Carisma - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

OFS

O formador franciscano: tarefas e atribuições (II)

formadores

A presente reflexão destina-se de modo particular aos formadores e formadoras dos irmãos e irmãs da Ordem Franciscana Secular, especialmente nos primeiros tempos de discernimento e de escolha, mas  também é útil para os  responsáveis pela formação permanente.  Mesmo escrevendo estas considerações para a OFS  vamos seguir de perto  um texto  publicado em italiano (La figura del formatore nel processo formativo, Omar Rodulfo Sanchez, OFMCap, p.   241-284, capítulo do livro  Formazione franciscana oggi. Corso di Teologia Spirituale 11, Edizioni Dehoniane Bologna 2012, a cura de Albert Schmucki), destinado à  formação dos religiosos franciscanos da primeira Ordem. Talvez aqui e ali o autor do texto acentue a maneira de formar os frades menores. Certamente, o leitor e o formador da OFS  saberá fazer a devida adaptação, quando necessário.  Vamos nos ater mais à questão das responsabilidades do formador (a).  (p. 254-265).

 Texto de abertura

“A função do formador varia segundo o grau de vida espiritual atingido pelo religioso. Suas principais responsabilidades  são:  discernir a ação de Deus, acompanhar o irmão nos caminhos do Senhor, nutrir sua vida de doutrina sólida e de oração vivida. De modo especial, nas primeiras fases, avaliar o caminho percorrido” (Documento da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada  e sociedades de via apostólica, 31 de maio de 1983).

Discernir

            Discernir a ação de Deus, ou seja,  a autenticidade  da vocação, do chamamento, a capacidade de resposta em vista da profissão. A responsabilidade do formador, com sua equipe, é discernir a autenticidade das vocação já nos primeiros tempos de acolhida do candidato.

Quando se começa a formação é o momento do mútuo conhecimento: os formandos começam a poder dizer os motivos que fizeram com que procurasse a Ordem e os responsáveis pela Ordem  podem conhecer aquele que chega e que  cordialmente acolheram.

Começa também um processo de discernimento por parte dos formadores que ali foram colocados em nome da Igreja.  Trata-se de um discernimento objetivo:

 

>> reconhecimento de um movimento interior do Espírito no interior do chamamento pessoal;

>>avaliação da reta intenção que se fará por meio do exame das motivações para que sejam evitadas ilusões e erros;

>>verificar se o candidato tem as aptidões mais básicas para viver em fraternidade e, no caso da Ordem I, para exercer sua missão de religioso franciscano: o candidato precisa fazer esse opção livremente e não coagido por pulsões e medos e que tenha equilíbrio psicológico;

>>capacidade do candidato em traduzir em atos os valores que pretende abraçar; idoneidade de seguir a Regra de vida da OFM ou da OFS entrando num caminho de conversão, enfrentando dificuldades, desafios na longa caminhada da vida de entrega a Deus no estilo franciscano de viver o seguimento de Cristo;

>>nesse campo de discernimento, já bem desde o começo, o formador ajudará os candidatos a alimentarem um contato pessoal e denso com o Senhor na oração: o candidato precisará descobrir por onde o Senhor o quer levar.

 Acompanhar

O que ingressa nas fileiras da Ordem será acompanhado no seu caminhar pelas estradas do Senhor.  O ser humano não pode se tornar pessoa no sentido mais amplo do termo sem relacionamento e diálogo com os outros. O eu nasce de uma relação com um tu. O Catecismo da Igreja Católica refere-se à  dimensão comunitária da fé e à impossibilidade de ser crer sozinho, como ninguém pode viver sozinho: “A fé é ato pessoal: é a livre resposta do homem à iniciativa  do Deus que se revela. Ela, no entanto, não é ato isolado. Ninguém pode crer sozinho, como ninguém pode viver sozinho” (n. 166).

 Respeito

            A figura do confessor ou de um eventual diretor espiritual são importantíssimas no caminho formativo, mormente para os frades. O formador não interferirá no campo do confessor ou do diretor espiritual.  A direção espiritual consiste em ajudar a pessoa diretamente em sua relação com Deus. Diretor espiritual e confessor conhecem mais intimamente os formandos. A direção espiritual consiste em ajudar a pessoa mais diretamente no seu relacionamento com Deus.  Precisamente aí, conhecendo mais de perto o coração das pessoas, os diretores espirituais ou o assistente franciscano no caso dos leigos franciscanos,  pode fazer um belo e indispensável trabalho pastoral.  Os franciscanos seculares poderão escolher o assistente local com seu conselheiro e diretor espiritual ou outro perante o qual tenham mais facilidade em abrir o coração.     

Nutrir

Outra função do formador é alimentar.  Nutrição tem tu a ver com a vida. Há necessidade de um alimento doutrinal e prático. Não somente alimento intelectual, mas espiritual e afetivo.  O empenho formativo não se concentrar no fazer, mas no saber fazer as coisas e experimentá-las. Saber fazer as coisas.

Verificar, avaliar e julgar

Documentos sobre a formação, mais no âmbito da formação dos religiosos,  insistem que os formadores verifiquem se os formandos estão produzindo os frutos do Espírito e se eles estão correspondem ao que desejam a Ordem e a Igreja.  Essa avaliação da caminhada feita será feita no próprio grupo dos formandos e também nas instâncias da Ordem, ou seja, na reunião do Conselho com seu Ministro.

Que o formando seja protagonista de sua formação

            Até certo ponto o formador deve tornar-se inútil. Deve educar o educando a que se eduque, a caminhar à luz da fé de maneira autônoma. O formando precisa compreender que buscará a discernir a vontade de Deus através da docilidade e da obediência.  O formando é seu formador a vida inteira.

Frei Almir Guimarães

 

 

 

 

Download Nulled WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Free Download WordPress Themes
lynda course free download
download lenevo firmware
Download WordPress Themes Free
free online course