Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Na tarde de uma certa sexta-feira…

03/07/2014

 

Acorre com vivo desejo a esta fonte de vida e de luz, quem quer que sejas, ó alma consagrada a Deus, e exclama com todas as forças do teu coração: “Ó inefável beleza do Deus altíssimo e puríssimo esplendor da luz eterna, vida que vivifica toda vida, luz que ilumina toda luz e conserva em perpétuo esplendor a multidão dos astros que desde a primeira aurora resplandecem diante do trono da vossa divindade”  (São Boaventura)

Cenário simples, mil vezes representado por pintores: três cruzes, dois salteadores e um homem. Na verdade o Homem! Esse que é o desejado das colinas eternas, aquele que teve princípio no tempo, embora junto do Mistério da Trindade seja sem começo e sem fim. O Eterno se prepara para morrer.

Uns poucos conhecidos  ao pé da cruz. Um mulher de Nazaré acostumada a acolher com carinho os desígnios do Senhor, conhecida como a Senhora do sim. Uns soldados apressados para que as coisas terminassem o mais rapidamente possível. Fim de uma história que havia começado com o sim daquela mulher que está ao pé da cruz.

Jesus vive a solidão das solidões. Aparentemente até mesmo o Pai se faz ausente. Dor, sufocamento no peito, sede na garganta, nuvens sobre olhos, suor e sangue impedem a visão daquele que se mexe e remexe no trono escandalosamente duro daquela cruz.

Seu olhar vagueia de um lado para o outro. Talvez reconheça alguns  rostos entre as pessoas presentes… Esse seu olhar atravessa os tempos e perscruta os corações dos solitários  de todos os lugares e de todos os tempos.  Lá no alto, contorcendo-se de dores, ele estira o olhar e esses torturados de regimes políticos, esses soldados que morrem nas guerras idiotas, filhos queridos de senhoras viúvas, esses pedaços de carne e de ossos na lama,  nos vagões dos trens de extermínio. Esses homens e mulheres assassinados barbaramente por causa de uma louca paixão amorosa. Essas crianças jogadas pelas janelas, espatifadas no chão, esses doentes de câncer feito encarnação da dor, esses pais e mães desesperados que  nunca  mais verão seus filhos e suas filhas. Do alto da cruz, ele recolheu tudo.

Esse condenado daquela tarde de sexta-feira não encontrava mais posição. Remexia-se na ilusão de cessarem as câimbras. E esse mistério do mal que entrava em sua mente. Negações, violência, cusparadas. Lá por dentro ele queria, precisava querer amar. Ao Pai silencioso entrega tudo.  Inclina a cabeça e dá seu Espírito. Fim. As cortinas podiam se fechar. Ele vencera o desespero e numa entrega estupendamente bela salvou tudo e abriu as portas da misericórdia de Deus para todos: Levi, Zaqueu, ladrão arrependido, sequestradores, brigadas de extermínio, facínoras, agentes de toda perversidade, torturadores. Pai, em tuas mãos entrego o meu  espírito.  As cortinas, no entanto, não podiam ainda ser fechadas. As pessoas foram saindo,  talvez batendo no peito, outras decepcionadas voltando para seus vilarejos e aldeias. Houve um soldado que, com a lança, tocou o seu lado morto. E da fonte do coração aberto brotaram a água e o sangue que perdoam o pecado do mundo e alimentam os famintos de vida.

“Ó eterno e inacessível, brilhante e suave manancial daquela fonte oculta aos olhos de todos os mortais!  Sois profundidade infinita, altura sem limite,  amplidão sem medida, pureza sem mancha”  ( São Boaventura).

Frei Almir Ribeiro Guimarães

Download Best WordPress Themes Free Download
Premium WordPress Themes Download
Download WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
lynda course free download
download samsung firmware
Download Best WordPress Themes Free Download
download udemy paid course for free

Conteúdo Relacionado