Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Da Páscoa para o Natal

24/11/2022

                                                                Imagem ilustrativa: Canva (www.canva.com/pt_br/modelos)

Frei Luiz Iakovacz

Embora o início do Ano Litúrgico comece com o Ciclo do Natal, no primeiro domingo do Advento, cronologicamente, nem sempre foi assim.

Os primeiros cristãos celebravam um único fato: o da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus, vivamente, testemunhado pelos apóstolos. Àqueles que acolhiam este inédito anúncio, eram convidados a se reunirem, ao entardecer de todos os sábados, passar a noite em vigília e, ao raiar do domingo, “partirem o pão” (= Eucaristia).

A vigília era o momento próprio para o querigma (anúncio da doutrina de Cristo), preparação para o batismo e outros sacramentos. Este jeito de viver a fé, é testemunhado pela celebração que Paulo presidiu em Trôade (cf. At 20,7-12). Sem dúvida, no transcorrer da vigília, havia intervalos, lanches e/ou janta. São Paulo é muito enérgico ao corrigir os abusos ocorridos em Corinto (cf. 1Cor 11,17-34) e, provavelmente, em outras comunidades.

Advento e Natal não faziam partes integrantes dessas vigílias. Suas origens são posteriores e extra bíblicas.

No Hemisfério Norte, celebrava-se o Solstício do Inverno (25 de dezembro), isto é, quando a noite é a mais longa do ano e, consequentemente, o dia mais curto.  Paulatinamente, porém, o dia vai avançando noite adentro, até chegar ao Solstício do Verão, onde o dia e a noite se invertem em sua duração. O Solstício do Inverno era conhecido como o “Dies Solis Invictus” era uma grande festa e sua preparação variava conforme as regiões.

Na cultura mesopotâmica, por exemplo, faziam-na durante doze (12) dias. Na Grécia, o deus Mitra era o centro das atenções, porém, Baco contagiava a todos com abundante vinho. Em Roma, a festa durava sete (07) dias, homenageando Saturno, deus da agricultura. Havia muita comida, bebida, orgias! São as famosas “saturnálias” que terminavam no dia 25 com “rito de purificação e troca de presentes”. Os primeiros cristãos, durante quatro séculos conviveram com esta situação. Não tinham como ignorar tais fatos.

Com o passar dos anos, ressignificaram esta data, anunciando que Cristo é o “Sol nascente que veio nos visitar” (Lc 1,78). Esta ressignificação ganhou dois (02) grandes impulsos, durante o século IV.

Com o Edito de Milão (313), o Imperador Constantino permitiu que os cristãos realizassem seus cultos, publicamente. Alguns anos depois (380), Teodósio oficializou o cristianismo como religião oficial em todo o Império Romano.

Desde então, a preparação para 25 de dezembro era feita através do Advento (= estar esperando a chegada de alguém), cujas leituras enfocavam as duas vindas de Cristo. Os três (03) primeiros domingos visavam a segunda vinda de “Cristo que viria com poder e glória – não para salvar – mas para julgar” (Mt 24,30).

O fim dos tempos “não algo trágico, nem de destruição da História (Konings, Liturgia Dominical, p. 213), “nem de medo ou terror” (Lc 21,26). Para Paulo, o fim do mundo acontecerá quando Cristo entregar toda a obra da criação ao Pai e, então, “Deus será tudo em todos” (1Cor 15,28).

Por isso, através de Isaías e João Batista, personagens centrais deste tempo kairológico, fazem o constante apelo à conversão e à mudança de vida. Portanto, o tempo do Advento, bem como todo o Ano Litúrgico, é um contínuo processo de mudanças comportamentais e não uma sequência cronológica de “mais um Advento, mais uma Páscoa”.

Somente nos últimos sete dias (17 a 24 de dezembro – que lembram as saturnálias romanas) é que aparece a preparação próxima ao nascimento de Jesus. É o chamado “domingo de Maria” que, com seu sim, realiza a promessa do Messias que veio, não “para ser servido, mas para servir” (Mt 20,28). Maria é a expressão viva desse serviço quando diz ao anjo “eis aqui a serva do Senhor” (Lc 1,38). Pode-se dizer, então, que a Igreja é um contínuo advento até o retorno de Jesus.

Um dos símbolos mais significativos é a “Coroa do Advento”. Teve seu início na Alemanha, com o Pastor luterano Johann Wichern, em 1839. Ele trabalhava num orfanato, com crianças de rua. Para explicar-lhes o tempo do Advento, teve a seguinte ideia: desenhou um círculo com uma vela para cada dia; as velas menores representavam os dias de semana e, as maiores, os quatro domingos do Advento.  Os outros pastores gostaram da ideia e começaram a usar este símbolo, mas sem as velas pequenas. As grandes foram colocadas numa guirlanda, isto é, numa coroa enfeitada com folhagem verde.

Em 1925, a Igreja Católica adotou este símbolo e, desde então, começou a fazer parte do Advento.  Hoje, a Coroa está espalhada em toda parte: igrejas, lojas, portas das casas e, até, nas ruas.

Sejamos, nós também, portadores de um Cristo que se “fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14). A melhor maneira de fazê-lo é o serviço, pois Ele diz: “Minha comida é fazer a vontade do Pai” (Jo 4,34) e, Dom Demétrio Valentini acrescenta, “Diante de uma criança recém-nascida, o mundo é chamado a colocar-se ao serviço dela”.


Frei Luiz Iakovacz, OFM, frade desta Província da Imaculada, é coordenador da Fraternidade Santo Antônio de Sant’Anna Galvão de Colatina (ES).

 

Download WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
Free Download WordPress Themes
free online course
download samsung firmware
Free Download WordPress Themes
udemy paid course free download

Conteúdo Relacionado