Notícias - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Mudamos o mundo com a revolução da ternura

27/04/2017

Notícias

papa_270417_g

Cidade do Vaticano – O Papa Francisco enviou uma mensagem de vídeo aos participantes do TED2017, encontro que reúne expoentes mundiais do campo da economia, ciência e cultura, em Vancouver, no Canadá, sobre o tema “The future you” (Você é o futuro). “Num mundo em que a economia parece se importar mais com as coisas do que com as pessoas, a revolução da ternura é necessária para colocar as pessoas novamente no centro”, afirma o Papa, sublinhando que para mudar o mundo não devemos nos voltar para nós mesmos, mas ouvir os outros, sobretudo o grito dos pobres e da Terra, nossa Casa comum.”

Precisamos dos outros

“A existência de cada um de nós está ligada à existência dos outros. A vida não é tempo que passa, mas tempo de encontro”, disse ainda o Papa na mensagem de vídeo, dedicada à fraternidade e à solidariedade num mundo muitas vezes desfigurado pelo egoísmo, pelas guerras e por uma economia centrada nas coisas e nãos nas pessoas.

“Espero que este encontro nos ajude a recordar que precisamos uns dos outros, que ninguém é uma ilha, um eu autônomo e independente dos outros. Podemos construir o futuro somente juntos, sem excluir ninguém. Muitas vezes não pensamos, mas na realidade tudo está coligado e precisamos cuidar novamente de nossas ligações: até mesmo aquele julgamento duro que carrego no coração contra o meu irmão ou irmã, aquela ferida não curada, aquele mal não perdoado, aquele rancor que me fará somente mal, é um pedaço de guerra que carrego dentro de mim, uma chama no coração que deve ser apagada a fim de que não se transforme num incêndio e não deixe cinzas.”

Mais inclusão

“Muitos, hoje”, prossegue o Papa, “não acreditam que seja possível um futuro feliz. Esses temores podem ser superados se não nos fecharmos em nós mesmos”. Francisco chama a atenção para a necessidade de uma “maior equidade e inclusão social”.

“Como seria bom se, enquanto descobrimos novos planetas distantes, redescobríssemos as necessidades do irmão e da irmã que estão orbitando ao meu redor! Como seria bonito se a fraternidade, palavra tão bonita e às vezes incômoda, não se reduzisse somente a assistência social, mas se tornasse o comportamento principal nas escolhas políticas, econômicas e científicas, nas relações entre pessoas, povos e países. Somente a educação para a fraternidade, para a solidariedade concreta, pode superar a cultura do descarte que não diz respeito somente ao alimento e aos bens, mas sobretudo às pessoas marginalizadas pelos sistemas tecnológico e econômico que muitas vezes colocam no centro não o ser humano, mas os produtos do ser humano.”

Solidariedade

“A solidariedade não é um mecanismo automático, não pode ser programada ou comandada: é uma resposta livre que nasce do coração de cada um. Se a pessoa entende que a sua vida, até em meio a contradições, é um dom, que o amor é fonte e sentido da vida, como pode reter o desejo de fazer o bem aos outros?” O Papa destaca a criatividade do amor que não se contenta de bons propósitos.

“Precisamos sempre do outro, de um você, um irmão do qual cuidar.” A esse propósito, o Papa recorda a Parábola do Bom Samaritano: “A história do Bom Samaritano é a história da humanidade de hoje. No caminho dos povos existem feridas provocadas pelo fato de que no centro está o dinheiro, as coisas e nãos as pessoas. Há o costume muitas vezes de quem se considera ‘bom’ de não se importar com os outros, deixando muitos seres humanos, povos inteiros para trás, no chão pelas ruas. Há também quem dá a vida por um mundo novo, cuidando dos outros por conta própria. De fato, Madre Teresa de Calcutá dizia: «Não é possível amar a não ser às próprias custas»”.

Esperança

“Graças a Deus nenhum sistema pode anular a abertura ao bem, a compaixão, a capacidade de reagir ao mal que nasce do coração humano. Na noite dos conflitos que estamos vivendo, cada um de nós pode ser uma vela acesa que recorda que a luz prevalece sobre as trevas, não o contrário.”

O Papa evidencia o valor da esperança, “virtude de um coração que não se fecha na escuridão, não para no passado, não vive sem objetivo no presente, mas sabe ver o amanhã”.

“A esperança é a porta aberta para o futuro. Basta um só homem para que haja esperança, e aquele homem pode ser você”, disse Francisco.

Ternura é a linguagem dos pequenos

Francisco se concentra no tema da ternura, a ele tão querido: “O que é a ternura? É o amor que se faz próximo e concreto. É um movimento que parte do coração e que chega aos olhos, aos ouvidos e mãos. A ternura é usar os olhos para ver o outro, usar os ouvidos para ouvir o outro, para escutar o grito dos pequenos, dos pobres, de quem teme o futuro; ouvir também o grito silencioso de nossa Casa comum, da Terra contaminada e doente. A ternura significa usar as mãos e o coração para acariciar o outro. Para cuidar do outro.”

“A ternura é a linguagem dos pequenos, de quem precisa do outro, das crianças e seus pais. Gosto de ouvir quando um pai ou uma mãe conversa com seu filho pequeno, quando se fazem pequenos, falando como a criança.”

papa francisco_2704

Ternura não é fraqueza, é fortaleza
É a ternura do “abaixar-se ao nível do outro como Deus fez conosco. A ternura é o caminho que percorreram as mulheres e homens corajosos e fortes. A ternura não é fraqueza, é fortaleza”: “Permitam-se dizer claramente: quanto mais você é forte, mais as suas ações têm um impacto sobre as pessoas e mais você é chamado a ser humilde. Caso contrário, o poder acaba com você e você acaba com os outros. Na Argentina, se dizia que o poder é como o gim tomado em jejum: faz a cabeça girar, deixa a pessoa embriagada, faz perder o equilíbrio, leva a pessoa a fazer mal a si e aos outros se não for colocado junto com a humildade e a ternura. Com a humildade e o amor concreto, o poder, o mais alto, o mais forte, se torna serviço e difunde o bem.”

“O futuro da humanidade não está somente nas mãos dos políticos, dos grandes líderes e grandes empresas. Sim, a responsabilidade deles é enorme, mas o futuro está sobretudo nas mãos das pessoas que reconhecem o outro como um ‘você’, e a ‘si’ mesmo como parte de um ‘nós’.”

MISSA EM SANTA MARTA

O cristão é testemunha da obediência, e a consequência disto, são as perseguições. Foi o que afirmou o Papa Francisco na Missa celebrada esta manhã na Capela da Casa Santa Marta, fazendo alusão ao que disse Pedro na leitura dos Atos dos Apóstolos, de que “é preciso obedecer a Deus antes que aos homens”.

Pedro, de fato, deu esta resposta ao ser levado junto com os apóstolos diante do Sinédrio, após terem sido libertados da prisão por um anjo. Haviam sido proibidos de ensinar em nome de Jesus – os havia recordado o sumo sacerdote – mas encheram Jerusalém com os seus ensinamentos.

A homilia do Papa Francisco parte deste episódio narrado na primeira leitura, extraída dos Atos dos Apóstolos. Para fazer compreender este acontecimento, o Papa faz referência também ao que foi narrado anteriormente pelos Atos, nos primeiros meses da Igreja, quando a comunidade crescia e aconteciam tantos milagres.

Havia a fé do povo, mas havia alguns “espertalhões” – foi o alerta do Papa – “que queriam fazer carreira”, como Ananias e Safira.

O mesmo acontece hoje – enfatiza Francisco – assim como o desprezo das pessoas ao ver os doentes sendo levados até os apóstolos.

Assim, cheios de inveja, os chefes pegaram os apóstolos e os trancafiaram na prisão. Pedro, que por medo havia traído Jesus na Quinta-feira Santa, desta vez, corajoso, responde “que é necessário obedecer a Deus antes que aos homens”.
Uma resposta que faz portanto entender que “o cristão é testemunha da obediência”, como Jesus que se aniquilou no Jardim das Oliveiras e disse ao Pai: “Faça-se segundo tua vontade, não a minha”: “O cristão é um testemunho da obediência e se nós não estamos neste caminho de crescer no testemunho da obediência, não somos cristãos. Pelo menos caminhar por esta estrada: testemunha de obediência. Como Jesus. Não é testemunha de uma ideia, de uma filosofia, de uma empresa, de um banco, de um poder, é testemunha de obediência. Como Jesus”.

Mas tornar-se testemunha de obediência” é “uma graça do Espírito Santo”, explica o Papa: “Somente o Espírito pode nos fazer testemunhos de obediência. “Não, eu vou naquele mestre espiritual, eu leio este livro…”. Tudo está bem, mas somente o Espírito pode transformar o nosso coração e pode nos fazer a todos testemunhas de obediência. É uma obra do Espírito e devemos pedir a ele, é uma graça a ser pedida: “Pai, Senhor Jesus, envia-me o teu Espírito para que eu me torne uma testemunha de obediência”, isto é, um cristão”.

Ser testemunha de obediência acarreta consequências, como narrado pela primeira leitura: depois da reposta de Pedro, queriam de fato levá-lo a morte: “As consequências do testemunho de obediência são as perseguições. Quando Jesus enumera as Bem-aventuranças termina com: “Bem-aventurados quando vos perseguirem e insultarem”. A cruz não pode ser tirada da vida do cristão. A vida de um cristão não é um status social, não é um modo de viver uma espiritualidade que me faça bem, que me faça um pouco melhor. Isto não basta. A vida de um cristão é o testemunho em obediência e a vida de um cristão é repleta de calúnias, boatos e perseguições”.

Para ser testemunhas de obediência como Jesus – conclui o Papa – é preciso rezar, reconhecer-se pecadores, com tantas “mundanidades” no coração e pedir a Deus “a graça de tornar-se um testemunho de obediência” e de não amedrontar-se quando chegam as perseguições, “as calúnias”, pois o Senhor disse que quando se for levado diante do juiz, “será o Espírito a nos dizer o que responder”.

papa_270417_2

AUDIÊNCIA

O Papa Francisco recebeu em audiência, nesta quinta-feira (27/04), na Sala Clementina, no Vaticano, duzentos e vinte e cinco membros da Papal Foundation, por ocasião de sua visita anual a Roma. Essa organização católica estadunidense sustenta obras caritativas em várias partes do mundo, em nome do Papa.

“O nosso encontro é permeado pela alegria do tempo pascal, em que a Igreja celebra a vitória do Senhor sobre a morte e o dom da vida nova no Espírito Santo. Desejo que essa peregrinação à Cidade Eterna os reforce na fé e na esperança, e no compromisso em promover a missão da Igreja, apoiando muitas iniciativas de natureza religiosa e caritativa presentes no coração do Papa.”

“O mundo atual, muitas vezes marcado pela violência, avidez e indiferença, precisa do nosso testemunho da mensagem de esperança na força redentora e reconciliadora do amor de Deus, que emana do Evangelho”, disse ainda o Pontífice, que agradeceu a Papal Foundation por apoiar os esforços da Igreja na proclamação dessa mensagem de esperança até os confins da terra e pelo trabalho em prol “do progresso espiritual e material de nossos irmãos e irmãs do mundo, especialmente nos países em via de desenvolvimento”.

“Cada um de nós, como membro vivo do Corpo de Cristo, é chamado a promover a unidade e a paz da família humana e de todos aqueles que a compõem, segundo a vontade do Pai, em Cristo.”

O Papa pediu aos membros da Papal Foundation para “rezar pelas necessidades dos pobres, pela conversão dos corações, a difusão do Evangelho e pelo crescimento da Igreja na santidade e zelo missionário”.

Antes de conceder a bênção apostólica, o Papa Francisco recomendou os membros da fundação e suas famílias à intercessão amorosa de Maria, Mãe da Igreja, e desejou-lhes alegria e paz no Senhor.