Carisma - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Festa de São Francisco. Celebração da Pobreza.

fco_031016_4

Frei Almir Ribeiro Guimarães, OFM

A  conhecida Editora Albin Michel, em sua coleção Spiritualités  fez aparecer um texto sobre as celebrações cristãs  (Célebrations chétiennes,  Albin Michel, Paris  2004), escrito a muitas mãos. Inspiramo-nos no texto Célébration de la pauvreté. Regard sur saint François  de  Xavier Emmanuelli  (p. 211-232)  para escrever  esta página franciscana.

A muitos olhos (e ouvidos)  pode parecer  paradoxal querer celebrar a pobreza. Uma tal empreitada parece paradoxal e quase que uma provocação mórbida.  Não é possível fazer elogio algum da infelicidade e do infortúnio.  Existe uma pobreza inglória que está à nossa volta e que se  procura esconder a todo preço. Pessoas que vivem ruína e perda. Perda da dignidade elementar, ferida e que faz desaparecer a imagem do ser humano.  Esses miseráveis vivem nas ruas e calçadas, sob as pontes e em espaços desocupados.  Cada dia um sofrimento, cada noite uma dor. São forçados a mendigar o necessário para sua subsistência, procurar um abrigo para dormir, sempre de novo  buscar sua sobrevivência alimentar, todo dia, a toda hora.  Sujos, fétidos, homens e mulheres com uma ponta de cigarro no canto da boca, recolhida da rua e “devorada” até o fim, quase comendo papel e tabaco e queimando os lábios. Há os enlouquecidos que falam sozinho. Gesticulam no tétrico teatro da vida, tragédia da vida. Gente criada à imagem e semelhança de Deus.

Uma tal pobreza tem um nome: solidão. As pessoas falam, “se falam”, se reúnem, talvez chegam a rir umas com as outras, mas todo liame verdadeiramente  denso e humano desapareceu.  Não há sentido  em se falar de laços afetivos, amicais e amorosos que fazem viver e permitem que se construa uma história. Estes não existem, apenas a solidão.  Quem perdeu  a percepção inconsciente de seu próprio corpo, de seu próprio  “eu”,  não é visto por ninguém e nem consegue se ver a si mesmo. Trata-se de um ser apagado, deletado, transparente, simplesmente nada. Claro que existe, mas disso os outros não se dão conta e nem ele próprio. Vive sempre acontecimentos agressivos.

Um homem e uma mulher que entra nesta alienação, nesta “desfiliação” é como uma estrela que desaparece do céu. Um ser vivo e irradiante torna-se um buraco negro.  Tudo que lhe advém do exterior  é absorvido como num poço sem fundo, até mesmo a luz de gestos de bondade.  Em tais condições não se trata de pobreza, mas de perdição. A alma é como devorada pelo nada.  Sobra apenas um corpo maltratado pela bebida, pela fome e à mercê da caridade. Em tempos passados, antes, esse miserável era alguém que tentava falar com sua boca, comunicar através de gestos; agora nem mesmo esta tentativa perdura.  Esse estado é um inimigo a se combater e, de forma alguma, pode ser celebrado.  Sim, não é esta a pobreza a ser celebrada.

Existe, no entanto, uma pobreza que participa de uma outra realidade, uma pobreza que eleva e dignifica o ser humano, precisamente  a pobreza que  Francisco de Assis soube viver e cantar, um santo  do qual leigos e profanos podem se “apoderar”, um místico que não pertence apenas aos cristãos e à cristandade, mas a toda a humanidade. Na verdade pertence a toda a criação porque sua compaixão, seu desejo de comunhão estende-se a toda a natureza.  Um homem de ação  sempre deixando marcas de humildade em tudo o que faz.

Cito literalmente o autor: “Minha mitologia franciscana se constrói  em torno de algumas imagens fortes. O episódio por meio do qual  Francisco é iniciado na pobreza é o dom de seu manto ao pobre cavaleiro  de Roma, que retoma um outro mito cristão: o generoso ato de São Martinho, diante da cidade de Amiens. O beijo no leproso, tão transgressivo, é outro grande momento da vida de Francisco.  O último episódio  é aquele do gesto violento pelo qual ele se despoja, a renúncia aos bens paternos, cena exemplar de seu ideal de pobreza. O último episódio não é,  propriamente falando, um fato, mas a grande oração do Cântico das Criaturas , que acompanha os  últimos anos de  sua vida” (p. 214).

Foi bem aos poucos que Francisco foi dirigindo rumo a uma  grande santidade O dom do manto é, ainda, um episódio hesitante. Xavier  Emmanuelli  vê em Francisco um intrépido guerreiro  capaz de lançar mãos de armas para defender sua cidade. Tendo em mente o ideal de glória e de cavalaria, não encontra um pobre, mas um cavaleiro destruído e arrasado.  Esse cavaleiro é um outro ele mesmo.  Quando Francisco se desveste de seu manto é para ajudar um de seus pares, um dos iguais a ele para restituir-lhe a dignidade de cavaleiro. Nada tem a ver com o gesto sublime de São Martinho que expressa uma ruptura. Neste caso um privilegiado, um oficial dá a um pobre. No caso de Francisco há um cuidado de preservar a dignidade de um igual.

O episódio do beijo no leproso tem dimensão, chocante, perturbadora, inaudita.  Francisco é jovem fino, foi educado no luxo, mimado, cercado disso e daquilo. A lepra é o horror, é a morte que devora a vida a partir do interior, a repugnante imundície que se  apodera da carne. Será que se pode imaginar encontro mais violento, transgressão mais impensável?  Que força irresistível se apoderou do jovem charmoso e distinto para um corpo em decomposição?

Mais uma vez uma citação literal: “Em nossos dias dispomos de tratamentos eficazes para combater a lepra. No tempo de Francisco, a enfermidade não tinha cura, revestia-se de aspectos terríveis e era, de fato,  um flagelo.  A doença consiste na alteração dos nervos sensitivos,  as pessoas machucam-se, abrindo feridas que se tornam purulentas. Perde-se a sensibilidade. Sem contar as lesões próprias à lepra:  a carne se decompõe, os músculos, os tecidos infectam-se constantemente e apodrecem. Quando a putrefação atinge o osso nasal, o nariz desaparece, transformando o semblante do leproso na face de um morto, com a fronte inchada e, no meio, dois enormes buracos, insuportáveis. Os lábios também são atingidos, bem como as extremidades das mãos e dos pés, deixando tocos de membros… Literalmente a morte mora num corpo vivo.  No tempo de Francisco celebrava-se a missa de enterro de um leproso antes que morresse, o qual deveria redigir seu testamento, porque socialmente já havia morrido”  (p. 216-217).

Como jogar-se nos braços de um cadáver vivo, mas já em decomposição?  Que loucura  de amor é essa de beijar uma boca cheia de  pus? De onde veio  para  Francisco  a força para realizar tal transgressão que separa o nobre do ignóbil, o puro do que infectado, o belo do monstruoso? O leproso que Francisco abraça encarna aqueles que se acham excluídos de qualquer tipo de representação. Seu corpo degradado  não tem imagem,  tornou-se invisível  por não ter sido mais olhado, de ser constantemente evitado.  Quanto menos são olhados,  menos olham-se a si mesmos.

Para os médicos e o pessoal da saúde é sempre penoso cuidar de corpos  dilacerados. Há doenças que causam como que nojo. Francisco, por meio de seu gesto, venceu a repulsa física que naturalmente se  experimenta diante do que repugna, o pânico do sadio diante do insano.  A imensa compaixão de Francisco é escandalosa e subversiva. A compaixão  “faz sofrer com” o outro, o outro que não se escolhe, que está diante de nós, com suas taras, com seus aspectos extremamente desagradáveis. Esse outro é, de repente, escolhido como o próximo  mais próximo, o irmão,  operando uma reviravolta em todas as hierarquias mais  sedimentadas dentro de cada um de nós.  Francisco não manifesta uma  piedade sentimental,  mas é arauto de uma compaixão que implica a ilegitimidade do sofrimento padecido pelo outro, inventa uma fraternidade, na qual todo homem pelo fato de ser homem  tem igual dignidade.

A renúncia aos bens paternos é um acontecimento mais violento ainda, pelo fato de se ter dado num espaço público.

“Francisco, não somente restitui ao pai o que tinha obtido vendendo as peças de tecidos tiradas da loja paterna em vista da restauração da Capela de São Damião. Vai bem mais longe: questiona a autoridade paterna  como nunca tinha sido feito anteriormente.  Devolve-lhe suas roupas, pagas com os recursos familiares, e mostra sua nudez na praça de Assis. Pietro di  Bernadone fica  fora de si.  A nudez provocadora  é imediatamente escondida pelo manto  do bispo.  O símbolo aponta para mais longe.  Francisco renuncia à vida burguesa que lhe estava reservada devido a seu status de filho da família. O que percebe como humildade é tido pelos circunstantes como humilhação” (p. 219-220).

Agora  Francisco podia rezar o Pai nosso.  Seus irmãos e suas irmãs são os que fazem a vontade do Pai.  A partir daquele momento Francisco se considerava nu como no dia de seu nascimento,  e nu estaria no momento de sua morte. A escolha da pobreza radical  é, com efeito, novo nascimento

Download WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Premium WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
free download udemy paid course
download intex firmware
Free Download WordPress Themes
udemy paid course free download

Conteúdo Relacionado