Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Onipotência crucificada

05/06/2014

Meses a fio,  nesta rubrica do site dos Franciscanos da Imaculada,  às primeiras sextas-feiras, refletimos sobre as insondáveis riquezas  do  Coração do Redentor. Queremos hoje transcrever algumas  reflexões de José Antonio Pagola, conhecido teólogo e pastoralista espanhol. Temos diante dos olhos o artigo do autor: “Testigos del misterio de Dios”,  publicado  na revista Sal Terrae,  enero de 2000, p. 27-42.

Bem no centro da fé cristã  há uma afirmação capital:  Deus é amor (1 João 4,8). A realidade  mais profunda do Altíssimo consiste em amar  gratuitamente. Deus é Deus amando os homens até o fim. O Crucificado é a revelação suprema do mistério insondável de Deus.  Reconhecemos nele o verdadeiro Deus.  Nele  está a “força e a sabedoria de Deus (1Coríntios 1,24).

cristo_05Necessário dizer que nunca esteve ausente na reflexão e na vivência religiosa do cristianismo o Deus crucificado.  Seu rosto, no entanto, por vezes,  se tornou empobrecido e foi sendo substituído pelo Deus impassível e onipotente da filosofia   grega. Insistiu-se mais numa concepção filosófica do que no Mistério de um Deus que se revela como Amor que se crucifica pelos homens. Esse olvidar do Deus da cruz está em ligação com o esquecimento da fragilidade, esquecimento do pequeno e do pobre. Para abrir-se ao Mistério do Deus verdadeiro será fundamental prestar atenção naquilo que normalmente não queremos ver:  o homem humilhado, desprezado, crucificado.

No imaginário religioso de muitos cristãos continua  presente a imagem de um Deus Soberano, Senhor Onipotente, Rei sempiterno que tem suas raízes na filosofia grega e que foi se consolidando durante milênios numa sociedade patriarcal e monárquica, fortemente  hierarquizada. Em nossos tempos, esse Deus, Senhor Onipotente,  não exerce atração nem enamora.  Será que não estamos no momento de nos voltar para o Deus da cruz?

Por outro lado, a queda dos grandes mitos do progresso, da ciência e do desenvolvimento  deixaram a razão moderna sem palavras nem consolo diante do crescimento da fome, do genocídio e da deterioração da natureza.  A modernidade  não consegue silenciar o grito  dolorido dos povos crucificados pela miséria, guerras e ódios.

Fazer  experiência de Deus,  no momento atual, deve nos fazer ouvir com nova profundidade o grito de Jesus:  “Meu  Deus, meu Deus.  Por que me abandonaste?”  Aí  Deus se revela.  Em lugar algum  se ouviu de forma tão uníssona o grito do homem e a resposta de Deus.

Precisamos buscar outra imagem  de Deus, uma nova imagem.  “Não um Deus de onipotência arbitrária e abstrata que podendo nos livrar do mal, não o faz, ou então, o faz  somente às vezes, em favor de uns poucos privilegiados,  mas um Deus solidário conosco até o sangue de seu Filho: um Deus  Anti-mal, como  disse admiravelmente Whitehead, não é um soberano altivo e  indiferente, mas  o Grande companheiro, que sofre conosco e nos compreende” (  A. Torres Queiruga,citado pelo A.).

Deus está em nosso sofrimento.  Compartilha esse sofrer.  Não estamos sós na insondável provação da existência. A teologia está encarregada de aprofundar o conceito da onipotência de Deus  para mostrar que  não é uma onipotência mágica indigna de Deus e do homem, mas a Onipotência do Amor infinito que penetra a realidade do nosso mal  para partilhar de nosso grito e fazê-lo seu. Esvaziou-se de si para tornar-se  servo do homem (Fl  2,6.8). A onipotência de Deus não é para ele, mas para nós.  Uma vez que Deus partilha  nossa finitude e debilidade, tudo é possível, inclusive ressuscitar da morte ( A. Gesche).

O anúncio de Deus sempre foi feito  tendo como pano de fundo a fórmula de Santo Anselmo:  Deus é: id quod maius cogitari nequit, quer dizer,  um Deus que é sempre maior do que podemos esperar, imaginar, pensar ou compreender.  Um autor citado por Pagola  inverte a fórmulação:  Deus  é  id quod  minus cogitari  nequit,  quer dizer, um  Deus que nos surpreende por seu ocultamento, seu inimaginável  abaixamento, sua capacidade de “apequenar-se”   que nunca teríamos podido imaginar, seu esvaziamento, sua kénosis,  aquele que conosco vive a realidade do mal  (claro, menos o pecado).  Uma onipotência que dá a vida…

A crise de certos  “modelos de Deus”, ou “imagens de Deus”  não quer dizer que a fé cristã se torna inviável.  Muito vinculada à filosofia grega o cristianismo  não deu o melhor de si  não podendo comunicar a experiência do Deus  Amor.  “Vemos hoje emergir uma cultura nova, indiferente ao  Deus Onipotente,  mas com ouvidos para escutar testemunhas e buscadores de um Deus com rosto renovado:  um Deus Amigo e Amante;  enamorado até o extremo de cada ser, servidor humilde de suas criaturas; veio até nós não para ser servido, mas para servir;  com capacidade infinita de compadecer-se, compreender, acolher a todos;  um Deus que não cabe em nenhuma religião ou igreja, porque habita em todo coração humano e acompanha cada ser humano em sua desgraça;  um Deus que sofre na carne dos famintos e os miseráveis da terra;  um Deus que ama o corpo e a alma, a felicidade e o sexo; um Deus que esta em nós para buscar e salvar o que estropiamos e perdemos;  um Deus que desperta nossa responsabilidade e ergue nossa dignidade; um Deus que liberta dos medos e quer, desde agora, a paz e a felicidade para todos;  um  Deus que não se angustia diante da morte,  mas abraça a cada criatura enquanto agoniza  livra da morte. Um Deus de quem podemos nos enamorar.

Os devotos do Coração de Jesus se colocam, assim, diante de um Deus que se tornou ternura amorosa e que permitiu que fosse feita  uma em seu lado. Nessa fenda, nesse coração se encontra a  força e a sabedoria de Deus (cf. 1Corintios 1,24).

Frei Almir Ribeiro Guimarães

Free Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes
free online course
download karbonn firmware
Download Nulled WordPress Themes
online free course

Conteúdo Relacionado