Notícias - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Ciro Barcelos leva “Auto de São Francisco” para as Missões Franciscanas da Juventude

08/10/2019

Notícias

O ator, bailarino, coreógrafo e encenador Ciro Barcelos, conhecido nacional e internacionalmente, estará em Xaxim (SC) para as Missões Franciscanas da Juventude, de 29 de janeiro a 2 de fevereiro de 2020. A informação foi dada hoje (8/10) pelo coordenador das Missões Franciscanas, Frei Diego Melo, depois do encontro que teve com o ator no Convento Santo Antônio do Pari, ontem à tarde (07/10).

“Creio que a presença do Ciro Barcelos na MFJ, além de ser o coroamento da Serata Laudato Si’, mostrará aos jovens que é possível, a partir das diferentes profissões e caminhos, viver e divulgar o carisma franciscano. Certamente, será um bonito testemunho do trabalho de evangelização realizado com qualidade e profissionalismo”, acredita Frei Diego, explicando que o ator teve a oportunidade de conhecer um pouco do trabalho que é realizado com as juventudes na Província da Imaculada Conceição. “Ele disse estar maravilhado com tudo isso e que, poder apresentar a figura de São Francisco a todos esses jovens através da arte, será um privilégio muito grande”, contou Frei Diego. O ator rejeitou a hospedagem em hotel e prefere ficar hospedado no convento, com os frades, para poder participar de todo o evento. “Disse estar com saudades de sentir toda essa energia franciscana”, revelou Frei Diego.

O autor e diretor do musical “Francisco de Assis”, que esteve em cartaz por doze anos no Brasil, irá apresentar o “Auto de São Francisco”. Nessa peça, ele retomará e adaptará partes do seu musical “Francisco de Assis” e do “Eco-Show”.

O artista Ciro Barcelos, depois de fazer uma experiência nos conventos de Assis, onde Francisco viveu, criou o musical teatralizado, quando o apresentou com grande sucesso, pela primeira vez, no Encontro Internacional do Meio Ambiente, realizado em Roma no ano de 2002. “Entendi que minha missão não era largar o teatro, a vida artística, a minha vocação verdadeira e, sim, transmitir aquele testemunho de vida para as pessoas”, disse na época.

“Nossos jovens são muito sensíveis ao mundo da poesia, da dança, do canto e da arte em geral. Assim, penso que também temos que aproveitar desse instrumento para transmitir a nossa mensagem evangélica e franciscana de modo eficaz e eloquente. Aliás, o próprio São Francisco foi um amante das diferentes expressões da beleza, pois seus louvores, seu canto, sua dança e sua forma entusiasta de se relacionar com as pessoas e com Jesus revelam o quanto o seu olhar poético e artístico o aproximavam do sagrado”, explica Frei Diego.

Ciro Barcelos aprimorou a sua metodologia de trabalho através de estudos na área da psicologia como terapeuta corporal e através de vivências espirituais. Sua formação artística passa pelas escolas de teatro Martins Pena (RJ), Theatre du Silence (Paris), mimica com Marcel Marceau (Paris) Palhaçaria teatral. Na dança estudou balé clássico com as mestras russas Tatiana Leskova e Eugênia Feodorova. Integrou a companhia da corógrafa Pina Bausch (Alemanha) e o Balé do Século XX de Maurice Bejárt (Bélgica).  Cursou também a escola de balé do Teatro Opera de Paris. Viveu na Índia e Turquia onde se aprofundou nas técnicas de dinâmicas do autoconhecimento. Cursou também a escola de balé do Teatro Opera de Paris. Viveu na Índia e Turquia onde se aprofundou nas técnicas de dinâmicas do autoconhecimento e libertação do ator.

Segundo Frei Diego, Ciro também se predispôs a dar uma oficina aos jovens. Ele levará para os jovens em Xaxim a oficina ‘O Ator e o Movimento’, que tem como objetivo despertar e conscientizar o ator para o papel decisivo desempenhado pelo corpo em sua atuação. “A expressão corporal, a voz, a palavra, tudo é movimento, e para isso, se faz necessário recuperar a energia escondida e adormecida em nosso corpo grosseiro, instrumento da interpretação”, explica Barcelos. Segundo ele, trata-se de uma provocação através de dinâmicas corporais que possibilitam um desbloqueio interno e uma percepção mais apurada de si próprio. “E, consequentemente, de sua interpretação, pois o ator deve primeiramente se conhecer, saber interpretar a si mesmo, para melhor compreensão do outro”, observa o autor.


SERATA LAUDATO SI’

A “Serata Laudato Si’”, a que Frei Diego se refere acima, é um evento cultural que promove a mensagem da Encíclica Laudato Si’, sobre o cuidado da Casa Comum, escrita pelo Papa Francisco. Ela irá acontecer pela terceira vez depois do lançamento da Encílica Laudato Si’. A primeira foi em Roma e a segunda na Cidade do Panamá.  O objetivo é conscientizar sobre a crise climática, através da arte, da cultura e da música, bem como proporcionar um espaço de conversão ecológica em favor das gerações futuras.

A terceira edição da “Serata Laudato Si’” será organizada conjuntamente com as Missões Franciscanas da Juventude e o departamento de Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC) da Ordem dos Frades Menores. A promoção e a vivência dos valores da encíclica Laudato Si’ é o que tem fortalecido essas organizações em um trabalho conjunto para organizar essa nova versão da “Serata Laudato Si’”.

As Missões Franciscanas da Juventude é um evento promovido pela Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil, voltado para jovens que desejam vivenciar um tempo forte de oração, reflexão e missão de solidariedade e encontro com as mais variadas periferias geográficas e existenciais.

A Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC) é um departamento da Ordem dos Frades Menores que se empenha para que estes valores mencionados sejam parte da vida e missão dos franciscanos. Por meio da opção pelo cuidado da criação, promovem diversas ações e contribuições com subsídios para a Família Franciscana, para Igreja e para a sociedade civil.

É possível necessitar de pouco e viver muito, sobretudo quando se é capaz de dar espaço a outros prazeres, encontrando satisfação nos encontros fraternos, no serviço, na frutificação dos próprios carismas, na música e na arte, no contato com a natureza, na oração. A felicidade exige saber limitar algumas necessidades que nos entorpecem, permanecendo assim disponíveis para as múltiplas possibilidades que a vida oferece. (LS 223)