Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

A construção de pontes para o diálogo ecumênico

29/01/2021

                                                                                 Ilustração do cartaz da Campanha da Fraternidade

Robson Ribeiro de Oliveira Castro

 Um “mundo novo” só será possível se formos construtores de pontes e caminharmos ao encontro dos mais necessitados. A mudança deve começar em nós e na nossa realidade. O tema da Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE) deste ano é: “Fraternidade e Diálogo, compromisso de amor”. O lema é: “Cristo é a nossa paz: do que era dividido fez uma unidade” (Ef, 2,14).

A proposta de uma unidade é o caminho de um autêntico servidor. Cristo foi exemplo de homem frente aos problemas de seu tempo e de sua sociedade. Viveu a vida com as dificuldades de qualquer pessoa de sua época e soube observar os desígnios de Deus e escutou o seu chamado. No texto base, página 10, há a proposta do “o diálogo e construção de pontes de amor e paz em lugar dos muros de ódio.” Assim, cabe a cada um de nós, membros de qualquer denominação religiosa ou movimento, que possamos seguir em frente na construção de pontes e não de muros.

A CFE 2021 usará o método da caminhada, como os discípulos de Emaús. VER: de que estamos falando; JULGAR: iluminação da Palavra; AGIR-CELEBRAR: Construção de pontes. Também está em harmonia a nova encíclica do Papa Francisco, Fratelli tutti (FT) sobre a fraternidade e a amizade social.

Atento às diversas realidades e situações vividas nos dias atuais, o Papa Francisco nos convoca a refletir sobre a nossa condição de vida em tempos de pandemia e descaso com os mais fragilizados. Assim esta convivência e este espírito fraterno são necessário para tentar responder a uma pergunta: Quem é o seu próximo? A resposta, ardente no coração de muitos, pode ser facilmente respondida, mas dificilmente aceita e colocada em prática. O meu próximo é todo aquele que precisa de mim.

Pra compreender o que é necessário nesta vida e viver de forma autêntica e consciente sua condição humana, é simples o que é necessário: seguir apenas o que Jesus nos convocou: “Amarás ao Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todas as tuas forças e com todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo” (Lc 10, 27).

Para tanto, no Texto base da CFE 2021, temos a condição de novas formas de relações humanas e sociais. “Jesus nunca orientou seus discípulos e discípulas a criarem inimizades e perseguirem outras pessoas em seu nome. […] Jesus revela que a concentração de riquezas não é coerente cm a paz, porque toda a concentração de riqueza gera desigualdades, conflitos e segregação.” (Texto Base, n. 9).

Assim, diante desta realidade, é no caminho com um “estranho” que os discípulos de Emaús encontram o Cristo: “Foi ao redor da mesa, quando o estranho partiu o pão e o abençoou, que eles reconheceram que Aquele que lhes parecera estranho, na verdade, era Jesus” (Texto Base, n.17). Com esta passagem podemos nos questionar: “Quem é nosso estranho que encontramos todos os dias e não observamos nele a necessidade de construir pontes?”

Por isso, uma pergunta é feita logo no início do texto-base da CFE 2021: “Surgiu a discussão sobre o que seria essencial no papel desempenhado pelas igrejas: o templo aberto e as celebrações numerosas ou o serviço ao próximo e à próxima?” (texto base, n. 28). Assim, as igrejas-templos vazias responderam à pergunta de forma concreta: É necessário cuidar do próximo para que ele seja o templo vivo da nossa caminhada e vivência comunitária.

Desta forma, a CFE nos fara refletir a importância do diálogo com o outro e sua condição de indivíduo. Para tanto precisamos observar que essa realidade nos convida a um debate sobre a nossa condição humana e nossa conduta moral. Além disso, é necessário seguir em frente com os cuidados pastorais e atentos aos que nos procuram e buscam auxílio.

A nova Carta Encíclica de Francisco e o Exemplo do Bom Samaritano são a força motriz para nossa sociedade estagnada frente às dores de cada um. Francisco afirma que a parábola do Bom Samaritano “é um ícone iluminador, capaz de manifestar a opção fundamental que precisamos tomar para reconstruir este mundo que nos está a peito. Diante de tanta dor, à vista de tantas feridas, a única via de saída é ser como o bom samaritano.” (FT, n. 67)

Há esperança! Vivemos um período de transformações! Com a chegada da vacina, temos a expectativa de seguir em frente. É necessário se apegar a essa realidade e, de alguma maneira, buscar uma nova forma de viver: mais autêntica e humana. Que possamos ser propagadores da Justiça e da Paz, ou seja, construtores de pontes, ao invés de arautos do ódio ou de discursos vazios, ou ainda, sepulcros caiados, como Jesus criticava os fariseus: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Sois semelhantes a sepulcros caiados, que por fora parecem belos, mas por dentro estão cheios de ossos de mortos e toda podridão.” (Mt 23,27).

Enfim, ainda temos um caminho a percorrer. Que a caminhada não nos canse, mas revigore nossas forças, dando alento aos que estão no caminho e nos revigorando para seguir em frente, mesmo quando ainda estamos em distanciamento social!


Robson Ribeiro de Oliveira Castro  é leigo. Mestre em Teologia pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE). Atualmente leciona no Instituto Teológico Franciscano (ITF). E-mail: robsonrcastro@yahoo.com.br.

Premium WordPress Themes Download
Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
download udemy paid course for free
download coolpad firmware
Download Premium WordPress Themes Free
udemy course download free

Conteúdo Relacionado