Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

A família, como vai?

13/08/2019

Frei Luiz Iakovacz

Um dos grandes frutos do Concilio Vaticano II (1962 a 1965) é o de ter sido um “Concílio Pastoral”. De fato, seguidamente, os bispos conciliares insistem para que as Conferências Episcopais de cada país elaborem e executem planos pastorais, assumidos por todas as dioceses e paróquias. É a conhecida Pastoral de Conjunto.

Assim, desde 1964, a Campanha da Fraternidade foi sendo, paulatinamente, implantada e persiste até hoje. O mesmo aconteceu com o Mês Vocacional. Após experiências bem-sucedidas em vários pontos do Brasil, em 1983, a CNBB oficializou “Agosto, Mês Vocacional”.

No Evangelho, há o desafio de Jesus: “Sede santos como vosso Pai é santo” (Mt 5,48). Um dos meios para crescermos em santidade é a vivência da vocação. Assim, em cada semana, refletimos sobre uma delas: a sacerdotal (1º domingo), a familiar (2º domingo), a vocação religiosa (3º domingo) e a laical (4º domingo).

Vamos falar sobre uma delas: A família.

Em 1994, esta frase – “A família, como vai”? – fundamentou a CF daquele ano. Já se passaram 25 anos. O que mudou?! Que avanços foram constatados?!

A questão da Família – seus valores e contra-valores, os novos conceitos e os tradicionais – está na boca de todos os povos. É como se fosse o “ar que respiramos”. A Igreja, atenta a estes sinais, aponta caminhos e esperanças através das Jornadas Mundiais. Já são nove. A última foi em Dublin, na Irlanda, no ano passado. A próxima será em Roma em 2021. Sempre começa na terça-feira e termina no domingo. São dias de reflexão, palestras, celebrações, reavivamento dos valores/desafios da família e outros.

Outro grande impulso sobre a Família foi o Sínodo dos Bispos, realizado em duas etapas (2014/2015). O fruto desta assembleia foi a publicação do documento papal Amoris Laetitia (= A alegria do amor).

No Brasil, em 1992, criou-se a Semana Nacional da Família (do 2º domingo até o seguinte). O subsídio “Hora da Família” traz sete encontros para serem refletidos em grupos.

Não é só isso! Dom João Bosco, bispo de Osasco e responsável pela Pastoral Familiar, diz, também, que “é para sair do ambiente de Igreja e ir às escolas, associações, órgãos públicos para despertar o amor e proteção à Família”. Continua o Bispo: “Oriente-se os jovens e adolescentes, especialmente, aqueles que encontram problemas na convivência familiar e que se olhe com carinho os idosos, dando-lhes atenção e carinho”.

Também, nestes 25 anos de a “Família, como vai”, a Pastoral Familiar qualificou seus agentes, pois devem lidar com situações delicadas, como paternidade responsável, educação dos filhos, maternidade, aborto, famílias incompletas e irregulares, desquites, divórcios, formação segura e aberta sobre o Sacramento do Matrimônio e outros. Portanto, é uma gama de intenso trabalho e formação.

“Deus-Família”

Os cristãos professam a fé num só Deus em Três Pessoas. Cada uma tem sua identidade própria: o Pai é Pai, o Filho é Filho e o Espírito Santo é Espírito Santo. Três em Um. Assim também é a família: pai/mãe/filhos. Não são três famílias, mas uma só. Deus é o Criador de tudo o que existe. Ele é feliz em si mesmo e não precisa criar para que as criaturas O sirvam. Ele as criou para que participem da Sua felicidade. Assim também é a família: a maior felicidade é fazer o outro feliz.

No Monte Sinai, Deus fez uma aliança com Israel: “Vós sereis o meu povo e eu serei o vosso Deus”. O sinal da aliança foi o sangue de novilhos com o qual Moisés aspergiu o povo, dizendo “Este é o sangue da Aliança que Deus fez convosco” (Ex 24,5-8).

Quando o povo quebrou a Aliança, prestando culto a outros deuses, o profeta Oséias o acusa de “prostituição” (Os 5,3-4). Deus, porém, não desfez a Aliança e nem condenou o povo; ao contrário, vai seduzi-lo, leva-lo ao deserto e falar-lhe ao coração (Os 2,4-25). Este texto mostra a grandeza de Deus, o Esposo-traído, e é protótipo para todo e qualquer vocacionado.

Porém, o amor mais pleno e total, Ele o mostrou no Monte Calvário com a morte de seu Filho. Seu sangue derramado – não como o de um touro abatido, mas voluntariamente oferecido – é o “sinal da Nova e Eterna Aliança” (Lc 22,20) porque “prova de amor maior não há do que doar a vida pelo irmão” (Jo 15,13).


Frei Luiz Iakovacz é frade na Paróquia de Nossa Senhora do Rosário, em Concórdia (SC)

Download Best WordPress Themes Free Download
Download Premium WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
udemy course download free
download xiomi firmware
Premium WordPress Themes Download
udemy free download

Conteúdo Relacionado