Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Liturgia diária

agosto/2020

  • Sábado da 17ª Semana do TC

    • Primeira Leitura
    • Salmo Responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Santo Afonso Maria de Ligório

    Jeremias 26,11-16.24

    Naqueles dias, 11os sacerdotes e profetas dirigiram-se aos chefes e a todo o povo, dizendo: “Este homem foi julgado réu de morte, porque profetizou contra esta cidade, como ouvistes com vossos ouvidos”. 12Disse Jeremias aos dignitários e a todo o povo: “O Senhor incumbiu-me de profetizar para esta casa e para esta cidade através de todas as palavras que ouvistes. 13Agora, portanto, tratai de emendar a vossa vida e as obras, ouvi a voz do Senhor, vosso Deus, que ele voltará atrás da decisão que tomou contra vós. 14Eu estou aqui, em vossas mãos; fazei de mim o que vos parecer conveniente e justo, 15mas ficai sabendo que, se me derdes a morte, tereis derramado sangue inocente contra vós mesmos e contra esta cidade e seus habitantes, pois em verdade o Senhor enviou-me a vós para falar tudo isso a vossos ouvidos”. 16Os chefes e o povo em geral disseram aos sacerdotes e profetas: “Este homem não merece ser condenado à morte; ele falou-nos em nome do Senhor, nosso Deus”. 24Jeremias passou a ter proteção de Aicam, filho de Safã, para não cair nas mãos do povo e evitar ser morto.

    Palavra do Senhor.

    Sl 68(69)

    No tempo favorável, escutai-me, ó Senhor!

    Retirai-me deste lodo, pois me afundo! † Libertai-me, ó Senhor, dos que me odeiam /
    e salvai-me destas águas tão profundas! / Que as águas turbulentas não me arrastem,
    † não me devorem violentos turbilhões / nem a cova feche a boca sobre mim! – R.

    Pobre de mim, sou infeliz e sofredor! / Que vosso auxílio me levante, Senhor Deus! /
    Cantando, eu louvarei o vosso nome / e, agradecido, exultarei de alegria! – R.

    Humildes, vede isto e alegrai-vos: † o vosso coração reviverá /
    se procurardes o Senhor continuamente! / Pois nosso Deus atende à prece dos seus pobres /
    e não despreza o clamor de seus cativos. – R.

    Mateus 14,1-12

    1Naquele tempo, a fama de Jesus chegou aos ouvidos do governador Herodes. 2 Ele disse a seus servidores: “É João Batista que ressuscitou dos mortos; e, por isso, os poderes miraculosos atuam nele”. 3 De fato, Herodes tinha mandado prender João, amarrá-lo e colocá-lo na prisão por causa de Herodíades, a mulher de seu irmão Filipe. 4 Pois João tinha dito a Herodes: “Não te é permitido tê-la como esposa”. 5 Herodes queria matar João, mas tinha medo do povo, que o considerava como profeta. 6 Por ocasião do aniversário de Herodes, a filha de Herodíades dançou diante de todos e agradou tanto a Herodes, 7 que ele prometeu, com juramento, dar a ela tudo o que pedisse. 8 Instigada pela mãe, ela disse: “Dá-me aqui, num prato, a cabeça de João Batista”. 9 O rei ficou triste, mas, por causa do juramento diante dos convidados, ordenou que atendessem o pedido dela. 10 E mandou cortar a cabeça de João no cárcere. 11 Depois a cabeça foi trazida num prato, entregue à moça e esta a levou para a sua mãe. 12 Os discípulos de João foram buscar o corpo e o enterraram. Depois foram contar tudo a Jesus.

    Palavra da salvação.

    “Herodes mandou cortar a cabeça de João. Vieram os discípulos e foram contar tudo a Jesus”.

    João Batista é conhecido como o precursor do Messias, aquele que veio preparando os corações dos homens para acolherem a Boa Nova do Cristo. O Batista foi um grande profeta que, além do anuncio da vinda do Messias, denunciou os abusos e desmandos dos grandes e poderosos que semeavam a injustiça, fome, miséria e as dores do povo explorado de Israel. O precursor, através de suas duras palavras, desagradou os grandes e acabou sendo assassinado por motivos fúteis. Também na sua morte, João Batista é precursor de Cristo, pois ele anunciou aquilo que também o Cristo deveria sofrer, que sua Boa Nova seria acolhida com carinho no coração dos pequeninos e desprezada pelos grandes. Assim como João foi um grande anunciador do reino denunciando aquilo que fere a construção do Reino, também somos chamados a denunciar as injustiças e acudir o povo que sofre as opressões dos soberanos do mundo.

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • 18º Domingo do Tempo Comum

    • Primeira Leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 55,1-3

    Assim diz o Senhor: 1“Ó vós todos que estais com sede, vinde às águas; vós que não tendes dinheiro, apressai-vos, vinde e comei, vinde comprar sem dinheiro, tomar vinho e leite sem nenhuma paga. 2Por que gastar dinheiro com outra coisa que não o pão, desperdiçar o salário senão com satisfação completa? Ouvi-me com atenção e alimentai-vos bem, para deleite e revigoramento do vosso corpo. 3Inclinai vosso ouvido e vinde a mim, ouvi e tereis vida; farei convosco um pacto eterno, manterei fielmente as graças concedidas a Davi”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 144(145)

    Vós abris a vossa mão e saciais os vossos filhos.

    Misericórdia e piedade é o Senhor, / ele é amor, é paciência, é compaixão. /
    O Senhor é muito bom para com todos, / sua ternura abraça toda criatura. – R.

    Todos os olhos, ó Senhor, em vós esperam / e vós lhes dais no tempo certo o alimento; /
    vós abris a vossa mão prodigamente / e saciais todo ser vivo com fartura. – R.

    É justo o Senhor em seus caminhos, / é santo em toda obra que ele faz. /
    Ele está perto da pessoa que o invoca, / de todo aquele que o invoca lealmente. – R.

    Romanos 8,35.37-39

    Irmãos, 35quem nos separará do amor de Cristo? Tribulação? Angústia? Perseguição? Fome? Nudez? Perigo? Espada? 37Em tudo isso, somos mais que vencedores, graças àquele que nos amou! 38Tenho a certeza de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os poderes celestiais, nem o presente, nem o futuro, nem as forças cósmicas, 39nem a altura, nem a profundeza, nem outra criatura qualquer será capaz de nos separar do amor de Deus por nós, manifestado em Cristo Jesus, nosso Senhor.

    Palavra do Senhor.

    Mateus 14,13-21

    Naquele tempo, 13quando soube da morte de João Batista, Jesus partiu e foi de barco para um lugar deserto e afastado. Mas, quando as multidões souberam disso, saíram das cidades e o seguiram a pé. 14Ao sair do barco, Jesus viu uma grande multidão. Encheu-se de compaixão por eles e curou os que estavam doentes. 15Ao entardecer, os discípulos aproximaram-se de Jesus e disseram: “Este lugar é deserto e a hora já está adiantada. Despede as multidões, para que possam ir aos povoados comprar comida!” 16Jesus, porém, lhes disse: “Eles não precisam ir embora. Dai-lhes vós mesmos de comer!” 17Os discípulos responderam: “Só temos aqui cinco pães e dois peixes”. 18Jesus disse: “Trazei-os aqui”. 19Jesus mandou que as multidões se sentassem na grama. Então pegou os cinco pães e os dois peixes, ergueu os olhos para o céu e pronunciou a bênção. Em seguida partiu os pães e os deu aos discípulos. Os discípulos os distribuíram às multidões. 20Todos comeram e ficaram satisfeitos, e, dos pedaços que sobraram, recolheram ainda doze cestos cheios. 21E os que haviam comido eram mais ou menos cinco mil homens, sem contar mulheres e crianças.

    Palavra da salvação.

    “Todos comeram e ficaram satisfeitos”.

    Jesus retirou-se no deserto, mas a multidão vai ao seu encontro. Ele acolhe os o que o procuram com carinho e sem irritação. Jesus sacia os que o procuram com seus ensinamentos e suas palavras. Porém, a saciedade espiritual não é o suficiente e o físico exige alimento. Agora, para saciar a fome dos que o procuram, pede ajuda aos discípulos, que partilham aquilo que têm: cinco pães e dois peixes. Jesus nos chama para partilharmos aquilo que temos, esta é a grande lição das primeiras comunidades cristãs. Hoje, nossa sociedade novamente sofre com a fome, falta de emprego e dignidade para a população. Nós, cristãos, devemos estar fortes na fé para enfrentarmos está tormenta. Porém, devemos partilhar aquilo que temos de material para quem não tem; consolar o irmão que chora a morte de alguém, enfim ser solidários e compassivos. Portanto, devemos reavivar em nossas comunidades a partilha do pão, da vida, da experiência, das dores e da fé.

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • 2ª-feira da 18ª Semana do TC

    • Primeira Leitura
    • Salmo Responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Jeremias 28,1-17

    1Nesse mesmo ano, no início do reinado de Sedecias, rei de Judá, no quinto mês do quarto ano, disse-me o profeta Ananias, filho de Azur, profeta de Gabaon, na casa do Senhor e na presença dos sacerdotes e de todo o povo: 2“Isto diz o Senhor dos exércitos, Deus de Israel: Quebrei o jugo do rei da Babilônia. 3Ainda dois anos e eu farei reconduzir a este lugar todos os vasos da casa do Senhor, que Nabucodonosor, rei da Babilônia, tirou deste lugar e transferiu para a Babilônia. 4Também reconduzirei a este lugar Jeconias, filho de Joaquim e rei de Judá, juntamente com toda a massa de judeus desterrados para Babilônia, diz o Senhor, pois eu quebro o jugo do rei da Babilônia”. 5Respondeu o profeta Jeremias ao profeta Ananias, na presença dos sacerdotes e de todo o povo que estava na casa do Senhor, 6dizendo: “Amém, assim permita o Senhor! Realize ele as palavras que profetizaste, trazendo de volta os vasos para a casa do Senhor e todos os deportados da Babilônia para esta terra. 7Ouve, porém, esta palavra que eu digo aos teus ouvidos e aos ouvidos de todo o povo: 8os profetas que existiram antigamente, antes de mim e antes de ti, profetizaram sobre guerras, aflições e peste para muitos povos e reinos poderosos; 9mas o profeta que profetiza paz, esse somente será reconhecido como profeta que, em verdade, o Senhor enviou quando sua palavra for verificada”. 10Então o profeta Ananias retirou o jugo do pescoço do profeta Jeremias e quebrou-o; 11e disse Ananias, na presença de todo o povo: “Isto diz o Senhor: Deste modo quebrarei o jugo de Nabucodonosor, rei da Babilônia, dentro de dois anos, livrando dele o pescoço de todos os povos”. E foi-se pelo seu caminho o profeta Jeremias. 12Depois que o profeta Ananias havia retirado o jugo do pescoço do profeta Jeremias, dirigiu-se novamente a palavra do Senhor a Jeremias: 13“Vai dizer a Ananias: Isto diz o Senhor: Quebraste um jugo de madeira, mas em seu lugar farás um de ferro. 14Isto diz o Senhor dos exércitos, Deus de Israel: Pus um jugo de ferro sobre o pescoço de todas estas nações, para servirem a Nabucodonosor, rei da Babilônia, e lhe serão de fato submissas; além disso, dei-lhe também os animais do campo”. 15Disse ainda o profeta Jeremias ao profeta Ananias: “Ouve, Ananias, não foste enviado pelo Senhor e, contudo, fizeste este povo confiar em mentiras. 16Isto diz o Senhor: Eis que te farei partir desta terra; morrerás este ano, pois pregaste a infidelidade contra o Senhor”. 17Naquele ano, no sétimo mês, morreu o profeta Ananias.

    Palavra do Senhor.

    Sl 118(119)

    Ensinai-me a fazer vossa vontade!

    Afastai-me do caminho da mentira / e dai-me a vossa lei como um presente! – R.

    Não retireis vossa verdade de meus lábios, / pois eu confio em vossos justos julgamentos! – R.

    Que se voltem para mim os que vos temem / e conhecem, ó Senhor, vossa Aliança! – R.

    Meu coração seja perfeito em vossa lei, / e não serei, de modo algum, envergonhado! – R.

    Espreitam-me os maus para perder-me, / mas continuo sempre atento à vossa lei. – R.

    De vossos julgamentos não me afasto, / porque vós mesmo me ensinastes vossas leis. – R.

    Mateus 14,22-36

    Depois que a multidão comera até saciar-se, 22 Jesus mandou que os discípulos entrassem na barca e seguissem, à sua frente, para o outro lado do mar, enquanto ele despediria as multidões. 23 Depois de despedi-las, Jesus subiu ao monte para orar a sós. A noite chegou, e Jesus continuava ali, sozinho. 24 A barca, porém, já longe da terra, era agitada pelas ondas, pois o vento era contrário. 25 Pelas três horas da manhã, Jesus veio até os discípulos, andando sobre o mar. 26 Quando os discípulos o avistaram andando sobre o mar, ficaram apavorados e disseram: “É um fantasma”. E gritaram de medo. 27 Jesus, porém, logo lhes disse: “Coragem! Sou eu. Não tenhais medo!” 28Então Pedro lhe disse: “Senhor, se és tu, manda-me ir ao teu encontro, caminhando sobre a água”. 29 E Jesus respondeu: “Vem!” Pedro desceu da barca e começou a andar sobre a água, em direção a Jesus. 30 Mas, quando sentiu o vento, ficou com medo e, começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!” 31 Jesus logo estendeu a mão, segurou Pedro e lhe disse: “Homem fraco na fé, por que duvidaste?” 32 Assim que subiram na barca, o vento se acalmou. 33 Os que estavam na barca prostraram-se diante dele, dizendo: “Verdadeiramente, tu és o Filho de Deus!” 34 Após a travessia, desembarcaram em Genesaré. 35 Os habitantes daquele lugar reconheceram Jesus e espalharam a notícia por toda a região. Então levaram a ele todos os doentes; 36e pediam que pudessem ao menos tocar a barra de sua veste. E todos os que a tocaram ficaram curados.

    Palavra da salvação.

    “Senhor, manda-me ir ao teu encontro, caminhando sobre a água”.

    Todo cristão, em algum momento de sua vida, já vivenciou ou vivenciará uma “tempestade”, onde tudo parece estar perdido. Os ventos sopram para todos os lados e as velas de nossa vida vão para qualquer lado. A fé é o que nos dá forças para continuar neste momento difícil. Quando reconhecemos que o Cristo está presente ao nosso lado para vencermos esta “tormenta”, deixamos de vê-lo como um fantasma. Passamos a ver o Cristo vivo nos irmãos que estendem a mão para não deixarmos cair nas aguas profundas. Estes momentos de “tormentas” se farão presente em nossa existência. Isso nos fará amadurecer na fé e na vida. Porém, não devemos nos fecharmos, mas procurarmos o auxílio dos irmãos e de Cristo. Portanto, sejamos humildes como Cristo no caminho da cruz de nossas dificuldades.

    Reflexão feita pelos Noviços

  • 3ª-feira da 18ª Semana do TC

    • Primeira Leitura
    • Salmo Responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    São José Maria Vianney

    Jeremias 30,1-2.12-15.18-22

    1Palavra que foi dirigida a Jeremias da parte do Senhor: 2“Isto diz o Senhor, Deus de Israel: Escreve para ti, num livro, todas as palavras que te falei. 12 Isto diz o Senhor: Incurável é tua ferida, maligna tua chaga; 13 não há quem conheça teu diagnóstico; uma úlcera tem remédio, mas em ti não se produz cicatrização. 14 Todos os teus amigos te esqueceram, não te procuram mais; eu te causei uma ferida, como se fosses inimigo, como um castigo cruel, por causa do grande número de maldades que te fez endurecer no pecado. 15 Por que gritas em teu sofrimento? É insanável a tua dor. Eu te tratei com rudeza por causa das tuas inúmeras maldades e por causa do teu endurecimento no pecado. 18 Isto diz o Senhor: Eis que eu mudarei a sorte das tendas de Jacó e terei compaixão de suas moradias, a cidade ressurgirá das suas ruínas e a fortaleza terá lugar para suas fundações; 19 de lá sairão cânticos de louvor e sons festivos. Hei de multiplicá-los, eles não diminuirão, hei de glorificá-los, eles não serão humilhados. 20 Teus filhos serão felizes como outrora, e sua comunidade, estável na minha presença; e agirei contra todos os que os molestarem. 21 Para chefe será escolhido um dos seus, e o soberano sairá do seu meio; eu o incitarei, e ele se aproximará de mim. Quem dará a vida em penhor da sua aproximação de mim? – diz o Senhor. 22 Sereis meu povo e eu serei vosso Deus”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 101(102)

    O Senhor olhou a terra do alto céu.

    As nações respeitarão o vosso nome, / e os reis de toda a terra, a vossa glória; /
    quando o Senhor reconstruir

    Jerusalém / e aparecer com gloriosa majestade, /
    ele ouvirá a oração dos oprimidos / e não desprezará a sua prece. – R.

    Para as futuras gerações se escreva isto, / e um povo novo a ser criado louve a Deus. /
    Ele inclinou-se de seu templo nas alturas, / e o Senhor olhou a terra do alto céu, /
    para os gemidos dos cativos escutar / e da morte libertar os condenados. – R.

    Assim também a geração dos vossos servos † terá casa e viverá em segurança, /
    e ante vós se firmará sua descendência. / Para que cantem o seu nome em Sião /
    e louve ao Senhor Jerusalém / quando os povos e as nações se reunirem /
    e todos os impérios o servirem. – R.

    Mateus 15,1-2.10-14

    Naquele tempo, alguns fariseus e mestres da Lei, vindos de Jerusalém, aproximaram-se de Jesus e perguntaram: 2 “Por que os teus discípulos não observam a tradição dos antigos? Pois não lavam as mãos quando comem o pão?” 10 Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: “Escutai e compreendei. 11 Não é o que entra pela boca que torna o homem impuro, mas o que sai da boca, isso é que torna o homem impuro”. 12 Então os discípulos se aproximaram e disseram a Jesus: “Sabes que os fariseus ficaram escandalizados ao ouvir as tuas palavras?” 13 Jesus respondeu: “Toda planta que não foi plantada pelo meu Pai celeste será arrancada. 14 Deixai-os! São cegos guiando cegos. Ora, se um cego guia outro cego, os dois cairão no buraco”.

    Palavra da salvação.

    “Toda planta que não foi plantada pelo meu Pai celeste será arrancada”.

    Jesus não condena a Lei Mosaica em nenhum momento de sua vida terrena. Ele foi judeu observante da lei. Porém, Jesus não observa os rigores e os abusos que os doutores da lei, os fariseus, aplicam sobre o povo. São inúmeras exigências que poucos poderiam cumprir, levando em conta que estas exigências são referentes ao externo. Quando Jesus responde que aquilo torna impuro o homem não é o que entra, mas o que sai da boca, está se referindo a estes rigorismos cobrados pelos fariseus. Portanto, devemos cuidar para não agirmos como os fariseus e defendermos, com unhas e dentes, as práticas externas, esquecendo-nos de alimentar nossa fé no nosso coração. Corremos o risco de nos escandalizarmos com facilidade, como os fariseus, e condenarmos os nossos irmãos. Portanto, alimentemos a nossa fé no nosso coração observando o que Jesus ensina em seu Evangelho.

    Reflexão feita pelos Noviços

  • 4ª-feira da 18ª Semana do TC

    • Primeira Leitura
    • Salmo Responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Jeremias 31,1-7

    Leitura do livro do profeta Jeremias – 1“Naquele tempo, diz o Senhor, serei Deus para todas as tribos de Israel, e elas serão meu povo”. 2 Isto diz o Senhor: “Encontrou perdão no deserto o povo que escapara à espada; Israel encaminha-se para o seu descanso”. 3O Senhor apareceu-me de longe: “Amei-te com amor eterno e te atraí com a misericórdia. 4 De novo te edificarei, serás reedificada, ó jovem nação de Israel; de novo teus tambores ornarão as praças e sairás entre grupos de dançantes. 5 Hás de plantar vinhas nos montes de Samaria; os cultivadores hão de plantar e também colher. 6 Virá o dia em que gritarão os guardas no monte Efraim: ‘Levantai-vos, vamos a Sião, vamos ao Senhor, nosso Deus’. 7 Isto diz o Senhor: Exultai de alegria por Jacó, aclamai a primeira das nações; tocai, cantai e dizei: ‘Salva, Senhor, teu povo, o resto de Israel’”.

    Palavra do Senhor.

    Sl Jr 31

    O Senhor nos guardará qual pastor a seu rebanho.

    Ouvi, nações, a palavra do Senhor / e anunciai-a nas ilhas mais distantes: /
    “Quem dispersou Israel, vai congregá-lo / e o guardará qual pastor a seu rebanho!” – R.

    Pois, na verdade, o Senhor remiu Jacó / e o libertou do poder do prepotente. /
    Voltarão para o monte de Sião, † entre brados e cantos de alegria /
    afluirão para as bênçãos do Senhor. – R.

    Então a virgem dançará alegremente, / também o jovem e o velho exultarão; /
    mudarei em alegria o seu luto, / serei consolo e conforto após a guerra. – R.

    Mateus 15,21-28

    Naquele tempo, 21 Jesus retirou-se para a região de Tiro e Sidônia. 2 2 Eis que uma mulher cananeia, vindo daquela região, pôs-se a gritar: “Senhor, filho de Davi, tem piedade de mim: minha filha está cruelmente atormentada por um demônio!” 23 Mas Jesus não lhe respondeu palavra alguma. Então, seus discípulos aproximaram-se e lhe pediram: “Manda embora essa mulher, pois ela vem gritando atrás de nós”. 24 Jesus respondeu: “Eu fui enviado somente às ovelhas perdidas da casa de Israel”. 25 Mas a mulher, aproximando-se, prostrou-se diante de Jesus e começou a implorar: “Senhor, socorre-me!” 26 Jesus lhe disse: “Não fica bem tirar o pão dos filhos para jogá-lo aos cachorrinhos”. 27 A mulher insistiu: “É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos!” 28 Diante disso, Jesus lhe disse: “Mulher, grande é a tua fé! Seja feito como tu queres!” E desde aquele momento sua filha ficou curada.

    Palavra da salvação.

    “Mulher, grande é a tua fé!”.

    Nesta passagem do Evangelho, Jesus é provocado a rever sua missão por uma simples mulher Cananeia. Assim como nós, Jesus ganhou um puxão de orelha em sua vida. Através da fala da mulher, Jesus revê sua missão e entende que não é somente para a casa de Israel que o Messias está sendo enviado, mas para salvar toda a criação. Essa mudança de mentalidade nos mostra que a salvação não é somente para os judeus, mas para quem acolhe no seu coração a Boa Nova de Jesus. Devemos também mudar nossa mentalidade no trato com os outros. Devemos mudar nossa mentalidade e ver que somos todos irmãos filhos de um mesmo Pai.

    Reflexão feita pelos noviços da Província

  • 5ª-feira da 18ª Semana do TC

    • Primeira Leitura
    • Salmo Responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Transfiguração do Senhor

    Daniel 7,9-10.13-14

    9 Eu continuava olhando até que foram colocados uns tronos, e um ancião de muitos dias aí tomou lugar. Sua veste era branca como neve, e os cabelos da cabeça, como lã pura; seu trono eram chamas de fogo, e as rodas do trono, como fogo em brasa. 10 Derramava-se aí um rio de fogo que nascia diante dele; serviam-no milhares de milhares, e milhões de milhões assistiam-no ao trono; foi instalado o tribunal, e os livros foram abertos. 13 Continuei insistindo na visão noturna, e eis que, entre as nuvens do céu, vinha um como filho de homem, aproximando-se do ancião de muitos dias, e foi conduzido à sua presença. 14 Foram-lhe dados poder, glória e realeza, e todos os povos, nações e línguas o serviam: seu poder é um poder eterno que não lhe será tirado, e seu reino, um reino que não se dissolverá.

    Palavra do Senhor.

    Imagem: Peter Paul Rubens (1577–1640), domínio público

    Sl 96(97)

    Deus é rei, é o Altíssimo, / muito acima do universo.

    Deus é rei! Exulte a terra de alegria, / e as ilhas numerosas rejubilem! /
    Treva e nuvem o rodeiam no seu trono, / que se apoia na justiça e no direito. – R.

    As montanhas se derretem como cera / ante a face do Senhor de toda a terra; /
    e assim proclama o céu sua justiça, / todos os povos podem ver a sua glória. – R.

    Porque vós sois o Altíssimo, Senhor, † muito acima do universo que criastes, /
    e de muito superais todos os deuses. – R.

    Mateus 17,1-9

    Naquele tempo, 1 Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e os levou a um lugar à parte, sobre uma alta montanha. 2E foi transfigurado diante deles; o seu rosto brilhou como o sol, e as suas roupas ficaram brancas como a luz. 3 Nisto apareceram-lhes Moisés e Elias, conversando com Jesus. 4 Então Pedro tomou a palavra e disse: “Senhor, é bom ficarmos aqui. Se queres, vou fazer aqui três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. 5 Pedro ainda estava falando quando uma nuvem luminosa os cobriu com sua sombra. E da nuvem uma voz dizia: “Este é o meu Filho amado, no qual eu pus todo meu agrado. Escutai-o!” 6 Quando ouviram isso, os discípulos ficaram muito assustados e caíram com o rosto em terra. 7 Jesus se aproximou, tocou neles e disse: “Levantai-vos e não tenhais medo”. 8Os discípulos ergueram os olhos e não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus. 9 Quando desciam da montanha, Jesus ordenou-lhes: “Não conteis a ninguém esta visão até que o Filho do Homem tenha ressuscitado dos mortos”.

    Palavra da salvação.

    “O seu rosto brilhou como o sol”.

    Jesus revela a Pedro, Tiago e João quem Ele verdadeiramente é: “O Filho muito amado, no qual o Pai pôs todo o seu agrado”. Também revela aos três o que iria acontecer após a cruz. Mesmo os três tendo contemplado tal visão, eles estavam confusos sobre quem era Jesus. Esta pergunta esta sempre voltando nos Evangelhos, pois os apóstolos não sabiam claramente quem era Jesus. Esta confusão sobre quem é Jesus ainda permanece nos cristãos de nossos tempos. Assim como os apóstolos purificam, com um a ótica da fé, o seu olhar para entender quem é Jesus, os cristãos de nosso tempo devem seguir estes passos dos apóstolos para reconhecer o Cristo ressuscitado e glorioso que se faz presente em nosso meio. O próprio Deus é quem nos revela o caminho: “Escutai-o”. Portanto, esforcemo-nos para escutar Jesus através de sua Palavra, dos ensinamentos e da oração. Assim, conseguiremos, com alegria, conhecer intimamente o Filho muito amado do Pai.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos
  • Sem eventos