Vida CristãMeditação diária › 13/06/2018

Santo Antônio, instrumento nas mãos de Deus

Frase para refletir:

“Eu, Frei Francisco saúdo a Frei Antônio, meu bispo. Gostaria muito que ensinasses aos irmãos a sagrada teologia, contanto que nesse estudo não extingam o espírito da santa oração e da devoção, segundo está escrito na Regra. Passar bem” (Carta de São Francisco para Santo Antônio, 1224). Santo Antônio nasceu em Lisboa (Portugal) em 15 […]

antonio_130618

“Eu, Frei Francisco saúdo a Frei Antônio, meu bispo. Gostaria muito que ensinasses aos irmãos a sagrada teologia, contanto que nesse estudo não extingam o espírito da santa oração e da devoção, segundo está escrito na Regra. Passar bem” (Carta de São Francisco para Santo Antônio, 1224).

Santo Antônio nasceu em Lisboa (Portugal) em 15 de agosto de 1195 e foi batizado com o nome de Fernando. Ele faleceu em Pádua (Itália) em 13 de junho de 1231. Em sua juventude dedicou-se aos estudos de lógica, gramática, retórica, aritmética, música, geometria, astronomia, filosofia e teologia, tornando-se doutor. Lecionou também em Coimbra. O termo usado por São Francisco, “meu bispo”, expressa o grande respeito que ele tinha para o cargo de professor. Enquanto lecionava em Portugal, ficou impressionado com os primeiros frades franciscanos que foram martirizados pelos mulçumanos na Terra Santa.

Foi para Itália para conhecer os frades menores e possivelmente ir para a terra santa para catequizar os mulçumanos. Mas Deus tinha outros planos. Lá, ao ingressar na ordem dos frades menores (franciscanos) seu nome foi trocado para Frei Antônio, e virou auxiliar de cozinha nas tarefas humildes, mas exercidas com amor. Até o dia que um pregador amanheceu afônico e não tendo ninguém, mandaram então o cozinheiro Frei Antônio em seu lugar, e qual foi a surpresa de todos por seu vasto conhecimento das escrituras sagradas e a facilidade com a retórica.

endo conhecimento disso, São Francisco escreve esta carta citada e ele começa lecionar aos irmãos, sem deixar suas tarefas de cozinha. Sua santidade era tamanha que pregou até para os animais e estes o ouviam atentamente. Sua língua e as cordas vocais até hoje se conservam intactas. De seus ossos, cientistas forenses, puderam reconstruir seu corpo, o que revelou ser um homem de alta estatura. De todos os santos da Igreja Católica, ele foi o que teve seu reconhecimento recorde como santo em apenas três meses, devido a uma vida santa e aos inúmeros milagres realizados. Foi um instrumento das mãos de Deus para a santificação de muitas pessoas em seu tempo e até os dias de hoje.

Bom dia! Bom trabalho!

Reflexão feita por José Irineu Nenevê


Links:

Facebook: http://www.facebook.com/bomdiaebomtrabalho
Mensagens anteriores em www.maikol.com.br
Leia o Livro: “Bom dia e bom trabalho,  sabedoria para todos os dias”, Editora Vozes.