Notícias - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Um nome e um rosto: o homem triunfante, Jesus Cristo, nosso Salvador

Cidade do Vaticano – Sexta-feira Santa! Neste dia, que os antigos também chamavam de “Sexta-feira Maior”, a Igreja celebra a Paixão e Morte de Jesus. Silêncio, jejum, abstinência de carne e oração marcam este dia. Na Sexta-feira Santa e no Sábado Santo, segundo a tradição, a Igreja não celebra a Eucaristia. O altar está totalmente despido: sem cruz, sem candelabros, sem toalhas. Na tarde desta Sexta-feira Santa (19/04), o Papa Francisco presidiu na Basílica Vaticana à celebração da Paixão do Senhor, com a Liturgia da Palavra, a Adoração da Cruz e a Sagrada Comunhão.

O Crucificado é o protótipo de todos os descartados
Após a Liturgia da Palavra, o Frei Raniero Cantalamessa, Capuchinho e Pregador da Casa Pontifícia, fez a pregação partindo das palavras do Profeta Isaías: “Jesus foi desprezado e rejeitado pelos homens”. Com estas palavras proféticas, disse o Pregador, a história deu um nome e um rosto a este misterioso homem das dores, desprezado e rejeitado pelos homens: Jesus de Nazaré. Por isso, Frei Cantalamessa contemplou o Crucificado como protótipo e representante de todos os rejeitados, deserdados e “descartados” da terra. (VEJA A REFLEXÃO COMPLETA)

Jesus era como um sem-teto
Durante toda a sua vida, Jesus foi um desses homens, desde o início, nascendo em uma estrebaria, uma autêntica demonstração de pobreza. E, durante a sua vida pública, ele nem tinha lugar para descansar a cabeça: era como um sem-teto. Enfim, a sua Paixão.

“Eis o homem!”, exclama Pilatos, ao apresentá-lo ao povo depois de ser açoitado pelos algozes. Cristo representa as intermináveis fileiras de homens e mulheres humilhados, reduzidos a objeto, privados de toda dignidade humana.

Mas, o significado mais profundo da Paixão e Morte de Cristo, não é o social, mas o espiritual. A sua morte redimiu o mundo do pecado, ponto alto da demonstração do amor do Pai.

Assim, o Filho de Deus tornou-se um dos pobres e rejeitados, abraçando a causa deles: “O que fizeste aos famintos, aos nus, aos prisioneiros, aos exilados, a mim o fizeste”.

Jesus restitui dignidade e esperança
Mas, o Evangelho vai mais além, dizendo que o Crucificado ressuscitou! Desta forma, Jesus não só restituiu a dignidade aos desfavorecidos do mundo, mas lhes deu a esperança!

Nos primeiros três séculos da Igreja, explicou o Capuchinho, a celebração da Páscoa não era dividida como agora: Sexta-feira Santa, Sábado Santo e Domingo de Páscoa. Tudo se concentrava em um só dia: na Vigília Pascal, durante a qual se celebrava a morte e a ressurreição de Jesus, ou seja, não se comemorava a morte e a ressurreição como fatos distintos e separados; pelo contrário, comemorava-se a passagem de Cristo da morte para a vida.

Por isso, a palavra “Páscoa” (pesach) significa passagem da morte para a vida; passagem do povo judeu da escravidão para a liberdade; passagem de Cristo deste mundo para o Pai; passagem do pecado para a graça.

A Páscoa é a festa dos excluídos
Logo, Páscoa é a festa da reviravolta desejada por Deus e realizada por Cristo para a humanidade. É a festa dos pobres, excluídos e escravos na nossa sociedade!

Mas, a Cruz, concluiu o Frei Cantalamessa, também traz uma mensagem para a outra classe da sociedade: os poderosos, os fortes, os “vencedores”. Trata-se de uma

mensagem de amor e salvação, não de ódio ou vingança, porque, afinal, eles também terão o mesmo destino de todos: fracos e poderosos, indefesos e tiranos, todos estão sujeitos à mesma lei e aos mesmos limites humanos: a morte!

A Igreja recebeu a seguinte missão do seu fundador, Jesus Cristo: estar ao lado dos pobres e dos fracos; ser voz dos que não têm voz.

Ao término da sua homilia, o Pregador da Casa Pontifícia retomou, novamente, as palavras da profecia de Isaías, dizendo: com o anúncio da Ressurreição, a Liturgia dá ao “desprezado e rejeitado pelos homens”, um nome e um rosto: o homem triunfante, Jesus Cristo, nosso Salvador.

VEJA MAIS IMAGENS

 

Via-Sacra no Coliseu: Papa reza por todas as cruzes do mundo

O Coliseu de Roma mais uma vez acolheu o Papa Francisco e milhares de fiéis nesta Sexta-feira Santa para as meditações das XIV estações da Via-Sacra. Ao término da cerimônia e antes da Bênção Apostólica, o Pontífice fez uma oração, lembrando todas as “cruzes do mundo”:

“Senhor Jesus, ajuda-nos a ver na Tua Cruz todas as cruzes do mundo:
a cruz das pessoas que têm fome de pão e amor;
a cruz das pessoas sozinhas e abandonadas até mesmo por seus próprios filhos e parentes;
a cruz das pessoas sedentas de justiça e paz;
a cruz das pessoas que não têm o conforto da fé;
a cruz dos idosos que se arrastam sob o peso dos anos e da solidão;
a cruz dos migrantes que encontram as portas fechadas por causa do medo e dos corações blindados por cálculos políticos;
a cruz dos pequenos, feridos na sua inocência e na sua pureza;
a cruz da humanidade que vaga na escuridão da incerteza e na escuridão da cultura do momentâneo;
a cruz das famílias despedaçadas pela traição, pelas seduções do mal ou pela homicida superficialidade e pelo egoísmo;
a cruz dos consagrados que procuram incansavelmente levar a Tua luz ao mundo e se sentem rejeitados, zombados e humilhados;
a cruz dos consagrados que, no caminho, esqueceram o seu primeiro amor;
a cruz dos teus filhos que, acreditando em Ti e procurando viver de acordo com Tua palavra, se encontram marginalizados e descartados até mesmo por suas famílias e coetâneos;
a cruz das nossas fraquezas, das nossas hipocrisias, das nossas traições, dos nossos pecados e das nossas muitas promessas quebradas;
a cruz da Tua Igreja que, fiel ao Teu Evangelho, fadiga a levar o Teu amor até mesmo entre os próprios batizados;
a cruz da Igreja, a Tua esposa, que se sente continuamente atacada por dentro e por fora;
a cruz da nossa casa comum que murcha seriamente diante dos nossos olhos egoístas e cegos pela ganância e pelo poder.
Senhor Jesus, reaviva em nós a esperança da ressurreição e da Tua vitória definitiva contra todo o mal e toda a morte. Amém!”

A oração pelas vítimas do tráfico de seres humanos
As meditações da Via-Sacra deste ano foram confiadas à Ir. Eugenia Bonetti, missionária da Consolata. Durante as 14 estações foram lembradas as vítimas do tráfico de seres humanos, os menores explorados, as mulheres obrigadas à prostituição e os migrantes como os novos crucificados que devem ser despertados na consciência de todos.

“Com Cristo e com as mulheres no caminho da cruz”, a religiosa, presidente da Associação “Slaves no more”, quis idealmente percorrer “junto a todos os pobres, aos excluídos da sociedade e aos novos crucificados da história de hoje, vítimas dos nossos fechamentos, dos poderes e das legislações, da cegueira e do egoísmo, mas sobretudo do nosso coração endurecido pela indiferença”.

Quem tem responsabilidade, escute o grito dos pobres
Na primeira estação, a figura de Pilatos inspirou a oração “para aqueles que ocupam papeis de responsabilidade para que escutem o grito dos pobres” e “de todas aquelas jovens vidas que, em maneiras diferentes, estão condenadas à morte pela indiferença gerada por políticas exclusivas e egoístas”. Em Jesus pregado na cruz há, ao contrário, o convite em reconhecer “os novos crucificados de hoje: os sem-teto, os jovens sem esperança, sem trabalho e sem perspectivas, os imigrantes obrigados a viver em barracas às margens da nossa sociedade, depois de terem enfrentado sofrimentos inimagináveis”.

Mas o pensamento vai também às crianças “discriminadas por causa da sua proveniência, da cor da pele e classe social”. Diante de tudo isso, o exemplo pra seguir é aquele de Cristo, que falava de serviço, perdão, renúncia e sofrimento, manifestando com a sua vida “o amor verdadeiro e desinteressado ao próximo”.

Não sabemos mais reconhecer quem tem necessidades
Nas etapas de Jesus em direção ao Calvário, Ir. Eugenia Bonetti reconhece vários episódios dos quais foi testemunha: no encontro com Maria vislumbra “as muitas mães que deixaram partir suas jovens filhas para a Europa na esperança de ajudar as suas famílias em pobreza extrema, enquanto encontraram humilhações, desprezo e, às vezes, inclusive a morte”; em Jesus que cai pela primeira vez, fragilidade e fraqueza humana são indicações para recordar os samaritanos de hoje que se inclinam “com amor e compaixão sobre tantas feridas físicas e morais de quem, toda noite, vive o medo do escuro, da solidão e da indiferença”.

“Infelizmente, muitas vezes hoje não sabemos mais reconhecer quem tem necessidades, ver quem está ferido e humilhado”, escreve a religiosa da Consolata. “Frequentemente reivindicamos os nossos direitos e interesses, mas esquecemos aqueles dos pobres e dos últimos da fila”. É então que devemos pedir a Deus de nos ajudar a amar e a não sermos insensíveis ao choro, aos sofrimentos e ao grito de dor dos outros.

Os menores, os migrantes e as vítimas do tráfico
E como não ver na Via-Sacra as tantas “crianças, em várias partes do mundo que não podem vir à escola”, “exploradas nas mineiras, nos campos, na pesca, vendidas e compradas por traficantes de carne humana para transplantes de órgãos, além de usadas e exploradas… por muitos cristãos inclusive”. São os menores “privados do direito a uma infância feliz”, “criaturas usadas como mercadorias de pouco valor, vendidas e compradas por prazer”.

Mas, no centro das meditações de Ir. Eugenia Bonetti, que há anos luta contra o tráfico de seres humanos, estão os migrantes e as vítimas do tráfico. O pedido para “aumentar a consciência que todos somos responsáveis pelo problema” e que “todos podemos e devemos fazer parte da solução” se lê na oitava estação, “Jesus encontra as mulheres”. E sobretudo as mulheres “é solicitado o desafio da coragem”, “de saber ver e agir”, de considerar “o pobre, o estrangeiro, o diverso não como um inimigo pra rejeitar ou combater, mas, sobretudo, como um irmão ou uma irmã para acolher e ajudar”.

A humilhação de Cristo, aquela das mulheres vítimas da cultura do usa e joga fora
Na nona estação, quando Jesus cai pela terceira vez, “humilhado sobre o peso da cruz”, estão as “tantas mulheres, obrigadas a estarem nas ruas pelos grupos de traficantes de escravos, que não suportam a fadiga e a humilhação de ver o próprio corpo jovem ser manipulado, abusado, destruído, junto aos seus sonhos”. São o fruto da cultura do usa e joga fora.

Dinheiro, bem estar e poder dos ídolos
A imagem do corpo despojado de Cristo, comparável àquele dos menores, objeto de compra-e-venda, deixa refletir sobre ídolos de todos os tempos: dinheiro, bem estar e poder. Aparece menos “a centralidade do ser humano, a sua dignidade, beleza e força”. Mas há quem ainda desafia a própria vida para salvar outras, sobretudo no Mediterrâneo, onde em muitos ajudaram “famílias em busca de segurança e de oportunidades”, “seres humanos em fuga da pobreza, da ditadura, corrupção e escravidão”; todas pessoas que precisam redescobrir a beleza e a riqueza, “dom único” de Deus “para colocar a serviço da sociedade inteira e não para alcançar interesses pessoais”.

No túmulo de Cristo, morte e ressurreição como ensinamentos de vida
A última estação, que conduz ao túmulo de Jesus, faz pensar aos “novos cemitérios de hoje”: o deserto e os mares, onde hoje encontram moradia eterna “homens, mulheres, crianças que não pudemos ou não quisemos salvar”. “Enquanto os governos discutem, fechados nos palácios do poder, o Saara se enche de esqueletos de pessoas que não resistiram à fadiga, à fome, à sede” e o mar se transformou num “túmulo de água”.

“ O desejo é que a morte de Cristo possa “doar aos líderes das Nações e aos responsáveis das leis a consciência do seu papel em defesa de todas as pessoas”, criadas à imagem e semelhança de Deus e que, a sua ressurreição, “seja farol de esperança, de alegria, de vida nova, de fraternidade, de acolhimento e de comunhão entre os povos, as religiões e as leis. ”

VEJA MAIS IMAGENS DA VIA-SACRA NO COLISEU

FONTE: Vatican News