Pois, afinal, não veio ocupar-se com os anjos, mas com a descendência de Abraão. 17 Por isso, devia fazer-se em tudo semelhante aos irmãos, para se tornar um sumo sacerdote misericordioso e digno de confiança nas coisas referentes a Deus, a fim de expiar os pecados do povo. 18 Pois, tendo ele próprio sofrido ao ser tentado, é capaz de socorrer os que agora sofrem a tentação.

    Palavra do Senhor.

    Lucas 2,22-40 ou 22-32 (forma breve)

    22 Quando se completaram os dias para a purificação da mãe e do filho, conforme a lei de Moisés, Maria e José levaram Jesus a Jerusalém, a fim de apresentá-lo ao Senhor, 23 conforme está escrito na lei do Senhor: “Todo primogênito do sexo masculino deve ser consagrado ao Senhor”. 24 Foram também oferecer o sacrifício – um par de rolas ou dois pombinhos –, como está ordenado na lei do Senhor. 25 Em Jerusalém havia um homem chamado Simeão, o qual era justo e piedoso e esperava a consolação do povo de Israel. O Espírito Santo estava com ele 26 e lhe havia anunciado que não morreria antes de ver o Messias que vem do Senhor. 27 Movido pelo Espírito, Simeão veio ao templo. Quando os pais trouxeram o menino Jesus para cumprir o que a lei ordenava, 28 Simeão tomou o menino nos braços e bendisse a Deus: 29 “Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar teu servo partir em paz; 30 porque meus olhos viram a tua salvação, 31 que preparaste diante de todos os povos: 32 luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel”.

    33 O pai e a mãe de Jesus estavam admirados com o que diziam a respeito dele. 34 Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus: “Este menino vai ser causa tanto de queda como de reerguimento para muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. 35 Assim serão revelados os pensamentos de muitos corações. Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma”. 36 Havia também uma profetisa, chamada Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Era de idade muito avançada; quando jovem, tinha sido casada e vivera sete anos com o marido. 37 Depois ficara viúva e agora já estava com oitenta e quatro anos. Não saía do templo, dia e noite servindo a Deus com jejuns e orações. 38 Ana chegou nesse momento e pôs-se a louvar a Deus e a falar do menino a todos os que esperavam a libertação de Jerusalém. 39 Depois de cumprirem tudo, conforme a lei do Senhor, voltaram à Galileia, para Nazaré, sua cidade. 40 O menino crescia e tornava-se forte, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com ele.

    Palavra da Salvação.

    “Meus olhos viram a tua salvação”.

    “Eis que meus olhos viram a vossa salvação”. Estas palavras de alegria fazem parte da profissão de fé que o velho profeta Simeão faz ao ver o menino Jesus no templo. Ele reconhece, naquela frágil criança nos braços de uma simples mulher, o Messias esperando por todos as gerações. Aquele que veio trazer a luz para todos os povos e não, o fogo e a condenação. Simeão, em sua simplicidade, soube compreender o plano de Deus de querer se encarnar no meio de seu povo assumindo uma identidade, a judaica, e conhecendo de perto a realidade de seu povo que tanto clamava pela vinda do Messias. Deus ama de tal modo a humanidade que envia o seu Filho único e Ele se entrega totalmente ao Pai assumindo a missão de salvar a humanidade da morte. Simeão profetiza essa missão dolorosa do Filho ao dizer que uma espada traspassará o coração de Maria. Assim como Simeão, o cristão é chamado a ser testemunha do mistério da encarnação testemunhando o amor de Deus no seu dia-a-dia.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 2ª feira da 4ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de São Brás

    2 Samuel 15,13-14.30; 16,5-13

    Naqueles dias, 13 um mensageiro veio dizer a Davi: “As simpatias de todo o Israel estão com Absalão”. 14 Davi disse aos servos que estavam com ele em Jerusalém: “Depressa, fujamos, porque, de outro modo, não podemos escapar de Absalão! Apressai-vos em partir, para que não aconteça que ele, chegando, nos apanhe, traga sobre nós a ruína e passe a cidade ao fio da espada”. 30 Davi caminhava chorando, enquanto subia o monte das Oliveiras com a cabeça coberta e os pés descalços. E todo o povo que o acompanhava subia também chorando, com a cabeça coberta.

    16,5 Quando o rei chegou a Baurim, saiu de lá um homem da parentela de Saul chamado Semei, filho de Gera, que ia proferindo maldições enquanto andava. 6 Atirava pedras contra Davi e contra todos os servos do rei, embora toda a tropa e todos os homens de elite seguissem agrupados à direita e à esquerda do rei Davi. 7 Semei amaldiçoava-o, dizendo: “Vai-te embora! Vai-te embora, homem sanguinário e criminoso! 8 O Senhor fez cair sobre ti todo o sangue da casa de Saul, cujo trono usurpaste, e entregou o trono a teu filho Absalão. Tu estás entregue à tua própria maldade, porque és um homem sanguinário”. 9 Então Abisai, filho de Sárvia, disse ao rei: “Por que há de este cão morto continuar amaldiçoando o senhor, meu rei? Deixa-me passar para lhe cortar a cabeça”. 10 Mas o rei respondeu: “Não te intrometas, filho de Sárvia! Se ele amaldiçoa e se o Senhor o mandou maldizer a Davi, quem poderia dizer-lhe: ‘Por que fazes isso?’” 11 E Davi disse a Abisai e a todos os seus servos: “Vede, se meu filho, que saiu das minhas entranhas, atenta contra a minha vida, com mais razão esse filho de Benjamim. Deixai-o amaldiçoar, conforme a permissão do Senhor. 12 Talvez o Senhor leve em conta a minha miséria, restituindo-me a ventura em lugar da maldição de hoje”. 13 E Davi e seus homens seguiram adiante.

    Palavra do Senhor.

    Sl 3

    Levantai-vos, ó Senhor, vinde salvar-me!

    Quão numerosos, ó Senhor, os que me atacam; / quanta gente se levanta contra mim! /
    Muitos dizem, comentando a meu respeito: / “Ele não acha a salvação junto de Deus!” – R.

    Mas sois vós o meu escudo protetor, / a minha glória que levanta minha cabeça! /
    Quando eu chamei em alta voz pelo Senhor, / do monte santo ele me ouviu e respondeu. – R.

    Eu me deito e adormeço bem tranquilo; / acordo em paz, pois o Senhor é meu sustento. /
    Não terei medo de milhares que me cerquem † e, furiosos, se levantem contra mim. /
    Levantai-vos, ó Senhor, vinde salvar-me! – R.

    Marcos 5,1-20

    Naquele tempo, 1 Jesus e seus discípulos chegaram à outra margem do mar, na região dos gerasenos. 2 Logo que saiu da barca, um homem possuído por um espírito impuro, saindo de um cemitério, foi ao seu encontro. 3 Esse homem morava no meio dos túmulos e ninguém conseguia amarrá-lo, nem mesmo com correntes. 4 Muitas vezes tinha sido amarrado com algemas e correntes, mas ele arrebentava as correntes e quebrava as algemas. E ninguém era capaz de dominá-lo. 5 Dia e noite ele vagava entre os túmulos e pelos montes, gritando e ferindo-se com pedras. 6 Vendo Jesus de longe, o endemoninhado correu, caiu de joelhos diante dele 7 e gritou bem alto: “Que tens a ver comigo, Jesus, Filho do Deus altíssimo? Eu te conjuro por Deus, não me atormentes!” 8 Com efeito, Jesus lhe dizia: “Espírito impuro, sai desse homem!” 9 Então Jesus perguntou: “Qual é o teu nome?” O homem respondeu: “Meu nome é Legião, porque somos muitos”. 10 E pedia com insistência que Jesus não o expulsasse da região. 11 Havia aí perto uma grande manada de porcos, pastando na montanha. 12 O espírito impuro suplicou então: “Manda-nos para os porcos, para que entremos neles”. 13 Jesus permitiu. Os espíritos impuros saíram do homem e entraram nos porcos. E toda a manada – mais ou menos uns dois mil porcos – atirou-se monte abaixo para dentro do mar, onde se afogou. 14 Os homens que guardavam os porcos saíram correndo e espalharam a notícia na cidade e nos campos. E as pessoas foram ver o que havia acontecido. 15 Elas foram até Jesus e viram o endemoninhado sentado, vestido e no seu perfeito juízo, aquele mesmo que antes estava possuído pela Legião. E ficaram com medo. 16 Os que tinham presenciado o fato explicaram-lhes o que havia acontecido com o endemoninhado e com os porcos. 17 Então começaram a pedir que Jesus fosse embora da região deles. 18 Enquanto Jesus entrava de novo na barca, o homem que tinha sido endemoninhado pediu-lhe que o deixasse ficar com ele. 19 Jesus, porém, não permitiu. Entretanto, lhe disse: “Vai para casa, para junto dos teus, e anuncia-lhes tudo o que o Senhor, em sua misericórdia, fez por ti”. 20 Então o homem foi embora e começou a pregar na Decápole tudo o que Jesus tinha feito por ele. E todos ficavam admirados.

    Palavra da Salvação.

    “Espírito impuro, sai desse homem!”.

    Aos pagãos é anunciada a Boa Nova: o Pai deseja que seus filhos se salvem e sejam um com Ele. Deste modo, Cristo, o Ungido de Deus, cura as feridas e promove vida nova a cada pessoa que se deixa experimentar a misericórdia de Deus, libertando-a daquilo que a impede de viver.

    O espírito impuro, ao ser interrogado por Jesus, denomina-se Legião dizendo ser muitos.  Revela-se, portanto, contra a ideia do Pai de unidade, pois Deus que é Três Pessoas, é também Um numa perfeita harmonia que se estenderá às mulheres e aos homens que se permitirem. Assim, a vivência do Evangelho e, decorrente disso, o anúncio, são feitos no cotidiano, no meio dos seus, na família, no colégio, na vizinhança, com quem formamos unidade (embora não se restrinja a isso): onde estiver, aquele que se faz discípulo de Jesus anuncia a todos as obras misericordiosas de Deus.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 3ª feira da 4ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    2 Samuel 18,9-10.14.24-25.30-19,3

    Naqueles dias, 9 Absalão encontrou-se por acaso na presença dos homens de Davi. Ia montado numa mula, e esta meteu-se sob a folhagem espessa de um grande carvalho. A cabeça de Absalão ficou presa nos galhos da árvore, de modo que ele ficou suspenso entre o céu e a terra, enquanto a mula em que ia montado passou adiante. 10 Alguém viu isso e informou Joab, dizendo: “Vi Absalão suspenso num carvalho”. 14 Joab tomou então três dardos e cravou-os no peito de Absalão. 24 Davi estava sentado entre duas portas da cidade. A sentinela que tinha subido ao terraço da porta, sobre a muralha, levantou os olhos e divisou um homem que vinha correndo, sozinho. 25Pôs-se a gritar e avisou o rei, que disse: “Se ele vem só, traz alguma boa-nova”. 30 O rei disse-lhe: “Passa e espera aqui”. Tendo ele passado e estando no seu lugar, 31 apareceu o etíope e disse: “Trago-te, senhor meu rei, a boa-nova: o Senhor te fez justiça contra todos os que se tinham revoltado contra ti”. 32 O rei perguntou ao etíope: “Vai tudo bem para o jovem Absalão?” E o etíope disse: “Tenham a sorte desse jovem os inimigos do rei, meu senhor, e todos os que se levantam contra ti para te fazer mal!” 19,1 Então o rei estremeceu, subiu para a sala que está acima da porta e caiu em pranto. Dizia entre soluços: “Meu filho Absalão! Meu filho, meu filho Absalão! Por que não morri eu em teu lugar? Absalão, meu filho, meu filho!” 2 Anunciaram a Joab que o rei estava chorando e lamentando-se por causa do filho. 3 Assim, a vitória converteu-se em luto, naquele dia, para todo o povo, porque o povo soubera que o rei estava acabrunhado de dor por causa de seu filho.

    Palavra do Senhor.

    Sl 85 (86)

    Inclinai vosso ouvido, ó Senhor, e respondei-me!

    Inclinai, ó Senhor, vosso ouvido, / escutai, pois sou pobre e infeliz! / Protegei-me, que sou vosso amigo,
    † e salvai vosso servo, meu Deus, / que espera e confia em vós! – R.

    Piedade de mim, ó Senhor, / porque clamo por vós todo o dia! /
    Animai e alegrai vosso servo, / pois a vós eu elevo a minha alma. – R.

    Ó Senhor, vós sois bom e clemente, / sois perdão para quem vos invoca. /
    Escutai, ó Senhor, minha prece, / o lamento da minha oração! – R.

    Marcos 5,21-43

    Naquele tempo, 21 Jesus atravessou de novo, numa barca, para a outra margem. Uma numerosa multidão se reuniu junto dele e Jesus ficou na praia. 22 Aproximou-se, então, um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo. Quando viu Jesus, caiu a seus pés 23 e pediu com insistência: “Minha filhinha está nas últimas. Vem e põe as mãos sobre ela, para que ela sare e viva!” 24 Jesus então o acompanhou. Uma numerosa multidão o seguia e o comprimia. 25 Ora, achava-se ali uma mulher que, há doze anos, estava com uma hemorragia; 26 tinha sofrido nas mãos de muitos médicos, gastou tudo o que possuía e, em vez de melhorar, piorava cada vez mais. 27 Tendo ouvido falar de Jesus, aproximou-se dele por detrás, no meio da multidão, e tocou na sua roupa. 28 Ela pensava: “Se eu ao menos tocar na roupa dele, ficarei curada”. 29 A hemorragia parou imediatamente, e a mulher sentiu dentro de si que estava curada da doença. 30 Jesus logo percebeu que uma força tinha saído dele. E, voltando-se no meio da multidão, perguntou: “Quem tocou na minha roupa?” 31 Os discípulos disseram: “Estás vendo a multidão que te comprime e ainda perguntas: ‘Quem me tocou?’” 32 Ele, porém, olhava ao redor para ver quem havia feito aquilo. 33 A mulher, cheia de medo e tremendo, percebendo o que lhe havia acontecido, veio e caiu aos pés de Jesus e contou-lhe toda a verdade. 34 Ele lhe disse: “Filha, a tua fé te curou. Vai em paz e fica curada dessa doença”. 35 Ele estava ainda falando quando chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga e disseram a Jairo: “Tua filha morreu. Por que ainda incomodar o mestre?” 36 Jesus ouviu a notícia e disse ao chefe da sinagoga: “Não tenhas medo. Basta ter fé!” 37 E não deixou que ninguém o acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e seu irmão João. 38 Quando chegaram à casa do chefe da sinagoga, Jesus viu a confusão e como estavam chorando e gritando. 39 Então, ele entrou e disse: “Por que essa confusão e esse choro? A criança não morreu, mas está dormindo”. 40 Começaram então a caçoar dele. Mas ele mandou que todos saíssem, menos o pai e a mãe da menina e os três discípulos que o acompanhavam. Depois entraram no quarto onde estava a criança. 41 Jesus pegou na mão da menina e disse: “Talitá cum” – que quer dizer: “Menina, levanta-te!” 42 Ela levantou-se imediatamente e começou a andar, pois tinha doze anos. E todos ficaram admirados. 43 Ele recomendou com insistência que ninguém ficasse sabendo daquilo. E mandou dar de comer à menina.

    Palavra da Salvação.

    “Menina, levanta-te!”.

    Jesus, em seu modo todo original e próximo, atrai as pessoas e procura sempre motivar a fé dos que o procuram. Neste trecho, Jesus realiza seus dois milagres sob uma condição: a fé. A mulher havia feito de tudo para vencer a doença, as pessoas espremiam Jesus, mas ela o tocou pela sua humildade e ousadia. A menina, já tida como morta por todos, deixou o pai abatido, porém, Jesus o reanimou a confiar.

    Somos provocados a insistirmos e sermos ousados, pois o Senhor quer que peçamos sempre, confiantes na filiação divina que recebemos. Contudo, diante das nossas fraquezas e misérias, assim como de pessoas queridas tidas como mortas por realidades duras, somos atraídos ao desânimo, mas, para o Senhor “basta ter fé” e procurarmos “tocá-lo” com o coração, com o íntimo de nossa vida e de nossa pobreza. Assim, experimentaremos “quão suave e doce é o Senhor” e nos levantaremos caminhando ao seu encontro.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 4ª feira da 4ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de Santa Águeda, Virgem e Mártir

    2 Samuel 24,2.9-17

    Naqueles dias, 2 disse o rei Davi a Joab e aos chefes do seu exército que estavam com ele: “Percorre todas as tribos de Israel, desde Dã até Bersabeia, e faze o recenseamento do povo, de maneira que eu saiba o seu número”. 9 Joab apresentou ao rei o resultado do recenseamento do povo: havia em Israel oitocentos mil homens de guerra, que manejavam a espada; e, em Judá, quinhentos mil homens. 10 Mas, depois que o povo foi recenseado, Davi sentiu remorsos e disse ao Senhor: “Cometi um grande pecado ao fazer o que fiz. Mas perdoa a iniquidade do teu servo, porque procedi como um grande insensato”. 11 Pela manhã, quando Davi se levantou, a palavra do Senhor tinha sido dirigida ao profeta Gad, vidente de Davi, nestes termos: 12 “Vai dizer a Davi: Assim fala o Senhor: dou-te a escolher três coisas; escolhe aquela que queres que eu te envie”. 13 Gad foi ter com Davi e referiu-lhe estas palavras, dizendo: “Que preferes: três anos de fome na tua terra, três meses de derrotas diante dos inimigos que te perseguem ou três dias de peste no país? Reflete, pois, e vê o que devo responder a quem me enviou”. 14 Davi respondeu a Gad: “Estou em grande angústia. É melhor cair nas mãos do Senhor, cuja misericórdia é grande, do que cair nas mãos dos homens!” 15 E Davi escolheu a peste. Era o tempo da colheita do trigo. O Senhor mandou, então, a peste a Israel, desde aquela manhã até o dia fixado, de modo que morreram setenta mil homens da população, desde Dã até Bersabeia. 16 Quando o anjo estendeu a mão para exterminar Jerusalém, o Senhor arrependeu-se desse mal e disse ao anjo que exterminava o povo: “Basta! Retira agora a tua mão!” O anjo estava junto à eira de Areúna, o jebuseu. 17 Quando Davi viu o anjo que afligia o povo, disse ao Senhor: “Fui eu que pequei, eu é que tenho a culpa. Mas estes, que são como ovelhas, que fizeram? Peço-te que a tua mão se volte contra mim e contra a minha família!”

    Palavra do Senhor.

    Sl 31 (32)

    Perdoai-me, Senhor, meu pecado!

    Feliz o homem que foi perdoado / e cuja falta já foi encoberta! /
    Feliz o homem a quem o Senhor † não olha mais como sendo culpado /
    e em cuja alma não há falsidade! – R.

    Eu confessei, afinal, meu pecado / e minha falta vos fiz conhecer. /
    Disse: “Eu irei confessar meu pecado!” / E perdoastes, Senhor, minha falta. – R.

    Todo fiel pode, assim, invocar-vos / durante o tempo da angústia e aflição, /
    porque, ainda que irrompam as águas, / não poderão atingi-lo jamais. – R.

    Sois para mim proteção e refúgio; / na minha angústia me haveis de salvar /
    e envolvereis a minha alma no gozo / da salvação que me vem só de vós. – R.

    Marcos 6,1-6

    Naquele tempo, 1 Jesus foi a Nazaré, sua terra, e seus discípulos o acompanharam. 2 Quando chegou o sábado, começou a ensinar na sinagoga. Muitos que o escutavam ficavam admirados e diziam: “De onde recebeu ele tudo isso? Como conseguiu tanta sabedoria? E esses grandes milagres que são realizados por suas mãos? 3 Este homem não é o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago, de Joset, de Judas e de Simão? Suas irmãs não moram aqui conosco?” E ficaram escandalizados por causa dele. 4 Jesus lhes dizia: “Um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares”. 5 E ali não pôde fazer milagre algum. Apenas curou alguns doentes, impondo-lhes as mãos. 6 E admirou-se com a falta de fé deles. Jesus percorria os povoados das redondezas, ensinando.

    Palavra da Salvação.

    “Um profeta só não é estimado em sua pátria”.

    Muitas vezes, não escutamos Cristo e seus ensinamentos e, assim, nos afastamos Dele. Não conhecemos mais a Sua voz e não O seguimos.
    Para nos mantermos fiéis, devemos estar atentos às suas palavras e ensinamentos. Isso acontece quando temos diariamente um tempo para nos colocarmos à escuta dos Evangelhos. Acolher a Palavra é acolher o próprio Senhor em nossa vida.

    Com o coração aberto e a escuta diária da Palavra, somos capazes de reconhecer a Voz que nos conduz e nos orienta ao encontro com o outro, nos coloca a serviço, nos torna mais sensíveis a reconhecer a ação de Deus em nossa vida, em todos os momentos. E, assim, segui-Lo até às últimas consequências, na certeza que seremos salvos.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 5ª feira da 4ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de São Paulo Miki e companheiros mártires

    1 Reis 2,1-4.10-12

    1 Aproximando-se o fim da sua vida, Davi deu estas instruções a seu filho Salomão: 2 “Vou seguir o caminho de todos os mortais. Sê corajoso e porta-te como um homem. 3 Observa os preceitos do Senhor, teu Deus, andando em seus caminhos, observando seus estatutos, seus mandamentos, seus preceitos e seus ensinamentos, como estão escritos na lei de Moisés. E assim serás bem-sucedido em tudo o que fizeres e em todos os teus projetos. 4 Então o Senhor cumprirá a promessa que me fez, dizendo: ‘Se teus filhos conservarem uma boa conduta, caminhando com lealdade diante de mim, com todo o seu coração e com toda a sua alma, jamais te faltará um sucessor no trono de Israel’”. 10 E Davi adormeceu com seus pais e foi sepultado na cidade de Davi. 11 O tempo que Davi reinou em Israel foi de quarenta anos: sete anos em Hebron e trinta e três em Jerusalém. 12 Salomão sucedeu no trono a seu pai, Davi, e seu reino ficou solidamente estabelecido.

    Palavra do Senhor.

    Sl 1Cr 29

    Dominais todos os povos, ó Senhor.

    Bendito sejais vós, ó Senhor Deus, † Senhor Deus de Israel, o nosso pai, /
    desde sempre e por toda a eternidade! – R.

    A vós pertencem a grandeza e o poder, / toda a glória, esplendor e majestade. – R.

    A vós, Senhor, também pertence a realeza, † pois sobre a terra, como rei, vos elevais! /
    Toda glória e riqueza vêm de vós! – R.

    Sois o Senhor e dominais o universo, † em vossa mão se encontra a força e o poder, /
    em vossa mão tudo se afirma e tudo cresce! – R.

    Marcos 6,7-13

    Naquele tempo, 7 Jesus chamou os doze e começou a enviá-los dois a dois, dando-lhes poder sobre os espíritos impuros. 8 Recomendou-lhes que não levassem nada para o caminho, a não ser um cajado; nem pão, nem sacola, nem dinheiro na cintura. 9 Mandou que andassem de sandálias e que não levassem duas túnicas. 10 E Jesus disse ainda: “Quando entrardes numa casa, ficai ali até vossa partida. 11 Se em algum lugar não vos receberem nem quiserem vos escutar, quando sairdes, sacudi a poeira dos pés como testemunho contra eles!” 12 Então os doze partiram e pregaram que todos se convertessem. 13 Expulsavam muitos demônios e curavam numerosos doentes, ungindo-os com óleo

    Palavra da Salvação.

    “Começou a enviá-los”.

    Cristo, ao enviar os discípulos dois a dois, nos indica a importância do convívio, vida e pastoral vividos em fraternidade. No convívio diário, podemos estreitar os laços uns com os outros, laços esses que atingem o seu ápice no momento em que surge a confiança um no outro, dando-nos a segurança de partilharmos nossas angústias e alegrias, preocupações e esperanças.

    Durante o seguimento de um discípulo a Cristo, chega o momento de ir e anunciar a Boa Nova. Mesmo diante de todas adversidades do mundo atual, somos convidados a propagar a graça onde existe o sofrimento, o bem onde existe o mal e a luz quando a escuridão se sobressai.

    Tenhamos nossa alma e mente centradas Naquele que nos envia, para que os ruídos externos não abafem sua voz e, se “em algum lugar não vos receber”, como o Mestre nos diz, não desanimemos da missão, pois nosso dever como discípulos enviados a anunciar foi cumprido de maneira simples, disponível, gratuita e desprendida.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 6ª feira da 4ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Eclesiástico 47,2-13

    2 Como a gordura, que se separa do sacrifício pacífico, assim também sobressai Davi entre os israelitas. 3 Brincou com leões como se fossem cabritos e com ursos como se fossem cordeiros. 4 Não foi ele que, ainda jovem, matou o gigante e retirou do seu povo a desonra? 5 Ao levantar a mão com a pedra na funda, ele abateu o orgulho de Golias. 6 Pois invocou o Senhor, o Altíssimo, e este deu força ao seu braço direito e ele acabou com um poderoso guerreiro e reergueu o poder do seu povo. 7 Assim foi que o glorificaram por dez mil e o louvaram pelas bênçãos do Senhor, oferecendo-lhe uma coroa de glória. 8 Pois esmagou os inimigos por toda parte e aniquilou os filisteus, seus adversários, abatendo até hoje o seu poder. 9 Em todas as suas obras dava graças ao Santo Altíssimo com palavras de louvor: 10 de todo o coração louvava o Senhor, mostrando que amava a Deus, seu criador. 11 Diante do altar colocou cantores, que deviam acompanhar suavemente as melodias. 12 Deu grande esplendor às festas e ordenou com perfeição as solenidades até o fim do ano: fez com que louvassem o santo nome do Senhor, enchendo o santuário de harmonia desde a aurora. 13 O Senhor lhe perdoou os seus pecados e exaltou para sempre o seu poder; concedeu-lhe a aliança real e um trono glorioso em Israel.

    Palavra do Senhor.

    Sl 17(18)

    Louvado seja Deus, meu salvador!

    São perfeitos os caminhos do Senhor, / sua palavra é provada pelo fogo; /
    nosso Deus é um escudo poderoso / para aqueles que a ele se confiam. – R.

    Viva o Senhor! Bendito seja o meu rochedo! / E louvado seja Deus, meu salvador! /
    Por isso, entre as nações, vos louvarei, / cantarei salmos, ó Senhor, ao vosso nome. – R.

    Concedeis ao vosso rei grandes vitórias † e mostrais misericórdia ao vosso ungido, /
    a Davi e à sua casa para sempre. – R.

    Marcos 6,14-29

    Naquele tempo, 14 o rei Herodes ouviu falar de Jesus, cujo nome se tinha tornado muito conhecido. Alguns diziam: “João Batista ressuscitou dos mortos. Por isso os poderes agem nesse homem”. 15 Outros diziam: “É Elias”. Outros ainda diziam: “É um profeta como um dos profetas”. 16 Ouvindo isso, Herodes disse: “Ele é João Batista. Eu mandei cortar a cabeça dele, mas ele ressuscitou!” 17 Herodes tinha mandado prender João e colocá-lo acorrentado na prisão. Fez isso por causa de Herodíades, mulher do seu irmão Filipe, com quem se tinha casado. 18 João dizia a Herodes: “Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão”. 19 Por isso Herodíades o odiava e queria matá-lo, mas não podia. 20 Com efeito, Herodes tinha medo de João, pois sabia que ele era justo e santo, e por isso o protegia. Gostava de ouvi-lo, embora ficasse embaraçado quando o escutava. 21 Finalmente, chegou o dia oportuno. Era o aniversário de Herodes, e ele fez um grande banquete para os grandes da corte, os oficiais e os cidadãos importantes da Galileia. 22 A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e seus convidados. Então o rei disse à moça: “Pede-me o que quiseres e eu to darei”. 23 E lhe jurou, dizendo: “Eu te darei qualquer coisa que me pedires, ainda que seja a metade do meu reino”. 24 Ela saiu e perguntou à mãe: “O que vou pedir?” A mãe respondeu: “A cabeça de João Batista”. 25 E, voltando depressa para junto do rei, pediu: “Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista”. 26 O rei ficou muito triste, mas não pôde recusar. Ele tinha feito o juramento diante dos convidados. 27 Imediatamente, o rei mandou que um soldado fosse buscar a cabeça de João. O soldado saiu, degolou-o na prisão, 28 trouxe a cabeça num prato e a deu à moça. Ela a entregou à sua mãe. 29 Ao saberem disso, os discípulos de João foram lá, levaram o cadáver e o sepultaram.

    Palavra da Salvação.

    “É João Batista a quem mandei cortar a cabeça que ressuscitou”.

    Nesta primeira sexta-feira do mês, o Evangelho nos recorda o episódio da morte de João Batista, o profeta que anunciava a vinda do Messias, que reconhecia ser maior do que ele próprio e que foi morto por denunciar as imprudências de Herodes.

    O Senhor, ainda nos dias de hoje, suscita homens e mulheres em nossas comunidades para que testemunhem com suas vidas o Reino de Deus, anunciado por Jesus Cristo, com coragem e despojamento. Contudo, muitas vezes agimos tal como Herodes e, em nome de nossas paixões, acabamos por matar a voz de Deus que fala a nós.

    Peçamos ao Altíssimo a graça de testemunharmos com nossas ações o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, conformando os nossos desejos ao sonho do Pai de espalhar por toda a terra o seu Reino de Amor.

    Reflexão feita pelos noviços

  • Sábado da 4ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de Santa Josefina Bakhita

    1 Reis 3,4-13

    Naqueles dias, 4 o rei Salomão foi a Gabaon para oferecer um sacrifício, porque esse era o lugar alto mais importante. Salomão ofereceu mil holocaustos naquele altar. 5 Em Gabaon o Senhor apareceu a Salomão, em sonho, durante a noite, e lhe disse: “Pede o que desejas e eu to darei”. 6Salomão respondeu: “Tu mostraste grande benevolência para com teu servo Davi, meu pai, porque ele andou na tua presença com sinceridade, justiça e retidão de coração para contigo. Tu lhe conservaste essa grande benevolência e lhe deste um filho que hoje ocupa o seu trono. 7 Portanto, Senhor meu Deus, tu fizeste reinar o teu servo em lugar de Davi, meu pai. Mas eu não passo de um adolescente, que não sabe ainda como governar. 8 Além disso, teu servo está no meio do teu povo eleito, povo tão numeroso, que não se pode contar ou calcular. 9 Dá, pois, ao teu servo um coração compreensivo, capaz de governar o teu povo e de discernir entre o bem e o mal. Do contrário, quem poderá governar este teu povo tão numeroso?” 10 Essa oração de Salomão agradou ao Senhor. 11 E Deus disse a Salomão: “Já que pediste estes dons e não pediste para ti longos anos de vida, nem riquezas, nem a morte de teus inimigos, mas sim sabedoria para praticar a justiça, 12 vou satisfazer o teu pedido; dou-te um coração sábio e inteligente, como nunca houve outro igual antes de ti nem haverá depois de ti. 13 Mas dou-te também o que não pediste, tanta riqueza e tanta glória como jamais haverá entre os reis, durante toda a tua vida”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 118 (119)

    Ó Senhor, ensinai-me os vossos mandamentos!

    Como um jovem poderá ter vida pura? / Observando, ó Senhor, vossa palavra. – R.

    De todo o coração eu vos procuro, / não deixeis que eu abandone a vossa lei! – R.

    Conservei no coração vossas palavras, / a fim de que eu não peque contra vós. – R.

    Ó Senhor, vós sois bendito para sempre; / os vossos mandamentos ensinai-me! – R.

    Com meus lábios, ó Senhor, eu enumero / os decretos que ditou a vossa boca. – R.

    Seguindo vossa lei, me rejubilo / muito mais do que em todas as riquezas. – R.

    Marcos 6,30-34

    Naquele tempo, 30 os apóstolos reuniram-se com Jesus e contaram tudo o que haviam feito e ensinado. 31 Ele lhes disse: “Vinde sozinhos para um lugar deserto e descansai um pouco”. Havia, de fato, tanta gente chegando e saindo, que não tinham tempo nem para comer. 32 Então foram sozinhos, de barco, para um lugar deserto e afastado. 33 Muitos os viram partir e reconheceram que eram eles. Saindo de todas as cidades, correram a pé e chegaram lá antes deles. 34 Ao desembarcar, Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas.

    Palavra da Salvação.

    “Eram como ovelhas sem pastor”.

    No início do evangelho, pode-se perceber a alegria da volta da missão, por parte dos discípulos que contavam seus feitos. Como é realmente bom quando algo que fazemos dá bons frutos! Gostamos de partilhar da nossa alegria com os demais, para que eles se alegrem conosco. Porém, todo trabalho exige um esforço. Jesus percebe o cansaço e, sendo humano, gostando daqueles que lhe falavam, os convida para um local deserto para descansar, mostrando sua preocupação com aqueles que o cercavam.

    Em um segundo momento, nos é apresentada a total compaixão de Jesus que, ao se deparar com a multidão, apesar do cansaço, não se revolta ou deixa-a ao léu, mas, ao contrário, vai e começa a ensiná-la. Comparemos essa atitude de Jesus com as nossas do dia a dia. Infelizmente a alteridade se enfraquece com o cansaço, o humano é deixado de lado. Busquemos, assim como Jesus, estar disponíveis a quem nos procura. Mesmo cansados, sejamos movidos pela força de Deus.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 5º domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 58,7-10

    Assim diz o Senhor: 7 “Reparte o pão com o faminto, acolhe em casa os pobres e peregrinos. Quando encontrares um nu, cobre-o e não desprezes a tua carne. 8 Então, brilhará tua luz como a aurora e tua saúde há de recuperar-se mais depressa; à frente caminhará tua justiça e a glória do Senhor te seguirá. 9 Então invocarás o Senhor e ele te atenderá, pedirás socorro e ele dirá: “Eis-me aqui”. Se destruíres teus instrumentos de opressão e deixares os hábitos autoritários e a linguagem maldosa; 10 se acolheres de coração aberto o indigente e prestares todo o socorro ao necessitado, nascerá nas trevas a tua luz e tua vida obscura será como o meio-dia”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 111 (112)

    Uma luz brilha nas trevas para o justo, / permanece para sempre o bem que fez.

    Ele é correto, generoso e compassivo, / como luz brilha nas trevas para os justos. /
    Feliz o homem caridoso e prestativo, / que resolve seus negócios com justiça. – R.

    Porque jamais vacilará o homem reto, / sua lembrança permanece eternamente! /
    Ele não teme receber notícias más: / confiando em Deus, seu coração está seguro. – R.

    Seu coração está tranquilo e nada teme. / Ele reparte com os pobres os seus bens, /
    permanece para sempre o bem que fez / e crescerão a sua glória e seu poder. – R.

    1 Coríntios 2,1-5

    1 Irmãos, quando fui à vossa cidade anunciar-vos o mistério de Deus, não recorri a uma linguagem elevada ou ao prestígio da sabedoria humana. 2 Pois, entre vós, não julguei saber coisa alguma, a não ser Jesus Cristo, e este crucificado. 3 Aliás, eu estive junto de vós com fraqueza e receio, e muito tremor. 4 Também a minha palavra e a minha pregação não tinham nada dos discursos persuasivos da sabedoria, mas eram uma demonstração do poder do Espírito, 5 para que a vossa fé se baseasse no poder de Deus, e não na sabedoria dos homens.

    Palavra do Senhor.

    Mateus 5,13-16

    Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 13 “Vós sois o sal da terra. Ora, se o sal se tornar insosso, com que salgaremos? Ele não servirá para mais nada, senão para ser jogado fora e ser pisado pelos homens. 14 Vós sois a luz do mundo. Não pode ficar escondida uma cidade construída sobre um monte. 15 Ninguém acende uma lâmpada e a coloca debaixo de uma vasilha, mas sim num candeeiro, onde brilha para todos os que estão na casa. 16 Assim também brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus”.

    Palavra da Salvação.

    “Vós sois a luz do mundo”.

    No Evangelho de hoje, Jesus chama todos os cristãos a serem luz do mundo. Pelo Batismo, o cristão assume a missão de ser luz para o mundo, pois através da fé que professa, passa a fazer parte da luz do mundo que é o próprio Cristo. Como participantes desta grande chama que ilumina e gera vida em toda a criação, o cristão deve estar iluminando todos cantos do mundo. O próprio Jesus, em suas palavras, diz que a luz não é feita para ficar escondida: ela deve estar em evidência iluminando onde há escuridão.

    A forma como o cristão deve ser luz é através da prática de boas obras no seu dia-a-dia fazendo o bem e multiplicando o amor na comunidade em que vive, no seio de sua família, no seu ambiente de trabalho e em tantos lugares por onde passa. Através da prática das boas obras, os nossos irmãos glorificarão o Pai que está nos céus e poderão ser luz no mundo.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 2ª feira da 5ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de Santa Escolástica

    1 Reis 8,1-7.9-13

    Naqueles dias, 1 Salomão convocou, junto de si em Jerusalém, todos os anciãos de Israel, todos os chefes das tribos e príncipes das famílias dos filhos de Israel, a fim de transferir da cidade de Sião, que é Jerusalém, a arca da aliança do Senhor. 2 Todo Israel reuniu-se em torno de Salomão, no mês de Etanim, ou seja, no sétimo mês, durante a festa. 3 Vieram todos os anciãos de Israel, e os sacerdotes tomaram a arca 4 e carregaram-na junto com a tenda da reunião, como também todos os objetos sagrados que nela estavam; quem os carregava eram os sacerdotes e os levitas. 5 O rei Salomão e toda a comunidade de Israel, reunida em torno dele, imolavam diante da arca ovelhas e bois em tal quantidade, que não se podia contar nem calcular. 6 E os sacerdotes conduziram a arca da aliança do Senhor ao seu lugar, no santuário do templo, ao Santo dos Santos, debaixo das asas dos querubins, 7pois os querubins estendiam suas asas sobre o lugar da arca, cobrindo a arca e seus varais por cima. 9 Dentro da arca só havia as duas tábuas de pedra que Moisés ali tinha deposto no monte Horeb, quando o Senhor concluiu a aliança com os filhos de Israel, logo que saíram da terra do Egito. 10 Ora, quando os sacerdotes deixaram o santuário, uma nuvem encheu o templo do Senhor, 11de modo que os sacerdotes não puderam continuar as funções porque a glória do Senhor tinha enchido o templo do Senhor. 12 Então Salomão disse: “O Senhor disse que habitaria numa nuvem, 13e eu edifiquei uma casa para tua morada, um templo onde vivas para sempre”.

    Palavra do Senhor.

    SL 131 (132)

    Subi, Senhor, para o lugar de vosso pouso!

    Nós soubemos que a arca estava em Éfrata / e nos campos de Iaar a encontramos. /
    Entremos no lugar em que ele habita, / ante o escabelo de seus pés o adoremos! – R.

    Subi, Senhor, para o lugar de vosso pouso, / subi vós, com vossa arca poderosa! /
    Que se vistam de alegria os vossos santos, / e os vossos sacerdotes, de justiça! /
    Por causa de Davi, o vosso servo, / não afasteis do vosso ungido a vossa face! – R.

    Marcos 6,53-56

    Naquele tempo, 53 tendo Jesus e seus discípulos acabado de atravessar o mar da Galileia, chegaram a Genesaré e amarraram a barca. 54 Logo que desceram da barca, as pessoas imediatamente reconheceram Jesus. 55 Percorrendo toda aquela região, levavam os doentes deitados em suas camas para o lugar onde ouviam falar que Jesus estava. 56E, nos povoados, cidades e campos aonde chegavam, colocavam os doentes nas praças e pediam-lhe para tocar, ao menos, a barra de sua veste. E todos quantos o tocavam ficavam curados.

    Palavra da Salvação.

    “E todos quantos o tocavam ficavam curados”.

    Como afirmou São Paulo: “Jesus passou pelo mundo fazendo o bem e curando a todos”. Todos os que, com fé, vinham a Jesus eram curados, libertados, renovados. É impossível se aproximar do Deus feito homem e não ouvir o chamado à vida em plenitude que se encontra no Pai. Uma vez que o Verbo se fez plenamente humano, assumindo nossa pobreza e fragilidade, e se tornando fiel ao Pai até as últimas consequências, ele pode nos amparar no caminho da salvação.

    O encontro com Cristo é marcante e determinante. Cabe a cada pessoa aceitar ou rejeitar o convite de seguimento feito por Jesus. Após o encontro com o Senhor, é necessário firmar o nosso compromisso de construir com ele o Reino dos Céus

    Reflexão feita pelos noviços

  • 3ª feira da 5ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de Nossa Senhora de Lourdes

    1 Reis 8,22-23.27-30

    Naqueles dias, 22 Salomão pôs-se de pé diante do altar do Senhor, na presença de toda a assembleia de Israel, estendeu as mãos para o céu e disse: 23 “Ó Senhor, Deus de Israel, não há Deus igual a ti nem no mais alto dos céus nem aqui embaixo na terra; tu és fiel à tua misericordiosa aliança com teus servos, que andam na tua presença de todo o seu coração. 27 Mas será que Deus pode realmente morar sobre a terra? Se os mais altos céus não te podem conter, muito menos esta casa que eu construí! 28 Mas atende, Senhor meu Deus, à oração e à súplica do teu servo e ouve o clamor e a prece que ele faz hoje em tua presença. 29 Teus olhos estejam abertos noite e dia sobre esta casa, sobre o lugar do qual disseste: ‘Aqui estará o meu nome!’ Ouve a oração que o teu servo te faz neste lugar. 30 Ouve as súplicas de teu servo e de teu povo Israel quando aqui orarem. Escuta-os do alto da tua morada, no céu, escuta-os e perdoa!”

    Palavra do Senhor.

    sL 83 (84)

    Quão amável, ó Senhor, é vossa casa!

    Minha alma desfalece de saudades / e anseia pelos átrios do Senhor! /
    Meu coração e minha carne rejubilam / e exultam de alegria no Deus vivo! – R.

    Mesmo o pardal encontra abrigo em vossa casa, † e a andorinha ali prepara o seu ninho, /
    para nele seus filhotes colocar: / vossos altares, ó Senhor Deus do universo! / Vossos altares, ó meu rei e meu Senhor! – R.

    Felizes os que habitam vossa casa; / para sempre haverão de vos louvar! /
    Olhai, ó Deus, que sois a nossa proteção, / vede a face do eleito, vosso ungido! – R.

    Na verdade, um só dia em vosso templo / vale mais do que milhares fora dele! /
    Prefiro estar no limiar de vossa casa / a hospedar-me na mansão dos pecadores! – R.

    Marcos 7,1-13

    Naquele tempo, 1 os fariseus e alguns mestres da lei vieram de Jerusalém e se reuniram em torno de Jesus. 2 Eles viam que alguns dos seus discípulos comiam o pão com as mãos impuras, isto é, sem as terem lavado. 3 Com efeito, os fariseus e todos os judeus só comem depois de lavar bem as mãos, seguindo a tradição recebida dos antigos. 4 Ao voltar da praça, eles não comem sem tomar banho. E seguem muitos outros costumes que receberam por tradição: a maneira certa de lavar copos, jarras e vasilhas de cobre. 5 Os fariseus e os mestres da lei perguntaram então a Jesus: “Por que os teus discípulos não seguem a tradição dos antigos, mas comem o pão sem lavar as mãos?” 6 Jesus respondeu: “Bem profetizou Isaías a vosso respeito, hipócritas, como está escrito: ‘Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim. 7 De nada adianta o culto que me prestam, pois as doutrinas que ensinam são preceitos humanos’. 8 Vós abandonais o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens”. 9 E dizia-lhes: “Vós sabeis muito bem como anular o mandamento de Deus a fim de guardar as vossas tradições. 10 Com efeito, Moisés ordenou: ‘Honra teu pai e tua mãe’. E ainda: ‘Quem amaldiçoa o pai ou a mãe deve morrer’. 11 Mas vós ensinais que é lícito alguém dizer a seu pai e à sua mãe: ‘O sustento que vós poderíeis receber de mim é Corban, isto é, consagrado a Deus’. 12 E essa pessoa fica dispensada de ajudar seu pai ou sua mãe. 13 Assim vós esvaziais a palavra de Deus com a tradição que vós transmitis. E vós fazeis muitas outras coisas como estas”.

    Palavra da Salvação.

    “Vós abandonais o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens”.

    Jesus faz uma de suas críticas que, por vezes, também fazemos: impondo fardos desnecessários aos outros e dando desculpas às ações más, porém encobertas por costumes “antigos” deixando o que é a essência de lado.

    A proximidade contínua com os Evangelhos nos ajuda a estarmos mais atentos ao essencial, pois Jesus cumpria os mandamentos dados a Moisés, assim como os religiosos do seu tempo; contudo, o que O fazia tão diferente deles?

    O Senhor quer que estejamos mais próximo do que é a sua Palavra e modo de ser, pois seu mandamento nos aproxima de seu mais íntimo demonstrado com a vida e desejado a nós também: para “amarmos uns aos outros, como Ele nos amou”, isto é, doação e não nos desculpando.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 4ª feira da 5ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    1 Reis 10,1-10

    Naqueles dias, 1 a rainha de Sabá, tendo ouvido falar – para a glória do Senhor – da fama de Salomão, veio prová-lo com enigmas. 2 Chegou a Jerusalém com numerosa comitiva, com camelos carregados de aromas e enorme quantidade de ouro e pedras preciosas. Apresentou-se ao rei Salomão e expôs-lhe tudo o que tinha em seu pensamento. 3 Salomão soube responder a todas as suas perguntas: para ele nada houve tão obscuro que não pudesse esclarecer. 4 Quando a rainha de Sabá viu toda a sabedoria de Salomão, a casa que tinha construído, 5 os manjares da sua mesa, os cortesãos sentados em ordem à mesa, as diversas classes dos que o serviam e suas vestes, os copeiros, os holocaustos que ele oferecia no templo do Senhor, ficou pasmada e disse ao rei: 6 “Realmente era verdade o que eu ouvi no meu país a respeito de tuas palavras e de tua sabedoria! 7 Eu não queria acreditar no que diziam, até que vim e vi com os meus próprios olhos, e reconheci que não me tinham dito nem a metade. Tua sabedoria e tua riqueza são muito maiores do que a fama que chegara aos meus ouvidos. 8 Feliz a tua gente, felizes os teus servos que gozam sempre da tua presença e que ouvem a tua sabedoria! 9 Bendito seja o Senhor, teu Deus, a quem agradaste, que te colocou sobre o trono de Israel, porque o Senhor amou Israel para sempre e te constituiu rei para governares com justiça e equidade”. 10 Depois ela deu ao rei cento e vinte talentos de ouro e grande quantidade de aromas e pedras preciosas. Nunca mais foi trazida tanta quantidade de aromas como a que a rainha de Sabá deu ao rei Salomão.

    Palavra do Senhor.

    SL 36 (37)

    O justo tem nos lábios o que é sábio.

    Deixa aos cuidados do Senhor o teu destino; / confia nele, e com certeza ele agirá. /
    Fará brilhar tua inocência como a luz / e o teu direito como o sol do meio-dia. – R.

    O justo tem nos lábios o que é sábio, / sua língua tem palavras de justiça; /
    traz a aliança do seu Deus no coração, / e seus passos não vacilam no caminho. – R.

    A salvação dos piedosos vem de Deus; / ele os protege nos momentos de aflição. /
    O Senhor lhes dá ajuda e os liberta, † defende-os e protege-os contra os ímpios, /
    e os guarda porque nele confiaram. – R.

    Marcos 7,14-23

    Naquele tempo, 14 Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: “Escutai todos e compreendei: 15 o que torna impuro o homem não é o que entra nele, vindo de fora, mas o que sai do seu interior. 16 Quem tem ouvidos para ouvir, ouça”. 17 Quando Jesus entrou em casa, longe da multidão, os discípulos lhe perguntaram sobre essa parábola. 18 Jesus lhes disse: “Será que nem vós compreendeis? Não entendeis que nada do que vem de fora e entra numa pessoa pode torná-la impura, 19 porque não entra em seu coração, mas em seu estômago e vai para a fossa?” Assim Jesus declarava que todos os alimentos eram puros. 20 Ele disse: “O que sai do homem, isso é que o torna impuro. 21 Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, 22 adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo. 23 Todas essas coisas más saem de dentro, e são elas que tornam impuro o homem”.

    Palavra da Salvação.

    “O que torna impuro o homem é o que sai do seu interior”.

    Hoje, somos chamados a olhar para o nosso interior, para o nosso coração e, assim, ver se as nossas atitudes diárias colaboram na construção do Reino de Deus aqui nesta terra.
    Quando, na escuta atenciosa e diária da Palavra, deixamo-nos envolver pelo terno amor de Deus as nossas ações e o nosso modo de ser deixam de ser mesquinhos, ambiciosos e particulares, passando para um projeto muito maior e comunitário: o do Reino de Deus. E, assim, colaboramos com a promoção da justiça, da paz e do bem.
    Com o coração puro, trabalhemos para que a mensagem da salvação alcance a todos. Que o amor e a misericórdia de Deus sejam experimentados e sentidos por todos os homens e mulheres.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 5ª feira da 5ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    1 Reis 11,4-13

    4 Quando Salomão ficou velho, suas mulheres desviaram o seu coração para outros deuses e seu coração já não pertencia inteiramente ao Senhor, seu Deus, como o do seu pai, Davi. 5 Salomão prestou culto a Astarte, deusa dos sidônios, e a Melcom, ídolo dos amonitas. 6 Ele fez o que desagrada ao Senhor e não lhe foi inteiramente fiel, como seu pai, Davi. 7 Foi então que Salomão construiu um santuário para Camos, ídolo de Moab, no monte que está defronte de Jerusalém, e para Melcom, ídolo dos amonitas. 8 Fez o mesmo para todas as suas mulheres estrangeiras, as quais queimavam incenso e ofereciam sacrifícios aos seus deuses. 9 Então, o Senhor irritou-se contra Salomão, porque o seu coração tinha se desviado do Senhor, Deus de Israel, que lhe tinha aparecido duas vezes 10 e lhe proibira expressamente seguir a outros deuses. Mas ele não obedeceu à ordem do Senhor. 11 E o Senhor disse a Salomão: “Já que procedeste assim e não guardaste a minha aliança nem as leis que te prescrevi, vou tirar-te o reino e dá-lo a um teu servo. 12 Mas, por amor de teu pai, Davi, não o farei durante a tua vida; é da mão de teu filho que o arrebatarei. 13 Não te tirarei o reino todo, mas deixarei ao teu filho uma tribo, por consideração para com meu servo Davi e para com Jerusalém, que escolhi”.

    Palavra do Senhor.

    SL 105(106)

    Lembrai-vos, ó Senhor, de mim, lembrai-vos, / segundo o amor que demonstrais ao vosso povo!

    Felizes os que guardam seus preceitos / e praticam a justiça em todo o tempo! /
    Lembrai-vos, ó Senhor, de mim, lembrai-vos, / pelo amor que demonstrais ao vosso povo! – R.

    Misturaram-se, então, com os pagãos / e aprenderam seus costumes depravados. /
    Aos ídolos pagãos prestaram culto, / que se tornaram armadilha para eles. – R.

    Pois imolaram até mesmo os próprios filhos, / sacrificaram suas filhas aos demônios. /
    Acendeu-se a ira de Deus contra o seu povo, / e o Senhor abominou a sua herança. – R.

    Marcos 7,24-30

    Naquele tempo, 24 Jesus saiu e foi para a região de Tiro e Sidônia. Entrou numa casa e não queria que ninguém soubesse onde ele estava. Mas não conseguiu ficar escondido. 25 Uma mulher, que tinha uma filha com um espírito impuro, ouviu falar de Jesus. Foi até ele e caiu a seus pés. 26 A mulher era pagã, nascida na Fenícia da Síria. Ela suplicou a Jesus que expulsasse de sua filha o demônio. 27 Jesus disse: “Deixa primeiro que os filhos fiquem saciados, porque não está certo tirar o pão dos filhos e jogá-lo aos cachorrinhos”. 28 A mulher respondeu: “É verdade, Senhor; mas também os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem as migalhas que as crianças deixam cair”. 29 Então Jesus disse: “Por causa do que acabas de dizer, podes voltar para casa. O demônio já saiu de tua filha”. 30 Ela voltou para casa e encontrou sua filha deitada na cama, pois o demônio já havia saído dela.

    Palavra da Salvação.

    “Os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem as migalhas que as crianças deixam cair”.

    Cristo, no evangelho de hoje, põe-se em uma dinâmica diferente para compreensão da época, pois, saindo da Palestina e indo à Sidônia e Tiro, encontra-se com uma pagã, algo que era impensável para um judeu fiel aos costumes. Ele se coloca em escuta atenta para entender o que se passava com aquela mulher. Indo totalmente no caminho inverso da tradição — que iria excluí-la pelo fato de ser pagã — Cristo a ouve.

    A mulher também demonstrou confiança na pessoa de Jesus. Ela, primeiramente, ouviu falar sobre Ele. Em seguida, foi ao seu encontro e, enfim, suplicou. Sua atitude de lançar-se e confiar, de não desistir e persistir, fez com que sua filha fosse libertada.

    Essa atitude confiante da mulher é, para nós, exemplo, diante de nossas necessidades, seja social – em questão do desemprego que assombra nosso povo –, familiar ou pessoal. Cristo não nos desampara. Não importando cor, raça, cultura ou religião, Ele é a porta aberta a todos, consolo para os oprimidos e aflitos e aquele que se coloca para ouvir amorosamente os que não têm voz e são excluídos.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 6ª feira da 5ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Memória de São Cirilo e São Metódio

    1 Reis 11,29-32; 12,19

    29 Aconteceu, naquele tempo, que, tendo Jeroboão saído de Jerusalém, veio ao seu encontro o profeta Aías, de Silo, coberto com um manto novo. Os dois achavam-se sós no campo. 30 Aías, tomando o manto novo que vestia, rasgou-o em doze pedaços 31 e disse a Jeroboão: “Toma para ti dez pedaços. Pois assim fala o Senhor, Deus de Israel: Eis que vou arrancar o reino das mãos de Salomão e te darei dez tribos. 32 Mas ele ficará com uma tribo, por consideração para com meu servo Davi e para com Jerusalém, cidade que escolhi dentre todas as tribos de Israel”. 12,19 Israel rebelou-se contra a casa de Davi até o dia de hoje.

    Palavra do Senhor.

    SL 80(81)

    Ouve, meu povo, porque eu sou o teu Deus!

    Em teu meio não exista um deus estranho, / nem adores a um deus desconhecido! /
    Porque eu sou o teu Deus e teu Senhor, / que da terra do Egito te arranquei. – R.

    Mas meu povo não ouviu a minha voz, / Israel não quis saber de obedecer-me. /
    Deixei, então, que eles seguissem seus caprichos, / abandonei-os ao seu duro coração. – R.

    Quem me dera que meu povo me escutasse! / Que Israel andasse sempre em meus caminhos! /
    Seus inimigos, sem demora, humilharia / e voltaria minha mão contra o opressor. – R.

    Marcos 7,31-37

    Naquele tempo, 31 Jesus saiu de novo da região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galileia, atravessando a região da Decápole. 32 Trouxeram então um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão. 33 Jesus afastou-se com o homem para fora da multidão; em seguida, colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e, com a saliva, tocou a língua dele. 34 Olhando para o céu, suspirou e disse: “Efatá!”, que quer dizer: “Abre-te!” 35 Imediatamente seus ouvidos se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade. 36 Jesus recomendou com insistência que não contassem a ninguém. Mas, quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam. 37 Muito impressionados, diziam: “Ele tem feito bem todas as coisas: aos surdos faz ouvir e aos mudos falar”.

    Palavra da Salvação.

    “Aos surdos faz ouvir e aos mudos falar”.

    Com a rotina e os afazeres cotidianos, quase não nos sobra tempo para refletirmos as nossas ações e pararmos diante de Deus. Ele fica quase sempre em segundo plano em nossas vidas. Triste realidade! Tornamo-nos surdos à voz do Altíssimo e aos apelos de nossos irmãos e irmãs, exatamente como aquele homem do Evangelho, não fisicamente, mas espiritualmente.

    Somos convidados, então, pela liturgia dessa sexta-feira a pedirmos de Deus a graça de poder escutar novamente a voz daquele que nos arasta “para fora da multidão”, Jesus Cristo, para que possamos, em um instante de silêncio, mas de ouvidos e coração bem abertos, acolhermos e anunciarmos as maravilhas que Deus abundantemente derrama sobre cada um de nós. Porque se surdos à mensagem de amor, de fraternidade e de paz, que vem do Altíssimo, seremos também mudos, em palavras e obras, para anunciá-la para todos aqueles que diariamente entram em contato conosco.

    Reflexão feita pelos noviços

  • Sábado da 5ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    1 Reis 12,26-32; 13,33-34

    Naqueles dias, 26 Jeroboão refletiu consigo mesmo: “Como estão as coisas, o reino vai voltar à casa de Davi. 27 Se este povo continuar a subir ao templo do Senhor em Jerusalém para oferecer sacrifícios, seu coração se voltará para o seu soberano, Roboão, rei de Judá; eles me matarão e se voltarão para Roboão, rei de Judá”. 28 Depois de ter refletido bem, o rei fez dois bezerros de ouro e disse ao povo: “Não subais mais a Jerusalém! Eis aqui, Israel, os deuses que te tiraram da terra do Egito”. 29 Colocou um bezerro em Betel e outro em Dã. 30 Isto foi ocasião de pecado, pois o povo ia em procissão até Dã para adorar um dos bezerros. 31 Jeroboão construiu também templos sobre lugares altos e designou como sacerdotes homens tirados do povo, que não eram filhos de Levi. 32 E instituiu uma festa no dia quinze do oitavo mês, à semelhança da que era celebrada em Judá. E subiu ao altar. Fez a mesma coisa em Betel, para sacrificar aos bezerros que havia feito. E estabeleceu em Betel sacerdotes nos santuários que tinha construído nos lugares altos. 13,33 Depois disso, Jeroboão não abandonou o seu mau caminho, mas continuou a tomar homens do meio do povo e a constituí-los sacerdotes dos santuários dos lugares altos. Todo aquele que queria era consagrado e se tornava sacerdote dos lugares altos. 34 Esse modo de proceder fez cair em pecado a casa de Jeroboão e provocou a sua ruína e o seu extermínio da face da terra.

    Palavra do Senhor.

    S 105(106)

    Lembrai-vos, ó Senhor, de mim, lembrai-vos, / segundo o amor que demonstrais ao vosso povo.

    Pecamos como outrora nossos pais, / praticamos a maldade e fomos ímpios; /
    no Egito nossos pais não se importaram / com os vossos admiráveis grandes feitos. – R.

    Construíram um bezerro no Horeb / e adoraram uma estátua de metal; /
    eles trocaram o seu Deus, que é sua glória, / pela imagem de um boi que come feno. – R.

    Esqueceram-se do Deus que os salvara, / que fizera maravilhas no Egito; /
    no país de Cam fez tantas obras admiráveis, / no mar Vermelho, tantas coisas assombrosas. – R.

    Marcos 8,1-10

    1 Naqueles dias, havia de novo uma grande multidão e não tinha o que comer. Jesus chamou os discípulos e disse: 2 “Tenho compaixão dessa multidão, porque já faz três dias que está comigo e não tem nada para comer. 3 Se eu os mandar para casa sem comer, vão desmaiar pelo caminho, porque muitos deles vieram de longe”. 4 Os discípulos disseram: “Como poderia alguém saciá-los de pão aqui no deserto?” 5 Jesus perguntou-lhes: “Quantos pães tendes?” Eles responderam: “Sete”. 6 Jesus mandou que a multidão se sentasse no chão. Depois, pegou os sete pães e deu graças, partiu-os e ia dando aos seus discípulos, para que os distribuíssem. E eles os distribuíam ao povo. 7 Tinham também alguns peixinhos. Depois de pronunciar a bênção sobre eles, mandou que os distribuíssem também. 8 Comeram e ficaram satisfeitos, e recolheram sete cestos com os pedaços que sobraram. 9 Eram quatro mil, mais ou menos. E Jesus os despediu. 10 Subindo logo na barca com seus discípulos, Jesus foi para a região de Dalmanuta.

    Palavra da Salvação.

    “Comeram e ficaram satisfeitos”.

    Novamente Jesus, movido por sua compaixão, age em favor do povo: percebe as necessidades ao seu redor, não é alguém que vive além da sua realidade, mas está junto com o povo com o qual caminha, partilha e se faz presente. Diante disso, pede aos seus discípulos a mesma compaixão. Os discípulos, então, abrem mão de sua reserva de pães para distribui-la à multidão. Para seguir Jesus não podemos ser apegados aos nossos bens: o desapego é ponto primordial no seguimento de Cristo.
    Além disso, podemos perceber que Jesus sacia a fome do povo, naquele tempo com o pão, hoje, com seu próprio Corpo. Somente com Jesus estaremos completamente satisfeitos, com sua presença ao participarmos da comunhão ele nos sacia. Como Maria bem nos recorda em seu canto, o Magnificat, que o Senhor “sacia de bens os famintos”, busquemos nós sermos esses famintos e sedentos de Deus.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 6º domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Eclesiástico 15,16-21

    16 Se quiseres observar os mandamentos, eles te guardarão; se confias em Deus, tu também viverás. 17 Diante de ti, ele colocou o fogo e a água; para o que quiseres, tu podes estender a mão. 18 Diante do homem estão a vida e a morte, o bem e o mal; ele receberá aquilo que preferir. 19 A sabedoria do Senhor é imensa, ele é forte e poderoso e tudo vê continuamente. 20 Os olhos do Senhor estão voltados para os que o temem. Ele conhece todas as obras do homem. 21 Não mandou a ninguém agir como ímpio e a ninguém deu licença de pecar.

    Palavra do Senhor.

    Sl 118(119)

    Feliz o homem sem pecado em seu caminho, / que na lei do Senhor Deus vai progredindo!

    Feliz o homem sem pecado em seu caminho, / que na lei do Senhor Deus vai progredindo! /
    Feliz o homem que observa seus preceitos / e de todo o coração procura a Deus! – R.

    Os vossos mandamentos vós nos destes, / para serem fielmente observados. /
    Oxalá seja bem firme a minha vida / em cumprir vossa vontade e vossa lei! – R.

    Sede bom com vosso servo, e viverei, / e guardarei vossa palavra, ó Senhor. /
    Abri meus olhos, e então contemplarei / as maravilhas que encerra a vossa lei! – R.

    Ensinai-me a viver vossos preceitos; / quero guardá-los fielmente até o fim! /
    Dai-me o saber, e cumprirei a vossa lei, / e de todo o coração a guardarei. – R.

    1 Coríntios 2,6-10

    Leitura da primeira carta de são Paulo aos Coríntios – Irmãos, 6entre os perfeitos nós falamos de sabedoria, não da sabedoria deste mundo nem da sabedoria dos poderosos deste mundo, que, afinal, estão votados à destruição. 7Falamos, sim, da misteriosa sabedoria de Deus, sabedoria escondida que, desde a eternidade, Deus destinou para nossa glória. 8Nenhum dos poderosos deste mundo conheceu essa sabedoria. Pois, se a tivessem conhecido, não teriam crucificado o Senhor da glória. 9Mas, como está escrito, “o que Deus preparou para os que o amam é algo que os olhos jamais viram, nem os ouvidos ouviram, nem coração algum jamais pressentiu”. 10A nós Deus revelou esse mistério através do Espírito. Pois o Espírito esquadrinha tudo, mesmo as profundezas de Deus.

    Palavra do Senhor.

    Mateus 5,17-37 ou 20-22.27-28.33-34.37 (forma breve)

    Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 17 “Não penseis que vim abolir a lei e os profetas. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento. 18 Em verdade eu vos digo, antes que o céu e a terra deixem de existir, nem uma só letra ou vírgula serão tiradas da lei, sem que tudo se cumpra. 19 Portanto, quem desobedecer a um só destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazerem o mesmo será considerado o menor no reino dos céus. Porém quem os praticar e ensinar será considerado grande no reino dos céus.

    20 Porque eu vos digo, se a vossa justiça não for maior que a justiça dos mestres da lei e dos fariseus, vós não entrareis no reino dos céus. 21 Vós ouvistes o que foi dito aos antigos: ‘Não matarás! Quem matar será condenado pelo tribunal’. 22 Eu, porém, vos digo, todo aquele que se encoleriza com seu irmão será réu em juízo; quem disser ao seu irmão ‘patife!’ será condenado pelo tribunal; quem chamar o irmão de tolo será condenado ao fogo do inferno.  23 Portanto, quando tu estiveres levando a tua oferta para o altar e aí te lembrares que teu irmão tem alguma coisa contra ti, 24 deixa a tua oferta aí diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão. Só então vai apresentar a tua oferta. 25 Procura reconciliar-te com teu adversário, enquanto caminha contigo para o tribunal. Senão o adversário te entregará ao juiz, o juiz te entregará ao oficial de justiça, e tu serás jogado na prisão. 26 Em verdade eu te digo, daí não sairás, enquanto não pagares o último centavo.
    27 Ouvistes o que foi dito: ‘Não cometerás adultério’. 28 Eu, porém, vos digo, todo aquele que olhar para uma mulher com o desejo de possuí-la já cometeu adultério com ela no seu coração.

    29 Se o teu olho direito é para ti ocasião de pecado, arranca-o e joga-o para longe de ti! De fato, é melhor perder um de teus membros do que todo o teu corpo ser jogado no inferno. 30 Se a tua mão direita é para ti ocasião de pecado, corta-a e joga-a para longe de ti! De fato, é melhor perder um dos teus membros do que todo o teu corpo ir para o inferno. 31 Foi dito também: ‘Quem se divorciar de sua mulher, dê-lhe uma certidão de divórcio’. 32 Eu, porém, vos digo, todo aquele que se divorcia de sua mulher, a não ser por motivo de união irregular, faz com que ela se torne adúltera; e quem se casa com a mulher divorciada comete adultério.

    33 Vós ouvistes também o que foi dito aos antigos: ‘Não jurarás falso’, mas ‘cumprirás os teus juramentos feitos ao Senhor’. 34 Eu, porém, vos digo, não jureis de modo algum: nem pelo céu, porque é o trono de Deus; 35 nem pela terra, porque é o suporte onde apoia os seus pés; nem por Jerusalém, porque é a cidade do grande rei. 36 Não jures tampouco pela tua cabeça, porque tu não podes tornar branco ou preto um só fio de cabelo. 37 Seja o vosso ‘sim’ sim, e o vosso ‘não’ não. Tudo o que for além disso vem do maligno.

    Palavra da Salvação.

    “Assim foi dito aos antigos; eu, porém, vos digo”.

    No Evangelho de hoje, Jesus chama a atenção do cristão para refletir como está sendo a sua prática e vivência dos mandamentos. Jesus não veio para abolir a leis de Moisés, mas levá-las à perfeição. Jesus adverte o cristão para não ficar preocupado em cumprir a Lei somente por cumprir, ou cair numa rotina e fazer por fazer, ou porque os outros fazem assim também farei. Jesus explica que a prática e o cumprimento das leis são importantes na vivência de fé do cristão, mas ele deve saber qual o verdadeiro espírito que deve ser colocado junto do cumprimento dos mandamentos.

    O espirito que Jesus fala no Evangelho é o verdadeiro espírito de justiça e amor que deve estar junto do cumprimento da Lei. Outro cuidado que o cristão deve ter a respeito da Lei é ele pensar que, só porque cumpre todos os mandamentos, pode julgar o próximo. Portanto, o cristão não deve julgar e condenar alguém por pensar que a pessoas deixam de cumprir a Lei. Mas, através de seu exemplo de vivência da Lei, ajudar o seu irmão a passar a viver os mandamentos de Deus, construindo uma comunidade de amor, de verdadeira justiça e paz.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 2ª feira da 6ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Tiago 1,1-11

    1 Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, às doze tribos que vivem na dispersão: saudações. 2 Meus irmãos, quando deveis passar por diversas provações, considerai isso motivo de grande alegria, 3 por saberdes que a comprovação da fé produz em vós a perseverança. 4 Mas é preciso que a perseverança gere uma obra de perfeição, para que vos torneis perfeitos e íntegros, sem falta ou deficiência alguma. 5 Se a alguém de vós falta sabedoria, peça-a a Deus, que a concede generosamente a todos, sem impor condições; e ela lhe será dada. 6 Mas peça com fé, sem duvidar, porque aquele que duvida é semelhante a uma onda do mar, impelida e agitada pelo vento. 7 Não pense tal pessoa que receberá alguma coisa do Senhor: 8 o homem de duas almas é inconstante em todos os seus caminhos. 9 O irmão humilde pode ufanar-se de sua exaltação, 10 mas o rico deve gloriar-se de sua humilhação. Pois há de passar como a flor da erva. 11 Com efeito, basta que surja o sol com o seu calor, logo seca a erva, cai a sua flor e desaparece a beleza do seu aspecto. Assim também acabará por murchar o rico no meio de seus negócios.

    Palavra do Senhor.

    Sl 118(119)

    Venha a mim o vosso amor e viverei.

    Antes de ser por vós provado, eu me perdera; / mas agora sigo firme em vossa lei! – R.

    Porque sois bom e realizais somente o bem, / ensinai-me a fazer vossa vontade! – R.

    Para mim foi muito bom ser humilhado, / porque assim eu aprendi vossa vontade! – R.

    A lei de vossa boca, para mim, / vale mais do que milhões em ouro e prata. – R.

    Sei que os vossos julgamentos são corretos / e com justiça me provastes, ó Senhor! – R.

    Vosso amor seja um consolo para mim, / conforme a vosso servo prometestes. – R.

    Marcos 8,11-13

    Naquele tempo, 11 os fariseus vieram e começaram a discutir com Jesus. E, para pô-lo à prova, pediam-lhe um sinal do céu. 12 Mas Jesus deu um suspiro profundo e disse: “Por que esta gente pede um sinal? Em verdade vos digo, a esta gente não será dado nenhum sinal”. 13 E, deixando-os, Jesus entrou de novo na barca e se dirigiu para a outra margem.

    Palavra da Salvação.

    “Por que esta gente pede um sinal?”

    Após curar as feridas, expulsar espíritos impuros, perdoar os pecados e renovar nossa vida, é pedido ao Cristo mais um sinal. Desde os tempos mais antigos, o povo de Deus com frequência duvidava das obras do Senhor apesar de as terem visto. As histórias dos feitos do Altíssimo, contada de pais para filhos, eram às vezes postas à prova pelas gerações mais novas. Mas, em Jesus, o rosto do Pai é visível. As ações do Onipotente continuam em favor do povo e em Jesus elas mais que se intensificam. Os que creem no Filho sabem que diariamente experimentam a misericórdia e o amor filial do Senhor. O Deus fiel cumpriu as suas promessas e faz diversas maravilhas para salvar seu povo e Cristo é o Grande Sinal da Salvação do Pai para nós. Ele, no cotidiano, motiva-nos e nos revela novos horizontes a fim de que, pela perseverança que tivermos, a seu lado estejamos um dia.

    Reflexão feita pelos noviços.

  • 3ª feira da 6ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Tiago 1,12-18

    12 Feliz o homem que suporta a provação. Porque, uma vez provado, receberá a coroa da vida, que o Senhor prometeu àqueles que o amam. 13 Ninguém, ao ser tentado, deve dizer: “É Deus que me está tentando”, pois Deus não pode ser tentado pelo mal e tampouco ele tenta a ninguém. 14 Antes, cada qual é tentado por sua própria concupiscência, que o arrasta e seduz. 15 Em seguida, a concupiscência concebe o pecado e o dá à luz, e o pecado, uma vez consumado, gera a morte. 16 Meus queridos irmãos, não vos enganeis. 17 Todo dom precioso e toda dádiva perfeita vêm do alto; descem do Pai das luzes, no qual não há mudança nem sombra de variação. 18De livre vontade ele nos gerou, pela Palavra da verdade, a fim de sermos como que as primícias de suas criaturas.

    Palavra do Senhor.

    Sl 93 (94)

    Bem-aventurado é aquele a quem ensinais vossa lei!

    É feliz, ó Senhor, quem formais † e educais nos caminhos da lei, /
    para dar-lhe um alívio na angústia. – R.

    O Senhor não rejeita o seu povo / e não pode esquecer sua herança: /
    voltarão a juízo as sentenças; / quem é reto andará na justiça. – R.

    Quando eu penso: “Estou quase caindo!”, / vosso amor me sustenta, Senhor! /
    Quando o meu coração se angustia, / consolais e alegrais minha alma. – R.

    Marcos 8,14-21

    Naquele tempo, 14 os discípulos tinham se esquecido de levar pães. Tinham consigo na barca apenas um pão. 15 Então Jesus os advertiu: “Prestai atenção e tomai cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes”. 16 Os discípulos diziam entre si: “É porque não temos pão”. 17 Mas Jesus percebeu e perguntou-lhes: “Por que discutis sobre a falta de pão? Ainda não entendeis nem compreendeis? Vós tendes o coração endurecido? 18 Tendo olhos, vós não vedes e, tendo ouvidos, não ouvis? Não vos lembrais 19 de quando reparti cinco pães para cinco mil pessoas? Quantos cestos vós recolhestes cheios de pedaços?” Eles responderam: “Doze”. 20 Jesus perguntou: “E quando reparti sete pães com quatro mil pessoas, quantos cestos vós recolhestes cheios de pedaços?” Eles responderam: “Sete”. 21 Jesus disse: “E vós ainda não compreendeis?”

    Palavra da Salvação.

    “Tomai cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes”.

    Jesus novamente nos alerta a estarmos mais atentos às Suas palavras e aos acontecimentos ao nosso redor para sabermos nos posicionar segundo o Seu modo de Ser.

    Muitas coisas aconteceram com o Brasil e com o mundo. Perdeu-se a percepção de qual é o verdadeiro mal que devemos lutar contra. Enquanto isso, famílias em estado de miséria aumentam, fauna e a flora entram em colapso. Por isso, o Senhor nos chama a atenção diante do milagre da multiplicação e partilha dos pães. Portanto, como é que o Reino de Deus deveria realmente se manifestar e em que posso ajudar para que ele se torne uma relidade?

    Reflexão feita pelos noviços

  • 4ª feira da 6ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Tiago 1,19-27

    19 Meus queridos irmãos, sabei que todo homem deve ser pronto para ouvir, mas moroso para falar e moroso para se irritar. 20 Pois a cólera do homem não é capaz de realizar a justiça de Deus. 21 Por essa razão, rejeitai toda impureza e todos os excessos do mal, mas recebei com humildade a Palavra que em vós foi implantada e que é capaz de salvar as vossas almas. 22 Todavia, sede praticantes da Palavra e não meros ouvintes, enganando-vos a vós mesmos. 23 Com efeito, aquele que ouve a Palavra e não a põe em prática é semelhante a uma pessoa que observa o seu rosto no espelho: 24 apenas se observou, vai-se embora e logo esquece como era a sua aparência. 25 Aquele, porém, que se debruça sobre a lei da liberdade, agora levada à perfeição, e nela persevera, não como um ouvinte distraído, mas praticando o que ela ordena, esse será feliz naquilo que faz. 26 Se alguém julga ser religioso e não refreia a sua língua, engana-se a si mesmo: a sua religião é vã. 27 Com efeito, a religião pura e sem mancha diante de Deus Pai é esta: assistir os órfãos e as viúvas em suas tribulações e não se deixar contaminar pelo mundo.

    Palavra do Senhor.

    Sl 14 (15)

    Senhor, quem morará em vosso monte santo?

    É aquele que caminha sem pecado / e pratica a justiça fielmente; /
    que pensa a verdade no seu íntimo / e não solta em calúnias sua língua. – R.

    Que em nada prejudica o seu irmão / nem cobre de insultos seu vizinho; /
    que não dá valor algum ao homem ímpio, / mas honra os que respeitam o Senhor. – R.

    Não empresta o seu dinheiro com usura † nem se deixa subornar contra o inocente. /
    Jamais vacilará quem vive assim! – R.

    Marcos 8,22-26

    Naquele tempo, 22 Jesus e seus discípulos chegaram a Betsaida. Algumas pessoas trouxeram-lhe um cego e pediram a Jesus que tocasse nele. 23 Jesus pegou o cego pela mão, levou-o para fora do povoado, cuspiu nos olhos dele, colocou as mãos sobre ele e perguntou: “Estás vendo alguma coisa?” 24 O homem levantou os olhos e disse: “Estou vendo os homens. Eles parecem árvores que andam”. 25 Então Jesus colocou de novo as mãos sobre os olhos dele e ele passou a enxergar claramente. Ficou curado e enxergava todas as coisas com nitidez. 26 Jesus mandou o homem ir para casa e lhe disse: “Não entres no povoado!”

    Palavra da Salvação.

    “O cego ficou curado, e enxergava todas as coisas com nitidez”.

    No decorrer de nossa vida desviamos o nosso olhar, distraímo-nos e ficamos cegos às realidades em que vivemos. Não mais enxergamos Cristo que se faz presente ao nosso lado.
    Quando deixamo-nos envolver pela graça de Deus, os nossos olhos voltam a enxergar com mais clareza a manifestação do amor e bondade do Pai que se manifesta, a todo tempo, em nossa vida.

    Enxergando claramente, podemos estar atentos às necessidades de nossa comunidade e de nossos irmãos e irmãs que diariamente convivemos. Cristo sempre nos guia em nossa vida, tira nossa cegueira e nos conduz com segurança pelos caminhos até a salvação.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 5ª feira da 6ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Tiago 2,1-9

    1 Meus irmãos, a fé que tendes em nosso Senhor Jesus Cristo glorificado não deve admitir acepção de pessoas. 2 Pois bem, imaginai que na vossa reunião entra uma pessoa com anel de ouro no dedo e bem vestida e também um pobre, com sua roupa surrada, 3 e vós dedicais atenção ao que está bem vestido, dizendo-lhe: “Vem sentar-te aqui, à vontade”, enquanto dizeis ao pobre: “Fica aí, de pé”, ou então: “Senta-te aqui no chão, aos meus pés” – 4 não fizestes, então, discriminação entre vós? E não vos tornastes juízes com critérios injustos? 5 Meus queridos irmãos, escutai: não escolheu Deus os pobres deste mundo para serem ricos na fé e herdeiros do reino que prometeu aos que o amam? 6 Mas vós desprezais o pobre! Ora, não são os ricos que vos oprimem e vos arrastam aos tribunais? 7 Não são eles que blasfemam contra o nome sublime invocado sobre vós? 8 Entretanto, se cumpris a lei régia, conforme a Escritura: Amai vosso próximo como a vós mesmo, estais agindo bem. 9 Mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado e a lei vos acusa como transgressores.

    Palavra do Senhor.

    Sl 33 (34)

    Este infeliz gritou a Deus e foi ouvido.

    Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo, / seu louvor estará sempre em minha boca. /
    Minha alma se gloria no Senhor; / que ouçam os humildes e se alegrem! – R.

    Comigo engrandecei ao Senhor Deus, / exaltemos todos juntos o seu nome! /
    Todas as vezes que o busquei, ele me ouviu / e de todos os temores me livrou. – R.

    Contemplai a sua face e alegrai-vos, / e vosso rosto não se cubra de vergonha! /
    Este infeliz gritou a Deus e foi ouvido, / e o Senhor o libertou de toda angústia. – R.

    Marcos 8,27-33

    Naquele tempo, 27 Jesus partiu com seus discípulos para os povoados de Cesareia de Filipe. No caminho perguntou aos discípulos: “Quem dizem os homens que eu sou?” 28 Eles responderam: “Alguns dizem que tu és João Batista; outros, que és Elias; outros, ainda, que és um dos profetas”. 29 Então ele perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro respondeu: “Tu és o Messias”. 30 Jesus proibiu-lhes severamente de falar a alguém a seu respeito. 31 Em seguida, começou a ensiná-los, dizendo que o Filho do homem devia sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da lei, devia ser morto e ressuscitar depois de três dias. 32 Ele dizia isso abertamente. Então Pedro tomou Jesus à parte e começou a repreendê-lo. 33 Jesus voltou-se, olhou para os discípulos e repreendeu a Pedro, dizendo: “Vai para longe de mim, satanás! Tu não pensas como Deus, e sim como os homens”.

    Palavra da Salvação.

    “Tu és o Messias… E começou a ensiná-los, dizendo que o Filho do Homem devia sofrer muito”.

    Para reflexão do evangelho de hoje, devemos ter em mente um fato histórico do período de Jesus: o povo esperava um Messias que viria em estado glorioso, que aliviaria aquele povo das perseguições, angústias e sofrimentos de maneira triunfante.

    Marcos nos narra hoje a repreensão de Cristo a Pedro, no momento em que o apóstolo o contradiz com o mesmo pensamento do povo em relação ao Messias glorioso. O próprio Pedro revolta-se com o anúncio da Paixão e Morte do Senhor. Porém nós, na dinâmica da fé, temos a oportunidade de reconhecermos que, de fato, Cristo nos liberta e salva, mas também ter consciência do Cristo crucificado e sofredor. O Messias nasceu entre os homens, viveu nossa natureza. Por amor do Pai, Cristo, seu Filho Único, revestiu-se de uma carne semelhante a do pecado para condenar o pecado, tudo isso para nos incentivar a nos tornarmos semelhante a Ele.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 6ª feira da 6ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Tiago 2,14-24.26

    14 Meus irmãos, que adianta alguém dizer que tem fé quando não a põe em prática? A fé seria então capaz de salvá-lo? 15 Imaginai que um irmão ou uma irmã não têm o que vestir e que lhes falta a comida de cada dia; 16 se então alguém de vós lhes disser: “Ide em paz, aquecei-vos” e “comei à vontade”, sem lhes dar o necessário para o corpo, que adiantará isso? 17 Assim também a fé: se não se traduz em obras, por si só está morta. 18 Em compensação, alguém poderá dizer: “Tu tens a fé e eu tenho a prática!” Tu, mostra-me a tua fé sem as obras, que eu te mostrarei a minha fé pelas obras! 19 Tu crês que há um só Deus? Fazes bem! Mas também os demônios creem isso e estremecem. 20 Queres então saber, homem insensato, como a fé sem a prática é vã? 21 O nosso pai Abraão foi declarado justo: não será por causa de sua prática, até a ponto de oferecer seu filho Isaac sobre o altar? 22 Como estás vendo, a fé concorreu para as obras, e, graças às obras, a fé tornou-se completa. 23 Foi assim que se cumpriu a Escritura que diz: “Abraão teve fé em Deus, e isso lhe foi levado em conta de justiça”, e ele foi chamado amigo de Deus. 24 Estais vendo, pois, que o homem é justificado pelas obras e não simplesmente pela fé. 26 Assim como o corpo sem o espírito é morto, assim também a fé, sem as obras, é morta.

    Palavra do Senhor.

    Sl 111(112)

    Feliz é todo aquele / que ama com carinho a lei do Senhor Deus.

    Feliz o homem que respeita o Senhor / e que ama com carinho a sua lei! /
    Sua descendência será forte sobre a terra, / abençoada a geração dos homens retos! – R.

    Haverá glória e riqueza em sua casa, / e permanece para sempre o bem que fez. /
    Ele é correto, generoso e compassivo, / como luz brilha nas trevas para os justos. – R.

    Feliz o homem caridoso e prestativo, / que resolve seus negócios com justiça. /
    Porque jamais vacilará o homem reto, / sua lembrança permanece eternamente! – R.

    Marcos 8,34-9,1

    Naquele tempo, 34 chamou Jesus a multidão com seus discípulos e disse: “Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga. 35 Pois quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la; mas quem perder a sua vida por causa de mim e do evangelho vai salvá-la. 36 Com efeito, de que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro se perde a própria vida? 37 E o que poderia o homem dar em troca da própria vida? 38 Se alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras diante dessa geração adúltera e pecadora, também o Filho do homem se envergonhará dele quando vier na glória do seu Pai com seus santos anjos”. 9,1 Disse-lhes Jesus: “Em verdade vos digo, alguns dos que aqui estão não morrerão sem antes terem visto o reino de Deus chegar com poder”.

    Palavra da Salvação.

    “Quem perder a sua vida por causa de mim e do Evangelho, vai salvá-la”.

    A liturgia dessa sexta-feira nos recorda (traz de volta ao coração) as exigências do seguimento de Jesus Cristo. Segui-lo exige de nós comprometimento com as causas do Reino, com a mensagem pregada pelo Libertador.

    São dois os pedidos de Cristo para quem deseja ser seu discípulo, o primeiro: “Renuncie a si mesmo” faz-nos refletir o quão egoístas ainda somos para as coisas de Deus, quanta resistência impomos ao projeto salvífico do Pai, sendo indiferentes a realidade dos nossos irmãos. Faz-se necessário, portanto, despojarmo-nos de nós mesmos, dos nossos projetos e sonhos, se preciso for. O segundo, “Tome a sua cruz”, é uma convocação. “Tomar” é verbo de ação e aqui aparece no imperativo. Somos convocados por Deus a abraçarmos nossa missão de filhos, testemunhando com palavras e obras o Evangelho de Cristo.

    O caminho não é fácil e as exigências não são poucas, mas a recompensa oferecida por Deus vem na mesma medida: “quem perder a sua vida por causa de mim e do Evangelho vai salvá-la”.

    Reflexão feita pelos noviços

  • Sábado da 6ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Festa da Cátedra de São Pedro

    1 Pedro 5,1-4

    Caríssimos, 1 exorto aos presbíteros que estão entre vós, eu, presbítero como eles, testemunha dos sofrimentos de Cristo e participante da glória que será revelada: 2 sede pastores do rebanho de Deus, confiado a vós; cuidai dele não por coação, mas de coração generoso; não por torpe ganância, mas livremente; 3 não como dominadores daqueles que vos foram confiados, mas, antes, como modelos do rebanho. 4Assim, quando aparecer o pastor supremo, recebereis a coroa permanente da glória.

    Palavra do Senhor.

    Sl 22 (23)

    O Senhor é o pastor que me conduz, / não me falta coisa alguma.

    O Senhor é o pastor que me conduz; / não me falta coisa alguma. /
    Pelos prados e campinas verdejantes, / ele me leva a descansar. /
    Para as águas repousantes me encaminha / e restaura as minhas forças. – R.

    Ele me guia no caminho mais seguro, / pela honra do seu nome. /
    Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, / nenhum mal eu temerei. /
    Estais comigo com bastão e com cajado, / eles me dão a segurança! – R.

    Preparais à minha frente uma mesa, / bem à vista do inimigo; /
    com óleo vós ungis minha cabeça, / e o meu cálice transborda. – R.

    Felicidade e todo bem hão de seguir-me / por toda a minha vida; /
    e na casa do Senhor habitarei / pelos tempos infinitos. – R.

    Mateus 16,13-19

    Naquele tempo, 13 Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do homem?” 14 Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros, que é Elias; outros, ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”. 15 Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” 16 Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. 17 Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. 18 Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. 19 Eu te darei as chaves do reino dos céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”.

    Palavra da Salvação.

    “Tu és Pedro e eu te darei as chaves do Reino dos Céus”.

    No evangelho que acompanhamos hoje, podemos ver a escolha que Cristo faz de Pedro e como ela é baseada na confissão de fé do apóstolo, confissão essa que solidifica a Igreja. “Tu és o Messias, o filho do Deus vivo” é a verdade que aponta um caminho da Redenção: Aquele que era esperado veio. Deus não se esqueceu de seu povo. Faz uma aliança de compromisso, pois abraçando essa fé nos ligamos ao tronco, que é Deus, como galhos, e alimentados por esse tronco devemos dar frutos.

    A Cátedra de São Pedro nos aponta para essa unidade da Igreja, para essa busca pelo Cristo, para o caminho que devemos seguir. Pois, a unidade celeste e terrestre pressupõe estarmos ligados a Cristo, pois Ele, humano e divino, foi quem a fez por primeiro.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 7º domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Levítico 19,1-2.17-18

    1 O Senhor falou a Moisés, dizendo: 2 “Fala a toda a comunidade dos filhos de Israel e dize-lhes: ‘Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo. 17 Não tenhas no coração ódio contra teu irmão. Repreende o teu próximo, para não te tornares culpado de pecado por causa dele. 18 Não procures vingança nem guardes rancor dos teus compatriotas. Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor!’”

    Palavra do Senhor.

    Sl 102(103)

    Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / pois ele é bondoso e compassivo!

    Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / e todo o meu ser, seu santo nome! /
    Bendize, ó minha alma, ao Senhor, / não te esqueças de nenhum de seus favores! – R.

    Pois ele te perdoa toda culpa / e cura toda a tua enfermidade; /
    da sepultura ele salva a tua vida / e te cerca de carinho e compaixão. – R.

    O Senhor é indulgente, é favorável, / é paciente, é bondoso e compassivo. /
    Não nos trata como exigem nossas faltas / nem nos pune em proporção às nossas culpas. – R.

    Quanto dista o nascente do poente, / tanto afasta para longe nossos crimes. /
    Como um pai se compadece de seus filhos, / o Senhor tem compaixão dos que o temem. – R.

    1 Coríntios 3,16-23

    Irmãos, 16 acaso não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus mora em vós? 17 Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá, pois o santuário de Deus é santo, e vós sois esse santuário. 18 Ninguém se iluda: se algum de vós pensa que é sábio nas coisas deste mundo, reconheça sua insensatez, para se tornar sábio de verdade; 19 pois a sabedoria deste mundo é insensatez diante de Deus. Com efeito, está escrito: “Aquele que apanha os sábios em sua própria astúcia”, 20 e ainda: “O Senhor conhece os pensamentos dos sábios; sabe que são vãos”. 21 Portanto, que ninguém ponha a sua glória em homem algum. Com efeito, tudo vos pertence: 22 Paulo, Apolo, Cefas, o mundo, a vida, a morte, o presente, o futuro; tudo é vosso, 23 mas vós sois de Cristo, e Cristo é de Deus.

    Palavra do Senhor.

    Mateus 5,38-48

    Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 38 “Vós ouvistes o que foi dito: ‘Olho por olho e dente por dente!’ 39 Eu, porém, vos digo, não enfrenteis quem é malvado! Pelo contrário, se alguém te dá um tapa na face direita, oferece-lhe também a esquerda! 40 Se alguém quiser abrir um processo para tomar a tua túnica, dá-lhe também o manto! 41 Se alguém te forçar a andar um quilômetro, caminha dois com ele! 42 Dá a quem te pedir e não vires as costas a quem te pede emprestado. 43 Vós ouvistes o que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo!’ 44 Eu, porém, vos digo, amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem! 45 Assim vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus, porque ele faz nascer o sol sobre maus e bons e faz cair a chuva sobre justos e injustos. 46 Porque, se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa? 47 E se saudais somente os vossos irmãos, o que fazeis de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa? 48 Portanto, sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito”.

    Palavra da Salvação.

    “Amai os vossos inimigos”.

    No Evangelho hoje, Jesus apresenta aos cristãos o seu grande mandamento: o amor ao próximo. Jesus convida todo cristão a fazer o bem a toda criatura, sem nenhuma distinção – amando os familiares, os amigos, os vizinhos e também os inimigos.

    Jesus ensina o cristão a amar os inimigos, assim como ele ama o seu amigo. Isto requer do cristão uma atitude de perdoar aquele que lhe prejudicou e passar a fazer e desejar o bem. De fato, esta atitude não e fácil, mas o cristão não deve esmorecer, pois esta e uma prática concreta do amor ao próximo. Amar quem é nosso amigo é fácil, mas amar quem é nosso inimigo é o desafio da nossa vivência da fé.

    Portanto, o cristão deve dar todo o seu amor aos seus amigos e aos seus inimigos que pode ser manifestado na prática de fazer e desejar o bem. Deste modo, muitos dos conflitos que o cristão tem em seu dia-a-dia se resolvem com mais facilidade.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 2ª feira da 7ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Tiago 3,13-18

    Caríssimos, 13 quem dentre vós é sábio e inteligente? Que ele mostre, por seu reto modo de proceder, a sua prática em sábia mansidão. 14 Mas se fomentais, no coração, amargo ciúme e rivalidade, não vos glorieis nem procedais em contradição com a verdade. 15 Essa não é a sabedoria que vem do alto. Ao contrário, é terrena, materialista, diabólica! 16 Onde há inveja e rivalidade, aí estão as desordens e toda espécie de obras más. 17 Por outra parte, a sabedoria que vem do alto é, antes de tudo, pura, depois pacífica, modesta, conciliadora, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem fingimento. 18 O fruto da justiça é semeado na paz para aqueles que promovem a paz.

    Palavra do Senhor.

    Sl 18 (19B)

    Os ensinos do Senhor são sempre retos, / alegria ao coração!

     A lei do Senhor Deus é perfeita, / conforto para a alma! /
    O testemunho do Senhor é fiel, / sabedoria dos humildes. – R.

    Os preceitos do Senhor são precisos, / alegria ao coração. /
    O mandamento do Senhor é brilhante, / para os olhos é uma luz. – R.

    É puro o temor do Senhor, / imutável para sempre. /
    Os julgamentos do Senhor são corretos / e justos igualmente. – R.

    Que vos agrade o cantar dos meus lábios / e a voz da minha alma; /
    que ela chegue até vós, ó Senhor, / meu rochedo e redentor! – R.

    Marcos 9,14-29

    Naquele tempo, 14 descendo Jesus do monte com Pedro, Tiago e João e chegando perto dos outros discípulos, viram que estavam rodeados por uma grande multidão. Alguns mestres da lei estavam discutindo com eles. 15 Logo que a multidão viu Jesus, ficou surpresa e correu para saudá-lo. 16 Jesus perguntou aos discípulos: “O que discutis com eles?” 17 Alguém da multidão respondeu: “Mestre, eu trouxe a ti meu filho que tem um espírito mudo. 18 Cada vez que o espírito o ataca, joga-o no chão e ele começa a espumar, range os dentes e fica completamente rijo. Eu pedi aos teus discípulos para expulsarem o espírito. Mas eles não conseguiram”. 19 Jesus disse: “Ó geração incrédula! Até quando estarei convosco? Até quando terei que suportar-vos? Trazei aqui o menino”. 20 E levaram-lhe o menino. Quando o espírito viu Jesus, sacudiu violentamente o menino, que caiu no chão e começou a rolar e a espumar pela boca. 21 Jesus perguntou ao pai: “Desde quando ele está assim?” O pai respondeu: “Desde criança. 22 E muitas vezes o espírito já o lançou no fogo e na água para matá-lo. Se podes fazer alguma coisa, tem piedade de nós e ajuda-nos”. 23 Jesus disse: “Se podes!… Tudo é possível para quem tem fé”. 24  O pai do menino disse em alta voz: “Eu tenho fé, mas ajuda a minha falta de fé”. 25 Jesus viu que a multidão acorria para junto dele. Então ordenou ao espírito impuro: “Espírito mudo e surdo, eu te ordeno que saias do menino e nunca mais entres nele”. 26 O espírito sacudiu o menino com violência, deu um grito e saiu. O menino ficou como morto, e por isso todos diziam: “Ele morreu!” 27 Mas Jesus pegou a mão do menino, levantou-o e o menino ficou de pé. 28 Depois que Jesus entrou em casa, os discípulos lhe perguntaram a sós: “Por que nós não conseguimos expulsar o espírito?” 29 Jesus respondeu: “Essa espécie de demônios não pode ser expulsa de nenhum modo, a não ser pela oração”.

    Palavra da Salvação.

    “Eu tenho fé, mas ajuda a minha falta de fé”.

    Diante de um povo incrédulo, Jesus liberta um rapaz de um espírito impuro. Os apóstolos tentaram expulsar o demônio antes, mas não conseguiram. Ao pai do rapaz e aos discípulos, Cristo pede fé e oração. A fé em Deus que, em sua misericórdia, nos auxilia a passar pelas provações e que também nos liberta.

    Nós, Igreja reunida em torno do Senhor Jesus, devemos confessar a nossa fé em todos os momentos por meio de nossas atitudes e orar pedindo que Ele aumente nossa fé a fim de nos entregarmos livremente ao chamado do Pai ouvindo a voz do Mestre.

    À medida que caminharmos com Cristo, que é o próprio caminho que nos leva a Deus, a fé vai criando raízes e se desvinculando dos nossos interesses e vontades: a confiança não estará no ser humano que falha, mas naquele que é fiel e que não abandona quem o busca de coração sincero.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 3ª feira da 7ª semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Tiago 4,1-10

    Caríssimos, 1 de onde vêm as guerras? De onde vêm as brigas entre vós? Não vêm, justamente, das paixões que estão em conflito dentro de vós? 2 Cobiçais, mas não conseguis ter. Matais e cultivais inveja, mas não conseguis êxito. Brigais e fazeis guerra, mas não conseguis possuir. E a razão está em que não pedis. 3 Pedis, sim, mas não recebeis, porque pedis mal. Pois só quereis esbanjar o pedido nos vossos prazeres. 4 Adúlteros, não sabeis que a amizade com o mundo é inimizade com Deus? Assim, todo aquele que pretende ser amigo do mundo torna-se inimigo de Deus. 5 Ou julgais ser em vão que a Escritura diz: “Com ciúme anela o espírito que nos habita”? 6 Mas ele nos dá uma graça maior. Por isso, a Escritura diz: “Deus resiste aos soberbos, mas concede a graça aos humildes”. 7 Obedecei, pois, a Deus, mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós. 8 Aproximai-vos de Deus, e ele se aproximará de vós. Purificai as mãos, ó pecadores, e santificai os corações, homens dúbios. 9 Ficai tristes, vesti o luto e chorai. Transforme-se em luto o vosso riso, e a vossa alegria em desalento. 10 Humilhai-vos diante do Senhor, e ele vos exaltará.

    Palavra do Senhor.

    Sl 54 (55)

    Confia teus cuidados ao Senhor, / e ele há de ser o teu sustento!

    É por isso que eu digo na angústia: † “Quem me dera ter asas de pomba /
    e voar para achar um descanso! / Fugiria, então, para longe / e me iria esconder no deserto. – R.

    Acharia depressa um refúgio † contra o vento, a procela, o tufão”. /
    Ó Senhor, confundi as más línguas. – R.

    Dispersai-as, porque na cidade † só se vê violência e discórdia! /
    Dia e noite circundam seus muros. – R.

    Lança sobre o Senhor teus cuidados, / porque ele há de ser teu sustento /
    e jamais ele irá permitir / que o justo para sempre vacile! – R.

    Marcos 9,30-37

    Naquele tempo, 30 Jesus e seus discípulos atravessavam a Galileia. Ele não queria que ninguém soubesse disso, 31 pois estava ensinando a seus discípulos. E dizia-lhes: “O Filho do homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão. Mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará”. 32 Os discípulos, porém, não compreendiam essas palavras e tinham medo de perguntar. 33 Eles chegaram a Cafarnaum. Estando em casa, Jesus perguntou-lhes: “O que discutíeis pelo caminho?” 34 Eles, porém, ficaram calados, pois pelo caminho tinham discutido quem era o maior. 35 Jesus sentou-se, chamou os doze e lhes disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos!” 36 Em seguida, pegou uma criança, colocou-a no meio deles e, abraçando-a, disse: 37 “Quem acolher em meu nome uma destas crianças é a mim que estará acolhendo. E quem me acolher está acolhendo não a mim, mas àquele que me enviou”.

    Palavra da Salvação.

    “O Filho do Homem vai ser entregue… Se alguém quiser ser o primeiro, que seja aquele que serve a todos!”.

    Eis que Jesus faz o seu segundo anúncio da paixão, enquanto os discípulos indiferentes em entender as palavras d’Ele discutem por um longo caminho sobre quem é o maior.
    O Senhor manifesta até que ponto sua dedicação e serviço com o mais puro amor O levará, mas somos tentados a perdermos tempo para alcançar o poder e a nos distrairmos com propostas de vida enxergando apenas a reputação e ficando cegos ao que nos circunda.

    Contudo, Jesus, que é Deus e tem a dignidade maior que tudo e todos, não nos quer na busca de competições – de quem fica acima de quem, mas sim, de perceber que a verdadeira grandeza é estar a serviço: ao pobre, ao incapaz e ao infeliz, como se fosse a Ele e ao Pai, a seu próprio exemplo na bendita cruz.

    Reflexão feita pelos noviços

  • Quarta-feira de Cinzas

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Joel 2,12-18

    12 “Agora, diz o Senhor, voltai para mim com todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e gemidos; 13 rasgai o coração, e não as vestes, e voltai para o Senhor, vosso Deus; ele é benigno e compassivo, paciente e cheio de misericórdia, inclinado a perdoar o castigo.” 14 Quem sabe se ele se volta para vós e vos perdoa, e deixa atrás de si a bênção, oblação e libação para o Senhor, vosso Deus? 15 Tocai trombeta em Sião, prescrevei o jejum sagrado, convocai a assembleia; 16 congregai o povo, realizai cerimônias de culto, reuni anciãos, ajuntai crianças e lactentes; deixe o esposo seu aposento, e a esposa seu leito. 17 Chorem, postos entre o vestíbulo e o altar, os ministros sagrados do Senhor e digam: “Perdoa, Senhor, a teu povo e não deixes que esta tua herança sofra infâmia e que as nações a dominem”. Por que se haveria de dizer entre os povos: “Onde está o Deus deles?” 18 Então, o Senhor encheu-se de zelo por sua terra e perdoou ao seu povo.

    Palavra do Senhor.

    Sl 50 (51)

    Misericórdia, ó Senhor, pois pecamos.

    Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! / Na imensidão de vosso amor, purificai-me! /
    Lavai-me todo inteiro do pecado / e apagai completamente a minha culpa! – R.

    Eu reconheço toda a minha iniquidade, / o meu pecado está sempre à minha frente. /
    Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei, / pratiquei o que é mau aos vossos olhos! – R.

    Criai em mim um coração que seja puro, / dai-me de novo um espírito decidido. /
    Ó Senhor, não me afasteis de vossa face / nem retireis de mim o vosso Santo Espírito! – R.

    Dai-me de novo a alegria de ser salvo / e confirmai-me com espírito generoso! /
    Abri meus lábios, ó Senhor, para cantar, / e minha boca anunciará vosso louvor! – R.

    2 Coríntios 5,20-6,2

    Irmãos, 20 somos embaixadores de Cristo, e é Deus mesmo que exorta através de nós. Em nome de Cristo, nós vos suplicamos: deixai-vos reconciliar com Deus. 21 Aquele que não cometeu nenhum pecado, Deus o fez pecado por nós, para que nele nós nos tornemos justiça de Deus. 6,1 Como colaboradores de Cristo, nós vos exortamos a não receberdes em vão a graça de Deus, 2 pois ele diz: “No momento favorável eu te ouvi, e no dia da salvação eu te socorri”. É agora o momento favorável, é agora o dia da salvação.

    Palavra do Senhor.

    Mateus 6,1-6.16-18

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 1 “Ficai atentos para não praticar a vossa justiça na frente dos homens só para serdes vistos por eles. Caso contrário, não recebereis a recompensa do vosso Pai que está nos céus. 2 Por isso, quando deres esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem elogiados pelos homens. Em verdade vos digo, eles já receberam a sua recompensa. 3 Ao contrário, quando deres esmola, que a tua mão esquerda não saiba o que faz a tua mão direita, 4 de modo que a tua esmola fique oculta. E o teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa. 5 Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar em pé, nas sinagogas e nas esquinas das praças, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo, eles já receberam a sua recompensa. 6 Ao contrário, quando tu orares, entra no teu quarto, fecha a porta e reza ao teu Pai, que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa. 16 Quando jejuardes, não fiqueis com o rosto triste como os hipócritas. Eles desfiguram o rosto para que os homens vejam que estão jejuando. Em verdade vos digo, eles já receberam a sua recompensa. 17 Tu, porém, quando jejuares, perfuma a cabeça e lava o rosto, 18 para que os homens não vejam que tu estás jejuando, mas somente teu Pai, que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa”.

    Palavra da Salvação.

    “E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa”.

    Eis o tempo favorável! Não fechemos o nosso coração. Mantenhamo-nos atentos ao chamado para nos voltarmos a nós mesmos e reconhecermos qual é a verdadeira intenção do nosso modo de ser e agir como cristão.

    Quando nos colocamos no centro, em busca de reconhecimento, nos afastamos de Deus. Correndo o risco de adorarmos o “nosso” deus. Buscamos a realização em outros lugares, que não a de Deus, e, assim, tornamo-nos infelizes e não realizados. Mas, se damos o devido lugar a Deus, nossa vida passa a ter mais sentido, e nossas tarefas menos pesadas, pois não buscamos o reconhecimento do homem, mas a de Deus.

    A verdadeira recompensa é dada quando as nossas ações nascem do amor e é entregue de forma gratuita, singela e silenciosa, conhecida somente por Deus.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 5ª feira depois das Cinzas

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Deuteronômio 30,15-20

    Moisés falou ao povo, dizendo: 15 “Vê que eu hoje te proponho a vida e a felicidade, a morte e a desgraça. 16 Se obedeceres aos preceitos do Senhor teu Deus, que eu hoje te ordeno, amando ao Senhor teu Deus, seguindo seus caminhos e guardando seus mandamentos, suas leis e seus decretos, viverás e te multiplicarás, e o Senhor teu Deus te abençoará na terra em que vais entrar para possuí-la. 17 Se, porém, o teu coração se desviar e não quiseres escutar, e se, deixando-te levar pelo erro, adorares deuses estranhos e os servires, 18 eu vos anuncio hoje que certamente perecereis. Não vivereis muito tempo na terra onde ides entrar, depois de atravessar o Jordão, para ocupá-la. 19 Tomo hoje o céu e a terra como testemunhas contra vós de que vos propus a vida e a morte, a bênção e a maldição. Escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e teus descendentes, 20 amando ao Senhor teu Deus, obedecendo à sua voz e apegando-te a ele – pois ele é a tua vida e prolonga os teus dias, a fim de que habites na terra que o Senhor jurou dar a teus pais, Abraão, Isaac e Jacó”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 1

    É feliz quem a Deus se confia!

    Feliz é todo aquele que não anda / conforme os conselhos dos perversos; /
    que não entra no caminho dos malvados / nem junto aos zombadores vai sentar-se, /
    mas encontra seu prazer na lei de Deus / e a medita, dia e noite, sem cessar. – R.

    Eis que ele é semelhante a uma árvore / que à beira da torrente está plantada; /
    ela sempre dá seus frutos a seu tempo, † e jamais as suas folhas vão murchar. /
    Eis que tudo o que ele faz vai prosperar. – R.

    Mas bem outra é a sorte dos perversos. † Ao contrário, são iguais à palha seca /
    espalhada e dispersada pelo vento. / Pois Deus vigia o caminho dos eleitos, /
    mas a estrada dos malvados leva à morte. – R.

    Lucas 9,22-25

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 22 “O Filho do homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da lei, deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia”. 23 Depois Jesus disse a todos: “Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia e siga-me. 24 Pois quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la; e quem perder a sua vida por causa de mim, esse a salvará. 25 Com efeito, de que adianta a um homem ganhar o mundo inteiro se se perde e se destrói a si mesmo?”

    Palavra da Salvação.

    “Quem perder a sua vida por causa de mim, esse a salvará”.

    Ser discípulo de Jesus Cristo, muitas vezes, é abraçarmos, além das alegrias, também as perseguições, calúnias etc. Aqui acontece algo próprio do cristão, que é a cruz. Cruz essa que não é um peso, mas que pode nos ensinar a entendermos de um modo diferente nossa vida, ao olharmos ao nosso redor e ajudarmos nosso irmão com sua cruz.

    Em um tempo em que as relações são superficiais e desinteressadas, sejamos o oposto, vivamos alegres mesmo com as fragilidades e dificuldades. Sem reservas, abracemos de todo coração o que é próprio do cristão, a cruz. Ao assumirmos a vida integralmente, passamos a deixar marcas no mundo de bondade, caridade, paciência, compreensão e a maior marca que a cruz pode deixar, o amor.

    Reflexão feita pelos noviços

  • 6ª feira depois das Cinzas

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 58,1-9

    Assim fala o Senhor Deus: 1 “Grita forte, sem cessar, levanta a voz como trombeta e denuncia os crimes do meu povo e os pecados da casa de Jacó. 2 Buscam-me cada dia e desejam conhecer meus propósitos, como gente que pratica a justiça e não abandonou a lei de Deus. Exigem de mim julgamentos justos e querem estar na proximidade de Deus: 3 ‘Por que não te regozijaste quando jejuávamos e o ignoraste quando nos humilhávamos?’ É porque, no dia do vosso jejum, tratais de negócios e oprimis os vossos empregados. 4 É porque, ao mesmo tempo que jejuais, fazeis litígios e brigas e agressões impiedosas. Não façais jejum com esse espírito, se quereis que vosso pedido seja ouvido no céu. 5 Acaso é esse jejum que aprecio, o dia em que uma pessoa se mortifica? Trata-se talvez de curvar a cabeça como junco e de deitar-se em saco e sobre cinza? Acaso chamas a isso jejum, dia grato ao Senhor? 6 Acaso o jejum que prefiro não é outro: quebrar as cadeias injustas, desligar as amarras do jugo, tornar livres os que estão detidos, enfim, romper todo tipo de sujeição? 7 Não é repartir o pão com o faminto, acolher em casa os pobres e peregrinos? Quando encontrares um nu, cobre-o e não desprezes a tua carne. 8 Então brilhará tua luz como a aurora e tua saúde há de recuperar-se mais depressa; à frente caminhará tua justiça e a glória do Senhor te seguirá. 9 Então invocarás o Senhor, e ele te atenderá, pedirás socorro e ele dirá: ‘Eis-me aqui’”.

    Palavra do Senhor.

    Sl: 50 (51)

    Ó Senhor, não desprezeis um coração arrependido!

    Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! / Na imensidão de vosso amor, purificai-me! /
    Lavai-me todo inteiro do pecado / e apagai completamente a minha culpa! – R.

    Eu reconheço toda a minha iniquidade, / o meu pecado está sempre à minha frente. /
    Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei / e pratiquei o que é mau aos vossos olhos! – R.

    Pois não são de vosso agrado os sacrifícios, / e, se oferto um holocausto, o rejeitais. /
    Meu sacrifício é minha alma penitente, / não desprezeis um coração arrependido! – R.

    Mateus 9,14-15

    Naquele tempo, 14 os discípulos de João aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Por que razão nós e os fariseus praticamos jejuns, mas os teus discípulos não?” 15 Disse-lhes Jesus: “Por acaso, os amigos do noivo podem estar de luto enquanto o noivo está com eles? Dias virão em que o noivo será tirado do meio deles. Então, sim, eles jejuarão”.

    Palavra da Salvação.

    “Dias virão em que o esposo lhes será tirado, e então jejuarão”.

    O Tempo da Quaresma nos permite compreender mais claramente o que “o noivo”, Jesus Cristo, quer nos dizer.

    As leis friamente seguidas pelos discípulos de João e pelos fariseus lhes fecharam os olhos para a realidade que os circundavam e não os permitiam ver que o tempo em que viviam não era de jejum (O jejum, aqui, simboliza os períodos de luto e de tristeza), mas sim tempo de júbilo, pois o Filho de Deus, o noivo, estava no meio deles. É tempo de Festa, Deus, no seu Filho, sela conosco uma aliança, um casamento, d’Ele com toda a humanidade.

    Cristo, contudo, adverte que virão tempos em que “o esposo lhes será tirado”. É uma preparação para aquilo que lhe virá a acontecer, sua paixão e morte de cruz, seu ato de amor salvífico que sela definitivamente nossa aliança com o Pai. Que neste tempo, propício às práticas de penitência, possamos nos comprometer a fazer obras de caridade, preparando o nossos corações para o dia em que o Filho do Altíssimo nos será tirado.

    Reflexão feita pelos noviços

  • Sábado depois das Cinzas

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 58,9-14

    Assim fala o Senhor: 9 “Se destruíres teus instrumentos de opressão e deixares os hábitos autoritários e a linguagem maldosa; 10 se acolheres de coração aberto o indigente e prestares todo socorro ao necessitado, nascerá nas trevas a tua luz e tua vida obscura será como o meio-dia. 11 O Senhor te conduzirá sempre e saciará tua sede na aridez da vida, e renovará o vigor do teu corpo; serás como um jardim bem regado, como uma fonte de águas que jamais secarão. 12 Teu povo reconstruirá as ruínas antigas; tu levantarás os fundamentos das gerações passadas: serás chamado reconstrutor de ruínas, restaurador de caminhos, nas terras a povoar. 13 Se não puseres o pé fora de casa no sábado nem tratares de negócios em meu dia santo, se considerares o sábado teu dia favorito, o dia glorioso, consagrado ao Senhor, se o honrares, pondo de lado atividades, negócios e conversações, 14 então te deleitarás no Senhor; eu te farei transportar sobre as alturas da terra e desfrutar a herança de Jacó, teu pai”. Falou a boca do Senhor.

    Palavra do Senhor.

    Sl 85(86)

    Ensinai-me os vossos caminhos / e na vossa verdade andarei.

    Inclinai, ó Senhor, vosso ouvido, / escutai, pois sou pobre e infeliz! /
    Protegei-me, que sou vosso amigo, † e salvai vosso servo, meu Deus, /
    que espera e confia em vós! – R.

    Piedade de mim, ó Senhor, / porque clamo por vós todo o dia! /
    Animai e alegrai vosso servo, / pois a vós eu elevo a minha alma. – R.

    Ó Senhor, vós sois bom e clemente, / sois perdão para quem vos invoca. /
    Escutai, ó Senhor, minha prece, / o lamento da minha oração! – R.

    Lucas 5,27-32

    Naquele tempo, 27 Jesus viu um cobrador de impostos, chamado Levi, sentado na coletoria. Jesus lhe disse: “Segue-me”. 28 Levi deixou tudo, levantou-se e o seguiu. 29 Depois, Levi preparou em casa um grande banquete para Jesus. Estava aí grande número de cobradores de impostos e outras pessoas sentadas à mesa com eles. 30 Os fariseus e seus mestres da lei murmuravam e diziam aos discípulos de Jesus: “Por que vós comeis e bebeis com os cobradores de impostos e com os pecadores?” 31 Jesus respondeu: “Os que são sadios não precisam de médico, mas sim os que estão doentes. 32 Eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores para a conversão”.

    Palavra da Salvação.

    “Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores para a conversão”.

    Algo importante de se ressaltar é a preferencia de Jesus por aqueles que estão à margem da vida, os excluídos e explorados são os prediletos do Senhor. Sejamos pessoas as quais Jesus quer estar perto, murmurar contra os outros, como os fariseus e escribas, qualquer um faz, mas responder a um chamado como Levi, isso é para poucos.

    Quando Jesus aparece em nossa vida, Ele a muda completamente. Deixar tudo e segui-lo é uma opção e esse tempo ao qual estamos vivendo é próprio para isso. As vocações na Bíblia, nesse Evangelho a de Levi, sempre apontam uma conversão repentina, de prontidão; contudo, sabemos que houve algo anterior a esse momento que preparou os chamados para responder. Saibamos aproveitar essa preparação que a Igreja nos propõe, para que, quando chamados, possamos dar a melhor resposta.

    Reflexão feita pelos noviços