Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Liturgia diária

abril/2019

  • 2ª f. da 4ª Semana da Quaresma

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 65,17-21

    Assim fala o Senhor: 17 “Eis que eu criarei novos céus e nova terra, coisas passadas serão esquecidas, não voltarão mais à memória. 18 Ao contrário, haverá alegria e exultação sem fim em razão das coisas que eu vou criar; farei de Jerusalém a cidade da exultação e um povo cheio de alegria. 19 Eu também exulto com Jerusalém e alegro-me com o meu povo; ali nunca mais se ouvirá a voz do pranto e o grito de dor. 20 Ali não haverá crianças condenadas a poucos dias de vida nem anciãos que não completem seus dias. Será considerado jovem quem morrer aos cem anos; e quem não alcançar cem anos passará por maldito. 21 Construirão casas para nelas morar, plantarão vinhas para comer seus frutos”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 29(30)

    Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livrastes!

    1 – Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livrastes / e não deixastes rir de mim meus inimigos! /
    Vós tirastes minha alma dos abismos / e me salvastes quando estava já morrendo! – R.

    2 – Cantai salmos ao Senhor, povo fiel, / dai-lhe graças e invocai seu santo nome! /
    Pois sua ira dura apenas um momento, / mas sua bondade permanece a vida inteira; /
    se à tarde vem o pranto visitar-nos, / de manhã vem saudar-nos a alegria. – R.

    3 – Escutai-me, Senhor Deus, tende piedade! / Sede, Senhor, o meu abrigo protetor! /
    Transformastes o meu pranto em uma festa, / Senhor meu Deus, eternamente hei de louvar-vos! – R.

    João 4,43-54

    Naquele tempo, 43 Jesus partiu da Samaria para a Galileia. 44 O próprio Jesus tinha declarado que um profeta não é honrado na sua própria terra. 45 Quando então chegou à Galileia, os galileus receberam-no bem, porque tinham visto tudo o que Jesus havia feito em Jerusalém durante a festa. Pois também eles tinham ido à festa. 46 Assim, Jesus voltou para Caná da Galileia, onde havia transformado a água em vinho. Havia em Cafarnaum um funcionário do rei que tinha um filho doente. 47 Ouviu dizer que Jesus tinha vindo da Judeia para a Galileia. Ele saiu ao seu encontro e pediu-lhe que fosse a Cafarnaum curar seu filho, que estava morrendo. 48 Jesus disse-lhe: “Se não virdes sinais e prodígios, não acreditais”. 49 O funcionário do rei disse: “Senhor, desce, antes que meu filho morra!” 50 Jesus lhe disse: “Podes ir, teu filho está vivo”. O homem acreditou na palavra de Jesus e foi embora. 51 Enquanto descia para Cafarnaum, seus empregados foram ao seu encontro, dizendo que o seu filho estava vivo. 52 O funcionário perguntou a que horas o menino tinha melhorado. Eles responderam: “A febre desapareceu, ontem, pela uma da tarde”. 53 O pai verificou que tinha sido exatamente na mesma hora em que Jesus lhe havia dito: “Teu filho está vivo”. Então, ele abraçou a fé, juntamente com toda a sua família. 54 Esse foi o segundo sinal de Jesus. Realizou-o quando voltou da Judeia para a Galileia.

    Palavra da Salvação.

    O fruto da fé

    Jo 4,43-54

    “Vai, teu filho está vivo”.

    O amor que brota do mais íntimo do coração do pai, ao ver seu filho à beira da morte, faz com que as sementes do Reino anunciado pelo Cristo e que chegou, pela boca de outros, aos seus ouvidos, germine e produza o fruto da fé no Salvador. O Filho de Deus sabe penetrar no mais íntimo do pai angustiado e extrair o óleo puro da fé, esperança e confiança verdadeira que ele tem ao Messias.

    “Vai, teu filho está vivo”, é muito mais que a realização do pedido do pai, é na verdade o reconhecimento da largueza da fé e abertura ao Verbo de Deus feito homem, que Nosso Senhor Jesus Cristo vê presente naquele homem.

    Reflexão feita pelos Noviços desta Província

    Noviciado São José

    Rodeio – Santa Catarina

  • 3ª f. da 4ª Semana da Quaresma

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Ezequiel 47,1-9.12

    Naqueles dias, 1 o anjo fez-me voltar até a entrada do templo e eis que saía água da sua parte subterrânea na direção leste, porque o templo estava voltado para o oriente; a água corria do lado direito do templo, a sul do altar. 2 Ele fez-me sair pela porta que dá para o norte, e fez-me dar uma volta por fora, até a porta que dá para o leste, onde eu vi a água jorrando do lado direito. 3 Quando o homem saiu na direção leste, tendo uma corda de medir na mão, mediu quinhentos metros e fez-me atravessar a água: ela chegava-me aos tornozelos. 4 Mediu outros quinhentos metros e fez-me atravessar a água: ela chegava-me aos joelhos. 5 Mediu mais quinhentos metros e fez-me atravessar a água: ela chegava-me à cintura. Mediu mais quinhentos metros, e era um rio que eu não podia atravessar. Porque as águas haviam crescido tanto, que se tornaram um rio impossível de atravessar, a não ser a nado. 6 Ele me disse: “Viste, filho do homem?” Depois, fez-me caminhar de volta pela margem do rio. 7 Voltando, eu vi junto à margem muitas árvores, de um e de outro lado do rio. 8 Então ele me disse: “Estas águas correm para a região oriental, descem para o vale do Jordão, desembocam nas águas salgadas do mar, e elas se tornarão saudáveis. 9 Aonde o rio chegar, todos os animais que ali se movem poderão viver. Haverá peixes em quantidade, pois ali desembocam as águas que trazem saúde; e haverá vida aonde chegar o rio. 12 Nas margens junto ao rio, de ambos os lados, crescerá toda espécie de árvores frutíferas; suas folhas não murcharão e seus frutos jamais se acabarão: cada mês darão novos frutos, pois as águas que banham as árvores saem do santuário. Seus frutos servirão de alimento e suas folhas serão remédio”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 45(46)

    Conosco está o Senhor do universo! / O nosso refúgio é o Deus de Jacó.

    O Senhor para nós é refúgio e vigor, / sempre pronto, mostrou-se um socorro na angústia; /
    assim não tememos se a terra estremece, / se os montes desabam, caindo nos mares. – R.

    Os braços de um rio vêm trazer alegria / à cidade de Deus, à morada do Altíssimo. /
    Quem a pode abalar? Deus está no seu meio! / Já bem antes da aurora, ele vem ajudá-la. – R.

    Conosco está o Senhor do universo! / O nosso refúgio é o Deus de Jacó! /
    Vinde ver, contemplai os prodígios de Deus / e a obra estupenda que fez no universo. – R.

    João 5,1-16

    1 Houve uma festa dos judeus, e Jesus foi a Jerusalém. 2 Existe em Jerusalém, perto da porta das Ovelhas, uma piscina com cinco pórticos, chamada Betesda em hebraico. 3 Muitos doentes ficavam ali deitados: cegos, coxos e paralíticos. 4 De fato, um anjo descia, de vez em quando, e movimentava a água da piscina, e o primeiro doente que aí entrasse, depois do borbulhar da água, ficava curado de qualquer doença que tivesse. 5 Aí se encontrava um homem que estava doente havia trinta e oito anos. 6 Jesus viu o homem deitado e, sabendo que estava doente há tanto tempo, disse-lhe: “Queres ficar curado?” 7 O doente respondeu: “Senhor, não tenho ninguém que me leve à piscina quando a água é agitada. Quando estou chegando, outro entra na minha frente”. 8 Jesus disse: “Levanta-te, pega a tua cama e anda”. 9 No mesmo instante, o homem ficou curado, pegou a sua cama e começou a andar. Ora, esse dia era um sábado. 10 Por isso, os judeus disseram ao homem que tinha sido curado: “É sábado! Não te é permitido carregar tua cama”. 11 Ele respondeu-lhes: “Aquele que me curou disse: ‘Pega tua cama e anda’”. 12 Então lhe perguntaram: “Quem é que te disse: ‘Pega tua cama e anda’?” 13 O homem que tinha sido curado não sabia quem fora, pois Jesus se tinha afastado da multidão que se encontrava naquele lugar. 14 Mais tarde, Jesus encontrou o homem no templo e lhe disse: “Eis que estás curado. Não voltes a pecar, para que não te aconteça coisa pior”. 15 Então o homem saiu e contou aos judeus que tinha sido Jesus quem o havia curado. 16 Por isso, os judeus começaram a perseguir Jesus, porque fazia tais coisas em dia de sábado.

    Palavra da Salvação.

    Aceitar a ação de Deus em sua vida

    Jo 5,1-16

    “No mesmo instante, o homem ficou curado”.

    Muitos eram os que ansiavam pela cura das águas, cheios de esperança e fé e desejavam um dia serem os próximos a serem banhados nas águas borbulhantes do templo.

    Então, Jesus se aproxima do paralítico oferecendo muito mais que a cura corporal: a cura interior. Cristo não sabe curar pela metade, muito menos deixar uma obra inacabada, mas sua entrega à missão é sempre inteira. Ele sabe o que passa o homem e, mesmo assim, provoca-o a um ato de fé: “Queres ficar curado?”, assim como se perguntasse: “Queres que eu entre e faça morada em ti?”.

    Jesus o quer por inteiro e o marca com seu selo permanente do Espírito Santo. É missão também de cada um, diariamente, aceitar a ação de Deus em sua vida.

    Reflexão feita pelos Noviços desta Província

    Noviciado São José

    Rodeio – Santa Catarina

  • 4ª f. da 4ª Semana da Quaresma

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 49,8-15

    8 Isto diz o Senhor: “Eu atendo teus pedidos com favores e te ajudo na obra de salvação; preservei-te para seres elo de aliança entre os povos, para restaurar a terra, para distribuir a herança dispersa; 9 para dizer aos que estão presos: ‘Saí!’ e aos que estão nas trevas: ‘Mostrai-vos’. E todos se alimentam pelas estradas e até nas colinas estéreis se abastecem; 10 não sentem fome nem sede, não os castiga nem o calor nem o sol, porque o seu protetor toma conta deles e os conduz às fontes de água. 11 Farei de todos os montes uma estrada e os meus caminhos serão nivelados. 12 Eis que estão vindo de longe, uns chegam do norte e do lado do mar, e outros, da terra de Sinim. 13 Louvai, ó céus, alegra-te, terra; montanhas, fazei ressoar o louvor, porque o Senhor consola o seu povo e se compadece dos pobres. 14 Disse Sião: ‘O Senhor abandonou-me, o Senhor esqueceu-se de mim!’ 15 Acaso pode a mulher esquecer-se do filho pequeno, a ponto de não ter pena do fruto de seu ventre? Se ela se esquecer, eu, porém, não me esquecerei de ti”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 144(145)

    Misericórdia e piedade é o Senhor.

    1 – Misericórdia e piedade é o Senhor, / ele é amor, é paciência, é compaixão. /
    O Senhor é muito bom para com todos, / sua ternura abraça toda criatura. – R.

    2 – O Senhor é amor fiel em sua palavra, / é santidade em toda obra que ele faz. /
    Ele sustenta todo aquele que vacila / e levanta todo aquele que tombou. – R.

    3 – É justo o Senhor em seus caminhos, / é santo em toda obra que ele faz. /
    Ele está perto da pessoa que o invoca, / de todo aquele que o invoca lealmente. – R.

    João 5,17-30

    Naquele tempo, 17 Jesus respondeu aos judeus: “Meu Pai trabalha sempre, portanto também eu trabalho”. 18 Então, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque, além de violar o sábado, chamava Deus o seu Pai, fazendo-se, assim, igual a Deus. 19 Tomando a palavra, Jesus disse aos judeus: “Em verdade, em verdade vos digo, o Filho não pode fazer nada por si mesmo; ele faz apenas o que vê o Pai fazer. O que o Pai faz, o Filho o faz também. 20 O Pai ama o Filho e lhe mostra tudo o que ele mesmo faz. E lhe mostrará obras maiores ainda, de modo que ficareis admirados. 21 Assim como o Pai ressuscita os mortos e lhes dá a vida, o Filho também dá a vida a quem ele quer. 22 De fato, o Pai não julga ninguém, mas ele deu ao Filho o poder de julgar, 23 para que todos honrem o Filho assim como honram o Pai. Quem não honra o Filho também não honra o Pai, que o enviou. 24 Em verdade, em verdade vos digo, quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou possui a vida eterna. Não será condenado, pois já passou da morte para a vida. 25 Em verdade, em verdade, eu vos digo, está chegando a hora, e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus e os que a ouvirem viverão. 26 Porque, assim como o Pai possui a vida em si mesmo, do mesmo modo concedeu ao Filho possuir a vida em si mesmo. 27 Além disso, deu-lhe o poder de julgar, pois ele é o Filho do homem. 28 Não fiqueis admirados com isso, porque vai chegar a hora em que todos os que estão nos túmulos ouvirão a voz do Filho e sairão: 29 aqueles que fizeram o bem ressuscitarão para a vida; e aqueles que praticaram o mal, para a condenação. 30 Eu não posso fazer nada por mim mesmo. Eu julgo conforme o que escuto, e meu julgamento é justo, porque não procuro fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou”.

    Palavra da Salvação.

    O Caminho do Pai

    Jo 5,17-30

    “Assim como o Pai ressuscita os mortos e lhes dá a vida, o Filho também dá a vida a quem ele quer”.

    Jesus é a expressão carnal do verbo de Deus, feito homem se fez sinal estreito que liga o Pai dos céus aos homens da terra. Assumindo nossa humanidade em tudo, exceto no pecado, Ele é o melhor exemplo de perfeita ligação a Deus, para suas criaturas assim o imitarem.

    Com o amor que vem de seu Pai, ama a todos os homens, brilhando sua luz para justos e injustos, e dando a cada um, todos os dias uma nova vida, aos que o procuram de coração humilde. Jesus é o “caminho, a verdade e a vida, ninguém vai ao Pai se não for por Ele” (Jo 14,6), apressemos em suplicar que Cristo se digne a mostrar a nós, seus irmãos, o caminho ao Pai.

    Reflexão feita pelos Noviços desta Província

    Noviciado São José

    Rodeio – Santa Catarina

  • 5ª f. da 4ª Semana da Quaresma

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Êxodo 32,7-14

    Naqueles dias, 7 o Senhor falou a Moisés: “Vai, desce, pois corrompeu-se o teu povo, que tiraste da terra do Egito. 8 Bem depressa desviaram-se do caminho que lhes prescrevi. Fizeram para si um bezerro de metal fundido, inclinaram-se em adoração diante dele e ofereceram-lhe sacrifícios, dizendo: ‘Estes são os teus deuses, Israel, que te fizeram sair do Egito!’” 9 E o Senhor disse ainda a Moisés: “Vejo que este é um povo de cabeça dura. 10 Deixa que minha cólera se inflame contra eles e que eu os extermine. Mas de ti farei uma grande nação”. 11 Moisés, porém, suplicava ao Senhor seu Deus, dizendo: “Por que, ó Senhor, se inflama a tua cólera contra o teu povo, que fizeste sair do Egito com grande poder e mão forte? 12 Não permitas, te peço, que os egípcios digam: ‘Foi com má intenção que ele os tirou, para fazê-los perecer nas montanhas e exterminá-los da face da terra’. Aplaque-se a tua ira e perdoa a iniquidade do teu povo. 13 Lembra-te de teus servos Abraão, Isaac e Israel, com os quais te comprometeste por juramento, dizendo: ‘Tornarei os vossos descendentes tão numerosos como as estrelas do céu; e toda esta terra de que vos falei, eu a darei aos vossos descendentes como herança para sempre’”. 14 E o Senhor desistiu do mal que havia ameaçado fazer ao seu povo.

    Palavra do Senhor.

    Sl 105(106)

    Lembrai-vos de nós, ó Senhor, / segundo o amor para com vosso povo!

    1 –  Construíram um bezerro no Horeb / e adoraram uma estátua de metal; /
    eles trocaram o seu Deus, que é sua glória, / pela imagem de um boi que come feno. – R.

    2 – Esqueceram-se do Deus que os salvara, / que fizera maravilhas no Egito; /
    no país de Cam fez tantas obras admiráveis, / no mar Vermelho, tantas coisas assombrosas. – R.

    3 – Até pensava em acabar com sua raça, / não se tivesse Moisés, o seu eleito, /
    interposto, intercedendo junto a ele, / para impedir que sua ira os destruísse. – R.

    João 5,31-47

    Naquele tempo, disse Jesus aos judeus: 31 “Se eu der testemunho de mim mesmo, meu testemunho não vale. 32 Mas há um outro que dá testemunho de mim, e eu sei que o testemunho que ele dá de mim é verdadeiro. 33 Vós mandastes mensageiros a João, e ele deu testemunho da verdade. 34 Eu, porém, não dependo do testemunho de um ser humano. Mas falo assim para a vossa salvação. 35 João era uma lâmpada que estava acesa e a brilhar, e vós com prazer vos alegrastes por um tempo com a sua luz. 36 Mas eu tenho um testemunho maior que o de João: as obras que o Pai me concedeu realizar. As obras que eu faço dão testemunho de mim, mostrando que o Pai me enviou. 37 E também o Pai que me enviou dá testemunho a meu favor. Vós nunca ouvistes sua voz nem vistes sua face, 38 e sua palavra não encontrou morada em vós, pois não acreditais naquele que ele enviou. 39 Vós examinais as Escrituras, pensando que nelas possuís a vida eterna. No entanto, as Escrituras dão testemunho de mim, 40 mas não quereis vir a mim para ter a vida eterna! 41 Eu não recebo a glória que vem dos homens. 42 Mas eu sei que não tendes em vós o amor de Deus. 43 Eu vim em nome do meu Pai, e vós não me recebeis. Mas, se um outro viesse em seu próprio nome, a este vós o receberíeis. 44 Como podereis acreditar, vós que recebeis glória uns dos outros e não buscais a glória que vem do único Deus? 45 Não penseis que eu vos acusarei diante do Pai. Há alguém que vos acusa: Moisés, no qual colocais a vossa esperança. 46 Se acreditásseis em Moisés, também acreditaríeis em mim, pois foi a respeito de mim que ele escreveu. 47 Mas se não acreditais nos seus escritos, como acreditareis então nas minhas palavras?”

    Palavra da Salvação.

    Sinal vivo da presença de Cristo

    Jo 5,31-47

    “Há alguém que vos acusa: Moisés, no qual colocais a vossa esperança”.

    Jesus tem em sua relação com o Pai o testemunho mais perfeito e verdadeiro de amor que pode existir. Essa relação, por si só, não requer nenhuma participação humana, pois Deus não é dependente do louvor do homem para ser o que é. Mas é o próprio indivíduo (criatura) que necessita testemunhar aos seus semelhantes, para todos alcançarem a glória de Deus, suplicando que Deus se digne olhar para sua pequenez e pobreza diante de seu esplendor.

    O testemunho particular que cada um oferece, nutre toda a Igreja que honra e louva a Trindade, mais e melhor, como Ela merece. É parte de cada fiel assumir mais radicalmente em seu modo de vida a responsabilidade assumida no Batismo, sendo um sinal vivo e expressivo da presença de Cristo inserido no ambiente que estiver.

    Reflexão feita pelos Noviços desta Província

    Noviciado São José

    Rodeio – Santa Catarina

  • 6ª f. da 4ª Semana da Quaresma

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Sabedoria 2,1.12-22

    1 Dizem entre si os ímpios, em seus falsos raciocínios: 12 “Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda: ele se opõe ao nosso modo de agir, repreende em nós as transgressões da lei e nos reprova as faltas contra a nossa disciplina. 13 Ele declara possuir o conhecimento de Deus e chama-se ‘filho de Deus’. 14 Tornou-se uma censura aos nossos pensamentos, e só o vê-lo nos é insuportável; 15 sua vida é muito diferente da dos outros e seus caminhos são imutáveis. 16 Somos comparados por ele a moeda falsa, e foge de nossos caminhos como de impurezas; proclama feliz a sorte final dos justos e gloria-se de ter a Deus por pai. 17 Vejamos, pois, se é verdade o que ele diz e comprovemos o que vai acontecer com ele. 18 Se, de fato, o justo é ‘filho de Deus’, Deus o defenderá e o livrará das mãos dos seus inimigos. 19 Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas, para ver a sua serenidade e provar a sua paciência; 20 vamos condená-lo a morte vergonhosa, porque, de acordo com suas palavras, virá alguém em seu socorro”. 21 Tais são os pensamentos dos ímpios, mas enganam-se; pois a malícia os torna cegos, 22 não conhecem os segredos de Deus, não esperam recompensa para a santidade e não dão valor ao prêmio reservado às vidas puras.

    Palavra do Senhor.

    Sl 33(34)

    Do coração atribulado está perto o Senhor.

    1 – O Senhor volta a sua face contra os maus, / para da terra apagar sua lembrança. /
    Clamam os justos, e o Senhor bondoso escuta / e de todas as angústias os liberta. – R.

    2 – Do coração atribulado ele está perto / e conforta os de espírito abatido. /
    Muitos males se abatem sobre os justos, / mas o Senhor de todos eles os liberta. – R.

    3 – Mesmo os seus ossos ele os guarda e os protege, / e nenhum deles haverá de se quebrar. /
    Mas o Senhor liberta a vida dos seus servos, / e castigado não será quem nele espera. – R.

    João 7,1-2.10.25-30

    Naquele tempo, 1 Jesus andava percorrendo a Galileia. Evitava andar pela Judeia, porque os judeus procuravam matá-lo. 2 Entretanto, aproximava-se a festa judaica das Tendas. 10 Quando seus irmãos já tinham subido, então também ele subiu para a festa, não publicamente, mas sim como que às escondidas. 25 Alguns habitantes de Jerusalém disseram então: “Não é este a quem procuram matar? 26 Eis que fala em público e nada lhe dizem. Será que, na verdade, as autoridades reconheceram que ele é o Messias? 27 Mas este nós sabemos donde é. O Cristo, quando vier, ninguém saberá donde ele é”. 28 Em alta voz, Jesus ensinava no templo, dizendo: “Vós me conheceis e sabeis de onde sou; eu não vim por mim mesmo, mas o que me enviou é fidedigno. A esse, não o conheceis, 29 mas eu o conheço, porque venho da parte dele, e ele foi quem me enviou”. 30 Então, queriam prendê-lo, mas ninguém pôs a mão nele, porque ainda não tinha chegado a sua hora.

    Palavra da Salvação.

    Luz em meio às trevas

    Jo 7,1-2.10.25-30

    “Queriam prendê-lo, mas ainda não tinha chegado a sua hora”.

    Aproxima-se cada vez mais o cume da missão do Senhor na terra. Vai chegando o momento de se entregar na cruz. Aumentam as perseguições, contrariedades e a não aceitação do povo ao anúncio profético do Reino de Deus que se aproxima, por nada menos do que seu próprio Filho Unigênito. Mas mesmo frente a tão grande pessimismo por parte do povo, Jesus não se desanima em sua missão: com voz alta e sonora prega a paz no Templo. Não desiste jamais de converter os corações duros dos que ainda não creram nele.

    Como cristãos somos levados a agirmos tal qual a Jesus, nunca desanimando em anunciar sua Boa Nova, mesmo diante da dureza dos corações empedrados de nossos tempos, que buscam o individual antes do coletivo, o agora antes do amanhã, a guerra antes da paz, o ódio antes do amor e a morte antes da vida. Sejamos luz que ilumina as trevas e abismos de nossa sociedade e sal que dá gosto, transformando os sabores mais desagradáveis em apetitosos.

    Reflexão feita pelos Noviços desta Província

    Noviciado São José

    Rodeio – Santa Catarina

  • Sábado da 4ª Semana da Quaresma

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Jeremias 11,18-20

    18 Senhor, avisaste-me e eu entendi; fizeste-me saber as intrigas deles. 19 Eu era como manso cordeiro levado ao sacrifício e não sabia que tramavam contra mim: “Vamos cortar a árvore em toda a sua força, eliminá-lo do mundo dos vivos, para seu nome não ser mais lembrado”. 20 E tu, Senhor dos exércitos, que julgas com justiça e perscrutas os afetos do coração, concede que eu veja a vingança que tomarás contra eles, pois eu te confiei a minha causa.

    Palavra do Senhor.

    Sl 7

    Senhor meu Deus, em vós procuro o meu refúgio.

    1 – Senhor meu Deus, em vós procuro o meu refúgio: / vinde salvar-me do inimigo, libertai-me! /
    Não aconteça que agarrem minha vida, † como um leão que despedaça a sua presa, / sem que ninguém venha salvar-me e libertar-me! – R.

    2 – Julgai-me, Senhor Deus, como eu mereço / e segundo a inocência que há em mim! /
    Ponde um fim à iniquidade dos perversos † e confirmai o vosso justo, ó Deus-justiça, / vós que sondais os nossos rins e corações. – R.

    3 – O Deus vivo é um escudo protetor / e salva aqueles que têm reto coração. /
    Deus é juiz, e ele julga com justiça, / mas é um Deus que ameaça cada dia. – R.

    João 7,40-53

    Naquele tempo, 40 ao ouvirem as palavras de Jesus, algumas pessoas da multidão diziam: “Este é, verdadeiramente, o profeta”. 41 Outros diziam: “Ele é o Messias”. Mas alguns objetavam: “Porventura o Messias virá da Galileia? 42 Não diz a Escritura que o Messias será da descendência de Davi e virá de Belém, povoado de onde era Davi?” 43 Assim, houve divisão no meio do povo por causa de Jesus. 44 Alguns queriam prendê-lo, mas ninguém pôs as mãos nele. 45 Então, os guardas do templo voltaram para os sumos sacerdotes e os fariseus, e estes lhes perguntaram: “Por que não o trouxestes?” 46 Os guardas responderam: “Ninguém jamais falou como este homem”. 47 Então, os fariseus disseram-lhes: “Também vós vos deixastes enganar? 48 Por acaso algum dos chefes ou dos fariseus acreditou nele? 49Mas essa gente que não conhece a lei é maldita!” 50 Nicodemos, porém, um dos fariseus, aquele que se tinha encontrado com Jesus anteriormente, disse: 51 “Será que a nossa lei julga alguém antes de o ouvir e saber o que ele fez?” 52 Eles responderam: “Também tu és galileu, porventura? Vai estudar e verás que da Galileia não surge profeta”. 53 E cada um voltou para sua casa.

    Palavra da Salvação.

    Corações fechados

    Jo 7,40-53

    “Porventura o Messias virá da Galileia”?

    Para quem não deseja ter parte no projeto de Deus, qualquer coisa que lhe vier à cabeça é justificativa para se opor a Ele e fazer sua vontade. Fecha-se, assim, o coração ao amor de Deus que quer se revelar e ainda gera conflitos e divisões. E, hoje ,quantas vezes Deus quer ser manifestar a nós, seja na própria Bíblia, na liturgia ou mesmo através de nossa família e amigos e nós os ignoramos porque pensamos já ter ouvido o que basta. Quantos são os Galileus que aparecem em nossa vida de diversas formas que nós, como diz Nicodemos no Evangelho, condenamos sem primeiro ouvi-lo e saber o que fez?

    Reflexão feita pelos Noviços desta Província

    Noviciado São José

    Rodeio – Santa Catarina

  • 5º Domingo da Quaresma

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • 2ª Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 43,16-21

    16 Isto diz o Senhor, que abriu uma passagem no mar e um caminho entre águas impetuosas; 17 que pôs a perder carros e cavalos, tropas e homens corajosos; pois estão todos mortos e não ressuscitarão, foram abafados como mecha de pano e apagaram-se: 18 “Não relembreis coisas passadas, não olheis para fatos antigos. 19 Eis que eu farei coisas novas e que já estão surgindo: acaso não as reconheceis? Pois abrirei uma estrada no deserto e farei correr rios na terra seca. 20 Hão de glorificar-me os animais selvagens, os dragões e os avestruzes, porque fiz brotar água no deserto e rios na terra seca para dar de beber a meu povo, a meus escolhidos. 21 Este povo, eu o criei para mim e ele cantará meus louvores”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 125(126)

    Maravilhas fez conosco o Senhor, / exultemos de alegria!                                             

    1 – Quando o Senhor reconduziu nossos cativos, / parecíamos sonhar; /
    encheu-se de sorriso nossa boca, / nossos lábios, de canções. – R.

    2 – Entre os gentios se dizia: “Maravilhas / fez com eles o Senhor!” /
    Sim, maravilhas fez conosco o Senhor, / exultemos de alegria! – R.

    3 – Mudai a nossa sorte, ó Senhor, / como torrentes no deserto. /
    Os que lançam as sementes entre lágrimas / ceifarão com alegria. – R.

    4 – Chorando de tristeza, sairão, / espalhando suas sementes; /
    cantando de alegria, voltarão, / carregando os seus feixes! – R.

    Filipenses 3,8-14

    Irmãos, 8 na verdade, considero tudo como perda diante da vantagem suprema que consiste em conhecer a Cristo Jesus, meu Senhor. Por causa dele, eu perdi tudo. Considero tudo como lixo, para ganhar Cristo e ser encontrado unido a ele, 9 não com minha justiça provindo da lei, mas com a justiça por meio da fé em Cristo, a justiça que vem de Deus, na base da fé. 10 Esta consiste em conhecer a Cristo, experimentar a força da sua ressurreição, ficar em comunhão com os seus sofrimentos, tornando-me semelhante a ele na sua morte, 11 para ver se alcanço a ressurreição dentre os mortos. 12 Não que já tenha recebido tudo isso ou que já seja perfeito. Mas corro para alcançá-lo, visto que já fui alcançado por Cristo Jesus. 13 Irmãos, eu não julgo já tê-lo alcançado. Uma coisa, porém, eu faço: esquecendo o que fica para trás, eu me lanço para o que está na frente. 14 Corro direto para a meta, rumo ao prêmio que, do alto, Deus me chama a receber em Cristo Jesus.

    Palavra do Senhor.

    João 8,1-11

    Naquele tempo, 1 Jesus foi para o monte das Oliveiras. 2 De madrugada, voltou de novo ao templo. Todo o povo se reuniu em volta dele. Sentando-se, começou a ensiná-los. 3 Entretanto, os mestres da lei e os fariseus trouxeram uma mulher surpreendida em adultério. Colocando-a no meio deles, 4 disseram a Jesus: “Mestre, esta mulher foi surpreendida em flagrante adultério. 5 Moisés, na lei, mandou apedrejar tais mulheres. Que dizes tu?” 6 Perguntavam isso para experimentar Jesus e para terem motivo de o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, começou a escrever com o dedo no chão. 7 Como persistissem em interrogá-lo, Jesus ergueu-se e disse: “Quem dentre vós não tiver pecado seja o primeiro a atirar-lhe uma pedra”. 8 E tornando a inclinar-se, continuou a escrever no chão. 9 E eles, ouvindo o que Jesus falou, foram saindo um a um, a começar pelos mais velhos; e Jesus ficou sozinho com a mulher que estava lá, no meio do povo. 10 Então Jesus se levantou e disse: “Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou?” 11 Ela respondeu: “Ninguém, Senhor”. Então Jesus lhe disse: “Eu também não te condeno. Podes ir e, de agora em diante, não peques mais”.

    Palavra da Salvação.

    Com direito podemos julgar alguém?

    Jo 8,1-11

    “Quem dentre vós não tiver pecado, seja o primeiro a atirar-lhe uma pedra”.

    É fácil enxergar o erro e o pecado de seu próximo; se sentir superior a ele e condená-lo porque não merece estar convivendo com quem é aparentemente “justo”. Isso, claro, enquanto os pecados do “justo” estão suficientemente escondidos… Somente um é verdadeiramente justo e sem pecado, e Ele mesmo diz a mulher adúltera: “Nem eu te condeno”. E nós, com que direito temos para julgar e condenar alguém?

    Reflexão feita pelos Noviços desta Província

    Noviciado São José

    Rodeio – Santa Catarina

  • 2ª f. da 5ª Semana da Quaresma

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Daniel 13,1-9.15-17.19-30.33-62 ou 41-62

    1 na Babilônia vivia um homem chamado Joaquim. 2 Estava casado com uma mulher chamada Susana, filha de Helcias, que era muito bonita e temente a Deus. 3 Também os pais dela eram pessoas justas e tinham educado a filha de acordo com a lei de Moisés. 4 Joaquim era muito rico e possuía um pomar junto à sua casa. Muitos judeus costumavam visitá-lo, pois era o mais respeitado de todos. 5 Ora, naquele ano, tinham sido nomeados juízes dois anciãos do povo, a respeito dos quais o Senhor havia dito: “Da Babilônia brotou a maldade de anciãos-juízes, que passavam por condutores do povo”. 6 Eles frequentavam a casa de Joaquim, e todos os que tinham alguma questão se dirigiam a eles. 7 Ora, pelo meio-dia, quando o povo se dispersava, Susana costumava entrar e passear no pomar de seu marido. 8 Os dois anciãos viam-na todos os dias entrar e passear e acabaram por se apaixonar por ela. 9 Ficaram desnorteados, a ponto de desviarem os olhos para não olharem para o céu, e se esqueceram dos seus justos julgamentos. 15 Assim, enquanto os dois estavam à espera de uma ocasião favorável, certo dia, Susana entrou no pomar como de costume, acompanhada apenas por duas empregadas. E sentiu vontade de tomar banho, por causa do calor. 16 Não havia ali ninguém, exceto os dois velhos, que estavam escondidos e a espreitavam. 17 Então ela disse às empregadas: “Por favor, ide buscar-me óleo e perfumes e trancai as portas do pomar, para que eu possa tomar banho”. 19 Apenas as empregadas tinham saído, os dois velhos levantaram-se e correram para Susana, dizendo: 20 “Olha, as portas do pomar estão trancadas e ninguém nos está vendo. Estamos apaixonados por ti: concorda conosco e entrega-te a nós! 21 Caso contrário, deporemos contra ti que um moço esteve aqui e que foi por isso que mandaste embora as empregadas”. 22 Gemeu Susana, dizendo: “Estou cercada de todos os lados! Se eu fizer isso, espera-me a morte; e, se não o fizer, também não escaparei das vossas mãos; 23 mas é melhor para mim, não o fazendo, cair nas vossas mãos do que pecar diante do Senhor!” 24 Então, ela pôs-se a gritar em alta voz, mas também os dois velhos gritaram contra ela. 25 Um deles correu para as portas do pomar e as abriu. 26 As pessoas da casa ouviram a gritaria no pomar e precipitaram-se pela porta do fundo, para ver o que estava acontecendo. 27 Quando os velhos apresentaram sua versão dos fatos, os empregados ficaram muito constrangidos, porque jamais se dissera coisa semelhante a respeito de Susana. 28 No dia seguinte, o povo veio reunir-se em casa de Joaquim, seu marido. Os dois anciãos vieram também, com a intenção criminosa de conseguir sua condenação à morte. Por isso, assim falaram ao povo reunido: 29 “Mandai chamar Susana, filha de Helcias, mulher de Joaquim!” E foram chamá-la. 30 Ela compareceu em companhia dos pais, dos filhos e de todos os seus parentes. 33 Os que estavam com ela e todos os que a viam, choravam. 34 Os dois velhos levantaram-se no meio do povo e puseram as mãos sobre a cabeça de Susana. 35 Ela, entre lágrimas, olhou para o céu, pois seu coração tinha confiança no Senhor. 36 Entretanto, os dois anciãos deram este depoimento: “Enquanto estávamos passeando a sós no pomar, esta mulher entrou com duas empregadas. Depois, fechou as portas do pomar e mandou as servas embora. 37 Então, veio ter com ela um moço, que estava escondido, e com ela se deitou. 38 Nós, que estávamos num canto do pomar, vimos essa infâmia. Corremos para eles e os surpreendemos juntos. 39 Quanto ao jovem, não conseguimos agarrá-lo, porque era mais forte do que nós e, abrindo as portas, fugiu. 40 A ela, porém, agarramos e perguntamos quem era aquele moço. Ela, porém, não quis dizer. Disso nós somos testemunhas”.

    [41 A assembleia acreditou neles, pois eram anciãos do povo e juízes. E condenaram Susana à morte. 42 Susana, porém, chorando, disse em voz alta: “Ó Deus eterno, que conheces as coisas escondidas e sabes tudo de antemão, antes que aconteça! 43 Tu sabes que é falso o testemunho que levantaram contra mim! Estou condenada a morrer, quando nada fiz do que estes maldosamente inventaram a meu respeito!” 44 O Senhor escutou sua voz. 45 Enquanto a levavam para a execução, Deus excitou o santo espírito de um adolescente de nome Daniel. 46 E ele clamou em alta voz: “Sou inocente do sangue dessa mulher!” 47 Todo o povo, então, voltou-se para ele e perguntou: “Que palavra é essa que acabas de dizer?” 48 De pé, no meio deles, Daniel respondeu: “Sois tão insensatos, filhos de Israel? Sem julgamento e sem conhecimento da causa verdadeira, vós condenais uma filha de Israel? 49 Voltai a repetir o julgamento, pois é falso o testemunho que levantaram contra ela!” 50 Todo o povo voltou apressadamente, e outros anciãos disseram ao jovem: “Senta-te no meio de nós e dá-nos o teu parecer, pois Deus te deu a honra da velhice”.

    51 Falou então Daniel: “Mantende os dois separados, longe um do outro, e eu os julgarei”. 52 Tendo sido separados, Daniel chamou um deles e lhe disse: “Velho encarquilhado no mal! Agora aparecem os pecados que estavas habituado a praticar. 53 Fazias julgamentos injustos, condenando inocentes e absolvendo culpados, quando o Senhor ordena: ‘Tu não farás morrer o inocente e o justo!’ 54 Pois bem, se é que viste, dize-me à sombra de que árvore os viste abraçados?” Ele respondeu: “À sombra de uma aroeira”. 55 Daniel replicou: “Mentiste com perfeição contra a tua própria cabeça. Por isso o anjo de Deus, tendo recebido já a sentença divina, vai rachar-te pelo meio!” 56 Mandando sair este, ordenou que trouxessem o outro: “Raça de Canaã e não de Judá, a beleza fascinou-te e a paixão perverteu o teu coração. 57 Era assim que procedíeis com as filhas de Israel, e elas, por medo, sujeitavam-se a vós. Mas uma filha de Judá não se submeteu a essa iniquidade. 58 Agora, pois, dize-me debaixo de que árvore os surpreendeste juntos?” Ele respondeu: “Debaixo de uma azinheira”. 59 Daniel retrucou: “Também tu mentiste com perfeição contra a tua própria cabeça. Por isso o anjo de Deus já está à espera, com a espada na mão, para cortar-te ao meio e para te exterminar!” 60 Toda a assistência pôs-se a gritar com força, bendizendo a Deus, que salva os que nele esperam. 61 E voltaram-se contra os dois velhos, pois Daniel os tinha convencido, por suas próprias palavras, de que eram falsas testemunhas. E, agindo segundo a lei de Moisés, fizeram com eles aquilo que haviam tramado perversamente contra o próximo. 62 E assim os mataram, enquanto, naquele dia, era salva uma vida inocente.]

    Palavra do Senhor.

    Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, / nenhum mal eu temerei, estais comigo.

    Sl 22

    1 – O Senhor é o pastor que me conduz; / não me falta coisa alguma. / Pelos prados e campinas verdejantes, /
    ele me leva a descansar. / Para as águas repousantes me encaminha / e restaura as minhas forças. – R.

    2 – Ele me guia no caminho mais seguro, / pela honra do seu nome. / Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, /
    nenhum mal eu temerei. / Estais comigo com bastão e com cajado, / eles me dão a segurança! – R.

    3 – Preparais à minha frente uma mesa, / bem à vista do inimigo; /
    com óleo vós ungis minha cabeça, / e o meu cálice transborda. – R.

    4 – Felicidade e todo bem hão de seguir-me / por toda a minha vida; /
    e na casa do Senhor habitarei / pelos tempos infinitos. – R.

    João 8,12-20

    Naquele tempo, 12 disse Jesus aos fariseus: “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida”. 13 Então os fariseus disseram: “O teu testemunho não vale, porque estás dando testemunho de ti mesmo”. 14 Jesus respondeu: “Ainda que eu dê testemunho de mim mesmo, o meu testemunho é válido, porque sei de onde venho e para onde vou. Mas vós não sabeis donde venho nem para onde vou. 15 Vós julgais segundo a carne, eu não julgo ninguém, 16 e se eu julgo, o meu julgamento é verdadeiro, porque não estou só, mas comigo está o Pai, que me enviou. 17 Na vossa lei está escrito que o testemunho de duas pessoas é verdadeiro. 18 Ora, eu dou testemunho de mim mesmo e também o Pai, que me enviou, dá testemunho de mim”. 19 Perguntaram então: “Onde está o teu Pai?” Jesus respondeu: “Vós não conheceis nem a mim nem o meu Pai. Se me conhecêsseis, conheceríeis também o meu Pai”. 20 Jesus disse estas coisas enquanto estava ensinando no templo, perto da sala do tesouro. E ninguém o prendeu, porque a hora dele ainda não havia chegado.

    Palavra da Salvação.

    Corações de pedra

    Jo 8,12-20

    “Eu sou a luz do mundo”.

    Jesus é a luz do mundo, que veio como um sol para iluminar a humanidade que habitava nas trevas da morte e do pecado. Ele guia os passos daqueles que nele têm fé e se confiam para que eles vivam uma vida nova.

    Os fariseus não reconhecem Jesus como essa Luz vinda do Pai, porque tem corações de pedra. Acreditavam ser perfeitos e estarem salvos pela prática, até mesmo superficial, da Lei de Moisés. Mas nenhum homem é capaz de se salvar pela própria força. Somente Jesus pode salvar o homem e conduzi-lo a Deus.

    Reflexão feita pelos Noviços desta Província

    Noviciado São José

    Rodeio – Santa Catarina

  • 3ª f. da 5ª Semana da Quaresma

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Números 21,4-9

    Naqueles dias, 4 os filhos de Israel partiram do monte Hor, pelo caminho que leva ao mar Vermelho, para contornarem o país de Edom. Durante a viagem, o povo começou a impacientar-se 5 e se pôs a falar contra Deus e contra Moisés, dizendo: “Por que nos fizestes sair do Egito para morrermos no deserto? Não há pão, falta água e já estamos com nojo desse alimento miserável”. 6 Então o Senhor mandou contra o povo serpentes venenosas, que os mordiam; e morreu muita gente em Israel. 7 O povo foi ter com Moisés e disse: “Pecamos, falando contra o Senhor e contra ti. Roga ao Senhor que afaste de nós as serpentes”. Moisés intercedeu pelo povo, 8 e o Senhor respondeu: “Faze uma serpente abrasadora e coloca-a como sinal sobre uma haste; aquele que for mordido e olhar para ela viverá”. 9 Moisés fez, pois, uma serpente de bronze e colocou-a como sinal sobre uma haste. Quando alguém era mordido por uma serpente e olhava para a serpente de bronze, ficava curado.

    Palavra do Senhor.

    Sl 101(102)

    Ouvi, Senhor, e escutai minha oração, / e chegue até vós o meu clamor.

    1 – Ouvi, Senhor, e escutai minha oração, / e chegue até vós o meu clamor! / De mim não oculteis a vossa face /
    no dia em que estou angustiado! / Inclinai o vosso ouvido para mim; / ao invocar-vos, atendei-me sem demora! – R.

    2 – As nações respeitarão o vosso nome, / e os reis de toda a terra, a vossa glória; / quando o Senhor reconstruir Jerusalém /
    e aparecer com gloriosa majestade, / ele ouvirá a oração dos oprimidos / e não desprezará a sua prece. – R.

    3 – Para as futuras gerações se escreva isto, / e um povo novo a ser criado louve a Deus. / Ele inclinou-se de seu templo nas alturas, /
    e o Senhor olhou a terra do alto céu, / para os gemidos dos cativos escutar / e da morte libertar os condenados. – R.

    João 8,21-30

    Naquele tempo, disse Jesus aos fariseus: 21 “Eu parto e vós me procurareis, mas morrereis no vosso pecado. Para onde eu vou, vós não podeis ir”. 22 Os judeus comentavam: “Por acaso, vai-se matar? Pois ele diz: ‘Para onde eu vou, vós não podeis ir’?” 23 Jesus continuou: “Vós sois daqui de baixo, eu sou do alto. Vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo. 24 Disse-vos que morrereis nos vossos pecados, porque, se não acreditais que eu sou, morrereis nos vossos pecados”. 25 Perguntaram-lhe, pois: “Quem és tu então?” Jesus respondeu: “O que vos digo desde o começo. 26 Tenho muitas coisas a dizer a vosso respeito e a julgar também. Mas aquele que me enviou é fidedigno, e o que ouvi da parte dele é o que falo para o mundo”. 27 Eles não compreenderam que lhes estava falando do Pai. 28 Por isso, Jesus continuou: “Quando tiverdes elevado o Filho do homem, então sabereis que eu sou e que nada faço por mim mesmo, mas apenas falo aquilo que o Pai me ensinou. 29 Aquele que me enviou está comigo. Ele não me deixou sozinho, porque sempre faço o que é de seu agrado”. 30 Enquanto Jesus assim falava, muitos acreditaram nele.

    Palavra da Salvação.

    Jo 8,21-30

    “Quando tiverdes elevado o Filho do Homem, então sabereis que eu sou”.

    Jesus nos fala que Ele não é deste mundo, Ele vem do Pai. E da mesma forma, sua lógica não é a do mundo, não é a lógica da força e do poder, mas sim de Deus. Por isso, os fariseus recusam Jesus, ele aparece como um homem, pobre e fraco diante dos poderes que regem o mundo. Mas, justamente nessa pobreza e fraqueza de Jesus, que Ele é elevado, crucificado, para que o Pai confirme que foi Ele quem O enviou através da sua gloriosa ressurreição.

    Reflexão feita pelos Noviços

  • 4ª f. da 5ª Semana da Quaresma

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Daniel 3,14-20.24.49.91-92.95

    Naqueles dias, 14 o rei Nabucodonosor tomou a palavra e disse: “É verdade, Sidrac, Misac e Abdênago, que não prestais culto a meus deuses e não adorais a estátua de ouro que mandei erguer? 15 E agora, quando ouvirdes tocar trombeta, flauta, cítara, harpa, saltério e gaitas, e toda espécie de instrumentos, estais prontos a prostrar-vos e adorar a estátua que mandei fazer? Mas, se não fizerdes adoração, no mesmo instante sereis atirados na fornalha de fogo ardente; e qual é o deus que poderá libertar-vos de minhas mãos?” 16 Sidrac, Misac e Abdênago responderam ao rei Nabucodonosor: “Não há necessidade de te respondermos sobre isso; 17 se o nosso Deus, a quem rendemos culto, pode livrar-nos da fornalha de fogo ardente, ele também poderá libertar-nos de tuas mãos, ó rei. 18 Mas, se ele não quiser libertar-nos, fica sabendo, ó rei, que nós não prestaremos culto a teus deuses e tampouco adoraremos a estátua de ouro que mandaste fazer”. 19 A estas palavras, Nabucodonosor encheu-se de cólera contra Sidrac, Misac e Abdênago, a ponto de se alterar a expressão do rosto; deu ordem para acender a fornalha com sete vezes mais fogo que de costume; 20 e encarregou os soldados mais fortes do exército para amarrarem Sidrac, Misac e Abdênago e os lançarem na fornalha de fogo ardente. 24 Os três jovens andavam de cá para lá no meio das chamas, entoando hinos a Deus e bendizendo ao Senhor. 49 Mas o anjo do Senhor tinha descido simultaneamente na fornalha para junto de Azarias e seus companheiros.

    91 O rei Nabucodonosor, tomado de pasmo, levantou-se apressadamente e perguntou a seus ministros: “Porventura, não lançamos três homens bem amarrados no meio do fogo?” Responderam ao rei: “É verdade, ó rei”. 92 Disse este: “Mas eu estou vendo quatro homens andando livremente no meio do fogo, sem sofrerem nenhum mal, e o aspecto do quarto homem é semelhante ao de um filho de Deus”. 95 Exclamou Nabucodonosor: “Bendito seja o Deus de Sidrac, Misac e Abdênago, que enviou seu anjo e libertou seus servos, que puseram nele sua confiança e transgrediram o decreto do rei, preferindo entregar suas vidas a servir e adorar qualquer outro deus que não fosse o seu Deus”.

    Palavra do Senhor.

    Sl Dn 3

    A vós louvor, honra e glória eternamente!

    1 – Sede bendito, Senhor Deus de nossos pais. / A vós louvor, honra e glória eternamente! /
    Sede bendito, nome santo e glorioso. / A vós louvor, honra e glória eternamente! – R.

    2 – No templo santo onde refulge a vossa glória. / A vós louvor, honra e glória eternamente! /
    E em vosso trono de poder vitorioso. / A vós louvor, honra e glória eternamente! – R.

    3 – Sede bendito, que sondais as profundezas. / A vós louvor, honra e glória eternamente! /
    E superior aos querubins vos assentais. / A vós louvor, honra e glória eternamente! – R.

    4 – Sede bendito no celeste firmamento. / A vós louvor, honra e glória eternamente! – R.

    5 – Obras todas do Senhor, glorificai-o. / A ele louvor, honra e glória eternamente! – R.

    João 8,31-42

    Naquele tempo, 31 Jesus disse aos judeus que nele tinham acreditado: “Se permanecerdes na minha palavra, sereis verdadeiramente meus discípulos, 32 e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. 33 Responderam eles: “Somos descendentes de Abraão e nunca fomos escravos de ninguém. Como podes dizer: ‘Vós vos tornareis livres’?” 34 Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade vos digo, todo aquele que comete pecado é escravo do pecado. 35 O escravo não permanece para sempre numa família, mas o filho permanece nela para sempre. 36 Se, pois, o Filho vos libertar, sereis verdadeiramente livres. 37 Bem sei que sois descendentes de Abraão; no entanto, procurais matar-me, porque a minha palavra não é acolhida por vós. 38 Eu falo o que vi junto do Pai; e vós fazeis o que ouvistes do vosso pai”. 39 Eles responderam então: “O nosso pai é Abraão”. Disse-lhes Jesus: “Se sois filhos de Abraão, praticai as obras de Abraão! 40 Mas agora vós procurais matar-me, a mim, que vos falei a verdade que ouvi de Deus. Isto, Abraão não o fez. 41 Vós fazeis as obras do vosso pai”. Disseram-lhe, então: “Nós não nascemos do adultério, temos um só pai: Deus”. 42 Respondeu-lhes Jesus: “Se Deus fosse vosso Pai, vós certamente me amaríeis, porque de Deus é que eu saí e vim. Não vim por mim mesmo, mas foi ele que me enviou”.

    Palavra da Salvação.

    Jo 8,31-42

    “Se o Filho vos libertar, sereis verdadeiramente livres”.

    Quem permanece na palavra de Jesus, nela tem fé e a pratica, encontra a verdadeira liberdade, a liberdade que um filho tem na casa de seu pai: liberdade dos filhos de Deus. Essa liberdade acontece quando descobrimos a nossa vontade dentro da vontade do Pai, e nos libertamos de nossos desejos egoístas que nos privam de bem nos relacionar com Deus e com o próximo. Esta liberdade nós encontramos em Jesus, porque ele vem do Pai, e só ele pode nos levar até o Pai.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • 5ª f. da 5ª Semana da Quaresma

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 17,3-9

    Naqueles dias, 3 Abrão prostrou-se com o rosto por terra.  4E Deus lhe disse: “Eis a minha aliança contigo: tu serás pai de uma multidão de nações. 5 Já não te chamarás Abrão, mas o teu nome será Abraão, porque farei de ti o pai de uma multidão de nações. 6 Farei crescer tua descendência infinitamente. Farei nascer de ti nações, e reis sairão de ti. 7 Estabelecerei minha aliança entre mim e ti e teus descendentes para sempre; uma aliança eterna, para que eu seja teu Deus e o Deus de teus descendentes. 8 A ti e aos teus descendentes darei a terra em que vives como estrangeiro, todo o país de Canaã como propriedade para sempre. E eu serei o Deus dos teus descendentes”. 9 Deus disse a Abraão: “Guarda a minha aliança, tu e a tua descendência para sempre”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 104(105)

    O Senhor se lembra sempre da aliança!

    1 – Procurai o Senhor Deus e seu poder, / buscai constantemente a sua face! /
    Lembrai as maravilhas que ele fez, / seus prodígios e as palavras de seus lábios! – R.

    2 – Descendentes de Abraão, seu servidor, / e filhos de Jacó, seu escolhido, /
    ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus, / vigoram suas leis em toda a terra. – R.

    3 – Ele sempre se recorda da aliança, / promulgada a incontáveis gerações; /
    da aliança que ele fez com Abraão / e do seu santo juramento a Isaac. – R.

    João 8,51-59

    Naquele tempo, disse Jesus aos judeus: 51 “Em verdade, em verdade, eu vos digo, se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte”. 52 Disseram então os judeus: “Agora sabemos que tens um demônio. Abraão morreu e os profetas também, e tu dizes: ‘Se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte’. 53 Acaso és maior do que nosso pai Abraão, que morreu, como também os profetas? Quem pretendes tu ser?” 54 Jesus respondeu: “Se me glorifico a mim mesmo, minha glória não vale nada. Quem me glorifica é o meu Pai, aquele que vós dizeis ser o vosso Deus. 55 No entanto, não o conheceis. Mas eu o conheço e, se dissesse que não o conheço, seria um mentiroso como vós! Mas eu o conheço e guardo a sua palavra. 56 Vosso pai Abraão exultou por ver o meu dia; ele o viu e alegrou-se”. 57 Os judeus disseram-lhe então: “Nem sequer cinquenta anos tens e viste Abraão!?” 58 Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade vos digo, antes que Abraão existisse, eu sou”. 59 Então eles pegaram em pedras para apedrejar Jesus, mas ele escondeu-se e saiu do templo.

    Palavra da Salvação.

    Jo 8,51-59

    “Vosso pai Abraão exultou, por ver o meu dia”.

    Jesus faz uma afirmação de difícil compreensão, “se alguém guarda a minha palavra, jamais verá a morte”. Esta afirmação é escândalo para os judeus porque estão olhando para Jesus, Abraão e os profetas apenas como homens carnais, “acaso és maior que Abraão que morreu como também os profetas?”. Mas Jesus não quer dar ênfase na morte corporal pela qual Abraão e os profetas passaram e sim na Vida eterna que Ele veio anunciar como O Messias, recordando a aliança de Deus com Abraão.

    No entanto, Jesus não pode limitar-se à sua humanidade, pois, Ele conhece o Pai, Ele está no Pai através do Espírito Santo, e é a essa comunhão que Ele está convidando aqueles que quiserem sair da mentira, porque ele próprio é a Verdade e o Caminho para a Vida.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • 6ª f. da 5ª Semana da Quaresma

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Jeremias 20,10-13

    10 Eu ouvi as injúrias de tantos homens e os vi espalhando o medo em redor: “Denunciai-o, denunciemo-lo”. Todos os amigos observavam minhas falhas: “Talvez ele cometa um engano, e nós poderemos apanhá-lo e desforrar-nos dele”. 11 Mas o Senhor está ao meu lado como forte guerreiro; por isso, os que me perseguem cairão vencidos. Por não terem tido êxito, eles se cobrirão de vergonha. Eterna infâmia, que nunca se apaga! 12 Ó Senhor dos exércitos, que provas o homem justo e vês os sentimentos do coração, rogo-te me faças ver tua vingança sobre eles; pois eu te declarei a minha causa. 13 Cantai ao Senhor, louvai o Senhor, pois ele salvou a vida de um pobre homem das mãos dos maus.

    Palavra do Senhor.

    Sl 17

    Ao Senhor eu invoquei na minha angústia, / e ele escutou a minha voz.

    1 – Eu vos amo, ó Senhor! Sois minha força, / minha rocha, meu refúgio e salvador! – R.

    2 – Ó meu Deus, sois o rochedo que me abriga, † minha força e poderosa salvação, /
    sois meu escudo e proteção: em vós espero! / Invocarei o meu Senhor: a ele a glória! /
    E dos meus perseguidores serei salvo! – R.

    3 – Ondas da morte me envolveram totalmente, / e as torrentes da maldade me aterraram; /
    os laços do abismo me amarraram / e a própria morte me prendeu em suas redes. – R.

    4 – Ao Senhor eu invoquei na minha angústia / e elevei o meu clamor para o meu Deus; /
    de seu templo ele escutou a minha voz, / e chegou a seus ouvidos o meu grito. – R.

    João 10,31-42

    Naquele tempo, 31 os judeus pegaram pedras para apedrejar Jesus. 32 E ele lhes disse: “Por ordem do Pai, mostrei-vos muitas obras boas. Por qual delas me quereis apedrejar?” 33 Os judeus responderam: “Não queremos te apedrejar por causa das obras boas, mas por causa de blasfêmia, porque, sendo apenas um homem, tu te fazes Deus!” 34 Jesus disse: “Acaso não está escrito na vossa lei: ‘Eu disse: vós sois deuses’? 35 Ora, ninguém pode anular a Escritura: se a lei chama deuses as pessoas às quais se dirigiu a palavra de Deus, 36 por que então me acusais de blasfêmia quando eu digo que sou Filho de Deus, eu, a quem o Pai consagrou e enviou ao mundo? 37 Se não faço as obras do meu Pai, não acrediteis em mim. 38 Mas, se eu as faço, mesmo que não queirais acreditar em mim, acreditai nas minhas obras, para que saibais e reconheçais que o Pai está em mim e eu no Pai”. 39 Outra vez procuravam prender Jesus, mas ele escapou das mãos deles. 40 Jesus passou para o outro lado do Jordão e foi para o lugar onde, antes, João tinha batizado. E permaneceu ali. 41 Muitos foram ter com ele e diziam: “João não realizou nenhum sinal, mas tudo o que ele disse a respeito deste homem é verdade”. 42 E muitos, ali, acreditaram nele.

    Palavra da Salvação.

    Jo 10,31-42

    “Procuravam prender Jesus, mas ele escapou-lhes das mãos”.

    Jesus prega por palavras e obras, mas uma pregação não se sobrepõe à outra. Ele não usa as palavras para dar testemunho de si, mas para santificar aqueles que o escutam e para fazê-los deuses, ou seja, fazê-los participantes do Reino de Deus assim como Ele participa da comunhão com o Pai.

    Àqueles que endureceram seus corações e fecharam seus ouvidos, Jesus dá o exemplo das boas obras, porque ao menos a elas, eles reconheceram com seus olhos humanos. Entretanto, eles querem limitar Jesus a essa visão puramente humana dos seus exemplos.

    Em contrapartida, “o outro lado do Jordão” representa uma realidade totalmente oposta a esta dos judeus que queriam prender Jesus. É como se o evangelista fizesse uma comparação: de um lado, aqueles que estão fechados à palavra de Deus, ouvem e veem o próprio Jesus dar os sinais do Pai e, mesmo assim ,não creem; do outro lado, aqueles que estão abertos à palavra de Deus não precisam de outros sinais além da palavra, mas veem se cumprir em Jesus tudo aquilo que lhes fora anunciado.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • Sábado da 5ª Semana da Quaresma

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Ezequiel 37,21-28

    21 Assim diz o Senhor Deus: “Eu mesmo vou tomar os israelitas do meio das nações para onde foram, vou recolhê-los de toda parte e reconduzi-los para a sua terra. 22 Farei deles uma nação única no país, nos montes de Israel, e apenas um rei reinará sobre todos eles. Nunca mais formarão duas nações nem tornarão a dividir-se em dois reinos. 23 Não se mancharão mais com os seus ídolos e nunca mais cometerão infames abominações. Eu os libertarei de todo pecado que cometeram em sua infidelidade e os purificarei. Eles serão o meu povo e eu serei o seu Deus. 24 Meu servo Davi reinará sobre eles, e haverá para todos eles um único pastor. Viverão segundo meus preceitos e guardarão minhas leis, pondo-as em prática. 25 Habitarão no país que dei ao meu servo Jacó, onde moraram vossos pais; ali habitarão para sempre, também eles, com seus filhos e netos, e o meu servo Davi será o seu príncipe para sempre. 26 Farei com eles uma aliança de paz, será uma aliança eterna. Eu os estabelecerei e multiplicarei, e no meio deles colocarei meu santuário para sempre. 27 Minha morada estará junto deles. Eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. 28 Assim as nações saberão que eu, o Senhor, santifico Israel, por estar o meu santuário no meio deles para sempre”.

    Palavra do Senhor.

    Sl Jr 31

    O Senhor nos guardará qual pastor a seu rebanho.

    1 – Ouvi, nações, a palavra do Senhor / e anunciai-a nas ilhas mais distantes: /
    “Quem dispersou Israel vai congregá-lo / e o guardará qual pastor a seu rebanho!” – R.

    2 – Pois, na verdade, o Senhor remiu Jacó / e o libertou do poder do prepotente. /
    Voltarão para o monte de Sião, † entre brados e cantos de alegria / afluirão para as bênçãos do Senhor. – R.

    3 – Então a virgem dançará alegremente, / também o jovem e o velho exultarão; /
    mudarei em alegria o seu luto, / serei consolo e conforto após a guerra. – R.

    João 11,45-56

    Naquele tempo, 45 muitos dos judeus que tinham ido à casa de Maria e viram o que Jesus fizera, creram nele. 46 Alguns, porém, foram ter com os fariseus e contaram o que Jesus tinha feito. 47 Então os sumos sacerdotes e os fariseus reuniram o conselho e disseram: “O que faremos? Esse homem realiza muitos sinais. 48 Se deixamos que ele continue assim, todos vão acreditar nele, e virão os romanos e destruirão o nosso lugar santo e a nossa nação”. 49 Um deles, chamado Caifás, sumo sacerdote em função naquele ano, disse: “Vós não entendeis nada. 50 Não percebeis que é melhor um só morrer pelo povo do que perecer a nação inteira?” 51 Caifás não falou isso por si mesmo. Sendo sumo sacerdote em função naquele ano, profetizou que Jesus iria morrer pela nação. 52 E não só pela nação, mas também para reunir os filhos de Deus dispersos. 53 A partir desse dia, as autoridades judaicas tomaram a decisão de matar Jesus. 54 Por isso, Jesus não andava mais em público no meio dos judeus. Retirou-se para uma região perto do deserto, para a cidade chamada Efraim. Ali permaneceu com os seus discípulos. 55 A Páscoa dos judeus estava próxima. Muita gente do campo tinha subido a Jerusalém para se purificar antes da Páscoa. 56 Procuravam Jesus e, ao reunirem-se no templo, comentavam entre si: “O que vos parece? Será que ele não vem para a festa?”

    Palavra da Salvação.

    Jo 11,45-56

    “E também para reunir na unidade os filhos de Deus dispersos”.

    Os milagres operados por Jesus, assim como suas palavras, ainda não garantem que todos irão crer nele. Há os que creram nas suas palavras, há os que creram nos seus milagres e mesmo assim ainda há os que querem matá-lo. Mas bem profetiza o sumo-sacerdote Caifás, “vós não entendeis nada”, e é porque não entendem, que querem sacrificar Jesus para preservar a tradição, porém o desígnio de Jesus continua nas palavras do sumo-sacerdote: “é melhor morrer um só pelo povo do que perecer uma nação inteira”.

    Neste momento decidem matar a Jesus para se livrarem dele, mas condenando-o à morte selam o seu desígnio sacrifical de morrer não por uma, mas por todas as nações a fim de realizar o desígnio que fala o apostolo Paulo, “reunir em si todas as coisas, as que estão nos céus e as que estão na terra”. Todos os povos, nações, criaturas de Deus.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • Domingo de Ramos

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • 2ª Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 50,4-7

    4 O Senhor Deus deu-me língua adestrada, para que eu saiba dizer palavras de conforto à pessoa abatida; ele me desperta cada manhã e me excita o ouvido, para prestar atenção como um discípulo. 5 O Senhor abriu-me os ouvidos; não lhe resisti nem voltei atrás. 6 Ofereci as costas para me baterem e as faces para me arrancarem a barba; não desviei o rosto de bofetões e cusparadas. 7 Mas o Senhor Deus é meu auxiliador, por isso não me deixei abater o ânimo, conservei o rosto impassível como pedra, porque sei que não sairei humilhado.

    Palavra do Senhor.

    Sl 21(22)

    Meu Deus, meu Deus, por que me abandonastes?

    1 – Riem de mim todos aqueles que me veem, / torcem os lábios e sacodem a cabeça: /
    “Ao Senhor se confiou, ele o liberte / e agora o salve, se é verdade que ele o ama!” – R.

    2 – Cães numerosos me rodeiam furiosos, / e por um bando de malvados fui cercado. /
    Transpassaram minhas mãos e os meus pés, / e eu posso contar todos os meus ossos. – R.

    3 – Eles repartem entre si as minhas vestes / e sorteiam entre si a minha túnica. /
    Vós, porém, ó meu Senhor, não fiqueis longe, / ó minha força, vinde logo em meu socorro! – R.

    4 – Anunciarei o vosso nome a meus irmãos / e no meio da assembleia hei de louvar-vos! /
    Vós que temeis ao Senhor Deus, dai-lhe louvores, † glorificai-o, descendentes de Jacó, / e respeitai-o, toda a raça de Israel! – R.

    Filipenses 2,6-11

    6 Jesus Cristo, existindo em condição divina, não fez do ser igual a Deus uma usurpação, 7 mas ele esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e tornando-se igual aos homens. Encontrado com aspecto humano, 8 humilhou-se a si mesmo, fazendo-se obediente até a morte, e morte de cruz. 9 Por isso, Deus o exaltou acima de tudo e lhe deu o nome que está acima de todo nome. 10 Assim, ao nome de Jesus, todo joelho se dobre no céu, na terra e abaixo da terra 11 e toda língua proclame: “Jesus Cristo é o Senhor”, para a glória de Deus Pai.

    Palavra do Senhor.

    Lucas 23,1-49

    Naquele tempo, 1toda a multidão se levantou e levou Jesus a Pilatos. 2Começaram então a acusá-lo, dizendo:

    G (Grupo ou assembleia): Achamos este homem fazendo subversão entre o nosso povo, proibindo pagar impostos a César e afirmando ser ele mesmo Cristo, o rei.

    N: 3Pilatos o interrogou:

    L (Leitor): Tu és o rei dos judeus?

    N: Jesus respondeu, declarando:

    P (Presidente): Tu o dizes!

    N: 4Então Pilatos disse aos sumos sacerdotes e à multidão:

    L: Não encontro neste homem nenhum crime.

    N: 5Eles, porém, insistiam:

    G: Ele agita o povo, ensinando por toda a Judeia, desde a Galileia, onde começou, até aqui.

    N: 6Quando ouviu isso, Pilatos perguntou:

    L: Este homem é galileu?

    N: 7Ao saber que Jesus estava sob a autoridade de Herodes, Pilatos enviou-o a este, pois também Herodes estava em Jerusalém naqueles dias. 8Herodes ficou muito contente ao ver Jesus, pois havia muito tempo desejava vê-lo. Já ouvira falar a seu respeito e esperava vê-lo fazer algum milagre. 9Ele interrogou-o com muitas perguntas. Jesus, porém, nada lhe respondeu. 10Os sumos sacerdotes e os mestres da lei estavam presentes e o acusavam com insistência. 11Herodes, com seus soldados, tratou Jesus com desprezo, zombou dele, vestiu-o com uma roupa vistosa e mandou-o de volta a Pilatos. 12Naquele dia Herodes e Pilatos ficaram amigos um do outro, pois antes eram inimigos. 13Então Pilatos convocou os sumos sacerdotes, os chefes e o povo e lhes disse:

    L: 14Vós me trouxestes este homem como se fosse um agitador do povo. Pois bem! Já o interroguei diante de vós e não encontrei nele nenhum dos crimes de que o acusais; 15nem Herodes, pois o mandou de volta para nós. Como podeis ver, ele nada fez para merecer a morte. 16Portanto, vou castigá-lo e o soltarei.

    N: [17]18Toda a multidão começou a gritar:

    G: Fora com ele! Solta-nos Barrabás!

    N: 19Barrabás tinha sido preso por causa de uma revolta na cidade e por homicídio. 20Pilatos falou outra vez à multidão, pois queria libertar Jesus. 21Mas eles gritavam:

    G: Crucifica-o! Crucifica-o!

    N: 22E Pilatos falou pela terceira vez:

    L: Que mal fez este homem? Não encontrei nele nenhum crime que mereça a morte. Portanto, vou castigá-lo e o soltarei.

    N: 23Eles, porém, continuaram a gritar com toda a força, pedindo que fosse crucificado. E a gritaria deles aumentava sempre mais. 24Então Pilatos decidiu que fosse feito o que eles pediam. 25Soltou o homem que eles queriam – aquele que fora preso por revolta e homicídio – e entregou Jesus à vontade deles. 26Enquanto levavam Jesus, pegaram um certo Simão, de Cirene, que voltava do campo, e impuseram-lhe a cruz para carregá-la atrás de Jesus. 27Seguia-o uma grande multidão do povo e de mulheres que batiam no peito e choravam por ele. 28Jesus, porém, voltou-se e disse:

    P: Filhas de Jerusalém, não choreis por mim! Chorai por vós mesmas e por vossos filhos! 29Porque dias virão em que se dirá: “Felizes as mulheres que nunca tiveram filhos, os ventres que nunca deram à luz e os seios que nunca amamentaram”. 30Então começarão a pedir às montanhas: “Caí sobre nós!” e às colinas: “Escondei-nos!” 31Porque, se fazem assim com a árvore verde, o que não farão com a árvore seca?

    N: 32Levavam também outros dois malfeitores para serem mortos junto com Jesus. 33Quando chegaram ao lugar chamado Calvário, ali crucificaram Jesus e os malfeitores: um à sua direita e outro à sua esquerda. 34Jesus dizia:

    P: Pai, perdoa-lhes! Eles não sabem o que fazem!

    N: Depois fizeram um sorteio, repartindo entre si as roupas de Jesus. 35O povo permanecia lá, olhando. E até os chefes zombavam, dizendo:

    G: A outros ele salvou. Salve-se a si mesmo se, de fato, é o Cristo de Deus, o escolhido!

    N: 36Os soldados também caçoavam dele; aproximavam-se, ofereciam-lhe vinagre 37e diziam:

    G: Se és o rei dos judeus, salva-te a ti mesmo!

    N: 38Acima dele havia um letreiro: “Este é o rei dos judeus”. 39Um dos malfeitores crucificados o insultava, dizendo:

    L: Tu não és o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós!

    N: 40Mas o outro o repreendeu, dizendo:

    L: Nem sequer temes a Deus, tu que sofres a mesma condenação? 41Para nós é justo, porque estamos recebendo o que merecemos; mas ele não fez nada de mal.

    N: 42E acrescentou:

    L: Jesus, lembra-te de mim quando entrares no teu reinado.

    N: 43Jesus lhe respondeu:

    P: Em verdade eu te digo, ainda hoje estarás comigo no paraíso.

    N: 44Já era mais ou menos meio-dia, e uma escuridão cobriu toda a terra até as três horas da tarde, 45pois o sol parou de brilhar. A cortina do santuário rasgou-se pelo meio, 46e Jesus deu um forte grito:

    P: Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito.

    N: Dizendo isso, expirou.

    Todos se ajoelham e faz-se uma pausa.

    N: 47O oficial do exército romano viu o que acontecera e glorificou a Deus, dizendo:

    L: De fato! Este homem era justo!

    N: 48E as multidões, que tinham acorrido para assistir, viram o que havia acontecido e voltaram para casa, batendo no peito. 49Todos os conhecidos de Jesus, bem como as mulheres que o acompanhavam desde a Galileia, ficaram a distância, olhando essas coisas.

    Palavra da Salvação.

    Jo 19,28-40

    “Bendito o que vem em nome do Senhor”.

    Quando Jesus se aproxima da descida do monte, o que os discípulos podem ver é uma imagem de extrema humildade. O rei descendo montado num jumentinho, sobre os mantos dos discípulos vinha em sua direção. “Bendito o que vem em nome do senhor!”.

    Jesus é o oposto de tudo aquilo que se conhece. Seu primado não é opressor, mas humilde. Ele é o Deus que desce em direção do seu povo, vem ao seu encontro e passa no meio dele. “Paz no céu e glória nas alturas!”.
    Os fariseus, porém, interpelam Jesus, “Mestre, repreende teus discípulos!”, mas ele lhes afirma “se eles se calarem, as pedras gritarão”. Porque como diz o Apostolo Paulo “a criação aguarda ansiosamente a manifestação dos filhos de Deus” “com a esperança de ser ela também libertada do cativeiro da corrupção, para participar da gloriosa liberdade dos filhos de Deus” (Rm 8), dada a nós por Ele, através de seu próprio Filho que “não se valendo de sua igualdade com Deus”, ”Humilhou-se ainda mais, sendo obediente até a morte e morte de Cruz”.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • Segunda-feira Santa

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 42,1-7

    1 “Eis o meu servo – eu o recebo; eis o meu eleito – nele se compraz minha alma; pus meu espírito sobre ele, ele promoverá o julgamento das nações. 2 Ele não clama nem levanta a voz, nem se faz ouvir pelas ruas. 3 Não quebra uma cana rachada nem apaga um pavio que ainda fumega, mas promoverá o julgamento para obter a verdade. 4 Não esmorecerá nem se deixará abater, enquanto não estabelecer a justiça na terra; os países distantes esperam seus ensinamentos”. 5 Isto diz o Senhor Deus, que criou o céu e o estendeu, firmou a terra e tudo que dela germina, que dá a respiração aos seus habitantes e o sopro da vida ao que nela se move: 6 “Eu, o Senhor, te chamei para a justiça e te tomei pela mão; eu te formei e te constituí como o centro de aliança do povo, luz das nações, 7 para abrires os olhos dos cegos, tirar os cativos da prisão, livrar do cárcere os que vivem nas trevas”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 26

    O Senhor é minha luz e salvação.

    1 – O Senhor é minha luz e salvação; / de quem eu terei medo? /
    O Senhor é a proteção da minha vida; / perante quem eu tremerei? – R.

    2 – Quando avançam os malvados contra mim, / querendo devorar-me, /
    são eles, inimigos e opressores, / que tropeçam e sucumbem. – R.

    3 – Se contra mim um exército se armar, / não temerá meu coração; /
    se contra mim uma batalha estourar, / mesmo assim confiarei. – R.

    4 – Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver / na terra dos viventes. /
    Espera no Senhor e tem coragem, / espera no Senhor! – R.

    João 12,1-11

    1 Seis dias antes da Páscoa, Jesus foi a Betânia, onde morava Lázaro, que ele havia ressuscitado dos mortos. 2 Ali ofereceram a Jesus um jantar; Marta servia e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele. 3 Maria, tomando quase meio litro de perfume de nardo puro e muito caro, ungiu os pés de Jesus e enxugou-os com seus cabelos. A casa inteira ficou cheia do perfume do bálsamo. 4 Então falou Judas Iscariotes, um dos seus discípulos, aquele que o havia de entregar: 5 “Por que não se vendeu este perfume por trezentas moedas de prata, para as dar aos pobres?” 6 Judas falou assim não porque se preocupasse com os pobres, mas porque era ladrão; ele tomava conta da bolsa comum e roubava o que se depositava nela. 7 Jesus, porém, disse: “Deixa-a; ela fez isto em vista do dia de minha sepultura. 8 Pobres, sempre os tereis convosco, enquanto a mim, nem sempre me tereis”. 9 Muitos judeus, tendo sabido que Jesus estava em Betânia, foram para lá, não só por causa de Jesus, mas também para verem Lázaro, que Jesus havia ressuscitado dos mortos. 10 Então os sumos sacerdotes decidiram matar também Lázaro, 11 porque, por causa dele, muitos deixavam os judeus e acreditavam em Jesus.

    Palavra da Salvação.

    Jo 12,1-11

    “Deixa-a; ela fez isto em vista do dia de minha sepultura”.

    Maria faz uma oferta que prefigura o sacrifício de Jesus. Ela não pega um perfume barato para lavar os pés de Jesus, nem mesmo perfuma a água para render mais o bom perfume. Ela toma tudo o que tem do melhor, mais puro, e mais caro perfume para oferecer ao Senhor; e julgando não ser o suficiente, com ainda mais humildade, oferece a si mesma secando os pés de Jesus com os próprios cabelos. De semelhante modo é o sacrifício de Jesus. Ele não oferece seu corpo em sacrifício por que é sobra de sua divindade, mas tendo assumido a condição humana, oferece no altar da Cruz toda a sua humanidade para a salvação de todos.

    Jesus que se deu todo por nós para enriquecer-nos com o dom de amar a Deus como Pai é o profundo sentido do amor aos pobres: “Quem possuir bens deste mundo e vir o seu irmão sofrer necessidade, mas lhe fechar o coração como pode estar nele o amor de Deus?” (1Jo 3,17). Quem olha mais para a esmola do que para a necessidade do pobre, como Judas, apenas cumpre o preceito de dar esmola; quem corresponde o amor de Deus com o coração, assim como a imagem de Maria, esse emana o amor de Deus também aos pobres.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • Terça-feira da Semana Santa

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 49,1-6

    1 Nações marinhas, ouvi-me; povos distantes, prestai atenção: o Senhor chamou-me antes de eu nascer, desde o ventre de minha mãe ele tinha na mente o meu nome; 2 fez de minha palavra uma espada afiada, protegeu-me à sombra de sua mão e fez de mim uma flecha aguçada, escondida em sua aljava, 3 e disse-me: “Tu és o meu servo, Israel, em quem serei glorificado”. 4 E eu disse: “Trabalhei em vão, gastei minhas forças sem fruto, inutilmente; entretanto o Senhor me fará justiça e o meu Deus me dará recompensa”. 5 E, agora, diz-me o Senhor – ele que me preparou desde o nascimento para ser seu servo – que eu recupere Jacó para ele e faça Israel unir-se a ele; aos olhos do Senhor, esta é a minha glória. 6 Disse ele: “Não basta seres meu servo para restaurar as tribos de Jacó e reconduzir os remanescentes de Israel: eu te farei luz das nações, para que minha salvação chegue até os confins da terra”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 70(71)

    Minha boca anunciará vossa justiça.

    1 – Eu procuro meu refúgio em vós, Senhor, / que eu não seja envergonhado para sempre! /
    Porque sois justo, defendei-me e libertai-me! / Escutai a minha voz, vinde salvar-me! – R.

    2 – Sede uma rocha protetora para mim, / um abrigo bem seguro que me salve! /
    Porque sois a minha força e meu amparo, † o meu refúgio, proteção e segurança! /
    Libertai-me, ó meu Deus, das mãos do ímpio. – R.

    3 – Porque sois, ó Senhor Deus, minha esperança, / em vós confio desde a minha juventude! /
    Sois meu apoio desde antes que eu nascesse, / desde o seio maternal, o meu amparo. – R.

    4 – Minha boca anunciará todos os dias / vossa justiça e vossas graças incontáveis. /
    Vós me ensinastes desde a minha juventude / e até hoje canto as vossas maravilhas. – R.

    João 13,21-33.36-38

    Naquele tempo, estando à mesa com seus discípulos, 21 Jesus ficou profundamente comovido e testemunhou: “Em verdade, em verdade vos digo, um de vós me entregará”. 22 Desconcertados, os discípulos olhavam uns para os outros, pois não sabiam de quem Jesus estava falando. 23 Um deles, a quem Jesus amava, estava recostado ao lado de Jesus. 24 Simão Pedro fez-lhe um sinal para que ele procurasse saber de quem Jesus estava falando. 25 Então, o discípulo, reclinando-se sobre o peito de Jesus, perguntou-lhe: “Senhor, quem é?” 26 Jesus respondeu: “É aquele a quem eu der o pedaço de pão passado no molho”. Então Jesus molhou um pedaço de pão e deu-o a Judas, filho de Simão Iscariotes. 27 Depois do pedaço de pão, satanás entrou em Judas. Então Jesus lhe disse: “O que tens a fazer, executa-o depressa”. 28 Nenhum dos presentes compreendeu por que Jesus lhe disse isso. 29 Como Judas guardava a bolsa, alguns pensavam que Jesus lhe queria dizer: “Compra o que precisamos para a festa” ou que desse alguma coisa aos pobres. 30 Depois de receber o pedaço de pão, Judas saiu imediatamente. Era noite. 31 Depois que Judas saiu, disse Jesus: “Agora foi glorificado o Filho do homem, e Deus foi glorificado nele. 32 Se Deus foi glorificado nele, também Deus o glorificará em si mesmo e o glorificará logo. 33 Filhinhos, por pouco tempo estou ainda convosco. Vós me procurareis, e agora vos digo, como eu disse também aos judeus: ‘Para onde eu vou, vós não podeis ir’”. 36 Simão Pedro perguntou: “Senhor, para onde vais?” Jesus respondeu-lhe: “Para onde eu vou, tu não me podes seguir agora, mas me seguirás mais tarde”. 37 Pedro disse: “Senhor, por que não posso seguir-te agora? Eu darei a minha vida por ti!” 38 Respondeu Jesus: “Darás a tua vida por mim? Em verdade, em verdade te digo, o galo não cantará antes que me tenhas negado três vezes”.

    Palavra da Salvação.

    Jo 13,21-33.36-38

    “Um de vós me entregará… O galo não cantará antes que me tenhas negado três vezes”.

    Jesus, o Mestre por excelência, ao anunciar o Reino, ensinou
    seus discípulos a darem continuidade à sua missão. Contudo, no
    Evangelho de hoje nos deparamos com dois verbos de grande peso:
    “entregar e negar”. Expressam ações de alguns de seus discípulos
    e que nos levam a refletir sobre nossa caminhada no serviço do
    Reino.

    Por trinta moedas Judas entregou Jesus. Por medo, Pedro o negou
    três vezes numa noite. Inúmeras vezes temos estas mesmas ações
    apesar de afirmar que o amamos, adoramos e servimos em seu Reino
    e não há dúvida que seja verdade. Porém, todas as vezes em que o
    enquadramos dentro de nossas perspectivas, colocando-o dentro de
    nossas formas de misericórdia, serviço, amor… Estaremos
    entregando-o à nossa própria vontade e, de certa forma, negando
    sua transcendência reduzindo-o a nossas formas.

    Abramos o coração e permitamos que o Mestre nos ensine e, a
    partir Dele, teremos ações condizentes às nossas palavras para
    não negá-Lo ou entregá-Lo.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • Quarta-feira da Semana Santa

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 50,4-9

    4 O Senhor Deus deu-me língua adestrada, para que eu saiba dizer palavras de conforto à pessoa abatida; ele me desperta cada manhã e me excita o ouvido, para prestar atenção como um discípulo. 5 O Senhor abriu-me os ouvidos; não lhe resisti nem voltei atrás. 6 Ofereci as costas para me baterem e as faces para me arrancarem a barba: não desviei o rosto de bofetões e cusparadas. 7 Mas o Senhor Deus é meu auxiliador, por isso não me deixei abater o ânimo, conservei o rosto impassível como pedra, porque sei que não sairei humilhado. 8 A meu lado está quem me justifica; alguém me fará objeções? Vejamos. Quem é meu adversário? Aproxime-se. 9 Sim, o Senhor Deus é meu auxiliador; quem é que me vai condenar?

    Palavra do Senhor.

    Sl 68(69)

    Respondei-me, pelo vosso imenso amor, / neste tempo favorável, Senhor Deus.

    1 – Por vossa causa é que sofri tantos insultos / e o meu rosto se cobriu de confusão; /
    eu me tornei como um estranho a meus irmãos, / como estrangeiro para os filhos de minha mãe. /
    Pois meu zelo e meu amor por vossa casa / me devoram como fogo abrasador; /
    e os insultos de infiéis que vos ultrajam / recaíram todos eles sobre mim! – R.

    2 – O insulto me partiu o coração. † Eu esperei que alguém de mim tivesse pena; /
    procurei quem me aliviasse e não achei! / Deram-me fel como se fosse um alimento, /
    em minha sede ofereceram-me vinagre! – R.

    3 – Cantando, eu louvarei o vosso nome / e, agradecido, exultarei de alegria! /
    Humildes, vede isto e alegrai-vos: † o vosso coração reviverá / se procurardes o Senhor continuamente! /
    Pois nosso Deus atende à prece dos seus pobres / e não despreza o clamor de seus cativos. – R.

    Mateus 26,14-25

    Naquele tempo, 14 um dos doze discípulos, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os sumos sacerdotes 15 e disse: “O que me dareis se vos entregar Jesus?” Combinaram, então, trinta moedas de prata. 16 E daí em diante, Judas procurava uma oportunidade para entregar Jesus. 17 No primeiro dia da festa dos Ázimos, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Onde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?” 18 Jesus respondeu: “Ide à cidade, procurai certo homem e dizei-lhe: ‘O mestre manda dizer: O meu tempo está próximo, vou celebrar a Páscoa em tua casa, junto com meus discípulos’”. 19 Os discípulos fizeram como Jesus mandou e prepararam a Páscoa. 20 Ao cair da tarde, Jesus pôs-se à mesa com os doze discípulos. 21 Enquanto comiam, Jesus disse: “Em verdade eu vos digo, um de vós vai me trair”. 22 Eles ficaram muito tristes e, um por um, começaram a lhe perguntar: “Senhor, será que sou eu?” 23 Jesus respondeu: “Quem vai me trair é aquele que comigo põe a mão no prato. 24 O Filho do homem vai morrer, conforme diz a Escritura a respeito dele. Contudo, ai daquele que trair o Filho do homem! Seria melhor que nunca tivesse nascido!” 25 Então Judas, o traidor, perguntou: “Mestre, serei eu?” Jesus lhe respondeu: “Tu o dizes”.

    Palavra da Salvação.

    Mt 26,14-25

    “O Filho do Homem vai morrer, conforme diz a Escritura a
    respeito dele. Contudo, ai daquele que o trair”.

    Os discípulos, além de darem continuidade à missão de Jesus,
    eram também as pessoas mais próximas dele. Já não vos chamo mais
    de servos, mas de amigos, como diz em outra passagem do
    Evangelho. Judas optou pela troca deste vínculo de amizade por
    dinheiro.

    Somos chamados a dar continuidade à sua missão e sustentar este
    vínculo de amizade. Não estamos isentos da tentação de também
    trocá-lo e traí-lo. Alegamos estarmos sem tempo ou cansados; que
    o que clama por ajuda é um viciado ou preguiçoso; temos
    problemas demais para ouvir os dos outros. Perdemos assim toda a
    mística, toda a capacidade de nos sentir e de nos comover diante
    do mistério que é o próprio Cristo e que assim se revela. Não se
    trata apenas de pensar em Jesus, mas de senti-lo em todas as
    coisas, na criação, nas pessoas que nos rodeiam.

    Voltemos o olhar e o coração para Àquele que se revela na
    simplicidade, que é nosso amigo, que deu a vida por nós e jamais
    o troquemos ou traiamos por qualquer outra coisa que seja.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • Ceia do Senhor

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Êxodo 12,1-8.11-14

    Naqueles dias, 1 o Senhor disse a Moisés e a Aarão no Egito: 2 “Este mês será para vós o começo dos meses; será o primeiro mês do ano. 3 Falai a toda a comunidade dos filhos de Israel, dizendo: No décimo dia deste mês, cada um tome um cordeiro por família, um cordeiro para cada casa. 4 Se a família não for bastante numerosa para comer um cordeiro, convidará também o vizinho mais próximo, de acordo com o número de pessoas. Deveis calcular o número de comensais conforme o tamanho do cordeiro. 5 O cordeiro será sem defeito, macho, de um ano. Podereis escolher tanto um cordeiro como um cabrito: 6 e devereis guardá-lo preso até o dia catorze deste mês. Então toda a comunidade de Israel reunida o imolará ao cair da tarde. 7 Tomareis um pouco do seu sangue e untareis os marcos e a travessa da porta, nas casas em que o comerdes. 8 Comereis a carne nessa mesma noite, assada ao fogo, com pães ázimos e ervas amargas. 11 Assim devereis comê-lo: com os rins cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão. E comereis às pressas, pois é a Páscoa, isto é, a ‘passagem’ do Senhor! 12 E naquela noite passarei pela terra do Egito e ferirei na terra do Egito todos os primogênitos, desde os homens até os animais; e infligirei castigos contra todos os deuses do Egito, eu, o Senhor. 13 O sangue servirá de sinal nas casas onde estiverdes. Ao ver o sangue, passarei adiante, e não vos atingirá a praga exterminadora quando eu ferir a terra do Egito. 14 Este dia será para vós uma festa memorável em honra do Senhor, que haveis de celebrar, por todas as gerações, como instituição perpétua”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 88

    O cálice por nós abençoado / é a nossa comunhão com o sangue do Senhor.

    1 – Que poderei retribuir ao Senhor Deus / por tudo aquilo que ele fez em meu favor? /
    Elevo o cálice da minha salvação, / invocando o nome santo do Senhor. – R.

    2 – É sentida por demais pelo Senhor / a morte de seus santos, seus amigos. /
    Eis que sou o vosso servo, ó Senhor, / mas me quebrastes os grilhões da escravidão! – R.

    3 – Por isso oferto um sacrifício de louvor, / invocando o nome santo do Senhor. /
    Vou cumprir minhas promessas ao Senhor / na presença de seu povo reunido. – R.

    1 Coríntios 11,23-26

    Irmãos, 23 o que eu recebi do Senhor, foi isso que eu vos transmiti: na noite em que foi entregue, o Senhor Jesus tomou o pão 24 e, depois de dar graças, partiu-o e disse: “Isto é o meu corpo que é dado por vós. Fazei isto em minha memória”. 25 Do mesmo modo, depois da ceia, tomou também o cálice e disse: “Este cálice é a nova aliança, em meu sangue. Todas as vezes que dele beberdes, fazei isto em minha memória”. 26 Todas as vezes, de fato, que comerdes desse pão e beberdes desse cálice, estareis proclamando a morte do Senhor, até que ele venha.

    Palavra do Senhor.

    João 13,1-15

    1 Era antes da festa da Páscoa. Jesus sabia que tinha chegado a sua hora de passar deste mundo para o Pai; tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim. 2 Estavam tomando a ceia. O diabo já tinha posto no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, o propósito de entregar Jesus. 3 Jesus, sabendo que o Pai tinha colocado tudo em suas mãos e que de Deus tinha saído e para Deus voltava, 4 levantou-se da mesa, tirou o manto, pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. 5 Derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos, enxugando-os com a toalha com que estava cingido. 6 Chegou a vez de Simão Pedro. Pedro disse: “Senhor, tu me lavas os pés?” 7 Respondeu Jesus: “Agora não entendes o que estou fazendo; mais tarde compreenderás”. 8 Disse-lhe Pedro: “Tu nunca me lavarás os pés!” Mas Jesus respondeu: “Se eu não te lavar, não terás parte comigo”. 9 Simão Pedro disse: “Senhor, então lava não somente os meus pés, mas também as mãos e a cabeça”. 10 Jesus respondeu: “Quem já se banhou não precisa lavar senão os pés, porque já está todo limpo. Também vós estais limpos, mas não todos”. 11 Jesus sabia quem o ia entregar; por isso disse: “Nem todos estais limpos”. 12 Depois de ter lavado os pés dos discípulos, Jesus vestiu o manto e sentou-se de novo. E disse aos discípulos: “Compreendeis o que acabo de fazer? 13 Vós me chamais Mestre e Senhor e dizeis bem, pois eu o sou. 14 Portanto, se eu, o Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. 15 Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz”.

    Palavra da Salvação.

    Jo 13,1-15

    “Amou-os até o fim”.

    Nesta quinta feira celebramos a instituição da Eucaristia.
    Notemos que Jesus, o Senhor e Mestre, se coloca a serviço e Ele
    mesmo se dá como alimento da Salvação. Tendo amado os seus que
    estavam no Mundo, amou-os até o fim.

    Jesus não só disse como deveríamos agir, mas foi exemplo para
    nossas ações. Sabemos que seu maior mandamento é amar a Deus e
    ao próximo como a si mesmo. O amor exige de nós, sobretudo, a
    opção pelo outros e assim que eliminemos nossa ambição de
    distinção e poder para fazer-nos humildes e servos de todos.

    Jesus nos ama com profundidade e até ao extremo. Ele é o próprio
    exemplo de amor e serviço. Com fervor continuemos a caminhar
    porque Ele se dá a nós, na Eucaristia, como alimento e nos
    sustenta neste caminho de amor.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • Paixão do Senhor

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 52,13-53,12

    13 Ei-lo, o meu servo será bem-sucedido; sua ascensão será ao mais alto grau. 14 Assim como muitos ficaram pasmados ao vê-lo – tão desfigurado ele estava, que não parecia ser um homem ou ter aspecto humano –, 15 do mesmo modo ele espalhará sua fama entre os povos. Diante dele os reis se manterão em silêncio, vendo algo que nunca lhes foi narrado e conhecendo coisas que jamais ouviram. 53, 1 Quem de nós deu crédito ao que ouvimos? E a quem foi dado reconhecer a força do Senhor? 2 Diante do Senhor, ele cresceu como renovo de planta ou como raiz em terra seca. Não tinha beleza nem atrativo para o olharmos, não tinha aparência que nos agradasse. 3 Era desprezado como o último dos mortais, homem coberto de dores, cheio de sofrimentos; passando por ele, tapávamos o rosto; tão desprezível era, não fazíamos caso dele. 4 A verdade é que ele tomava sobre si nossas enfermidades e sofria, ele mesmo, nossas dores; e nós pensávamos fosse um chagado, golpeado por Deus e humilhado! 5 Mas ele foi ferido por causa de nossos pecados, esmagado por causa de nossos crimes; a punição a ele imposta era o preço da nossa paz, e suas feridas, o preço da nossa cura. 6 Todos nós vagávamos como ovelhas desgarradas, cada qual seguindo seu caminho; e o Senhor fez recair sobre ele o pecado de todos nós. 7 Foi maltratado e submeteu-se, não abriu a boca; como cordeiro levado ao matadouro ou como ovelha diante dos que a tosquiam, ele não abriu a boca. 8 Foi atormentado pela angústia e foi condenado. Quem se preocuparia com sua história de origem? Ele foi eliminado do mundo dos vivos; e por causa do pecado do meu povo, foi golpeado até morrer. 9 Deram-lhe sepultura entre ímpios, um túmulo entre os ricos, porque ele não praticou o mal nem se encontrou falsidade em suas palavras. 10 O Senhor quis macerá-lo com sofrimentos. Oferecendo sua vida em expiação, ele terá descendência duradoura e fará cumprir com êxito a vontade do Senhor. 11 Por esta vida de sofrimento, alcançará luz e uma ciência perfeita. Meu servo, o justo, fará justos inúmeros homens, carregando sobre si suas culpas. 12 Por isso, compartilharei com ele multidões e ele repartirá suas riquezas com os valentes seguidores, pois entregou o corpo à morte, sendo contado como um malfeitor; ele, na verdade, resgatava o pecado de todos e intercedia em favor dos pecadores.

    Palavra do Senhor.

    Sl 30

    Ó Pai, em tuas mãos eu entrego o meu espírito.

    1 – Senhor, eu ponho em vós minha esperança; / que eu não fique envergonhado eternamente! /
    Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito, / porque vós me salvareis, ó Deus fiel! – R.

    2 – Tornei-me o opróbrio do inimigo, / o desprezo e zombaria dos vizinhos / e objeto de pavor para os amigos; /
    fogem de mim os que me veem pela rua. / Os corações me esqueceram como um morto, / e tornei-me como um vaso espedaçado. – R.

    3 – A vós, porém, ó meu Senhor, eu me confio / e afirmo que só vós sois o meu Deus! /
    Eu entrego em vossas mãos o meu destino; / libertai-me do inimigo e do opressor! – R.

    4 – Mostrai serena a vossa face ao vosso servo / e salvai-me pela vossa compaixão. /
    Fortalecei os corações, tende coragem, / todos vós que ao Senhor vos confiais! – R.

    Hebreus 4,14-16; 5,7-9

    Irmãos, 14 temos um sumo sacerdote eminente, que entrou no céu, Jesus, o Filho de Deus. Por isso, permaneçamos firmes na fé que professamos. 15 Com efeito, temos um sumo sacerdote capaz de se compadecer de nossas fraquezas, pois ele mesmo foi provado em tudo como nós, com exceção do pecado. 16 Aproximemo-nos então, com toda a confiança, do trono da graça, para conseguirmos misericórdia e alcançarmos a graça de um auxílio no momento oportuno. 5,7 Cristo, nos dias de sua vida terrestre, dirigiu preces e súplicas, com forte clamor e lágrimas, àquele que era capaz de salvá-lo da morte. E foi atendido, por causa de sua entrega a Deus. 8 Mesmo sendo Filho, aprendeu o que significa a obediência a Deus por aquilo que ele sofreu. 9 Mas, na consumação de sua vida, tornou-se causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem.

    Palavra do Senhor.

    João 18,1-19,42

    Naquele tempo, 1 Jesus saiu com os discípulos para o outro lado da torrente do Cedron. Havia aí um jardim, onde ele entrou com os discípulos. 2 Também Judas, o traidor, conhecia o lugar, porque Jesus costumava reunir-se aí com os seus discípulos. 3 Judas levou consigo um destacamento de soldados e alguns guardas dos sumos sacerdotes e fariseus e chegou ali com lanternas, tochas e armas. 4 Então Jesus, consciente de tudo o que ia acontecer, saiu ao encontro deles e disse:

    P (Presidente): A quem procurais?
    N: 5 Responderam:
    G (Grupo ou assembleia): A Jesus, o nazareno.
    N: Ele disse:
    P: Sou eu.
    N: Judas, o traidor, estava junto com eles. 6 Quando Jesus disse “sou eu”, eles recuaram e caíram por terra. 7 De novo lhes perguntou:
    P: A quem procurais?
    N: Eles responderam:
    G: A Jesus, o nazareno.
    N: 8Jesus respondeu:
    P: Já vos disse que sou eu. Se é a mim que procurais, então deixai que estes se retirem.
    N: 9 Assim se realizava a palavra que Jesus tinha dito: “Não perdi nenhum daqueles que me confiaste”. 10 Simão Pedro, que trazia uma espada consigo, puxou dela e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. O nome do servo era Malco. 11 Então Jesus disse a Pedro:
    P: Guarda a tua espada na bainha. Não vou beber o cálice que o Pai me deu?
    N: 12 Então os soldados, o comandante e os guardas dos judeus prenderam Jesus e o amarraram. 13 Conduziram-no primeiro a Anás, que era o sogro de Caifás, o sumo sacerdote naquele ano. 14 Foi Caifás que deu aos judeus o conselho: “É preferível que um só morra pelo povo”. 15 Simão Pedro e um outro discípulo seguiam Jesus. Esse discípulo era conhecido do sumo sacerdote e entrou com Jesus no pátio do sumo sacerdote. 16 Pedro ficou fora, perto da porta. Então o outro discípulo, que era conhecido do sumo sacerdote, saiu, conversou com a encarregada da porta e levou Pedro para dentro. 17 A criada que guardava a porta disse a Pedro:
    L (Leitor): Não pertences também tu aos discípulos desse homem?
    N: Ele respondeu:
    L: Não!
    N: 18 Os empregados e os guardas fizeram uma fogueira e estavam se aquecendo, pois fazia frio. Pedro ficou com eles, aquecendo-se. 19 Entretanto, o sumo sacerdote interrogou Jesus a respeito de seus discípulos e de seu ensinamento. 20 Jesus lhe respondeu:
    P: Eu falei às claras ao mundo. Ensinei sempre na sinagoga e no templo, onde todos os judeus se reúnem. Nada falei às escondidas. 21 Por que me interrogas? Pergunta aos que ouviram o que falei; eles sabem o que eu disse.

    N: 22 Quando Jesus falou isso, um dos guardas que ali estava deu-lhe uma bofetada, dizendo:
    L: É assim que respondes ao sumo sacerdote?
    N: 23 Respondeu-lhe Jesus:
    P: Se respondi mal, mostra em quê; mas, se falei bem, por que me bates?
    N: 24 Então Anás enviou Jesus amarrado para Caifás, o sumo sacerdote. 25 Simão Pedro continuava lá, em pé, aquecendo-se. Disseram-lhe:
    G: Não és tu, também, um dos discípulos dele?
    N: Pedro negou:
    L: Não!
    N: 26 Então um dos empregados do sumo sacerdote, parente daquele a quem Pedro tinha cortado a orelha, disse:
    L: Será que não te vi no jardim com ele?
    N: 27 Novamente Pedro negou. E na mesma hora, o galo cantou. 28 De Caifás, levaram Jesus ao palácio do governador. Era de manhã cedo. Eles mesmos não entraram no palácio, para não ficarem impuros e poderem comer a Páscoa. 29 Então Pilatos saiu ao encontro deles e disse:
    L: Que acusação apresentais contra este homem?
    N: 30 Eles responderam:
    G: Se não fosse malfeitor, não o teríamos entregue a ti!
    N: 31 Pilatos disse:
    L: Tomai-o vós mesmos e julgai-o de acordo com a vossa lei.
    N: Os judeus lhe responderam:
    G: Nós não podemos condenar ninguém à morte.
    N: 32 Assim se realizava o que Jesus tinha dito, significando de que morte havia de morrer. 33 Então Pilatos entrou de novo no palácio, chamou Jesus e perguntou-lhe:
    L: Tu és o rei dos judeus?
    N: 34 Jesus respondeu:
    P: Estás dizendo isso por ti mesmo ou outros te disseram isso de mim?
    N: 35 Pilatos falou:
    L: Por acaso sou judeu? O teu povo e os sumos sacerdotes te entregaram a mim. Que fizeste?
    N: 36 Jesus respondeu:
    P: O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus guardas teriam lutado para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas o meu reino não é daqui.
    N: 37 Pilatos disse a Jesus:
    L: Então tu és rei?
    N: Jesus respondeu:
    P: Tu o dizes: eu sou rei. Eu nasci e vim ao mundo para isto: para dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade escuta a minha voz.
    N: 38 Pilatos disse a Jesus:
    L: O que é a verdade?
    N: Ao dizer isso, Pilatos saiu ao encontro dos judeus e disse-lhes:
    L: Eu não encontro nenhuma culpa nele. 39 Mas existe entre vós um costume, que pela Páscoa eu vos solte um preso. Quereis que vos solte o rei dos judeus?
    N: 40 Então, começaram a gritar de novo:
    G: Este não, mas Barrabás!
    N: Barrabás era um bandido. 19,1 Então Pilatos mandou flagelar Jesus. 2 Os soldados teceram uma coroa de espinhos e a colocaram na cabeça de Jesus. Vestiram-no com um manto vermelho, 3 aproximavam-se dele e diziam:
    G: Viva o rei dos judeus!
    N: E davam-lhe bofetadas. 4 Pilatos saiu de novo e disse aos judeus:

    L: Olhai, eu o trago aqui fora, diante de vós, para que saibais que não encontro nele crime algum.
    N: 5 Então Jesus veio para fora, trazendo a coroa de espinhos e o manto vermelho. Pilatos disse-lhes:
    L: Eis o homem!
    N: 6 Quando viram Jesus, os sumos sacerdotes e os guardas começaram a gritar:
    G: Crucifica-o! Crucifica-o!
    N: Pilatos respondeu:
    L: Levai-o vós mesmos para o crucificar, pois eu não encontro nele crime algum.
    N: 7 Os judeus responderam:
    G: Nós temos uma lei, e, segundo esta lei, ele deve morrer, porque se fez Filho de Deus.
    N: 8 Ao ouvir essas palavras, Pilatos ficou com mais medo ainda. 9 Entrou outra vez no palácio e perguntou a Jesus:
    L: De onde és tu?
    N: Jesus ficou calado. 10 Então Pilatos disse:
    L: Não me respondes? Não sabes que tenho autoridade para te soltar e autoridade para te crucificar?
    N: 11 Jesus respondeu:
    P: Tu não terias autoridade alguma sobre mim se ela não te fosse dada do alto. Quem me entregou a ti, portanto, tem culpa maior.
    N: 12 Por causa disso, Pilatos procurava soltar Jesus. Mas os judeus gritavam:
    G: Se soltas esse homem, não és amigo de César. Todo aquele que se faz rei declara-se contra César.
    N: 13 Ouvindo essas palavras, Pilatos levou Jesus para fora e sentou-se no tribunal, no lugar chamado Pavimento, em hebraico “Gábata”. 14 Era o dia da preparação da Páscoa, por volta do meio-dia. Pilatos disse aos judeus:
    L: Eis o vosso rei!
    N: 15 Eles, porém, gritavam:
    G: Fora! Fora! Crucifica-o!
    N: Pilatos disse:
    L: Hei de crucificar o vosso rei?
    N: Os sumos sacerdotes responderam:
    G: Não temos outro rei senão César.
    N: 16 Então Pilatos entregou Jesus para ser crucificado, e eles o levaram. 17 Jesus tomou a cruz sobre si e saiu para o lugar chamado Calvário, em hebraico “Gólgota”. 18 Ali o crucificaram, com outros dois: um de cada lado, e Jesus no meio. 19 Pilatos mandou ainda escrever um letreiro e colocá-lo na cruz; nele estava escrito: “Jesus nazareno, o rei dos judeus”. 20 Muitos judeus puderam ver o letreiro, porque o lugar em que Jesus foi crucificado ficava perto da cidade. O letreiro estava escrito em hebraico, latim e grego. 21 Então os sumos sacerdotes dos judeus disseram a Pilatos:
    G: Não escrevas “o rei dos judeus”, mas sim o que ele disse: “Eu sou o rei dos judeus”.
    N: 22 Pilatos respondeu:
    L: O que escrevi está escrito.
    N: 23 Depois que crucificaram Jesus, os soldados repartiram a sua roupa em quatro partes, uma parte para cada soldado. Quanto à túnica, esta era tecida sem costura, em peça única de alto a baixo. 24 Disseram então entre si:
    G: Não vamos dividir a túnica. Tiremos a sorte para ver de quem será.
    N: Assim se cumpria a Escritura que diz: “Repartiram entre si as minhas vestes e lançaram sorte sobre a minha túnica”. Assim procederam os soldados. 25 Perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. 26 Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe:
    P: Mulher, este é o teu filho.
    N: 27 Depois disse ao discípulo:
    P: Esta é a tua mãe.
    N: Dessa hora em diante, o discípulo a acolheu consigo. 28 Depois disso, Jesus, sabendo que tudo estava consumado e para que a Escritura se cumprisse até o fim, disse:
    P: Tenho sede.
    N: 29 Havia ali uma jarra cheia de vinagre. Amarraram numa vara uma esponja embebida de vinagre e levaram-na à boca de Jesus. 30 Ele tomou o vinagre e disse:
    P: Tudo está consumado.
    N: E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.

    Todos se ajoelham e faz-se uma pausa.
    N: 31 Era o dia da preparação para a Páscoa. Os judeus queriam evitar que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque aquele sábado era dia de festa solene. Então pediram a Pilatos que mandasse quebrar as pernas aos crucificados e os tirasse da cruz. 32 Os soldados foram e quebraram as pernas de um e, depois, do outro que foram crucificados com Jesus. 33 Ao se aproximarem de Jesus e vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas; 34 mas um soldado abriu-lhe o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água. 35 Aquele que viu dá testemunho, e seu testemunho é verdadeiro; e ele sabe que fala a verdade, para que vós também acrediteis. 36 Isso aconteceu para que se cumprisse a Escritura, que diz: “Não quebrarão nenhum dos seus ossos”. 37 E outra Escritura ainda diz: “Olharão para aquele que transpassaram”. 38 Depois disso, José de Arimateia, que era discípulo de Jesus – mas às escondidas, por medo dos judeus –, pediu a Pilatos para tirar o corpo de Jesus. Pilatos consentiu. Então José veio tirar o corpo de Jesus. 39 Chegou também Nicodemos, o mesmo que antes tinha ido de noite encontrar-se com Jesus. Levou uns trinta quilos de perfume feito de mirra e aloés. 40 Então tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no, com os aromas, em faixas de linho, como os judeus costumam sepultar. 41 No lugar onde Jesus foi crucificado havia um jardim e, no jardim, um túmulo novo, onde ainda ninguém tinha sido sepultado. 42 Por causa da preparação da Páscoa, e como o túmulo estava perto, foi ali que colocaram Jesus.

    Palavra da Salvação.

    Jo 18,1—19,42

    “Prenderam Jesus e o amarraram. Conduziram Jesus primeiro a
    Anás. Não és tu também um dos discípulos dele? Pedro negou:
    ‘Não!’ O meu reino não é deste mundo. Viva o rei dos judeus!
    Fora! Fora! Crucifica-o! Ali o crucificaram, com outros dois.
    Repartiram entre si as minhas vestes. Este é o teu filho. Esta é
    a tua mãe. Tudo está consumado. E logo saiu sangue e água.
    Envolveram o corpo de Jesus com aromas, em faixas de linho”.

    Deus não criou a humanidade porque precisasse dela, mas para ter
    alguém que pudesse receber os seus benefícios. Da mesma forma,
    não foi por necessitar dos nossos serviços que Jesus nos mandou
    segui-Lo, mas para dar-nos a salvação. E de fato nos deu. No
    entanto, Jesus foi desprezado e condenado pelos homens. O
    pecado, por um instante, pareceu triunfar, mas inclinando a
    cabeça, Jesus entregou ao Pai seu espírito. O grão de trigo caiu
    na terra e morreu, mas para dar lugar à nova vida. Por sua morte
    restituiu à vida a humanidade inteira corrompida pelo pecado. De
    seu lado aberto pela lança fez nascer a Igreja que continua a
    repetir seus gestos. Por sua morte temos a vida.

    Jesus é o caminho que nos leva ao Pai. Ele vem dar-nos a
    salvação. Vamos trazer à consciência tamanho amor com que Ele
    nos amou e não mais desprezá-lo, mas buscá-lo e amá-lo e seus
    benefícios recairão sobre nós.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • Vigília Pascal

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gênesis 1,1.26-31 – mais breve

    1 No princípio Deus criou o céu e a terra. 26 Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem e segundo a nossa semelhança, para que domine sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os animais de toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam sobre a terra”. 27 E Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus ele o criou: homem e mulher os criou. 28 E Deus os abençoou e lhes disse: “Sede fecundos e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a! Dominai sobre os peixes do mar, sobre os pássaros do céu e sobre todos os animais que se movem sobre a terra”. 29 E Deus disse: “Eis que vos entrego todas as plantas que dão semente sobre a terra e todas as árvores que produzem fruto com sua semente, para vos servirem de alimento. 30 E a todos os animais da terra, e a todas as aves do céu, e a tudo o que rasteja sobre a terra e que é animado de vida, eu dou todos os vegetais para alimento”. E assim se fez. 31 E Deus viu tudo quanto havia feito, e eis que tudo era muito bom. Houve uma tarde e uma manhã: sexto dia.

    Palavra do Senhor.

    Sl 103(104)

    Enviai o vosso Espírito, Senhor, / e da terra toda a face renovai.

    1 – Bendize, ó minha alma, ao Senhor! / Ó meu Deus e meu Senhor, como sois grande! /
    De majestade e esplendor vos revestis / e de luz vos envolveis como num manto. – R.

    2 – A terra vós firmastes em suas bases, / ficará firme pelos séculos sem fim; /
    os mares a cobriam como um manto, / e as águas envolviam as montanhas. – R.

    3 – Fazeis brotar em meio aos vales as nascentes / que passam serpeando entre as montanhas; /
    às suas margens vêm morar os passarinhos, / entre os ramos eles erguem o seu canto. – R.

    4 – De vossa casa, as montanhas irrigais, / com vossos frutos saciais a terra inteira; /
    fazeis crescer os verdes pastos para o gado / e as plantas que são úteis para o homem. – R.

    5 – Quão numerosas, ó Senhor, são vossas obras, / e que sabedoria em todas elas! /
    Encheu-se a terra com as vossas criaturas! / Bendize, ó minha alma, ao Senhor! – R.

    Gênesis 22,1-2.9-13.15-18 – mais breve

    Naqueles dias, 1 Deus pôs Abraão à prova. Chamando-o, disse: “Abraão!” E ele respondeu: “Aqui estou”. 2 E Deus disse: “Toma teu filho único, Isaac, a quem tanto amas, dirige-te à terra de Moriá e oferece-o ali em holocausto sobre um monte que eu te indicar”. 9 Chegados ao lugar indicado por Deus, Abraão ergueu um altar, colocou a lenha em cima, amarrou o filho e o pôs sobre a lenha em cima do altar. 10 Depois, estendeu a mão, empunhando a faca para sacrificar o filho. 11 E eis que o anjo do Senhor gritou do céu, dizendo: “Abraão! Abraão!” Ele respondeu: “Aqui estou!” 12 E o anjo lhe disse: “Não estendas a mão contra teu filho e não lhe faças nenhum mal! Agora sei que temes a Deus, pois não me recusaste teu filho único”. 13 Abraão, erguendo os olhos, viu um carneiro preso num espinheiro pelos chifres; foi buscá-lo e ofereceu-o em holocausto no lugar do seu filho. 15 O anjo do Senhor chamou Abraão, pela segunda vez, do céu 16 e lhe disse: “Juro por mim mesmo – oráculo do Senhor –, uma vez que agiste desse modo e não me recusaste teu filho único, 17 eu te abençoarei e tornarei tão numerosa tua descendência como as estrelas do céu e como as areias da praia do mar. Teus descendentes conquistarão as cidades dos inimigos. 18 Por tua descendência serão abençoadas todas as nações da terra, porque me obedeceste”.

    Palavra do Senhor.

    Lucas 24,1-12

    1 No primeiro dia da semana, bem de madrugada, as mulheres foram ao túmulo de Jesus, levando os perfumes que haviam preparado. 2 Elas encontraram a pedra do túmulo removida. 3 Mas, ao entrar, não encontraram o corpo do Senhor Jesus 4 e ficaram sem saber o que estava acontecendo. Nisso, dois homens com roupas brilhantes pararam perto delas. 5 Tomadas de medo, elas olhavam para o chão, mas os dois homens disseram: “Por que estais procurando entre os mortos aquele que está vivo? 6 Ele não está aqui. Ressuscitou! Lembrai-vos do que ele vos falou, quando ainda estava na Galileia: 7 ‘O Filho do homem deve ser entregue nas mãos dos pecadores, ser crucificado e ressuscitar ao terceiro dia’”. 8 Então as mulheres se lembraram das palavras de Jesus. 9 Voltaram do túmulo e anunciaram tudo isso aos onze e a todos os outros. 10 Eram Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago. Também as outras mulheres que estavam com elas contaram essas coisas aos apóstolos. 11 Mas eles acharam que tudo isso era desvario e não acreditaram. 12 Pedro, no entanto, levantou-se e correu ao túmulo. Olhou para dentro e viu apenas os lençóis. Então voltou para casa, admirado com o que havia acontecido.

    Palavra da Salvação.

    Lc 24,1-12

    “Por que estais procurando entre os mortos aquele que está
    vivo”?

    Assim como no início da criação do mundo, tudo estava tomado
    pela escuridão. As mulheres caminhavam no escuro em direção do
    túmulo de Jesus. No entanto, no relato da criação Deus disse:
    “Faça-se a luz” e a luz se fez. As mulheres, por sua vez,
    caminham no escuro da madrugada junto à escuridão do luto e do
    medo. Porém, se deparam com o túmulo vazio e são confortadas com
    a notícia da ressurreição. Não há mais o que procurar entre os
    mortos. Eis que surge a feliz notícia. Ele ressuscitou! Brilha
    novamente a Luz que dissipa toda a escuridão do pecado.

    Na escuridão desta noite de Vigília Pascal com fé no reunimos
    para celebrar a vitória da vida sobre a morte. Assim, no
    irromper do Aleluia contemplaremos a admirável Luz do Cristo
    Ressuscitado. Pela sua morte e ressurreição somos renovados para
    a vida eterna. As trevas do nosso coração são dissipadas pela
    resplandecente luz de sua ressurreição.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • Páscoa do Senhor

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Atos 10,34.37-43

    Naqueles dias, 34 Pedro tomou a palavra e disse: 37 “Vós sabeis o que aconteceu em toda a Judeia, a começar pela Galileia, depois do batismo pregado por João: 38 como Jesus de Nazaré foi ungido por Deus com o Espírito Santo e com poder. Ele andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os que estavam dominados pelo demônio, porque Deus estava com ele. 39 E nós somos testemunhas de tudo o que Jesus fez na terra dos judeus e em Jerusalém. Eles o mataram, pregando-o numa cruz. 40 Mas Deus o ressuscitou no terceiro dia, concedendo-lhe manifestar-se 41 não a todo o povo, mas às testemunhas que Deus havia escolhido: a nós, que comemos e bebemos com Jesus, depois que ressuscitou dos mortos. 42 E Jesus nos mandou pregar ao povo e testemunhar que Deus o constituiu juiz dos vivos e dos mortos. 43 Todos os profetas dão testemunho dele: ‘Todo aquele que crê em Jesus recebe, em seu nome, o perdão dos pecados’”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 117(118)

    Este é o dia que o Senhor fez para nós: / alegremo-nos e nele exultemos!

    1 – Dai graças ao Senhor, porque ele é bom! / “Eterna é a sua misericórdia!” /
    A casa de Israel agora o diga: / “Eterna é a sua misericórdia!” – R.

    2 – A mão direita do Senhor fez maravilhas, / a mão direita do Senhor me levantou. /
    Não morrerei, mas, ao contrário, viverei / para cantar as grandes obras do Senhor! – R.

    3 – A pedra que os pedreiros rejeitaram / tornou-se agora a pedra angular. /
    Pelo Senhor é que foi feito tudo isso: / que maravilhas ele fez a nossos olhos! – R.

    Colossenses 3,1-4

    Irmãos, 1 se ressuscitastes com Cristo, esforçai-vos por alcançar as coisas do alto, 2 onde está Cristo, sentado à direita de Deus; aspirai às coisas celestes e não às coisas terrestres. 3 Pois vós morrestes, e a vossa vida está escondida, com Cristo, em Deus. 4 Quando Cristo, vossa vida, aparecer em seu triunfo, então vós aparecereis também com ele, revestidos de glória.

    Palavra do Senhor.

    João 20,1-9

    1 No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo. 2 Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo e não sabemos onde o colocaram”. 3 Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo. 4 Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo. 5 Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou. 6 Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão 7 e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte. 8 Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu e acreditou. 9 De fato, eles ainda não tinham compreendido a Escritura, segundo a qual ele devia ressuscitar dos mortos.

    Palavra da salvação.


    Na missa vespertina, pode-se também proclamar
    (Lucas 24,13-35):

    13 Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, dois dos discípulos de Jesus iam para um povoado, chamado Emaús, distante onze quilômetros de Jerusalém. 14 Conversavam sobre todas as coisas que tinham acontecido. 15 Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles. 16 Os discípulos, porém, estavam como que cegos e não o reconheceram. 17 Então Jesus perguntou: “O que ides conversando pelo caminho?” Eles pararam, com o rosto triste, 18 e um deles, chamado Cléofas, lhe disse: “Tu és o único peregrino em Jerusalém que não sabe o que lá aconteceu nestes últimos dias?” 19 Ele perguntou: “O que foi?” Os discípulos responderam: “O que aconteceu com Jesus, o nazareno, que foi um profeta poderoso em obras e palavras, diante de Deus e diante de todo o povo. 20 Nossos sumos sacerdotes e nossos chefes o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. 21 Nós esperávamos que ele fosse libertar Israel, mas, apesar de tudo isso, já faz três dias que todas essas coisas aconteceram! 22 É verdade que algumas mulheres do nosso grupo nos deram um susto. Elas foram de madrugada ao túmulo 23 e não encontraram o corpo dele. Então voltaram, dizendo que tinham visto anjos e que estes afirmaram que Jesus está vivo. 24 Alguns dos nossos foram ao túmulo e encontraram as coisas como as mulheres tinham dito. A ele, porém, ninguém o viu”.

    25 Então Jesus lhes disse: “Como sois sem inteligência e lentos para crer em tudo o que os profetas falaram! 26 Será que o Cristo não devia sofrer tudo isso para entrar na sua glória?” 27 E, começando por Moisés e passando pelos profetas, explicava aos discípulos todas as passagens da Escritura que falavam a respeito dele. 28 Quando chegaram perto do povoado para onde iam, Jesus fez de conta que ia mais adiante. 29 Eles, porém, insistiram com Jesus, dizendo: “Fica conosco, pois já é tarde e a noite vem chegando!” Jesus entrou para ficar com eles. 30 Quando se sentou à mesa com eles, tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e lhes distribuía. 31 Nisso os olhos dos discípulos se abriram e eles reconheceram Jesus. Jesus, porém, desapareceu da frente deles. 32 Então um disse ao outro: “Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?” 33 Naquela mesma hora, eles se levantaram e voltaram para Jerusalém, onde encontraram os onze reunidos com os outros. 34 E estes confirmaram: “Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!” 35 Então os dois contaram o que tinha acontecido no caminho e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão.

    Palavra da Salvação.

    Jo 20,1-9

    “Ele devia ressuscitar dos mortos”.

    Que a alegria do Ressuscitado seja a nossa força! Celebramos
    hoje a, maior de todas as festas cristãs, o Domingo da
    Ressurreição, dia em que a vida venceu a morte, o Cristo venceu
    o mundo. Já não há mais o que temer. Tendo diante dos olhos a
    imagem e o exemplo de Maria Madalena, Pedro e João, o discípulo
    amado, corramos ao encontro de Jesus e deixemos que a
    experiência da Ressurreição transforme as nossas vidas.

    No Evangelho do dia de hoje nos é apresentado o relato que São
    João faz da manhã da ressurreição, Maria Madalena é apresentada
    como a primeira testemunha, imagem daqueles que caminham com fé
    em busca de Deus, que mesmo diante do sofrimento, da angústia e
    da descrença de muitos causada por um aparente silêncio de Deus,
    confia e busca o Senhor, e tendo feito a experiência da
    ressurreição corre para comunicá-la a outros. E temos também as
    figuras de Pedro, significando a Igreja, e João, o discípulo
    amado, que é símbolo de todos fieis: os dois, ao ouvirem o
    relato de Maria, deixam a sua comodidade, os seus afazeres, os
    sentimentos que carregavam por causa da morte de Jesus, e correm
    em busca do Senhor.

    Que neste santo dia, cada um de nós, discípulos amados do
    Senhor, possamos correr em busca do Ressuscitado, através da
    oração, do serviço aos irmãos, do trabalho em prol do Reino de
    Deus e da participação na vida de nossas comunidades de fé e
    tendo o encontrado saibamos anuncia-lo como fez Maria Madalena.
    Paz e Bem!

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • 2ª feira da Oitava de Páscoa

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Atos 2,14.22-32

    No dia de Pentecostes, 14 Pedro, de pé, junto com os onze apóstolos, levantou a voz e falou à multidão: 22 “Homens de Israel, escutai estas palavras: Jesus de Nazaré foi um homem aprovado por Deus, junto de vós, pelos milagres, prodígios e sinais que Deus realizou, por meio dele, entre vós. Tudo isso vós bem o sabeis. 23 Deus, em seu desígnio e previsão, determinou que Jesus fosse entregue pelas mãos dos ímpios, e vós o matastes, pregando-o numa cruz. 24 Mas Deus ressuscitou a Jesus, libertando-o das angústias da morte, porque não era possível que ela o dominasse. 25 Pois Davi dele diz: ‘Eu via sempre o Senhor diante de mim, pois está à minha direita para eu não vacilar. 26 Alegrou-se por isso meu coração e exultou minha língua, e até minha carne repousará na esperança. 27 Porque não deixarás minha alma na região dos mortos nem permitirás que teu santo experimente corrupção. 28 Deste-me a conhecer os caminhos da vida e a tua presença me encherá de alegria’. 29 Irmãos, seja-me permitido dizer com franqueza que o patriarca Davi morreu e foi sepultado, e seu sepulcro está entre nós até hoje. 30 Mas, sendo profeta, sabia que Deus lhe jurara solenemente que um de seus descendentes ocuparia o trono. 31 É, portanto, a ressurreição de Cristo que previu e anunciou com as palavras: ‘Ele não foi abandonado na região dos mortos e sua carne não conheceu a corrupção’. 32 Com efeito, Deus ressuscitou esse mesmo Jesus e disto todos nós somos testemunhas”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 15(16)

    Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio!

    1 – Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio! / Digo ao Senhor: somente vós sois meu Senhor; /
    ó Senhor, sois minha herança e minha taça, / meu destino está seguro em vossas mãos! – R.

    2 – Eu bendigo o Senhor, que me aconselha / e até de noite me adverte o coração. /
    Tenho sempre o Senhor ante meus olhos, / pois, se o tenho a meu lado, não vacilo. – R.

    3 – Eis por que meu coração está em festa, † minha alma rejubila de alegria /
    e até meu corpo no repouso está tranquilo; / pois não haveis de me deixar entregue à morte / nem vosso amigo conhecer a corrupção. – R.

    4 – Vós me ensinais vosso caminho para a vida; † junto a vós, felicidade sem limites, /
    delícia eterna e alegria ao vosso lado! – R.

    Mateus 28,8-15

    Naquele tempo, 8 as mulheres partiram depressa do sepulcro. Estavam com medo, mas correram com grande alegria para dar a notícia aos discípulos. 9 De repente, Jesus foi ao encontro delas e disse: “Alegrai-vos!” As mulheres aproximaram-se e prostraram-se diante de Jesus, abraçando seus pés. 10 Então Jesus disse a elas: “Não tenhais medo. Ide anunciar aos meus irmãos que se dirijam para a Galileia. Lá eles me verão”. 11 Quando as mulheres partiram, alguns guardas do túmulo foram à cidade e comunicaram aos sumos sacerdotes tudo o que havia acontecido. 12 Os sumos sacerdotes reuniram-se com os anciãos, e deram uma grande soma de dinheiro aos soldados, 13 dizendo-lhes: “Dizei que os discípulos dele foram durante a noite e roubaram o corpo enquanto vós dormíeis. 14 Se o governador ficar sabendo disso, nós o convenceremos. Não vos preocupeis”. 15 Os soldados pegaram o dinheiro e agiram de acordo com as instruções recebidas. E assim, o boato espalhou-se entre os judeus até o dia de hoje.

    Palavra da Salvação.

    Mt 28,8-15

    “Ide anunciar aos meus irmãos que se dirijam para a Galileia. Lá
    eles me verão”.

    Nesta Segunda-feira damos continuidade às festividades pascais,
    afinal uma data tão grandiosa quanto o dia da Ressurreição não
    poderia ser celebrado em apenas um dia. Por isso, a Igreja
    instituiu que a semana que se segue ao domingo da Páscoa como
    Oitava Pascal e nós, cristãos, celebramos esses dias como se
    todos eles fossem um só, o grande domingo da Ressurreição.

    Temos no Evangelho de hoje o relato de Jesus Ressuscitado que
    vai ao encontro de algumas de suas discípulas, discípulas essas
    que andavam apressadas, pois queriam comunicar aos outros
    discípulos a Alegria da Ressurreição do Senhor. Jesus se
    aproxima delas e as envia como missionárias e mensageiras da boa
    nova do Ressuscitado que já não estava morto, mas que havia lhes
    aparecido.

    Que animados pela Ressureição do Senhor e fiéis ao seu envio
    missionário possamos também nós a exemplo das mulheres do
    Evangelho, comunicarmos a outros a Alegria do Ressuscitado.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • 3ª feira da Oitava de Páscoa

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Atos 2,36-41

    No dia de Pentecostes, Pedro disse aos judeus: 36 “Que todo o povo de Israel reconheça com plena certeza: Deus constituiu Senhor e Cristo a este Jesus que vós crucificastes”. 37 Quando ouviram isso, eles ficaram com o coração aflito e perguntaram a Pedro e aos outros apóstolos: “Irmãos, o que devemos fazer?” 38  Pedro respondeu: “Convertei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos vossos pecados. E vós recebereis o dom do Espírito Santo. 39 Pois a promessa é para vós e vossos filhos, e para todos aqueles que estão longe, todos aqueles que o Senhor nosso Deus chamar para si”. 40 Com muitas outras palavras, Pedro lhes dava testemunho e os exortava, dizendo: “Salvai-vos dessa gente corrompida!” 41 Os que aceitaram as palavras de Pedro receberam o batismo. Naquele dia, mais ou menos três mil pessoas se uniram a eles.

    Palavra do Senhor.

    Sl 32(33)

    Transborda em toda a terra a bondade do Senhor.

    1 – Reta é a palavra do Senhor, / e tudo o que ele faz merece fé. / Deus ama o direito e a justiça, /
    transborda em toda a terra a sua graça. – R.

    2 – Mas o Senhor pousa o olhar sobre os que o temem / e que confiam, esperando em seu amor, /
    para da morte libertar as suas vidas / e alimentá-los quando é tempo de penúria. – R.

    3 – No Senhor nós esperamos confiantes, / porque ele é nosso auxílio e proteção! /
    Sobre nós venha, Senhor, a vossa graça, / da mesma forma que em vós nós esperamos! – R.

    João 20,11-18

    Naquele tempo, 11 Maria estava do lado de fora do túmulo, chorando. Enquanto chorava, inclinou-se e olhou para dentro do túmulo. 12 Viu, então, dois anjos vestidos de branco, sentados onde tinha sido posto o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés. 13 Os anjos perguntaram: “Mulher, por que choras?” Ela respondeu: “Levaram o meu Senhor e não sei onde o colocaram”. 14 Tendo dito isso, Maria voltou-se para trás e viu Jesus, de pé. Mas não sabia que era Jesus. 15 Jesus perguntou-lhe: “Mulher, por que choras? A quem procuras?” Pensando que era o jardineiro, Maria disse: “Senhor, se foste tu que o levaste, dize-me onde o colocaste, e eu o irei buscar”. 16 Então Jesus disse: “Maria!” Ela voltou-se e exclamou, em hebraico: “Rabuni” (que quer dizer mestre). 17 Jesus disse: “Não me segures. Ainda não subi para junto do Pai. Mas vai dizer aos meus irmãos: subo para junto do meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”. 18 Então Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: “Eu vi o Senhor!” e contou o que Jesus lhe tinha dito.

    Palavra da Salvação.

    Jo 20,11-18

    “’Eu vi o Senhor!’; e eis o que ele me disse”.

    Terça-feira da Oitava Pascal, no dia de hoje a liturgia volta a nos apresentar a figura de Maria Madalena, que representa todos aqueles que de coração sincero buscam a Deus e perseveram na sua fé mesmo diante dos sofrimentos e aparentes fracassos de suas vidas.

    Não tendo encontrado o Corpo de seu Rabuni (Mestre), Maria chora do lado de fora do túmulo, confusa por causa de tudo oque havia acontecido com Jesus e com todos os discípulos nos últimos dias. Ela não consegue reconhecer o mistério da Ressurreição que se apresentava diante dela, mas reconhece a voz de seu Mestre que a chama pelo nome, e tendo recebido o envio por parte do Senhor, corre apressada para transmitir aos outros discípulos a notícia da Ressurreição.

    Tenhamos nós, a partir do exemplo de Santa Maria Madalena, a capacidade de nutrir uma profunda vida de oração e contato com o Senhor, para que assim sendo possamos reconhecê-lo quando ele nos chamar pelo nome e nos comunicar a Alegria da Ressurreição e tenhamos a capacidade de corresponder ao seu envio missionário.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • 4ª feira da Oitava de Páscoa

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Atos 3,1-10

    Naqueles dias, 1 Pedro e João subiram ao templo para a oração das três horas da tarde. 2 Então trouxeram um homem, coxo de nascença, que costumavam colocar todos os dias na porta do templo, chamada Formosa, a fim de que pedisse esmolas aos que entravam. 3 Quando viu Pedro e João entrando no templo, o homem pediu uma esmola. 4 Os dois olharam bem para ele e Pedro disse: “Olha para nós!” 5 O homem fitou neles o olhar, esperando receber alguma coisa. 6 Pedro então lhe disse: “Não tenho ouro nem prata, mas o que tenho eu te dou: em nome de Jesus Cristo, o nazareno, levanta-te e anda!” 7 E, pegando-lhe a mão direita, Pedro o levantou. Na mesma hora, os pés e os tornozelos do homem ficaram firmes. 8 Então ele deu um pulo, ficou de pé e começou a andar. E entrou no templo junto com Pedro e João, andando, pulando e louvando a Deus. 9 O povo todo viu o homem andando e louvando a Deus. 10 E reconheceram que era ele o mesmo que pedia esmolas, sentado na porta Formosa do templo. E ficaram admirados e espantados com o que havia acontecido com ele.

    Palavra do Senhor.

    Sl 104(105)

    Exulte o coração dos que buscam o Senhor.

    1 – Dai graças ao Senhor, gritai seu nome, / anunciai entre as nações seus grandes feitos! /
    Cantai, entoai salmos para ele, / publicai todas as suas maravilhas! – R.

    2 – Gloriai-vos em seu nome que é santo, / exulte o coração que busca a Deus! /
    Procurai o Senhor Deus e seu poder, / buscai constantemente a sua face! – R.

    3 – Descendentes de Abraão, seu servidor, / e filhos de Jacó, seu escolhido, /
    ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus, / vigoram suas leis em toda a terra. – R.

    4 – Ele sempre se recorda da aliança, / promulgada a incontáveis gerações; /
    da aliança que ele fez com Abraão / e do seu santo juramento a Isaac. – R.

    Lucas 24,13-35

    13 Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, dois dos discípulos de Jesus iam para um povoado, chamado Emaús, distante onze quilômetros de Jerusalém. 14 Conversavam sobre todas as coisas que tinham acontecido. 15 Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles. 16 Os discípulos, porém, estavam como que cegos e não o reconheceram. 17 Então Jesus perguntou: “O que ides conversando pelo caminho?” Eles pararam, com o rosto triste, 18 e um deles, chamado Cléofas, lhe disse: “Tu és o único peregrino em Jerusalém que não sabe o que lá aconteceu nestes últimos dias?” 19 Ele perguntou: “O que foi?” Os discípulos responderam: “O que aconteceu com Jesus, o nazareno, que foi um profeta poderoso, em obras e palavras, diante de Deus e diante de todo o povo. 20 Nossos sumos sacerdotes e nossos chefes o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. 21 Nós esperávamos que ele fosse libertar Israel, mas, apesar de tudo isso, já faz três dias que todas essas coisas aconteceram! 22 É verdade que algumas mulheres do nosso grupo nos deram um susto. Elas foram de madrugada ao túmulo 23 e não encontraram o corpo dele. Então voltaram, dizendo que tinham visto anjos e que estes afirmaram que Jesus está vivo. 24 Alguns dos nossos foram ao túmulo e encontraram as coisas como as mulheres tinham dito. A ele, porém, ninguém o viu”. 25 Então Jesus lhes disse: “Como sois sem inteligência e lentos para crer em tudo o que os profetas falaram! 26 Será que o Cristo não devia sofrer tudo isso para entrar na sua glória?” 27 E, começando por Moisés e passando pelos profetas, explicava aos discípulos todas as passagens da Escritura que falavam a respeito dele. 28 Quando chegaram perto do povoado para onde iam, Jesus fez de conta que ia mais adiante. 29 Eles, porém, insistiram com Jesus, dizendo: “Fica conosco, pois já é tarde e a noite vem chegando!” Jesus entrou para ficar com eles. 30 Quando se sentou à mesa com eles, tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e lhes distribuía. 31 Nisso os olhos dos discípulos se abriram e eles reconheceram Jesus. Jesus, porém, desapareceu da frente deles. 32 Então um disse ao outro: “Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras?” 33 Naquela mesma hora, eles se levantaram e voltaram para Jerusalém, onde encontraram os onze reunidos com os outros. 34 E estes confirmaram: “Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!” 35 Então os dois contaram o que tinha acontecido no caminho e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão.

    Palavra da Salvação.

    Lc 24,13-35

    “Reconheceram-no ao partir o pão”.

    Nesta quarta-feira, a liturgia nos convida a tomarmos o caminho de Emaús junto com os dois discípulos de Jesus e com eles reconhecermos o Senhor que caminha e dialoga conosco.

    No Evangelho de hoje, dois dos discípulos de Cristo caminham entristecidos e conversam sobre aquilo que havia acontecido com Jesus e com eles, tão perturbados que estavam por causa da aparente derrota de Jesus, se tornam incapazes de reconhecer que o Senhor havia Ressuscitado vencido a morte e que caminhava com eles. Mas depois de terem ouvido as palavras de Jesus e de terem partilhado a refeição com Ele, o reconhecem e retornam a Jerusalém dispostos a transmitir aos seus irmãos na fé a alegria da ressurreição.

    Que nós também possamos reconhecer o Ressuscitado que caminha conosco. Que ao partirmos o Pão da Eucaristia e ao ouvirmos as Palavras de Jesus, possamos voltar à nossa Jerusalém, que na verdade são comunidades, a nossa Igreja, lugar onde se vivencia e se partilha a alegria da vida nova em Cristo

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • 5ª feira da Oitava de Páscoa

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Atos 3,11-26

    Naqueles dias, 11 como o paralítico não deixava mais Pedro e João, todo o povo, assombrado, foi correndo para junto deles, no chamado pórtico de Salomão. 12 Ao ver isso, Pedro dirigiu-se ao povo: “Israelitas, por que vos espantais com o que aconteceu? Por que ficais olhando para nós, como se tivéssemos feito este homem andar com nosso próprio poder ou piedade? 13 O Deus de Abraão, de Isaac, de Jacó, o Deus de nossos antepassados glorificou o seu servo Jesus. Vós o entregastes e o rejeitastes diante de Pilatos, que estava decidido a soltá-lo. 14 Vós rejeitastes o santo e o justo e pedistes a libertação para um assassino. 15 Vós matastes o autor da vida, mas Deus o ressuscitou dos mortos, e disso nós somos testemunhas. 16 Graças à fé no nome de Jesus, esse nome acaba de fortalecer este homem que vedes e reconheceis. A fé que vem por meio de Jesus lhe deu perfeita saúde na presença de todos vós. 17 E agora, meus irmãos, eu sei que vós agistes por ignorância, assim como vossos chefes. 18 Deus, porém, cumpriu desse modo o que havia anunciado pela boca de todos os profetas: que o seu Cristo haveria de sofrer. 19 Arrependei-vos, portanto, e convertei-vos, para que vossos pecados sejam perdoados. 20 Assim podereis alcançar o tempo do repouso que vem do Senhor. E ele enviará Jesus, o Cristo, que vos foi destinado. 21 No entanto, é necessário que o céu o receba, até que se cumpra o tempo da restauração de todas as coisas, conforme disse Deus, nos tempos passados, pela boca de seus santos profetas. 22 Com efeito, Moisés afirmou: ‘O Senhor Deus fará surgir, entre vossos irmãos, um profeta como eu. Escutai tudo o que ele vos disser. 23 Quem não der ouvidos a esse profeta será eliminado do meio do povo’. 24 E todos os profetas que falaram, desde Samuel e seus sucessores, também eles anunciaram estes dias. 25 Vós sois filhos dos profetas e da aliança que Deus fez com vossos pais quando disse a Abraão: ‘Através da tua descendência serão abençoadas todas as famílias da terra’. 26 Após ter ressuscitado o seu servo, Deus o enviou em primeiro lugar a vós, para vos abençoar, na medida em que cada um se converta de suas maldades”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 8

    Ó Senhor, nosso Deus, como é grande / vosso nome por todo o universo!

    1 – Ó Senhor, nosso Deus, como é grande / vosso nome por todo o universo! /
    Perguntamos: “Senhor, que é o homem, † para dele assim vos lembrardes /
    e o tratardes com tanto carinho?” – R.

    2 – Pouco abaixo de Deus o fizestes, / coroando-o de glória e esplendor; /
    vós lhe destes poder sobre tudo, / vossas obras aos pés lhe pusestes. – R.

    3 – As ovelhas, os bois, os rebanhos, / todo o gado e as feras da mata; /
    passarinhos e peixes dos mares, / todo ser que se move nas águas. – R.

    Lucas 24,35-48

    Naquele tempo, 35 os discípulos contaram o que tinha acontecido no caminho e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão. 36 Ainda estavam falando quando o próprio Jesus apareceu no meio deles e lhes disse: “A paz esteja convosco!” 37 Eles ficaram assustados e cheios de medo, pensando que estavam vendo um fantasma. 38 Mas Jesus disse: “Por que estais preocupados e por que tendes dúvidas no coração? 39 Vede minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! Tocai em mim e vede! Um fantasma não tem carne nem ossos, como estais vendo que eu tenho”. 40 E, dizendo isso, Jesus mostrou-lhes as mãos e os pés. 41 Mas eles ainda não podiam acreditar, porque estavam muito alegres e surpresos. Então Jesus disse: “Tendes aqui alguma coisa para comer?” 42 Deram-lhe um pedaço de peixe assado. 43 Ele o tomou e comeu diante deles. 44 Depois, disse-lhes: “São estas as coisas que vos falei quando ainda estava convosco: era preciso que se cumprisse tudo o que está escrito sobre mim na lei de Moisés, nos profetas e nos salmos”. 45 Então Jesus abriu a inteligência dos discípulos para entenderem as Escrituras 46 e lhes disse: “Assim está escrito: O Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia 47 e, no seu nome, serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. 48 Vós sereis testemunhas de tudo isso”.

    Palavra da Salvação.

    Lc 24,35-48

    “Assim está escrito: o Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia”.

    No Evangelho de hoje a liturgia nos apresenta a manifestação do Senhor Ressuscitado, em meio à comunidade reunida.

    Tendo chegado a Jerusalém, os dois discípulos de Emaús se reúnem com os irmãos e lhes relatam o encontro com o Senhor, e eis que enquanto eles falavam o próprio Senhor lhes aparece, causando primeiramente um grande medo entre os discípulos, medo esse que some quando eles reconhecem que é verdadeiramente o Senhor que está no meio deles, que lhes fala e que partilha de suas vidas e de suas realidades, chegando a comer do alimento que eles tinham.

    Assim deve acontecer e acontece cada vez que nos reunimos em comunidade, partilhando as nossas vidas e nossos dons, nós reconhecemos o Senhor que se manifesta nos irmãos e que está entre nós.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • 6ª feira da Oitava de Páscoa

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Atos 4,1-12

    Naqueles dias, depois que o paralítico fora curado, 1 Pedro e João ainda estavam falando ao povo quando chegaram os sacerdotes, o chefe da guarda do templo e os saduceus. 2 Estavam irritados porque os apóstolos ensinavam o povo e anunciavam a ressurreição dos mortos na pessoa de Jesus. 3 Eles prenderam Pedro e João e os colocaram na prisão até o dia seguinte, porque já estava anoitecendo. 4 Todavia, muitos daqueles que tinham ouvido a pregação acreditaram. E o número dos homens chegou a uns cinco mil. 5 No dia seguinte, reuniram-se em Jerusalém os chefes, os anciãos e os mestres da lei. 6 Estavam presentes o sumo sacerdote Anás e também Caifás, João, Alexandre e todos os que pertenciam às famílias dos sumos sacerdotes. 7 Fizeram Pedro e João comparecer diante deles e os interrogavam: “Com que poder ou em nome de quem vós fizestes isso?” 8 Então, Pedro, cheio do Espírito Santo, disse-lhes: “Chefes do povo e anciãos, 9 hoje estamos sendo interrogados por termos feito o bem a um enfermo e pelo modo como foi curado. 10 Ficai, pois, sabendo todos vós e todo o povo de Israel: é pelo nome de Jesus Cristo, de Nazaré – aquele que vós crucificastes e que Deus ressuscitou dos mortos –, que este homem está curado diante de vós. 11 Jesus é a pedra que vós, os construtores, desprezastes e que se tornou a pedra angular. 12 Em nenhum outro há salvação, pois não existe debaixo do céu outro nome dado aos homens pelo qual possamos ser salvos”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 117(118)

    A pedra que os pedreiros rejeitaram / tornou-se agora a pedra angular.

    1 – Dai graças ao Senhor, porque ele é bom! / “Eterna é a sua misericórdia!” /
    A casa de Israel agora o diga: / “Eterna é a sua misericórdia!” /
    Os que temem o Senhor agora o digam: / “Eterna é a sua misericórdia!” – R.

    2 – “A pedra que os pedreiros rejeitaram / tornou-se agora a pedra angular. /
    Pelo Senhor é que foi feito tudo isso: / que maravilhas ele fez a nossos olhos! /
    Este é o dia que o Senhor fez para nós, / alegremo-nos e nele exultemos! – R.

    3 – Ó Senhor, dai-nos a vossa salvação; / ó Senhor, dai-nos também prosperidade!” /
    Bendito seja, em nome do Senhor, / aquele que em seus átrios vai entrando! /
    Desta casa do Senhor vos bendizemos. / Que o Senhor e nosso Deus nos ilumine! – R.

    João 21,1-14

    Naquele tempo, 1 Jesus apareceu de novo aos discípulos, à beira do mar de Tiberíades. A aparição foi assim: 2 estavam juntos Simão Pedro, Tomé, chamado Dídimo, Natanael de Caná da Galileia, os filhos de Zebedeu e outros dois discípulos de Jesus. 3 Simão Pedro disse a eles: “Eu vou pescar”. Eles disseram: “Também vamos contigo”. Saíram e entraram na barca, mas não pescaram nada naquela noite. 4 Já tinha amanhecido, e Jesus estava de pé na margem. Mas os discípulos não sabiam que era Jesus. 5 Então Jesus disse: “Moços, tendes alguma coisa para comer?” Responderam: “Não”. 6 Jesus disse-lhes: “Lançai a rede à direita da barca e achareis”. Lançaram, pois, a rede e não conseguiam puxá-la para fora, por causa da quantidade de peixes. 7 Então, o discípulo a quem Jesus amava disse a Pedro: “É o Senhor!” Simão Pedro, ouvindo dizer que era o Senhor, vestiu sua roupa, pois estava nu, e atirou-se ao mar. 8 Os outros discípulos vieram com a barca, arrastando a rede com os peixes. Na verdade, não estavam longe da terra, mas somente a cerca de cem metros. 9 Logo que pisaram a terra, viram brasas acesas, com peixe em cima, e pão. 10 Jesus disse-lhes: “Trazei alguns dos peixes que apanhastes”. 11 Então Simão Pedro subiu ao barco e arrastou a rede para a terra. Estava cheia de cento e cinquenta e três grandes peixes; e, apesar de tantos peixes, a rede não se rompeu. 12 Jesus disse-lhes: “Vinde comer”. Nenhum dos discípulos se atrevia a perguntar quem era ele, pois sabiam que era o Senhor. 13 Jesus aproximou-se, tomou o pão e distribuiu-o por eles. E fez a mesma coisa com o peixe. 14 Esta foi a terceira vez que Jesus, ressuscitado dos mortos, apareceu aos discípulos.

    Palavra da Salvação.

    Jo 21,1-14

    “Jesus aproximou-se, tomou o pão e distribuiu-o por eles. E fez a mesma coisa com o peixe”.

    Em certos momentos de nossa vida, o medo ou insegurança nos levam ao apego a antigas estruturas ou modos de agir e pensar para tentar conservar o porto seguro que um dia nos manteve satisfeitos. Diante de alguns momentos difíceis, a cruz parece-nos o fim de um sonho/ideal. Preferimos o retorno à pescaria, da qual sempre vivemos. Interessante como é justamente respeitando esta tentação natural humana, que Jesus inicia seu apelo para avançar para novas direções: “Lancem as redes, mas de outro lado do barco”. Perseverar, ter fé naquilo que Deus nos convida a abraçar através de sua Palavra, convertermo-nos para este novo modo de vida, se faz necessário para conseguirmos reconhecer que o Ressuscitado já se encontra ali entre nós, nos chamando à mudança, à coragem do desapego de antigos modos de se fazer as coisas, para anunciá-Lo com coragem ao novo mundo ao qual ele nos lança.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • Sábado da Oitava de Páscoa

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Atos 4,13-21

    Naqueles dias, os chefes dos sacerdotes, os anciãos e os escribas 13 ficaram admirados ao ver a segurança com que Pedro e João falavam, pois eram pessoas simples e sem instrução. Reconheciam que eles tinham estado com Jesus. 14 No entanto viam, de pé, junto a eles, o homem que tinha sido curado. E não podiam dizer nada em contrário. 15 Mandaram que saíssem para fora do sinédrio e começaram a discutir entre si: 16 “O que vamos fazer com esses homens? Eles realizaram um milagre claríssimo, e o fato tornou-se de tal modo conhecido por todos os habitantes de Jerusalém, que não podemos negá-lo. 17 Contudo, a fim de que a coisa não se espalhe ainda mais entre o povo, vamos ameaçá-los, para que não falem mais a ninguém a respeito do nome de Jesus”. 18 Chamaram de novo Pedro e João e ordenaram-lhes que, de modo algum, falassem ou ensinassem em nome de Jesus. 19 Pedro e João responderam: “Julgai vós mesmos se é justo, diante de Deus, que obedeçamos a vós e não a Deus! 20 Quanto a nós, não nos podemos calar sobre o que vimos e ouvimos”. 21 Então, insistindo em suas ameaças, deixaram Pedro e João em liberdade, já que não tinham meio de castigá-los, por causa do povo. Pois todos glorificavam a Deus pelo que havia acontecido.

    Palavra do Senhor.

    Sl 117(118)

    Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes.

    1 – Dai graças ao Senhor, porque ele é bom! / “Eterna é a sua misericórdia!” /
    O Senhor é minha força e o meu canto / e tornou-se para mim o salvador. /
    “Clamores de alegria e de vitória / ressoem pelas tendas dos fiéis. – R.

    2 – A mão direita do Senhor fez maravilhas, † a mão direita do Senhor me levantou, /
    a mão direita do Senhor fez maravilhas!” / O Senhor severamente me provou, /
    mas não me abandonou às mãos da morte. – R.

    3 – Abri-me, vós, abri-me as portas da justiça; / quero entrar para dar graças ao Senhor! /
    “Sim, esta é a porta do Senhor, / por ela só os justos entrarão!” /
    Dou-vos graças, ó Senhor, porque me ouvistes / e vos tornastes para mim o salvador! – R.

    Marcos 16,9-15

    9 Depois de ressuscitar, na madrugada do primeiro dia após o sábado, Jesus apareceu primeiro a Maria Madalena, da qual havia expulsado sete demônios. 10 Ela foi anunciar isso aos seguidores de Jesus, que estavam de luto e chorando. 11 Quando ouviram que ele estava vivo e fora visto por ela, não quiseram acreditar. 12 Em seguida, Jesus apareceu a dois deles, com outra aparência, enquanto estavam indo para o campo. 13 Eles também voltaram e anunciaram isso aos outros. Também a estes não deram crédito. 14 Por fim, Jesus apareceu aos onze discípulos enquanto estavam comendo, repreendeu-os por causa da falta de fé e pela dureza de coração, porque não tinham acreditado naqueles que o tinham visto ressuscitado. 15 E disse-lhes: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o evangelho a toda criatura!”

    Palavra da Salvação.

    Mc 16,9-15

    “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho”.

    Não foi através da fala de outros, nem da leitura em livros, que os apóstolos conseguiram acreditar na presença do Ressuscitado. Era preciso que Ele se manifestasse pessoalmente aos seus amigos para que uma real conversão acontecesse. É claro que eles queriam acreditar no testemunho dos outros, mas não conseguiam por suas próprias forças. Este anseio pela experiência pessoal com o Cristo é o que deve alimentar a caminhada do cristão. A perseverança nesta busca o levará à criatividade e, consequentemente, à gratidão pela descoberta e encontro com o Senhor. Daí brotará a paixão pastoral que manifesta o anúncio de uma experiência vivida pessoalmente e partilhada ao mundo para que outros possam também encontrá-lo. As multidões de Jerusalém sentiam isso ao ouvirem a Pedro e João falando do Ressuscitado. Os chefes dos fariseus reconheciam que eles haviam estado pessoalmente com o Senhor. E nós? Conseguimos nos manter nesta busca diária e revelar aos outros a graça deste encontro?

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • Segundo Domingo da Páscoa

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Atos 5,12-16

    12 Muitos sinais e maravilhas eram realizados entre o povo pelas mãos dos apóstolos. Todos os fiéis se reuniam, com muita união, no pórtico de Salomão. 13 Nenhum dos outros ousava juntar-se a eles, mas o povo estimava-os muito. 14 Crescia sempre mais o número dos que aderiam ao Senhor pela fé; era uma multidão de homens e mulheres. 15 Chegavam a transportar para as praças os doentes em camas e macas, a fim de que, quando Pedro passasse, pelo menos a sua sombra tocasse alguns deles. 16 A multidão vinha até das cidades vizinhas de Jerusalém, trazendo doentes e pessoas atormentadas por maus espíritos. E todos eram curados.

    Palavra do Senhor.

    Sl 117(118)

    Dai graças ao Senhor porque ele é bom! / “Eterna é a sua misericórdia!”

    1 – A casa de Israel agora o diga: / “Eterna é a sua misericórdia!” / A casa de Aarão agora o diga: /
    “Eterna é a sua misericórdia!” / Os que temem o Senhor agora o digam: / “Eterna é a sua misericórdia!” – R.

    2 – “A pedra que os pedreiros rejeitaram / tornou-se agora a pedra angular. / Pelo Senhor é que foi feito tudo isso: /
    que maravilhas ele fez a nossos olhos! / Este é o dia que o Senhor fez para nós, / alegremo-nos e nele exultemos! – R.

    3 – Ó Senhor, dai-nos a vossa salvação, / ó Senhor, dai-nos também prosperidade!” / Bendito seja, em nome do Senhor, /
    aquele que em seus átrios vai entrando! / Desta casa do Senhor vos bendizemos. / Que o Senhor e nosso Deus nos ilumine! – R.

    Apocalipse 1,9-13.17-19

    9 Eu, João, vosso irmão e companheiro na tribulação, e também no reino e na perseverança em Jesus, fui levado à ilha de Patmos por causa da Palavra de Deus e do testemunho que eu dava de Jesus. 10 No dia do Senhor, fui arrebatado pelo Espírito e ouvi atrás de mim uma voz forte, como de trombeta, 11 a qual dizia: “O que vais ver, escreve-o num livro”. 12 Então, voltei-me para ver quem estava falando; e, ao voltar-me, vi sete candelabros de ouro. 13 No meio dos candelabros havia alguém semelhante a um “filho de homem”, vestido com uma túnica comprida e com uma faixa de ouro em volta do peito. 17 Ao vê-lo, caí como morto a seus pés, mas ele colocou sobre mim sua mão direita e disse: “Não tenhas medo. Eu sou o primeiro e o último, 18 aquele que vive. Estive morto, mas agora estou vivo para sempre. Eu tenho a chave da morte e da região dos mortos. 19 Escreve, pois, o que viste, aquilo que está acontecendo e que vai acontecer depois”.

    Palavra do Senhor.

    João 20,19-31

    19 Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse: “A paz esteja convosco”. 20 Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor. 21 Novamente, Jesus disse: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio”. 22 E depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo. 23 A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos”. 24 Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio. 25 Os outros discípulos contaram-lhe depois: “Vimos o Senhor!” Mas Tomé disse-lhes: “Se eu não vir a marca dos pregos em suas mãos, se eu não puser o dedo nas marcas dos pregos e não puser a mão no seu lado, não acreditarei”. 26 Oito dias depois, encontravam-se os discípulos novamente reunidos em casa, e Tomé estava com eles. Estando fechadas as portas, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “A paz esteja convosco”. 27 Depois disse a Tomé: “Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e coloca-a no meu lado. E não sejas incrédulo, mas fiel”. 28 Tomé respondeu: “Meu Senhor e meu Deus!” 29 Jesus lhe disse: “Acreditaste porque me viste? Bem-aventurados os que creram sem terem visto!” 30 Jesus realizou muitos outros sinais, diante dos discípulos, que não estão escritos neste livro. 31 Mas estes foram escritos para que acrediteis que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais a vida em seu nome.

    Palavra da Salvação.

    Jo 20,19-31

    “’Eu vi o Senhor!’; e eis o que ele me disse”.

    Podemos nos colocar ao lado de Tomé apresentando nossa pessoal dificuldade de crer apenas pelas palavras ditas por outros, que “o Senhor está vivo!” “Que Ele se encontra entre nós”, mesmo naqueles momentos difíceis – de divisão, de conflitos, das crises enfrentadas… Conseguir reconhecer o Ressuscitado exige de nós olhá-Lo como a um espelho: permitir que suas chagas reflitam nossas próprias feridas, nossos limites, dificuldades na vivência de sua Boa Nova, nas relações com nossos irmãos, nossa família.

    Colocar os dedos nas feridas do Cristo Ressuscitado é tocar nossas próprias chagas e aceitá-las como sinal de Sua Redenção. Ele nos aceita como somos! Ele nos perdoa em nossos erros! Ele é sinal da graça justamente naqueles momentos que nossos limites nos impedem de seguir adiante! Crer nisto, experimentar tamanha Misericórdia, nos permite encontrar a paz por ele oferecida: “A Paz esteja convosco!”. Não há porque fugir, não há porque se isolar da família, da comunidade. Deus nos aceita como somos e pede que nos esforcemos para fazer o mesmo uns para com os outros. A este Deus, com alegria, professamos: “Nosso Senhor e nosso Deus!”

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • 2ª feira da 2ª Semana da Páscoa

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Atos 4,23-31

    Naqueles dias, 23 logo que foram postos em liberdade, Pedro e João voltaram para junto dos irmãos e contaram tudo o que os sumos sacerdotes e os anciãos haviam dito. 24 Ao ouvirem o relato, todos eles elevaram a voz a Deus, dizendo: “Senhor, tu criaste o céu, a terra, o mar e tudo o que neles existe. 25 Por meio do Espírito Santo, disseste, através do teu servo Davi, nosso pai: ‘Por que se enfureceram as nações, e os povos imaginaram coisas vãs? 26 Os reis da terra se insurgem e os príncipes conspiram unidos contra o Senhor e contra o seu Messias’. 27 Foi assim que aconteceu nesta cidade: Herodes e Pôncio Pilatos uniram-se com os pagãos e o povo de Israel contra Jesus, teu santo servo, a quem ungiste, 28 a fim de executarem tudo o que a tua mão e a tua vontade haviam predeterminado que sucedesse. 29 Agora, Senhor, olha as ameaças que fazem e concede que os teus servos anunciem corajosamente a tua palavra. 30 Estende a mão para que se realizem curas, sinais e prodígios por meio do nome do teu santo servo Jesus”. 31 Quando terminaram a oração, tremeu o lugar onde estavam reunidos. Todos, então, ficaram cheios do Espírito Santo e anunciavam corajosamente a palavra de Deus.

    Palavra do Senhor.

    Sl 2

    Felizes hão de ser todos aqueles / que põem sua esperança no Senhor.

    1 – Por que os povos agitados se revoltam? / Por que tramam as nações projetos vãos? /
    Por que os reis de toda a terra se reúnem † e conspiram os governos todos juntos / contra o Deus onipotente e o seu ungido? /
    “Vamos quebrar suas correntes”, dizem eles, / “e lançar longe de nós o seu domínio!” – R.

    2 – Ri-se deles o que mora lá nos céus; / zomba deles o Senhor onipotente. / Ele, então, em sua ira os ameaça /
    e em seu furor os faz tremer, quando lhes diz: / “Fui eu mesmo que escolhi este meu rei / e em Sião, meu monte santo, o consagrei!” – R.

    3 – O decreto do Senhor promulgarei, † foi assim que me falou o Senhor Deus: / “Tu és meu Filho, e eu hoje te gerei! /
    Podes pedir-me e, em resposta, eu te darei † por tua herança os povos todos e as nações, /
    e há de ser a terra inteira o teu domínio. / Com cetro férreo haverás de dominá-los / e quebrá-los como um vaso de argila!” – R.

    João 3,1-8

    1 Havia um chefe judaico, membro do grupo dos fariseus, chamado Nicodemos, 2 que foi ter com Jesus, de noite, e lhe disse: “Rabi, sabemos que vieste como mestre da parte de Deus. De fato, ninguém pode realizar os sinais que tu fazes, a não ser que Deus esteja com ele”. 3 Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade te digo, se alguém não nasce do alto, não pode ver o reino de Deus”. 4 Nicodemos disse: “Como é que alguém pode nascer se já é velho? Poderá entrar outra vez no ventre de sua mãe?” 5 Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade te digo, se alguém não nasce da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. 6 Quem nasce da carne é carne; quem nasce do Espírito é espírito. 7 Não te admires por eu haver dito: ‘Vós deveis nascer do alto’. 8 O vento sopra onde quer, e tu podes ouvir o seu ruído, mas não sabes de onde vem nem para onde vai. Assim acontece a todo aquele que nasceu do Espírito”.

    Palavra da Salvação.

    Jo 3,1-8

    “Se alguém não nasce da água e do Espírito, não pode entrar no Reino de Deus”.

    A relação que estabelecemos com Deus e a transformação que Ele provoca em nós, conduzindo-nos a uma Vida Nova junto a ele, podem ser compreendidas como um novo nascimento. A Igreja, desde o princípio, compreendeu que através do Batismo nós morremos para o pecado – ou seja, Cristo nos livra da prisão de morte do pecado – e renascemos para uma vida nova na graça do Ressuscitado. Nascemos, portanto, da água e do Espírito para podermos, iluminados pela graça, trilhar nosso caminho rumo ao Reino de Deus. Entretanto este caminho envolve a firme decisão de querermos nos aproximar de Cristo e sua mensagem, de querer experimentar o seu amor e oferecer aquilo que conseguimos amar a Ele e aos nossos irmãos.
    Somente através da experiência de nos sentirmos amados por Deus é que se torna compreensível e possível oferecer o amor cristão. Que Ele nos dê a graça de renascer no seu amor e nos dê a coragem de, guiados pelo seu Espírito, oferecer aquilo que de melhor dispusermos em amor aos outros: isto é verdadeiro sinal do Reino de Deus!

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC

  • 3ª feira da 2ª Semana da Páscoa

    • 1ª Leitura
    • Salmo
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Atos 4,32-37

    32 A multidão dos fiéis era um só coração e uma só alma. Ninguém considerava como próprias as coisas que possuía, mas tudo entre eles era posto em comum. 33 Com grandes sinais de poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus. E os fiéis eram estimados por todos. 34 Entre eles ninguém passava necessidade, pois aqueles que possuíam terras ou casas vendiam-nas, levavam o dinheiro 35 e o colocavam aos pés dos apóstolos. Depois, era distribuído conforme a necessidade de cada um. 36 José, chamado pelos apóstolos de Barnabé, que significa filho da consolação, levita e natural de Chipre, 37 possuía um campo. Vendeu e foi depositar o dinheiro aos pés dos apóstolos.

    Palavra do Senhor.

    Sl 92(93)

    Reina o Senhor, revestiu-se de esplendor.

    1 – Deus é rei e se vestiu de majestade, / revestiu-se de poder e de esplendor! – R.

    2 – Vós firmastes o universo inabalável, † vós firmastes vosso trono desde a origem, /
    desde sempre, ó Senhor, vós existis! – R.

    3 – Verdadeiros são os vossos testemunhos, † refulge a santidade em vossa casa /
    pelos séculos dos séculos, Senhor! – R.

    João 3,7-15

    Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: 7 “Vós deveis nascer do alto. 8 O vento sopra onde quer, e tu podes ouvir o seu ruído, mas não sabes de onde vem nem para onde vai. Assim acontece a todo aquele que nasceu do Espírito”. 9 Nicodemos perguntou: “Como é que isso pode acontecer?” 10 Respondeu-lhe Jesus: “Tu és mestre em Israel, mas não sabes estas coisas? 11 Em verdade, em verdade te digo, nós falamos daquilo que sabemos e damos testemunho daquilo que temos visto, mas vós não aceitais o nosso testemunho. 12 Se não acreditais quando vos falo das coisas da terra, como acreditareis se vos falar das coisas do céu? 13 E ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do homem. 14 Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do homem seja levantado, 15 para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna”.

    Palavra da Salvação.­

    Jo 3,7b-15

    “Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem”.

    A nossa sede por explicações racionais podem se tornar grave empecilho para alcançar a simples sabedoria das coisas de Deus. O fariseu Nicodemos, embora fosse um homem justo e se esforçasse para compreender o que Jesus lhe explicava, ainda se via preso às considerações racionais sobre como seria possível renascer para a Vida Nova que Cristo lhe propunha. Jesus, cheio de paciência, lhe explica que não será possível compreender sem antes experimentar aquilo que Jesus lhe propõe. Não será possível abraçar a graça de Deus, sem antes experimentar o sentimento de já tê-la recebido, em cada um dos dias vividos: a graça da vida, da família, da força do trabalho, da saúde dos filhos, da inteligência para os estudos… Cristo fala da Vida Nova, da Ressurreição, e ele a experimentará por si mesmo e nos indicará que este é o destino de todo aquele que nele crê. Ele será erguido na cruz para a salvação de todos. Considerar este mistérios nos permitirá compreender e experimentar tamanho amor que motivou o Cristo a tudo isto viver e nos permitirá amar de igual forma aos outros.

    Reflexão feita pelos noviços

    Noviciado São José

    Rodeio – SC