20/02/2013

Nossa Senhora da Penha

CONVENTO DA PENHA

Rua Vasco Coutinho, S/Nº
Bairro: Prainha
CEP: 29100-231
Vila Velha – ES.
Fone: (27) 33290420
e-mail: convento.aacp@gmail.com

Arquidiocese de Vitória

A FRATERNIDADE
Frei Paulo Roberto Pereira, definidor, guardião e reitor do santuário
Frei Paulo Cesar F. da Silva, vigário casa, atendente conventual e animador do SAV local e regional
Frei Ari do Amaral Praxedes, atendente conventual
Frei Cláudio Guski, atendente conventual
Frei Pedro de Oliveira Rodrigues, atendente conventual e ecônomo
Frei Pedro Engel, serviço fraterno

PADROEIRA
Nossa Senhora do Penha

Conheça mais: www.conventodapenha.org.br

EXPEDIENTE

Diariamente, das 7h30 às 17h00

PORTÃO DE ACESSO
De segunda a sábado: das 5h15 às 16h45
Domingo: das 4h15 às 16h45

MISSAS
De segunda a sexta-feira: 6h00, 7h00, 8h00, 9h30 e 15h00
Sábado: 6h00, 7h30, 9h00, 11h00 e 15h30
Domingo: 5h00, 7h00, 9h00, 11h00, 14h00 e 16h00

Missa da Saúde (Campinho)

2ª quarta-feira do mês – às 15h00

CONFISSÕES
Diariamente, das 8h00 às 11h00 e das 14h00 às 16h30

 


HISTÓRIA

Frei Palácios, o fundador do
Santuário da Penha

Nasceu este religioso em Medina do Rio Seco, perto de Salamanca. Era, pois, espanhol, que ingressou na vida religiosa
franciscana tomando o hábito da Ordem dos Frades Menores na Província espanhola de São José de Castela, em que florescia a mais estreita observância. Pouco depois se mudou para Portugal, onde obteve licença do Custódio Frei Damião da
Torre e, em 1558, embarcou num navio que se dirigia à Capitania do Espírito Santo.

Na viagem, a embarcação foi acometida de furiosa tempestade, correndo perigo de naufragar. Neste grande aperto lembraram-se os navegantes do religioso, companheiro de viagem, cujas santas virtudes já frequentemente tiveram ensejo de admirar. Recomendaram-se às suas orações e um tomou-lhe o manto e com ele tocou as ondas, que imediatamente se aplacaram, permitindo próspera travessia. Desde então Frei Palácios só era chamado de o santo frade. Este fato é histórico, contado por todos os autores.

Depois de feliz viagem, o navio arribou na Capitania do Espírito Santo e tomou porto na Vila Velha. Os companheiros de viagem espalharam-se pela localidade e, deixaram também a Frei Palácios cuidar do seu destino. Dias depois, porém, lembraram-se de novo do Religioso, que havia granjeado todo o seu afeio, e sabendo também os moradores da presença do santo homem, todos tiveram desejo de saber onde estava.

Procuraram-no e só depois de três dias encontraram-no numa cabana na montanha. Segundo a tradição local, o lugar do encontro foi um vão formado pela natureza em baixo de uma grande pedra, situada ao sopé da montanha, junto à praia, ao lado esquerdo de quem entra pelo atual portão da ladeira. Ainda hoje é conhecida por “Gruta de Frei Palácios” e, desde 1864, é assinalada por uma lápide comemorativa, que mandou colocar o último Guardião Frei Teotônio de Sta. Humiliana.

Não querendo, pois Frei Palácios descer da montanha, pediu aos moradores lhe quisessem construir uma capela na planura ao pé da rocha. Fizeram-no e ele dedicou-a a São Francisco, colocando sobre o altar o painel de Nossa Senhora da Penha e a imagem do Patriarca.

A morte do Servo de Deus se deu em 1570 e em 18 de fevereiro de 1609 os despojos foram exumados e conduzidos à Igreja do Convento de São Francisco de Vitória.

A construção do Convento
Em 1651 já existia a Capela do Santuário no topo da montanha. Daí em diante deu-se início a construção do Convento, a 146 metros acima do nível do mar. Era pequeno, servindo apenas para alguns moradores.

Em 1750 o Convento foi remodelado e completado, ficando como o encontramos hoje. Houve depois muitas reformas e reconstruções, pois, no decorrer do tempo, açoitado pelos ventos e maresia, sofreu muitos danos.

Até hoje este Convento está aí, bonito, bem conservado. Recebe milhares de romeiros, especialmente durante a festa de Nossa Senhora da Penha, que se celebra na semana que segue a Páscoa.

O Convento também é chamado de Santuário do Perdão e da Graça, porque é nesta casa onde muitos se encontram com Deus e consigo mesmos. Encontram a misericórdia de Deus no perdão de seus pecados. Foi dado o nome de Nossa Senhora da Penha porque o Convento está situado no topo de uma rocha.