Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Liturgia diária

setembro/2021

  • 4ª-feira da 22ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Colossenses 1,1-8

    1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus por vontade de Deus, e o irmão Timóteo 2 aos santos e fiéis irmãos em Cristo que estão em Colossas: graça e paz da parte de Deus, nosso Pai. 3 Damos graças a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, sempre rezando por vós, 4 pois ouvimos acerca da vossa fé em Cristo Jesus e do amor que mostrais para com todos os santos, 5 animados pela esperança na posse do céu. Disso já ouvistes falar no Evangelho, cuja palavra de verdade chegou até vós. 6 E como no mundo inteiro, assim também entre vós ela está produzindo frutos e se desenvolve desde o dia em que ouvistes a graça divina e conhecestes verdadeiramente. 7 Assim aprendestes de Epafras, nosso estimado companheiro, que é, junto de vós, um autêntico mensageiro de Cristo. 8 Foi ele quem nos deu notícia sobre o amor que o Espírito suscitou em vós.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    SL51(52)
    Confio na clemência do meu Deus agora e sempre!

    Eu, porém, como oliveira verdejante / na casa do Senhor, /
    confio na clemência do meu Deus / agora e para sempre! – R.

    Louvarei a vossa graça eternamente, / porque vós assim agistes; /
    espero em vosso nome, porque é bom, / perante os vossos santos! – R.

    Lucas 4,38-44

    Naquele tempo, 38 Jesus saiu da sinagoga e entrou na casa de Simão. A sogra de Simão estava sofrendo com febre alta, e pediram a Jesus em favor dela. 39 Inclinando-se sobre ela, Jesus ameaçou a febre, e a febre a deixou. Imediatamente, ela se levantou e começou a servi-los. 40 Ao pôr do sol, todos os que tinham doentes atingidos por diversos males os levaram a Jesus. Jesus colocava as mãos em cada um deles e os curava. 41 De muitas pessoas também saíam demônios, gritando: “Tu és o Filho de Deus”. Jesus os ameaçava e não os deixava falar, porque sabiam que ele era o Messias. 42 Ao raiar do dia, Jesus saiu e foi para um lugar deserto. As multidões o procuravam e, indo até ele, tentavam impedi-lo de que os deixasse. 43 Mas Jesus disse: “Eu devo anunciar a Boa-nova do Reino de Deus também a outras cidades, porque para isso é que eu fui enviado”. 44 E pregava nas sinagogas da Judeia.

    Palavra da salvação.

    “Eu devo anunciar a Boa Nova do Reino de Deus também a
    outras cidades, porque para isso é que eu fui enviado.”

     Jesus começava a ser reconhecido e aclamado pelas multidões que testemunhavam seus milagres. No entanto, Ele não se acomoda a esse reconhecimento e à glorificação, Jesus se retira para lugares desertos, e ainda que todos tentavam impedi-lo, Ele precisava ir a lugares que ainda não eram conhecidos. Nós, a exemplo do Cristo precisamos muitas vezes sair da nossa zona de conforto, ir a estes “lugares desertos”; não podemos nos prender a lugares e circunstancias apenas por nos serem agradáveis, temos a necessidade de nos colocarmos em oração, distante da agitação do dia a dia. Reservemos algum momento de nossa semana para meditarmos as diversas circunstâncias de nossas vidas pe tomarmos decisões ou apenas para agradecer e contemplar a Deus pela criação.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 5ª-feira da 22ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Colossenses 1,9-14

    Irmãos, 9 desde que recebemos essas notícias, não deixamos de rezar insistentemente por vós, para que chegueis a conhecer plenamente a vontade de Deus, com toda a sabedoria e com o discernimento da luz do Espírito. 10 Pois deveis levar uma vida digna do Senhor, para lhe serdes agradáveis em tudo. Deveis produzir frutos em toda boa obra e crescer no conhecimento de Deus, 11 animados de muita força, pelo poder de sua glória, de muita paciência e constância. 12 Com alegria dai graças ao Pai, que vos tornou capazes de participar da luz, que é a herança dos santos. 13 Ele nos libertou do poder das trevas e nos recebeu no Reino de seu Filho amado, 14 por quem temos a redenção, o perdão dos pecados.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    SL 97(98)
    O Senhor fez conhecer seu poder salvador / perante as nações.

    O Senhor fez conhecer a salvação, / e às nações, sua justiça; /
    recordou o seu amor sempre fiel / pela casa de Israel. – R.

    Os confins do universo contemplaram / a salvação do nosso Deus. /
    Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, / alegrai-vos e exultai! – R.

    Cantai salmos ao Senhor ao som da harpa / e da cítara suave! /
    Aclamai, com os clarins e as trombetas, / ao Senhor, o nosso rei! – R.

    Lucas 5,1-11

    Naquele tempo, 1 Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se ao seu redor para ouvir a Palavra de Deus. 2 Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes. 3 Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois, sentou-se e, da barca, ensinava as multidões. 4 Quando acabou de falar, disse a Simão: “Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca”. 5 Simão respondeu: “Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes”. 6 Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes, que as redes se rompiam. 7 Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem. 8 Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: “Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!” 9 É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer. 10 Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: “Não tenhas medo! De hoje em diante, tu serás pescador de homens”. 11 Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus.

    Palavra da salvação.

    “Deixaram tudo e O seguiram.”

    Jesus conta com a ajuda de um simples pescador, precisa de seu barco para ensinar as multidões. Jesus ainda chama Simão Pedro para segui-lo e ser “pescador de homens” para futuramente se tornar o chefe dos apóstolos. No entanto, São Pedro se acha indigno de estar na presença do Messias. Quantas vezes ignoramos que os projetos do Salvador superam nossa natureza de pecadores e nos eleva sempre a postos mais próximos Dele. Confiemos na graça de Deus para que, assim como São Pedro, deixemos de lado nossa pequenez de pensar que estamos sujeitos apenas às nossas capacidades e limitações para, por fim, assumirmos a vocação à santidade que Ele nos fez.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Memória de São Gregório Magno

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    SÃO GREGÓRIO MAGNO

    Colossenses 1,15-20

    Leitura da carta de São Paulo aos Colossenses – 15 Cristo Jesus é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação, 16 pois, por causa dele, foram criadas todas as coisas no céu e na terra, as visíveis e as invisíveis, tronos e dominações, soberanias e poderes. Tudo foi criado por meio dele e para ele. 17 Ele existe antes de todas as coisas e todas têm nele a sua consistência. 18 Ele é a cabeça do corpo, isto é, da Igreja. Ele é o princípio, o primogênito dentre os mortos; de sorte que em tudo ele tem a primazia, 19 porque Deus quis habitar nele com toda a sua plenitude 20 e por ele reconciliar consigo todos os seres, os que estão na terra e no céu, realizando a paz pelo sangue da sua cruz.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    SL 99(100)
    Com canto apresentai-vos diante do Senhor!

    Aclamai o Senhor, ó terra inteira, † servi ao Senhor com alegria, /
    ide a ele cantando jubilosos! – R.

    Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, † ele mesmo nos fez, e somos seus, /
    nós somos seu povo e seu rebanho. – R.

    Entrai por suas portas dando graças † e em seus átrios com hinos de louvor; /
    dai-lhe graças, seu nome bendizei! – R.

    Sim, é bom o Senhor e nosso Deus, † sua bondade perdura para sempre, /
    seu amor é fiel eternamente! – R.

    Lucas 5,33-39

    Naquele tempo, 33 os fariseus e os mestres da Lei disseram a Jesus: “Os discípulos de João, e também os discípulos dos fariseus, jejuam com frequência e fazem orações. Mas os teus discípulos comem e bebem”. 34 Jesus, porém, lhes disse: “Os convidados de um casamento podem fazer jejum enquanto o noivo está com eles? 35 Mas dias virão em que o noivo será tirado do meio deles. Então, naqueles dias, eles jejuarão”. 36 Jesus contou-lhes ainda uma parábola: “Ninguém tira retalho de roupa nova para fazer remendo em roupa velha; senão vai rasgar a roupa nova, e o retalho novo não combinará com a roupa velha. 37 Ninguém coloca vinho novo em odres velhos; porque, senão, o vinho novo arrebenta os odres velhos e se derrama, e os odres se perdem. 38 Vinho novo deve ser colocado em odres novos. 39 E ninguém, depois de beber vinho velho, deseja vinho novo, porque diz: o velho é melhor”.

    Palavra da salvação.

    Sabor“Mas dias virão em que o noivo será tirado do meio deles.
    Então, naqueles dias, eles jejuarão.”

     Jesus traz uma nova lógica que ultrapassa a Antiga Aliança; o Evangelho é a Boa Nova, o Reino de Deus é uma promessa presente, não há tristeza para os que creem em Jesus. Corremos o risco de, assim como os fariseus, tentarmos encaixar a Boa Nova em modelos de pensamento mesquinhos. O Evangelho não pode ser adaptado aos nossos “velhos odres”. É necessária abertura de espírito e largueza de coração para acolher a mensagem sempre nova do Homem-Deus. Toda vez que ouvimos ou lemos o Evangelho nos deparamos com uma nova provocação do Messias. Que esta leitura nos sirva de baliza para as demais vezes que nos confrontarmos com o Evangelho, que guiados por sua chave de leitura saibamos sempre ter ouvidos atentos para acolher o chamado de Deus que é sempre novo.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Sábado da 22ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Colossenses 1,21-23n

    Irmãos, 21 vós, que outrora éreis estrangeiros e inimigos pelas manifestas más obras, 22 eis que agora Cristo vos reconciliou pela morte que sofreu no seu corpo mortal, para vos apresentar como santos, imaculados, irrepreensíveis diante de si. 23 Mas é necessário que permaneçais inabaláveis e firmes na fé, sem vos afastardes da esperança que vos dá o Evangelho, que ouvistes, que foi anunciado a toda criatura debaixo do céu e do qual eu, Paulo, me tornei ministro.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 53(54)
    Quem me protege e me ampara é meu Deus.

    Por vosso nome, salvai-me, Senhor, / e dai-me a vossa justiça! /
    Ó meu Deus, atendei minha prece / e escutai as palavras que eu digo! – R.

    Quem me protege e me ampara é meu Deus; / é o Senhor quem sustenta minha vida! /
    Quero ofertar-vos o meu sacrifício / de coração e com muita alegria; / quero louvar, ó

    Senhor, vosso nome, / quero cantar vosso nome, que é bom! – R.

    Lucas 6,1-5

    [Num sábado, Jesus estava passando através de plantações de trigo. Seus discípulos arrancavam e comiam as espigas, debulhando-as com as mãos. 2 Então alguns fariseus disseram: “Por que fazeis o que não é permitido em dia de sábado?” 3 Jesus respondeu-lhes: “Acaso vós não lestes o que Davi e seus companheiros fizeram quando estavam sentindo fome? 4 Davi entrou na casa de Deus, pegou dos pães oferecidos a Deus e os comeu, e ainda por cima os deu a seus companheiros. No entanto, só os sacerdotes podem comer desses pães”. 5 E Jesus acrescentou: “O Filho do Homem é senhor também do sábado”.

    Palavra da salvação.

    “Por que fazeis o que não é permitido em dia de sábado?”

    Jesus não se apoiou em regras minuciosas que os fariseus insistiam em lembrar para parecerem melhores que os outros. Sua conduta não é pautada em seguir preceitos para se vangloriar. Ele se dispõe a fazer o que é certo independente da ocasião. Muitas vezes nos deparamos com normas injustas que nos permitem fazer o que não é certo. O amor a Deus e aos irmãos deve ser nossa lei maior, diante de ocasiões que nos levem a prejudicar outras pessoas, tenhamos coragem e sabedoria para não nos calarmos frente a estas opressões, conseguirmos sempre ser a voz dos necessitados e não nos conformarmos com o legalismo que nos aprisiona.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 23º Domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Isaías 35,4-7

    4 Dizei às pessoas deprimidas: “Criai ânimo, não tenhais medo! Vede, é vosso Deus, é a vingança que vem, é a recompensa de Deus; é ele que vem para vos salvar”. 5 Então se abrirão os olhos dos cegos e se descerrarão os ouvidos dos surdos. 6 O coxo saltará como um cervo e se desatará a língua dos mudos, assim como brotarão águas no deserto e jorrarão torrentes no ermo. 7 A terra árida se transformará em lago, e a região sedenta, em fontes de água.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 145(146)
    Bendize, ó minha alma, ao Senhor. / Bendirei ao Senhor toda a vida!

    O Senhor é fiel para sempre, / faz justiça aos que são oprimidos; /
    ele dá alimento aos famintos, / é o Senhor quem liberta os cativos. – R.

    O Senhor abre os olhos aos cegos, / o Senhor faz erguer-se o caído; /
    o Senhor ama aquele que é justo. / É o Senhor quem protege o estrangeiro. – R.

    Ele ampara a viúva e o órfão, / mas confunde os caminhos dos maus. /
    O Senhor reinará para sempre! † Ó Sião, o teu Deus reinará /
    para sempre e por todos os séculos! – R.

    Tiago 2,1-5

    1 Meus irmãos, a fé que tendes em nosso Senhor Jesus Cristo glorificado não deve admitir acepção de pessoas. 2 Pois bem, imaginai que na vossa reunião entra uma pessoa com anel de ouro no dedo e bem vestida, e também um pobre, com sua roupa surrada, 3 e vós dedicais atenção ao que está bem vestido, dizendo-lhe: “Vem sentar-te aqui, à vontade”, enquanto dizeis ao pobre: “Fica aí, de pé”, ou então: “Senta-te aqui no chão, aos meus pés” – 4 não fizestes, então, discriminação entre vós? E não vos tornastes juízes com critérios injustos? 5 Meus queridos irmãos, escutai: não escolheu Deus os pobres deste mundo para serem ricos na fé e herdeiros do Reino que prometeu aos que o amam?

    Palavra do Senhor.

    Marcos 7,31-37

    Naquele tempo, 31 Jesus saiu de novo da região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galileia, atravessando a região da Decápole. 32 Trouxeram então um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão. 33 Jesus afastou-se com o homem para fora da multidão; em seguida, colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e, com a saliva, tocou a língua dele. 34 Olhando para o céu, suspirou e disse: “Efatá!”, que quer dizer “abre-te!” 35 Imediatamente seus ouvidos se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade. 36 Jesus recomendou com insistência que não contassem a ninguém. Mas, quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam. 37 Muito impressionados, diziam: “Ele tem feito bem todas as coisas: aos surdos faz ouvir e aos mudos falar”.

    Palavra da salvação.

    “Aos surdos faz ouvir e aos mudos falar.”

    No Evangelho de hoje, Nosso Senhor usa de alguns recursos simbólicos que nos comunicam elementos preciosos de seu modo de operar. Em meio a terras estrangeiras de cultos pagãos, Jesus retira o surdo para um lugar afastado da multidão, isto é, ele remove de seu ambiente comum para então operar seus milagres. Por vezes, em nossas vidas é necessário que saiamos do ambiente comum, do cotidiano para que possamos ouvir o Salvador, e só assim seremos capazes de perceber sua presença para que Ele realize milagres em nossas vidas. Com isso, reservemos tempo de nosso dia e nos retiremos para um lugar silencioso para ouvir a voz do Senhor e permitir que ele nos cure.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 2ª-feira da 23ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Colossenses 1,24-2,3

    Irmãos, 24 alegro-me de tudo o que já sofri por vós e procuro completar, na minha própria carne, o que falta das tribulações de Cristo, em solidariedade com o seu corpo, isto é, a Igreja. 25 A ela eu sirvo, exercendo o cargo que Deus me confiou de vos transmitir a Palavra de Deus em sua plenitude: 26 o mistério escondido por séculos e gerações, mas agora revelado aos seus santos. 27 A estes Deus quis manifestar como é rico e glorioso entre as nações este mistério: a presença de Cristo em vós, a esperança da glória. 28 Nós o anunciamos, admoestando a todos e ensinando a todos, com toda sabedoria, para a todos tornar perfeitos em sua união com Cristo. 29 Para isso eu me esforço com todo o empenho, sustentado pela sua força, que em mim opera. 2,1 Quero, pois, que saibais que luta difícil sustento por vós, pelos fiéis de Laodiceia e por tantos outros que não me conhecem pessoalmente, 2 para que sejam consolados e se mantenham unidos na caridade, para que eles cheguem a entender, profunda e plenamente, o mistério de Deus Pai e de Cristo Jesus, 3 no qual estão encerrados todos os tesouros da sabedoria e da ciência.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 61(62)
    A minha glória e salvação estão em Deus.

    Só em Deus a minha alma tem repouso, / porque dele é que me vem a salvação! /
    Só ele é meu rochedo e salvação, / a fortaleza, onde encontro segurança! – R.

    Povo todo, esperai sempre no Senhor † e abri diante dele o coração: /
    nosso Deus é um refúgio para nós! – R.

    Lucas 6,6-11

    Aconteceu, num dia de sábado, 6 que Jesus entrou na sinagoga e começou a ensinar. Aí havia um homem cuja mão direita era seca. 7 Os mestres da Lei e os fariseus o observavam, para verem se Jesus iria curá-lo em dia de sábado e assim encontrarem motivo para acusá-lo. 8 Jesus, porém, conhecendo seus pensamentos, disse ao homem da mão seca: “Levanta-te e fica aqui no meio”. Ele se levantou e ficou de pé. 9 Disse-lhes Jesus: “Eu vos pergunto, o que é permitido fazer no sábado: o bem ou o mal, salvar uma vida ou deixar que se perca?” 10 Então Jesus olhou para todos os que estavam ao seu redor e disse ao homem: “Estende a tua mão”. O homem assim o fez e sua mão ficou curada. 11 Eles ficaram com muita raiva e começaram a discutir entre si sobre o que poderiam fazer contra Jesus.

    Palavra da salvação.

    “Observavam, para verem se Jesus curaria em dia de sábado.”

     O centro da sinagoga é lugar guardado para o mais sagrado símbolo judaico, o Menorah, um candelabro que representa o Templo de Salomão. Jesus, em dia de sábado, dia no qual por observância da lei era proibido realizar curas, tira do centro da sinagoga o candelabro e coloca o homem que sofre para curá-lo. Com um gesto simbólico Jesus reorganiza os valores e importâncias em sua doutrina, representando o efeito de sua Boa Nova com esse ato de misericórdia. A centralidade da nossa religião não pode ser os vasos sagrados e os templos, mas sim o marginalizado, o homem que sofre. Os valores humanos suprimem as antigas observâncias fundamentalistas dos preceitos religiosos. Testemunhemos nossa fé com este valor ensinado por Jesus, que mostra de forma singela que o respeito à vida e ao socorro ao próximo deve ocupar a “centralidade do tempo” de nossos corações.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 3ª-feira da 23ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Colossenses 2,6-15

    Irmãos, 6 assim como aceitastes a Cristo Jesus como Senhor, assim continuai a guiar-vos por ele: 7 enraizados nele e edificados sobre ele, apoiados na fé que vos foi ensinada, dando-lhe muitas ações de graças. 8 Estai alerta, para que ninguém vos enrede com sua filosofia e com doutrina falsa, baseando-se em tradição humana e remontando às forças elementares do mundo, sem se fundamentar em Cristo. 9 Pois nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade. 10 Dele também vós estais repletos, pois ele é a cabeça de todas as forças e de todos os poderes. 11 Nele vós também recebestes uma circuncisão, não feita por mão humana, mas uma circuncisão que é de Cristo, pela qual renunciais ao corpo perecível. 12 Com Cristo fostes sepultados no batismo; com ele também fostes ressuscitados por meio da fé no poder de Deus, que ressuscitou a Cristo dentre os mortos. 13 Ora, vós estáveis mortos por causa dos vossos pecados, e vossos corpos não tinham recebido a circuncisão, até que Deus vos trouxe para a vida, junto com Cristo, e a todos nós perdoou os pecados. 14 Existia contra nós uma conta a ser paga, mas ele a cancelou, apesar das obrigações legais, e a eliminou, pregando-a na cruz. 15 Ele despojou as autoridades e os poderes sobre-humanos e os expôs publicamente em espetáculo, levando-os em cortejo triunfal.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 144(145)
    O Senhor é muito bom para com todos.

    Ó meu Deus, quero exaltar-vos, ó meu rei, / e bendizer o vosso nome pelos séculos. /
    Todos os dias haverei de bendizer-vos, / hei de louvar o vosso nome para sempre. – R.

    Misericórdia e piedade é o Senhor, / ele é amor, é paciência, é compaixão. /
    O Senhor é muito bom para com todos, / sua ternura abraça toda criatura. – R.

    Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem / e os vossos santos, com louvores, vos bendigam! /
    Narrem a glória e o esplendor do vosso reino / e saibam proclamar vosso poder! – R.

    Lucas 6,12-19

    12 Naqueles dias, Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus. 13 Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de apóstolos: 14 Simão, a quem impôs o nome de Pedro, e seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; 15 Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado zelota; 16 Judas, filho de Tiago, e Judas Iscariotes, aquele que se tornou traidor. 17 Jesus desceu da montanha com eles e parou num lugar plano. Ali estavam muitos dos seus discípulos e grande multidão de gente de toda a Judeia e de Jerusalém, do litoral de Tiro e Sidônia. 18 Vieram para ouvir Jesus e serem curados de suas doenças. E aqueles que estavam atormentados por espíritos maus também foram curados. 19 A multidão toda procurava tocar em Jesus, porque uma força saía dele e curava a todos.

    Palavra da salvação.

    “Passou a noite toda em oração. Escolheu doze dentre os discípulos,
    aos quais deu o nome de apóstolos.”

    Após discernir por meio da oração, no cume da montanha, Jesus chamou os apóstolos para compor a nascente Igreja de Deus e, em seguida, desce com os apóstolos. O subir e descer do monte é carregado de significados. Quando desce do monte, Jesus está com os doze se assemelhando ao movimento da encarnação que desce das alturas celestes para estar com o povo. O encontro com Cristo deve ser semelhante para nós, após a experiência com Ele devemos retornar ao cotidiano, não nos furtarmos à estagnação de querer passar o resto da vida no alto da montanha com Jesus, mas descer e levar o Cristo aos outros assim como os discípulos descem para auxiliar os doentes que lá estão.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Festa da Natividade de N. Senhora

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Miqueias 5,1-4

    Assim diz o Senhor: 1 “Tu, Belém de Éfrata, pequenina entre os mil povoados de Judá, de ti há de sair aquele que dominará em Israel; sua origem vem de tempos remotos, desde os dias da eternidade. 2 Deus deixará seu povo ao abandono, até o tempo em que uma mãe der à luz; e o resto de seus irmãos se voltará para os filhos de Israel. 3 Ele não recuará, apascentará com a força do Senhor e com a majestade do nome do Senhor seu Deus; os homens viverão em paz, pois ele agora estenderá o poder até os confins da terra, 4 e ele mesmo será a paz”.

    Leitura opcional: Romanos 8,28-30.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 70(71); 12(13)
    Exulto de alegria no Senhor.

    Sois meu apoio desde antes que eu nascesse, † desde o seio maternal, o meu amparo: /
    para vós o meu louvor eternamente! – R.

    Uma vez que confiei no vosso amor, † meu coração, por vosso auxílio, rejubile, /
    e que eu vos cante pelo bem que me fizestes! – R.

    Mateus 1,1-16.18-23 ou 18-23

    1 Livro da origem de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. 2 Abraão gerou Isaac; Isaac gerou Jacó; Jacó gerou Judá e seus irmãos. 3 Judá gerou Farés e Zara, cuja mãe era Tamar. Farés gerou Esrom; Esrom gerou Aram; 4 Aram gerou Aminadab; Aminadab gerou Naasson; Naasson gerou Salmon; 5 Salmon gerou Booz, cuja mãe era Raab. Booz gerou Obed, cuja mãe era Rute. Obed gerou Jessé. 6 Jessé gerou o rei Davi. Davi gerou Salomão, daquela que tinha sido a mulher de Urias. 7 Salomão gerou Roboão; Roboão gerou Abias; Abias gerou Asa; 8 Asa gerou Josafá; Josafá gerou Jorão; Jorão gerou Ozias; 9 Ozias gerou Jotão; Jotão gerou Acaz; Acaz gerou Ezequias; 10 Ezequias gerou Manassés; Manassés gerou Amon; Amon gerou Josias. 11 Josias gerou Jeconias e seus irmãos, no tempo do exílio na Babilônia. 12 Depois do exílio na Babilônia, Jeconias gerou Salatiel; Salatiel gerou Zorobabel; 13 Zorobabel gerou Abiud; Abiud gerou Eliaquim; Eliaquim gerou Azor; 14 Azor gerou Sadoc; Sadoc gerou Aquim; Aquim gerou Eliud; 15 Eliud gerou Eleazar; Eleazar gerou Matã; Matã gerou Jacó. 16 Jacó gerou José, o esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado o Cristo. [18 A origem de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José e, antes de viverem juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo. 19 José, seu marido, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandonar Maria em segredo. 20 Enquanto José pensava nisso, eis que o anjo do Senhor apareceu-lhe em sonho e lhe disse: “José, filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. 21 Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados”. 22 Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: 23 “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho. Ele será chamado pelo nome de Emanuel, que significa: Deus está conosco”.]

    Palavra da salvação.

    “O que nela foi gerado vem do Espírito Santo.”

    De modo admirável Nossa Senhora concebeu do Espírito Santo e trouxe ao mundo o Salvador. Os anjos e todo o céu se alegram, pois a vitória de Deus sob o pecado está sentenciada, não há mais espaço para incerteza. “Emanuel”, o nome que significa “Deus Conosco”. Deus deste momento em diante estará conosco até o fim dos tempos. Devemos, então, nos perguntar se Jesus encarnou e depois de sua morte ressuscitou para permanecer conosco. Nós temos a plena confiança neste Deus que está vivo e nos ampara em todo momento? Acreditamos na sua presença eficaz e que seus desígnios são precisos e nada foge do seu controle?

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 5ª-feira da 23ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Colossenses 3,12-17

    Irmãos, 12 vós sois amados por Deus, sois os seus santos eleitos. Por isso, revesti-vos de sincera misericórdia, bondade, humildade, mansidão e paciência, 13 suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos mutuamente se um tiver queixa contra o outro. Como o Senhor vos perdoou, assim perdoai vós também. 14 Mas, sobretudo, amai-vos uns aos outros, pois o amor é o vínculo da perfeição. 15 Que a paz de Cristo reine em vossos corações, à qual fostes chamados como membros de um só corpo. E sede agradecidos. 16 Que a palavra de Cristo, com toda a sua riqueza, habite em vós. Ensinai e admoestai-vos uns aos outros com toda a sabedoria. Do fundo dos vossos corações, cantai a Deus salmos, hinos e cânticos espirituais, em ação de graças. 17 Tudo o que fizerdes, em palavras ou obras, seja feito em nome do Senhor Jesus Cristo. Por meio dele dai graças a Deus, o Pai.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 150
    Louve o Senhor tudo o que vive e que respira.

    Louvai o Senhor Deus no santuário, / louvai-o no alto céu de seu poder! /
    Louvai-o por seus feitos grandiosos, / louvai-o em sua grandeza majestosa! – R.

    Louvai-o com o toque da trombeta, / louvai-o com a harpa e com a cítara! /
    Louvai-o com a dança e o tambor, / louvai-o com as cordas e as flautas! – R.

    Louvai-o com os címbalos sonoros, / louvai-o com os címbalos de júbilo! /
    Louve a Deus tudo o que vive e que respira, / tudo cante os louvores do Senhor! – R.

    Lucas 6,27-38

    Naquele tempo, falou Jesus aos seus discípulos: 27 A vós que me escutais, eu digo: amai os vossos inimigos e fazei o bem aos que vos odeiam, 28 bendizei os que vos amaldiçoam e rezai por aqueles que vos caluniam. 29 Se alguém te der uma bofetada numa face, oferece também a outra. Se alguém te tomar o manto, deixa-o levar também a túnica. 30 Dá a quem te pedir e, se alguém tirar o que é teu, não peças que o devolva. 31 O que vós desejais que os outros vos façam, fazei-o também vós a eles. 32 Se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Até os pecadores amam aqueles que os amam. 33 E se fazeis o bem somente aos que vos fazem o bem, que recompensa tereis? Até os pecadores fazem assim. 34 E se emprestais somente àqueles de quem esperais receber, que recompensa tereis? Até os pecadores emprestam aos pecadores, para receber de volta a mesma quantia. 35 Ao contrário, amai os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai sem esperar coisa alguma em troca. Então, a vossa recompensa será grande, e sereis filhos do Altíssimo, porque Deus é bondoso também para com os ingratos e os maus. 36 Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso. 37 Não julgueis e não sereis julgados; não condeneis e não sereis condenados; perdoai e sereis perdoados. 38 Dai e vos será dado. Uma boa medida, calcada, sacudida, transbordante será colocada no vosso colo; porque, com a mesma medida com que medirdes os outros, vós também sereis medidos”.

    Palavra da salvação.

    “Sede misericordiosos, como também o vosso Pai é misericordioso.”

    No Evangelho, Jesus elimina não apenas o ódio mas também o inimigo. Para seus seguidores, não há mais possibilidades de odiar, porque não mais deve existir inimigo. E se encontrar alguém de odeie, deverá fazer o bem. Deverá orar e amar os que nos insultem e nos perseguem fazendo sempre o bem para eles. Jesus na cruz ensina praticamente a amar mesmo não sendo amado, amando mesmo sendo insultado e odiado, amar a todos em qualquer situação em que estiver.

    É preciso pedir sempre a Deus e deixar que nos transforme em pessoas cheias de caridade, humildade e amor. E assim conseguimos viver desse modo no mundo de hoje cheio de discórdias.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 6ª-feira da 23ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    1 Timóteo 1,1-2.12-14

    1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus, por ordem de Deus, nosso salvador, e de Cristo Jesus, nossa esperança, 2 a Timóteo, verdadeiro filho na fé: a graça, a misericórdia e a paz de Deus Pai e de Cristo Jesus, nosso Senhor. 12 Agradeço àquele que me deu força, Cristo Jesus, nosso Senhor, pela confiança que teve em mim ao designar-me para o seu serviço, 13 a mim, que antes blasfemava, perseguia e insultava. Mas encontrei misericórdia, porque agia com a ignorância de quem não tem fé. 14 Transbordou a graça de nosso Senhor com a fé e o amor que há em Cristo Jesus.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 15(16)
    O Senhor é a porção da minha herança!

    Guardai-me, ó Deus, porque em vós me refugio! / Digo ao Senhor: “Somente vós sois meu Senhor”. /
    Ó Senhor, sois minha herança e minha taça, / meu destino está seguro em vossas mãos! – R.

    Eu bendigo o Senhor, que me aconselha / e até de noite me adverte o coração. /
    Tenho sempre o Senhor ante meus olhos, / pois, se o tenho a meu lado, não vacilo. – R.

    Vós me ensinais vosso caminho para a vida; † junto a vós, felicidade sem limites, /
    delícia eterna e alegria ao vosso lado! – R.

    Lucas 6,39-42

    Naquele tempo, 39 Jesus contou uma parábola aos discípulos: “Pode um cego guiar outro cego? Não cairão os dois num buraco? 40 Um discípulo não é maior do que o mestre; todo discípulo bem formado será como o mestre. 41 Por que vês tu o cisco no olho do teu irmão e não percebes a trave que há no teu próprio olho? 42 Como podes dizer a teu irmão: ‘Irmão, deixa-me tirar o cisco do teu olho’, quando tu não vês a trave no teu próprio olho? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e então poderás enxergar bem para tirar o cisco do olho do teu irmão”.

    Palavra da salvação.

    “Pode um cego guiar outro cego?”

    Jesus nos ensina que não se pode guiar alguém para a luz ou guiar para a salvação se não conseguimos enxergar a luz para nós mesmos e não conhecer o caminho que leva à salvação.

    Para podermos ajudar alguém guiando para o caminho da luz e da salvação, primeiro devemos conhecer esse caminho com clareza, nossos passos devem estar iluminados. Não podemos corrigir alguém pelo erro cometido se erramos. Com isso, muitas vezes, somos rigorosos e impacientes com os outros e não somos com nós mesmos, conseguimos ver as falhas dos outros, mas não conseguimos ver as nossas. Como podemos guiar alguém para um caminho de luz e salvação assim? Basta nos converter e abrir nossos olhos para conseguir enxergar a luz e o caminho que nos leva a salvação.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Sábado da 23ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    1 Timóteo 1,15-17

    Caríssimo, 15 segura e digna de ser acolhida por todos é esta palavra: Cristo veio ao mundo para salvar os pecadores. E eu sou o primeiro deles! 16 Por isso encontrei misericórdia, para que em mim, como primeiro, Cristo Jesus demonstrasse toda a grandeza de seu coração; ele fez de mim um modelo de todos os que crerem nele para alcançar a vida eterna. 17 Ao rei dos séculos, ao único Deus, imortal e invisível, honra e glória pelos séculos dos séculos. Amém!

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 112(113)
    Bendito seja o nome do Senhor, / agora e para sempre!

    Louvai, louvai, ó servos do Senhor, / louvai, louvai o nome do Senhor! /
    Bendito seja o nome do Senhor, / agora e por toda a eternidade! – R.

    Do nascer do sol até o seu ocaso, / louvado seja o nome do Senhor! /
    O Senhor está acima das nações, / sua glória vai além dos altos céus. – R.

    Quem pode comparar-se ao nosso Deus, / que se inclina para olhar o céu e a terra? /
    Levanta da poeira o indigente / e do lixo ele retira o pobrezinho. – R.

    Lucas 6,43-49

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 43 “Não existe árvore boa que dê frutos ruins nem árvore ruim que dê frutos bons. 44 Toda árvore é reconhecida pelos seus frutos. Não se colhem figos de espinheiros nem uvas de plantas espinhosas. 45 O homem bom tira coisas boas do bom tesouro do seu coração. Mas o homem mau tira coisas más do seu mau tesouro, pois sua boca fala do que o coração está cheio. 46 Por que me chamais: ‘Senhor! Senhor!’, mas não fazeis o que eu digo? 47 Vou mostrar-vos com quem se parece todo aquele que vem a mim, ouve as minhas palavras e as põe em prática. 48 É semelhante a um homem que construiu uma casa: cavou fundo e colocou o alicerce sobre a rocha. Veio a enchente, a torrente deu contra a casa, mas não conseguiu derrubá-la, porque estava bem construída. 49 Aquele, porém, que ouve e não põe em prática é semelhante a um homem que construiu uma casa no chão, sem alicerce. A torrente deu contra a casa, e ela imediatamente desabou; e foi grande a ruína dessa casa”.

    Palavra da salvação.

    “Por que me chamais: ‘Senhor! Senhor!’, mas não fazeis o que eu digo?”

    O cristão deve fazer sempre o bem, não basta as belas palavras que se pronuncia se não vive aquilo que diz. Se somos maus, não podemos comunicar o bem, do mesmo modo que não se pode colher figos no espinheiro. Devemos comunicar o bem se vivemos bem, ajudando e rezando por todos. A nossa fé deve ser como a imagem da casa construída sobre a rocha, nada pode abalar a nossa fé que deve estar bem firme.

    O evangelho lembra que não é possível a eficácia no campo da fé se não se planta a palavra no mais fundo do nosso íntimo. Só nos firmando solidamente na palavra de Deus podemos construir uma casa que não desaba. Todos os projetos de nossas vidas que não levam em conta essa realidade que é Jesus Cristo e seu amor, não conseguimos fazer nada e o que conseguimos podem desmoronar pela falta de fé e confiança.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 24º Domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Isaías 50,5-9

    5 O Senhor abriu-me os ouvidos; não lhe resisti nem voltei atrás. 6 Ofereci as costas para me baterem e as faces para me arrancarem a barba; não desviei o rosto de bofetões e cusparadas. 7 Mas o Senhor Deus é meu auxiliador, por isso não me deixei abater o ânimo, conservei o rosto impassível como pedra, porque sei que não sairei humilhado. 8 A meu lado está quem me justifica; alguém me fará objeções? Vejamos. Quem é meu adversário? Aproxime-se. 9 Sim, o Senhor Deus é meu auxiliador; quem é que me vai condenar?

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 114(115)
    Andarei na presença de Deus, / junto a ele na terra dos vivos.

    Eu amo o Senhor, porque ouve / o grito da minha oração. / Inclinou para mim seu ouvido, / no dia em que eu o invoquei. – R.

    Prendiam-me as cordas da morte, † apertavam-me os laços do abismo; / invadiam-me angústia e tristeza. / Eu então invoquei o Senhor: / “Salvai, ó Senhor, minha vida!” – R.

    O Senhor é justiça e bondade, / nosso Deus é amor-compaixão. / É o Senhor quem defende os humildes: / eu estava oprimido, e salvou-me. – R.

    Libertou minha vida da morte, † enxugou de meus olhos o pranto / e livrou os meus pés do tropeço. / Andarei na presença de Deus, / junto a ele na terra dos vivos. – R.

    Tiago 2,14-18

    14 Meus irmãos, que adianta alguém dizer que tem fé quando não a põe em prática? A fé seria então capaz de salvá-lo? 15 Imaginai que um irmão ou uma irmã não têm o que vestir e que lhes falta a comida de cada dia; 16 se então alguém de vós lhes disser: “Ide em paz, aquecei-vos”, e: “Comei à vontade”, sem lhes dar o necessário para o corpo, que adiantará isso? 17 Assim também a fé, se não se traduz em obras, por si só está morta. 18 Em compensação, alguém poderá dizer: “Tu tens a fé e eu tenho a prática! Tu, mostra-me a tua fé sem as obras, que eu te mostrarei a minha fé pelas obras!”

    Palavra do Senhor.

    Marcos 8,27-35

    Naquele tempo, 27 Jesus partiu com seus discípulos para os povoados de Cesareia de Filipe. No caminho perguntou aos discípulos: “Quem dizem os homens que eu sou?” 28 Eles responderam: “Alguns dizem que tu és João Batista; outros, que és Elias; outros, ainda, que és um dos profetas”. 29 Então ele perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro respondeu: “Tu és o Messias”. 30 Jesus proibiu-lhes severamente de falar a alguém a seu respeito. 31 Em seguida, começou a ensiná-los, dizendo que o Filho do Homem devia sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei; devia ser morto e ressuscitar depois de três dias. 32 Ele dizia isso abertamente. Então Pedro tomou Jesus à parte e começou a repreendê-lo. 33 Jesus voltou-se, olhou para os discípulos e repreendeu a Pedro, dizendo: “Vai para longe de mim, satanás! Tu não pensas como Deus, e sim como os homens”. 34 Então chamou a multidão com seus discípulos e disse: “Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga. 35 Pois quem quiser salvar a sua vida vai perdê-la; mas quem perder a sua vida por causa de mim e do Evangelho vai salvá-la”.

    Palavra da salvação.

    “Tu és o Messias… O Filho do Homem deve sofrer muito.”

    Pedro professa a fé que há de mudar o mundo, respondendo à pergunta de Jesus, dizendo que Ele é o Messias, o Cristo. Sobre essa fé que se constrói a Igreja. Mas depois Pedro tenta convencer Jesus a fugir da Paixão, sugerindo desviar de seu caminho de fidelidade do Pai.

    A fé assume também a condição de Servo Sofredor e participa com Jesus de seus sofrimentos, onde carregamos nossa cruz junto com Cristo. O grande mistério é que o Reino de Deus prosseguiu seu caminho, mesmo quando os homens, inclusive todos nós, matamos o Filho de Deus. Do maior pecado nasceu o maior amor. Assim fomos libertados pela morte de Jesus, de modo que a morte e o fracasso não são a última palavra.  Para seguir a Cristo temos que deixar muitas coisas e se entregar totalmente a Ele que por nos manifestou sua caridade em sua abnegação, sua entrega total.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 2ª-feira da 24ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    SÃO JOÃO CRISÓSTOMO – memória

    1 Timóteo 2,1-8

    Caríssimo, 1 antes de tudo, recomendo que se façam preces e orações, súplicas e ações de graças por todos os homens; 2 pelos que governam e por todos os que ocupam altos cargos, a fim de que possamos levar uma vida tranquila e serena, com toda a piedade e dignidade. 3 Isso é bom e agradável a Deus, nosso salvador; 4ele quer que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade. 5 Pois há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus, 6 que se entregou em resgate por todos. Esse é o testemunho dado no tempo estabelecido por Deus, 7 e para este testemunho eu fui designado pregador e apóstolo, e – falo a verdade, não minto – mestre das nações pagãs na fé e na verdade. Quero, portanto, que em todo o lugar os homens façam a oração, erguendo mãos santas, sem ira e sem discussões.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 27(28)
    Bendito seja o Senhor, porque ouviu / o clamor da minha súplica!

    Escutai o meu clamor, a minha súplica, / quando eu grito para vós; /
    quando eu elevo, ó Senhor, as minhas mãos / para o vosso santuário. – R.

    Minha força e escudo é o Senhor; / meu coração nele confia. /
    Ele ajudou-me e alegrou meu coração; / eu canto em festa o seu louvor. – R.

    O Senhor é a fortaleza do seu povo / e a salvação do seu ungido. /
    Salvai o vosso povo e libertai-o; / abençoai a vossa herança! /
    Sede vós o seu pastor e o seu guia / pelos séculos eternos! – R.

    Lucas 7,1-10

    Naquele tempo, 1 quando acabou de falar ao povo que o escutava, Jesus entrou em Cafarnaum. 2 Havia lá um oficial romano que tinha um empregado a quem estimava muito e que estava doente, à beira da morte. 3 O oficial ouviu falar de Jesus e enviou alguns anciãos dos judeus para pedirem que Jesus viesse salvar seu empregado. 4 Chegando aonde Jesus estava, pediram-lhe com insistência: “O oficial merece que lhe faças esse favor, 5 porque ele estima o nosso povo. Ele até nos construiu uma sinagoga”. 6 Então, Jesus pôs-se a caminho com eles. Porém, quando já estava perto da casa, o oficial mandou alguns amigos dizerem a Jesus: “Senhor, não te incomodes, pois não sou digno de que entres em minha casa. 7 Nem mesmo me achei digno de ir pessoalmente ao teu encontro. Mas ordena com a tua palavra, e o meu empregado ficará curado. 8 Eu também estou debaixo de autoridade, mas tenho soldados que obedecem às minhas ordens. Se ordeno a um: ‘Vai!’, ele vai; e a outro: ‘Vem!’, ele vem; e ao meu empregado: ‘Faze isto!’, e ele o faz”. 9 Ouvindo isso, Jesus ficou admirado. Virou-se para a multidão que o seguia e disse: “Eu vos declaro que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé”. 10 Os mensageiros voltaram para a casa do oficial e encontraram o empregado em perfeita saúde.

    Palavra da salvação.

    “Nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé.”

    Na oração desse romano temos um exemplo de como deve ser nossa oração, que precisar reconhecer que dependemos somente de Deus e confiar em sua misericórdia. Aproximar de sua palavra nos faz ainda mais dependentes de Deus e descobrimos a imensidão de seu amor.

    Ainda hoje usamos as mesmas palavras do centurião no rito eucarístico que ressoaram no coração de Jesus na intimidade de sua Páscoa, palavras que nos acompanham ao longo de toda vida cristã, e que o rito exprime com seu convite à fé, pondo-nos em expícita relação com Cristo. Jesus, que admirou a fé daquele pagão que confiava totalmente nele, pode admirar também a nossa oração?  Sabemos confiar totalmente em sua palavra quando rezamos?

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Festa da Exaltação da Santa Cruz

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ

    Números 21,4-9

    Naqueles dias, 4 os filhos de Israel partiram do monte Hor, pelo caminho que leva ao mar Vermelho, para contornarem o país de Edom. Durante a viagem, o povo começou a impacientar-se 5 e se pôs a falar contra Deus e contra Moisés, dizendo: “Por que nos fizestes sair do Egito para morrermos no deserto? Não há pão, falta água, e já estamos com nojo desse alimento miserável”. 6 Então o Senhor mandou contra o povo serpentes venenosas, que os mordiam; e morreu muita gente em Israel. 7 O povo foi ter com Moisés e disse: “Pecamos, falando contra o Senhor e contra ti. Roga ao Senhor que afaste de nós as serpentes”. Moisés intercedeu pelo povo, 8 e o Senhor respondeu: “Faze uma serpente de bronze e coloca-a como sinal sobre uma haste; aquele que for mordido e olhar para ela viverá”. 9 Moisés fez, pois, uma serpente de bronze e colocou-a como sinal sobre uma haste. Quando alguém era mordido por uma serpente e olhava para a serpente de bronze, ficava curado.

    Leitura opcional: Filipenses 2,6-11.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 77(78)
    Das obras do Senhor, ó meu povo, não te esqueças!

    Escuta, ó meu povo, a minha Lei, / ouve atento as palavras que eu te digo; /
    abrirei a minha boca em parábolas, / os mistérios do passado lembrarei. – R.

    Quando os feria, eles então o procuravam, / convertiam-se, correndo para ele; /
    recordavam que o Senhor é sua rocha / e que Deus, seu redentor, é o Deus altíssimo. – R.

    Mas apenas o honravam com seus lábios / e mentiam ao Senhor com suas línguas; /
    seus corações enganadores eram falsos / e, infiéis, eles rompiam a aliança. – R.

    Mas o Senhor, sempre benigno e compassivo, / não os matava e perdoava seu pecado; /
    quantas vezes dominou a sua ira / e não deu largas à vazão de seu furor. – R.

    João 3,13-17

    Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: 13 “Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem. 14 Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado, 15 para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna. 16 Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. 17 De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele”.

    Palavra da salvação.

    “É necessário que o Filho do Homem seja levantado.”

    Da cruz nos veio a salvação, símbolo do amor de Deus, onde Cristo morreu para a salvação de todos. A Cruz é e deve ser exaltada como sinal que manifesta, para sempre e para todos, o amor de Deus por todos.

    Quem pode recusar esse amor tão grandioso de Deus, que entregou seu Filho para nos salvar de nossos pecados? Somos salvos pelo imenso e incomparável amor de Deus que nos deu Jesus, seu Filho único. Cristo morto e ressuscitado é a suprema e definitiva revelação do amor absoluto de Deus pelo homem, portanto a proposta última de salvação dirigida a todos os homens, toda a sua criação. Diante de um grande amor, temos que amar muito. Quem ama nunca se arrepende de ter amado.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Memória de Nossa Senhora das Dores

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Hebreus 5,7-9

    7 Cristo, nos dias de sua vida terrestre, dirigiu preces e súplicas, com forte clamor e lágrimas, àquele que era capaz de salvá-lo da morte. E foi atendido, por causa de sua entrega a Deus. 8 Mesmo sendo Filho, aprendeu o que significa a obediência a Deus por aquilo que ele sofreu. 9 Mas, na consumação de sua vida, tornou-se causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 30(31)
    Salvai-me pela vossa compaixão, ó Senhor Deus!

    Senhor, eu ponho em vós minha esperança; / que eu não fique envergonhado eternamente! /
    Porque sois justo, defendei-me e libertai-me, / apressai-vos, ó Senhor, em socorrer-me! – R.

    Sede uma rocha protetora para mim, / um abrigo bem seguro que me salve! /
    Sim, sois vós a minha rocha e fortaleza; / por vossa honra, orientai-me e conduzi-me! – R.

    Retirai-me desta rede traiçoeira, / porque sois o meu refúgio protetor! /
    Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito, / porque vós me salvareis, ó Deus fiel! – R.

    A vós, porém, ó meu Senhor, eu me confio / e afirmo que só vós sois o meu Deus! /
    Eu entrego em vossas mãos o meu destino; / libertai-me do inimigo e do opressor! – R.

    Como é grande, ó Senhor, vossa bondade, / que reservastes para aqueles que vos temem! /
    Para aqueles que em vós se refugiam, / mostrando, assim, o vosso amor perante os homens. – R.

    João 19,25-27

    Naquele tempo, 25 perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. 26 Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. 27 Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo.

    Palavra da salvação.

    “Mãe entre todas bendita, do Filho único aflita, a imensa dor assistia.” (Stabat Mater)

    O Evangelho de hoje nos lembra um dos momentos da Paixão de Jesus, que estando pregado na cruz, está  presente sua aflita Mãe e seu discípulo amado, quando Ele entrega sua Mãe ao seu discípulo.

    Quando Jesus olha para sua Mãe e diz “mulher, este é o teu filho” e olhando para o discípulo amando e diz “esta é a tua mãe”, temos a certeza que todos nós somos seus seguidores, seus discípulos e cremos firmemente em Jesus, somos também filhos e filhas de Maria, assim como Ele falou ao seu discípulo amado. Ela sempre estará do nosso lado nos protegendo, nos intercedendo, nos amando como filhos e filhas e nós devemos amá-la como nossa Mãe.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Memória de São Cornélio e Cipriano

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    SÃO CORNÉLIO E CIPRIANO – Memória

    1 Timóteo 4,12-16

    Leitura da primeira carta de São Paulo a Timóteo – Caríssimo, 12 ninguém te despreze por seres jovem. Pelo contrário, serve de exemplo para os fiéis na palavra, na conduta, na caridade, na fé, na pureza. 13 Até que eu chegue, dedica-te à leitura, à exortação, ao ensino. 14 Não descuides o dom da graça que tu tens e que te foi dada por indicação da profecia, acompanhada da imposição das mãos do presbitério. 15 Com perseverança, põe essas coisas em prática, para que todos vejam o teu progresso. 16 Cuida de ti mesmo e daquilo que ensinas. Mostra-te perseverante. Assim te salvarás a ti mesmo e também àqueles que te escutam.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 110(111)
    Grandiosas são as obras do Senhor!

    Suas obras são verdade e são justiça, / seus preceitos, todos eles, são estáveis, /
    confirmados para sempre e pelos séculos, / realizados na verdade e retidão. – R.

    Enviou libertação para o seu povo, † confirmou sua Aliança para sempre. /
    Seu nome é santo e é digno de respeito. – R.

    Temer a Deus é o princípio do saber, † e é sábio todo aquele que o pratica. /
    Permaneça eternamente o seu louvor. – R.

    Lucas 7,36-50

    Naquele tempo, 36 um fariseu convidou Jesus para uma refeição em sua casa. Jesus entrou na casa do fariseu e pôs-se à mesa. 37 Certa mulher, conhecida na cidade como pecadora, soube que Jesus estava à mesa, na casa do fariseu. Ela trouxe um frasco de alabastro com perfume 38 e, ficando por detrás, chorava aos pés de Jesus; com as lágrimas começou a banhar-lhe os pés, enxugava-os com os cabelos, cobria-os de beijos e os ungia com o perfume. 39 Vendo isso, o fariseu que o havia convidado ficou pensando: “Se este homem fosse um profeta, saberia que tipo de mulher está tocando nele, pois é uma pecadora”. 40 Jesus disse então ao fariseu: “Simão, tenho uma coisa para te dizer”. Simão respondeu: “Fala, mestre!” 41 “Certo credor tinha dois devedores; um lhe devia quinhentas moedas de prata, o outro cinquenta. 42 Como não tivessem com que pagar, o homem perdoou os dois. Qual deles o amará mais?” 43 Simão respondeu: “Acho que é aquele ao qual perdoou mais”. Jesus lhe disse: “Tu julgaste corretamente”. 44 Então, Jesus virou-se para a mulher e disse a Simão: “Estás vendo esta mulher? Quando entrei em tua casa, tu não me ofereceste água para lavar os pés; ela, porém, banhou meus pés com lágrimas e enxugou-os com os cabelos. 45 Tu não me deste o beijo de saudação; ela, porém, desde que entrei, não parou de beijar meus pés. 46 Tu não derramaste óleo na minha cabeça; ela, porém, ungiu meus pés com perfume. 47 Por essa razão, eu te declaro: os muitos pecados que ela cometeu estão perdoados, porque ela mostrou muito amor. Aquele a quem se perdoa pouco mostra pouco amor”. 48 E Jesus disse à mulher: “Teus pecados estão perdoados”. 49 Então, os convidados começaram a pensar: “Quem é este que até perdoa pecados?” 50 Mas Jesus disse à mulher: “Tua fé te salvou. Vai em paz!”

    Palavra da salvação.

    “Os muitos pecados que ela cometeu estão perdoados porque ela mostrou muito amor.”

    A vinda de Cristo é que nos fez conhecer o arrependimento. Arrependimento que significa consciência de haver profanado o amor de Deus, de tirar algo que não pertence somente a mim. Ofendi alguém que me ama.

    Pode-se ter desgosto de uma culpa mesmo fora da fé, mas o arrependimento exige a fé. No arrependimento está implícita a confiança no perdão, a noção da misericórdia de Deus, o desejo de se reconciliar mediante os sinais da Igreja de Deus. Mas parece que esquecemos que precisamos desse perdão porque nos colocamos acima dos que consideramos pecadores. Somos todos pecadores, mas nos encontramos verdadeiramente com Jesus quando nos reconhecemos como tais. Se somos cristãos, só podemos ter atitudes semelhantes às de Jesus.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 6ª-feira da 24ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    1 Timóteo 6,2-12

    Caríssimo, 2 ensina e recomenda estas coisas. 3 Quem ensina doutrinas estranhas e discorda das palavras salutares de nosso Senhor Jesus Cristo e da doutrina conforme à piedade 4 é um obcecado pelo orgulho, um ignorante que morbidamente se compraz em questões e discussões de palavras. Daí é que nascem invejas, contendas, insultos, suspeitas, 5 porfias de homens com mente corrompida e privados da verdade, que fazem da piedade assunto de lucro. 6 Sem dúvida, grande fonte de lucro é a piedade, mas quando acompanhada do espírito de desprendimento. 7 Porque nada trouxemos ao mundo como tampouco nada poderemos levar. 8 Tendo alimento e vestuário, fiquemos satisfeitos. 9 Os que desejam enriquecer caem em tentação e armadilhas, em muitos desejos loucos e perniciosos que afundam os homens na perdição e na ruína, 10 porque a raiz de todos os males é a cobiça do dinheiro. Por se terem deixado levar por ela, muitos se extraviaram da fé e se atormentam a si mesmos com muitos sofrimentos. 11 Tu que és um homem de Deus, foge das coisas perversas, procura a justiça, a piedade, a fé, o amor, a firmeza, a mansidão. 12 Combate o bom combate da fé, conquista a vida eterna, para a qual foste chamado e pela qual fizeste tua nobre profissão de fé diante de muitas testemunhas.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 48(49)
    Felizes os humildes de espírito, / porque deles é o Reino dos céus.

    Por que temer os dias maus e infelizes / quando a malícia dos perversos me circunda? /
    Por que temer os que confiam nas riquezas / e se gloriam na abundância de seus bens? – R.

    Ninguém se livra de sua morte por dinheiro / nem a Deus pode pagar o seu resgate. /
    A isenção da própria morte não tem preço; / não há riqueza que a possa adquirir, /
    nem dar ao homem uma vida sem limites / e garantir-lhe uma existência imortal. – R.

    Não te inquietes quando um homem fica rico / e aumenta a opulência de sua casa; /
    pois, ao morrer, não levará nada consigo, / nem seu prestígio poderá acompanhá-lo. – R.

    Felicitava-se a si mesmo enquanto vivo: / “Todos te aplaudem, tudo bem, isto que é vida!” /
    Mas vai-se ele para junto de seus pais, / que nunca mais e nunca mais verão a luz! – R.

    Lucas 8,1-3

    Naquele tempo, 1 Jesus andava por cidades e povoados, pregando e anunciando a Boa-nova do Reino de Deus. Os doze iam com ele; 2 e também algumas mulheres que haviam sido curadas de maus espíritos e doenças: Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demônios; 3 Joana, mulher de Cuza, alto funcionário de Herodes; Susana e várias outras mulheres que ajudavam a Jesus e aos discípulos com os bens que possuíam.

    Palavra da salvação.

    “Andavam com ele várias mulheres que ajudavam a Jesus
    e aos discípulos com os bens que possuíam.”

    A proximidade de Jesus e as mulheres que o seguiam, que se dispunham a ser suas discípulas, parecia escandalosa aos olhos dos mestres da Lei e fariseus de seu tempo, pois, afinal, as mulheres não podiam aspirar, e nem lhes seria permitido estar na mesma posição que os homens.

    Apesar de vivermos em outros tempos, a imagem de diferenciação e discriminação lançada por uma sociedade e indivíduos que insistem num patriarcalismo ultrapassado ainda persiste em nossos tempos, infelizmente, também dentro de nossas comunidades. Apesar de termos muito mais mulheres atuando nas pastorais e atividades eclesiais, os papéis de coordenação e direção acabam sendo restritos, em muitos casos, nas mãos dos homens.

    Jesus se mostra um mestre à frente de seu tempo e, muitas vezes, à frente do nosso tempo. Ao permitir a igualdade de todos seus discípulos, reconhece a mesma dignidade partilhada por todos: são igualmente filhos e filhas do Pai, unidos pela graça do mesmo Espírito e seguidores do mesmo mestre, Jesus Cristo. Que Ele nos dê a graça de cada dia mais crescermos nesta mentalidade de igualdade e dignidade para todos!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Sábado da 24ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    1 Timóteo 6,13-16

    Caríssimo, 13/ diante de Deus, que dá a vida a todas as coisas, e de Cristo Jesus, que deu o bom testemunho da verdade perante Pôncio Pilatos, eu te ordeno: 14 guarda o teu mandato íntegro e sem mancha até a manifestação gloriosa de nosso Senhor Jesus Cristo. 15 Essa manifestação será feita no tempo oportuno pelo bendito e único soberano, o Rei dos reis e Senhor dos senhores, 16 o único que possui a imortalidade e que habita numa luz inacessível, que nenhum homem viu nem pode ver. A ele, honra e poder eterno. Amém.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 99(100)
    Com canto apresentai-vos diante do Senhor!

    Aclamai o Senhor, ó terra inteira, † servi ao Senhor com alegria, /
    ide a ele, cantando jubilosos! – R.

    Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, † ele mesmo nos fez, e somos seus, /
    nós somos seu povo e seu rebanho. – R.

    Entrai por suas portas dando graças, † e em seus átrios com hinos de louvor; /
    dai-lhe graças, seu nome bendizei! – R.

    Sim, é bom o Senhor e nosso Deus, † sua bondade perdura para sempre, /
    seu amor é fiel eternamente! – R.

    Lucas 8,4-15

    Naquele tempo, 4 reuniu-se uma grande multidão, e de todas as cidades iam ter com Jesus. Então ele contou esta parábola: 5 “O semeador saiu para semear a sua semente. Enquanto semeava, uma parte caiu à beira do caminho; foi pisada e os pássaros do céu a comeram. 6 Outra parte caiu sobre pedras; brotou e secou, porque não havia umidade. 7 Outra parte caiu no meio de espinhos; os espinhos cresceram junto e a sufocaram. 8 Outra parte caiu em terra boa; brotou e deu fruto, cem por um”. Dizendo isso, Jesus exclamou: “Quem tem ouvidos para ouvir, ouça”. 9 Os discípulos lhe perguntaram o significado dessa parábola. 10 Jesus respondeu: “A vós foi dado conhecer os mistérios do Reino de Deus. Mas aos outros, só por meio de parábolas, para que, olhando, não vejam e, ouvindo, não compreendam. 11 A parábola quer dizer o seguinte: a semente é a Palavra de Deus. 12 Os que estão à beira do caminho são aqueles que ouviram, mas depois vem o diabo e tira a Palavra do coração deles, para que não acreditem e não se salvem. 13 Os que estão sobre a pedra são aqueles que, ouvindo, acolhem a Palavra com alegria. Mas eles não têm raiz: por um momento acreditam, mas, na hora da tentação, voltam atrás. 14 Aquilo que caiu entre os espinhos são os que ouvem, mas, com o passar do tempo, são sufocados pelas preocupações, pela riqueza e pelos prazeres da vida e não chegam a amadurecer. 15 E o que caiu em terra boa são aqueles que, ouvindo com um coração bom e generoso, conservam a Palavra e dão fruto na perseverança”.

    Palavra da salvação.

    “E o que caiu em terra boa são aqueles que, conservam
    a Palavra, e dão fruto na perseverança.”

    A Palavra de Deus, segundo o Evangelho de hoje, é força criadora, possui em si mesma a força para nos impulsionar, para nos levar a Deus, à conversão. Contudo, é semente a ser cultivada; ela possui força e vida em si mesma, mas é preciso que nós a cultivemos no chão da nossa vida, no chão do nosso dia a dia.

    A Palavra precisa ser colocada no centro de nossa vida, não deixada à margem, temos que deixá-la lançar raízes profundas no nosso coração, para que não morra com as dificuldades e as provações. A Palavra precisa, ainda que nós cortemos os espinhos que lutam para abafá-la, como os valores anti-Reino, egoístas e materialistas. E, principalmente, a Palavra arraigada e cultivada deve gerar frutos de caridade, de humanidade, de serviço prestado ao próximo por amor. Deve gerar em nós os sentimentos de Cristo Jesus.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 25º Domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Sabedoria 2,12.17-20

    Os ímpios dizem: 12 “Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda: ele se opõe ao nosso modo de agir, repreende em nós as transgressões da lei e nos reprova as faltas contra a nossa disciplina. 17 Vejamos, pois, se é verdade o que ele diz e comprovemos o que vai acontecer com ele. 18 Se, de fato, o justo é ‘filho de Deus’, Deus o defenderá e o livrará das mãos dos seus inimigos. 19 Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas, para ver a sua serenidade e provar a sua paciência; 20 vamos condená-lo a morte vergonhosa, porque, de acordo com suas palavras, virá alguém em seu socorro”.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 53(54)
    É o Senhor quem sustenta minha vida!

    Por vosso nome, salvai-me, Senhor; / e dai-me a vossa justiça! /
    Ó meu Deus, atendei minha prece / e escutai as palavras que eu digo! – R.

    Pois contra mim orgulhosos se insurgem, † e violentos perseguem-me a vida: /
    não há lugar para Deus aos seus olhos. / Quem me protege e me ampara é meu Deus; /
    é o Senhor quem sustenta minha vida! ­– R.

    Quero ofertar-vos o meu sacrifício / de coração e com muita alegria; /
    quero louvar, ó Senhor, vosso nome, / quero cantar vosso nome, que é bom! – R.

    Tiago 3,16-4,3

    Caríssimos, 16 onde há inveja e rivalidade, aí estão as desordens e toda espécie de obras más. 17 Por outra parte, a sabedoria que vem do alto é, antes de tudo, pura, depois pacífica, modesta, conciliadora, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem fingimento. 18 O fruto da justiça é semeado na paz, para aqueles que promovem a paz. 4,1 De onde vêm as guerras? De onde vêm as brigas entre vós? Não vêm, justamente, das paixões que estão em conflito dentro de vós? 2 Cobiçais, mas não conseguis ter. Matais e cultivais inveja, mas não conseguis êxito. Brigais e fazeis guerra, mas não conseguis possuir. E a razão está em que não pedis. 3 Pedis, sim, mas não recebeis, porque pedis mal. Pois só quereis esbanjar o pedido nos vossos prazeres.

    Palavra do Senhor.

    Marcos 9,30-37

    Naquele tempo, 30 Jesus e seus discípulos atravessavam a Galileia. Ele não queria que ninguém soubesse disso, 31 pois estava ensinando a seus discípulos. E dizia-lhes: “O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão. Mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará”. 32 Os discípulos, porém, não compreendiam essas palavras e tinham medo de perguntar. 33 Eles chegaram a Cafarnaum. Estando em casa, Jesus perguntou-lhes: “O que discutíeis pelo caminho?” 34 Eles, porém, ficaram calados, pois pelo caminho tinham discutido quem era o maior. 35 Jesus sentou-se, chamou os doze e lhes disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos!” 36 Em seguida, pegou uma criança, colocou-a no meio deles e, abraçando-a, disse: 37 “Quem acolher em meu nome uma destas crianças é a mim que estará acolhendo. E quem me acolher está acolhendo não a mim, mas àquele que me enviou”.

    Palavra da salvação.

    “O Filho do Homem vai ser entregue… Se alguém quiser ser o primeiro,
    que seja aquele que serve a todos!”

    Eis que Jesus faz o seu segundo anúncio da paixão, enquanto os discípulos, indiferentes em entender as palavras d’Ele, discutem por um longo caminho sobre quem seria o maior.

    O Senhor manifesta a eles até onde sua dedicação e serviço com o mais puro amor O levará, mas, assim como os discípulos naquele tempo, nós somos tentados a perder tempo para alcançar o poder e a nos distrair com propostas de vida enxergando apenas a reputação e ficando cegos e insensíveis ao que nos circunda.

    Jesus, que é Deus e tem a dignidade maior que tudo e todos, não nos quer na busca de competições – de quem fica acima de quem, mas sim, nos faz perceber que a verdadeira grandeza está no serviço ao pobre, ao incapaz e ao infeliz, sabendo que, na verdade, estamos servindo a Ele e ao Pai, a seu próprio exemplo na bendita cruz.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Memória de S. André Kim Taegon

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    2ª-feira da 25ª Semana do TC
    Esdras 1,1-6

    1 No primeiro ano do reinado de Ciro, rei da Pérsia, para que se cumprisse a palavra do Senhor pronunciada pela boca de Jeremias, o Senhor moveu o espírito de Ciro, rei da Pérsia, que mandou publicar em todo o seu reino, de viva voz e por escrito, a seguinte proclamação: 2 “Assim fala Ciro, rei da Pérsia: O Senhor, Deus do céu, me deu todos os reinos da terra e me encarregou de lhe construir um templo em Jerusalém, na terra de Judá. 3 Quem, dentre vós todos, pertence ao seu povo? Que o Senhor, seu Deus, esteja com ele, e que se ponha a caminho e suba a Jerusalém, e construa o templo do Senhor, Deus de Israel, o Deus que está em Jerusalém. 4 E a todos os sobreviventes, onde quer que residam, as pessoas do lugar proporcionem prata, ouro, bens e animais, além de donativos espontâneos para o templo de Deus, que está em Jerusalém”. 5 Então se levantaram os chefes de família de Judá e de Benjamim, os sacerdotes e os levitas, todos aqueles que se sentiram inspirados por Deus para ir edificar o templo do Senhor, que está em Jerusalém. 6 E todos os seus vizinhos lhes trouxeram toda espécie de ajuda em prata, ouro, bens, animais e objetos preciosos, sem falar em todas as doações espontâneas.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 125(126)
    Maravilhas fez conosco o Senhor!

    Quando o Senhor reconduziu nossos cativos, / parecíamos sonhar; /
    encheu-se de sorriso nossa boca, / nossos lábios, de canções. – R.

    Entre os gentios se dizia: “Maravilhas / fez com eles o Senhor!” /
    Sim, maravilhas fez conosco o Senhor, / exultemos de alegria! – R.

    Mudai a nossa sorte, ó Senhor, / como torrentes no deserto. /
    Os que lançam as sementes entre lágrimas / ceifarão com alegria. – R.

    Chorando de tristeza sairão, / espalhando suas sementes; /
    cantando de alegria, voltarão, / carregando os seus feixes! – R.

    Lucas 8,16-18

    Naquele tempo, disse Jesus à multidão: 16 “Ninguém acende uma lâmpada para cobri-la com uma vasilha ou colocá-la debaixo da cama; ao contrário, coloca-a no candeeiro, a fim de que todos os que entram vejam a luz. 17 Com efeito, tudo o que está escondido deverá tornar-se manifesto; e tudo o que está em segredo deverá tornar-se conhecido e claramente manifesto. 18 Portanto, prestai atenção à maneira como vós ouvis! Pois a quem tem alguma coisa, será dado ainda mais; e àquele que não tem, será tirado até mesmo o que ele pensa ter”.

    Palavra da salvação.

    “Coloca a lâmpada no candeeiro, a fim de que todos
    os que entram, vejam a luz”.

    Disse, certa vez, um frade que a ignorância, como fato de desconhecer a verdade sobre algo, poderia ser considerada como um novo sacramento de salvação, pois ninguém peca gravemente no desconhecimento do peso de seu ato. A consciência compromete e aquilo que vamos aprendendo na intimidade com Deus provoca-nos ao compromisso com o testemunho claro daquilo que nos foi revelado através da vida e palavras.

    Jesus Cristo é verdadeira luz que ilumina as sombras de nossas dúvidas e erros, os desvios de nossa cultura e os contravalores que pouco a pouco vão sendo naturalizados em nosso tempo. E esta luz não pode ficar escondida no sigilo de nossas igrejas e/ou casas cristãs. Cada fiel, discípulo de Jesus Cristo, é convidado a trazer esta luz à mostra, para que todos a enxerguem e passem a compreender qual o caminho a seguir. Este testemunho exigirá fidelidade, coerência do fiel, mas é isso que buscamos na relação com Deus, não?

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Festa de São Mateus

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    3ª-feira da 25ª Semana do TC
    Efésios 4,1-7.11-13

    Irmãos, 1 eu, prisioneiro no Senhor, vos exorto a caminhardes de acordo com a vocação que recebestes: 2 com toda a humildade e mansidão, suportai-vos uns aos outros com paciência, no amor. 3 Aplicai-vos a guardar a unidade do espírito pelo vínculo da paz. 4 Há um só corpo e um só Espírito, como também é uma só a esperança à qual fostes chamados. 5 Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, 6 um só Deus e Pai de todos, que reina sobre todos, age por meio de todos e permanece em todos. 7 Cada um de nós recebeu a graça na medida em que Cristo lha deu. 11 E foi ele quem instituiu alguns como apóstolos, outros como profetas, outros ainda como evangelistas, outros, enfim, como pastores e mestres. 12 Assim, ele capacitou os santos para o ministério, para edificar o corpo de Cristo, 13 até que cheguemos todos juntos à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, ao estado do homem perfeito e à estatura de Cristo em sua plenitude.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 18(19A)
    Seu som ressoa e se espalha em toda a terra.

    Os céus proclamam a glória do Senhor, / e o firmamento, a obra de suas mãos; /
    o dia ao dia transmite essa mensagem, / a noite à noite publica essa notícia. – R.

    Não são discursos nem frases ou palavras, / nem são vozes que possam ser ouvidas; /
    seu som ressoa e se espalha em toda a terra, / chega aos confins do universo a sua voz. – R.

    Mateus 9,9-13

    Naquele tempo, 9 Jesus viu um homem, chamado Mateus, sentado na coletoria de impostos e disse-lhe: “Segue-me!” Ele se levantou e seguiu a Jesus. 10 Enquanto Jesus estava à mesa, em casa de Mateus, vieram muitos cobradores de impostos e pecadores e sentaram-se à mesa com Jesus e seus discípulos. 11 Alguns fariseus viram isso e perguntaram aos discípulos: “Por que vosso mestre come com os cobradores de impostos e pecadores?” 12 Jesus ouviu a pergunta e respondeu: “Aqueles que têm saúde não precisam de médico, mas sim os doentes. 13 Aprendei, pois, o que significa: ‘Quero misericórdia e não sacrifício’. De fato, eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores”.

    Palavra da salvação.

    “Não vim para chamar os justos, mas os pecadores”.

    Jesus, através do Evangelho, mostra claramente que o Reino dos Céus está aberto a todos. A todos, Ele chama, e com maior empenho Ele vai atrás daqueles que estão afastados de Deus, porque são estes que mais precisam Dele e que o Pai quer ver curados e bem. Jesus é o verdadeiro médico das almas, Ele é o Cristo, isto é, o Ungido, aquele que traz e que é em si mesmo: o óleo perfumado da misericórdia do Pai que cura as feridas.

    Ele nos chama ao seu seguimento e discipulado. Devemos aprender da mesma forma que o Apóstolo Mateus aprendeu, o que significa misericórdia. Através da nossa experiência de perdão que recebemos de Deus, nos tornamos capazes de perdoar o próximo. Em nossa relação com Jesus Cristo, cada vez que vamos nos aproximando dele, sentido seu infinito amor por nós, somos por esse mesmo amor movidos a amar a tudo e todos que Deus criou e ama.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 4ª-feira da 25ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Esdras 9,5-9

    Leitura do livro de Esdras – 5 Na hora da oblação da tarde, eu, Esdras, levantei-me da minha prostração. E, com as vestes e o manto rasgados, caí de joelhos, estendi as mãos para o Senhor, meu Deus. 6 E disse: “Meu Deus, estou coberto de vergonha e confusão ao levantar a minha face para ti, porque nossas iniquidades multiplicaram-se acima de nossas cabeças e nossas faltas se acumularam até o céu. 7 Desde os tempos de nossos pais até este dia, uma grande culpa pesa sobre nós: por causa de nossas iniquidades, nós, nossos reis e nossos sacerdotes, fomos entregues às mãos dos reis estrangeiros, à espada, ao cativeiro, à pilhagem e à vergonha, como acontece ainda hoje. 8 Mas agora, por um breve instante, o Senhor nosso Deus concedeu-nos a graça de preservar dentre nós um resto e de permitir que nos fixemos em seu lugar santo. Assim o nosso Deus deu brilho aos nossos olhos e concedeu-nos um pouco de vida no meio de nossa servidão. 9 Pois éramos escravos, mas em nossa servidão o nosso Deus não nos abandonou. Antes, conseguiu para nós o favor dos reis da Pérsia, deu-nos bastante vida para podermos reconstruir o templo do nosso Deus e restaurar suas ruínas, e concedeu-nos um abrigo seguro em Judá e em Jerusalém”.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl Tb 13
    Bendito seja Deus, que vive eternamente!

    Vós sois grande, Senhor, para sempre, / e vosso reino se estende nos séculos! /
    Porque vós castigais e salvais, / fazeis descer aos abismos da terra /
    e de lá nos trazeis novamente: / de vossa mão nada pode escapar. – R.

    Vós que sois de Israel, dai-lhe graças / e por entre as nações celebrai-o! /
    O Senhor dispersou-vos na terra / para narrardes sua glória entre os povos /
    e fazê-los saber, para sempre, / que não há outro Deus além dele. – R.

    Castigou-nos por nossos pecados, / seu amor haverá de salvar-nos. /
    Compreendei o que fez para nós, / dai-lhe graças com todo o respeito! – R.

    Bendizei o Senhor, seus eleitos, / fazei festa e alegres louvai-o! – R.

    Lucas 9,1-6

    Naquele tempo, 1 Jesus convocou os Doze, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios e para curar doenças 2 e enviou-os a proclamar o Reino de Deus e a curar os enfermos. 3 E disse-lhes: “Não leveis nada para o caminho: nem cajado, nem sacola, nem pão, nem dinheiro, nem mesmo duas túnicas. 4 Em qualquer casa onde entrardes, ficai aí; e daí é que partireis de novo. 5 Todos aqueles que não vos acolherem, ao sairdes daquela cidade, sacudi a poeira dos vossos pés como protesto contra eles”. 6 Os discípulos partiram e percorriam os povoados, anunciando a Boa-nova e fazendo curas em todos os lugares.

    Palavra da salvação.

    “Enviou-os a proclamar o Reino de Deus e a curar os enfermos.”

    Hoje ouvimos o Evangelho em que Jesus envia os seus apóstolos com a missão de proclamar o Reino de Deus e realizar sinais em seu nome. Este trecho do Evangelho é guardado com especial carinho por nós, franciscanos, pois ele também foi lido por São Francisco de Assis, enquanto ainda estava no processo de conversão, e o inspirou a dizer: “É isso que eu quero, é isso que eu desejo fazer de todo o coração”.

    Somos todos enviados a testemunhar e proclamar os valores do Reino de Deus, mas não podemos deixar de lado que há instruções sobre o modo de fazê-lo: não será preciso brigar para defender a Deus (ele não precisa de nós para ser protegido), acusar e dividir o povo entre os justos e os pecadores (a divisão não pertence a Deus, mas ao Inimigo). Ir de forma humilde e pacífica e deixar que a acolhida ou não dos valores do Reino seja uma questão entre a pessoa e Deus. Que Deus nos dê a graça de assim proceder em nossa atividade evangelizadora e vivência comunitária da fé!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Memória de São Pio de Pietrelcina

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    5ª-feira da 25ª Semana do TC
    Ageu 1,1-8

    1 No segundo ano do reinado de Dario, no sexto mês, no primeiro dia, foi dirigida a palavra do Senhor, mediante o profeta Ageu, a Zorobabel, filho de Salatiel, governador de Judá, e a Josué, filho de Josedec, sumo sacerdote: 2 “Isto diz o Senhor dos exércitos: Este povo diz: ‘Ainda não chegou o momento de edificar a casa do Senhor’”. 3 A palavra do Senhor foi assim dirigida, por intermédio do profeta Ageu: 4 “Acaso para vós é tempo de morardes em casas revestidas de lambris, enquanto esta casa está em ruínas? 5 Isto diz agora o Senhor dos exércitos: Considerai, com todo o coração, a conjuntura que estais passando: 6 tendes semeado muito e colhido pouco; tendes-vos alimentado e não vos sentis satisfeitos, bebeis e não vos embriagais; estais vestidos e não vos aqueceis; quem trabalha por salário guarda-o em saco roto. 7 Isto diz o Senhor dos exércitos: Considerai, com todo o coração, a difícil conjuntura que estais passando: 8 mas subi ao monte, trazei madeira e edificai a casa; ela me será aceitável, nela me glorificarei, diz o Senhor”.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 149
    O Senhor ama seu povo de verdade.

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / e o seu louvor na assembleia dos fiéis! /
    Alegre-se Israel em quem o fez, / e Sião se rejubile no seu rei! – R.

    Com danças glorifiquem o seu nome, / toquem harpa e tambor em sua honra! /
    Porque, de fato, o Senhor ama seu povo / e coroa com vitória os seus humildes. – R.

    Exultem os fiéis por sua glória / e, cantando, se levantem de seus leitos /
    com louvores do Senhor em sua boca; / eis a glória para todos os seus santos. – R.

    Lucas 9,7-9

    Naquele tempo, 7 o tetrarca Herodes ouviu falar de tudo o que estava acontecendo e ficou perplexo, porque alguns diziam que João Batista tinha ressuscitado dos mortos. 8 Outros diziam que Elias tinha aparecido; outros, ainda, que um dos antigos profetas tinha ressuscitado. 9 Então Herodes disse: “Eu mandei degolar João. Quem é esse homem, sobre quem ouço falar essas coisas?” E procurava ver Jesus.

    Palavra da salvação.

    “Eu mandei degolar João. Quem é esse homem,
    sobre quem ouço falar essas coisas?”

    A consciência de Herodes continua a assombrá-lo com a memória de seu crime contra João Batista. Ao ouvir falar dos testemunhos a respeito de um novo mestre que ensinava com autoridade e realizava sinais, neste caso, Jesus, o Filho de Deus, novamente ele se vê confrontado pelo erro passado.

    O evangelho de São Lucas nos permite compreender como era o povo mais simples que conhecia melhor a Jesus e, nos altos círculos onde Herodes vivia, chegavam apenas boatos distantes, contraditórios. Para conhecer realmente a Jesus é preciso dele se aproximar, seus ensinamentos ouvir, seu modo de vida assimilar. Sem isto, resta à pessoa apenas ouvir sobre maravilhas distantes, ocorridas na vida de outros, e, alimentar um medo e peso desnecessário na consciência, por não ter tido a coragem de se decidir pelo alívio do fardo junto aos ombros de Jesus.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 6ª-feira da 25ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Ageu 1,15-2,9

    15 No segundo ano do reinado de Dario, 2,1 no dia vinte e um do sétimo mês, fez-se ouvir a palavra do Senhor mediante o profeta Ageu: 2 Vai dizer a Zorobabel, filho de Salatiel, governador de Judá, e a Josué, filho de Josedec, sumo sacerdote, e ao resto do povo: 3 há dentre vós algum sobrevivente que tenha visto esta casa em seu primitivo esplendor? E como a vedes agora? Não parece aos vossos olhos uma sombra do que era? 4 Mas agora toma coragem, Zorobabel, diz o Senhor, coragem, Josué, filho de Josedec, sumo sacerdote; coragem, povo todo desta terra, diz o Senhor dos exércitos; ponde mãos à obra, pois eu estou convosco, diz o Senhor dos exércitos. 5 Eu assumi um compromisso convosco, quando saístes do Egito, e meu espírito permaneceu no meio de vós: não temais. 6 Isto diz o Senhor dos exércitos: ainda um momento, e eu hei de mover o céu e a terra, o mar e a terra firme. 7 Sacudirei todos os povos, e começarão a chegar tesouros de todas as nações, hei de encher de esplendor esta casa, diz o Senhor dos exércitos. 8 Pertence-me a prata, pertence-me o ouro, diz o Senhor dos exércitos. 9 O esplendor desta nova casa será maior que o da primeira, diz o Senhor dos exércitos; e neste lugar estabelecerei a paz, diz o Senhor dos exércitos”.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    l 42(43)
    Espera em Deus! Louvarei novamente / o meu Deus salvador!

    Fazei justiça, meu Deus, e defendei-me / contra a gente impiedosa; /
    do homem perverso e mentiroso, / libertai-me, ó Senhor! – R.

    Sois vós o meu Deus e meu refúgio: / por que me afastais? /
    Por que ando tão triste e abatido / pela opressão do inimigo? – R.

    Enviai vossa luz, vossa verdade: / elas serão o meu guia; /
    que me levem ao vosso monte santo, / até a vossa morada! – R.

    Então irei aos altares do Senhor, / Deus da minha alegria. /
    Vosso louvor cantarei ao som da harpa, / meu Senhor e meu Deus! – R.

    Lucas 9,18-22

    Aconteceu que Jesus 18 estava rezando num lugar retirado, e os discípulos estavam com ele. Então, Jesus perguntou-lhes: “Quem diz o povo que eu sou?” 19 Eles responderam: “Uns dizem que és João Batista; outros, que és Elias; mas outros acham que és algum dos antigos profetas que ressuscitou”. 20 Mas Jesus perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro respondeu: “O Cristo de Deus”. 21 Mas Jesus proibiu-lhes severamente que contassem isso a alguém. 22 E acrescentou: “O Filho do Homem deve sofrer muito, ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e doutores da Lei, deve ser morto e ressuscitar no terceiro dia”.

    Palavra da salvação.

    “Tu és o Cristo de Deus. O Filho do Homem deve sofrer muito.”

    Neste Evangelho percebemos que Jesus é o modelo de oração, onde se retira para rezar e se relacionar com o Pai. E somente depois de rezar e meditar, é que Jesus apresenta o que tem observado. Por isso, pergunta aos discípulos o que estão falando Dele. E os discípulos apresentam diferentes pontos de vistas do que estão falando de Jesus. Depois de escutá-los, o Cristo pergunta: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro, que é o eleito para governar a Igreja, professa certeiramente a fé em sua resposta: “Tu és o Cristo de Deus”. Essa resposta resume que Jesus é o messias prometido e que a profecia do Antigo Testamento se cumpriu.

    Vivemos em uma época de muitas verdades e ideologias. Cada um se torna cego diante da única verdade: Cristo e sua Igreja. Muitos grupos de cristãos professam um Cristo diferente. Por isso estamos com Pedro, hoje Papa Francisco, e com ele, na Igreja, professamos a única verdade Cristã.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Sábado da 25ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Zacarias 2,5-9.14-15

    5Levantei os olhos e eis que vi um homem com um cordel de medir na mão. 6 Perguntei-lhe: “Aonde vais?” Respondeu-me: “Vou medir Jerusalém, para ver qual é a sua largura e o seu comprimento”. 7 Eis que apareceu o anjo que falava em mim, enquanto lhe vinha ao encontro um outro anjo, 8 que lhe disse: “Corre a falar com esse moço, dizendo: a população de Jerusalém precisa ficar sem muralha, em vista da multidão de homens e animais que vivem no seu interior. 9 Eu serei para ela, diz o Senhor, muralha de fogo ao seu redor e mostrarei minha glória no meio dela. 14 Rejubila, alegra-te, cidade de Sião, eis que venho para habitar no meio de ti, diz o Senhor. 15 Muitas nações se aproximarão do Senhor, naquele dia, e serão o seu povo. Habitarei no meio de ti”.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl Jr 31
    O Senhor nos guardará qual pastor a seu rebanho.

    Ouvi, nações, a palavra do Senhor / e anunciai-a nas ilhas mais distantes: /
    “Quem dispersou Israel vai congregá-lo / e o guardará qual pastor a seu rebanho!” – R.

    Pois, na verdade, o Senhor remiu Jacó / e o libertou do poder do prepotente. /
    Voltarão para o monte de Sião, † entre brados e cantos de alegria /
    afluirão para as bênçãos do Senhor. – R.

    Então a virgem dançará alegremente, / também o jovem e o velho exultarão; /
    mudarei em alegria o seu luto, / serei consolo e conforto após a guerra. – R.

    Lucas 9,43-45

    Naquele tempo, 43 todos estavam admirados com todas as coisas que Jesus fazia. Então Jesus disse a seus discípulos: 44 “Prestai bem atenção às palavras que vou dizer: o Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens”. 45 Mas os discípulos não compreendiam o que Jesus dizia. O sentido lhes ficava escondido, de modo que não podiam entender; e eles tinham medo de fazer perguntas sobre o assunto.

    Palavra da salvação.

    “O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens.
    Eles tinham medo de fazer perguntas sobre o assunto.”

    De fato, ao lermos os Santos Evangelhos, ficamos maravilhados com as coisas que Jesus fez. Os milagres parecem gestos extraordinários, que deixavam muitos encantados, ao pondo de segui-lo. Outros se encantavam com a sabedoria e eloquência das palavras de Jesus. Somado a estes dois fatores, os boatos de que Ele era o Messias também atraiam multidões.

    Mas Jesus pede para prestar bem a atenção no que ele irá dizer, e diz: “O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens”. Os discípulos não compreenderam, mas hoje nós compreendemos. O maior milagre de Jesus, o fato mais extraordinário que ele fez, foi morrer na cruz para remir os pecados do mundo e salvar a humanidade em um sacrifício expiatório e perpétuo. Hoje, muitos ainda entram em diferentes igrejas, procurando milagres ou para ouvirem pregações bonitas. Esquecem o principal, Cristo deu sua vida por nós, e nos convoca também a doarmos a própria vida.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 26º Domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Números 11,25-29

    Naqueles dias, 25 o Senhor desceu na nuvem e falou a Moisés. Retirou um pouco do espírito que Moisés possuía e o deu aos setenta anciãos. Assim que repousou sobre eles o espírito, puseram-se a profetizar, mas não continuaram. 26 Dois homens, porém, tinham ficado no acampamento. Um chamava-se Eldad, e o outro, Medad. O espírito repousou igualmente sobre os dois, que estavam na lista, mas não tinham ido à tenda, e eles profetizavam no acampamento. 27 Um jovem correu a avisar Moisés que Eldad e Medad estavam profetizando no acampamento. 28 Josué, filho de Nun, ajudante de Moisés desde a juventude, disse: “Moisés, meu senhor, manda que eles se calem!” 29 Moisés respondeu: “Tens ciúmes por mim? Quem dera que todo o povo do Senhor fosse profeta e que o Senhor lhe concedesse o seu espírito!”

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 18(19)
    A lei do Senhor Deus é perfeita, alegria ao coração.

    A lei do Senhor Deus é perfeita, / conforto para a alma! /
    O testemunho do Senhor é fiel, / sabedoria dos humildes. – R.

    É puro o temor do Senhor, / imutável para sempre. /
    Os julgamentos do Senhor são corretos / e justos igualmente. – R.

    E vosso servo, instruído por elas, / se empenha em guardá-las. /
    Mas quem pode perceber suas faltas? / Perdoai as que não vejo! – R.

    E preservai o vosso servo do orgulho: / não domine sobre mim! /
    E assim puro eu serei preservado / dos delitos mais perversos. – R.

    Tiago 5,1-6

    1 E agora, ricos, chorai e gemei, por causa das desgraças que estão para cair sobre vós. 2Vossa riqueza está apodrecendo, e vossas roupas estão carcomidas pelas traças. 3 Vosso ouro e vossa prata estão enferrujados, e a ferrugem deles vai servir de testemunho contra vós e devorar vossas carnes como fogo! Amontoastes tesouros nos últimos dias. 4 Vede, o salário dos trabalhadores que ceifaram os vossos campos, que vós deixastes de pagar, está gritando, e o clamor dos trabalhadores chegou aos ouvidos do Senhor todo-poderoso. 5 Vós vivestes luxuosamente na terra, entregues à boa vida, cevando os vossos corações para o dia da matança. 6 Condenastes o justo e o assassinastes; ele não resiste a vós.

    Palavra do Senhor.

    Marcos 9,38-43.45.47-48

    Naquele tempo, 38 João disse a Jesus: “Mestre, vimos um homem expulsar demônios em teu nome. Mas nós o proibimos, porque ele não nos segue”. 39 Jesus disse: “Não o proibais, pois ninguém faz milagres em meu nome para depois falar mal de mim. 40 Quem não é contra nós é a nosso favor. 41 Em verdade eu vos digo, quem vos der a beber um copo de água, porque sois de Cristo, não ficará sem receber a sua recompensa. 42 E, se alguém escandalizar um destes pequeninos que creem, melhor seria que fosse jogado no mar com uma pedra de moinho amarrada ao pescoço. 43 Se tua mão te leva a pecar, corta-a! É melhor entrar na vida sem uma das mãos do que, tendo as duas, ir para o inferno, para o fogo que nunca se apaga. 45 Se teu pé te leva a pecar, corta-o! É melhor entrar na vida sem um dos pés do que, tendo os dois, ser jogado no inferno. 47 Se teu olho te leva a pecar, arranca-o! É melhor entrar no Reino de Deus com um olho só do que, tendo os dois, ser jogado no inferno, 48 ‘onde o verme deles não morre e o fogo não se apaga’”.

    Palavra da salvação.

    “Quem não é contra nós é a nosso favor. Se tua mão te leva a pecar, corta-a!”

    O Evangelho não é narrado em uma época de diferentes Igrejas cristãs, pelo contrário. Ou seja, existem os que estão com Cristo (Apóstolos e discípulos) e existem os pequeninos, aqueles que conhecem de alguma forma Cristo, mas ainda não fazem parte da Igreja de Cristo, do grupo dos discípulos. Nesse Sentido, Jesus ensina que é um pecado gravíssimo escandalizar estes pequeninos. Ou seja, levar uma pessoa frágil na fé a pecar.

    É uma preocupação com os “recém-convertidos”, com aqueles que ainda estão conhecendo a fé, que ainda não estão com a fé sólida, e que por qualquer escândalo poderá abandonar a fé. Jesus é extremamente exagerado em suas palavras, para mostrar que nós precisamos renunciar a qualquer pecado para preservar estes pequeninos. Renunciar ao pecado, é isso que Cristo quer de nós!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Memória de São Vicente de Paulo

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    2ª-feira da 26ª Semana do TC
    Zacarias 8,1-8

    1 A palavra do Senhor dos exércitos foi manifestada nos seguintes termos: 2 “Isto diz o Senhor dos exércitos: tomei-me de forte ciúme por Sião, consumo-me de zelo ciumento por ela. 3 Isto diz o Senhor: voltei a Sião e habitarei no meio de Jerusalém; Jerusalém será chamada Cidade Fiel, e o monte do Senhor dos exércitos, Monte Santo. 4 Isto diz o Senhor dos exércitos: velhos e velhas ainda se sentarão nas praças de Jerusalém, cada qual com seu bastão na mão, devido à idade avançada; 5 as praças da cidade se encherão de meninos e meninas a brincar em suas praças. 6 Isto diz o Senhor dos exércitos: se tais cenas parecerem difíceis aos olhos do resto do povo, naqueles dias, acaso serão também difíceis aos meus olhos? – diz o Senhor dos exércitos. 7 Isto diz o Senhor dos exércitos: eis que eu vou salvar o meu povo da terra do oriente e da terra do pôr do sol: 8 eu os conduzirei, e eles habitarão no meio de Jerusalém; serão meu povo e eu serei seu Deus, em verdade e com justiça”.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 101(102)
    O Senhor edificou Jerusalém / e apareceu na sua glória!

    As nações respeitarão o vosso nome, / e os reis de toda a terra, a vossa glória; /
    quando o Senhor reconstruir Jerusalém / e aparecer com gloriosa majestade, /
    ele ouvirá a oração dos oprimidos / e não desprezará a sua prece. – R.

    Para as futuras gerações se escreva isto, / e um povo novo a ser criado louve a Deus. /
    Ele inclinou-se de seu templo nas alturas, / e o Senhor olhou a terra do alto céu, /
    para os gemidos dos cativos escutar / e da morte libertar os condenados. – R.

    Assim também a geração dos vossos servos † terá casa e viverá em segurança, /
    e ante vós se firmará sua descendência. / Para que cantem o seu nome em Sião /
    e louve ao Senhor Jerusalém / quando os povos e as nações se reunirem /
    e todos os impérios o servirem. – R.

    Lucas 9,46-50

    Naquele tempo, 46 houve entre os discípulos uma discussão para saber qual deles seria o maior. 47 Jesus sabia o que estavam pensando. Pegou então uma criança, colocou-a junto de si 48 e disse-lhes: “Quem receber esta criança em meu nome estará recebendo a mim. E quem me receber estará recebendo aquele que me enviou. Pois aquele que entre todos vós for o menor, esse é o maior”. 49 João disse a Jesus: “Mestre, vimos um homem que expulsa demônios em teu nome. Mas nós lho proibimos, porque não anda conosco”. 50 Jesus disse-lhe: “Não o proibais, pois quem não está contra vós está a vosso favor”.

    Palavra da salvação.

    “Aquele que entre todos vós for o menor, esse é o maior.”

    O Evangelho de hoje revela o poder de Jesus de sondar nossos corações. Ele sabe o que pensamos. Foi assim que percebeu que os discípulos estavam querendo saber quem era o maior entre eles. Então, Jesus apresenta o rosto da humildade, pegando uma criança e dizendo que, quem receber aquela criança, é a Ele que está recebendo.

    Aqui percebemos que Jesus, sendo Deus, ao se fazer um de nós, se torna pequenino, e de tão pequeno, é exaltado pelo Pai. A virtude da humildade é a salvação do cristão pois, só é verdadeiramente humilde aquele que verdadeiramente consegue se aproximar da imitação de Cristo. Ele sonda o nosso coração e conhece o nosso orgulho. A humildade é a virtude que afugenta nosso orgulho, nos fazendo reconhecer nossa pequenez diante de Deus.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 3ª-feira da 26ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Zacarias 8,20-23

    20 Isto diz o Senhor dos exércitos: “Virão ainda povos e habitantes de cidades grandes, 21 dizendo os habitantes de uma para os de outra cidade: ‘Vamos orar na presença do Senhor, vamos visitar o Senhor dos exércitos; eu irei também’. 22 Virão muitos povos e nações fortes visitar o Senhor dos exércitos e orar na presença do Senhor”. 23 Isto diz o Senhor dos exércitos: “Naqueles dias, dez homens de todas as línguas faladas entre as nações vão segurar pelas bordas da roupa um homem de Judá, dizendo: ‘Nós iremos convosco; porque ouvimos dizer que Deus está convosco’”.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 86(87)
    Nós temos ouvido que Deus está convosco.

    O Senhor ama a cidade / que fundou no monte santo; / ama as portas de Sião /
    mais que as casas de Jacó. / Dizem coisas gloriosas / da cidade do Senhor. – R.

    Lembro o Egito e Babilônia / entre os meus veneradores. / Na Filisteia ou em Tiro † ou no país da Etiópia, /
    este ou aquele ali nasceu. / De Sião, porém, se diz: † “Nasceu nela todo homem; / Deus é sua segurança”. – R.

    Deus anota no seu livro, † onde inscreve os povos todos: / “Foi ali que estes nasceram”. /
    E por isso todos juntos / a cantar se alegrarão; / e, dançando, exclamarão: /
    “Estão em ti as nossas fontes!” – R.

    Lucas 9,51-56

    51 Estava chegando o tempo de Jesus ser levado para o céu. Então ele tomou a firme decisão de partir para Jerusalém 52 e enviou mensageiros à sua frente. Estes puseram-se a caminho e entraram num povoado de samaritanos para preparar hospedagem para Jesus. 53 Mas os samaritanos não o receberam, pois Jesus dava a impressão de que ia a Jerusalém. 54 Vendo isso, os discípulos Tiago e João disseram: “Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para destruí-los?” 55 Jesus, porém, voltou-se e repreendeu-os. 56 E partiram para outro povoado.

    Palavra da salvação.

    “Ele tomou a firme decisão de partir para Jerusalém.”

    É interessante observarmos que o Evangelista Lucas já traz neste trecho do Evangelho o seu objetivo, que é narrar a vida de Cristo até a sua ascensão. Hoje, em especial, vemos que Jesus tomou a “firme decisão” de partir para Jerusalém. Para chegar a Jerusalém, era preciso subir, um caminho de subida, pois a cidade ficava no alto, e a Samaria mais embaixo.

    Nesse sentido, vemos aqui prefigurado o caminho do Senhor e o caminho de todos nós. A Jerusalém é prefiguração da Igreja, e a Jerusalém Celeste é o nome que os primeiros cristãos davam ao Céu. Observando assim a vida de Cristo, podemos perceber que cada cristão precisa caminhar, subir, para ser crucificado com Cristo no alto de Jerusalém, e assim subir ao Céu. Esse caminhar é uma passagem (páscoa), prefigurado pelo povo de Israel que saiu do Egito, atravessou o Mar Vermelho, caminhou pelo deserto e chegou a terra prometida, Canaã, que posteriormente teve Jerusalém como Capital e onde se encontrava o Templo. O Mar vermelho é a prefiguração do nosso Batismo. Sendo assim, todos nós vamos caminhar até a Jerusalém Celeste, para nossa páscoa definitiva.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Festa dos Santos Miguel, Gabriel e Rafael

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    4ª-feira da 26ª Semana do TC
    Daniel 7,9-10.13-14

    9 Eu continuava olhando, até que foram colocados uns tronos, e um ancião de muitos dias aí tomou lugar. Sua veste era branca como neve e os cabelos da cabeça, como lã pura; seu trono eram chamas de fogo, e as rodas do trono, como fogo em brasa. 10 Derramava-se aí um rio de fogo que nascia diante dele; serviam-no milhares de milhares, e milhões de milhões assistiam-no ao trono; foi instalado o tribunal, e os livros foram abertos. 13 Continuei insistindo na visão noturna, e eis que, entre as nuvens do céu, vinha um como filho de homem, aproximando-se do ancião de muitos dias, e foi conduzido à sua presença. 14 Foram-lhe dados poder, glória e realeza, e todos os povos, nações e línguas o serviam: seu poder é um poder eterno que não lhe será tirado, e seu reino, um reino que não se dissolverá.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 137(138)
    Perante os vossos anjos, vou cantar-vos, ó Senhor!

    Ó Senhor, de coração eu vos dou graças, / porque ouvistes as palavras dos meus lábios! /
    Perante os vossos anjos vou cantar-vos / e ante o vosso templo vou prostrar-me. – R.

    Eu agradeço vosso amor, vossa verdade, / porque fizestes muito mais que prometestes; /
    naquele dia em que gritei, vós me escutastes / e aumentastes o vigor da minha alma. – R.

    Os reis de toda a terra hão de louvar-vos / quando ouvirem, ó Senhor, vossa promessa. /
    Hão de cantar vossos caminhos e dirão: / “Como a glória do Senhor é grandiosa!” – R.

    João 1,47-51

    Naquele tempo, 47 Jesus viu Natanael, que vinha para ele, e comentou: “Aí vem um israelita de verdade, um homem sem falsidade”. 48 Natanael perguntou: “De onde me conheces?” Jesus respondeu: “Antes que Filipe te chamasse, enquanto estavas debaixo da figueira, eu te vi”. 49 Natanael respondeu: “Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o rei de Israel”. 50 Jesus disse: “Tu crês porque te disse: ‘Eu te vi debaixo da figueira’? Coisas maiores que essa verás!” 51 E Jesus continuou: “Em verdade, em verdade, eu vos digo, vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”.

    Palavra da salvação.

    “Vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo
    e descendo sobre o Filho do Homem.”

    Hoje, a Igreja celebra a Festa dos três Arcanjos: Miguel, Rafael e Gabriel. E como Evangelho propõe este que Jesus se compara à Escada de Jacó. Jacó teve um sonho, onde anjos desciam e subiam ao Céu por uma escada, cuja a base da escada era Betel, que quer dizer casa de Deus.

    Ou seja, Cristo é o Sumo sacerdote, o pontífice, a escada que une o Céu e a Terra, o único mediador. Esse sacerdócio de Cristo é auxiliado por seres humanos e seres espirituais. Os anjos, os santos, sacerdotes ordenados, cada fiel por suas preces e a porta por qual Cristo veio ao mundo, a Virgem Maria. Cristo é o único mediador, a única escada, mas nele está toda esta participação do mistério da mediação. E todos nós precisamos subir esta escada, que é o próprio Cristo, caminho verdade e vida.

  • Memória de São Jerônimo

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    5ª-feira da 26ª Semana do TC
    Neemias 8,1-12

    Naqueles dias, 1 todo o povo se reuniu como um só homem na praça que fica defronte da porta das Águas e pediu ao escriba Esdras que trouxesse o livro da Lei de Moisés, que o Senhor havia prescrito a Israel. 2 O sacerdote Esdras apresentou a Lei diante da assembleia de homens, de mulheres e de todos os que eram capazes de compreender. Era o primeiro dia do sétimo mês. 3 Assim, na praça que fica defronte da porta das Águas, Esdras fez a leitura do livro, desde o amanhecer até o meio-dia, na presença dos homens, das mulheres e de todos os que eram capazes de compreender. E todo o povo escutava com atenção a leitura do livro da Lei. 4 Esdras, o escriba, estava de pé sobre um estrado de madeira, erguido para esse fim. 5 Estando num lugar mais alto, ele abriu o livro à vista de todo o povo. E, quando o abriu, todo o povo ficou de pé. 6 Esdras bendisse o Senhor, o grande Deus, e todo o povo respondeu, levantando as mãos: “Amém! Amém!” Depois, inclinaram-se e prostraram-se diante do Senhor com o rosto em terra. 7 Os levitas explicavam a Lei ao povo, e cada um ficou em seu lugar. 8 E leram clara e distintamente o livro da Lei de Deus e explicaram seu sentido, de maneira que se pudesse compreender a leitura. 9 O governador Neemias e Esdras, sacerdote e escriba, e os levitas que instruíam o povo, disseram a todos: “Este é um dia consagrado ao Senhor, vosso Deus! Não fiqueis tristes nem choreis”, pois todo o povo chorava ao ouvir as palavras da Lei. 10 E Neemias disse-lhes: “Ide para vossas casas e comei carnes gordas, tomai bebidas doces e reparti com aqueles que nada prepararam, pois este dia é santo para o nosso Senhor. Não fiqueis tristes, porque a alegria do Senhor será a vossa força”. 11 E os levitas acalmavam todo o povo, dizendo: “Ficai tranquilos; hoje é um dia santo. Não vos aflijais!” 12 E todo o povo se retirou para comer e beber. Distribuíram também aos outros e expandiram-se em grande alegria, pois haviam entendido as palavras que lhes tinham sido explicadas.

    Palavra do Senhor.


    Imagem ilustrativa de Frei Fábio Melo Vasconcelos

    Sl 18(19)
    Os ensinos do Senhor são sempre retos, / alegria ao coração.

    A lei do Senhor Deus é perfeita, / conforto para a alma! /
    O testemunho do Senhor é fiel, / sabedoria dos humildes. – R.

    Os preceitos do Senhor são precisos, / alegria ao coração. /
    O mandamento do Senhor é brilhante, / para os olhos é uma luz. – R.

    É puro o temor do Senhor, / imutável para sempre. /
    Os julgamentos do Senhor são corretos / e justos igualmente. – R.

    Mais desejáveis do que o ouro são eles, / do que o ouro refinado. /
    Suas palavras são mais doces que o mel, / que o mel que sai dos favos. – R.

    Lucas 10,1-12

    Naquele tempo, 1 o Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou dois a dois, na sua frente, a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir. 2 E dizia-lhes: “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Por isso, pedi ao dono da messe que mande trabalhadores para a colheita. 3 Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos. 4 Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias e não cumprimenteis ninguém pelo caminho! 5 Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: ‘A paz esteja nesta casa!’ 6 Se ali morar um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, ela voltará para vós. 7 Permanecei naquela mesma casa, comei e bebei do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não passeis de casa em casa. 8 Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos, comei do que vos servirem, 9 curai os doentes que nela houver e dizei ao povo: ‘O Reino de Deus está próximo de vós’. 10 Mas, quando entrardes numa cidade e não fordes bem recebidos, saindo pelas ruas, dizei: 11 ‘Até a poeira de vossa cidade, que se apegou aos nossos pés, sacudimos contra vós. No entanto, sabei que o Reino de Deus está próximo!’ 12 Eu vos digo que, naquele dia, Sodoma será tratada com menos rigor do que essa cidade”.

    Palavra da salvação.

    “A vossa paz repousará sobre ele.”

    Dando sequência ao Evangelho de Lucas, hoje vemos Jesus enviando 72 discípulos dois a dois. Resumidamente, pede para pregar a Palavra (Anúncio do Reino e a Paz), curando os enfermos (caridade cristã) com uma vida de sacrifício (renúncia, tomando a própria cruz).

    Cristo quer o auxílio de todos nós para levar seu projeto de salvação ao mundo. É preciso rezar para que o Senhor envie trabalhadores para a colheita, ao mesmo tempo que é preciso trabalhar. Rezar e trabalhar pelo Reino. É uma mudança radical de vida, anunciando o que se vive.

    Os discípulos são enviados para lugares onde jesus ainda ia passar, ou seja, não podemos ter pretensões de fazer a parte de Deus. Nós anunciamos, mas ele escolhe os corações, ele que dá a graça, ele que faz crescer, ele que salva.

    Reflexão dos Noviços da Província