Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

O frio físico e a friagem espiritual

08/07/2022

                                                    Imagem ilustrativa: Canva (www.canva.com/pt_br/modelos)

Frei Luiz Iakovacz

Ambos necessitam de cuidados e ambos fazem parte do mesmo corpo. São as duas pernas que o movimentam e os dois braços que executam trabalhos, em perfeita sintonia.

Quando Jesus diz a Nicodemos “o que nasce da carne é carne e o que nasce do espirito é espírito” (Jo 3,6), não significa dicotomia ou paralelismo. A ´carne ´ é tudo o que se refere à materialidade (comida, roupa, saúde, moradia…). São os direitos e deveres de cidadania que conduzem a uma vida digna.

Esta, porém, está subordinada à espiritualidade. Quando Deus criou o ser humano, ´modelou-o com argila do solo´; era como se fosse um boneco estático. Mas, ao ´soprar seu hálito, tornou-se um ser vivente´ (cf. Gn 2,7).

Após a multiplicação dos pães que saciou o povo – Jesus propõe um ´pão que dura eternamente, um novo maná que é Ele mesmo´. Tal ensinamento criou resistência nos ouvintes e muitos o abandonaram (cf. Jo 6,1-66).

No Sermão da Montanha, Cristo prioriza a vida interior, sem menosprezar a corporeidade: “Procurai, em primeiro lugar o Reino de Deus e sua justiça e tudo o mais vos será dado por acréscimo” (Mt 6,33).

É necessário que haja uma vigilância constante, porque a materialidade, expressa num capitalismo sofisticado e atraente, propõe que a segurança da vida e sua felicidade, está no acúmulo de bens materiais, ao ponto de dispensar o próprio Deus.

Jesus faz este mesmo alerta, numa parábola, em que um proprietário abasteceu todos os seus celeiros e disse: ´oh, minha alma, tens uma enorme quantidade de bens! Repousa, alegra-te, come, bebe, divirta-te´.

Jesus o chama de ´insensato´ porque, daqui a pouco, a materialidade do corpo voltará ao pó. Para quem ficará o que foi acumulado?!

E conclui: “assim acontece com aquele que ajunta tesouros para si e não é rico para Deus” (cf. Lc 12,16-21).

O materialismo capitalista, também, não nos deixa ver a realidade que está nosso redor.

Jesus conta a parábola do ‘rico opulento e o pobre Lázaro’. O primeiro só pensa em roupas sofisticadas e banquetes diários. Este frenesi da vida social, o deixou obcecado ao ponto de não ver o Lázaro que, na porta de sua casa, pedia comida e remédio para as feridas.

Os cães faziam-lhe companhia e lambiam as úlceras. Foram mais humanos que o dono da casa (cf. Lc 16,19-31).

Por outro lado, o rico Zaqueu, após o encontro pessoal com o Cristo, prometeu devolver o que roubara e que daria metade dos bens aos pobres. Jesus não lhe pediu, ele mesmo o fez. Isto lhe mereceu o conhecido mote “hoje entrou a salvação nesta casa” (cf. Lc 19,1-10).

Alguém poderá afirmar que Zaqueu agiu assim, pois estava possuído de uma incontida alegria em receber Jesus em sua casa e conversar, pessoalmente, com ele. E hoje?! Como ver Jesus?!

Se possuirmos, de fato, o ´sopro de Deus´, podemos vê-Lo na prática da cristã e amorosa caridade: comida, roupa, solidariedade, defesa da dignidade humana…feita por amor ao Reino.

Àqueles que assim agirem, Ele dirá: “Vinde e tomai posse do Reino […] Tudo o que fizestes a um desses pequeninos foi a mim que o fizeste” (Mt 25,40). Em Lucas, Ele faz esta proposta: “Fazei amigos com o dinheiro da iniquidade para que, quando este vier a faltar, eles vos recebam nas tendas eternas” (Lc16,9).

Por fim, o que Francisco tem a dizer sobre as vestes?!

Assim escreveu ele: “Os frades usem roupas vis e podem remendá-las com retalhos, com a bênção de Deus. Admoesto e exorto a não desprezarem nem julgarem aqueles que usam vestes macias e tomam comidas e bebidas finas” (Rb 2,17-18; Rnb 2,13-24).

Era assim que viviam os pastores e camponeses, com roupas vis. Os remendos são reforços para aquecer melhor determinadas partes o corpo (coluna, abdômen, coração…).

Francisco, também, tem um jeito sui generis para aquecer o corpo. Assim escreve Tomas de Celano: “Esse homem aquecia-se mais com o fogo divino que tinha por dentro, do que com a roupa que recobria o corpo. […] Quando o espírito está morno, a carne e o sangue precisam procurar o que é próprio para aquecerem-se” (2 Cel 69,1-4).

Mutatis mutandi, Francisco diz que o mesmo acontece na pregação. Quando esta é preparada com a meditação e a oração, da boca do pregador saem palavras aquecidas que atingem o coração dos ouvintes.

Jesus fez “arder o coração dos discípulos de Emaús” (Lc 24,32).

Resta-nos suplicar: Senhor Deus, que o teu “sopro nos torne seres vivos” (Gn 2,7) para levarmos a bom termo a obra iniciada” por Cristo e Francisco. Amém!


Frei Luiz Iakovacz, OFM, frade desta Província da Imaculada, é coordenador da Fraternidade Santo Antônio de Santana Galvão de Colatina (ES).

Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
free download udemy paid course
download mobile firmware
Download Premium WordPress Themes Free
download udemy paid course for free

Conteúdo Relacionado