Vida CristãFrei AlmirArtigos › 15/04/2018

Francisco e a oração

perola_150418Toda a vida de Francisco era oração. Nada estava desvinculado da comunhão com Deus. Francisco é um contemplativo na ação. Sabemos da importância que ele dava ao trabalho manual. Queria que seus filhos trabalhassem e quem não o soubesse, que aprendesse um tipo de trabalho porque abominava o “irmão mosca”. “Os irmãos, aos quais o Senhor deu a graça de trabalhar, trabalhem com fidelidade e devoção, de modo que afugentem o ócio que é inimigo da alma, e não percam o espírito de oração e de piedade ao qual deve servir todas as coisas temporais” (Regra Bulada 5, 1-2). O trabalho é uma graça, como também a oração é graça. Há uma fundamental unidade entre vida contemplativa e vida ativa, Francisco não está sugerindo que seus irmãos se entreguem à orações vocais ou análogas. É sempre o Espírito, o dom de Deus, que valoriza tudo na vida. O trabalho – e qualquer atividade na vida – precisa ser realizado em profunda união com Deus. Tudo tem quer piedoso e devoto.

Frei Almir Guimarães