Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

O que aprendemos com mais de 610 mil mortes nesta pandemia?

11/11/2021

                                                                                       Imagem ilustrativa: Canva (www.canva.com/pt_br/modelos)

Robson Ribeiro de Oliveira Castro

A pandemia da Covid-19, já fez milhares de vítimas, aos 25 de maio de 2021, ultrapassamos as 450 mil mortes. Já ultrapassamos as 610 mil vidas que foram perdidas. Muitos podem nos indagar: o que é possível fazer diante de tantas perdas? Outros ainda, podem criticar que é um enaltecimento para a tragédia deixando de lado os avanços obtidos.

As duas falas têm suas verdades, para tanto é preciso observar que não podemos deixar de lado a gravidade dos acontecimentos e muito menos as mortes. Precisamos seguir em frente, mas não é ético ocultar ou virar as costas à realidade. Pensar em ética é pensar em condutas e valores que possam nortear nossas ações.

É preciso, urgentemente, respeitar o outro e, portanto, respeitar a cada indivíduo, atentos à verdadeira conversão da consciência atrelada ao conhecimento científico para pensar o bem do próximo e não o meu próprio bem-estar.

Devemos ter cuidado com a vida, respeitar o próximo e, principalmente as próximas gerações. Uma conduta moral duvidosa, sem apreço à vida, nos leva a deixar de vivenciar os melhores momentos. Por isso, ter esperança, ou esperançar, é ter iniciativa, é ir ao encontro, é socorrer os necessitados, os fragilizados.

Com isso, devemos fazer algo diferente, devemos ser responsáveis e íntegros em nossas escolhas. Não podemos menosprezar o número de mortos pela pandemia, são vidas humanas abreviadas. Não são números, são histórias e famílias que se desfizeram. Essa realidade é, acima de tudo, um caminho de cuidado, de zelo ético pelos que mais sofrem.

Quando observamos essa realidade é possível vislumbrar um caminho de grandes desafios, mas não podemos perder a esperança de dias melhores. Para tanto, só será possível uma verdadeira mudança quando soubermos compreender as nossas necessidades e agirmos com consciência e grande discernimento.

Diante dos desafios, somos chamados a nos colocar no processo de reinvenção do cotidiano, pois um mundo realmente novo só será possível quando ousarmos construir, neste mundo, um bom lugar para se viver.

É preciso, urgentemente, se fazer ouvir e articular o maior crescimento da consciência humana sobre o que é ser humano. É a partir desta concepção que devemos observar na realidade e como tratar o outro nos momentos de dor e perda como o que vivemos com a pandemia da Covid-19.

Jesus deve ser nosso exemplo a ser seguido pela sua ética; pelo seu comportamento, costumes, hábito, caráter, modo de ser e de agir. Ele assumiu sua conduta autêntica em uma sociedade contrária a tudo que ele pregava. Ele veio transformar o mundo, a começar com a sociedade de sua época, desejava fazê-la refletir e mudar seu posicionamento frente ao legalismo exacerbado. Assim, tratar o próximo com respeito é fazer valer o amor criador de Deus e sua proposta de vivência para o ser humano.

A condição da pandemia da Covid-19 é um convite a olhar para o nosso caminho e, acima de tudo, uma nova realidade, com novos projetos e outro jeito de viver: mais humano, mais ético e solidário. De fato, o atual estágio da pandemia no Brasil, diante da queda nos números de mortos por dia, causa certo otimismo, mas ainda é preciso cautela e prudência no retorno às atividades.

Assim, atrelado ao avanço da vacinação, ao isolamento social e à consciência são aspectos imprescindíveis para se conseguir vencer, como estamos vencendo, esta realidade. Entretanto, ainda é necessário se falar em cuidado, em zelo e atenção a todo e qualquer sintoma ou realidade da atual pandemia.

O contexto vivido por nós é um convite a olhar para esta pandemia como desafio a ser superado. Não podemos perder a esperança, não podemos desanimar, mesmo diante das mortes. É preciso observar que a nossa conduta seja de respeito por todos e todas, principalmente em situações comprometedoras.

Assim, mesmo com a queda dos números de mortos, a necessidade de cuidados ainda deve permanecer em nosso cotidiano por algum tempo. A enfermeira Thereza Maria Magalhães Moreira, professora de Epidemiologia da Universidade Estadual do Ceará, em uma entrevista para o site “El Pais Brasil”, afirmou: “Vai demorar para a Covid-19 ser uma doença endêmica. Ela ainda é pandêmica. Depois teremos epidemia e, finalmente, endemia [quando circula habitualmente, sem trazer maiores riscos, como a gripe]. Ainda não é possível estimar com segurança quando a pandemia deve acabar, mas como tivemos uma segunda onda gigante e temos avançado nas vacinas, o Brasil andará nessa direção”.

Outro fator determinante é que a realidade ainda requer cuidado, por isso, diante da condição de controlar o avanço da doença será necessário manter alguns protocolos como o uso de máscaras, como já se vê nos países asiáticos diante de um surto de gripe ou outra doença. Por isso, ainda é preciso observar e seguir alguns protocolos, cuidar de nós e dos nossos, além de cuidar das relações e das condições físicas e psicológicas para que os efeitos desta pandemia sejam reversíveis.


Robson Ribeiro de Oliveira Castro Chaves é mestre em Teologia pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE), em BH, professor de teologia no Instituto Teológico Franciscano (ITF), em Petrópolis (RJ) e membro do Conselho Regional de Formação (CRF) – LESTE II do CNLB.

Download Premium WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Nulled WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
free download udemy course
download huawei firmware
Download Nulled WordPress Themes
download udemy paid course for free

Conteúdo Relacionado