Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

CF 2020: Reflexão sobre o olhar

10/02/2020

                                                                                                            Imagem ilustrativa (Spaniard Jose Tapiro Y Baro – 1863-1913)

Frei Luiz IakovaczNormalmente, enquanto a criança é amamentada, o olhar dela procura o da mãe e, ambas, entre murmúrios e sons indecifráveis, falam a linguagem do amor, só entendida pelo coração.  Jesus diz que o “olho é a lâmpada do corpo. Se o olho for puro, todo o corpo ficará iluminado” (Mt 6,22).

No transcorrer dos 56 anos de atividade, a Campanha da Fraternidade continua refletindo questões internas e externas da Igreja (ver), iluminando-as com a Bíblia (julgar) e sugerindo pistas de ação (agir). Sem excluir este paradigma, a CF/2020 debruça-se nas perguntas “Quem é meu próximo” e “Que devo fazer”?! (Texto-base p. 12, 3-4).

O pano de fundo é a Parábola do Bom Samaritano (Lc 10,25-37). A Lei Mosaica (Toráh) está diluída nos cinco livros do Pentateuco e nos 613 preceitos, acrescidos pela tradição. É um campo imenso. Os fariseus e doutores da Lei aplicavam-se em conhecê-los e se tornaram zelosos defensores e propagadores dos mesmos.

Mesmo que a pergunta, dirigida a Jesus, era para “pô-lo à prova” (v. 25), faz sentido a questão colocada pelo interlocutor: Qual é a essência de tudo isso?! Ele já o sabia, pois ele mesmo a responde (v. 27). Mas, querendo justificar-se, pergunta “Quem é meu próximo”?!

Como resposta, Jesus conta a parábola cujo ensinamento vai além da Toráh e tradições: o próximo ultrapassa os conceitos de sangue, nacionalidade e religião. “Próximo é todo aquele que se aproxima do outro e se compromete com ele” (Texto-base p. 13).

O sacerdote e o levita poderiam ter seus motivos para não socorrer aquele que fora assaltado. Talvez, porque “tinham compromissos”… o primeiro era responsável pelos holocaustos e, o outro, pela animação litúrgica e pela funcionalidade do Templo. Pode ser, também, que não o socorreram porque poderiam contaminar-se (Lv 21,11), ou porque não queriam interromper a viagem.

O samaritano, inimigo dos judeus, viu, aproximou-se, compadeceu-se, prestou os primeiros socorros, levou-o à hospedaria, cuidou dele, pagou as despesas e, ao retornar da viagem, tornaria a vê-lo (vv. 33-34).

Todo esse processo aconteceu porque “encheu-se de compaixão”. A etimologia desta palavra grega é “sofrer com – padecer com” o outro; significa, também, entranhas, vísceras. É diferente do “ter dó”. Este é um sentimento ocasional como, por exemplo, andando pela rua, alguém vê um necessitado, dá-lhe uma esmola e segue seu caminho. Essa compaixão não cria vínculos que comprometa as “entranhas”.

Ao contrário, Jesus quando “viu a multidão faminta” (Mc 8,2) sentiu compaixão; o mesmo sucede quando a viu “abatida como ovelhas sem pastor” (Mt 9,36). É como se tirasse uma foto e fosse impressa em suas entranhas/coração. Impossível esquecê-la porque começou a fazer parte de sua vida… é algo estrutural!

Quem tem esta postura de vida, ao ver o enterro do filho único de uma viúva, se aproxima dela e diz “não chore” (Lc 17,11-17). São palavras comprometedoras e solidárias e não simples jargão que o vento leva. O mesmo acontece no caminho do Calvário: as mulheres, ao vê-lo em tão lastimável estado, choram. Ele, esquecendo-se de si próprio, as consola dizendo que chorem por elas e seus filhos (Lc 23,27-28).

O Evangelho, por duas vezes, diz que Jesus chorou. A primeira foi diante do túmulo de seu amigo Lázaro. Ao ver as irmãs Marta e Maria chorando e, com elas o povo – Ele também chorou (Jo 11,35). É um amor, não expresso em “palavras, mas em atos e na verdade” (1 Jo 3,18).

A outra foi quando viu a cidade de Jerusalém. Chorou por causa de sua maldade e ingratidão: “Ah! Jerusalém que matas os profetas (…) quantas vezes quis reunir teus filhos como uma galinha reúne seus pintinhos e tu não quisestes” (Mt 23,34-35).

Há, também, o olhar de indignação. Certa ocasião, Jesus estava na sinagoga. Os fariseus o observavam se iria curar alguém, em dia de sábado, a fim de acusá-lo. “Jesus lançou sobre eles um olhar de indignação e tristeza” (Mc 3,5). Seria, mais ou menos, dizer-lhes: “Não me conformo que vocês valorizem as tradições sabáticas mais do que quando o Criador o instituiu… para vocês, são mais importantes que a vida”!

Este novo olhar da CF compromete a todos. Quem o assume, torna-se mais samaritano. Caso contrário, corre-se o risco da indiferença, como aconteceu com o sacerdote e o levita.

Em 2013, ao visitar Lampedusa para ver de perto a situação dos refugiados, o Papa Francisco exortou a todos para vencerem a “globalização da indiferença. (…) Se não somos capazes de perceber a desumana dor que existe ao nosso redor, também nós nos tornamos desumanos”.

Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
free download udemy course
download karbonn firmware
Download Premium WordPress Themes Free
udemy free download

Conteúdo Relacionado