O CarismaNotícias › 14/06/2018

Peçam prudência e sabedoria, aconselhou Frei João

santosnoite_130618G

Érika Augusto

Santos (SP) – Foi debaixo de muita chuva que os devotos de Santo Antônio do Santuário do Valongo celebraram procissão e a última Missa do dia do Padroeiro na cidade de Santos, litoral paulista. Os fiéis, que saíram em procissão pouco depois das 18 horas, tiveram que abrir o guarda-chuva para caminhar atrás do andor. No trajeto, Frei João Pereira Lopes, reitor do Santuário, convidou os presentes a rezarem pela paz nas famílias, no bairro, no local de trabalho e na sociedade.

A Missa de encerramento foi celebrada às 19 horas, num palco montado em frente ao Convento do Valongo. Nem a chuva, que caiu insistentemente durante o início da celebração, desanimou os presentes. De guarda-chuva em mãos ou se escondendo debaixo das barracas e dos toldos do comércio, os devotos prestaram sua última homenagem do dia a Santo Antônio.

santosnoite_1306182Em sua homilia, Frei João Pereira Lopes, recordou o tema da festa deste ano “Santo Antônio e os cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída, a serviço do Reino'” e afirmou que um leigo missionário precisa de duas características, conforme a primeira leitura, extraída do Livro da Sabedoria: “Orei, e foi-me dada a prudência; supliquei, e veio a mim o espírito da sabedoria”(Sb 7, 7).

“A prudência é uma virtude que nos dá a capacidade de fazer a escolha certa e encontrar os meios adequados para realizá-la”, explicou. E completou: “A sabedoria é a capacidade de saborear tudo aquilo que Deus criou para nós, sabendo fazer a escolha certa, aquela que agrada o Senhor Nosso Deus”.

Frei João afirmou que a sabedoria não se limita ao saber científico, pois muitas pessoas são muito sábias sem nunca terem tido a oportunidade de estudar. Estas pessoas, sobretudo as mais antigas, possuem um saber que não é ensinado nas universidades, e isto precisa ser valorizado.

O reitor pediu que os devotos rezassem, pedindo a luz do Espírito Santo. “Não podemos ser como as crianças, que entram em qualquer onda. Precisamos ser prudentes e sábios, para que não nos deixemos enganar pelas ondas, mas caminhemos com Jesus, iluminados pelo Espírito Santo. Que saibamos fazer a escolha daquilo que é verdadeiro e bom”, acrescentou, afirmando que Santo Antônio foi um santo grandioso porque tinha prudência e sabedoria.

Grupo Ação do Coração

Durante todo o dia, o grupo Ação do Coração esteve presente na festa do Valongo. A iniciativa surgiu a partir da morte do jovem ator Eduardo Furkini, da cidade de Santos, vítima de um infarto fulminante. A partir da confecção de corações de tecido, os voluntários querem despertar a consciência para o cuidado com a saúde, sobretudo as doenças cardíacas. No dia 2 de agosto haverá uma caminhada e culto ecumênico, cujo encerramento será no Santuário do Valongo. A data já consta no calendário oficial da cidade desde 2012.

378 anos de história na cidade de Santos

O histórico Santuário Santo Antônio do Valongo acolheu durante todo o dia centenas de fiéis, vindos de diversas localidades, que agradeciam as graças alcançadas. O local, de 378 anos, tem muitas histórias para contar. Ele abrigou, no ano de 1823, o Monsenhor Mastai Ferretti, Núncio Apostólico que estava a caminho do Chile quando teve que desembarcar no porto de Santos por problemas em sua nau. Mais de 20 anos depois, o Monsenhor foi eleito Papa, ganhando o nome de Papa Pio IX.

Em 1860, um episódio movimentou os devotos de Santo Antônio no Valongo. O ponto final da estrada de ferro da Companhia São Paulo Railway ficava ao lado da igreja. Para sua construção, foi demolida parte do convento, porém a empresa tentou demolir também a igreja. Quando os funcionários tentaram remover a imagem do padroeiro, ela tornou-se tão pesada, que nem todos os envolvidos conseguiram movê-la do lugar. Segundo conta a história, a partir deste episódio muitos se converteram, entre moradores e funcionários da antiga companhia.

CONFIRA COMO FOI A FESTA DO VALONGO NA PARTE DA MANHÃ