Vida CristãSantos franciscanos › 01/03/2018

São Francisco Fahelante

Mártir japonês da Terceira Ordem (+1597). Canonizado por Pio IX em 6 de junho de 1862.

Nascido em uma família pagã. Depois de um longo catecumenato foi batizado. Com entusiasmo viveu a sua fé, ingressou na Ordem Terceira Franciscana e tomou o nome de Francisco, por sua devoção a São Francisco de Assis. Ele ajudou os missionários na pregação do evangelho, como catequista na preparação para o batismo dos neófitos, assistência e cuidado dos doentes em hospitais que havia sido erguido ao lado dos conventos de Meaco, Osaka e Nagasaki; em escolas onde se acolhiam muitas crianças cristãs e pagãs, às quais recebiam uma educação sólida. A direção desses trabalhos foi confiada ao terceiro.

Então veio a perseguição que, como um furacão, tudo destruiu. Foi grande o sofrimento dos cristãos quando viram os pais e terceiros vinculados como criminosos e presos entre a brutalidade dos soldados e os insultos dos monges. São Pedro Batista, ao abandonar sua amada igreja de Santa Maria dos Anjos, testemunhou com tanto fervor de oração: “Ave, Maria, virgem sublime, exaltada sobre os anjos”. Quando a procissão chegou aos hospitais em São José e Sant’Ana, a emoção atingiu o seu auge.

Quando os pacientes curados, assistidos pelo amor dos frades e agora levados à morte, caíram em prantos: “E agora, o que será de nós? Quem vai nos ajudar a cuidar de nós? Quem irá confortar-nos em nosso sofrimento? Eles eram para nós, pais, benfeitores e anjos da guarda! ”

São Pedro Batista os consolou: “Coragem, meus filhos, lembrem-se que no céu há um Deus que é Pai, especialmente dos pobres e humildes. Confio-os à nossa Mãe Maria. Adeus, queridos filhos, adeus. Até o céu!”. Entre Osaka e Nagasaki aumentou o grupo com dois novos companheiros, Francisco e Pedro, que a princípio não eram do número dos mártires, mas foram convidados a acompanhá-los e ajudá-los durante a viagem. Eles tiveram que sofrer os insultos dos soldados, mas não quiseram ir embora, e, consequentemente, foram acorrentados e crucificados, no dia 05 de fevereiro de 1597.

Fonte: “Santos Franciscanos para cada dia”, Ed. Porziuncola.