Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

A religiosidade popular nos Santos Juninos

30/06/2012

junhoFrei Luiz Iakovacz

Do primeiro ao último dia de junho, festas populares pululam em todos os recantos da sociedade: igrejas, escolas, associações, entidades públicas ou comerciais.

Por que toda essa efervescência? Porque há uma longa caminhada histórica, mesclando o popular com o religioso e vice-versa. Vejamos! Dos doze meses, junho é o sexto, isto é, está no meio e é nele que acontece o primeiro solstício do ano. No Hemisfério Norte, inicia-se o verão com o dia mais longo do ano, enquanto o Hemisfério Sul entra no inverno, com seu dia mais curto. No frio, plantam-se trigo e colhem-se frutas, milho, batata, pinhão; no verão, plantam-se e colhem-se feijão, arroz,  verduras, milho.

O agricultor festeja o plantio e a colheita no início do inverno e do verão.

Na Grécia antiga, junho era o mês recheado de festas e de Jogos Olímpicos. O povo romano dizia que ele tem sua origem na deusa Juno, esposa de Júpiter, padroeira do casamento; ela é a protetora do lar e da mulher (fertilidade). Portanto, há um misto cultural interligando o religioso com a natureza e esta com aquele. Em ambos, festeja-se o início da vida (plantio, gravidez) e a gratidão pelo fruto colhido.

A Igreja Católica, em junho, celebra três santos que se tornaram os mais populares de todos: Santo Antônio (13), São João Batista (24) e São Pedro (29).

Santo Antônio, um apaixonado pela Bíblia, era dotado de extraordinária inteligência e foi o pregador mais popular da Itália, atraindo multidões que, tocadas pela Palavra de Deus, se convertiam. Morreu jovem, aos 36 anos, e foi canonizado apenas 11 meses após sua morte. Já em vida era tido como “santo milagreiro”. Apesar da popularidade, não se envaideceu. Viveu uma vida simples, trabalhando na cozinha e limpando a casa onde morava; no meio do povo, escutava e atendia a todos, especialmente os mais humildes. Isto criou laços afetivos tão fortes que o próprio povo o invocava quando desaparecia qualquer coisa… Era ele que fazia encontrar o que “estava perdido”. Quando os pobres passavam privações ou injustiças, ele era o “pão dos pobres”. Há uma crença de colocar o “pão de Santo Antônio” junto aos alimentos para que estes nunca faltem. O profeta Elias fez o mesmo com a viúva de Sarepta (cf. 1 Rs 17,7-16).

Diferentemente de Santo Antônio, João Batista viveu uma vida austera no deserto, vestindo roupas rudes e alimentando-se com gafanhotos e mel silvestre (cf. Mt 3,4). Mas, a maneira inusitada do seu nascimento – de um casal idoso e estéril – trouxe uma alegria em toda a região, que se reuniu para celebrar este extraordinário fato e, no oitavo dia, o circuncidou (cf. Lc 1,57-80).

Por que não pensar na possibilidade do povo, ao redor de uma fogueira – como já era costume -, partilhar os primeiros frutos da colheita, soltar foguetes e balões, dançar e festejar?

O povo é muito imaginativo e começa a dizer: “Isabel combinou com Maria que, quando nascesse o menino, acenderia uma fogueira para avisá-la”; “os balões que sobem, levam os pedidos ao céu”; “os fogos afugentam os maus espíritos e acordam São João”; a dança faz parte da alegria e da festa partilhada.

São Pedro, o primeiro dos apóstolos, é representado com as chaves; é ele que “abre ou fecha a porta do céu… é ele que fecha ou abre a torneira para chover ou não”. Como pescador, é padroeiro deles e são eles que realizam a procissão fluvial ou marítima. Como casado, é padroeiro das viúvas e a elas cabe organizar a festa.

Em suma, os 3 santos mexem com o dia a dia do povo, especialmente dos mais humildes. Mas o que “pega mesmo” é o casamento, do qual Santo Antônio é o referencial. Chega-se, até, à “certa violência”, amarrando sua imagem de cabeça para baixo ou separando o Menino Jesus de seus braços.

Será maldade?! Com certeza, não! O casamento é algo tão forte no ser humano que a sociedade “estranha” quem não se casa. Querendo ou não, a religiosidade popular vem ao encontro do imaginário do povo, e é criativa. Pode ser, até, que “acrescenta, mas não inventa”. É preciso acreditar mais na força do povo.

Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
free download udemy course
download lava firmware
Download WordPress Themes Free
udemy paid course free download

Conteúdo Relacionado