Notícias - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Frei Alan Maia será ordenado presbítero

30/09/2017

Notícias

Moacir Beggo

O carioca Frei Alan Maia de França Victor será ordenado presbítero por Dom Orani João Tempesta no dia 30 de setembro, às 17 horas, na Paróquia São Judas Tadeu, em Bangu, Rio de Janeiro. Nesta mesma Paróquia, no dia 1º de outubro, às 9h30, ele vai celebrar a Primeira Missa, e terá como pregador Frei Alexandre Magno da Silva. Às 18 horas, ele celebrará na Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem, onde reside. Seu lema é: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque Ele me ungiu para anunciar a Boa-nova aos pobres”.

Natural do Rio de Janeiro, onde nasceu no dia 5 de fevereiro de 1980, no bairro de Bangu, Frei Alan é filho de Marinaldo e Anita Maria de França Victor e irmão de Aline, quatro anos mais nova. Há onze anos, quando ainda trabalhava numa empresa particular de Banco de Sangue, decidiu buscar orientação vocacional. “Sentia o desejo de servir à Igreja de uma forma mais radical, participava ativamente da Paróquia São Judas Tadeu, onde fui coroinha por 7 anos, atuei como coordenador dos coroinhas por três anos, frequentei várias pastorais na Paróquia, era membro do conselho paroquial e do círculo bíblico de jovens. Participando das atividades da Paróquia, o pároco sempre me incentivava a participar do grupo vocacional do Vicariato oeste da Arquidiocese do Rio de Janeiro, que tinha sua sede em Bangu. Era um padre muito bom que coordenava este grupo, com meninos e meninas, e direcionava para o seminário ou casa religiosa, conforme a busca pessoal de cada um”, conta Frei Alan, até que, com ajuda da Internet, fez contato com a Província da Imaculada e no dia 14 de fevereiro 2007 ingressava no Seminário de Ituporanga. No ano seguinte, fez o Postulantado. Depois de um ano de noviciado, professou temporariamente na Ordem dos Frades Menores no dia 3 de janeiro de 2010. Frei Alan cursou Filosofia em Rondinha e Teologia em Petrópolis, onde morou de 2013 a 2014 no Sagrado e, de 2015 a 2016, na Fraternidade Nossa Senhora de Guadalupe. Professou solenemente na Ordem dos Frades Menores no dia 6 de dezembro de 2014 e, ao concluir o Curso de Teologia, foi transferido no dia 22 de dezembro de 2016 para a sua atual residência: a Paróquia da Rocinha. Nesta entrevista, Frei Alan fala sobre este momento importante na sua vida religiosa.

Site Franciscanos – Como você define o ministério sacerdotal?

Frei Alan – Defino o ministério sacerdotal como sendo exercido por um homem que ensina em nome de Cristo. O sacerdote não fala “de si”, não fala “para si”, mas propõe a Verdade que é o próprio Cristo, a sua Palavra, o seu modo de viver. Pela ordenação, o ministro ordenado não se pertence a si mesmo, mas a Cristo e à Igreja. O sacerdote não ensina as suas próprias ideias, sua função é agir em nome de Cristo. Jesus subiu a montanha e chamou os que ele quis (Mc 3,13). Essa é a razão do chamado sacerdotal: o querer de Deus, totalmente independente das qualidades pessoais daquele que é chamado. A vocação sacerdotal é, por isso, dom totalmente gratuito. Ninguém tem “direito” a recebê-la. O sacerdócio é assumido pelo frade menor como forma de serviço à Igreja.

Chamado por um ato de amor a ser frade menor e a serviço do ministério ordenado, na gratuidade, devo amar a Igreja como Cristo a amou, consagrando a ela todas as minhas energias e oferecendo quotidianamente a minha própria vida.

O sacerdócio é um dom. Escolhido entre homens e constituído em favor de todos, é discípulo servidor do povo de Deus. Na busca contínua da santidade de vida e no encontro pessoal com o Cristo ressuscitado, como frade menor quero buscar e ter verdadeira paixão pelo Reino, profunda compaixão pelo próximo, sobretudo os mais pobres e sofredores. No dia da ordenação presbiteral, o frade torna-se, na Igreja e para a Igreja, imagem real, viva e transparente de Cristo Sacerdote.

O povo de Deus espera do padre que seja sinal da bênção de Deus, tornando presente a sua bondade no mundo atual. Que sejamos amigos na fé, anunciadores de Cristo. Como frade menor, ao exercer este ministério, vou procurar ser profundamente um homem de busca na oração, encontrando na Palavra de Deus a fonte de minha fidelidade e espiritualidade franciscana, no serviço e administração dos sacramentos. Seguindo o exemplo de Maria, mãe de Jesus Cristo e nossa mãe, quero colocar-me sempre a serviço dos irmãos e irmãs.

Site Franciscanos – Quais as suas expectativas como presbítero na Igreja do Papa Francisco?

Frei Alan – Minhas expectativas são de ser um presbítero servidor, transmitir a beleza do encontro com Jesus Cristo, anunciar o Evangelho com alegria e esperança, estar no meio do povo a partir da nossa vida e espiritualidade franciscana, ser sinal de Deus entre os irmãos e irmãs, escutar com caridade o povo. O sacerdote é aquele homem que está sempre a caminho e junto com o povo. Ser presbítero hoje é doar a vida pelo Senhor e pelos irmãos.

Nos dias atuais, o sacerdote deve ser um homem que conhece Jesus a partir de dentro, que se encontrou com ele e aprendeu a amá-lo. Quem coloca a sua vida a serviço do Cristo sabe que é sempre um que semeia, um outro que colhe.

O Papa Francisco falando aos seminaristas (11/12/2016) descreveu o ministério de um presbítero através de uma tríplice pertença: ao Senhor, à Igreja, ao Reino. “Somente se pertencermos a Cristo, à Igreja e ao Reino podemos crescer, superando os obstáculos como a perigosa tentação do narcisismo”. Na realidade atual é uma maneira profética de ser Igreja no serviço do ministério ordenado hoje. Ser homem de relação com os outros, ser homem de relação com Cristo, com todas as pessoas. Ir ao encontro dos excluídos e marginalizados, experimentar a beleza da fraternidade, ser sinal do amor e da graça de Deus. Na alegria e consciência de ter um tesouro incorruptível em um vaso de barro. Viver o ministério que pela imposição das mãos do bispo vou receber a partir do lema que escolhi: O Espírito do Senhor está sobre mim, porque Ele me ungiu para a Boa-nova aos pobres (Lc 4, 18a).

Site Franciscanos – O que diria para um jovem que procura a vida religiosa franciscana?

Frei Alan – A vocação à vida religiosa hoje exige que o vocacionado tenha o desejo de servir e dedicar sua vida como Jesus. Entrega total nas mãos de Deus. Amar a Igreja de todo o coração como ela é. O frade menor é aquele que assumiu viver o Evangelho de Cristo nas pegadas de São Francisco. A finalidade da vida religiosa franciscana é a imitação de Jesus Cristo. Estamos vivendo hoje em uma época de grandes transformações, o que nos leva a pensar que os desafios se multiplicam. É preciso saber responder como São Francisco de Assis: “É isto que eu quero, é isto que eu procuro, é isto que eu desejo fazer do íntimo do coração” (1 Cel 8,22). O objetivo da vida religiosa franciscana consiste na configuração com ao Senhor. Trata-se de um itinerário, uma busca de experiência com Jesus Cristo e com os irmãos e irmãs, a exemplo de São Francisco e Santa Clara de Assis. Nosso pai Francisco tornou-se assim um mestre no seguimento de Jesus. Para os candidatos à vida religiosa franciscana, digo que vale a pena viver este nosso modo de vida na minoridade, na fraternidade e a serviço do Evangelho. “A Regra e a vida dos Frades Menores é esta: observar o santo Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, vivendo em obediência, sem nada de próprio e em castidade.” (RB 1,1). Venha ser um frade menor, a vida franciscana tem muito a oferecer ao mundo de hoje. Deus continua ainda a chamar os jovens. Ajudemos a “voz de Deus” a tocar o coração da juventude e acolhamos os que a conseguem escutar e procuram dizer sim!

freialan_180917-convite