Carisma - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Vida Franciscana: Luzes ao longo da caminhada

Exortações e admoestações

A Ordem do Frades Menores em seus capítulos eletivos e avaliativos, nas exortações dos Ministros, em diretrizes para a formação e a evangelização não quer que os frades marquem passo. Produz documentos. Quer despertar. Dizem muitos que documentos não mudam a vida. É verdade: discursos não transformam. Renovar a partir do melhor que descansa em nossos corações. Acolhendo o vigor dos que nos precederam. Não colocando apenas remendos, mas transformando a partir do interior. Inventando o novo. Belas e oportunas estas exortações e admoestações elaboradas a partir de nosso patrimônio. Com as luzes daqueles que nos ajudam a caminhar.

I. Discernir

Frades Menores

… sentimo-nos chamados a iniciar em todo o tempo e lugar, a caminhada do discernimento evangélico: “Examinai tudo e ficai com o que é bom” (1Ts 5,21). Esse discernimento deve ser feito numa dupla perspectiva: por um lado tomar consciência das estruturas pessoais e sociais que se opõem à vida, para denunciá-las e contribuir para sua superação; por outro lado abrir os olhos da fé e da esperança para perceber, no meio das crises, os sonhos visíveis da humanidade, para dar-lhe espaço em nossa vida e antecipar, assim, o Reino proclamado e vivido por Jesus Cristo. Quer dizer, é preciso saber “distinguir o que vem do Espírito daquilo que lhe é contrario” (VC 73). Como fez Francisco de Assis, que aparecia a todos, diz seu biógrafo oficial, “como um homem do outro mundo” (1Cel 36), antecipação viva de um mundo possível a todos. Se formos capazes de ler os sinais dos tempos, poderemos ser sinais legíveis de vida para um mundo sedento de “novos céus e nova terra” (Is 65, 17; cf Ap 21,1).

O Senhor te dê paz, Capitulo Geral OFM Assis, 2003

Questionamentos:

• De maneira prática, como se faz, na vida franciscana o discernimento evangélico? O que aviva o carisma?
• O texto fala de “sonhos visíveis da humanidade”… Que sonhos são esses?
• Francisco, homem de novo século. Por que lhe atribuíram esse título? Qual é a novidade de Francisco? Nós, discípulos não ferventes do Poverello, que novidade podemos (ou devemos) oferecer ao mundo?

II. Tempo de crise, tempo de graça

A realidade

… confirma que o trigo e a cizânia crescem juntos (cf. Mt 13,24-30); isto constitui um convite urgente ao discernimento evangélico para decidir que direção deve tomar nossa caminhada de transformação pessoal e institucional. Percebemos a crise de fé provocada pelo mundo atual como um momento de graça, um kairós, que nos desafia a recriar nossa experiência de crentes em sintonia com os desafios de uma época em crise. É uma ocasião de experimentar um credo que faça emergir a totalidade da pessoa e comprometa com a paz e com o bem, uma ética da coerência que supere a fragmentação mediante uma caminhada de harmonização e de integração: pensamentos e obras, oração e ação, palavra e trabalho, fé e vida, aspirações do coração para a fé e para a esperança e sua encarnação em formas visíveis (ações, ritos, estruturas).

O Senhor te dê a paz, Capitulo Geral OFM Assis, 2003

Questionamentos:

♦ “Recriar nossa experiência de crentes”… O que pode querer dizer isto?
♦ “Um credo que faça emergir a totalidade da pessoa?” – Seria um credo não apenas de verdades e de noções repetidas mas principalmente no coração da vida, no convívio com os outros, acreditar que nos colocamos a serviço de força e de um dinamismo de Deus em nossa casa e em nossa vida de missionários, responde aos nossos anseios mais profundos e não apenas na segurança de ritos e de leis? Seria isso?

♦ Refletir sobre estas linhas de José Antonio Pagola: “Na fé, o importante não é afirmar que se crê em Deus, mas saber em que Deus se crê. Nada é mais decisivo do que a ideia que cada um se faz de Deus. Se creio num Deus autoritário e justiceiro, acabarei procurando dominar e julgar a todos. Se creio num Deus que é amor e perdão, viverei amando e perdoando. Esta pode ser a pergunta: em que Deus creio: num Deus que corresponde às minhas ambições e interesses ou no Deus vivo revelado em Jesus? A fé, por outro lado, não é uma espécie de “capital” que recebemos no batismo e do qual podemos dispor para o resto da vida. A fé é uma atitude viva que nos mantem atentos a Deus, abertos a cada dia ao mistério de sua proximidade e amor a cada ser humano” (Pagola, Lucas, p. 33).

Frei Almir Guimarães

Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Nulled WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
download udemy paid course for free
download redmi firmware
Download Best WordPress Themes Free Download
udemy course download free

Conteúdo Relacionado