Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Liturgia diária

maio/2022

  • 3º Domingo da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 5,27-32.40-41

    Naqueles dias, os guardas levaram os apóstolos e os apresentaram ao sinédrio. 27O sumo sacerdote começou a interrogá-los, dizendo: 28“Nós tínhamos proibido expressamente que vós ensinásseis em nome de Jesus. Apesar disso, enchestes a cidade de Jerusalém com a vossa doutrina. E ainda nos quereis tornar responsáveis pela morte desse homem!” 29Então Pedro e os outros apóstolos responderam: “É preciso obedecer a Deus antes que aos homens. 30O Deus de nossos pais ressuscitou Jesus, a quem vós matastes, pregando-o numa cruz. 31Deus, por seu poder, o exaltou, tornando-o guia supremo e salvador, para dar ao povo de Israel a conversão e o perdão dos seus pecados. 32E disso somos testemunhas, nós e o Espírito Santo, que Deus concedeu àqueles que lhe obedecem”. 40Então mandaram açoitar os apóstolos e proibiram que eles falassem em nome de Jesus, e depois os soltaram. 41Os apóstolos saíram do conselho muito contentes por terem sido considerados dignos de injúrias por causa do nome de Jesus.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 29(30)
    Eu vos exalto, ó Senhor, porque vós me livrastes.

    Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livrastes / e não deixastes rir de mim meus inimigos! /
    Vós tirastes minha alma dos abismos / e me salvastes quando estava já morrendo! – R.

    Cantai salmos ao Senhor, povo fiel, / dai-lhe graças e invocai seu santo nome! /
    Pois sua ira dura apenas um momento, / mas sua bondade permanece a vida inteira; /
    se à tarde vem o pranto visitar-nos, / de manhã vem saudar-nos a alegria. – R.

    Escutai-me, Senhor Deus, tende piedade! / Sede, Senhor, o meu abrigo protetor! /
    Transformastes o meu pranto em uma festa, / Senhor meu Deus, eternamente hei de louvar-vos! – R.

    Apocalipse 5,11-14

    Eu, João, vi 11e ouvi a voz de numerosos anjos, que estavam em volta do trono, e dos seres vivos e dos anciãos. Eram milhares de milhares, milhões de milhões, 12e proclamavam em alta voz: “O Cordeiro imolado é digno de receber o poder, a riqueza, a sabedoria e a força, a honra, a glória e o louvor”. 13Ouvi também todas as criaturas que estão no céu, na terra, debaixo da terra e no mar, e tudo o que neles existe, e diziam: “Ao que está sentado no trono e ao Cordeiro, o louvor e a honra, a glória e o poder para sempre”. 14Os quatro seres vivos respondiam: “Amém”, e os anciãos se prostraram em adoração daquele que vive para sempre.

    Palavra do Senhor.

    João 21,1-19 ou 1-14

    [Naquele tempo, 1Jesus apareceu de novo aos discípulos, à beira do mar de Tiberíades. A aparição foi assim: 2estavam juntos Simão Pedro, Tomé, chamado Dídimo, Natanael, de Caná da Galileia, os filhos de Zebedeu e outros dois discípulos de Jesus. 3Simão Pedro disse a eles: “Eu vou pescar”. Eles disseram: “Também vamos contigo”. Saíram e entraram na barca, mas não pescaram nada naquela noite. 4Já tinha amanhecido, e Jesus estava de pé na margem. Mas os discípulos não sabiam que era Jesus. 5Então Jesus disse: “Moços, tendes alguma coisa para comer?” Responderam: “Não”. 6Jesus disse-lhes: “Lançai a rede à direita da barca e achareis”. Lançaram, pois, a rede e não conseguiam puxá-la para fora, por causa da quantidade de peixes. 7Então, o discípulo a quem Jesus amava disse a Pedro: “É o Senhor!” Simão Pedro, ouvindo dizer que era o Senhor, vestiu sua roupa, pois estava nu, e atirou-se ao mar. 8Os outros discípulos vieram com a barca, arrastando a rede com os peixes. Na verdade, não estavam longe da terra, mas somente a cerca de cem metros. 9Logo que pisaram a terra, viram brasas acesas, com peixe em cima, e pão. 10Jesus disse-lhes: “Trazei alguns dos peixes que apanhastes”. 11Então Simão Pedro subiu ao barco e arrastou a rede para a terra. Estava cheia de cento e cinquenta e três grandes peixes; e apesar de tantos peixes, a rede não se rompeu. 12Jesus disse-lhes: “Vinde comer”. Nenhum dos discípulos se atrevia a perguntar quem era ele, pois sabiam que era o Senhor. 13Jesus aproximou-se, tomou o pão e distribuiu-o por eles. E fez a mesma coisa com o peixe. 14Esta foi a terceira vez que Jesus, ressuscitado dos mortos, apareceu aos discípulos.] 15Depois de comerem, Jesus perguntou a Simão Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas mais do que estes?” Pedro respondeu: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus disse: “Apascenta os meus cordeiros”. 16E disse de novo a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro disse: “Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo”. Jesus lhe disse: “Apascenta as minhas ovelhas”. 17Pela terceira vez, perguntou a Pedro: “Simão, filho de João, tu me amas?” Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: “Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo”. Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas. 18Em verdade, em verdade te digo, quando eras jovem, tu te cingias e ias para onde querias. Quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá e te levará para onde não queres ir”. 19Jesus disse isso, significando com que morte Pedro iria glorificar a Deus. E acrescentou: “Segue-me”.

    Palavra da salvação.

    “Moços, tendes alguma coisa para comer? ”

    “Moços, tendes alguma coisa para comer? ” Esta pergunta de Jesus aos seus discípulos pode, a princípio, causar-nos estranhamento: Por que Jesus tem vontade de comer algo a ponto de pedir aos seus discípulos, sendo que ao chegarem à praia Jesus os espera com pão e peixe na brasa?

    O que tudo indica é que Jesus não tem vontade de comer para matar a fome física, mas essa é a vontade ardente de comer a ceia com seus apóstolos. Isto é, de vivenciar a eucaristia com seus discípulos no ordinário da vida, no dia a dia.

    Jesus não precisava em si do peixe. Mas ao chegarem à praia Ele pede que tragam alguns peixes que haviam apanhado. Tudo isso revela a maneira de Deus agir. Jesus se faz necessitado, não porque de fato o é, mas o faz em nosso favor. Porque desse modo ele se aproxima de nós e nos transforma, pede de nós aquilo que temos e somos para que tudo isso seja transformado, mudado e glorificado.

    Esse é o modo de Jesus: um Deus que se faz homem, para nos humanizar; um Deus que se faz pecado, para nos salvar; um Deus que se rebaixa, para nos elevar; é, por fim, um Deus que nos pede alimento para que todos os dias possamos ser por ele, e nele, alimentados pela santa Eucaristia, na humilde e modesta aparência de pão.

    Reflexão dos Noviços da Província

     

  • Santo Atanásio

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 6,8-15

    Naqueles dias, 8Estêvão, cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. 9Mas alguns membros da chamada Sinagoga dos Libertos, junto com cirenenses e alexandrinos e alguns da Cilícia e da Ásia, começaram a discutir com Estêvão. 10Porém não conseguiam resistir à sabedoria e ao Espírito com que ele falava. 11Então subornaram alguns indivíduos, que disseram: “Ouvimos este homem dizendo blasfêmias contra Moisés e contra Deus”. 12Desse modo, incitaram o povo, os anciãos e os doutores da Lei, que prenderam Estêvão e o conduziram ao sinédrio. 13Aí apresentaram falsas testemunhas, que diziam: “Este homem não cessa de falar contra este lugar santo e contra a Lei. 14E nós o ouvimos afirmar que Jesus Nazareno ia destruir este lugar e ia mudar os costumes que Moisés nos transmitiu”. 15Todos os que estavam sentados no sinédrio tinham os olhos fixos sobre Estêvão e viram seu rosto como o rosto de um anjo.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 118(119)
    Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo.

    Que os poderosos reunidos me condenem; / o que me importa é o vosso julgamento! /
    Minha alegria é a vossa Aliança, / meus conselheiros são os vossos mandamentos. – R.

    Eu vos narrei a minha sorte e me atendestes, / ensinai-me, ó Senhor, vossa vontade! /
    Fazei-me conhecer vossos caminhos / e então meditarei vossos prodígios! – R.

    Afastai-me do caminho da mentira / e dai-me a vossa lei como um presente! /
    seguir a trilha da verdade, / diante de mim eu coloquei vossos preceitos. – R.

    João 6,22-29

    Depois que Jesus saciara os cinco mil homens, seus discípulos o viram andando sobre o mar. 22No dia seguinte, a multidão que tinha ficado do outro lado do mar constatou que havia só uma barca e que Jesus não tinha subido para ela com os discípulos, mas que eles tinham partido sozinhos. 23Entretanto, tinham chegado outras barcas de Tiberíades, perto do lugar onde tinham comido o pão depois de o Senhor ter dado graças. 24Quando a multidão viu que Jesus não estava ali nem os seus discípulos, subiram às barcas e foram à procura de Jesus em Cafarnaum. 25Quando o encontraram no outro lado do mar, perguntaram-lhe: “Rabi, quando chegaste aqui?” 26Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade eu vos digo, estais me procurando não porque vistes sinais, mas porque comestes pão e ficastes satisfeitos. 27Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna e que o Filho do Homem vos dará. Pois este é quem o Pai marcou com seu selo”. 28Então perguntaram: “Que devemos fazer para realizar as obras de Deus?” 29Jesus respondeu: “A obra de Deus é que acrediteis naquele que ele enviou”.

    Palavra da salvação.

    “Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna”

    A Palavra de Deus de hoje nos mostra um povo no qual acredita no dom e não no doador. Jesus fazia vários benefícios ao seu povo, mas poucas pessoas acreditavam nele.
    No Evangelho, todo o povo daquela época procurava Jesus, mas esta multidão não conseguia ver Jesus como o Pão da Vida. Contudo, Ele dá uma resposta que é o grande ensinamento da fé: “Esforçai-vos não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna.

    Neste dia também é celebrada a memória de Santo Atanásio, bispo e doutor da Igreja. Ele foi bispo de Alexandria no século quarto, foi o grande defensor contra os arianos, da verdade da plena divindade de Cristo.

    Pois bem, irmãos e irmãs, que a exemplo de Santo Atanásio, possamos defender sempre a divindade de Cristo, seguindo-o e evangelizado seu nome a todos. Que tenhamos uma boa e proveitosa semana. Paz e Bem!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Santos Filipe e Tiago Menor

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    1 Coríntios 15,1-8

    1Irmãos, quero lembrar-vos o Evangelho que vos preguei e que recebestes, e no qual estais firmes. 2Por ele sois salvos, se o estais guardando tal qual ele vos foi pregado por mim. De outro modo, teríeis abraçado a fé em vão. 3Com efeito, transmiti-vos, em primeiro lugar, aquilo que eu mesmo tinha recebido, a saber: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; 4que foi sepultado; que, ao terceiro dia, ressuscitou, segundo as Escrituras; 5e que apareceu a Cefas e, depois, aos Doze. 6Mais tarde, apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma vez. Destes, a maioria ainda vive e alguns já morreram. 7Depois, apareceu a Tiago e, depois, apareceu aos apóstolos todos juntos. 8Por último, apareceu também a mim, como a um abortivo.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 18(19)
    Seu som ressoa e se espalha em toda a terra.

    Os céus proclamam a glória do Senhor, / e o firmamento, a obra de suas mãos; /
    o dia ao dia transmite esta mensagem, / a noite à noite publica esta notícia. – R.

    Não são discursos nem frases ou palavras, / nem são vozes que possam ser ouvidas; /
    seu som ressoa e se espalha em toda a terra, / chega aos confins do universo a sua voz. – R.

    João 14,6-14

    Naquele tempo, Jesus disse a Tomé: 6“Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim. 7Se vós me conhecêsseis, conheceríeis também o meu Pai. E desde agora o conheceis e o vistes”. 8Disse Filipe: “Senhor, mostra-nos o Pai, isso nos basta!” 9Jesus respondeu: “Há tanto tempo estou convosco e não me conheces, Filipe? Quem me viu, viu o Pai. Como é que tu dizes: ‘Mostra-nos o Pai’? 10Não acreditas que eu estou no Pai e o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo, não as digo por mim mesmo, mas é o Pai que, permanecendo em mim, realiza as suas obras. 11Acreditai-me, eu estou no Pai e o Pai está em mim. Acreditai, ao menos, por causa dessas mesmas obras. 12Em verdade, em verdade vos digo, quem acredita em mim fará as obras que eu faço e fará ainda maiores do que estas, pois eu vou para o Pai. 13E o que pedirdes em meu nome, eu o realizarei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. 14Se pedirdes algo em meu nome, eu o realizarei”.

    Palavra da salvação.

    “Há tanto tempo estou convosco, e não me conheces?”

    Em Cristo, Deus veio até nós, a fim de que possamos ir até Ele. O Senhor se faz acesso para nós, está sempre à porta esperando que a abramos para receber a graça, mas é necessário pedir. Deus sabe de todos os nossos desejos e anseios, porém quer que peçamos, que conversemos com Ele, que quebremos as barreiras da autossuficiência e nos reconheçamos necessitados.

    Jesus é o mediador, e através da intimidade com Ele, é que se alcança o Pai. Isso fica bem claro no Evangelho de hoje quando Jesus fala: ”Eu estou no Pai e o Pai está em mim”. E e ainda: “O que pedirdes em meu nome, eu o realizarei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho”.

    Portanto, conversemos com Deus, sem medo. Ele é todo Misericórdia e Amor,  falemos sobre nossas vidas, nossos pedidos, para que, renovados por sua bondade infinita, sejamos impulsionados ao amor e ao diálogo fraterno.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 4ª-feira da 3ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 8,1-8

    Naquele dia começou uma grande perseguição contra a Igreja de Jerusalém. E todos, com exceção dos apóstolos, se dispersaram pelas regiões da Judeia e da Samaria. 2Algumas pessoas piedosas sepultaram Estêvão e observaram grande luto por causa dele. 3Saulo, porém, devastava a Igreja: entrava nas casas e arrastava para fora homens e mulheres, para atirá-los na prisão. 4Entretanto, aqueles que se tinham dispersado iam por toda parte, pregando a Palavra. 5Filipe desceu a uma cidade da Samaria e anunciou-lhes o Cristo. 6As multidões seguiam com atenção as coisas que Filipe dizia. E todos unânimes o escutavam, pois viam os milagres que ele fazia. 7De muitos possessos saíam os espíritos maus, dando grandes gritos. Numerosos paralíticos e aleijados também foram curados. 8Era grande a alegria naquela cidade.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl: 65(66)
    Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira.

    Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, / cantai salmos a seu nome glorioso, /
    dai a Deus a mais sublime louvação! / Dizei a Deus: “Como são grandes vossas obras! – R.

    Toda a terra vos adore com respeito / e proclame o louvor de vosso nome!” /
    Vinde ver todas as obras do Senhor: / seus prodígios estupendos entre os homens! – R.

    O mar ele mudou em terra firme, / e passaram pelo rio a pé enxuto. /
    Exultemos de alegria no Senhor! / Ele domina para sempre com poder! – R.

    João 6,35-40

    Naquele tempo, disse Jesus à multidão: 35“Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crê em mim nunca mais terá sede. 36Eu, porém, vos disse que vós me vistes, mas não acreditais. 37Todos os que o Pai me confia virão a mim, e quando vierem, não os afastarei. 38Pois eu desci do céu não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. 39E esta é a vontade daquele que me enviou: que eu não perca nenhum daqueles que ele me deu, mas os ressuscite no último dia. 40Pois esta é a vontade do meu Pai: que toda pessoa que vê o Filho e nele crê tenha a vida eterna. E eu o ressuscitarei no último dia”.

    Palavra da salvação.

    “Eu sou o pão da vida”.

    No Evangelho de hoje Jesus se identifica: ele é aquele que nos nutre, nos livra da morte espiritual e nos conduz à vida eterna.  Fala da falta de fé, mesmo daqueles que se aproximam dele, mas não O percebem de verdade, pois para isso é preciso perceber as coisas não com a carne, mas com o espírito. Fala de acolhimento, Ele não apartará nenhum daqueles que o procurarem, inspirados pelo Pai, mas para isso acontecer é preciso que estejamos receptivos e alertas no espírito. Fala ainda de obediência. Ele obedece a vontade do Pai, não por submissão, mas, por amor, e assim devemos fazer.

    A vontade do Pai é sinônimo de amor. Mesmo que por hora não saibamos reconhecer que poderá vir algo de bom daquilo que nos parece ruim, no futuro entenderemos. O que não compreendemos, guardemos como o fez Maria e nos entreguemos integralmente a Deus. A vida é o dom mais precioso que Deus nos deu. Jesus quer dinamizá-la no amor. Tenhamos, pois, vida plena em Cristo.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 5ª-feira da 3ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 8,26-40

    Naqueles dias, 26um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: “Prepara-te e vai para o sul, no caminho que desce de Jerusalém a Gaza. O caminho é deserto”. Filipe levantou-se e foi. 27Nisso apareceu um eunuco etíope, ministro de Candace, rainha da Etiópia, e administrador-geral do seu tesouro, que tinha ido em peregrinação a Jerusalém. 28Ele estava voltando para casa e vinha sentado no seu carro, lendo o profeta Isaías. 29Então o Espírito disse a Filipe: “Aproxima-te desse carro e acompanha-o”. 30Filipe correu, ouviu o eunuco ler o profeta Isaías e perguntou: “Tu compreendes o que estás lendo?” 31O eunuco respondeu: “Como posso, se ninguém mo explica?” Então convidou Filipe a subir e a sentar-se junto a ele. 32A passagem da Escritura que o eunuco estava lendo era esta: “Ele foi levado como ovelha ao matadouro; e qual um cordeiro diante do seu tosquiador, ele emudeceu e não abriu a boca. 33Eles o humilharam e lhe negaram justiça; e seus descendentes, quem os poderá enumerar? Pois sua vida foi arrancada da terra”. 34E o eunuco disse a Filipe: “Peço que me expliques de quem o profeta está dizendo isso. Ele fala de si mesmo ou se refere a algum outro?” 35Então Filipe começou a falar e, partindo dessa passagem da Escritura, anunciou Jesus ao eunuco. 36Eles prosseguiram o caminho e chegaram a um lugar onde havia água. Então o eunuco disse a Filipe: “Aqui temos água. O que impede que eu seja batizado?”(37) 38O eunuco mandou parar o carro. Os dois desceram para a água, e Filipe batizou o eunuco. 39Quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou Filipe. O eunuco não o viu mais e prosseguiu sua viagem, cheio de alegria. 40Filipe foi parar em Azoto. E, passando adiante, evangelizava todas as cidades até chegar a Cesareia.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl: 65(66)
    Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira.

    Nações, glorificai ao nosso Deus, / anunciai em alta voz o seu louvor! /
    É ele quem dá vida à nossa vida / e não permite que vacilem nossos pés. – R.

    Todos vós que a Deus temeis, vinde escutar: / vou contar-vos todo bem que ele me fez! /
    Quando a ele o meu grito se elevou, / já havia gratidão em minha boca! – R.

    Bendito seja o Senhor Deus, que me escutou, † não rejeitou minha oração e meu clamor /
    nem afastou longe de mim o seu amor! – R.

    João 6,44-51

    Naquele tempo, disse Jesus à multidão: 44“Ninguém pode vir a mim se o Pai que me enviou não o atrai. E eu o ressuscitarei no último dia. 45Está escrito nos Profetas: ‘Todos serão discípulos de Deus’. Ora, todo aquele que escutou o Pai e por ele foi instruído vem a mim. 46Não que alguém já tenha visto o Pai. Só aquele que vem de junto de Deus viu o Pai. 47Em verdade, em verdade vos digo, quem crê possui a vida eterna. 48Eu sou o pão da vida. 49Os vossos pais comeram o maná no deserto e, no entanto, morreram. 50Eis aqui o pão que desce do céu: quem dele comer nunca morrerá. 51Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão que eu darei é a minha carne dada para a vida do mundo”.

    Palavra da salvação.

    “Em verdade, em verdade vos digo, quem crê, possui a vida eterna”

    No Evangelho de hoje vemos Jesus afirmar que “aquele que crê, possui a vida eterna” (Jo 6, 47), pois Ele, vindo do Pai, doa-se totalmente por aqueles que estão dispostos a seguir seus ensinamentos, a ouvir as suas palavras. Sua doação rompe com a finitude da vida, fazendo a morte fracassar e a vida vencer. Todo aquele que crê é capaz de entrar na dinâmica da vida eterna, que é a comunhão com os anjos e santos, já no momento presente.

    “Quem comer deste pão viverá eternamente” (Jo 6, 51), diz o Senhor. Se por um lado temos a crença, no outro lado temos a prática, ou seja, a conquista da vida eterna requer uma busca, um esforço para estar em consonância com aquilo que se crê. É necessário estar em comunhão com Jesus, colocando em prática os seus ensinamentos.

    Jesus é vida e veio dá-la plenamente a todos nós, que possamos então vencer o medo da morte e semearmos mais vida, partilhando esperança, felicidade, cuidado e amor.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 6ª-feira da 3ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 9,1-20

    Naqueles dias, 1Saulo só respirava ameaças e morte contra os discípulos do Senhor. Ele apresentou-se ao sumo sacerdote 2e pediu-lhe cartas de recomendação para as sinagogas de Damasco, a fim de levar presos para Jerusalém os homens e mulheres que encontrasse seguindo o Caminho. 3Durante a viagem, quando já estava perto de Damasco, Saulo, de repente, viu-se cercado por uma luz que vinha do céu. 4Caindo por terra, ele ouviu uma voz que lhe dizia: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” 5Saulo perguntou: “Quem és tu, Senhor?” A voz respondeu: “Eu sou Jesus, a quem tu estás perseguindo. 6Agora, levanta-te, entra na cidade, e ali te será dito o que deves fazer”. 7Os homens que acompanhavam Saulo ficaram mudos de espanto, porque ouviam a voz, mas não viam ninguém. 8Saulo levantou-se do chão e abriu os olhos, mas não conseguia ver nada. Então pegaram nele pela mão e levaram-no para Damasco. 9Saulo ficou três dias sem poder ver. E não comeu nem bebeu. 10Em Damasco havia um discípulo chamado Ananias. O Senhor o chamou numa visão: “Ananias!” E Ananias respondeu: “Aqui estou, Senhor!” 11O Senhor lhe disse: “Levanta-te, vai à rua que se chama Direita e procura, na casa de Judas, por um homem de Tarso chamado Saulo. Ele está rezando”. 12E, numa visão, Saulo contemplou um homem chamado Ananias entrando e impondo-lhe as mãos para que recuperasse a vista. 13Ananias respondeu: “Senhor, já ouvi muitos falarem desse homem e do mal que fez aos teus fiéis que estão em Jerusalém. 14E aqui em Damasco ele tem plenos poderes, recebidos dos sumos sacerdotes, para prender todos os que invocam o teu nome”. 15Mas o Senhor disse a Ananias: “Vai, porque esse homem é um instrumento que escolhi para anunciar o meu nome aos pagãos, aos reis e ao povo de Israel. 16Eu vou mostrar-lhe quanto ele deve sofrer por minha causa”. 17Então Ananias saiu, entrou na casa e impôs as mãos sobre Saulo, dizendo: “Saulo, meu irmão, o Senhor Jesus, que te apareceu quando vinhas no caminho, ele me mandou aqui para que tu recuperes a vista e fiques cheio do Espírito Santo”. 18Imediatamente caíram dos olhos de Saulo como que escamas e ele recuperou a vista. Em seguida, Saulo levantou-se e foi batizado. 19Tendo tomado alimento, sentiu-se reconfortado. Saulo passou alguns dias com os discípulos de Damasco 20e logo começou a pregar nas sinagogas, afirmando que Jesus é o Filho de Deus.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 116(117)
    Ide por todo o mundo, / a todos pregai o Evangelho.

    Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes, / povos todos, festejai-o! – R.

    Pois comprovado é seu amor para conosco, / para sempre ele é fiel! – R.

    João 6,52-59

    Naquele tempo, 52os judeus discutiam entre si, dizendo: “Como é que ele pode dar a sua carne a comer?” 53Então Jesus disse: “Em verdade, em verdade vos digo, se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. 54Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. 55Porque a minha carne é verdadeira comida e o meu sangue, verdadeira bebida. 56Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. 57Como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo por causa do Pai, assim o que me come viverá por causa de mim. 58Este é o pão que desceu do céu. Não é como aquele que os vossos pais comeram. Eles morreram. Aquele que come este pão viverá para sempre”. 59Assim falou Jesus, ensinando na sinagoga em Cafarnaum.

    Palavra da salvação.

    “A minha carne é verdadeira carne e o meu sangue, verdadeira bebida. ”

    No Evangelho de hoje, Jesus insiste para que compreendamos que Ele é a Vida Eterna, a verdadeira comida e a verdadeira bebida.

    Esta insistência de Jesus é provocante. É uma revelação de si. Aquele que desceu do céu é o Pão da Vida! Por isso, comer o pão é crer no Crucificado. Mas Jesus aumenta ainda mais a sua insistência, falando não apenas de comer a carne do Filho do Homem, mas ainda beber-lhe o sangue, algo que era considerado escândalo na época.

    Deste modo, fica evidente o mistério da Eucaristia e nos leva a compreender que não se pode assimilar o mistério da pessoa de Jesus se não se tem em conta sua dimensão pascal. Encarnação, Redenção e Eucaristia são três aspectos inseparáveis do mistério de Cristo.

    Saibamos reconhecer sempre a importância de Jesus em nosso meio. Reconhecer que necessitamos Dele e, com Ele, teremos a Vida Eterna. Seremos saciados com o seu Corpo e com seu Sangue, e chegaremos um dia à morada celeste. Que o Senhor, pobre e crucificado, nos abençoe inteiramente com muitas graças e nos seja sempre a fonte da Vida Eterna. Paz e Bem!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Sábado da 3ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 9,31-42

    Naqueles dias, 31a Igreja vivia em paz em toda a Judeia, Galileia e Samaria. Ela consolidava-se e progredia no temor do Senhor e crescia em número com a ajuda do Espírito Santo. 32Pedro percorria todos os lugares; e visitou também os fiéis que moravam em Lida. 33Encontrou aí um homem chamado Eneias, que estava paralítico e há oito anos jazia numa cama. 34Pedro disse-lhe: “Eneias, Jesus Cristo te cura! Levanta-te e arruma a tua cama!” Imediatamente Eneias se levantou. 35Todos os habitantes de Lida e da região do Saron viram isso e se converteram ao Senhor. 36Em Jope havia uma discípula chamada Tabita, nome que quer dizer Gazela. Eram muitas as boas obras que fazia e as esmolas que dava. 37Naqueles dias ela ficou doente e morreu. Então lavaram seu corpo e o colocaram no andar superior da casa. 38Como Lida ficava perto de Jope, e ouvindo dizer que Pedro estava lá, os discípulos mandaram dois homens com um recado: “Vem depressa até nós!” 39Pedro partiu imediatamente com eles. Assim que chegou, levaram-no ao andar superior, onde todas as viúvas foram ao seu encontro. Chorando, elas mostravam a Pedro as túnicas e mantos que Tabita havia feito quando vivia com elas. 40Pedro mandou que todos saíssem. Em seguida, pôs-se de joelhos e rezou. Depois, voltou-se para o corpo e disse: “Tabita, levanta-te!” Ela então abriu os olhos, viu Pedro e sentou-se. 41Pedro deu-lhe a mão e ajudou-a a levantar-se. Depois chamou os fiéis e as viúvas e apresentou-lhes Tabita viva. 42O fato ficou conhecido em toda a cidade de Jope, e muitos acreditaram no Senhor.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 115(116B)
    Que poderei retribuir ao Senhor Deus / por tudo aquilo que ele fez em meu favor?

    Que poderei retribuir ao Senhor Deus / por tudo aquilo que ele fez em meu favor? /
    Elevo o cálice da minha salvação, / invocando o nome santo do Senhor. – R.

    Vou cumprir minhas promessas ao Senhor / na presença de seu povo reunido. /
    É sentida por demais pelo Senhor / a morte de seus santos, seus amigos. – R.

    Eis que sou o vosso servo, ó Senhor, † vosso servo que nasceu de vossa serva; /
    mas me quebrastes os grilhões da escravidão! / Por isso oferto um sacrifício de louvor, /
    invocando o nome santo do Senhor. – R.

    João 6,60-69

    Naquele tempo, 60muitos dos discípulos de Jesus que o escutaram, disseram: “Esta palavra é dura. Quem consegue escutá-la?” 61Sabendo que seus discípulos estavam murmurando por causa disso mesmo, Jesus perguntou: “Isso vos escandaliza? 62E quando virdes o Filho do Homem subindo para onde estava antes? 63O Espírito é que dá vida, a carne não adianta nada. As palavras que vos falei são espírito e vida. 64Mas entre vós há alguns que não creem”. Jesus sabia, desde o início, quem eram os que não tinham fé e quem havia de entregá-lo. 65E acrescentou: “É por isso que vos disse: ninguém pode vir a mim, a não ser que lhe seja concedido pelo Pai”. 66A partir daquele momento, muitos discípulos voltaram atrás e não andavam mais com ele. 67Então, Jesus disse aos doze: “Vós também quereis ir embora?” 68Simão Pedro respondeu: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. 69Nós cremos firmemente e reconhecemos que tu és o santo de Deus”.

    Palavra da salvação.

    “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna”

    No Evangelho de hoje, após proferido o discurso do Pão da Vida, alguns dos discípulos deixaram de seguir Jesus, por acharem suas palavras duras demais.

    Por vezes, em nossa caminhada espiritual, também podemos ter dúvidas ou dificuldades para entender algum ponto da fé. Isso é normal dentro do discipulado, e não devemos nos sentir mal por isso. Porém, nossa atitude não deve ser de abandono a Jesus, mas, pelo contrário, de aproximação, para que o Bom Mestre ensine pacientemente Sua palavra ao seu discípulo, ou seja, a nós. Essa é a postura dos seguidores de Cristo.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 4º Domingo da páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 13,14.43-52

    Naqueles dias, Paulo e Barnabé, 14partindo de Perge, chegaram a Antioquia da Pisídia. E, entrando na sinagoga em dia de sábado, sentaram-se. 43Muitos judeus e pessoas piedosas convertidas ao judaísmo seguiram Paulo e Barnabé. Conversando com eles, os dois insistiam para que continuassem fiéis à graça de Deus. 44No sábado seguinte, quase toda a cidade se reuniu para ouvir a Palavra de Deus. 45Ao verem aquela multidão, os judeus ficaram cheios de inveja e, com blasfêmias, opunham-se ao que Paulo dizia. 46Então, com muita coragem, Paulo e Barnabé declararam: “Era preciso anunciar a Palavra de Deus primeiro a vós. Mas como a rejeitais e vos considerais indignos da vida eterna, sabei que vamos dirigir-nos aos pagãos. 47Porque esta é a ordem que o Senhor nos deu: ‘Eu te coloquei como luz para as nações, para que leves a salvação até os confins da terra’”. 48Os pagãos ficaram muito contentes quando ouviram isso e glorificavam a Palavra do Senhor. Todos os que eram destinados à vida eterna abraçaram a fé. 49Desse modo, a Palavra do Senhor espalhava-se por toda a região. 50Mas os judeus instigaram as mulheres ricas e religiosas, assim como os homens influentes da cidade, provocaram uma perseguição contra Paulo e Barnabé e expulsaram-nos do seu território. 51Então os apóstolos sacudiram contra eles a poeira dos pés e foram para a cidade de Icônio. 52Os discípulos, porém, ficaram cheios de alegria e do Espírito Santo.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 99(100)
    Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, / nós somos seu povo e seu rebanho.

    Aclamai o Senhor, ó terra inteira, † servi ao Senhor com alegria, / ide a ele cantando jubilosos! – R.

    Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, † ele mesmo nos fez e somos seus, / nós somos seu povo e seu rebanho. – R.

    Sim, é bom o Senhor e nosso Deus, † sua bondade perdura para sempre, / seu amor é fiel eternamente! – R.

    Apocalipse 7,9.14-17

    Eu, João, 9vi uma multidão imensa de gente de todas as nações, tribos, povos e línguas e que ninguém podia contar. Estavam de pé diante do trono e do Cordeiro; trajavam vestes brancas e traziam palmas na mão. 14Então, um dos anciãos me disse: “Esses são os que vieram da grande tribulação. Lavaram e alvejaram as suas roupas no sangue do Cordeiro. 15Por isso, estão diante do trono de Deus e lhe prestam culto, dia e noite, no seu templo. E aquele que está sentado no trono os abrigará na sua tenda. 16Nunca mais terão fome nem sede. Nem os molestará o sol nem algum calor ardente. 17Porque o Cordeiro, que está no meio do trono, será o seu pastor e os conduzirá às fontes da água da vida. E Deus enxugará as lágrimas de seus olhos”.

    Palavra do Senhor.

    João 10,27-30

    Naquele tempo, disse Jesus: 27“As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem. 28Eu dou-lhes a vida eterna, e elas jamais se perderão. E ninguém vai arrancá-las de minha mão. 29Meu Pai, que me deu estas ovelhas, é maior que todos, e ninguém pode arrebatá-las da mão do Pai. 30Eu e o Pai somos um”.

    Palavra da salvação.

    “As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem”

    No Evangelho de hoje, Jesus se apresenta como o Pastor de suas ovelhas, que somos cada um de nós. Nosso Senhor Jesus Cristo é o Pastor e nos conhece profundamente. Conhece nossas qualidades, nossas virtudes, e também nossos defeitos e limitações.

    Ele nos acolhe como um todo, com tudo o que temos e somos. Ele não nos ama somente quando não erramos e fazemos as coisas aparentemente certo, mas nos ama sempre, em todos os momentos de nossas vidas. E assim, alegremente, com uma canção nos lábios, Jesus nos conduz pelos prados e campinas dessa vida, até chegarmos à Morada Eterna.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 2ª-feira da 4ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 11,1-18

    Naqueles dias, 1os apóstolos e os irmãos que viviam na Judeia souberam que também os pagãos haviam acolhido a Palavra de Deus. 2Quando Pedro subiu a Jerusalém, os fiéis de origem judaica começaram a discutir com ele, dizendo: 3“Tu entraste na casa de pagãos e comeste com eles!” 4Então, Pedro começou a contar-lhes, ponto por ponto, o que havia acontecido: 5“Eu estava na cidade de Jope e, ao fazer oração, entrei em êxtase e tive a seguinte visão: vi uma coisa parecida com uma grande toalha que, sustentada pelas quatro pontas, descia do céu e chegava até junto de mim. 6Olhei atentamente e vi dentro dela quadrúpedes da terra, animais selvagens, répteis e aves do céu. 7Depois ouvi uma voz que me dizia: ‘Levanta-te, Pedro, mata e come’. 8Eu respondi: ‘De modo nenhum, Senhor! Porque jamais entrou coisa profana e impura na minha boca’. 9A voz me disse pela segunda vez: ‘Não chames impuro o que Deus purificou’. 10Isso repetiu-se por três vezes. Depois a coisa foi novamente levantada para o céu. 11Nesse momento, três homens se apresentaram na casa em que nos encontrávamos. Tinham sido enviados de Cesareia, à minha procura. 12O Espírito me disse que eu fosse com eles sem hesitar. Os seis irmãos que estão aqui me acompanharam e nós entramos na casa daquele homem. 13Então ele nos contou que tinha visto um anjo apresentar-se em sua casa e dizer: ‘Manda alguém a Jope para chamar Simão, conhecido como Pedro. 14Ele te falará de acontecimentos que trazem a salvação para ti e para toda a tua família’. 15Logo que comecei a falar, o Espírito Santo desceu sobre eles, da mesma forma que desceu sobre nós no princípio. 16Então eu me lembrei do que o Senhor havia dito: ‘João batizou com água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo’. 17Deus concedeu a eles o mesmo dom que deu a nós, que acreditamos no Senhor Jesus Cristo. Quem seria eu para me opor à ação de Deus?” 18Ao ouvirem isso, os fiéis de origem judaica se acalmaram e glorificavam a Deus, dizendo: “Também aos pagãos Deus concedeu a conversão que leva para a vida!”

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 41(42)
    Minha alma suspira por vós, ó meu Deus.

    Assim como a corça suspira / pelas águas correntes, / suspira igualmente minha alma / por vós, ó meu Deus! – R.

    A minha alma tem sede de Deus / e deseja o Deus vivo. / Quando terei a alegria de ver / a face de Deus? – R.

    Enviai vossa luz, vossa verdade: / elas serão o meu guia; / que me levem ao vosso monte santo, / até a vossa morada! – R.

    Então irei aos altares do Senhor, / Deus da minha alegria. / Vosso louvor cantarei ao som da harpa, / meu Senhor e meu Deus! – R.

    João 10,1-10

    Naquele tempo, disse Jesus: 1“Em verdade, em verdade vos digo, quem não entra no redil das ovelhas pela porta, mas sobe por outro lugar, é ladrão e assaltante. 2Quem entra pela porta é o pastor das ovelhas. 3A esse o porteiro abre, e as ovelhas escutam a sua voz; ele chama as ovelhas pelo nome e as conduz para fora. 4E, depois de fazer sair todas as que são suas, caminha à sua frente, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz. 5Mas não seguem um estranho, antes fogem dele, porque não conhecem a voz dos estranhos”. 6Jesus contou-lhes esta parábola, mas eles não entenderam o que ele queria dizer. 7Então Jesus continuou: “Em verdade, em verdade vos digo, eu sou a porta das ovelhas. 8Todos aqueles que vieram antes de mim são ladrões e assaltantes, mas as ovelhas não os escutaram. 9Eu sou a porta. Quem entrar por mim será salvo; entrará e sairá e encontrará pastagem. 10O ladrão só vem para roubar, matar e destruir. Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância”.

    Palavra da salvação.

    “Eu sou a porta quem entra por mim será salvo”

    Neste Evangelho, Jesus ensina que devemos seguir o pastor, aquele que foi morto pela nossa ignorância, mas por profundo amor nos salva em todos os momentos dos nossos pecados.

    Neste sentido, Cristo mostra como ele é o verdadeiro pastor da humanidade salientado que a sua voz é a porta certa para entrarmos no seu Reino e também é o caminho para o discipulado, porque faz ecoar a voz de Deus, que o mandou para nos mostrar o caminho a verdade e a vida.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 3ª-feira da 4ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 11,19-26

    Naqueles dias, 19aqueles que se haviam espalhado por causa da perseguição que se seguiu à morte de Estêvão chegaram à Fenícia, à ilha de Chipre e à cidade de Antioquia, embora não pregassem a Palavra a ninguém que não fosse judeu. 20Contudo, alguns deles, habitantes de Chipre e da cidade de Cirene, chegaram a Antioquia e começaram a pregar também aos gregos, anunciando-lhes a Boa-nova do Senhor Jesus. 21E a mão do Senhor estava com eles. Muitas pessoas acreditaram no Evangelho e se converteram ao Senhor. 22A notícia chegou aos ouvidos da Igreja que estava em Jerusalém. Então enviaram Barnabé até Antioquia. 23Quando Barnabé chegou e viu a graça que Deus havia concedido, ficou muito alegre e exortou a todos para que permanecessem fiéis ao Senhor, com firmeza de coração. 24É que ele era um homem bom, cheio do Espírito Santo e de fé. E uma grande multidão aderiu ao Senhor. 25Então Barnabé partiu para Tarso, à procura de Saulo. 26Tendo encontrado Saulo, levou-o a Antioquia. Passaram um ano inteiro trabalhando juntos naquela Igreja e instruíram uma numerosa multidão. Em Antioquia os discípulos foram, pela primeira vez, chamados com o nome de cristãos.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 86(87)
    Cantai louvores ao Senhor, todas as gentes.

    O Senhor ama a cidade / que fundou no monte santo; / ama as portas de Sião /
    mais que as casas de Jacó. / Dizem coisas gloriosas / da cidade do Senhor. – R.

    “Lembro o Egito e Babilônia / entre os meus veneradores. /
    Na Filisteia ou em Tiro † ou no país da Etiópia, / este ou aquele ali nasceu.” /
    De Sião, porém, se diz: † “Nasceu nela todo homem; / Deus é sua segurança”. – R.

    Deus anota no seu livro, † onde inscreve os povos todos: / “Foi ali que estes nasceram”. /
    E por isso todos juntos / a cantar se alegrarão; / e, dançando, exclamarão: /
    “Estão em ti as nossas fontes!” – R.

    João 10,22-30

    22Celebrava-se, em Jerusalém, a festa da Dedicação do templo. Era inverno. 23Jesus passeava pelo templo, no pórtico de Salomão. 24Os judeus rodeavam-no e disseram: “Até quando nos deixarás em dúvida? Se tu és o Messias, dize-nos abertamente”. 25Jesus respondeu: “Já vo-lo disse, mas vós não acreditais. As obras que eu faço em nome do meu Pai dão testemunho de mim; 26vós, porém, não acreditais, porque não sois das minhas ovelhas. 27As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem. 28Eu dou-lhes a vida eterna, e elas jamais se perderão. E ninguém vai arrancá-las de minha mão. 29Meu Pai, que me deu essas ovelhas, é maior que todos, e ninguém pode arrebatá-las da mão do Pai. 30Eu e o Pai somos um”.

    Palavra da salvação.

    “As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me conhecem”

    Neste Evangelho, aprendemos que Jesus é a verdadeira voz a ser seguida, porque ele é o verdadeiro pastor, a voz que deve clamar para a novidade do Reino de Deus em nossos corações.

    Cristo é o caminho para a vida eterna, pois ele verdadeiramente pastoreia as suas ovelhas, porque aqueles que seguem o Senhor dão testemunho de vida eterna e ninguém poderá os afastar das mãos dóceis de Jesus.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 4ª-feira da 4ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 12,24-13,5

    Naqueles dias, 24a Palavra do Senhor crescia e se espalhava cada vez mais. 25Barnabé e Saulo, tendo concluído seu ministério, voltaram de Jerusalém, trazendo consigo João, chamado Marcos. 13,1Na Igreja de Antioquia havia profetas e doutores. Eram eles: Barnabé, Simeão, chamado o Negro, Lúcio de Cirene, Manaém, que fora criado junto com Herodes, e Saulo. 2Um dia, enquanto celebravam a liturgia em honra do Senhor e jejuavam, o Espírito Santo disse: “Separai para mim Barnabé e Saulo, a fim de fazerem o trabalho para o qual eu os chamei”. 3Então eles jejuaram e rezaram, impuseram as mãos sobre Barnabé e Saulo e deixaram-nos partir. 4Enviados pelo Espírito Santo, Barnabé e Saulo desceram a Selêucia e daí navegaram para Chipre. 5Quando chegaram a Salamina, começaram a anunciar a Palavra de Deus nas sinagogas dos judeus. Eles tinham João como ajudante.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 66(67)
    Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor, / que todas as nações vos glorifiquem.

    Que Deus nos dê a sua graça e sua bênção, / e sua face resplandeça sobre nós! /
    Que na terra se conheça o seu caminho / e a sua salvação por entre os povos. – R.

    Exulte de alegria a terra inteira, / pois julgais o universo com justiça; /
    os povos governais com retidão / e guiais, em toda a terra, as nações. – R.

    Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor, / que todas as nações vos glorifiquem! /
    Que o Senhor e nosso Deus nos abençoe, / e o respeitem os confins de toda a terra! – R.

    João 12,44-50

    Naquele tempo, 44Jesus exclamou em alta voz: “Quem crê em mim não é em mim que crê, mas naquele que me enviou. 45Quem me vê, vê aquele que me enviou. 46Eu vim ao mundo como luz, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas. 47Se alguém ouvir as minhas palavras e não as observar, eu não o julgo, porque eu não vim para julgar o mundo, mas para salvá-lo. 48Quem me rejeita e não aceita as minhas palavras já tem o seu juiz: a palavra que eu falei o julgará no último dia. 49Porque eu não falei por mim mesmo, mas o Pai, que me enviou, ele é quem me ordenou o que eu devia dizer e falar. 50E eu sei que o seu mandamento é vida eterna. Portanto, o que eu digo, eu o digo conforme o Pai me falou”.

    Palavra da salvação.

    “Eu vim ao mundo como luz, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas.”

    “Eu vim ao mundo como luz, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas ” (Jo 12, 46). Jesus quer nos mostrar que é Ele que dá a forma e o sentido das coisas. Um objeto no escuro só pode ser enxergado se houver a luz, o mesmo acontece conosco, Jesus é a Luz que nos ilumina, dando-nos significado para tudo aquilo que nos advém em nossas vidas. Dores e sofrimentos deixam de ser amargos e pesados, se o assemelharmos às dores e sofrimentos que Cristo sentiu.

    As trevas são tudo aquilo que está oculto, assim como a uma estrada escura no meio da noite. Nosso propósito é trilharmos esta estrada, porém é necessário, termos a luz que é Jesus. Pois bem, que sejamos firmes e perseverantes a esta luz que é Cristo e não nos deixemos nos abater por qualquer momento de escuridão que possa nos ocorrer, pois temos a certeza da presença da luz de Cristo.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 5ª-feira da 4ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 13,13-25

    13Paulo e seus companheiros embarcaram em Pafos e chegaram a Perge da Panfília. João deixou-os e voltou para Jerusalém. 14Eles, porém, partindo de Perge, chegaram a Antioquia da Pisídia. E, entrando na sinagoga em dia de sábado, sentaram-se. 15Depois da leitura da Lei e dos Profetas, os chefes da sinagoga mandaram dizer-lhes: “Irmãos, se vós tendes alguma palavra para encorajar o povo, podeis falar”. 16Paulo levantou-se, fez um sinal com a mão e disse: “Israelitas e vós que temeis a Deus, escutai! 17O Deus deste povo de Israel escolheu os nossos antepassados e fez deles um grande povo quando moravam como estrangeiros no Egito; e de lá os tirou com braço poderoso. 18E, durante mais ou menos quarenta anos, cercou-os de cuidados no deserto. 19Destruiu sete nações na terra de Canaã e passou para eles a posse do seu território 20por quatrocentos e cinquenta anos aproximadamente. Depois disso, concedeu-lhes juízes, até o profeta Samuel. 21Em seguida, eles pediram um rei, e Deus concedeu-lhes Saul, filho de Cis, da tribo de Benjamim, que reinou durante quarenta anos. 22Em seguida, Deus fez surgir Davi como rei e assim testemunhou a seu respeito: ‘Encontrei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que vai fazer em tudo a minha vontade’. 23Conforme prometera, da descendência de Davi Deus fez surgir para Israel um salvador, que é Jesus. 24Antes que ele chegasse, João pregou um batismo de conversão para todo o povo de Israel. 25Estando para terminar sua missão, João declarou: ‘Eu não sou aquele que pensais que eu seja! Mas vede, depois de mim vem aquele do qual nem mereço desamarrar as sandálias’”.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 88(89)
    Ó Senhor, eu cantarei eternamente o vosso amor.

    Ó Senhor, eu cantarei eternamente o vosso amor, / de geração em geração eu cantarei vossa verdade! /
    Porque dissestes: “O amor é garantido para sempre!” / E a vossa lealdade é tão firme como os céus. – R.

    “Encontrei e escolhi a Davi, meu servidor, / e o ungi, para ser rei, com meu óleo consagrado. /
    Estará sempre com ele minha mão onipotente, / e meu braço poderoso há de ser a sua força. – R.

    Não será surpreendido pela força do inimigo, / nem o filho da maldade poderá prejudicá-lo. /
    Diante dele esmagarei seus inimigos e agressores, / ferirei e abaterei todos aqueles que o odeiam. – R.

    Minha verdade e meu amor estarão sempre com ele, / sua força e seu poder por meu nome crescerão. / Ele, então, me invocará: ‘Ó Senhor, vós sois meu Pai, / sois meu Deus, sois meu rochedo onde encontro a salvação!’” – R.

    João 13,16-20

    Depois de lavar os pés dos discípulos, Jesus lhes disse: 16“Em verdade, em verdade vos digo, o servo não está acima do seu senhor e o mensageiro não é maior que aquele que o enviou. 17Se sabeis isso e o puserdes em prática, sereis felizes. 18Eu não falo de vós todos. Eu conheço aqueles que escolhi, mas é preciso que se realize o que está na Escritura: ‘Aquele que come o meu pão levantou contra mim o calcanhar’. 19Desde agora vos digo isso, antes de acontecer, a fim de que, quando acontecer, creiais que eu sou. 20Em verdade, em verdade vos digo, quem recebe aquele que eu enviar me recebe a mim; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou”.

    Palavra da salvação.

    “{…}o servo não está acima do seu senhor”

    O Evangelho de hoje nos relembra os últimos momentos de Jesus com os discípulos. As últimas palavras e ações de uma pessoa são as mais importantes, são aquelas que ele não deseja que sejam esquecidas. No caso de Jesus, ele fala e deixa como gesto concreto o lava-pés, o serviço aos irmãos, ou seja, Jesus não quer ser lembrado por grandes nomes ou títulos, mas deseja ser lembrado no serviço fiel e humilde ao próximo. Por essa razão, somos todos chamados, enquanto seus discípulos, a fazermos o mesmo que Ele fez.

    É necessário que sejamos nós que lavemos os pés de todos, sem distinção: daqueles que nos negam, nos traem, nos abandonam, e abandonam os mais pobres, os esquecidos, os marginalizados e os necessitados. Tudo isso devemos fazer vendo Jesus em cada pé limpo ou sujo que lavamos e beijamos. Pois tudo quanto fazemos, enquanto cristãos, não o fazemos por nós mesmos, mas por Deus. Pois conforme nos diz Jesus: “O servo não está acima do seu senhor”.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 6ª-feira da 4ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 13,26-33

    Naqueles dias, tendo chegado a Antioquia da Pisídia, Paulo disse na sinagoga: 26“Irmãos, descendentes de Abraão, e todos vós que temeis a Deus, a nós foi enviada esta mensagem de salvação. 27Os habitantes de Jerusalém e seus chefes não reconheceram a Jesus e, ao condená-lo, cumpriram as profecias que se leem todos os sábados. 28Embora não encontrassem nenhum motivo para a sua condenação, pediram a Pilatos que fosse morto. 29Depois de realizarem tudo o que a Escritura diz a respeito de Jesus, eles o tiraram da cruz e o colocaram num túmulo. 30Mas Deus o ressuscitou dos mortos 31e, durante muitos dias, ele foi visto por aqueles que o acompanharam desde a Galileia até Jerusalém. Agora eles são testemunhas de Jesus diante do povo. 32Por isso, nós vos anunciamos este Evangelho: a promessa que Deus fez aos antepassados, 33ele a cumpriu para nós, seus filhos, quando ressuscitou Jesus, como está escrito no salmo segundo: ‘Tu és o meu filho, eu hoje te gerei’”.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 2
    Tu és meu Filho, e eu hoje te gerei!

    “Fui eu mesmo que escolhi este meu rei / e, em Sião, meu monte santo, o consagrei!” /
    O decreto do Senhor promulgarei, † foi assim que me falou o Senhor Deus: /
    “Tu és meu Filho, e eu hoje te gerei!” – R.

    Podes pedir-me e, em resposta, eu te darei † por tua herança os povos todos e as nações, /
    e há de ser a terra inteira o teu domínio. / Com cetro férreo haverás de dominá-los /
    e quebrá-los como um vaso de argila! – R.

    E agora, poderosos, entendei; / soberanos, aprendei esta lição: /
    com temor servi a Deus, rendei-lhe glória / e prestai-lhe homenagem com respeito! – R.

    João 14,1-6

    Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 1“Não se perturbe o vosso coração. Tendes fé em Deus, tende fé em mim também. 2Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fosse, eu vos teria dito. Vou preparar um lugar para vós 3e, quando eu tiver ido preparar-vos um lugar, voltarei e vos levarei comigo, a fim de que, onde eu estiver, estejais também vós. 4E para onde eu vou, vós conheceis o caminho”. 5Tomé disse a Jesus: “Senhor, nós não sabemos para onde vais. Como podemos conhecer o caminho?” 6Jesus respondeu: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim”.

    Palavra da salvação.

    Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida

    Jesus Cristo, no dia de hoje, nos alerta para não perturbarmos os nossos corações, e pede para cada um de nós em particular termos fé em Deus e Nele. Deus enviou o Verbo Encarnado Jesus Cristo, para transmitir sua mensagem de salvação.

    Portanto, Jesus deve ser o único caminho que devemos seguir fielmente, sem ter medo de nos entregarmos completamente ao Seu Evangelho. Ele é para nós o Caminho, a Verdade e a Vida. É acreditando e pondo em prática os ensinamentos do Evangelho que nos deixou que iremos ser felizes verdadeiramente e estaremos indo ao encontro dos braços de Deus.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • São Matias

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 1,15-17.20-26

    15Naqueles dias, Pedro levantou-se no meio dos irmãos e disse: 16“Irmãos, era preciso que se cumprisse o que o Espírito Santo, por meio de Davi, anunciou na Escritura sobre Judas, que se tornou o guia daqueles que prenderam Jesus. 17Judas era um dos nossos e participava do mesmo ministério. 20De fato, no livro dos Salmos está escrito: ‘Fique deserta a sua morada, nem haja quem nela habite!’ E ainda: ‘Que outro ocupe o seu lugar!’ 21Há homens que nos acompanharam durante todo o tempo em que o Senhor Jesus vivia no meio de nós, 22a começar pelo batismo de João, até o dia em que foi elevado ao céu. Agora, é preciso que um deles se junte a nós para ser testemunha da sua ressurreição”. 23Então eles apresentaram dois homens: José, chamado Barsabás, que tinha o apelido de Justo, e Matias. 24Em seguida, fizeram esta oração: “Senhor, tu conheces os corações de todos. Mostra-nos qual destes dois escolheste 25para ocupar, neste ministério e apostolado, o lugar que Judas abandonou para seguir o seu destino!” 26Então tiraram a sorte entre os dois. A sorte caiu em Matias, o qual foi juntado ao número dos onze apóstolos.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 112(113)
    O Senhor fez o indigente assentar-se com os nobres.

    Louvai, louvai, ó servos do Senhor, / louvai, louvai o nome do Senhor! /
    Bendito seja o nome do Senhor, / agora e por toda a eternidade! – R.

    Do nascer do sol até o seu ocaso, / louvado seja o nome do Senhor! /
    O Senhor está acima das nações, / sua glória vai além dos altos céus. – R.

    Quem pode comparar-se ao nosso Deus, † ao Senhor, que no alto céu tem o seu trono /
    e se inclina para olhar o céu e a terra? – R.

    Levanta da poeira o indigente / e do lixo ele retira o pobrezinho, /
    para fazê-lo assentar-se com os nobres, / assentar-se com os nobres do seu povo. – R.

    João 15,9-17

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 9“Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor. 10Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor. 11E eu vos disse isso para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena. 12Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei. 13Ninguém tem amor maior do que aquele que dá sua vida pelos amigos. 14Vós sois meus amigos se fizerdes o que eu vos mando. 15Já não vos chamo servos, pois o servo não sabe o que faz o seu senhor. Eu vos chamo amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai. 16Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi e vos designei para irdes e para que produzais fruto, e o vosso fruto permaneça. O que então pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo concederá. 17Isto é o que vos ordeno: amai-vos uns aos outros”.

    Palavra da salvação.

    Eu vos ordeno: amai-vos uns aos outros

    O Cristo filho do Deus vivo nos convoca com uma ordem, que ajuda a entender as relações da vida cristã: “Amai-vos uns aos outros” (Jo 15,17). A relação de amor é muito própria do cristianismo, não vê em si interesse ou mesquinharias, aponta para salvação e vida plena.

    No evangelho que recordamos hoje há uma palavra que ressoa muito forte nesse sentido do amor, é a palavra “Permanecer”. A Judas Escariotes faltou justamente essa dinâmica, ele não permaneceu no amor, não permaneceu em Deus. Permanecer no amor é ter a capacidade de dar a própria vida pelo próximo, e no amor ter a capacidade de dar bons frutos.

    Celebramos ainda festa de São Matias, apóstolo que veio substituir a Judas, o traidor, ele que, pela força do Espírito Santo, sentiu-se amado e permaneceu junto ao próprio Deus, bondade e verdade, interceda por nós junto ao Pai para que obtenhamos a graça da perseverança. Paz e Bem!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 5º Domingo da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 14,21-27

    Naqueles dias, Paulo e Barnabé 21voltaram para as cidades de Listra, Icônio e Antioquia. 22Encorajando os discípulos, eles os exortavam a permanecerem firmes na fé, dizendo-lhes: “É preciso que passemos por muitos sofrimentos para entrar no Reino de Deus”. 23Os apóstolos designaram presbíteros para cada comunidade. Com orações e jejuns, eles os confiavam ao Senhor, em quem haviam acreditado. 24Em seguida, atravessando a Pisídia, chegaram à Panfília. 25Anunciaram a Palavra em Perge e depois desceram para Atália. 26Dali embarcaram para Antioquia, de onde tinham saído, entregues à graça de Deus, para o trabalho que haviam realizado. 27Chegando ali, reuniram a comunidade. Contaram-lhe tudo o que Deus fizera por meio deles e como havia aberto a porta da fé para os pagãos.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 144(145)
    Bendirei o vosso nome, ó meu Deus, / meu Senhor e meu rei para sempre.

    Misericórdia e piedade é o Senhor, / ele é amor, é paciência, é compaixão. /
    O Senhor é muito bom para com todos, / sua ternura abraça toda criatura. – R.

    Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, / e os vossos santos com louvores vos bendigam! /
    Narrem a glória e o esplendor do vosso reino / e saibam proclamar vosso poder! – R.

    Para espalhar vossos prodígios entre os homens / e o fulgor de vosso reino esplendoroso. /
    O vosso reino é um reino para sempre, / vosso poder, de geração em geração. – R.

    Apocalipse 21,1-5

    Eu, João, 1vi um novo céu e uma nova terra. Pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. 2Vi a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, de junto de Deus, vestida qual esposa enfeitada para o seu marido. 3Então, ouvi uma voz forte que saía do trono e dizia: “Esta é a morada de Deus entre os homens. Deus vai morar no meio deles. Eles serão o seu povo, e o próprio Deus estará com eles. 4Deus enxugará toda lágrima dos seus olhos. A morte não existirá mais, e não haverá mais luto, nem choro, nem dor, porque passou o que havia antes”. 5Aquele que está sentado no trono disse: “Eis que faço novas todas as coisas”. Depois, ele me disse: “Escreve, porque estas palavras são dignas de fé e verdadeiras”.

    Palavra do Senhor.

    João 13,31-35

    31Depois que Judas saiu do cenáculo, disse Jesus: “Agora foi glorificado o Filho do Homem, e Deus foi glorificado nele. 32Se Deus foi glorificado nele, também Deus o glorificará em si mesmo e o glorificará logo. 33Filhinhos, por pouco tempo estou ainda convosco. 34Eu vos dou um novo mandamento: amai-vos uns aos outros. Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos uns aos outros. 35Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros”.

    Palavra da salvação.

    “Como eu vos amei, assim também vós deveis amar-vos um aos outros.”

    Em um mundo marcado por guerras, por opressões, por injustiças e manifestações de ódio, somos chamados a cultivar o amor ao próximo como tarefa fundamental de nosso viver.

    Nosso Senhor Jesus Cristo deu-nos um novo mandamento, que resume todo ensinamento. Ele nos deixou seu exemplo como meta de bem viver e é precisamente na procura de amar como ele nos amou que somos verdadeiramente seus discípulos.

    Em pleno tempo pascal, é de grande importância que olhemos para seu radical testemunho de amor ao ponto de entregar sua própria vida por nós. Acolhamos tão grande amor, alegremo-nos por sermos tão amados e queiramos fazer parte desta comunhão de amor, construindo o Reino dos Céus.

    Que a força Ressuscitado nos conduza a criarmos um mundo melhor, de modo a vivermos com a dignidade de filhos de Deus! Sejamos verdadeiros discípulos, amemo-nos uns aos outros.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 2ª-feira da 5ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 14,5-18

    Naqueles dias, em Icônio, 5pagãos e judeus, tendo à frente seus chefes, estavam dispostos a ultrajar e apedrejar Paulo e Barnabé. 6Ao saberem disso, Paulo e Barnabé fugiram e foram para Listra e Derbe, cidades da Licaônia, e seus arredores. 7Aí começaram a anunciar o Evangelho. 8Em Listra havia um homem paralítico das pernas, que era coxo de nascença e nunca fora capaz de andar. 9Ele escutava o discurso de Paulo. E este, fixando nele o olhar e notando que tinha fé para ser curado, 10disse em alta voz: “Levanta-te direito sobre os teus pés”. O homem deu um salto e começou a caminhar. 11Vendo o que Paulo acabara de fazer, a multidão exclamou em dialeto licaônico: “Os deuses desceram entre nós em forma de gente!” 12Chamavam a Barnabé Júpiter e a Paulo Mercúrio, porque era Paulo quem falava. 13Os sacerdotes de Júpiter, cujo templo ficava defronte à cidade, levaram à porta touros ornados de grinaldas e queriam, com a multidão, oferecer sacrifícios. 14Ao saberem disso, os apóstolos Barnabé e Paulo rasgaram as vestes e foram para o meio da multidão, gritando: 15“Homens, o que estais fazendo? Nós também somos homens mortais como vós e vos estamos anunciando que precisais deixar esses ídolos inúteis para vos converterdes ao Deus vivo, que fez o céu, a terra, o mar e tudo o que neles existe. 16Nas gerações passadas, Deus permitiu que todas as nações seguissem o próprio caminho. 17No entanto, ele não deixou de dar testemunho de si mesmo através de seus benefícios, mandando do céu chuvas e colheitas, dando alimento e alegrando vossos corações”. 18E assim falando, com muito custo, conseguiram que a multidão desistisse de lhes oferecer um sacrifício.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 113B(115)
    Não a nós, ó Senhor, não a nós, / ao vosso nome, porém, seja glória.

    Não a nós, ó Senhor, não a nós, † ao vosso nome, porém, seja a glória, /
    porque sois todo amor e verdade! / Por que hão de dizer os pagãos: /
    “Onde está o seu Deus, onde está?” – R.

    É nos céus que está o nosso Deus, / ele faz tudo aquilo que quer. /
    São os deuses pagãos ouro e prata, / todos eles são obras humanas. – R.

    Abençoados sejais do Senhor, / do Senhor que criou céu e terra! /
    Os céus são os céus do Senhor, / mas a terra ele deu para os homens. – R.

    João 14,21-26

    Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 21“Quem acolheu os meus mandamentos e os observa, esse me ama. Ora, quem me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele”. 22Judas – não o Iscariotes – disse-lhe: “Senhor, como se explica que te manifestarás a nós e não ao mundo?” 23Jesus respondeu-lhe: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. 24Quem não me ama não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou. 25Isso é o que vos disse enquanto estava convosco. 26Mas o Defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito”.

    Palavra da salvação.

    “…quem me ama será amado por meu Pai”.

    Jesus nos chama a amá-Lo sem restrições, para que o Pai nos ame assim como O ama. O Evangelho afirma que amar Jesus é guardar a sua Palavra, que é a do Pai. Guardar significa segui-la, internalizá-la e vivê-la cotidianamente.

    Jesus veio a nós pessoalmente para nos trazer a luz da verdade de Deus e nos restabelecer ante o Pai. Fez isso estando entre nós, mas afirmou ainda que a misericórdia de Deus se manifestaria também mediante o Espírito Santo, pois é infinita, ou seja, Deus persiste em seu projeto e no propósito de nos resgatar.

    Se Ele fez e faz tanto esforço por nós, por que não o fazer? Procuremos corresponder a tão grande amor do Criador por nós e nos deixar guiar por sua luz. Que seja feia a Tua vontade, Senhor, e não a nossa!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 3ª-feira da 5ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 14,19-28

    Naqueles dias, 19de Antioquia e Icônio chegaram judeus que convenceram as multidões. Então apedrejaram Paulo e arrastaram-no para fora da cidade, pensando que ele estivesse morto. 20Mas, enquanto os discípulos o rodeavam, Paulo levantou-se e entrou na cidade. No dia seguinte, partiu para Derbe com Barnabé. 21Depois de terem pregado o Evangelho naquela cidade e feito muitos discípulos, voltaram para Listra, Icônio e Antioquia. 22Encorajando os discípulos, eles os exortavam a permanecerem firmes na fé, dizendo-lhes: “É preciso que passemos por muitos sofrimentos para entrar no Reino de Deus”. 23Os apóstolos designaram presbíteros para cada comunidade. Com orações e jejuns, eles os confiavam ao Senhor, em quem haviam acreditado. 24Em seguida, atravessando a Pisídia, chegaram à Panfília. 25Anunciaram a Palavra em Perge e depois desceram para Atália. 26Dali embarcaram para Antioquia, de onde tinham saído, entregues à graça de Deus, para o trabalho que haviam realizado. 27Chegando ali, reuniram a comunidade. Contaram-lhe tudo o que Deus fizera por meio deles e como havia aberto a porta da fé para os pagãos. 28E passaram então algum tempo com os discípulos.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 144(145)
    Ó Senhor, vossos amigos anunciem / vosso Reino glorioso.

    Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, / e os vossos santos com louvores vos bendigam! /
    Narrem a glória e o esplendor do vosso reino / e saibam proclamar vosso poder! – R.

    Para espalhar vossos prodígios entre os homens / e o fulgor de vosso reino esplendoroso. /
    O vosso reino é um reino para sempre, / vosso poder, de geração em geração. – R.

    Que a minha boca cante a glória do Senhor † e que bendiga todo ser seu nome santo, /
    desde agora, para sempre e pelos séculos. – R.

    João 14,27-31

    Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 27“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração. 28Ouvistes que eu vos disse: ‘Vou, mas voltarei a vós’. Se me amásseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu. 29Disse-vos isso agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis. 30Já não falarei muito convosco, pois o chefe deste mundo vem. Ele não tem poder sobre mim, 31mas, para que o mundo reconheça que eu amo o Pai, eu procedo conforme o Pai me ordenou”.

    Palavra da salvação.

    “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou”

    Nesta quinta semana da Pascoa, a Igreja apresenta-nos um longo discurso que Jesus fala aos discípulos na última Ceia. Recordando deste modo as suas palavras, podemos aprofundar no mistério da sua morte e Ressurreição. “Para que o mundo reconheça que amo o Pai, eu procedo conforme o Pai me ordenou” (Jo 14,31a). Deste modo, compreendemos a doação da vida de Jesus como fruto do seu amor ao Pai que se manifesta na unidade com ele e sua vontade.

    Assim como fizeram na última Ceia, nos repetimos em cada Celebração Eucarística a oração da Paz com as palavras de Cristo: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou” (Jo 14,27). No contexto da proximidade da Paixão na qual foram pronunciadas estas palavras, podemos compreender as frases que continuam. Ele deixa a sua paz em um contexto no qual ele seria brevemente morto. Eis aqui a diferença da sua paz com aquela do mundo. A sua paz não é ausência de conflito, não é escapar da realidade, nem se justificar, nem procurar bodes expiatórios. Tão pouco é uma que nos deixa indiferentes da realidade e nem que reprime as nossas naturais reações pelas agressões externas. Ao contrário, sua paz incomoda-nos, conduz-nos a perceber o que acontece ao nosso arredor. A sua paz conduz-nos a permanecer no conflito, a sermos conscientes de nossas reações e trabalhá-las. Para tudo isto, é preciso um coração vigoroso, disponível e sereno. Por isso é que Jesus tem sempre o terno cuidado do nosso coração através de sua proximidade.

    São Francisco foi uma pessoa que sempre tento viver e transmitir a paz que Cristo nos propõe. Iluminados com seu exemplo de vida, possamos procurar sempre esta paz!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 4ª-feira da 5ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 15,1-6

    Naqueles dias, 1chegaram alguns da Judeia e ensinavam aos irmãos de Antioquia, dizendo: “Vós não podereis salvar-vos se não fordes circuncidados, como ordena a Lei de Moisés”. 2Isso provocou muita confusão, e houve uma grande discussão de Paulo e Barnabé com eles. Finalmente, decidiram que Paulo, Barnabé e alguns outros fossem a Jerusalém para tratar dessa questão com os apóstolos e os anciãos. 3Depois de terem sido acompanhados pela comunidade, Paulo e Barnabé atravessaram a Fenícia e a Samaria. Contaram sobre a conversão dos pagãos, causando grande alegria entre todos os irmãos. 4Chegando a Jerusalém, foram recebidos pelos apóstolos e anciãos e narraram as maravilhas que Deus tinha realizado por meio deles. 5Alguns dos que tinham pertencido ao partido dos fariseus e que haviam abraçado a fé levantaram-se e disseram que era preciso circuncidar os pagãos e obrigá-los a observar a Lei de Moisés. 6Então, os apóstolos e os anciãos reuniram-se para tratar desse assunto.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 121(122)
    Que alegria quando ouvi que me disseram: / “Vamos à casa do Senhor!”

    Que alegria quando ouvi que me disseram: / “Vamos à casa do Senhor!” /
    E agora nossos pés já se detêm, / Jerusalém, em tuas portas. – R.

    Jerusalém, cidade bem edificada / num conjunto harmonioso; /
    para lá sobem as tribos de Israel, / as tribos do Senhor. – R.

    Para louvar, segundo a lei de Israel, / o nome do Senhor. /
    A sede da justiça lá está / e o trono de Davi. – R.

    João 15,1-8

    Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 1“Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. 2Todo ramo que em mim não dá fruto, ele o corta; e todo ramo que dá fruto, ele o limpa, para que dê mais fruto ainda. 3Vós já estais limpos por causa da palavra que eu vos falei. 4Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo se não permanecer na videira, assim também vós não podereis dar fruto se não permanecerdes em mim. 5Eu sou a videira, e vós os ramos. Aquele que permanece em mim, e eu nele, esse produz muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. 6Quem não permanecer em mim será lançado fora como um ramo e secará. Tais ramos são recolhidos, lançados no fogo e queimados. 7Se permanecerdes em mim e minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes e vos será dado. 8Nisto meu Pai é glorificado: que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos”.

    Palavra da salvação.

    “Eu sou a videira e vós os ramos”

    Em Cristo Senhor, João salienta hoje na palavra que a nós é dirigida da necessidade de permanecer em Jesus. Um galho de árvore não consegue dar frutos se estiver desconectado do tronco da mesma. É preciso, deste modo, estarmos ligados diretamente a Jesus, seiva de nossa vida, fonte de toda graça e bênção que Ele mesmo nos dá.

    Ser deixamos podar nossas folhas ruins pelo Pai, poderemos respirar a graça dos frutos da bênção que vem do Céu. Cristo, como videira, é o significado de que Ele é o centro da relação homem – Deus. Os que vivem fora de Cristo tendem a secar a fé e, consequentemente, perder a graça. Permaneçamos juntos Daquele é  fonte de vida, luz e salvação.

    Para estarmos ligados à videira é imprescindível que permaneçamos no Amor, que reconstrói as relações e dá alento a todos; é sinal de glória e de júbilo e tem a capacidade de fazer circular a seiva do amor que cria laços mútuos de amizade e solidariedade. Permanecer no amor é fazer morada do santo Espírito, que vivifica a seiva da vida e dá vida em abundância. Paz e Bem!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 5ª-feira da 5ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 15,7-21

    Naqueles dias, 7depois de longa discussão, Pedro levantou-se e falou aos apóstolos e anciãos: “Irmãos, vós sabeis que, desde os primeiros dias, Deus me escolheu do vosso meio para que os pagãos ouvissem de minha boca a palavra do Evangelho e acreditassem. 8Ora, Deus, que conhece os corações, testemunhou a favor deles, dando-lhes o Espírito Santo como o deu a nós. 9E não fez nenhuma distinção entre nós e eles, purificando o coração deles mediante a fé. 10Então, por que vós agora colocais Deus à prova, querendo impor aos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós mesmos tivemos força para suportar? 11Ao contrário, é pela graça do Senhor Jesus que acreditamos ser salvos, exatamente como eles”. 12Houve então um grande silêncio em toda a assembleia. Depois disso, ouviram Barnabé e Paulo contar todos os sinais e prodígios que Deus havia realizado, por meio deles, entre os pagãos. 13Quando Barnabé e Paulo terminaram de falar, Tiago tomou a palavra e disse: “Irmãos, ouvi-me: 14Simão acaba de nos lembrar como, desde o começo, Deus se dignou tomar homens das nações pagãs para formar um povo dedicado ao seu nome. 15Isso concorda com as palavras dos profetas, pois está escrito: 16‘Depois disso, eu voltarei e reconstruirei a tenda de Davi que havia caído; reconstruirei as ruínas que ficaram e a reerguerei, 17a fim de que o resto dos homens procure o Senhor com todas as nações que foram consagradas ao meu nome. É o que diz o Senhor, que fez essas coisas, 18conhecidas há muito tempo’. 19Por isso, sou do parecer que devemos parar de importunar os pagãos que se convertem a Deus. 20Vamos somente prescrever que eles evitem o que está contaminado pelos ídolos, as uniões ilegítimas, comer carne de animal sufocado e o uso do sangue. 21Com efeito, desde os tempos antigos, em cada cidade Moisés tem os seus pregadores, que o leem todos os sábados nas sinagogas”.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 95(96)
    Anunciai as maravilhas do Senhor / entre todas as nações.

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, † cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! /
    Cantai e bendizei seu santo nome! – R.

    Dia após dia anunciai sua salvação, † manifestai a sua glória entre as nações /
    e entre os povos do universo seus prodígios! – R.

    Publicai entre as nações: “Reina o Senhor!” † Ele firmou o universo inabalável, /
    pois os povos ele julga com justiça. – R.

    João 15,9-11

    Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 9“Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei. Permanecei no meu amor. 10Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu guardei os mandamentos do meu Pai e permaneço no seu amor. 11Eu vos disse isso para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena”.

    Palavra da salvação.

    “Como meu Pai me amou, assim também eu vos amei”

    No Evangelho de hoje, Jesus nos pede para que possamos compreender a dinâmica do amor entre Deus e o Filho e entre o filho e nós. Jesus vem para nos salvarmos do mal através do amor que Ele nos ensina com suas parábolas e curando os mais necessitados da sociedade da época, assim Ele nos pede para ajudarmos os mais pobres e necessitados da sociedade atual, pois foi por amor que Jesus nos salvou de todo o mal se entregando na cruz.

    Precisamos trabalhar nessa dinâmica de amarmos os mais necessitados sem obter lucro ou fama através de uma ajuda, pois ai da pessoa que não está ajudando de coração, mas sim para poder ganhar benefício com isto. Muitas pessoas não pensam nos outros, mas em si mesmas e em seu benefício. Se começássemos a pensar no outro não haveria tanta pobreza em nossa sociedade e estaríamos em mundo mais igual.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 6ª-feira da 5ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 15,22-31

    Naqueles dias, 22pareceu bem aos apóstolos e aos anciãos, de acordo com toda a comunidade de Jerusalém, escolher alguns da comunidade para mandá-los a Antioquia com Paulo e Barnabé. Escolheram Judas, chamado Bársabas, e Silas, que eram muito respeitados pelos irmãos. 23Através deles enviaram a seguinte carta: “Nós, os apóstolos e os anciãos, vossos irmãos, saudamos os irmãos vindos do paganismo e que estão em Antioquia e nas regiões da Síria e da Cilícia. 24Ficamos sabendo que alguns dos nossos causaram perturbações com palavras que transtornaram vosso espírito. Eles não foram enviados por nós. 25Então decidimos, de comum acordo, escolher alguns representantes e mandá-los até vós, junto com nossos queridos irmãos Barnabé e Paulo, 26homens que arriscaram suas vidas pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo. 27Por isso, estamos enviando Judas e Silas, que pessoalmente vos transmitirão a mesma mensagem. 28Porque decidimos, o Espírito Santo e nós, não vos impor nenhum fardo, além destas coisas indispensáveis: 29abster-se de carnes sacrificadas aos ídolos, do sangue, das carnes de animais sufocados e das uniões ilegítimas. Vós fareis bem se evitardes essas coisas. Saudações!” 30Depois da despedida, Judas e Silas foram para Antioquia, reuniram a assembleia e entregaram a carta. 31A sua leitura causou alegria, por causa do estímulo que trazia.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 56(57)
    Vou louvar-vos, Senhor, entre os povos.

    Meu coração está pronto, meu Deus, / está pronto o meu coração! / Vou cantar e tocar para vós: /
    desperta, minha alma, desperta! / Despertem a harpa e a lira, / eu irei acordar a aurora! – R.

    Vou louvar-vos, Senhor, entre os povos, / dar-vos graças por entre as nações! /
    Vosso amor é mais alto que os céus, / mais que as nuvens a vossa verdade! /
    Elevai-vos, ó Deus, sobre os céus, / vossa glória refulja na terra! – R.

    João 15,12-17

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 12“Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amei. 13Ninguém tem amor maior do que aquele que dá sua vida pelos amigos. 14Vós sois meus amigos se fizerdes o que eu vos mando. 15Já não vos chamo servos, pois o servo não sabe o que faz o seu senhor. Eu chamo-vos amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai. 16Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi e vos designei para irdes e para que produzais fruto, e o vosso fruto permaneça. O que, então, pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo concederá. 17Isto é o que vos ordeno: amai-vos uns aos outros”.

    Palavra da salvação.

    “Ninguém tem amor maior do que aquele que dá a sua vida”

    Após um mês da ressurreição de Jesus, ainda na espera do Espírito Santo, no dia de Pentecostes, os primeiros discípulos começavam a libertar-se do medo e a ‘incendiar-se’ interiormente recordando as palavras do Mestre. Assim como eles fizeram memória, nos também fazemos com os Evangelhos que a Igreja nos apresenta. Nesta semana somos interligados por uma mensagem de amor de Jesus ao Pai e aos irmãos, que foi a essência do seu anúncio. Só o amor tem a capacidade de levantar o que está morto.

    Pelas palavras de Jesus entendemos que a sua mensagem vem do Pai, da sua intimidade com ele. Nisso, Ele apresenta uma chave, a atitude de escuta, porque ele deu a conhecer o que ouviu do Pai. Esta atitude é uma caraterística essencial dos amigos. Ele chama com ternura e proximidade de amigos aos seus discípulos, a aqueles que O ouve. É interessante olhar a diferença do servo e do amigo que Ele propõe. O servo é aquele que não sabe o que faz o senhor porque não consegue ouvir. Não se trata de compreender o que Jesus dá a conhecer, porque de fato muitas vezes os discípulos não o compreenderam. Mas aqueles que Ele chama amigos são aqueles que ouvem e confiam no que lhes dá a conhecer.

    Neste vínculo de amizade com Jesus, é que ele nos introduz na dinâmica do seu mandamento do amor. Só experimentando seu amor por cada um de nós é que podemos nos tornar capazes de amar ao outro. Em tudo isto se expressa uma das coisas mais profundas e transcendentes do anúncio de Jesus. Se ele nos dá a conhecer o que ouve do Pai, sua vontade é que nos amemos uns aos outros, pois Deus é amor.

    Neste mês dedicado a Maria, olhemos para nossa Senhora como o exemplo que foi de profunda escuta de Deus e de uma imensa capacidade de amar. Que com a sua graça cada dia possamos tentar aprender a amar a Jesus, a Deus, a nós mesmos e a nossos irmãos.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Sábado da 5ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 16,1-10

    Naqueles dias, 1Paulo foi para Derbe e Listra. Havia em Listra um discípulo chamado Timóteo, filho de uma judia, crente, e de pai grego. 2Os irmãos de Listra e Icônio davam bom testemunho de Timóteo. 3Paulo quis então que Timóteo partisse com ele. Tomou-o consigo e circuncidou-o, por causa dos judeus que se encontravam nessas regiões, pois todos sabiam que o pai de Timóteo era grego. 4Percorrendo as cidades, Paulo e Timóteo transmitiam as decisões que os apóstolos e anciãos de Jerusalém haviam tomado. E recomendavam que fossem observadas. 5As Igrejas fortaleciam-se na fé e, de dia para dia, cresciam em número. 6Paulo e Timóteo atravessaram a Frígia e a região da Galácia, pois o Espírito Santo os proibira de pregar a Palavra de Deus na Ásia. 7Chegando perto da Mísia, eles tentaram entrar na Bitínia, mas o Espírito de Jesus os impediu. 8Então atravessaram a Mísia e desceram para Trôade. 9Durante a noite, Paulo teve uma visão: na sua frente, estava de pé um macedônio que lhe suplicava: “Vem à Macedônia e ajuda-nos!” 10Depois dessa visão, procuramos partir imediatamente para a Macedônia, pois estávamos convencidos de que Deus acabava de nos chamar para pregar-lhes o Evangelho.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 99(100)
    Aclamai o Senhor, ó terra inteira.

    Aclamai o Senhor, ó terra inteira, † servi ao Senhor com alegria, /
    ide a ele, cantando jubilosos! – R.

    Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, † ele mesmo nos fez e somos seus, /
    nós somos seu povo e seu rebanho. – R.

    Sim, é bom o Senhor e nosso Deus, † sua bondade perdura para sempre, /
    seu amor é fiel eternamente! – R.

    João 15,18-21

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 18“Se o mundo vos odeia, sabei que primeiro me odiou a mim. 19Se fôsseis do mundo, o mundo gostaria daquilo que lhe pertence. Mas, porque não sois do mundo, porque eu vos escolhi e apartei do mundo, o mundo por isso vos odeia. 20Lembrai-vos daquilo que eu vos disse: ‘O servo não é maior que seu senhor’. Se me perseguiram a mim, também perseguirão a vós. Se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa. 21Tudo isso eles farão contra vós por causa do meu nome, porque não conhecem aquele que me enviou”.

    Palavra da salvação.

    “O servo não é maior que seu Senhor”

    Em Cristo Senhor, a palavra que nos é dirigida traz a relação das coisas do mundo e do alto e a relação das coisas terrenas e celestes. Muitas vezes quando entramos na dinâmica referente das coisas terrenas, deixamos de fazer a vontade de Deus e, por sua vez, nos afastamos do céu.

    Colocar-se no seguimento do Crucificado é uma busca constante de viver separado dos valores rasos da sociedade e optar, por livre vontade, pelas exigências da vontade de Deus, ou seja, passar pelas adversidades com a alegria daquele que serve, assumir o rebaixamento de Cristo a partir do discipulado. Quem serve entende que o Senhor é bem maior que nossas vontades. Um discípulo fiel entende que a doação é dom gratuito e que vence a morte.

    Nossa glória é a cruz de Cristo, nossa gratidão é saber que se o mundo nos odeia, Deus, em sua infinita bondade, nos ama e nos coloca em seu redil como ovelhas cuidadas por um bom pastor. Que Deus nos ajude a reconhecer seu senhorio em nossas vidas, como testemunhas do Santo Evangelho e servi-Lo e aos irmãos com generosidade!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 6º Domingo da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 15,1-2.22-29

    Naqueles dias, 1chegaram al­guns da Judeia e ensinavam aos ir­mãos de Antioquia, dizendo: “Vós não pode­reis salvar-vos se não for­des circun­ci­dados, como ordena a Lei de Moi­sés”. 2Isso provocou muita con­fusão, e houve uma grande dis­cussão de Paulo e Barnabé com eles. Final­mente, decidiram que Paulo, Barna­bé e alguns outros fossem a Jerusalém para tratar dessa questão com os apóstolos e os anciãos. 22En­tão os apóstolos e os anciãos, de acor­do com toda a comunidade de Je­ru­salém, resolveram escolher alguns da comunidade para mandá-los a Antioquia com Paulo e Bar­nabé. Esco­lheram Judas, chamado Bársa­bas, e Silas, que eram muito respei­ta­dos pelos irmãos. 23Através deles enviaram a se­guinte carta: “Nós, os apóstolos e os anciãos, vossos irmãos, sauda­­mos os irmãos vindos do paganismo e que estão em Antioquia e nas regiões da Síria e da Cilícia. 24Fica­mos sa­ben­do que alguns dos nossos cau­saram perturbações com palavras que transtornaram vosso espí­rito. Eles não foram enviados por nós. 25Então decidimos, de comum acor­­do, escolher alguns represen­tantes e mandá-los até vós, junto com nossos queridos irmãos Bar­nabé e Paulo, 26homens que arriscaram suas vidas pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo. 27Por isso, esta­mos en­vi­an­do Judas e Silas, que pes­soal­mente vos transmitirão a mes­ma mensagem. 28Porque decidimos, o Espírito San­to e nós, não vos impor nenhum fardo, além destas coisas indispen­sáveis: 29abster-se de carnes sacrifi­cadas aos ídolos, do sangue, das carnes de animais sufocados e das uniões ilegítimas. Vós fareis bem se evitardes essas coisas. Saudações!”

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 66(67)
    Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor, / que todas as nações vos glorifiquem!

    Que Deus nos dê a sua graça e sua bênção, / e sua face resplandeça sobre nós! /
    Que na terra se conheça o seu caminho / e a sua salvação por entre os povos. – R.

    Exulte de alegria a terra inteira, / pois julgais o universo com justiça; /
    os povos governais com retidão / e guiais, em toda a terra, as nações. – R.

    Que as nações vos glorifiquem, ó Senhor, / que todas as nações vos glorifiquem! /
    Que o Senhor e nosso Deus nos abençoe, / e o respeitem os confins de toda a terra! – R.

    Apocalipse 21,10-14.22-23

    10Um anjo me levou em espírito a uma montanha grande e alta. Mostrou-me a cidade santa, Jerusalém, descendo do céu, de junto de Deus, 11brilhando com a glória de Deus. Seu brilho era como o de uma pedra preciosíssima, como o brilho de jaspe cristalino. 12Estava cercada por uma muralha maciça e alta, com doze portas. Sobre as portas estavam doze anjos, e nas portas estavam escritos os nomes das doze tribos de Israel. 13Havia três portas do lado do oriente, três portas do lado norte, três portas do lado sul e três portas do lado do ocidente. 14A muralha da cidade tinha doze alicerces, e sobre eles estavam escritos os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro. 22Não vi templo na cidade, pois o seu templo é o próprio Senhor, o Deus todo-poderoso, e o Cordeiro. 23A cidade não precisa de sol nem de lua que a iluminem, pois a glória de Deus é a sua luz e a sua lâmpada é o Cordeiro.

    Palavra do Senhor.

    João 14,23-29

    Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 23“Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. 24Quem não me ama não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou. 25Isso é o que vos disse enquanto estava convosco. 26Mas o Defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito. 27Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração. 28Ouvistes que eu vos disse: ‘Vou, mas voltarei a vós’. Se me amásseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu. 29Disse-vos isso agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis”.

    Palavra da salvação.

    “O Espírito Santo vos recordará tudo o que vos tenho dito”

    O Senhor nos promete o Espírito, que nos acompanha e ilumina na jornada da vida, guia e conduz nossos passos nessa longa caminhada, dizendo: “Mas o Defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, Ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito”.  ‘Recordará’, palavra muito bonita e com um significado muito forte: trazer de volta ao coração, coração esse que é o lugar do encontro com Deus. Por mais que, enquanto míseros humanos, tendamos a nos desviar do caminho de Deus, o Espírito Santo sempre nos faz retornar, é o sopro que nos recoloca na estrada e direciona nossas escolhas.

    É necessário estarmos sensíveis para perceber os sinais que Deus nos envia, termos uma vida orientada para Deus. Reconhecendo que tudo é Dele e para Ele, todas as coisas e os seres apontam para o Senhor e estar aberto ao Espírito é aceitar entrar nessa dinâmica. O olhar muda, ao contemplar uma flor, não se vê apenas ela, mas sua beleza reflete a beleza de Deus e sua bondade. Sejamos, pois, “dóceis” ao Espírito!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 2ª-feira da 6ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 16,11-15

    11Embarcamos em Trôade e navegamos diretamente para a ilha de Samotrácia. No dia seguinte, ancoramos em Neápolis, 12de onde passamos para Filipos, que é uma das principais cidades da Macedônia e que tem direitos de colônia romana. Passamos alguns dias nessa cidade. 13No sábado, saímos além da porta da cidade para um lugar junto ao rio, onde nos parecia haver oração. Sentados, começamos a falar com as mulheres que estavam aí reunidas. 14Uma delas chamava-se Lídia; era comerciante de púrpura, da cidade de Tiatira. Lídia acreditava em Deus e escutava com atenção. O Senhor abriu o seu coração para que aceitasse as palavras de Paulo. 15Após ter sido batizada, assim como toda a sua família, ela convidou-nos: “Se vós me considerais uma fiel do Senhor, permanecei em minha casa”. E forçou-nos a aceitar.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 149
    O Senhor ama seu povo de verdade.

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / e o seu louvor na assembleia dos fiéis! /
    Alegre-se Israel em quem o fez, / e Sião se rejubile no seu rei! – R.

    Com danças glorifiquem o seu nome, / toquem harpa e tambor em sua honra! /
    Porque, de fato, o Senhor ama seu povo / e coroa com vitória os seus humildes. – R.

    Exultem os fiéis por sua glória / e, cantando, se levantem de seus leitos /
    com louvores do Senhor em sua boca. / Eis a glória para todos os seus santos. – R.

    João 15,26-16,4

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 26“Quando vier o Defensor que eu vos mandarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que procede do Pai, ele dará testemunho de mim. 27E vós também dareis testemunho, porque estais comigo desde o começo. 16,1Eu vos disse estas coisas para que a vossa fé não seja abalada. 2Expulsar-vos-ão das sinagogas, e virá a hora em que aquele que vos matar julgará estar prestando culto a Deus. 3Agirão assim porque não conheceram o Pai nem a mim. 4Eu vos digo isso para que vos lembreis de que eu o disse, quando chegar a hora”.

    Palavra da salvação.

    “O Espírito da Verdade dará testemunho de mim”

    No Evangelho de hoje, Jesus nos pede para não deixarmos de falar da boa nova do Evangelho para o povo, pois aí está a verdade que Ele nos quer falar. Assim não deixemos os nossos atos de lado, mas sim busquemos sempre fazer as coisas através do Evangelho; é aí que está a nossa sabedoria diária e de nossa vida, pois se deixamos a palavra de Deus em segundo plano, vã é a nossa fé, pois necessitamos de Deus em nosso dia a dia. Ele que nos guia em sua verdade e é ela que vai nos libertar de nossos pecados. Foi por amor que Deus mandou Jesus para nos libertar de nossos pecados dando sua vida por nós. Paz e Bem!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 3ª-feira da 6ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 16,22-34

    Naqueles dias, 22a multidão dos filipenses levantou-se contra Paulo e Silas; e os magistrados, depois de lhes rasgarem as vestes, mandaram açoitar os dois com varas. 23Depois de açoitá-los bastante, lançaram-nos na prisão, ordenando ao carcereiro que os guardasse com toda a segurança. 24Ao receber essa ordem, o carcereiro levou-os para o fundo da prisão e prendeu os pés deles no tronco. 25À meia-noite, Paulo e Silas estavam rezando e cantando hinos a Deus. Os outros prisioneiros os escutavam. 26De repente, houve um terremoto tão violento, que sacudiu os alicerces da prisão. Todas as portas se abriram e as correntes de todos se soltaram. 27O carcereiro acordou e viu as portas da prisão abertas. Pensando que os prisioneiros tivessem fugido, puxou da espada e estava para suicidar-se. 28Mas Paulo gritou com voz forte: “Não te faças mal algum! Nós estamos todos aqui”. 29Então o carcereiro pediu tochas, correu para dentro e, tremendo, caiu aos pés de Paulo e Silas. 30Conduzindo-os para fora, perguntou: “Senhores, que devo fazer para ser salvo?” 31Paulo e Silas responderam: “Crê no Senhor Jesus e sereis salvos tu e todos os de tua família”. 32Então Paulo e Silas anunciaram a Palavra do Senhor ao carcereiro e a todos os da sua família. 33Na mesma hora da noite, o carcereiro levou-os consigo para lavar as feridas causadas pelos açoites. E, imediatamente, foi batizado junto com todos os seus familiares. 34Depois fez Paulo e Silas subirem até sua casa, preparou-lhes um jantar e alegrou-se com todos os seus familiares por ter acreditado em Deus.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 137(138)
    Ó Senhor, me estendeis o vosso braço e me ajudais.

    Ó Senhor, de coração eu vos dou graças, / porque ouvistes as palavras dos meus lábios! /
    Perante os vossos anjos vou cantar-vos / e ante o vosso templo vou prostrar-me. – R.

    Eu agradeço vosso amor, vossa verdade, / porque fizestes muito mais que prometestes; /
    naquele dia em que gritei, vós me escutastes / e aumentastes o vigor da minha alma. – R.

    Estendereis o vosso braço em meu auxílio / e havereis de me salvar com vossa destra. /
    Completai em mim a obra começada; / ó Senhor, vossa bondade é para sempre! /
    Eu vos peço: não deixeis inacabada / esta obra que fizeram vossas mãos! – R.

    João 16,5-11

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 5“Agora, parto para aquele que me enviou e nenhum de vós me pergunta ‘para onde vais?’ 6Mas, porque vos disse isso, a tristeza encheu os vossos corações. 7No entanto, eu vos digo a verdade: é bom para vós que eu parta; se eu não for, não virá até vós o Defensor; mas, se eu me for, eu vo-lo mandarei. 8E quando vier, ele demonstrará ao mundo em que consistem o pecado, a justiça e o julgamento: 9o pecado, porque não acreditaram em mim; 10a justiça, porque vou para o Pai, de modo que não mais me vereis; 11e o julgamento, porque o chefe deste mundo já está condenado”.

    Palavra da salvação.

    Se eu não for, não virá até vós o Defensor.

    Os discípulos de Jesus ficaram tristes quando Ele anunciou que iria retornar para aquele que havia lhe enviado. Para o projeto de Deus se realizar e se cumprir tudo aquilo que Jesus tinha proclamado aqui na terra era necessário à sua partida, porém, Cristo tranquiliza seus discípulos dizendo que mandará o Defensor, o “Espírito Santo”.

    Jesus Cristo mostrou para nós o caminho que leva ao tão esperado encontro com Deus. A humanidade naquele período o rejeitou não aceitando a Palavra da salvação revelada pelo seu Filho Jesus Cristo. Após a morte de Jesus Cristo, Deus mandou o Espírito Santo para confirmar que Cristo tinha vencido a morte e toda a maldade que sofrera e o Espírito Santo provou que Cristo realmente era o enviado de Deus.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 4ª-feira da 6ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 17,15.22-18,1

    Naqueles dias, 15os que conduziram Paulo levaram-no até Atenas. De lá, voltando, transmitiram a Silas e Timóteo a ordem de que fossem ter com ele o mais cedo possível. E partiram. 22De pé, no meio do Areópago, Paulo disse: “Homens atenienses, em tudo eu vejo que vós sois extremamente religiosos. 23Com efeito, passando e observando os vossos lugares de culto, encontrei também um altar com esta inscrição: ‘Ao Deus desconhecido’. Pois bem, esse Deus que vós adorais sem conhecer é exatamente aquele que eu vos anuncio. 24O Deus que fez o mundo e tudo o que nele existe; sendo Senhor do céu e da terra, ele não habita em santuários feitos por mãos humanas. 25Também não é servido por mãos humanas, como se precisasse de alguma coisa; pois é ele que dá a todos vida, respiração e tudo o mais. 26De um só homem ele fez toda a raça humana para habitar sobre toda a face da terra, tendo fixado os tempos previamente estabelecidos e os limites de sua habitação. 27Assim fez, para que buscassem a Deus e para ver se o descobririam, ainda que às apalpadelas. Ele não está longe de cada um de nós, 28pois nele vivemos, nos movemos e existimos, como disseram alguns dentre vossos poetas: ‘Somos da raça do próprio Deus’. 29Sendo, portanto, da raça de Deus, não devemos pensar que a divindade seja semelhante a ouro, prata ou pedra, trabalhados pela arte e imaginação do homem. 30Mas Deus, sem levar em conta os tempos da ignorância, agora anuncia aos homens que todos e em todo lugar se arrependam, 31pois ele estabeleceu um dia em que irá julgar o mundo com justiça por meio do homem que designou diante de todos, oferecendo uma garantia, ao ressuscitá-lo dos mortos”. 32Quando ouviram falar da ressurreição dos mortos, alguns caçoavam e outros diziam: “Nós te ouviremos falar disso em outra ocasião”. 33Assim Paulo saiu do meio deles. 34Alguns, porém, uniram-se a ele e abraçaram a fé. Entre eles estava também Dionísio, o areopagita, uma mulher chamada Dâmaris e outros com eles. 18,1Paulo deixou Atenas e foi para Corinto.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 148
    Da vossa glória estão cheios o céu e a terra.

    Louvai o Senhor Deus nos altos céus, / louvai-o no excelso firmamento! /
    Louvai-o, anjos seus, todos louvai-o, / louvai-o, legiões celestiais! – R.

    Reis da terra, povos todos, bendizei-o, / e vós, príncipes e todos os juízes; /
    e vós, jovens, e vós, moças e rapazes, / anciãos e criancinhas, bendizei-o! – R.

    Louvem o nome do Senhor, louvem-no todos, / porque somente o seu nome é excelso! /
    A majestade e esplendor de sua glória / ultrapassam em grandeza o céu e a terra. – R.

    Ele exaltou seu povo eleito em poderio, / ele é o motivo de louvor para os seus santos. /
    É um hino para os filhos de Israel, / este povo que ele ama e lhe pertence. – R.

    João 16,12-15

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 12“Tenho ainda muitas coisas a dizer-vos, mas não sois capazes de as compreender agora. 13Quando, porém, vier o Espírito da verdade, ele vos conduzirá à plena verdade. Pois ele não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido; e até as coisas futuras vos anunciará. 14Ele me glorificará, porque receberá do que é meu e vo-lo anunciará. 15Tudo o que o Pai possui é meu. Por isso disse que o que ele receberá e vos anunciará é meu”.

    Palavra da salvação.

    “Tenho ainda muitas coisas a dizer-vos, mas não sois capazes de compreender agora. ”

    Este trecho do Evangelho nos leva a refletir como anda nossa caminhada fé. Assim como os discípulos não eram capazes de compreender muitas coisas que Jesus tinha para dizê-los, hoje, Jesus também tem muito a nos dizer e pode ser que ainda não sejamos capazes de compreender.

    Essa compreensão, contudo, não se trata de um conhecimento teórico, histórico, científico ou profissional. Trata-se, antes, de um conhecimento existencial, vivencial. Para tal, é necessário que estejamos no caminho, que é o próprio Jesus, e que caminhemos. Pois apenas estarmos parados no caminho não garante que compreendamos tudo quanto Deus quer nos dizer, é necessário esforço.

    Nesse sentido, podemos comparar o conhecimento das coisas de Deus como a vista de uma montanha. A montanha é o Cristo, à medida que caminhamos e subimos, vamos ampliando nossa visão. Nem sempre é fácil, muitas vezes é desafiador, mas todas as dificuldades da caminhada nos fortalecem e nos tornam mais experientes. Quando chegamos ao topo da montanha vemos que todo esforço que empregamos valeu a pena, e toda dificuldade que passamos não se compara com a beleza que Deus nos reservou.

    Portanto, irmãos, caminhemos, pois é no caminho e no caminhar que Deus nos revela o seu modo de ser e a sua beleza. Certamente haverá dificuldades, mas também foi por meio delas que Jesus Cristo foi glorificado e subiu ao Pai.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • São Filipe Néri

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 18,1-8

    Naqueles dias, 1Paulo deixou Atenas e foi para Corinto. 2Aí encontrou um judeu chamado Áquila, natural do Ponto, que acabava de chegar da Itália, e sua esposa, Priscila, pois o imperador Cláudio tinha decretado que todos os judeus saíssem de Roma. Paulo entrou em contato com eles. 3E, como tinham a mesma profissão – eram fabricantes de tendas -, Paulo passou a morar com eles e trabalhavam juntos. 4Todos os sábados, Paulo discutia na sinagoga, procurando convencer judeus e gregos. 5Quando Silas e Timóteo chegaram da Macedônia, Paulo dedicou-se inteiramente à Palavra, testemunhando diante dos judeus que Jesus era o Messias. 6Mas, por causa da resistência e blasfêmias deles, Paulo sacudiu as vestes e disse: “Vós sois responsáveis pelo que acontecer. Eu não tenho culpa; de agora em diante, vou dirigir-me aos pagãos”. 7Então, saindo dali, Paulo foi para a casa de um pagão, um certo Tício Justo, adorador do Deus único, que morava ao lado da sinagoga. 8Crispo, o chefe da sinagoga, acreditou no Senhor com toda a sua família; e muitos coríntios que escutavam Paulo acreditavam e recebiam o batismo.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 97(98)
    O Senhor fez conhecer seu poder salvador / perante as nações.

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / porque ele fez prodígios! /
    Sua mão e o seu braço forte e santo / alcançaram-lhe a vitória. – R.

    O Senhor fez conhecer a salvação, / e às nações, sua justiça; /
    recordou o seu amor sempre fiel / pela casa de Israel. – R.

    Os confins do universo contemplaram / a salvação do nosso Deus. /
    Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, / alegrai-vos e exultai! – R.

    João 16,16-20

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 16“Pouco tempo ainda e já não me vereis. E outra vez pouco tempo e me vereis de novo”. 17Alguns dos seus discípulos disseram então entre si: “O que significa o que ele nos está dizendo: ‘Pouco tempo e não me vereis, e outra vez pouco tempo e me vereis de novo’, e: ‘Eu vou para junto do Pai’?” 18Diziam, pois: “O que significa esse pouco tempo? Não entendemos o que ele quer dizer”. 19Jesus compreendeu que eles queriam interrogá-lo; então, disse-lhes: “Estais discutindo entre vós porque eu disse: ‘Pouco tempo e já não me vereis, e outra vez pouco tempo e me vereis’? 20Em verdade, em verdade vos digo, vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará. Vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria”.

    Palavra da salvação.

    “Vós ficareis tristes, mas vossa tristeza se transformará em alegria”

    Neste Evangelho, Jesus mostra como que o mistério e a dor de sua paixão se transformarão muito em breve na alegria, porque quem está conectado com o mistério revelado por Cristo nunca estará triste, mas sempre terá alegria fornecida por meio da oração.

    São Felipe Néri seguiu fielmente os passos de Cristo, como o Evangelho mostra por que como um pregador inspirado pela alegria pascal de Cristo, mostrou uma nova forma de ser alegre, vivendo cada dia os mistérios da paixão, morte e ressurreição de nosso Senhor.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 6ª-feira da 6ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 18,9-18

    Estando Paulo em Corinto, 9uma noite o Senhor disse-lhe em visão: “Não tenhas medo; continua a falar e não te cales, 10porque eu estou contigo. Ninguém te porá a mão para fazer mal. Nesta cidade há um povo numeroso que me pertence”. 11Assim Paulo ficou um ano e meio entre eles, ensinando-lhes a Palavra de Deus. 12Na época em que Galião era procônsul na Acaia, os judeus insurgiram-se em massa contra Paulo e levaram-no diante do tribunal, 13dizendo: “Este homem induz o povo a adorar a Deus de modo contrário à Lei”. 14Paulo ia tomar a palavra quando Galião falou aos judeus, dizendo: “Judeus, se fosse por causa de um delito ou de uma ação criminosa, seria justo que eu atendesse a vossa queixa. 15Mas, como é questão de palavras, de nomes e da vossa Lei, tratai disso vós mesmos. Eu não quero ser juiz nessas coisas”. 16E Galião mandou-os sair do tribunal. 17Então todos agarraram Sóstenes, o chefe da sinagoga, e espancaram-no diante do tribunal. E Galião nem se incomodou com isso. 18Paulo permaneceu ainda vários dias em Corinto. Despedindo-se dos irmãos, embarcou para a Síria, em companhia de Priscila e Áquila. Em Cencreia, Paulo rapou a cabeça, pois tinha feito uma promessa.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 46(47)
    O Senhor é o grande rei de toda a terra.

    Povos todos do universo, batei palmas, / gritai a Deus aclamações de alegria! /
    Porque sublime é o Senhor, o Deus altíssimo, / o soberano que domina toda a terra. – R.

    Os povos sujeitou ao nosso jugo / e colocou muitas nações aos nossos pés. /
    Foi ele que escolheu a nossa herança, / a glória de Jacó, seu bem-amado. – R.

    Por entre aclamações Deus se elevou, / o Senhor subiu ao toque da trombeta. /
    Salmodiai ao nosso Deus ao som da harpa, / salmodiai, ao som da harpa, ao nosso rei! – R.

    João 16,20-23

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 20“Em verdade, em verdade vos digo, vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará; vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria. 21A mulher, quando deve dar à luz, fica angustiada porque chegou a sua hora; mas, depois que a criança nasceu, ela já não se lembra dos sofrimentos, por causa da alegria de um homem ter vindo ao mundo. 22Também vós agora sentis tristeza, mas eu hei de ver-vos novamente, e o vosso coração se alegrará, e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria. 23Naquele dia, não me perguntareis mais nada”.

    Palavra da salvação.

    “Eu hei de ver-vos novamente e o vosso coração se alegrará, e ninguém vos poderá tirar a vossa alegria”.

    Na passagem do Evangelho de hoje, Jesus compara o sofrimento que os discípulos teriam de passar, com a angústia de uma mulher que deve dar à luz. Bem é verdade que ela sofre, mas tendo nascido a criança, é a alegria que toma conta de seu coração. Assim também aconteceu com os discípulos. Devido à paixão e morte de Jesus, sofreram e se angustiaram, mas quando presenciaram a Ressureição foram tomados pela alegria e saíram a contar a notícia a todos os povos.

    Dificuldades, sofrimentos, dores, tristezas, angústias, são sentimentos que nos acompanham durante a vida. Um fato que também acontece com aqueles que se propõem seguir a Jesus Cristo. Paulo e Barnabé já advertiam os seus: “É preciso que passemos por muitos sofrimentos para entrar no Reino de Deus”. (At 14,22)

    Porém, a força da fé, a certeza de que Jesus Cristo ressuscitou dos mortos nos enche de alegria e nos coloca no caminho do discipulado, firmes na esperança da vida nova que ele nos prometeu junto do Pai. Alegremo-nos com o Ressuscitado e encontremos nele a força que permite enfrentar os sofrimentos e dificuldades de nossas vidas. Busquemos entrar com Ele no Reino de Deus.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Sábado da 6ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 18,23-28

    23Paulo permaneceu algum tempo em Antioquia. Em seguida, partiu de novo, percorrendo sucessivamente as regiões da Galácia e da Frígia, fortalecendo todos os discípulos. 24Chegou a Éfeso um judeu chamado Apolo, natural de Alexandria. Era homem eloquente, versado nas Escrituras. 25Fora instruído no caminho do Senhor e, com muito entusiasmo, falava e ensinava com exatidão a respeito de Jesus, embora só conhecesse o batismo de João. 26Então, ele começou a falar com muita convicção na sinagoga. Ao escutá-lo, Priscila e Áquila tomaram-no consigo e, com mais exatidão, expuseram-lhe o caminho de Deus. 27Como ele estava querendo passar para a Acaia, os irmãos apoiaram-no e escreveram aos discípulos para que o acolhessem bem. Pela graça de Deus, a presença de Apolo aí foi muito útil aos fiéis. 28Com efeito, ele refutava vigorosamente os judeus em público, demonstrando pelas Escrituras que Jesus é o Messias.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 46(47)
    O Senhor é o grande rei de toda a terra.

    Povos todos do universo, batei palmas, / gritai a Deus aclamações de alegria! /
    Porque sublime é o Senhor, o Deus altíssimo, / o soberano que domina toda a terra. – R.

    Porque Deus é o grande rei de toda a terra, / ao som da harpa acompanhai os seus louvores! /
    Deus reina sobre todas as nações, / está sentado no seu trono glorioso. – R.

    Os chefes das nações se reuniram / com o povo do Deus santo de Abraão, /
    pois só Deus é realmente o Altíssimo, / e os poderosos desta terra lhe pertencem! – R.

    João 16,23-28

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 23“Em verdade, em verdade vos digo, se pedirdes ao Pai alguma coisa em meu nome, ele vo-la dará. 24Até agora nada pedistes em meu nome; pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja completa. 25Disse-vos estas coisas em linguagem figurativa. Vem a hora em que não vos falarei mais em figuras, mas claramente vos falarei do Pai. 26Naquele dia pedireis em meu nome, e não vos digo que vou pedir ao Pai por vós, 27pois o próprio Pai vos ama, porque vós me amastes e acreditastes que eu vim da parte de Deus. 28Eu saí do Pai e vim ao mundo; e novamente parto do mundo e vou para o Pai”.

    Palavra da salvação.

    “O próprio Pai vos ama, porque vós me amastes e acreditastes que eu vim da parte de Deus”.

    Hoje, Jesus nos faz uma afirmação grandiosa: Deus é Pai. Talvez estejamos tão acostumados a ouvir essa frase que não consigamos facilmente entender a profundidade dessa realidade.

    Deus é Pai, sempre o foi e sempre o será. Porém, o povo do Antigo Testamento tinha certa dificuldade de compreender isso, e muitas vezes via Deus como um juiz, pronto para os julgar e os condenar assim que deslizassem e pecassem. Jesus esclarece isso, afirmando que Deus é Pai. É nosso Pai. É seu Pai. É um Pai Amoroso que não condena a nós seus filhos assim que caímos, pois sabe que ainda estamos aprendendo a andar e que naturalmente iremos cair. Diante disso, Ele nos ajuda, nos levanta novamente, com todo cuidado e carinho de um Pai, para que continuemos a caminhar.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • ASCENSÃO DO SENHOR

    • Primeira Leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 1,1-11

    1No meu primeiro livro, ó Teófilo, já tratei de tudo o que Jesus fez e ensinou, desde o começo 2até o dia em que foi levado para o céu, depois de ter dado instruções, pelo Espírito Santo, aos apóstolos que tinha escolhido. 3Foi a eles que Jesus se mostrou vivo depois da sua paixão, com numerosas provas. Durante quarenta dias, apareceu-lhes falando do Reino de Deus. 4Durante uma refeição, deu-lhes esta ordem: “Não vos afasteis de Jerusalém, mas esperai a realização da promessa do Pai, da qual vós me ouvistes falar: 5‘João batizou com água; vós, porém, sereis batizados com o Espírito Santo dentro de poucos dias’”. 6Então os que estavam reunidos perguntaram a Jesus: “Senhor, é agora que vais restaurar o reino em Israel?” 7Jesus respondeu: “Não vos cabe saber os tempos e os momentos que o Pai determinou com a sua própria autoridade. 8Mas recebereis o poder do Espírito Santo, que descerá sobre vós para serdes minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e na Samaria, e até os confins da terra”. 9Depois de dizer isso, Jesus foi levado ao céu à vista deles. Uma nuvem o encobriu, de forma que seus olhos não mais podiam vê-lo. 10Os apóstolos continuavam olhando para o céu, enquanto Jesus subia. Apareceram então dois homens vestidos de branco, 11que lhes disseram: “Homens da Galileia, por que ficais aqui, parados, olhando para o céu? Esse Jesus, que vos foi levado para o céu, virá do mesmo modo como o vistes partir para o céu”.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 46(47)
    Por entre aclamações, Deus se elevou, / o Senhor subiu ao toque da trombeta!

    Povos todos do universo, batei palmas, / gritai a Deus aclamações de alegria! /
    Porque sublime é o Senhor, o Deus altíssimo, / o soberano que domina toda a terra. – R.

    Por entre aclamações, Deus se elevou, / o Senhor subiu ao toque da trombeta. /
    Salmodiai ao nosso Deus ao som da harpa, / salmodiai, ao som da harpa, ao nosso rei! – R.

    Porque Deus é o grande rei de toda a terra, / ao som da harpa acompanhai os seus louvores! /
    Deus reina sobre todas as nações, / está sentado no seu trono glorioso. – R.

    Efésios 1,17-23

    Irmãos, 17o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai a quem pertence a glória, vos dê um espírito de sabedoria que vo-lo revele e faça verdadeiramente conhecer. 18Que ele abra o vosso coração à sua luz, para que saibais qual a esperança que o seu chamamento vos dá, qual a riqueza da glória que está na vossa herança com os santos 19e que imenso poder ele exerceu em favor de nós que cremos, de acordo com a sua ação e força onipotente. 20Ele manifestou sua força em Cristo, quando o ressuscitou dos mortos e o fez sentar-se à sua direita nos céus, 21bem acima de toda autoridade, poder, potência, soberania ou qualquer título que se possa mencionar não somente neste mundo, mas ainda no mundo futuro. 22Sim, ele pôs tudo sob os seus pés e fez dele, que está acima de tudo, a cabeça da Igreja, 23que é o seu corpo, a plenitude daquele que possui a plenitude universal.

    Palavra do Senhor.

    Lucas 24,46-53

    Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 46“Assim está escrito: O Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia 47e, no seu nome, serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. 48Vós sereis testemunhas de tudo isso. 49Eu enviarei sobre vós aquele que meu Pai prometeu. Por isso, permanecei na cidade, até que sejais revestidos da força do alto”. 50Então, Jesus levou-os para fora, até perto de Betânia. Ali ergueu as mãos e abençoou-os. 51Enquanto os abençoava, afastou-se deles e foi levado para o céu. 52Eles o adoraram. Em seguida, voltaram para Jerusalém com grande alegria. 53E estavam sempre no templo, bendizendo a Deus.

    Palavra da salvação.

    “Eu enviarei sobre vós aquele que meu Pai prometeu. Por isso,
    permanecei na cidade, até que sejais revestidos da força do alto”

    “Eu enviarei sobre vós aquele que meu Pai prometeu. Por isso, permanecei na cidade, até que sejais revestidos da força do alto” (Lc 24,48), assim diz o Senhor aos seus discípulos. É possível enxergarmos na fala de Jesus dois aspectos importantes que devemos ter em nosso relacionamento com Deus, a confiança e reconhecer que é Deus que nos sustenta.

    Confiar é saber que Deus é o cumpridor de todas as promessas e que jamais desampara um de seus filhos. O fruto da confiança é a esperança e ela significa uma espera ativa, ou seja, uma espera que te impele a buscar a Deus cada vez mais. Deste modo, teremos um firme relacionamento com Deus-Pai.

    Lembremos que hoje comemoramos a solenidade da Ascensão do Senhor, que é o ponto alto de sua ressurreição. Jesus é elevado aos céus para estar junto da glória de seu Pai, sendo este um grande sinal para nós de que um dia, também nós, estaremos junto do Pai, participando da morada eterna em seu Reino.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 2ª-feira da 7ª Semana da Páscoa

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Atos 19,1-8

    1Enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo atravessou as regiões montanhosas e chegou a Éfeso. Aí encontrou alguns discípulos e perguntou-lhes: 2“Vós recebestes o Espírito Santo quando abraçastes a fé?” Eles responderam: “Nem sequer ouvimos dizer que existe o Espírito Santo!” 3Então Paulo perguntou: “Que batismo vós recebestes?” Eles responderam: “O batismo de João”. 4Paulo disse-lhes: “João administrava um batismo de conversão, dizendo ao povo que acreditasse naquele que viria depois dele, isto é, em Jesus”. 5Tendo ouvido isso, eles foram batizados no nome do Senhor Jesus. 6Paulo impôs-lhes as mãos, e sobre eles desceu o Espírito Santo. Começaram então a falar em línguas e a profetizar. 7Ao todo, eram uns doze homens. 8Paulo foi então à sinagoga e, durante três meses, falava com toda convicção, discutindo e procurando convencer os ouvintes sobre o Reino de Deus.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 67(68)
    Reinos da terra, cantai ao Senhor.

    Eis que Deus se põe de pé e os inimigos se dispersam! / Fogem longe de sua face os que odeiam o Senhor! /
    Como a fumaça se dissipa, assim também os dissipais; † como a cera se derrete ao contato com o fogo, /
    assim pereçam os iníquos ante a face do Senhor! – R.

    Mas os justos se alegram na presença do Senhor, / rejubilam satisfeitos e exultam de alegria! /
    Cantai a Deus, a Deus louvai, cantai um salmo a seu nome! / O seu nome é Senhor: exultai diante dele! – R.

    Dos órfãos ele é pai e das viúvas protetor; / é assim o nosso Deus em sua santa habitação. /
    É o Senhor quem dá abrigo, dá um lar aos deserdados, / quem liberta os prisioneiros e os sacia com fartura. – R.

    João 16,29-33

    Naquele tempo, 29os discípulos disseram a Jesus: “Eis, agora falas claramente e não usas mais figuras. 30Agora sabemos que conheces tudo e que não precisas que alguém te interrogue. Por isso cremos que vieste da parte de Deus”. 31Jesus respondeu: “Credes agora? 32Eis que vem a hora – e já chegou – em que vos dispersareis, cada um para seu lado, e me deixareis só. Mas eu não estou só, porque o Pai está comigo. 33Disse-vos estas coisas para que tenhais paz em mim. No mundo, tereis tribulações. Mas tende coragem! Eu venci o mundo!-

    Palavra da salvação.

    “Credes agora? ”

    No Evangelho de hoje, os discípulos estavam convencidos que finalmente haviam compreendido o significado da mensagem, mas Jesus leva a crer que era apenas ilusão, pois, na hora da adversidade, eles o abandonariam e se dispersariam. Prova da incompreensão, prova da falta de fé.

    Certamente, as coisas ditas por Jesus não deviam ser de fácil compreensão em seu tempo. Ainda hoje muitos não entendem. Há também aqueles que acreditam entender, mas entendem tanto quanto os demais. Entre os discípulos de Jesus não era diferente. Por vezes, os discípulos pareciam entender o que Jesus dizia, outras vezes, não. Apesar de o mestre se fazer mais claro para eles que aos outros.

    Crer em Jesus é fazê-lo quando tudo parece perdido e sem volta. É fazê-lo quando parecemos termos sido abandonados. A fé não se prova na calmaria, mas na tempestade.  Muitos são os cristãos de hoje que parecem firmes e certos na sua fé, mas que ao primeiro dissabor fraquejam. Por isso, Jesus questiona: “Credes agora? ” Isso serve para cada um de nós, dos mais simples aos mais entendidos.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Visitação de Nossa Senhora

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Sofonias 3,14-18

    14Canta de alegria, cidade de Sião; rejubila, povo de Israel! Alegra-te e exulta de todo o coração, cidade de Jerusalém! 15O Senhor revogou a sentença contra ti, afastou teus inimigos; o rei de Israel é o Senhor, ele está no meio de ti, nunca mais temerás o mal. 16Naquele dia se dirá a Jerusalém: “Não temas, Sião, não te deixes levar pelo desânimo! 17O Senhor, teu Deus, está no meio de ti, o valente guerreiro que te salva; ele exultará de alegria por ti, movido por amor; exultará por ti, entre louvores, 18como nos dias de festa. Afastarei de ti a desgraça, para que nunca mais te cause humilhação”.

    Palavra do Senhor.

    Leitura opcional: Romanos 12,9-16b.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl Is 12
    O santo de Israel é grande entre vós.

    Eis o Deus, meu salvador, eu confio e nada temo; † o Senhor é minha força, meu louvor e salvação. /
    Com alegria bebereis do manancial da salvação. – R.

    E direis naquele dia: “Dai louvores ao Senhor, † invocai seu santo nome, anunciai suas maravilhas, /
    entre os povos proclamai que seu nome é o mais sublime. – R.

    Louvai, cantando ao nosso Deus, que fez prodígios e portentos, / publicai em toda a terra suas grandes maravilhas! /
    Exultai, cantando alegres, habitantes de Sião, / porque é grande em vosso meio o Deus santo de Israel!” – R.

    Lucas 1,39-56

    39Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. 40Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! 43Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”. 46Maria disse: “A minha alma engrandece o Senhor, 47e o meu espírito se alegra em Deus, meu salvador, 48porque olhou para a humildade de sua serva. Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada, 49porque o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor. O seu nome é santo 50e sua misericórdia se estende, de geração em geração, a todos os que o temem. 51Ele mostrou a força de seu braço: dispersou os soberbos de coração. 52Derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes. 53Encheu de bens os famintos e despediu os ricos de mãos vazias. 54Socorreu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, 55conforme prometera aos nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência para sempre”. 56Maria ficou três meses com Isabel; depois voltou para casa.

    Palavra da salvação.

    “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! ”

    Em Jesus Cristo, hoje celebramos a festa do “Magnificat”, ou seja, da festa da visitação de Nossa Senhora, cântico por meio do qual a Virgem Maria agradeceu a Deus em forma de louvor, em visita à sua prima Isabel. Maria se torna a primeira discípula de Jesus Cristo, mesmo estando com Ele em seu ventre, age como Ele mais tarde ensinaria.

    Somos convidados por Deus, a exemplo da Santíssima Maria a sermos servos e servas de Deus, acreditando nas promessas do Altíssimo. Pedimos a graça de Deus para sermos bem-aventurados, transmitindo a mesma alegria que Maria tinha em ser fiel a Deus e a seu Filho Jesus Cristo.

    Reflexão dos Noviços da Província