Carisma - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Trabalhar sem perder o espírito da santa oração

francisco_zef

Aqueles irmãos aos quais o Senhor deu a graça de trabalhar, trabalhem fiel e devotamente, de modo que afastado o ócio que é o inimigo da alma, não extingam o espírito da santa oração e da devoção, ao qual devem servir as coisas temporais (Regra Bulada, V)

Os homens são os jardineiros da terra… são formiguinhas trabalhadeiras. Alguns, talvez, sejam displicentes cigarras que cantam o tempo todo e esquecem a dureza do labor.

O frade levanta-se. Imediatamente procura o rosto do Senhor, a presença daquele que está sempre perto. Há uma explosão de louvor e um grito de socorro. Tem diante dos olhos as horas do labor. Mas tudo começa com essa sintonia com o Senhor. E vem o trabalho e quanto trabalho! Trabalho em casa. Trabalho pastoral. Trabalho de caridade. Trabalho manual e trabalho intelectual. Trabalho sem a primeira preocupação do lucro, do guardar, do reter. Trabalho para fugir da ociosidade, da vadiagem, do ir e vir, de lá para cá e cá para lá… simplesmente pelo ir e vir. Trabalho feito com disciplina e persistência. Trabalho para fugir da ociosidade que é a mãe de todos os vícios.

O frade desperta e coloca seu olhar no olhar do Senhor. Há compras a serem feitas, doentes a serem visitados, exortações a serem dirigidas a uns e outros.. Tudo feito com zelo, como se fosse a única coisa que tivesse que ser feita. Tudo feito com a qualidade do servo inútil que faz bem e muito bem o que tem que fazer e não busca salário, nem recompensa.

Aqui e ali uma pequena pausa para um salmo ou um olhar para o Senhor. Um dia especial para o retiro, para saborear os salmos, escutar a palavra e se jogar mais explicitamente nos braços do Amado. Nada de ativismo. Não somos funcionários de uma administração descontrolada e louca. Trabalhamos com a mente, o coração e as mãos. Há esses frades que vão pelo mundo, há esses que plantam rosas, preparam a comida, ensinam nas universidades… sempre cuidando de não perderem o espírito da santa oração e da devoção.

“A intuição teológica de Francisco diz que o trabalho é um dom para o homem enquanto inserido na obra da criação e da redenção do mundo: o homem com seu trabalho imprime um selo cristão na atividade que transforma e melhora a vida humana. O trabalho é continuação e acabamento da criação que Deus confiou ao homem: é vocação e serviço. O trabalho é graça na qualidade de coparticipar do “plasmar” da criação, própria de Deus (…). Todos vivemos esta graça: somos chamados para seremos mandados, para realizar uma tarefa, um trabalho, uma obra que somente nós podemos fazer e que ninguém fará senão nós. O trabalho cotidiano situa-se nesse plano e somente assim pode tornar-se expressão de nossa liberdade e do nosso amor. Se não for resposta à graça que nos chama à vida, acabará sempre, inevitavelmente por cair numa busca de afirmação de nós mesmos e de nossas capacidades, acabará por ser coisa nossa, possuída como outras coisas e, no final das contas, fonte de tristeza e de escravidão, peso insuportável de nosso eu egoísta e egocêntrico” (Francesco de Lazzari, Il Testamento di San Francisco. Meditazioni, Ed. Porziuncula, p. 239-240).

E quando termina o dia, o olhar do franciscano canta um pequeno hino de gratidão ao Doador de todos os dons, também do dom do trabalho.

Frei Almir Guimarães

Premium WordPress Themes Download
Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
free download udemy course
download lenevo firmware
Download WordPress Themes
free download udemy paid course