Cultura franciscanaIconografia Franciscana

Francisco de Zurbarán,

Pintor espanhol

Pintor barroco espanhol nascido em Fuente de Cantos, Reino de Sevilla, hoje província de Badajoz, considerado um dos mais talentosos artistas da Contra-Reforma na Espanha, cuja obra foi marcada pela temática religiosa, em especial retratos de monges e santos. Filho do comerciante Luís Zurbarán e de sua esposa Isabel Márquez, poucos detalhes são conhecidos de sua infância e iniciou-se na arte como aprendiz no ateliê do pintor Pedro Díaz de Villanueva (1564-1654), em Sevilha (1614), com quem estudou cerca de três anos e tornou-se conhecido com a tela Imaculada Conceição (1616), de clara influência do naturalismo de Caravaggio.

De volta a sua cidade natal, casou-se (1617) com María Páez e morou em  Llerena, Extremadura (1617-1628). Viúvo e pai de três filhos, María, Juan e Isabel Paula, novamente se casou (1625), então com a rica, dez anos mais velha que ele e também viúva Beatriz de Morales, e mudou-se para Sevilha (1628), onde trabalhou em retratos e naturezas-mortas, como Plato con limones, cesta con naranjas y taza con una rosa (1633) e Tazas y vasos (1633), e telas com predominância de temas religiosos. Trabalhou para a corte espanhola e entre suas importantes obras para o rei Filipe IV foi a decoração do palácio de Buen Retiro, em Madri, com a série Trabalhos de Hércules (1634).

Essencialmente um pintor provinciano, seus mais importantes trabalhos foram realizados na Andaluzia e Extremadura. Pintou na sacristia do mosteiro de Guadalupe (1638-1639) com destaque para a série a Visão do padre Salmerón, a Missa do padre Cabañuela e a Apoteose de são Jerônimo. Viúvo novamente (1639) casou-se pela terceira vez (1641) e com outra viúva, Mariana de Cuadros. Nos anos seguintes seu estilo, marcado pela sua expressão religiosa, perdeu o vigor, sua fama entrou em decadência e apenas uma série de pinturas feita para Lima, no Peru, mereceu destaque histórico.

Pai do pintor barroco Juan de Zurbarán (1620-1649), morreu em Madri, pobre e esquecido, aos sessenta e cinco anos. Suas telas individuais são encontradas em vários museus de muitos países da Europa e da América, como Cristo en la Cruz (1627), Aparición de San Pedro (1628), Exposición del cuerpo de San Buenaventura (1629), La virgen niña en éxtasis (1630), La Crucifixión (1630), Santa Águeda (1630), San Andrés (1630-1632), Santa Margarita (1631), San Hugo de Grenoble (1633), La defensa de Cádiz (1634), San Lourenzo (1636), La Anunciación (1638), Cristo en Emaús (1639), San Francisco en éxtasis (1639), San Jerónimo flagelado (1639), San Francisco arrodillado (1658), La Inmaculada Concepción (1661) e a La virgen (1661), entre outras.

Veja imagens