Notícias - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Frei José a Frei Marx: “Cuide-se, deixe-se cuidar e será capaz de oferecer cuidados”

12/05/2019

Notícias

Moacir Beggo

 Nilópolis (RJ) – O “Domingo do Bom Pastor” (12/5) foi o domingo em que Frei Marx Rodrigues iniciou o seu ministério presbiteral depois de ser ordenado sacerdote neste sábado por Dom Luciano Bergamin, bispo da Diocese de Nova Iguaçu. A Paróquia Santíssima Trindade, no bairro Olinda, em Nilópolis, foi escolhida por Frei Marx para acolher este momento histórico, já que é a sua comunidade de origem e a que o acompanhou desde os primeiros passos na formação cristã.

Frei Marx presidiu a Primeira Missa às 8h30, tendo seus confrades como concelebrantes, entre eles o Vigário Provincial, Frei Gustavo Medella, e Frei José Raimundo de Souza, que foi o escolhido para ser o pregador. Junto com o grupo do Serviço Franciscano de Solidariedade (Sefras), que veio de São Paulo para a sua ordenação, os fiéis da comunidade local e das comunidades vizinhas, parentes, amigos, religiosos e religiosas, seminaristas, todos fizeram questão de mostrar o quanto queriam fazer parte da felicidade de Frei Marx. No meio de sua festa, também teve espaço para homenagear todas as mães presentes.

Frei Gabriel Dellandrea fez os comentários da Celebração e lembrou que Frei Marx, a partir deste final de semana, será o pastor de muitas pessoas atendidas pelo Serviço Franciscano de Solidariedade, o Sefras, com sede em São Paulo. Esse especial devotamente pelos mais empobrecidos marcou as Primícias de Frei Marx.

Frei José Raimundo, que era chamado de “Pai Zé” por Frei Marx durante os estudos de Filosofia e Teologia, brincou que o apelido não tinha a ver com idade, pois era apenas “uns poucos anos mais velho que ele”. Na sua homilia, destacou alguns elementos que o neopresbítero não poderá deixar de considerar como religioso franciscano e ministro ordenado.

Segundo o pregador, o primeiro elemento é ouvir a voz do Pastor e ser um pastor. “Ouvir é adesão e seguimento convicto e confiante do único e verdadeiro Pastor. Permaneça com todos os sentidos atentos ao Senhor e, com confiança, deixe-se guiar por ele. Certamente, haverá momentos em que você não terá clareza suficiente para, tendo chegado numa encruzilhada, escolher o caminho que continua o projeto de Deus. Nesse momento será necessária a confiança da ovelha que se entrega ao pastor que a conduz em segurança para a pastagem ou para o redil. Experimente constantemente o cuidado generoso do verdadeiro Pastor e, a partir dessa experiência, você poderá ser um pastor conforme Jesus. Assim será capaz de perceber a voz do Senhor que ressoa em toda parte a partir de muitas direções, chegando aos nossos ouvidos pelos que passam fome, pelos que têm sede, pelos despidos, pelos doentes, pelos aprisionados. E lembre-se: o grande Pastor será sempre o Senhor e Mestre”, explicou.

O segundo elemento é amar Jesus amando os que a Ele pertencem. “Você fala de amor algumas vezes na entrevista dada às ‘Comunicações’ da Província. Eu diria a você: Permanecer no amor de Jesus é ser o discípulo amado que ama Jesus amando os que a Ele pertencem. Muitos desses serão confiados a você. Um teólogo afirma que a misericórdia é o amor em ação. A solidariedade, o perdão, a acolhida, um abraço, um encontro, tudo isso é obra de misericórdia e é amor operativo”, disse.

Já no terceiro elemento, Frei José pede para que esteja sempre em plena comunhão com Deus. “Seja identificação aos que te procurarem em busca de ajuda e consolo e vejam em você o semblante de Cristo. E lembre-se, não serão necessárias obras ou acontecimentos extraordinários para que vejam em você o próprio Cristo. Isso acontecerá no cotidiano, nos gestos mais simples como a acolhida a alguém, quem sabe, um abraço, a exemplo de Francisco que acolheu, abraçou e beijou o pobre leproso”, ensinou.

Por último e quarto elemento, “Seja luz conforme o Senhor te fez”. Segundo o pregador, ser luz é levar a salvação, é libertar os filhos de Deus, devolvendo-lhes a dignidade perdida, muitas vezes não por própria responsabilidade, mas porque lhes tiraram a dignidade, pois, por exemplo, uma coisa é ser pobre, outra é ser vítima de sistemas, esquemas e estruturas que empobrecem. “Ser Luz é levar a salvação até os confins da terra, isto é, indistintamente, sem qualquer preferência, acepção, até ao submundo, onde os humanos foram desumanizados”, ressaltou.

Para Frei José, a atitude de Frei Marx será a de Jesus e de Francisco, colocando-se ao lado dos sem voz e sem vez, do pobre e do leproso, pois é permanecendo com eles que poderá levantar o caído, curar suas feridas, saciar a fome, transformar o mundo conforme o reino de Deus. “Cultive a sensibilidade de Jesus e de Francisco de Assis a fim de perceber todos os que, tocando ou puxando a barra do seu hábito, clamarem por ajuda. Você disse em entrevista às ‘Comunicações’ da Província que ser presbítero é ser menor e servo. É desse modo, com essas atitudes, que você desempenhará seu ministério a fim de humanizar os desumanizados.

Sua forma de vida religiosa franciscana e, agora, seu ministério presbiteral exigirão de você perseverança e serviço insistente, por vezes, desgastante. O serviço será prestado em favor de pessoas muitas com as quais você já convive no dia a dia do seu trabalho no Sefras, que vivem em situações acidentadas, ora sendo preciso remover o que sobra, ora tendo que preencher vazios”, lembrou.

Rosângela Pezoti, do Serviço Franciscano de Solidariedade

Aconselhando o neopresbítero, o pregador pediu para nunca se afastar daquilo que é próprio dos frades franciscanos: a vida de oração, escuta atenta da Palavra de Deus, humildade, minoridade e vida fraterna. “Obtenha desses fundamentos franciscanos a seiva que nutrirá sua vida religiosa e seu ministério presbiteral. É fortalecido que você poderá dedicar-se vigorosamente ao Povo de Deus. Cuide-se, deixe-se cuidar e será capaz de oferecer cuidados”, indicou.

Lembrando São Francisco de Assis – “Devem alegrar-se, quando conviverem entre pessoas insignificantes e desprezadas, entre os pobres, fracos, enfermos, leprosos e os que mendigam pela rua” (RNB 9,2) – Frei José deu uma direção a Frei Marx. “Mantenha sua simpatia acolhedora e continuará, como Jesus, atraindo pessoas e oferecendo a elas conforto, enxugando as lágrimas, e conduzindo-as para as fontes de água viva, perpetuando na história os feitos libertadores e redentores do Cordeiro”, completou.

AGRADECIMENTOS

No final da Celebração Eucarística, as homenagens vieram de todas as Comunidades de Nilópolis e do Sefras. Segundo Rosângela Pezoti, a paquera com Sefras já vinha acontecendo antes de ser transferido para o Serviço de Solidariedade da Província. “Por isso, foi uma alegria muito grande para nós”, disse Rosângela. “A gente vive tempos muitos difíceis, a população que nós atendemos sofre com muita violência, perseguição e intolerância. Mas nós vivemos também um período de muita esperança e persistência. E para nós, ter mais pessoas que sonham o nosso sonho é muito importante, porque nós trabalhamos e sonhamos com um mundo mais justo e fraterno. Nós queremos que este mundo se transforme. É para isso que o Sefras existe. E mesmo com muitas dificuldades, você pode ter certeza, Frei Marx, a gente não vai soltar a mão um do outro”, garantiu Rosângela.

Frei Marx agradeceu o Sefras pela homenagem e fez um agradecimento especial ao trabalho da Comunicação da Província. Ele também recebeu uma carinhosa homenagem dos coroinhas da Paróquia Santíssima Trindade, onde atuou como jovem. Frei Vítor Amâncio falou pelo Serviço de Animação Vocacional, responsável por toda a preparação da Semana Missionária na cidade.

No final, Frei Marx apresentou os seus confrades Frei Gabriel Dellandrea e Frei Canga Mazoa, que foram aprovados para fazer profissão solene, e Frei José Morais Cambolo, que vai ser ordenado diácono. Não estavam presentes mas também foram citados os frades aprovados para a profissão solene: Frei Hugo Câmara dos Santos, Frei Roger Strapazzon e Frei Santana Sebastião Cafunda.


VEJA MAIS IMAGENS DA PRIMEIRA MISSA DE FREI MARX