Notícias - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Francisco: não existe coração humano em que Cristo não queira e não possa renascer

09/11/2019

Papa Francisco


Cidade do Vaticano – No dia em que a Igreja celebra a Dedicação da Basílica de São João de Latrão, o Papa Francisco reuniu-se com a sua Diocese, a Diocese de Roma, para presidir à Santa Missa. A Basílica Lateranense é considerada a Igreja-mãe de todas as igrejas de Roma e do mundo, portanto esta festa celebra a unidade com a Sé romana. Antes da cerimônia, o Pontífice encontrou uma delegação do “Movimento ATD Quarto Mondo”, para rezar a oração dos fiéis junto à lápide em homenagem às vítimas da miséria, que se encontra no adro da Basílica.

Com efeito, em sua homilia, o Pontífice se dirigiu a toda a comunidade diocesana de Roma oferecendo três estímulos para meditação e oração.

Em movimento
À comunidade como um todo, Francisco pediu que seja como um rio e os seus afuentes: sempre em movimento, pronto “a escutar com o coração os seus pobres que clamam a Ele”.

“Encontrar os outros, entrar em diálogo com eles, ouvi-los com humildade, gratuidade e pobreza de coração… Eu os convido a viver tudo isto não como um esforço pesado, mas com leveza espiritual”, disse.

Aos presbíteros, o Papa recordou o coração deste ministério: ajudar a comunidade a estar sempre aos pés do Senhor para ouvir a Sua palavra, mantê-la distante de toda mundanidade, das más escolhas, de quem gostaria de desviá-la do caminho do Evangelho.

De fato, advertiu o Pontífice, qualquer outra ideia ou realidade que não seja o Evangelho fará ruir todo o edifício espiritual da Igreja.

Francisco manifestou a sua admiração pelos presbíteros da diocese, que aprendeu a conhecer de perto desde que se tornou Bipo de Roma. O Papa aprecia o modo como conhecem os bairros da cidade e a generosidade com a qual se dedicam aos pobres, deixando de lado os protagonismos pessoais.

Ninguém está condenado a estar separado de Deus
Por fim, o Santo Padre se dirigiu às equipes pastorais, dedicando a elas o Evangelho do dia, em que Jesus expulsa os mercantes do Templo.

Esta purificação do santuário era necessária, explicou o Papa, para que Israel descobrisse a sua vocação de ser luz para todas as pessoas. E quando pedem um sinal, Jesus afirma que reconstruirá o Templo em três dias.

“A vocês é confiada a tarefa de ajudar as suas comunidades e os agentes pastorais a alcançar todos os habitantes da cidade, identificando vias novas para encontrar quem está distante da fé e da Igreja”, disse.

Mas ao fazerem este serviço, recomentou Francisco, não se esqueçam disto: “não existe coração humano em que Cristo não queira e não possa renascer”. “Nas nossas existências de pecadores, com frequência acontece de nos afastar do Senhor e apagar o Espírito. Destruímos o templo de Deus que existe em cada um de nós.”

E mesmo assim, prosseguiu o Papa, isto jamais é uma situação definitiva, pois são suficientes três dias ao Senhor para reconstruir o templo dentro de nós. “Ninguém, por mais que esteja ferido pelo mal, está condenado sobre esta terra a estar para sempre separado de Deus”.

De maneira muitas vezes misteriosa, mas real, o Senhor abre nos corações novas brechas, desejos de verdade, de bem e de beleza. Diante das dificuldades e hostilidades, jamais se deixar bloquear e abrir à “ação imprevisível da graça”, concluiu o Papa Francisco.