Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Liturgia diária

outubro/2020

  • 5ª-feira da 26ª Semana do TC

    • Primeira Leitura
    • Salmo Responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Santa Teresinha do Menino Jesus

    Jó 19,21-27

    21“Piedade, piedade de mim, meus amigos, pois a mão de Deus me feriu! 22Por que me perseguis como Deus e não vos cansais de me torturar? 23Gostaria que minhas palavras fossem escritas e gravadas numa inscrição 24com ponteiro de ferro e com chumbo, cravadas na rocha para sempre! 25Eu sei que o meu redentor está vivo e que, por último, se levantará sobre o pó; 26e depois que tiverem destruído esta minha pele, na minha carne, verei a Deus. 27Eu mesmo o verei, meus olhos o contemplarão, e não os olhos de outros. Dentro de mim consomem-se os meus rins”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 26(27)

    Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver / na terra dos viventes.

    Ó Senhor, ouvi a voz do meu apelo, / atendei por compaixão! /
    Meu coração fala convosco confiante / e os meus olhos vos procuram. – R.

    Senhor, é vossa face que eu procuro; / não me escondais a vossa face! /
    Não afasteis em vossa ira o vosso servo, / sois vós o meu auxílio! /
    Não me esqueçais nem me deixeis abandonado, / meu Deus e salvador! – R.

    Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver / na terra dos viventes. /
    Espera no Senhor e tem coragem, / espera no Senhor! – R.

    Lucas 10,1-12

    Naquele tempo, 1o Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou dois a dois, na sua frente, a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir. 2E dizia-lhes: “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Por isso, pedi ao dono da messe que mande trabalhadores para a colheita. 3Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos. 4Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias e não cumprimenteis ninguém pelo caminho! 5Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: ‘A paz esteja nesta casa!’ 6Se ali morar um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, ela voltará para vós. 7Permanecei naquela mesma casa, comei e bebei do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não passeis de casa em casa. 8Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos, comei do que vos servirem, 9curai os doentes que nela houver e dizei ao povo: ‘O Reino de Deus está próximo de vós’. 10Mas, quando entrardes numa cidade e não fordes bem recebidos, saindo pelas ruas, dizei: 11‘Até a poeira de vossa cidade, que se apegou aos nossos pés, sacudimos contra vós. No entanto, sabei que o Reino de Deus está próximo!’ 12Eu vos digo que, naquele dia, Sodoma será tratada com menos rigor do que essa cidade”.

    Palavra da salvação.

    “A vossa paz repousará sobre ele”.

    O Evangelho apresenta instruções práticas para setenta e dois homens que receberam de Jesus uma missão muito importante: o anúncio do Reino de Deus. Jesus chamou estes homens para seguirem o Evangelho e, aceitando este convite, eles assumem essa responsabilidade. Esta missão de anunciar o Reino de Deus deve ser assumida por todo cristão. Na realidade de nossa família, nossa comunidade, nosso trabalho e nossa escola devemos ser constantes anunciadores do Reino de Deus. Porém, o testemunho com palavras, ele é valido, mas testemunhar com a vida é profético e o mais belo em nossos tempos. Ao procurar viver o que professamos seremos testemunhas vivas e não somente palavras. O testemunho da vida deve estar em consonância com as palavras que espalhamos para anunciar o Reino de Deus. Portanto, busquemos fazer de nossa vida um belo testemunho profético junto dos nossos irmãos.

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • 6ª-feira da 26ª Semana do TC

    • Primeira Leitura
    • Salmo Responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Santos Anjos da Guarda

    Êxodo 23,20-23

    Assim diz o Senhor: 20“Vou enviar um anjo que vá à tua frente, que te guarde pelo caminho e te conduza ao lugar que te preparei. 21Respeita-o e ouve a sua voz. Não lhe sejas rebelde, porque não suportará as vossas transgressões e nele está o meu nome. 22Se ouvires a sua voz e fizeres tudo o que eu disser, serei inimigo dos teus inimigos e adversário dos teus adversários. 23O meu anjo irá à tua frente e te conduzirá à terra dos amorreus, dos hititas, dos ferezeus, dos cananeus, dos eveus e dos jebuseus, e eu os exterminarei”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 90(91)

    O Senhor deu uma ordem aos seus anjos / para em todos os caminhos te guardarem.

    Quem habita ao abrigo do Altíssimo / e vive à sombra do Senhor onipotente /
    diz ao Senhor: “Sois meu refúgio e proteção, / sois o meu Deus, no qual confio inteiramente”. – R.

    Do caçador e do seu laço ele te livra. / Ele te salva da palavra que destrói. /
    Com suas asas haverá de proteger-te, / com seu escudo e suas armas, defender-te. – R.

    Não temerás terror algum durante a noite / nem a flecha disparada em pleno dia; /
    nem a peste que caminha pelo escuro / nem a desgraça que devasta ao meio-dia. – R.

    Nenhum mal há de chegar perto de ti, / nem a desgraça baterá à tua porta; /
    pois o Senhor deu uma ordem a seus anjos / para em todos os caminhos te guardarem. – R.

    Mateus 18,1-5.10

    Naquela hora, 1 os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Quem é o maior no Reino dos céus?” 2 Jesus chamou uma criança, colocou-a no meio deles 3 e disse: “Em verdade vos digo, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, não entrareis no Reino dos céus. 4 Quem se faz pequeno como esta criança, esse é o maior no Reino dos céus. 5 E quem recebe em meu nome uma criança como esta é a mim que recebe. 10 Não desprezeis nenhum desses pequeninos, pois eu vos digo que os seus anjos nos céus veem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus”.

    Palavra da salvação.

    “Seus anjos nos céus veem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus.”

    No Evangelho, Jesus acalma a discussão sobre quem é o maior no Reino dos Céus afirmando que os pequeninos estão em local privilegiado junto do Pai. Jesus apresenta um Reino onde a lógica do mundo não se encaixa. Pois o Reino dos céus é reservado a todos que se fazem menor. Menor é aquele que reconhece que Deus é o criador e o grande senhor de sua vida, sendo o grande doador dos seus dons. Ao reconhecer este senhorio de Deus, colocamo-nos na condição de servos e dependentes deste Senhor. Como servos nos damos conta que nenhum de nossos dons é nosso, mas vem Dele e, como gratos que somos por estas sementes, colocamos na terra e fazemos frutificar.

    Portanto, procuremos cultivar este espírito de humildade, convertendo o nosso coração para nos assemelharmos a uma criança que reconhece a dependência e sua pequenez junto de seu pai. Assim, conseguiremos estar junto do Pai contemplando a sua face.

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • Sábado da 26ª Semana do TC

    • Primeira Leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Jó 42,1-3.5-6.12-16

    1Jó respondeu ao Senhor, dizendo: 2“Reconheço que podes tudo e que para ti nenhum pensamento é oculto. 3Quem é esse que ofusca a Providência, sem nada entender? Falei, pois, de coisas que não entendia, de maravilhas que ultrapassam a minha compreensão. 5Conhecia o Senhor apenas por ouvir falar, mas, agora, eu o vejo com meus olhos. 6Por isso me retrato e faço penitência no pó e na cinza”. 12O Senhor abençoou a Jó no fim de sua vida mais do que no princípio; ele possuía agora catorze mil ovelhas, seis mil camelos, mil juntas de bois e mil jumentas. 13Teve outros sete filhos e três filhas: 14a primeira chamava-se Rola, a segunda Cássia e a terceira Azeviche. 15Não havia em toda a terra mulheres mais belas que as filhas de Jó. Seu pai lhes destinou uma parte da herança entre os seus irmãos. 16Depois desses acontecimentos, Jó viveu cento e quarenta anos e viu seus filhos e os filhos de seus filhos até a quarta geração. E Jó morreu velho e repleto de anos.

    Palavra do Senhor

    Sl 118(119)

    Fazei brilhar vosso semblante ao vosso servo / e ensinai-me vossas leis e mandamentos.
    Dai-me bom senso, retidão, sabedoria, / pois tenho fé nos vossos santos mandamentos! – R.
    Para mim foi muito bom ser humilhado, / porque assim eu aprendi vossa vontade! – R.
    Sei que os vossos julgamentos são corretos, / e com justiça me provastes, ó Senhor! – R.
    Porque mandastes, tudo existe até agora; / todas as coisas, ó Senhor, vos obedecem! – R.
    Sou vosso servo: concedei-me inteligência, / para que eu possa compreender vossa Aliança! – R.
    Vossa palavra, ao revelar-se, me ilumina, / ela dá sabedoria aos pequeninos. – R.

    Lucas 10,17-24

    Naquele tempo, 17 os setenta e dois voltaram muito contentes, dizendo: “Senhor, até os demônios nos obedeceram por causa do teu nome”. 18 Jesus respondeu: “Eu vi satanás cair do céu como um relâmpago. 19 Eu vos dei o poder de pisar em cima de cobras e escorpiões e sobre toda a força do inimigo. E nada vos poderá fazer mal. 20 Contudo, não vos alegreis porque os espíritos vos obedecem. Antes, ficai alegres porque vossos nomes estão escritos no céu”. 21 Naquele momento, Jesus exultou no Espírito Santo e disse: “Eu te louvo, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. 22 Tudo me foi entregue pelo meu Pai. Ninguém conhece quem é o Filho, a não ser o Pai; e ninguém conhece quem é o Pai, a não ser o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar”. 23 Jesus voltou-se para os discípulos e disse-lhes em particular: “Felizes os olhos que veem o que vós vedes! 24 Pois eu vos digo que muitos profetas e reis quiseram ver o que estais vendo e não puderam ver; quiseram ouvir o que estais ouvindo e não puderam ouvir”.

    Palavra da salvação.

    “Ficai alegres porque vossos nomes estão escritos no céu.”

    Os discípulos que Jesus enviou dois a dois retornam contentes trazendo boas notícias a respeito da missão que assumiram. Porém, Jesus exorta os seus para não se encantarem com as obras que operam, mas o que está por trás delas. A fé no Jesus, o Filho de Deus, que o povo simples reconhece como o messias esperado. Os simples e humildes são os primeiros que acolhem o Reino de Deus em seu coração e buscam vivê-lo no seu cotidiano. Estes não eram os detentores do conhecimento das Sagradas Escrituras, nem doutores e sábios do povo que tinham todo o conhecimento religioso para reconhecer o Messias, mas não foram capazes. Mas o que impedia não era o conhecimento, mas o coração fechado em si mesmo e nos seus ideais no qual eram incapazes de reconhecer aquele que tanto esperavam. O povo simples que possui um coração humilde e liberto destas amarras são tocados pelas palavras de Cristo e passam a segui-lo livremente. Portanto, busquemos em nosso coração cultivar um coração aberto para acolher a Deus e o outro e não ficar fechado em mim mesmo.

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • 27º Domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    SÃO FRANCISCO DE ASSIS

    Isaías 5,1-7

    1Vou cantar para o meu amado o cântico da vinha de um amigo meu: um amigo meu possuía uma vinha em fértil encosta. 2Cercou-a, limpou-a de pedras, plantou videiras escolhidas, edificou uma torre no meio e construiu um lagar; esperava que ela produzisse uvas boas, mas produziu uvas selvagens. 3Agora, habitantes de Jerusalém e cidadãos de Judá, julgai a minha situação e a de minha vinha. 4O que poderia eu ter feito a mais por minha vinha e não fiz? Eu contava com uvas de verdade, mas por que produziu ela uvas selvagens? 5Pois agora vou mostrar-vos o que farei com minha vinha: vou desmanchar a cerca, e ela será devastada; vou derrubar o muro, e ela será pisoteada. 6Vou deixá-la inculta e selvagem: ela não será podada nem lavrada, espinhos e sarças tomarão conta dela; não deixarei as nuvens derramar a chuva sobre ela. 7Pois bem, a vinha do Senhor dos exércitos é a casa de Israel, e o povo de Judá, sua dileta plantação; eu esperava deles frutos de justiça – e eis injustiça; esperava obras de bondade – e eis iniquidade.

    Palavra do Senhor.

    Sl 79(80)

    A vinha do Senhor é a casa de Israel.
    Arrancastes do Egito esta videira / e expulsastes as nações para plantá-la; / até o mar se estenderam seus sarmentos, / até o rio os seus rebentos se espalharam. – R.
    Por que razão vós destruístes sua cerca, / para que todos os passantes a vindimem, / o javali da mata virgem a devaste / e os animais do descampado nela pastem? – R.
    Voltai-vos para nós, Deus do universo! † Olhai dos altos céus e observai. / Visitai a vossa vinha e protegei-a! / Foi a vossa mão direita que a plantou; / protegei-a, e ao rebento que firmastes! – R.
    E nunca mais vos deixaremos, Senhor Deus! / Dai-nos vida, e louvaremos vosso nome! / Convertei-nos, ó Senhor Deus do universo, † e sobre nós iluminai a vossa face! / Se voltardes para nós, seremos salvos! – R.

    Filipenses 4,6-9

    Irmãos, 6não vos inquieteis com coisa alguma, mas apresentai as vossas necessidades a Deus, em orações e súplicas, acompanhadas de ação de graças. 7E a paz de Deus, que ultrapassa todo entendimento, guardará os vossos corações e pensamentos em Cristo Jesus. 8Quanto ao mais, irmãos, ocupai-vos com tudo o que é verdadeiro, respeitável, justo, puro, amável, honroso, tudo o que é virtude ou de qualquer modo mereça louvor. 9Praticai o que aprendestes e recebestes de mim ou que de mim vistes e ouvistes. Assim o Deus da paz estará convosco.

    Palavra do Senhor.

    Mateus 21,33-43

    Naquele tempo, Jesus disse aos sumos sacerdotes e aos anciãos do povo: 33“Escutai esta outra parábola: certo proprietário plantou uma vinha, pôs uma cerca em volta, fez nela um lagar para esmagar as uvas e construiu uma torre de guarda. Depois, arrendou-a a vinhateiros e viajou para o estrangeiro. 34Quando chegou o tempo da colheita, o proprietário mandou seus empregados aos vinhateiros para receber seus frutos. 35Os vinhateiros, porém, agarraram os empregados, espancaram a um, mataram a outro e ao terceiro apedrejaram. 36O proprietário mandou de novo outros empregados, em maior número do que os primeiros. Mas eles os trataram da mesma forma. 37Finalmente, o proprietário enviou-lhes o seu filho, pensando: ‘Ao meu filho eles vão respeitar’. 38Os vinhateiros, porém, ao verem o filho, disseram entre si: ‘Este é o herdeiro. Vinde, vamos matá-lo e tomar posse da sua herança!’ 39Então agarraram o filho, jogaram-no para fora da vinha e o mataram. 40Pois bem, quando o dono da vinha voltar, o que fará com esses vinhateiros?” 41Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: “Com certeza mandará matar de modo violento esses perversos e arrendará a vinha a outros vinhateiros, que lhe entregarão os frutos no tempo certo”. 42Então Jesus lhes disse: “Vós nunca lestes nas Escrituras: ‘A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular; isso foi feito pelo Senhor e é maravilhoso aos nossos olhos’? 43Por isso eu vos digo, o Reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que produzirá frutos”.

    Palavra da salvação.

    “Arrendou a vinha a outros vinhateiros.”

    No Evangelho deste domingo, a mensagem central é a da Aliança de Deus com o seu povo e a fidelidade destes. Para Deus, a sua Aliança com o povo não está ligada a uma área geográfica, ou a um idioma, ou a uma cultura especifica, mas sim na capacidade de corresponder com fidelidade ao desejo do Pai. Desde os patriarcas, Deus estabeleceu Aliança com o seu povo escolhido e pede que sejam fiéis. Porém, inúmeras foram as vezes que o povo quebrou a Aliança. Mas, o amor de Deus e muito maior que a infidelidade do povo e Deus enviou seu Filho para instaurar uma aliança definitiva com o seu povo eleito. Essa Aliança de amor foi selada com o sangue do cordeiro na cruz. Todos aqueles que buscam viver na fidelidade esta Aliança do amor fazem parte da nação eleita de Deus. O que Jesus pede a nós neste Evangelho é que sejamos fiéis aos seus ensinamentos e procuremos fazer a vontade do Pai em todos os momentos de nossa vida.

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • 2ª-feira da 27ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gálatas 1,6-12

    Irmãos, 6admiro-me de terdes abandonado tão depressa aquele que vos chamou, na graça de Cristo, e de terdes passado para um outro evangelho. 7Não que haja outro Evangelho, mas algumas pessoas vos estão perturbando e querendo mudar o Evangelho de Cristo. 8Pois bem, mesmo que nós ou um anjo vindo do céu vos pregasse um evangelho diferente daquele que vos pregamos, seja excomungado. 9Como já dissemos e agora repito: se alguém vos pregar um evangelho diferente daquele que recebestes, seja excomungado. 10Será que eu estou buscando a aprovação dos homens ou a aprovação de Deus? Ou estou procurando agradar aos homens? Se eu ainda estivesse preocupado em agradar aos homens, não seria servo de Cristo. 11Irmãos, asseguro-vos que o Evangelho pregado por mim não é conforme a critérios humanos. 12Com efeito, não o recebi nem aprendi de homem algum, mas por revelação de Jesus Cristo.

    Palavra do Senhor.

    Sl 110(111)

    O Senhor se lembra sempre da Aliança.
    Eu agradeço a Deus de todo o coração, / junto com todos os seus justos reunidos! / Que grandiosas são as obras do Senhor, / elas merecem todo o amor e admiração! – R.
    Suas obras são verdade e são justiça, / seus preceitos, todos eles, são estáveis, / confirmados para sempre e pelos séculos, / realizados na verdade e retidão. – R.
    Enviou libertação para o seu povo, / confirmou sua Aliança para sempre. / Seu nome é santo e é digno de respeito. / Permaneça eternamente o seu louvor. – R.

    Lucas 10,25-37

    Naquele tempo, 25um mestre da Lei se levantou e, querendo pôr Jesus em dificuldade, perguntou: “Mestre, que devo fazer para receber em herança a vida eterna?” 26Jesus lhe disse: “O que está escrito na Lei? Como lês?” 27Ele então respondeu: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com toda a tua inteligência; e ao teu próximo como a ti mesmo!” 28Jesus lhe disse: “Tu respondeste corretamente. Faze isso e viverás”. 29Ele, porém, querendo justificar-se, disse a Jesus: “E quem é o meu próximo?” 30Jesus respondeu: “Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes. Estes arrancaram-lhe tudo, espancaram-no e foram-se embora, deixando-o quase morto. 31Por acaso, um sacerdote estava descendo por aquele caminho. Quando viu o homem, seguiu adiante, pelo outro lado. 32O mesmo aconteceu com um levita: chegou ao lugar, viu o homem e seguiu adiante, pelo outro lado. 33Mas um samaritano, que estava viajando, chegou perto dele, viu e sentiu compaixão. 34Aproximou-se dele e fez curativos, derramando óleo e vinho nas feridas. Depois colocou o homem em seu próprio animal e levou-o a uma pensão, onde cuidou dele. 35No dia seguinte, pegou duas moedas de prata e entregou-as ao dono da pensão, recomendando: ‘Toma conta dele! Quando eu voltar, vou pagar o que tiveres gasto a mais’”. E Jesus perguntou: 36“Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?” 37Ele respondeu: “Aquele que usou de misericórdia para com ele”. Então Jesus lhe disse: “Vai e faze a mesma coisa”.

    Palavra da salvação.

    “E quem é o meu próximo?”

    Neste trecho do Evangelho, Jesus é interrogado pelo mestre da Lei, que questiona como chegar à vida eterna neste mundo. Jesus afirma que é necessário amar a Deus e ao próximo. Se Jesus nos questionasse como nós lemos a Lei, a nossa resposta talvez não seria como a do mestre da Lei? Por vezes, olhamo-nos os ensinamentos evangélicos como regras nas quais eu devo seguir para ir para o céu. O que eu deixo de fazer me afasta deste objetivo, mas o essencial fica de lado. Também podemos estar presos à lei da instituição pensando que, cumprindo os preceitos à risca, seremos salvos. Deixamos a frieza tomar conta e acabamos nos esquecendo de agir com misericórdia para com o próximo e até consigo mesmo. Quando somos indagados quem é o nosso próximo, devemos responder que é todo irmão que está ao nosso lado, independentemente de quem seja. Simplesmente, agir com caridade para com todos.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 3ª-feira da 27ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gálatas 1,13-24

    Irmãos, 13 certamente ouvistes falar como foi outrora a minha conduta no judaísmo, com que excessos perseguia e devastavam a Igreja de Deus 14e como progredia no judaísmo mais do que muitos judeus de minha idade, mostrando-me extremamente zeloso das tradições paternas. 15 Quando, porém, aquele que me separou desde o ventre materno e me chamou por sua graça 16 se dignou revelar-me o seu Filho, para que eu o pregasse entre os pagãos, não consultei carne nem sangue 17 nem subi logo a Jerusalém para estar com os que eram apóstolos antes de mim. Pelo contrário, parti para a Arábia e, depois, voltei ainda a Damasco. 18 Três anos mais tarde, fui a Jerusalém para conhecer Cefas e fiquei com ele quinze dias. 19E não estive com nenhum outro apóstolo, a não ser Tiago, o irmão do Senhor. 20 Escrevendo estas coisas, afirmo, diante de Deus, que não estou mentindo. 21 Depois, fui para as regiões da Síria e da Cilícia. 22 Ainda não era pessoalmente conhecido das Igrejas da Judeia que estão em Cristo. 23 Apenas tinham ouvido dizer que “aquele que antes nos perseguia está agora pregando a fé que antes procurava destruir”. 24 E glorificavam a Deus por minha causa.

    Palavra do Senhor.

    Sl 138(139)

    Conduzi-me no caminho para a vida, ó Senhor!

    Senhor, vós me sondais e conheceis, / sabeis quando me sento ou me levanto; /
    de longe penetrais meus pensamentos, † percebeis quando me deito e quando eu ando, /
    os meus caminhos vos são todos conhecidos. – R.

    Fostes vós que me formastes as entranhas, / e no seio de minha mãe vós me tecestes. /
    Eu vos louvo e vos dou graças, ó Senhor, † porque de modo admirável me formastes! /
    Que prodígio e maravilha as vossas obras! – R.

    Até o mais íntimo, Senhor, me conheceis; / nenhuma sequer de minhas fibras ignoráveis; /
    quando eu era modelado ocultamente, / era formado nas entranhas subterrâneas. – R.

    Lucas 10,38-42

    Naquele tempo, 38 Jesus entrou num povoado e certa mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. 39 Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor e escutava a sua palavra. 40 Marta, porém, estava ocupada com muitos afazeres. Ela aproximou-se e disse: “Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha com todo o serviço? Manda que ela me venha ajudar!” 41 O Senhor, porém, lhe respondeu: “Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. 42 Porém uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte, e esta não lhe será tirada”.

    Palavra da salvação.

    “Marta recebeu-o em sua casa. Maria escolheu a melhor parte.”

    Marta e Maria são duas discípulas de Jesus que aparecem em alguns relatos dos Evangelhos. Porém, estas duas mulheres apresentam como o discípulo de Cristo deve ser. Uma complementa a outra. Maria é quem se coloca aos pés do Senhor para ouvir seus ensinamentos, já Marta é quem se coloca à disposição no serviço da construção do Reino. O discípulo de Jesus deve equilibrar estas duas medidas, pois é necessário parar e ouvir o que senhor tem a nos dizer através de suas Palavras de vida e de rezar, algo indispensável na vida do cristão. Mas, é justo e necessário colocar em prática, dar vida em nossa existência a estes ensinamentos de Cristo sendo cooperadores e anunciadores do Reino de Deus na nossa família, no trabalho, na comunidade, no supermercado, onde quer que seja, devemos de forma respeitosa e sutil testemunhar com a vida o Evangelho de Cristo. Portanto, busquemos equilibrar em nossa vida cristã em uma dose certa um pouco de Marta e de Maria.

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • 4ª-feira da 27ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO

    Atos 1,12-14

    Depois que Jesus subiu ao céu, 12 os apóstolos voltaram para Jerusalém, vindo do monte das Oliveiras, que fica perto de Jerusalém, a mais ou menos um quilômetro. 13 Entraram na cidade e subiram para a sala de cima, onde costumavam ficar. Eram Pedro e João, Tiago e André, Filipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão Zelota e Judas, filho de Tiago. 14 Todos eles perseveravam na oração em comum junto com algumas mulheres, entre as quais Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos de Jesus.

    Palavra do Senhor.

    Salmo Lc 1,46s

    O Poderoso fez por mim maravilhas / e santo é o seu nome!

    A minha alma engrandece ao Senhor, / e se alegrou o meu espírito em Deus, meu salvador. – R.

    Pois ele viu a pequenez de sua serva, / desde agora as gerações hão de chamar-me de bendita. /
    O Poderoso fez por mim maravilhas, / e santo é o seu nome! – R.

    Seu amor, de geração em geração, / chega a todos que o respeitam. /
    Demonstrou o poder de seu braço, / dispersou os orgulhosos. – R.

    Derrubou os poderosos de seus tronos / e os humildes exaltou. /
    De bens saciou os famintos / e despediu, sem nada, os ricos. – R.

    Acolheu Israel, seu servidor, / fiel ao seu amor, / como havia prometido aos nossos pais, / e
    m favor de Abraão e de seus filhos para sempre. – R.

    Lucas 1,26-38

    Naquele tempo, 26o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi, e o nome da virgem era Maria. 28O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!”29Maria ficou perturbada com essas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. 30O anjo, então, disse-lhe: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. 31 Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. 32 Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. 33 Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim”. 34 Maria perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso se eu não conheço homem algum?” 35O anjo respondeu: “O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado santo, Filho de Deus. 36 Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, 37 porque para Deus nada é impossível”. 38 Maria, então, disse: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!” E o anjo retirou-se.

    Palavra da salvação.

    “Eis que conceberás e darás à luz um filho.”

    Deus toca na vida de cada um de nós todos os dias. Embora seja o Grandioso tocando o pequenino, ele nos pede que não tenhamos medo. A fé nos permite enxergar além do medo e tomar uma iniciativa. Ela também faz a exigência de optarmos definitivamente pelo “sim” ao chamado de Deus. A Virgem Maria deu a sua resposta orientada pela fé, fé concreta que a fez pôr-se diante de Deus como serva. Esta é a forma que cada ser humano deve se colocar diante do Senhor: servo que escuta e cumpre os desígnios do Pai. Somente assim teremos Deus como centro de nossas vidas e de nossas escolhas.

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • 5ª-feira da 27ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gálatas 3,1-5

    1 Ó gálatas insensatos, quem é que vos fascinou? Diante de vossos olhos, não foi acaso representado, como que ao vivo, Jesus Cristo crucificado? 2 Só isto quero saber de vós: recebestes o Espírito pela prática da Lei ou pela fé através da pregação? 3Sois assim tão insensatos? A ponto de, depois de terdes começado pelo espírito, quererdes terminar pela carne? 4 Foi acaso em vão que sofrestes tanto? Se é que foi mesmo em vão! 5 Aquele que vos dá generosamente o Espírito e realiza milagres entre vós faz isso porque praticais a Lei ou porque crestes através da pregação?

    Palavra do Senhor.

    Sl Lc 1, 69-75

    Bendito seja o Senhor Deus de Israel, / porque a seu povo visitou e libertou!

    Fez surgir um poderoso salvador / na casa de Davi, seu servidor, / como falara pela boca de seus santos, /
    os profetas desde os tempos mais antigos. – R.

    Para salvar-nos do poder dos inimigos / e da mão de todos quantos nos odeiam. /
    Assim mostrou misericórdia a nossos pais, / recordando a sua santa Aliança. – R.

    E o juramento a Abraão, o nosso pai, / de conceder-nos que, libertos do inimigo, /
    a ele nós sirvamos sem temor, † em santidade e em justiça diante dele, /
    enquanto perdurarem nossos dias. – R.

    Lucas 11,5-13

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 5 “Se um de vós tiver um amigo e for procurá-lo à meia-noite e lhe disser: ‘Amigo, empresta-me três pães, 6 porque um amigo meu chegou de viagem e nada tenho para lhe oferecer’, 7 e se o outro responder lá de dentro: ‘Não me incomodes! Já tranquei a porta, e meus filhos e eu já estamos deitados; não me posso levantar para te dar os pães’, 8 eu vos declaro: mesmo que o outro não se levante para dá-los porque é seu amigo, vai levantar-se ao menos por causa da impertinência dele e lhe dará quanto for necessário. 9 Portanto, eu vos digo, pedi e recebereis; procurai e encontrareis; batei e vos será aberto. 10 Pois quem pede, recebe; quem procura, encontra; e para quem bate, se abrirá. 11 Será que algum de vós que é pai, se o filho pedir um peixe, lhe dará uma cobra? 12 Ou ainda, se pedir um ovo, lhe dará um escorpião? 13 Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!”

    Palavra da salvação.

    “Pedi e recebereis”.

    A oração é elemento principal para aqueles que se dispuseram seguir Jesus Cristo. Mas somos frágeis, sujeitos a qualquer momento esfriarmos ou fazermos corpo mole e isso inclui a dimensão da oração. Na parábola do amigo inconveniente, Cristo nos motiva a sermos perseverantes, a mantermos a constância e não nos desanimarmos, mesmo que pareça que o Pai não nos está ouvindo. Orar é ser perseverante com Jesus nos prazeres e nas angústias. Se podemos dizer que Deus nos acompanha, a oração mostra que nós também acompanhamos a Deus. O fim dela é construir intimidade com o Senhor. União que faz do diálogo com Deus um estilo de vida que deseja criar o Reino de Deus em casa, na igreja, no trabalho, na escola, enfim, nos caminhos por onde se passar. Tendo confiança no Espírito Santo que é quem nos possibilita enxergar a vida na ótica do amor de Deus por toda a humanidade.

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • 6ª-feira da 27ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gálatas 3,7-14

    Irmãos, ficai cientes que os que creem é que são verdadeiros filhos de Abraão. 8 E a Escritura, prevendo que Deus justificaria as nações pagãs pela fé, anunciou, muito antes, a Abraão: “Em ti serão abençoadas todas as nações”. 9 Portanto, os crentes são abençoados com o crente Abraão. 10Aliás, todos os que põem sua confiança na prática da Lei estão ameaçados pela maldição, porque está escrito: “Maldito quem não cumprir perseverantemente tudo o que está escrito no livro da Lei”. 11Pela Lei ninguém se justifica perante Deus; isso é evidente, porque o justo vive da fé. 12E a Lei não se funda na fé, mas no cumprimento: aquele que cumpre a Lei por ela viverá. 13Cristo resgatou-nos da maldição da Lei, fazendo-se maldição por nós, pois está escrito: “Maldito todo aquele que é suspenso no madeiro!” 14Assim a bênção de Abraão se estendeu aos pagãos em Cristo Jesus e pela fé recebemos a promessa do Espírito.

    Palavra do Senhor.

    Sl 110(111)

    O Senhor se lembra sempre da Aliança!

    Eu agradeço a Deus, de todo o coração, / junto com todos os seus justos reunidos! /
    Que grandiosas são as obras do Senhor, / elas merecem todo o amor e admiração! – R.

    Que beleza e esplendor são os seus feitos! / Sua justiça permanece eternamente! /
    O Senhor bom e clemente nos deixou / a lembrança de suas grandes maravilhas. – R.

    Ele dá o alimento aos que o temem / e jamais esquecerá sua Aliança. /
    Ao seu povo manifesta seu poder, / dando a ele a herança das nações. – R.

    Lucas 11,15-26

    Naquele tempo, Jesus estava expulsando um demônio. 15 Mas alguns disseram: “É por Belzebu, o príncipe dos demônios, que ele expulsa os demônios”. 16 Outros, para tentar Jesus, pediam-lhe um sinal do céu. 17 Mas, conhecendo seus pensamentos, Jesus disse-lhes: “Todo reino dividido contra si mesmo será destruído; e cairá uma casa por cima da outra. 18 Ora, se até satanás está dividido contra si mesmo, como poderá sobreviver o seu reino? Vós dizeis que é por Belzebu que eu expulso os demônios. 19 Se é por meio de Belzebu que eu expulso demônios, vossos filhos os expulsam por meio de quem? Por isso, eles mesmos serão vossos juízes. 20Mas, se é pelo dedo de Deus que eu expulso os demônios, então chegou para vós o Reino de Deus. 21 Quando um homem forte e bem armado guarda a própria casa, seus bens estão seguros. 22 Mas, quando chega um homem mais forte do que ele, vence-o, arranca-lhe a armadura na qual ele confiava e reparte o que roubou. 23 Quem não está comigo está contra mim. E quem não recolhe comigo dispersa. 24 Quando o espírito mau sai de um homem, fica vagando em lugares desertos à procura de repouso; não o encontrando, ele diz: ‘Vou voltar para minha casa de onde saí’. 25 Quando ele chega, encontra a casa varrida e arrumada. 26 Então ele vai e traz consigo outros sete espíritos piores do que ele. E, entrando, instalam-se aí. No fim, esse homem fica em condição pior do que antes”.

    Palavra da salvação.

    “Se é pelo dedo de Deus que eu expulso os demônios, então chegou para vós o Reino de Deus.”

    Jesus Cristo nos tirou das mãos do inimigo. É ele o sinal do triunfo do amor de Deus sobre tudo o que é mal. É ele quem cria e faz crescer no meio de nós e em nossa vida o Reino de Deus. Pelo batismo nós nos comprometemos a continuar aquilo que ele começou: ver a ação do Pai que nos chama a uma vida nova – de paz, fraternidade e amor – tendo ele como o centro de nossa vida. Porém nos tornamos, muitas vezes, empecilhos para o acontecimento do Reinado de Deus. Nós nos entregamos à ganância, ao orgulho, ao poder e ao desânimo. É preciso que nos decidamos em continuar a missão de Jesus de destruir o mal (tudo o que é contra Deus; que explora sem medidas, que não respeita a dignidade de cada pessoa; e que gera violência e morte).

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • Sábado da 27ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gálatas 3,22-29

    Irmãos, 22a Escritura pôs todos e tudo sob o jugo do pecado, a fim de que, pela fé em Jesus Cristo, se cumprisse a promessa em favor dos que creem. 23 Antes que se inaugurasse o regime da fé, nós éramos guardados, como prisioneiros, sob o jugo da Lei. Éramos guardados para o regime da fé, que estava para ser revelado. 24 Assim, a Lei foi como um pedagogo que nos conduziu até Cristo, para que fôssemos justificados pela fé. 25 Mas, uma vez inaugurado o regime da fé, já não estamos na dependência desse pedagogo. 26 Com efeito, vós todos sois filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo. 27Vós todos que fostes batizados em Cristo vos revestistes de Cristo. 28O que vale não é mais ser judeu nem grego, nem escravo nem livre, nem homem nem mulher, pois todos vós sois um só em Jesus Cristo. 29Sendo de Cristo, sois então descendência de Abraão, herdeiros segundo a promessa.

    Palavra do Senhor.

    Sl 104(105)

    O Senhor se lembra sempre da Aliança!

    Cantai, entoai salmos para ele, / publicai todas as suas maravilhas! /
    Gloriai-vos em seu nome, que é santo, / exulte o coração que busca a Deus! – R.

    Procurai o Senhor Deus e seu poder, / buscai constantemente a sua face! /
    Lembrai as maravilhas que ele fez, / seus prodígios e as palavras de seus lábios! – R.

    Descendentes de Abraão, seu servidor, / e filhos de Jacó, seu escolhido, /
    ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus, / vigoram suas leis em toda a terra. – R.

    Lucas 11,27-28

    Naquele tempo, 27 enquanto Jesus falava, uma mulher levantou a voz no meio da multidão e lhe disse: “Feliz o ventre que te trouxe e os seios que te amamentaram”. 28 Jesus respondeu: “Muito mais felizes são aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a põem em prática”.

    Palavra da salvação.

    “Feliz o ventre que te trouxe. Muito mais felizes
    são aqueles que ouvem a palavra de Deus.”

    A Virgem Maria deu à luz o Salvador, mas antes mesmo disso consagrou a sua vida a realizar a vontade de Deus em sua história e a andar nos caminhos do Senhor. Isso é uma decisão séria. Optar em ser fiel a Deus é um empenho por toda a vida. Esta opção não transforma magicamente a vida em mar de rosas. Quando Jesus ouve e elogia a sua Mãe, ele se lembra também de todos os homens e mulheres que se dedicam a amar a Deus e ao próximo e que reconhece Nele o caminho da união entre Deus e os homens. É feliz quem descobriu em Jesus uma nova forma de se entregar a Deus, de viver, de amar, de enfrentar as dificuldades pessoais, de amadurecer, enfim, é feliz quem descobriu em Jesus o significado da própria vida.

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • 28º Domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Isaías 25,6-10

    6O Senhor dos exércitos dará neste monte, para todos os povos, um banquete de ricas iguarias, regado com vinho puro, servido de pratos deliciosos e dos mais finos vinhos. 7 Ele removerá, neste monte, a ponta da cadeia que ligava todos os povos, a teia em que tinha envolvido todas as nações. 8 O Senhor Deus eliminará para sempre a morte, e enxugará as lágrimas de todas as faces, e acabará com a desonra do seu povo em toda a terra; o Senhor o disse. 9 Naquele dia se dirá: “Este é o nosso Deus, esperamos nele, até que nos salvou; este é o Senhor, nele temos confiado: vamos alegrar-nos e exultar por nos ter salvo”. 10E a mão do Senhor repousará sobre este monte.

    Palavra do Senhor.

    Sl 22(23)

    Na casa do Senhor habitarei eternamente.

    O Senhor é o pastor que me conduz; / não me falta coisa alguma. / Pelos prados e campinas verdejantes /
    ele me leva a descansar. / Para as águas repousantes me encaminha / e restaura as minhas forças. – R.

    Ele me guia no caminho mais seguro, / pela honra do seu nome. / Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, /
    nenhum mal eu temerei; / estais comigo com bastão e com cajado: / eles me dão a segurança! – R.

    Preparais à minha frente uma mesa, / bem à vista do inimigo, /
    e com óleo vós ungis minha cabeça; / o meu cálice transborda. – R.

    Felicidade e todo bem hão de seguir-me / por toda a minha vida; /
    e na casa do Senhor habitarei / pelos tempos infinitos. – R.

    Filipenses 4,12-14.19-20

    Irmãos, 12 sei viver na miséria e sei viver na abundância. Eu aprendi o segredo de viver em toda e qualquer situação, estando farto ou passando fome, tendo de sobra ou sofrendo necessidade. 13 Tudo posso naquele que me dá força. 14 No entanto, fizestes bem em compartilhar as minhas dificuldades. 19O meu Deus proverá esplendidamente, com sua riqueza, a todas as vossas necessidades, em Cristo Jesus. 20 Ao nosso Deus e Pai, a glória pelos séculos dos séculos. Amém.

    Palavra do Senhor.

    Mateus 22,1-14 ou 1-10

    [A forma breve está entre colchetes.]
    [Naquele tempo, 1 Jesus voltou a falar em parábolas aos sumos sacerdotes e aos anciãos do povo, dizendo: 2“O Reino dos céus é como a história do rei que preparou a festa de casamento do seu filho. 3E mandou os seus empregados para chamar os convidados para a festa, mas estes não quiseram ir. 4O rei mandou outros empregados, dizendo: ‘Dizei aos convidados: já preparei o banquete, os bois e os animais cevados já foram abatidos, e tudo está pronto. Vinde para a festa!’ 5 Mas os convidados não deram a menor atenção: um foi para o seu campo, outro para os seus negócios, 6 outros agarraram os empregados, bateram neles e os mataram. 7 O rei ficou indignado e mandou suas tropas para matar aqueles assassinos e incendiar a cidade deles. 8 Em seguida, o rei disse aos empregados: ‘A festa de casamento está pronta, mas os convidados não foram dignos dela. 9 Portanto, ide até às encruzilhadas dos caminhos e convidai para a festa todos os que encontrardes’. 10 Então os empregados saíram pelos caminhos e reuniram todos os que encontraram, maus e bons. E a sala da festa ficou cheia de convidados”.] 11“Quando o rei entrou para ver os convidados, observou ali um homem que não estava usando traje de festa 12 e perguntou-lhe: ‘Amigo, como entraste aqui sem o traje de festa?’ Mas o homem nada respondeu. 13 Então o rei disse aos que serviam: ‘Amarrai os pés e as mãos desse homem e jogai-o fora, na escuridão! Aí haverá choro e ranger de dentes’. 14 Porque muitos são chamados, e poucos são escolhidos”.

    Palavra da salvação.

    “Convidai para a festa todos os que encontrardes.”

    A salvação não é restrita apenas a um grupo seleto de pessoas. Deus chama todos a se unirem a Ele. Deste modo, Jesus é quem chama homens e mulheres a participar da festa do Pai, Rei celeste. Por meio dele é que fomos salvos e chamados a uma vida nova. Quando recebemos o Batismo participamos da vida de Cristo – sua missão, sua Paixão, Morte e Ressurreição – e, por sua vez, o Senhor toma posse da nossa vida e nos une a várias outras pessoas que estão na mesma busca, movidas pelo Espírito de Deus, de ajudarem o Senhor a renovar o mundo.

    No Evangelho, o traje de festa representa a postura do cristão frente ao convite de Deus: ele muda a sua vida movido pela Palavra de Deus; ele se despe da veste antiga e coloca uma nova – novos costumes, um novo modo de ver a realidade, um novo modo de se relacionar com a família, amigos e demais pessoas, um novo modo de ser gente. O Evangelho nos faz ser mulheres e homens novos que seguem diariamente o exemplo do Filho de Deus.

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • 2ª-feira da 28ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    NOSSA SENHORA APARECIDA

    Ester 5,1-2; 7,2-3

    1 Ester revestiu-se com vestes de rainha e foi colocar-se no vestíbulo interno do palácio real, frente à residência do rei. O rei estava sentado no trono real, na sala do trono, frente à entrada. 2 Ao ver a rainha Ester parada no vestíbulo, olhou para ela com agrado e estendeu-lhe o cetro de ouro que tinha na mão, e Ester aproximou-se para tocar a ponta do cetro. 7,2 Então o rei lhe disse: “O que me pedes, Ester; o que queres que eu faça? Ainda que me pedisses a metade do meu reino, ela te seria concedida”. 3 Ester respondeu-lhe: “Se ganhei as tuas boas graças, ó rei, e se for de teu agrado, concede-me a vida, eis o meu pedido, e a vida do meu povo, eis o meu desejo!”

    Palavra do Senhor.

    Sl 44(45)

    Escutai, minha filha, olhai, ouvi isto: / que o rei se encante com vossa beleza!

    Escutai, minha filha, olhai, ouvi isto: / “Esquecei vosso povo e a casa paterna! /
    Que o rei se encante com vossa beleza! / Prestai-lhe homenagem: é vosso senhor! – R.

    O povo de Tiro vos traz seus presentes, / os grandes do povo vos pedem favores. /
    Majestosa, a princesa real vem chegando, / vestida de ricos brocados de ouro. – R.

    Em vestes vistosas ao rei se dirige, / e as virgens amigas lhe formam cortejo; /
    entre cantos de festa e com grande alegria, / ingressam, então, no palácio real”. – R.

    Apocalipse 12,1.5.13.15-16

    Leitura do livro do Apocalipse de são João – 1 Apareceu no céu um grande sinal: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos pés e, sobre a cabeça, uma coroa de doze estrelas. 5E ela deu à luz um filho homem, que veio para governar todas as nações com cetro de ferro. Mas o filho foi levado para junto de Deus e do seu trono. 13 Quando viu que tinha sido expulso para a terra, o dragão começou a perseguir a mulher que tinha dado à luz o menino. 15A serpente, então, vomitou como um rio de água atrás da mulher a fim de a submergir. 16A terra, porém, veio em socorro da mulher.

    Palavra do Senhor.

    João 2,1-11

    Naquele tempo, 1 houve um casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava presente. 2 Também Jesus e seus discípulos tinham sido convidados para o casamento. 3Como o vinho veio a faltar, a mãe de Jesus lhe disse: “Eles não têm mais vinho”. 4 Jesus respondeu-lhe: “Mulher, porque dizes isso a mim? Minha hora ainda não chegou”. 5 Sua mãe disse aos que estavam servindo: “Fazei o que ele vos disser”. 6 Estavam seis talhas de pedra colocadas aí para a purificação que os judeus costumam fazer. Em cada uma delas cabiam mais ou menos cem litros. 7 Jesus disse aos que estavam servindo: “Enchei as talhas de água”. Encheram-nas até a boca. 8Jesus disse: “Agora tirai e levai ao mestre-sala”. E eles levaram. 9O mestre-sala experimentou a água, que se tinha transformado em vinho. Ele não sabia de onde vinha, mas os que estavam servindo sabiam, pois eram eles que tinham tirado a água. 10O mestre-sala chamou então o noivo e lhe disse: “Todo o mundo serve primeiro o vinho melhor e, quando os convidados já estão embriagados, serve o vinho menos bom. Mas tu guardaste o vinho melhor até agora!” 11 Este foi o início dos sinais de Jesus. Ele o realizou em Caná da Galileia e manifestou a sua glória, e seus discípulos creram nele.

    Palavra da salvação.

    “Fazei o que ele vos disser.”

    A atitude da Virgem Maria é de quem confia em Deus e sabe que ao pedir será atendida, pois ela mesma teve a sua vida transformada por Deus, igual a água em vinho bom. Da mesma forma, o Senhor quer nos transformar em vinho bom, em recipientes cheios de vida, de caridade, de fé e que são capaz de enfrentar tudo e arriscar sempre mais, doando-se, a cada momento, ao chamado de Deus.

    A intercessão de Maria na festa de casamento em Caná é modelo para todos os cristãos. Precisamos olhar a realidade que nos circunda e agirmos em favor daqueles que estão necessitados. É preciso estar de prontidão e com atenção, pois o Senhor Jesus quer manifestar a sua glória na vida pessoal e na vida das comunidades de fé.

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • 3ª-feira da 28ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra

    Gálatas 5,1-6

    Irmãos, 1é para a liberdade que Cristo nos libertou. Ficai, pois, firmes e não vos deixeis amarrar de novo ao jugo da escravidão. 2Eis que eu, Paulo, vos digo que Cristo não será de nenhum proveito para vós se vos deixardes circuncidar. 3 Mais uma vez, atesto a todo homem circuncidado que ele está obrigado a observar toda a Lei. 4 Vós que procurais a vossa justificação na Lei rompestes com Cristo, decaístes da graça. 5 Quanto a nós, que nos deixamos conduzir pelo Espírito, é da fé que aguardamos a justificação, objeto de nossa esperança. 6Com efeito, em Jesus Cristo, o que vale é a fé agindo pela caridade; observar ou não a circuncisão não tem valor algum.

    Palavra do Senhor.

    Sl 118(119)

    Senhor, que desça sobre mim a vossa graça!

    Senhor, que desça sobre mim a vossa graça / e a vossa salvação que prometestes! – R.

    Não retireis vossa verdade de meus lábios, / pois eu confio em vossos justos julgamentos! – R.

    Cumprirei constantemente a vossa lei; / para sempre, eternamente a cumprirei! – R.

    É amplo e agradável meu caminho, / porque busco e pesquiso as vossas ordens. – R.

    Muito me alegro com os vossos mandamentos, / que eu amo, amo tanto, mais que tudo! – R.

    Elevarei as minhas mãos para louvar-vos / e com prazer meditarei vossa vontade. – R.

    Lucas 11,37-41

    Naquele tempo, 37 enquanto Jesus falava, um fariseu convidou-o para jantar com ele. Jesus entrou e pôs-se à mesa. 38 O fariseu ficou admirado ao ver que Jesus não tivesse lavado as mãos antes da refeição. 39O Senhor disse ao fariseu: “Vós, fariseus, limpais o copo e o prato por fora, mas o vosso interior está cheio de roubos e maldades. 40 Insensatos! Aquele que fez o exterior não fez também o interior? 41 Antes, dai esmola do que vós possuis, e tudo ficará puro para vós”.

    Palavra da salvação.

    “Dai esmola do que vós possuis e tudo ficará puro para vós.”

    Jesus, o Filho Amado de Deus, demonstrou contínua preocupação com aqueles que estavam à sua volta para que compreendessem que seus ensinamentos deveriam provocar mudanças concretas na vida. Os fariseus demonstravam dificuldade em compreender esta correlação: preocupavam-se com a observância estrita dos rituais religiosos, sem que estas tivessem implicância na comunhão com os outros. Jesus indica com clareza a questão: enquanto os fariseus se preocupavam com os rituais de purificação das mãos, Jesus lhes recordava a importância de purificar o coração através da solidariedade para com aqueles que necessitavam.

    O coração que se preocupa apenas com seu próprio bem-estar torna-se corrompido pelo egoísmo e indiferença, impuro em sua essência. De nada adiantaria ter mãos limpas, se os pensamentos e modo de vida forem sujos destes sentimentos mesquinhos. Que Deus nos ajude a purificar nossa vida através da partilha generosa daquilo que temos e somos com nossos irmãos e irmãs.

    Reflexão feita pelos Noviços da Província

  • 4ª-feira da 28ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Gálatas 5,18-25

    Irmãos, 18se sois conduzidos pelo Espírito, então não estais sob o jugo da Lei. 19São bem conhecidas as obras da carne: fornicação, libertinagem, devassidão, 20idolatria, feitiçaria, inimizades, contendas, ciúmes, iras, intrigas, discórdias, facções, 21invejas, bebedeiras, orgias e coisas semelhantes a essas. Eu vos previno, como, aliás, já o fiz: os que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus. 22Porém, o fruto do Espírito é: caridade, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, lealdade, 23mansidão, continência. Contra essas coisas não existe Lei. 24Os que pertencem a Jesus Cristo crucificaram a carne com suas paixões e seus maus desejos. 25Se vivemos pelo Espírito, procedamos também segundo o Espírito, corretamente.

    Palavra do Senhor.

    Sl 1

    Senhor, quem vos seguir terá a luz da vida!

    Feliz é todo aquele que não anda / conforme os conselhos dos perversos; /
    que não entra no caminho dos malvados / nem junto aos zombadores vai sentar-se; /
    mas encontra seu prazer na lei de Deus / e a medita, dia e noite, sem cessar. – R.

    Eis que ele é semelhante a uma árvore / que à beira da torrente está plantada; /
    ela sempre dá seus frutos a seu tempo † e jamais as suas folhas vão murchar. /
    Eis que tudo o que ele faz vai prosperar. – R.

    Mas bem outra é a sorte dos perversos. † Ao contrário, são iguais à palha seca /
    espalhada e dispersada pelo vento. / Pois Deus vigia o caminho dos eleitos, /
    mas a estrada dos malvados leva à morte. – R.

    Lucas 11,42-46

    Naquele tempo, disse o Senhor: 42“Ai de vós, fariseus, porque pagais o dízimo da hortelã, da arruda e de todas as outras ervas, mas deixais de lado a justiça e o amor de Deus. Vós deveríeis praticar isso sem deixar de lado aquilo. 43Ai de vós, fariseus, porque gostais do lugar de honra nas sinagogas e de serdes cumprimentados nas praças públicas. 44Ai de vós, porque sois como túmulos que não se veem, sobre os quais os homens andam sem saber”. 45Um mestre da Lei tomou a palavra e disse: “Mestre, falando assim, insultas-nos também a nós!” 46Jesus respondeu: “Ai de vós também, mestres da Lei, porque colocais sobre os homens cargas insuportáveis e vós mesmos não tocais nessas cargas nem com um só dedo”.

    Palavra da salvação.

    “Ai de vós, fariseus; ai de vós também, mestres da Lei.”

    O alerta de Jesus aos fariseus e mestres da Lei é igualmente válido para nós, cristãos, que de boa vontade nos vemos como fiéis e tementes a Deus, observantes – da melhor forma que conseguimos ou queremos – de sua vontade. Jesus nos alerta para cuidarmos para não fazermos de seus ensinamentos um buffet do qual nos servimos apenas daquelas indicações que nos favoreçam ou nos sejam fáceis, enquanto fingimos não escutar ou compreender aqueles convites que nos provocam a mudar ou abandonar hábitos dos quais gostamos mas nos mantém num caminho avesso à vontade de Deus.

    A graça da coerência entre as palavras elevadas a Deus e a prática de vida resume a caminhada de fé dos cristãos por toda a sua vida. Nunca seremos plenamente capazes de viver segundo o Evangelho, mas a disposição de dar atenção e nos esforçarmos sempre é o que é esperado de nós. Deus fará o resto, completando em nós aquilo que nos falta. Que nos disponhamos a esta vida bem-aventurada de viver na conformidade com Deus e sob sua graça, pois reconhecemos ser este o caminho para a felicidade junto dele.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 5ª-feira da 28ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Efésios 1,1-10

    1Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, aos santos e fiéis em Cristo Jesus: 2a vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. 3Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Ele nos abençoou com toda a bênção do seu Espírito em virtude de nossa união com Cristo, no céu. 4Em Cristo, ele nos escolheu, antes da fundação do mundo, para que sejamos santos e irrepreensíveis sob o seu olhar, no amor. 5Ele nos predestinou para sermos seus filhos adotivos por intermédio de Jesus Cristo, conforme a decisão da sua vontade, 6para o louvor da sua glória e da graça com que ele nos cumulou no seu bem-amado. 7Pelo seu sangue, nós somos libertados. Nele, as nossas faltas são perdoadas, segundo a riqueza da sua graça, 8que Deus derramou profusamente sobre nós, abrindo-nos a toda sabedoria e prudência. 9Ele nos fez conhecer o mistério da sua vontade, o desígnio benevolente que de antemão determinou em si mesmo, 10para levar à plenitude o tempo estabelecido e recapitular, em Cristo, o universo inteiro: tudo o que está nos céus e tudo o que está sobre a terra.

    Palavra do Senhor.

    Sl 97(98)
    O Senhor fez conhecer seu poder salvador / perante as nações.

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / porque ele fez prodígios! / Sua mão e o seu braço forte e santo / alcançaram-lhe a vitória. – R.

    O Senhor fez conhecer a salvação, / e às nações, sua justiça; / recordou o seu amor sempre fiel / pela casa de Israel. – R.

    Os confins do universo contemplaram / a salvação do nosso Deus. / Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, / alegrai-vos e exultai! – R.

    Cantai salmos ao Senhor ao som da harpa / e da cítara suave! / Aclamai, com os clarins e as trombetas, / ao Senhor, o nosso rei! – R.

    Lucas 11,47-54

    Naquele tempo, disse o Senhor: 47“Ai de vós, porque construís os túmulos dos profetas; no entanto, foram vossos pais que os mataram. 48Com isso, vós sois testemunhas e aprovais as obras de vossos pais, pois eles mataram os profetas e vós construís os túmulos. 49É por isso que a sabedoria de Deus afirmou: Eu lhes enviarei profetas e apóstolos, e eles matarão e perseguirão alguns deles, 50a fim de que se peçam contas a esta geração do sangue de todos os profetas derramado desde a criação do mundo, 51desde o sangue de Abel até o sangue de Zacarias, que foi morto entre o altar e o santuário. Sim, eu vos digo, serão pedidas contas disso a esta geração. 52Ai de vós, mestres da Lei, porque tomastes a chave da ciência. Vós mesmos não entrastes e ainda impedistes os que queriam entrar”. 53Quando Jesus saiu daí, os mestres da Lei e os fariseus começaram a tratá-lo mal e a provocá-lo sobre muitos pontos. 54Armavam ciladas para pegá-lo de surpresa por qualquer palavra que saísse de sua boca.

    Palavra da salvação.

    “Peçam contas do sangue de todos os profetas,
    desde o sangue de Abel até o sangue de Zacarias.”

    Jesus, através do seu Evangelho, avisa-nos a termos cuidado para não cairmos em uma tentação espiritual, muito sútil e na qual caíram os fariseus de sua época, que é a soberba de espírito, a egolatria. Os fariseus reparavam e conservavam os túmulos dos profetas e faziam disso motivo de gloriar-se, assim tentavam “roubar a santidade” dos profetas, enquanto eles mesmos não compreendiam a mensagem dos profetas sobre Deus e as suas denúncias contra aqueles que praticam injustiça e falsidade.

    Pelo seu comportamento, doutrina e exemplo, os fariseus não entravam no Reino dos Céus e, além disso, impediam outros que queriam entrar, afastando os que precisavam de ajuda e salvação e conduzindo outros ao erro de confiar nas suas próprias forças e não em Deus. Não sejamos como os fariseus, antes de tudo sejamos sinceros e nos confiemos a misericórdia de Deus.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 6ª-feira da 28ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Efésios 1,11-14

    Irmãos, 11em Cristo nós recebemos a nossa parte. Segundo o projeto daquele que conduz tudo conforme a decisão de sua vontade, nós fomos predestinados 12a ser, para o louvor de sua glória, os que de antemão colocaram a sua esperança em Cristo. 13Nele também vós ouvistes a Palavra da verdade, o Evangelho que vos salva. Nele, ainda, acreditastes e fostes marcados com o selo do Espírito prometido, o Espírito Santo, 14o que é o penhor da nossa herança para a redenção do povo que ele adquiriu para o louvor da sua glória.

    Palavra do Senhor.

    Sl 32(33)
    Feliz o povo que o Senhor escolheu por sua herança!

    Ó justos, alegrai-vos no Senhor! / Aos retos fica bem glorificá-lo. /
    Dai graças ao Senhor ao som da harpa, / na lira de dez cordas celebrai-o! – R.

    Pois reta é a Palavra do Senhor, / e tudo o que ele faz merece fé. /
    Deus ama o direito e a justiça, / transborda em toda a terra a sua graça. – R.

    Feliz o povo cujo Deus é o Senhor, / e a nação que escolheu por sua herança! /
    Dos altos céus o Senhor olha e observa; / ele se inclina para olhar todos os homens. – R.

    Lucas 12,1-7

    Naquele tempo, 1 milhares de pessoas se reuniram, a ponto de uns pisarem os outros. Jesus começou a falar, primeiro a seus discípulos: “Tomai cuidado com o fermento dos fariseus, que é a hipocrisia. 2 Não há nada de escondido que não venha a ser revelado, e não há nada de oculto que não venha a ser conhecido. 3 Portanto, tudo o que tiverdes dito na escuridão será ouvido à luz do dia; e o que tiverdes pronunciado ao pé do ouvido, no quarto, será proclamado sobre os telhados. 4 Pois bem, meus amigos, eu vos digo, não tenhais medo daqueles que matam o corpo, não podendo fazer mais do que isso. 5 Vou mostrar-vos a quem deveis temer: temei aquele que, depois de tirar a vida, tem o poder de lançar-vos no inferno. Sim, eu vos digo, a esse temei. 6 Não se vendem cinco pardais por uma pequena quantia? No entanto, nenhum deles é esquecido por Deus. 7 Até mesmo os cabelos de vossa cabeça estão todos contados. Não tenhais medo! Vós valeis mais do que muitos pardais”.

    Palavra da salvação.

    “Os cabelos de vossa cabeça estão todos contados.”

    São Francisco de Assis tem um dito que segue as ideias das palavras de Jesus de modo muito próximo: ele alerta para que cuidemos de que nossa preocupação seja apenas sobre o modo como Deus nos enxerga, pois não somos nada além daquilo que somos diante Dele. Deus nos conhece muito bem e tem ciência de nossas falhas e dos dons que nos concedeu. Fiar nossa vida em sua imagem nos livra do peso de distorcermos o que somos para agradar os outros, sob o risco de renunciar a valores imprescindíveis para que os outros nos tenham sob bons olhos. Entretanto, esta postura também compromete, de modo que nos leva a ter em mente a generosidade e grandeza do amor dirigido a nós por Deus, que nos ama e perdoa, independente de nossas falhas, o que nos leva a corresponder a este fato com o serviço amoroso a ele, através de nossos irmãos.

    Sim, Deus sabe até mesmo quantos fios de cabelo existem em nossa cabeça e não precisamos nos esconder ou nos disfarçar diante dele. Pelo contrário, tirando esta preocupação do caminho, estamos livres para sermos quem nós fomos criados para ser: irmãos e irmãs, disponíveis a amar e servir sem reservas.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Sábado da 28ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    SANTO INÁCIO DE ANTIOQUIA
    Efésios 1,15-23

    Irmãos, 15desde que soube da vossa fé no Senhor Jesus e do vosso amor para com todos os santos, 16não cesso de dar graças a vosso respeito quando me lembro de vós em minhas orações. 17Que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai a quem pertence a glória, vos dê um espírito de sabedoria que vo-lo revele e faça verdadeiramente conhecer. 18Que ele abra o vosso coração à sua luz, para que saibais qual a esperança que o seu chamamento vos dá, qual a riqueza da glória que está na vossa herança com os santos 19e que imenso poder ele exerceu em favor de nós que cremos, de acordo com a sua ação e força onipotente. 20Ele manifestou sua força em Cristo quando o ressuscitou dos mortos e o fez sentar-se à sua direita nos céus, 21bem acima de toda autoridade, poder, potência, soberania ou qualquer título que se possa nomear não somente neste mundo, mas ainda no mundo futuro. 22Sim, ele pôs tudo sob os seus pés e fez dele, que está acima de tudo, a cabeça da Igreja, 23que é o seu corpo, a plenitude daquele que possui a plenitude universal.

    Palavra do Senhor.

    Sl 8
    Vós destes o domínio ao vosso Filho / sobre tudo o que criastes.

    Ó Senhor nosso Deus, como é grande / vosso nome por todo o universo! /
    Desdobrastes nos céus vossa glória / com grandeza, esplendor, majestade. /
    O perfeito louvor vos é dado / pelos lábios dos mais pequeninos. – R.

    Contemplando estes céus que plasmastes / e formastes com dedos de artista; /
    vendo a lua e estrelas brilhantes, / perguntamos: “Senhor, que é o homem, /
    para dele assim vos lembrardes / e o tratardes com tanto carinho?” – R.

    Pouco abaixo de Deus o fizestes, / coroando-o de glória e esplendor; /
    vós lhe destes poder sobre tudo, / vossas obras aos pés lhe pusestes. – R.

    Lucas 12,8-12

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 8 “Todo aquele que der testemunho de mim diante dos homens, o Filho do Homem também dará testemunho dele diante dos anjos de Deus. 9Mas aquele que me renegar diante dos homens será negado diante dos anjos de Deus. 10 Todo aquele que disser alguma coisa contra o Filho do Homem será perdoado. Mas quem blasfemar contra o Espírito Santo não será perdoado. 11 Quando vos conduzirem diante das sinagogas, magistrados e autoridades, não fiqueis preocupados em como ou com que vos defendereis ou com o que direis. 12 Pois nessa hora o Espírito Santo vos ensinará o que deveis dizer”.

    Palavra da salvação.

    “Nessa hora o Espírito Santo vos ensinará o que deveis dizer.”

    Diante de um momento de dificuldade, sempre temos a tendência de procurar em primeiro lugar uma solução por nossas próprias forças, pelo nosso conhecimento, pelos nossos recursos. Buscamos apoio em lugares que não dão verdadeiro sustento.

    Mas Jesus nos ensina que Deus está sempre disponível para ser nosso arrimo, nossa rocha firme na hora da tribulação. Precisamos confiar menos em nós mesmos e mais em Deus para permitir que ele nos ajude, nos dê a sua força quando precisamos. Ele nunca nos abandona e está sempre conosco, mas somos nós que muitas vezes o abandonamos. Confiemos Nele que é o rosto misericordioso do Pai, que veio para nos perdoar e salvar, e nos enviar o seu Espírito para nos ajudar.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 29º Domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Isaías 45,1.4-6

    1Isto diz o Senhor sobre Ciro, seu ungido: “Tomei-o pela mão para submeter os povos ao seu domínio, dobrar o orgulho dos reis, abrir todas as portas à sua marcha e para não deixar trancar os portões. 4Por causa de meu servo Jacó e de meu eleito Israel, chamei-te pelo nome; reservei-te, e não me reconheceste. 5Eu sou o Senhor, não existe outro: fora de mim não há deus. Armei-te guerreiro, sem me reconheceres, 6para que todos saibam, do oriente ao ocidente, que fora de mim outro não existe. Eu sou o Senhor, não há outro”.

    Palavra do Senhor.

    Sl 95(96)
    Ó família das nações, dai ao Senhor poder e glória!

    Cantai ao Senhor Deus um canto novo, / cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! /
    Manifestai a sua glória entre as nações / e, entre os povos do universo, seus prodígios! – R.

    Pois Deus é grande e muito digno de louvor, / é mais terrível e maior que os outros deuses, /
    porque um nada são os deuses dos pagãos. / Foi o Senhor e nosso Deus quem fez os céus. – R.

    Ó família das nações, dai ao Senhor, / ó nações, dai ao Senhor poder e glória, /
    dai-lhe a glória que é devida ao seu nome! / Oferecei um sacrifício nos seus átrios. – R.

    Adorai-o no esplendor da santidade, / terra inteira, estremecei diante dele! /
    Publicai entre as nações: “Reina o Senhor!”, / pois os povos ele julga com justiça. – R.

    1 Tessalonicenses 1,1-5

    1Paulo, Silvano e Timóteo à igreja dos tessalonicenses, reunida em Deus Pai e no Senhor Jesus Cristo: a vós, graça e paz! 2Damos graças a Deus por todos vós, lembrando-vos sempre em nossas orações. 3Diante de Deus, nosso Pai, recordamos sem cessar a atuação da vossa fé, o esforço da vossa caridade e a firmeza da vossa esperança em nosso Senhor Jesus Cristo. 4Sabemos, irmãos amados por Deus, que sois do número dos escolhidos. 5Porque o nosso Evangelho não chegou até vós somente por meio de palavras, mas também mediante a força que é o Espírito Santo; e isso com toda a abundância.

    Palavra do Senhor.

    Mateus 22,15-21

    Naquele tempo, 15os fariseus fizeram um plano para apanhar Jesus em alguma palavra. 16Então mandaram os seus discípulos, junto com alguns do partido de Herodes, para dizerem a Jesus: “Mestre, sabemos que és verdadeiro e que, de fato, ensinas o caminho de Deus. Não te deixas influenciar pela opinião dos outros, pois não julgas um homem pelas aparências. 17Dize-nos, pois, o que pensas: é lícito ou não pagar imposto a César?” 18Jesus percebeu a maldade deles e disse: “Hipócritas! Por que me preparais uma armadilha? 19Mostrai-me a moeda do imposto!” Levaram-lhe então a moeda. 20E Jesus disse: “De quem é a figura e a inscrição desta moeda?” 21Eles responderam: “De César”. Jesus então lhes disse: “Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”.

    Palavra da salvação.

    “Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.”

    A clara distinção que Jesus faz entre as coisas do mundo e as de Deus poderia servir para justificar o que alguns cristãos afirmam erroneamente: de que a Igreja não deveria se preocupar ou interferir em assuntos da sociedade civil (como a luta dos direitos humanos, defesa de democracia, Campanhas da Fraternidade e afins). De que seus assuntos deveriam ser reservados às virtudes e ao anúncio do Reino, desconectados de qualquer implicação concreta.

    Entretanto, ao defenderem tal postura, estão indo na direção exatamente contrária da de Jesus. Ele está afirmando que os compromissos com a sociedade devem ser, sim, respeitados e seus inimigos planejavam contra ele justamente esperando que ele manifestasse desejo destes assuntos “mundanos”. Sim, as virtudes e o anúncio do Reino estão muito acima de qualquer preocupação terrena isolada, entretanto, as virtudes e o Reino se fazem na vida, se encarnam na história concreta. Interagimos com o mundo, buscando as coisas do céu.

    Portanto, não vivemos para o mundo (damos a César o que é de César), mas para Deus que se importa com o mundo e ama a todos os seres criados (dando a Deus o que é de Deus). Que Ele nos ajude a manter esta distinção clara em nossa mente e coração.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 2ª-feira da 29ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Efésios 2,1-10

    Irmãos, 1vós estáveis mortos por causa de vossas faltas e pecados, 2nos quais vivíeis outrora, quando seguíeis o deus deste mundo, o príncipe que reina entre o céu e a terra, o espírito que age agora entre os rebeldes. 3Nós éramos deste número, todos nós. Outrora nos abandonávamos às paixões da carne; satisfazíamos os seus desejos, seguíamos os seus caprichos e éramos, por natureza, como os demais, filhos da ira. 4Mas Deus é rico em misericórdia. Por causa do grande amor com que nos amou, 5quando estávamos mortos por causa das nossas faltas, ele nos deu a vida com Cristo. É por graça que vós sois salvos! 6Deus nos ressuscitou com Cristo e nos fez sentar nos céus em virtude de nossa união com Jesus Cristo. 7Assim, pela bondade que nos demonstrou em Jesus Cristo, Deus quis mostrar, através dos séculos futuros, a incomparável riqueza da sua graça. 8Com efeito, é pela graça que sois salvos, mediante a fé. E isso não vem de vós; é dom de Deus! 9Não vem das obras, para que ninguém se orgulhe. 10Pois é ele quem nos fez; nós fomos criados em Jesus Cristo para as obras boas, que Deus preparou de antemão para que nós as praticássemos.

    Palavra do Senhor.

    Sl 99(100)
    O Senhor mesmo nos fez e somos seus.

    Aclamai o Senhor, ó terra inteira, † servi ao Senhor com alegria, / ide a ele cantando jubilosos! – R.

    Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, † ele mesmo nos fez, e somos seus, / nós somos seu povo e seu rebanho. – R.

    Entrai por suas portas dando graças † e em seus átrios com hinos de louvor, / dai-lhe graças, seu nome bendizei! – R.

    Sim, é bom o Senhor e nosso Deus, † sua bondade perdura para sempre, / seu amor é fiel eternamente! – R.

    Lucas 12,13-21

    Naquele tempo, 13alguém, do meio da multidão, disse a Jesus: “Mestre, dize ao meu irmão que reparta a herança comigo”. 14Jesus respondeu: “Homem, quem me encarregou de julgar ou de dividir vossos bens?” 15E disse-lhes: “Atenção! Tomai cuidado contra todo tipo de ganância, porque, mesmo que alguém tenha muitas coisas, a vida de um homem não consiste na abundância de bens”. 16E contou-lhes uma parábola: “A terra de um homem rico deu uma grande colheita. 17Ele pensava consigo mesmo: ‘O que vou fazer? Não tenho onde guardar minha colheita’. 18Então resolveu: ‘Já sei o que fazer! Vou derrubar meus celeiros e construir maiores; neles vou guardar todo o meu trigo, junto com os meus bens. 19Então poderei dizer a mim mesmo: Meu caro, tu tens uma boa reserva para muitos anos. Descansa, come, bebe, aproveita!’ 20Mas Deus lhe disse: ‘Louco! Ainda nesta noite, pedirão de volta a tua vida. E para quem ficará o que tu acumulaste?’ 21Assim acontece com quem ajunta tesouros para si mesmo, mas não é rico diante de Deus”.

    Palavra da salvação.

    “E para quem ficará o que tu acumulaste?”

    A busca desenfreada por riquezas e pelo poder é criticada por Jesus no Evangelho dessa segunda-feira. Desde o projeto inicial da criação fomos criados para o amor-doação, para a partilha. Deus criador de todas as coisas nos entregou toda a criação para que dela cuidássemos e partilhássemos, e espera o mesmo de nossos dons e talentos, que saibamos colocá-los à disposição do próximo, pois fomos criados à sua imagem e semelhança, vocacionados ao amor.

    O desejo desenfreado por posses, que domina ou que tira proveito dos mais fragilizados, é sinal de que não estamos correspondendo a esse Amor tão generoso que recebemos de Deus, é sinal de que o egoísmo se apropriou do lugar de Deus nas nossas vidas. Jesus Cristo nos ensina que a verdadeira felicidade está no Reino de Deus que luta pela justiça, pela paz, pela dignidade e pelo valor da vida humana. Peçamos ao Senhor que nos liberte do egoísmo para nos abrirmos à partilha!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 3ª-feira da 29ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Efésios 2,1-10

    Irmãos, 12naquele tempo, éreis sem Messias, privados de cidadania em Israel, estranhos às alianças da promessa, sem esperança e sem Deus no mundo. 13Mas agora, em Jesus Cristo, vós, que outrora estáveis longe, vos tornastes próximos pelo sangue de Cristo. 14Ele, de fato, é a nossa paz: do que era dividido, ele fez uma unidade. Em sua carne ele destruiu o muro de separação: a inimizade. 15Ele aboliu a Lei com seus mandamentos e decretos. Ele quis, assim, a partir do judeu e do pagão, criar em si um só homem novo, estabelecendo a paz. 16Quis reconciliá-los com Deus, ambos em um só corpo, por meio da cruz; assim ele destruiu em si mesmo a inimizade. 17Ele veio anunciar a paz a vós que estáveis longe e a paz aos que estavam próximos. 18É graças a ele que uns e outros, em um só Espírito, temos acesso junto ao Pai. 19Assim, já não sois mais estrangeiros nem migrantes, mas concidadãos dos santos. Sois da família de Deus. 20Vós fostes integrados no edifício que tem como fundamento os apóstolos e os profetas, e o próprio Jesus Cristo como pedra principal. 21É nele que toda construção se ajusta e se eleva para formar um templo santo no Senhor. 22E vós também sois integrados nessa construção, para vos tornardes morada de Deus pelo Espírito.

    Palavra do Senhor.

    Sl 84(85)
    O Senhor anunciará a paz para o seu povo.

    Quero ouvir o que o Senhor irá falar: / é a paz que ele vai anunciar; /
    está perto a salvação dos que o temem, / e a glória habitará em nossa terra. – R.

    A verdade e o amor se encontrarão, / a justiça e a paz se abraçarão; /
    da terra brotará a fidelidade, / e a justiça olhará dos altos céus. – R.

    O Senhor nos dará tudo o que é bom, / e a nossa terra nos dará suas colheitas; /
    a justiça andará na sua frente / e a salvação há de seguir os passos seus. – R.

    Lucas 12,35-38

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 35“Que vossos rins estejam cingidos e as lâmpadas acesas. 36Sede como homens que estão esperando seu senhor voltar de uma festa de casamento para lhe abrirem imediatamente a porta, logo que ele chegar e bater. 37Felizes os empregados que o senhor encontrar acordados quando chegar. Em verdade eu vos digo, ele mesmo vai cingir-se, fazê-los sentar-se à mesa e, passando, os servirá. 38E caso ele chegue à meia-noite ou às três da madrugada, felizes serão se assim os encontrar!”

    Palavra da salvação.

    “Felizes os empregados que o senhor encontrar acordados quando chegar.”

    A Boa-Nova de Jesus Cristo insiste para que estejamos vigilantes e atentos para a chegada do Senhor. São muitas as vindas Cristo, são muitas as suas manifestações, são muitas as possibilidades que Deus nos dá para o encontrarmos no nosso cotidiano, seja em casa, no trabalho, na escola… Em tudo Deus está presente.

    A nós cabe o compromisso de nos abrirmos para a ação de Deus; a nós cabe a vigilância para que nunca nos esqueçamos da centralidade de nossa fé, Jesus Cristo. Esse compromisso de vigiar, contudo, não é experiência de uma espera passiva como a que enfrentamos nas filas de um banco ou no consultório médico, mas é uma espera ativa pelo Cristo que vem, tal como uma mulher grávida que a espera de seu filho se esforça para que tudo aconteça da melhor maneira possível, é espera que exige de nós compromisso com o projeto do Reino de Deus. O Pai nos conceda estar vigilantes e atentos a sua vinda em nosso dia a dia!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 4ª-feira da 29ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Efésios 3,2-12

    Irmãos, 2se ao menos soubésseis da graça que Deus me concedeu para realizar o seu plano a vosso respeito, 3como, por revelação, tive conhecimento do mistério, tal como o esbocei rapidamente. Ao ler-me, podeis conhecer a percepção que eu tenho do mistério de Cristo. 5Esse mistério, Deus não o fez conhecer aos homens das gerações passadas, mas acaba de o revelar agora, pelo Espírito, aos seus santos apóstolos e profetas: 6os pagãos são admitidos à mesma herança, são membros do corpo, são associados à mesma promessa em Jesus Cristo por meio do Evangelho. 7Disso eu fui feito ministro pelo dom da graça que Deus me concedeu no exercício do seu poder. 8Eu, que sou o último de todos os santos, recebi esta graça de anunciar aos pagãos a insondável riqueza de Cristo 9e de mostrar a todos como Deus realiza o mistério desde sempre escondido nele, o criador do universo. 10Assim, doravante, as autoridades e poderes nos céus conhecem, graças à Igreja, a multiforme sabedoria de Deus, 11de acordo com o desígnio eterno que ele executou em Jesus Cristo, nosso Senhor. 12Em Cristo nós temos, pela fé nele, a liberdade de nos aproximarmos de Deus com toda a confiança.

    Palavra do Senhor.

    Sl Is 12
    Com alegria bebereis do manancial da salvação.

    Eis o Deus, meu salvador, eu confio e nada temo; † o Senhor é minha força, meu louvor e salvação. /
    Com alegria bebereis do manancial da salvação. – R.

    E direis naquele dia: “Dai louvores ao Senhor, † invocai seu santo nome, anunciai suas maravilhas, /
    entre os povos proclamai que seu nome é o mais sublime. – R.

    Louvai, cantando, ao nosso Deus, que fez prodígios e portentos, / publicai em toda a terra suas grandes maravilhas! /
    Exultai, cantando alegres, habitantes de Sião, / porque é grande em vosso meio o Deus santo de Israel!” – R.

    Lucas 12,39-48

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 39“Ficai certos, se o dono da casa soubesse a hora em que o ladrão iria chegar, não deixaria que arrombasse a sua casa. 40Vós também ficai preparados! Porque o Filho do Homem vai chegar na hora em que menos o esperardes”. 41Então Pedro disse: “Senhor, tu contas esta parábola para nós ou para todos?” 42E o Senhor respondeu: ”Quem é o administrador fiel e prudente que o senhor vai colocar à frente do pessoal de sua casa para dar comida a todos na hora certa? 43Feliz o empregado que o patrão, ao chegar, encontrar agindo assim! 44Em verdade eu vos digo, o senhor lhe confiará a administração de todos os seus bens. 45Porém, se aquele empregado pensar: ‘Meu patrão está demorando’, e começar a espancar os criados e as criadas, e a comer, a beber e a embriagar-se, 46o senhor daquele empregado chegará num dia inesperado e numa hora imprevista, ele o partirá ao meio e o fará participar do destino dos infiéis. 47Aquele empregado que, conhecendo a vontade do senhor, nada preparou nem agiu conforme a sua vontade será chicoteado muitas vezes. 48Porém o empregado que não conhecia essa vontade e fez coisas que merecem castigo será chicoteado poucas vezes. A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito mais será exigido!”

    Palavra da salvação.

    “A quem muito foi dado, muito será pedido.”

    A parábola do assaltante, dirigida a nós por Jesus Cristo, nos recorda a importância de permanecermos atentos aos seus ensinamentos para colocá-los em prática. Mais uma vez precisamos ser lembrados que a espera pelo Messias é uma espera que exige de nós atitudes, que exige que nós nos comprometamos com os valores do Reino.

    Recorda-nos, sobretudo, que esperar “comendo e bebendo” é desperdiçar os dons que Deus, generosamente, nos deu. É preciso nos colocar a serviço dos irmãos, como empregados fiéis, agindo antes de tudo com amor, porque, dessa maneira, também seremos tratados assim na vinda gloriosa do Messias. Por isso, peçamos ao Senhor a graça de fazer em tudo a sua santa vontade!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 5ª-feira da 29ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Efésios 3,14-21

    Irmãos, 14eu dobro os joelhos diante do Pai, 15de quem toda e qualquer família recebe seu nome no céu e sobre a terra. 16Que ele vos conceda, segundo a riqueza da sua glória, serdes robustecidos, por seu Espírito, quanto ao homem interior; 17que ele faça habitar, pela fé, Cristo em vossos corações; que estejais enraizados e fundados no amor. 18Tereis assim a capacidade de compreender, com todos os santos, qual a largura, o comprimento, a altura, a profundidade, 19e de conhecer o amor de Cristo, que ultrapassa todo conhecimento, a fim de que sejais cumulados até receber toda a plenitude de Deus. 20Àquele que tudo pode realizar superabundantemente, e muito mais do que nós pedimos ou concebemos, e cujo poder atua em nós, 21a ele a glória, na Igreja e em Jesus Cristo, por todas as gerações, para sempre. Amém.

    Palavra do Senhor.

    Sl 32(33)
    Transborda em toda a terra a bondade do Senhor!

    justos, alegrai-vos no Senhor! / Aos retos fica bem glorificá-lo. / Dai graças ao Senhor ao som da harpa, / na lira de dez cordas celebrai-o! – R.

    Pois reta é a Palavra do Senhor, / e tudo o que ele faz merece fé. / Deus ama o direito e a justiça, / transborda em toda a terra a sua graça. – R.

    Mas os desígnios do Senhor são para sempre, † e os pensamentos que ele traz no coração, /
    de geração em geração, vão perdurar. / Feliz o povo cujo Deus é o Senhor / e a nação que o escolheu por sua herança! – R.

    Mas o Senhor pousa o olhar sobre os que o temem / e que confiam, esperando em seu amor, /
    para da morte libertar as suas vidas / e alimentá-los quando é tempo de penúria. – R.

    Lucas 12,49-53

    Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 49“Eu vim para lançar fogo sobre a terra e como gostaria que já estivesse aceso! 50Devo receber um batismo e como estou ansioso até que isso se cumpra! 51Vós pensais que eu vim trazer a paz sobre a terra? Pelo contrário, eu vos digo, vim trazer divisão. 52Pois daqui em diante, numa família de cinco pessoas, três ficarão divididas contra duas e duas contra três; 53ficarão divididos o pai contra o filho e o filho contra o pai, a mãe contra a filha e a filha contra a mãe, a sogra contra a nora e a nora contra a sogra”.

    Palavra da salvação.

    “Não vim trazer a paz, mas a divisão.”

    A divisão nunca esteve no plano de salvação de Deus, por isso Jesus Cristo ao dizer que veio trazer a divisão não pretende causar desunião, ir contra o projeto de salvação do Pai, mas afirmar que a nossa adesão pelo projeto de Deus não pode ser feita pela metade e, por isso, exigirá de nós renúncias.

    Optar por Jesus Cristo deve, assim, nos levar ao compromisso com os valores Evangélicos, e não podemos nos comprometer apenas com aquilo que nos interessa, mas sim com todo o projeto, com as cruzes e a ressurreição; nisso consiste caminhar com Deus. Esse caminho, nos diz Jesus, não é de paz como o mundo a espera (cf. Lc 12, 51), mas de Paz em Deus, de esperança na nossa ressurreição e de que um dia estaremos ao seu lado nos céus. Peçamos ao Pai forças para abraçarmos o seu projeto de salvação e perseverança na opção pelo Reino!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 6ª-feira da 29ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Efésios 4,1-6

    Irmãos, 1eu, prisioneiro no Senhor, vos exorto a caminhardes de acordo com a vocação que recebestes: 2com toda a humildade e mansidão, suportai-vos uns aos outros com paciência, no amor. 3Aplicai-vos a guardar a unidade do espírito pelo vínculo da paz. 4Há um só corpo e um só Espírito, como também é uma só a esperança à qual fostes chamados. 5Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, 6um só Deus e Pai de todos, que reina sobre todos, age por meio de todos e permanece em todos.

    Palavra do Senhor.

    Sl 23(24)

    É assim a geração dos que buscam vossa face, / ó Senhor, Deus de Israel.

    Ao Senhor pertence a terra e o que ela encerra, / o mundo inteiro com os seres que o povoam; /
    porque ele a tornou firme sobre os mares / e, sobre as águas, a mantém inabalável. – R.

    “Quem subirá até o monte do Senhor, / quem ficará em sua santa habitação?” /
    “Quem tem mãos puras e inocente coração, / quem não dirige sua mente para o crime. – R.

    Sobre este desce a bênção do Senhor / e a recompensa de seu Deus e salvador.” /
    “É assim a geração dos que o procuram / e do Deus de Israel buscam a face.” – R.

    Lucas 12,54-59

    Naquele tempo, 54 Jesus dizia às multidões: “Quando vedes uma nuvem vinda do ocidente, logo dizeis que vem chuva. E assim acontece. 55 Quando sentis soprar o vento do sul, logo dizeis que vai fazer calor. E assim acontece. 56 Hipócritas! Vós sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu. Como é que não sabeis interpretar o tempo presente? 57 Por que não julgais por vós mesmos o que é justo? 58 Quando, pois, tu vais com o teu adversário apresentar-te diante do magistrado, procura resolver o caso com ele enquanto estais a caminho. Senão ele te levará ao juiz, o juiz te entregará ao guarda, e o guarda te jogará na cadeia. 59 Eu te digo, daí tu não sairás, enquanto não pagares o último centavo”.

    Palavra da salvação.

    “Vós sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu. Como
    é que não sabeis interpretar o tempo presente?”

    Jesus Cristo, na noite de Natal, assumiu a nossa humanidade, e junto disso assumiu também a nossa história. O Evangelho dessa sexta-feira nos recorda que a Palavra deve andar de mãos dadas com a história, com os sinais dos tempos.

    Ler a Palavra sem a história nos aliena e nos impede de encontrar a face de Deus nos acontecimentos do nosso dia a dia. O trecho traz uma pequena parábola para elucidar essa verdade, sabemos ler os sinais do clima, quando fará sol, se virá frio ou chuva… Mas não conseguimos ler o Evangelho com as lentes da nossa história pessoal de vida, com as lentes da realidade que nos circunda. Deus fala a nós hoje, com as organizações sociais de hoje, com os meios de hoje! Que saibamos ler os vestígios de Deus na nossa história para melhor o testemunharmos em nosso cotidiano!

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Sábado da 29ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Efésios 4,7-16

    Irmãos, 7cada um de nós recebeu a graça na medida em que Cristo lha deu. 8Daí esta palavra: “Tendo subido às alturas, ele capturou prisioneiros e distribuiu dons aos homens”. 9“Ele subiu”! Que significa isso, senão que ele desceu também às profundezas da terra? 10Aquele que desceu é o mesmo que subiu mais alto do que todos os céus, a fim de encher o universo. 11E foi ele quem instituiu alguns como apóstolos, outros como profetas, outros ainda como evangelistas, outros, enfim, como pastores e mestres. 12Assim, ele capacitou os santos para o ministério, para edificar o corpo de Cristo, 13até que cheguemos todos juntos à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, ao estado do homem perfeito e à estatura de Cristo em sua plenitude. 14Assim, não seremos mais crianças ao sabor das ondas, arrastados por todo vento de doutrina, ludibriados pelos homens e induzidos por sua astúcia ao erro. 15Motivados pelo amor, queremos ater-nos à verdade e crescer em tudo até atingirmos aquele que é a cabeça, Cristo. 16Graças a ele, o corpo, coordenado e bem unido, por meio de todas as articulações que o servem, realiza o seu crescimento, segundo uma atividade à medida de cada membro, para a sua edificação no amor.

    Palavra do Senhor.

    Sl 121(122)
    Que alegria quando ouvi que me disseram: / “Vamos à casa do Senhor!”

    Que alegria quando ouvi que me disseram: / “Vamos à casa do Senhor!” / E agora nossos pés já se detêm, / Jerusalém, em tuas portas. – R.

    Jerusalém, cidade bem edificada / num conjunto harmonioso; / para lá sobem as tribos de Israel, / as tribos do Senhor. – R.

    Para louvar, segundo a lei de Israel, / o nome do Senhor. / A sede da justiça lá está / e o trono de Davi. – R.

    Lucas 13,1-9

    1 Naquele tempo, vieram algumas pessoas trazendo notícias a Jesus a respeito dos galileus que Pilatos tinha matado, misturando seu sangue com o dos sacrifícios que ofereciam. 2Jesus lhes respondeu: “Vós pensais que esses galileus eram mais pecadores do que todos os outros galileus por terem sofrido tal coisa? 3Eu vos digo que não. Mas, se vós não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo. 4E aqueles dezoito que morreram quando a torre de Siloé caiu sobre eles? Pensais que eram mais culpados do que todos os outros moradores de Jerusalém? 5Eu vos digo que não. Mas, se não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo”. 6E Jesus contou esta parábola: “Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha. Foi até ela procurar figos e não encontrou. 7Então disse ao vinhateiro: ‘Já faz três anos que venho procurando figos nesta figueira e nada encontro. Corta-a! Por que está ela inutilizando a terra?’ 8Ele, porém, respondeu: ‘Senhor, deixa a figueira ainda este ano. Vou cavar em volta dela e colocar adubo. 9Pode ser que venha a dar fruto. Se não der, então tu a cortarás!’”

    Palavra da salvação.

    “Se vós não vos converterdes, ireis morrer todos do mesmo modo.”

    O Evangelho proposto para esse sábado nos revela que a morte corporal não é castigo para os pecadores, mas fato inevitável na vida de todo ser humano. Portanto é impossível para nós escaparmos dela. Sabendo disso, devemos voltar a nossa atenção para a segunda morte, como canta São Francisco no seu Cântico das Criaturas, a morte da alma, a morte do afastamento da vontade de Deus. Por esse motivo que Jesus de Nazaré nos chama à conversão.

    Conversão entende-se por transformação, mudança de pensamento, rever as nossas atitudes frente à vontade de Deus, que nos liberta da escravidão do egoísmo, da falta de caridade para com os irmãos, nos liberta da nossa esterilidade de produzir frutos para Deus. Contemplando a Bondade de Deus para conosco, ousamos pedir-lhe a graça de termos sempre diante dos nossos olhos a sua santa Vontade a nos guiar.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 30º Domingo do Tempo Comum

    • Primeira leitura
    • Salmo
    • Segunda Leitura
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Primeira Leitura

    Assim diz o Senhor: 20 Não oprimas nem maltrates o estrangeiro, pois vós fostes estrangeiros na terra do Egito. 21 Não façais mal algum à viúva nem ao órfão. 22 Se os maltratardes, gritarão por mim e eu ouvirei o seu clamor. 23 Minha cólera, então, se inflamará e eu vos matarei à espada; vossas mulheres ficarão viúvas, e órfãos os vossos filhos. 24 Se emprestares dinheiro a alguém do meu povo, a um pobre que vive ao teu lado, não sejas um usurário, dele cobrando juros. 25 Se tomares como penhor o manto do teu próximo, deverás devolvê-lo antes do pôr do sol. 26 Pois é a única veste que tem para o seu corpo, e coberta que ele tem para dormir. Se clamar por mim, eu o ouvirei, porque sou misericordioso.

    Palavra do Senhor.

    Sl 17(18)
    Eu vos amo, ó Senhor, sois minha força e salvação.

    Eu vos amo, ó Senhor! Sois minha força, / minha rocha, meu refúgio e salvador! /
    Ó meu Deus, sois o rochedo que me abriga, / minha força e poderosa salvação. – R.

    Ó meu Deus, sois o rochedo que me abriga, / sois meu escudo e proteção: em vós espero! /
    Invocarei o meu Senhor: a ele a glória! / E dos meus perseguidores serei salvo! – R.

    Viva o Senhor! Bendito seja o meu rochedo! / E louvado seja Deus, meu salvador! /
    Concedeis ao vosso rei grandes vitórias / e mostrais misericórdia ao vosso ungido. – R.

    1 Tessalonicenses 1,5-10

    Irmãos, 5sabeis de que maneira procedemos entre vós, para o vosso bem. 6E vós vos tornastes imitadores nossos e do Senhor, acolhendo a Palavra com a alegria do Espírito Santo, apesar de tantas tribulações. 7Assim vos tornastes modelo para todos os fiéis da Macedônia e da Acaia. 8Com efeito, a partir de vós, a Palavra do Senhor não se divulgou apenas na Macedônia e na Acaia, mas a vossa fé em Deus propagou-se por toda parte. Assim, nós já nem precisamos de falar, 9pois as pessoas mesmas contam como vós nos acolhestes e como vos convertestes, abandonando os falsos deuses para servir ao Deus vivo e verdadeiro, 10esperando dos céus o seu Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos: Jesus, que nos livra do castigo que está por vir.

    Palavra do Senhor.

    Mateus 22,34-40

    Naquele tempo, 34 os fariseus ouviram dizer que Jesus tinha feito calar os saduceus. Então eles se reuniram em grupo 35 e um deles perguntou a Jesus, para experimentá-lo: 36 “Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?” 37 Jesus respondeu: “‘Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento!’ 38 Esse é o maior e o primeiro mandamento. 39 O segundo é semelhante a esse: ‘Amarás ao teu próximo como a ti mesmo’. 40 Toda a Lei e os Profetas dependem desses dois mandamentos”.

    Palavra da salvação.

    “Amarás o Senhor teu Deus, e ao teu próximo como a ti mesmo.”

    No Evangelho de hoje, Jesus nos apresenta o maior dos mandamentos: o do amor. Na época de Jesus havia 613 preceitos, 365 proibições e 248 mandamentos e neste contexto era essencial qual seria o maior para melhor agradar a Deus. A resposta é clara e direta: amar a Deus de todo o coração, de toda alma e com toda a mente, ou seja, com tudo aquilo que somos colocando Deus como parâmetro de medida. É por Ele e para Ele que existimos, não para ídolos e para nós mesmos.

    Ao amar a Deus se ama também o irmão, uma vez que ele também é filho desse mesmo Pai. Se alguém acredita amar a Deus sem amar ao irmão engana-se a si mesmo, porque o amor é um dom de Deus que nos leva para fora de nós mesmos. Só seremos realmente humanos que servem a Deus quando nos dirigirmos em direção aos irmãos buscando denunciar as injustiças e assim cumprindo a Lei que gera vida.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 2ª-feira da 30ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Efésios 4,32-5,8

    Irmãos, 32 sede bons uns para com os outros, sede compassivos; perdoai-vos mutuamente, como Deus vos perdoou por meio de Cristo. 5,1 Sede imitadores de Deus, como filhos que ele ama. 2 Vivei no amor, como Cristo nos amou e se entregou a si mesmo a Deus por nós, em oblação e sacrifício de suave odor. 3A devassidão ou qualquer espécie de impureza ou cobiça sequer sejam mencionadas entre vós, como convém a santos. 4 Nada de palavras grosseiras, insensatas ou obscenas, que são inconvenientes; dedicai-vos antes à ação de graças. 5Pois, sabei-o bem, o devasso, o impuro, o avarento – que é um idólatra – são excluídos da herança no Reino de Cristo e de Deus. 6 Que ninguém vos engane com palavras vazias. Tudo isso atrai a cólera de Deus sobre os que lhe desobedecem. 7Não sejais seus cúmplices. 8Outrora éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Vivei como filhos da luz.

    Palavra do Senhor.

    Sl 1
    Sejamos, pois, imitadores do Senhor, / como convém aos amados filhos seus.

    Feliz é todo aquele que não anda / conforme os conselhos dos perversos; /
    que não entra no caminho dos malvados / nem junto aos zombadores vai sentar-se; /
    mas encontra seu prazer na lei de Deus / e a medita, dia e noite, sem cessar. – R.

    Eis que ele é semelhante a uma árvore / que à beira da torrente está plantada; /
    ela sempre dá seus frutos a seu tempo, † e jamais as suas folhas vão murchar. /
    Eis que tudo o que ele faz vai prosperar. – R.

    Mas bem outra é a sorte dos perversos. † Ao contrário, são iguais à palha seca /
    espalhada e dispersada pelo vento. / Pois Deus vigia o caminho dos eleitos, /
    mas a estrada dos malvados leva à morte. – R.

    Lucas 13,10-17

    Naquele tempo, 10 Jesus estava ensinando numa sinagoga em dia de sábado. 11Havia aí uma mulher que, fazia dezoito anos, estava com um espírito que a tornava doente. Era encurvada e incapaz de se endireitar. 12 Vendo-a, Jesus chamou-a e lhe disse: “Mulher, estás livre da tua doença”. 13 Jesus colocou as mãos sobre ela, e imediatamente a mulher se endireitou e começou a louvar a Deus. 14 O chefe da sinagoga ficou furioso, porque Jesus tinha feito uma cura em dia de sábado. E, tomando a palavra, começou a dizer à multidão: “Existem seis dias para trabalhar. Vinde, então, nesses dias para serdes curados, mas não em dia de sábado”. 15 O Senhor lhe respondeu: “Hipócritas! Cada um de vós não solta do curral o boi ou o jumento para dar-lhe de beber, mesmo que seja dia de sábado? 16 Esta filha de Abraão, que satanás amarrou durante dezoito anos, não deveria ser libertada dessa prisão em dia de sábado?” 17 Esta resposta envergonhou todos os inimigos de Jesus. E a multidão inteira se alegrava com as maravilhas que ele fazia.

    Palavra da salvação.

    “Esta filha de Abraão, não deveria ser libertada dessa prisão, em dia de sábado?”

    No Evangelho de hoje é apontada a precedência da vida em relação a costumes. Era sábado, dia em que não poderia fazer nada, somente descansar. Jesus vê uma mulher que era curvada e, apesar de nenhum pedido por parte dela, sente compaixão curando-a. Não se pode utilizar de argumentos costumeiros para omitir um benefício ao próximo se facilmente o romperia para não sofrer danos pessoais, como o caso de fazer o animal sentir fome.

    A Lei foi criada para gerar vida e nunca para delimitá-la. Não deve haver momentos marcados em nossa agenda para fazer o bem e se nos surgir a oportunidade fora desse horário deixaremos passar. Se assim o fizermos seremos tais como médicos deixando pessoas morrerem em nossas portas por não estarmos em horário de atendimento.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 3ª-feira da 30ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Efésios 5,21-33

    Irmãos, 21 vós que temeis a Cristo, sede solícitos uns para com os outros. 22 As mulheres sejam submissas aos seus maridos como ao Senhor. 23 Pois o marido é a cabeça da mulher, do mesmo modo que Cristo é a cabeça da Igreja, ele, o salvador do seu corpo. 24 Mas como a Igreja é solícita por Cristo, sejam as mulheres solícitas em tudo pelos seus maridos. 25 Maridos, amai as vossas mulheres, como o Cristo amou a Igreja e se entregou por ela. 26 Ele quis assim torná-la santa, purificando-a com o banho da água unida à Palavra. 27 Ele quis apresentá-la a si mesmo esplêndida, sem mancha, nem ruga, nem defeito algum, mas santa e irrepreensível. 28 Assim é que o marido deve amar a sua mulher, como ao seu próprio corpo. Aquele que ama a sua mulher ama-se a si mesmo. 29 Ninguém jamais odiou a sua própria carne. Ao contrário, alimenta-a e cerca-a de cuidados, como o Cristo faz com a sua Igreja; 30 e nós somos membros do seu corpo! 31 Por isso o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne. 32 Este mistério é grande, e eu o interpreto em relação a Cristo e à Igreja. 33 Em todo caso, cada um, no que lhe toca, deve amar a sua mulher como a si mesmo; e a mulher deve respeitar o seu marido.

    Palavra do Senhor.

    Sl 127(128)

    Felizes todos os que respeitam o Senhor!

    Feliz és tu se temes o Senhor / e trilhas seus caminhos! / Do trabalho de tuas mãos hás de viver, / serás feliz, tudo irá bem! – R.

    A tua esposa é uma videira bem fecunda / no coração da tua casa; / os teus filhos são rebentos de oliveira / ao redor de tua mesa. – R.

    Será assim abençoado todo homem / que teme o Senhor. / O Senhor te abençoe de Sião, / cada dia de tua vida. – R.

    Lucas 13,18-21

    Naquele tempo, 18 Jesus dizia: “A que é semelhante o Reino de Deus e com que poderei compará-lo? 19 Ele é como a semente de mostarda, que um homem pega e atira no seu jardim. A semente cresce, torna-se uma grande árvore, e as aves do céu fazem ninhos nos seus ramos”. 20 Jesus disse ainda: “Com que poderei ainda comparar o Reino de Deus? 21 Ele é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado”.

    Palavra da salvação.

    “A semente cresce e torna-se uma grande árvore.”

    No Evangelho de hoje, Jesus utiliza de duas imagens que trazem mensagens de paciência e esperança. A semente e o fermento em si não são algo grande em um primeiro momento, mas em sua potência trazem uma grandeza. Mas, com o tempo a semente e a massa crescem e tornam-se algo maior. Ao chegar nesse estágio já não se fecham em si, mas a árvore serve de abrigo para as aves e o pão é distribuído para aqueles que o comem. Ambos são sinal de acolhimento e partilha.

    Nós também, com nossas fraquezas, não parecemos tão grandes, porém temos um grande potencial que, se bem trabalhado, podem nos fazer crescer e amadurecer a ponte de amadurecer e gerar frutos de acolhimento e partilha.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 4ª-feira da 30ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    SANTOS SIMÃO E JUDAS TADEU
    Efésios 2,19-22

    Irmãos, 19 já não sois mais estrangeiros nem migrantes, mas concidadãos dos santos. Sois da família de Deus. 20 Vós fostes integrados no edifício que tem como fundamento os apóstolos e os profetas e o próprio Jesus Cristo como pedra principal. 21 É nele que toda a construção se ajusta e se eleva para formar um templo santo no Senhor. 22E vós também sois integrados nessa construção, para vos tornardes morada de Deus pelo Espírito.

    Palavra do Senhor.

    Sl 18(19A)
    Seu som ressoa e se espalha em toda a terra.

    Os céus proclamam a glória do Senhor, / e o firmamento, a obra de suas mãos; /
    o dia ao dia transmite essa mensagem, / a noite à noite publica esta notícia. – R.

    Não são discursos nem frases ou palavras, / nem são vozes que possam ser ouvidas; /
    seu som ressoa e se espalha em toda a terra, / chega aos confins do universo a sua voz. – R.

    Lucas 6,12-19

    12 Naqueles dias, Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus. 13 Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de apóstolos: 14 Simão, a quem impôs o nome de Pedro, e seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; 15 Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado Zelota; 16 Judas, filho de Tiago, e Judas Iscariotes, aquele que se tornou traidor. 17 Jesus desceu da montanha com eles e parou num lugar plano. Ali estavam muitos dos seus discípulos e grande multidão de gente de toda a Judeia e de Jerusalém, do litoral de Tiro e Sidônia. 18 Vieram para ouvir Jesus e serem curados de suas doenças. E aqueles que estavam atormentados por espíritos maus também foram curados. 19A multidão toda procurava tocar em Jesus, porque uma força saía dele e curava a todos.

    Palavra da salvação.

    “Escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de apóstolos.”

    No Evangelho de hoje, Jesus se retira para a montanha lugar, segundo a tradição, de encontro com Deus. Lá fica toda a noite. Rezou como todas as vezes antes de tomar uma decisão importante e escolheu os doze apóstolos, aqueles que o acompanhariam durante os seus três anos de vida pública. Porém, sua ação não se restringe somente a eles, mas toda uma multidão estava no local “para ouvi-lo e ser curada de suas doenças, (…) porque dele saía uma força que curava a todos”. Jesus não restringe sua ação para os que estão mais perto dele; ele veio para todos; é a salvação de todos.

    Esse Evangelho nos mostra que Jesus não vem para um grupo seleto, apesar desses o seguirem mais de perto. Ele vem para todos, independentemente das condições; não podemos prendê-Lo como uma propriedade nossa.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 5ª-feira da 30ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Efésios 6,10-20

    10 Para terminar, irmãos, confortai-vos no Senhor e, no domínio de sua força, 11 revesti-vos da armadura de Deus, para estardes em condições de enfrentar as manobras do diabo. 12 Pois não é a homens que enfrentamos, mas as autoridades, os poderes, as dominações deste mundo de trevas, os espíritos do mal que estão nos céus. 13 Revesti, portanto, a armadura de Deus, a fim de que no dia mau possais resistir e permanecer firmes em tudo. 14 De pé, portanto! Cingi os vossos rins com a verdade, revesti-vos com a couraça da justiça 15 e calçai os vossos pés com a prontidão em anunciar o Evangelho da paz. 16 Tomai o escudo da fé, o qual vos permitirá apagar todas as flechas ardentes do maligno. 17 Tomai, enfim, o capacete da salvação e o gládio do espírito, isto é, a Palavra de Deus. 18 Com preces e súplicas de vária ordem, orai em todas as circunstâncias, no Espírito, e vigiai com toda a perseverança, intercedendo por todos os santos. 19 Orai também por mim, para que a palavra seja colocada em minha boca para anunciar corajosamente o mistério do Evangelho, 20 do qual sou embaixador acorrentado. Possa eu, como é minha obrigação, proclamá-lo com toda a ousadia.

    Palavra do Senhor.

    Sl 143(144)
    Bendito seja o Senhor, meu rochedo!

    Bendito seja o Senhor, meu rochedo, † que adestrou minhas mãos para a luta /
    e os meus dedos treinou para a guerra! – R.

    Ele é meu amor, meu refúgio, / libertador, fortaleza e abrigo; / é meu escudo: é nele que espero, /
    ele submete as nações a meus pés. – R.

    Um canto novo, meu Deus, vou cantar-vos, / nas dez cordas da harpa louvar-vos, /
    a vós que dais a vitória aos reis / e salvais vosso servo Davi. – R.

    Lucas 13,31-35

    31 Naquela hora, alguns fariseus aproximaram-se e disseram a Jesus: “Tu deves ir embora daqui, porque Herodes quer te matar”. 32 Jesus disse: “Ide dizer a essa raposa: eu expulso demônios e faço curas hoje e amanhã; e no terceiro dia terminarei o meu trabalho. 33 Entretanto, preciso caminhar hoje, amanhã e depois de amanhã, porque não convém que um profeta morra fora de Jerusalém. 34 Jerusalém, Jerusalém! Tu que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes eu quis reunir teus filhos como a galinha reúne os pintainhos debaixo das asas, mas tu não quiseste! 35 Eis que vossa casa ficará abandonada. Eu vos digo, não me vereis mais, até que chegue o tempo em que vós mesmos direis: ‘Bendito aquele que vem em nome do Senhor’”.

    Palavra da salvação.

    “Não convém que um profeta morra fora de Jerusalém.”

    No Evangelho de hoje, Jesus é alertado pelos fariseus a respeito de Herodes. Por que alguém simples do povo como Jesus seria uma ameaça para o poder dele? A Palavra é algo que incomoda, pois pede uma conversão de nosso coração. Nossa fé, se vivida com entusiasmo, não nos deixa ficar inertes a injustiças e nos faz caminhar para uma vida mais próxima daquela proposta por Jesus. Ser diferente é algo que incomoda aqueles que estabelecem padrões a serem seguidos.

    Deus quer sempre o melhor para nós. É, como disse Jesus, semelhante a uma galinha que reuni os pintinhos debaixo de suas asas, cuida de nós. Porém, podemos não entender essa bondade de Deus. Vemos a vivência da fé como um preceito, apenas uma obrigação, ou ainda a vejo como a privação de vários benefícios. Para aqueles que vivem assim a Palavra incomoda, tal como a Herodes, e por conforto buscarão calá-la matando quem a promove.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • 6ª-feira da 30ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Filipenses 1,1-11

    1 Paulo e Timóteo, servos de Cristo Jesus, a todos os santos em Cristo Jesus que estão em Filipos, com os seus bispos e diáconos: 2 graça e paz a vós da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. 3 Dou graças ao meu Deus todas as vezes que me lembro de vós. 4 Sempre, em todas as minhas orações, rezo por vós, com alegria, 5 por causa da vossa comunhão conosco na divulgação do Evangelho, desde o primeiro dia até agora. 6 Tenho a certeza de que aquele que começou em vós uma boa obra há de levá-la à perfeição até o dia de Cristo Jesus. 7 É justo que eu pense assim a respeito de vós todos, pois a todos trago no coração, porque, tanto na minha prisão como na defesa e confirmação do Evangelho, participais na graça que me foi dada. 8 Deus é testemunha de que tenho saudade de todos vós, com a ternura de Cristo Jesus. 9E isto eu peço a Deus: que o vosso amor cresça sempre mais, em todo o conhecimento e experiência, 10 para discernirdes o que é o melhor. E assim ficareis puros e sem defeito para o dia de Cristo, 11 cheios do fruto da justiça que nos vem por Jesus Cristo, para a glória e o louvor de Deus.

    Palavra do Senhor.

    Sl 110(111)
    Grandiosas são as obras do Senhor!

    Eu agradeço a Deus de todo o coração / junto com todos os seus justos reunidos! /
    Que grandiosas são as obras do Senhor, / elas merecem todo o amor e admiração! – R.

    Que beleza e esplendor são os seus feitos! / Sua justiça permanece eternamente! /
    O Senhor bom e clemente nos deixou / a lembrança de suas grandes maravilhas. – R.

    Ele dá o alimento aos que o temem / e jamais esquecerá sua Aliança. /
    Ao seu povo manifesta seu poder, / dando a ele a herança das nações. – R.

    Lucas 14,1-6

    1 Aconteceu que, num dia de sábado, Jesus foi comer na casa de um dos chefes dos fariseus. E eles o observavam. 2 Diante de Jesus, havia um hidrópico. 3 Tomando a palavra, Jesus falou aos mestres da Lei e aos fariseus: “A Lei permite curar em dia de sábado ou não?” 4 Mas eles ficaram em silêncio. Então Jesus tomou o homem pela mão, curou-o e despediu-o. 5 Depois lhes disse: “Se algum de vós tem um filho ou um boi que caiu num poço, não o tira logo, mesmo em dia de sábado?” 6E eles não foram capazes de responder a isso.

    Palavra da salvação.

    “Se algum de vós tem um filho ou um boi que caiu num poço,
    não o tira logo, mesmo em dia de sábado?”

    No Evangelho de hoje, Jesus vai tomar a refeição na casa de um fariseu. Os fariseus se consideravam perfeitos cumpridores da lei e por isso excluíam e se achavam superiores aos demais. Porém, na nova Lei que Jesus apresenta, eles são meros descumpridores, pois não são abertos ao amor de Deus. Indiferentes aos sofrimentos dos outros se preocupavam apenas com o próprio bem-estar.

    Jesus se aproveita desse contexto para mostrar a necessidade de compaixão. Um homem que sofria de uma enfermidade estava no meio deles, porém era ignorado o seu sofrimento. Seria infligir a lei curá-lo, pois um ser humano não poderia ser curado no Sábado, segundo eles, por ser o dia de repouso dedicado ao Senhor, apesar de poderem salvar um animal para não terem prejuízo caso ele morresse. A lei deve gerar sempre vida como a Lei de Jesus. Que Deus nos ajude a termos compaixão dos que sofrem e buscar ajudá-los em suas necessidades.

    Reflexão dos Noviços da Província

  • Sábado da 30ª Semana do TC

    • Primeira leitura
    • Salmo responsorial
    • Evangelho
    • Sabor da Palavra
    Filipenses 1,18-26

    Irmãos, 18 de qualquer maneira, com segundas intenções ou com sinceridade, Cristo é anunciado. E eu me alegro com isso e sempre me alegrarei. 19 Pois eu sei que isso resultará na minha salvação graças à vossa oração e à assistência do Espírito de Jesus Cristo. 20 Segundo a minha viva expectativa e a minha esperança, não terei de corar de vergonha. Se a minha firmeza continuar total, como sempre, então Cristo vai ser glorificado no meu corpo, seja pela minha vida, seja pela minha morte. 21 Pois, para mim, o viver é Cristo e o morrer é lucro. 22 Entretanto, se o viver na carne significa que meu trabalho será frutuoso, neste caso não sei o que escolher. 23 Sinto-me atraído para os dois lados: tenho o desejo de partir, para estar com Cristo – o que para mim seria de longe o melhor -, 24 mas para vós é mais necessário que eu continue minha vida neste mundo. 25 Por isso, sei com certeza que vou ficar e continuar com vós todos, para que possais progredir e alegrar-vos na fé. 26 Assim, com a minha volta para junto de vós, vai aumentar ainda a razão de vos gloriardes em Cristo Jesus.

    Palavra do Senhor.

    Sl 41(42)
    Minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo!

    Assim como a corça suspira / pelas águas correntes, / suspira igualmente minha alma / por vós, ó meu Deus! – R.

    Minha alma tem sede de Deus / e deseja o Deus vivo. / Quando terei a alegria de ver / a face de Deus? – R.

    Peregrino e feliz caminhando / para a casa de Deus, / entre gritos, louvor e alegria / da multidão jubilosa. – R.

    Lucas 14,1.7-11

    1 Aconteceu que, num dia de sábado, Jesus foi comer na casa de um dos chefes dos fariseus. E eles o observavam. 7 Jesus notou como os convidados escolhiam os primeiros lugares. Então, contou-lhes uma parábola: 8“Quando tu fores convidado para uma festa de casamento, não ocupes o primeiro lugar. Pode ser que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu, 9 e o dono da casa, que convidou os dois, venha te dizer: ‘Dá o lugar a ele’. Então tu ficarás envergonhado e irás ocupar o último lugar. 10 Mas, quando tu fores convidado, vai sentar-te no último lugar. Assim, quando chegar quem te convidou, te dirá: ‘Amigo, vem mais para cima’. E isso vai ser uma honra para ti diante de todos os convidados. 11 Porque quem se eleva será humilhado, e quem se humilha será elevado”.

    Palavra da salvação.

    “Quem se eleva, será humilhado e quem se humilha, será elevado.”

    A atitude evidenciada pelo Evangelho desse sábado é a humildade que o cristão deve ter sempre diante de Deus e dos irmãos. Contando a parábola da festa de casamento, Cristo coloca em um contexto visível aquilo que é essencial e somente sentido no interior de cada indivíduo, a humildade diante de Deus.

    Se formos sinceros conosco mesmos e com o Senhor, concluiremos que somos ainda frágeis, que necessitamos da misericórdia infinita com que Ele nos trata e que somos incoerentes no nosso anúncio do Evangelho. Contudo, Deus nos ama e nos agracia com as condições necessárias para a nossa conversão. Ele nos quer livres para o serviço do Reino. De coração humilde, peçamos ao Senhor de nossas vidas que nos afaste de todo o desejo de superioridade e de autossuficiência para, com liberdade, abraçarmos o seu projeto de salvação.

    Reflexão dos Noviços da Província