Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

A ferida que cura

04/03/2011

Bendito sejas, meu Senhor, pela água desta cruz,
que brotou juntamente com o sangue do Cristo crucificado.
Teu Espírito clama em mim, ó Deus humilhado:
“Eu sou a Ferida que cura o homem que crê!”
Michel Hubaut, OFM

1. Não nos cansamos de contemplar o mistério de Cristo. Ele, feito homem simples e andarilho, perambulou pelos caminhos poeirentos da Palestina, encontrou pessoas, fez convites e caminhou com a testa erguida na direção de Jerusalém, essa cidade dourada que tinha a triste fama de matar profetas. Nossos olhos e nosso interior se detêm de modo especial nos últimos momentos da vida do Mestre. Contemplando à distância, ajudados pelo Místico de Patmos, revestimo-nos, de modo especial no tempo da quaresma e da semana santa, dessa dimensão contemplativa que admira os extremos de amor do Senhor. Sim, na realidade aqueles momentos passados entre o céu e a terra, em que Jesus contempla do “alto” as coisas de “baixo” ficam gravados indelevelmente nas dobras do coração do discípulo.

2. Um pouco antes de inclinar a cabeça, quando ainda tudo girava em seu interior, o Filho, chegou ao cume da obediência. E, perscrutando os desejos do Pai, se amor-oblação para que o mundo pudesse viver. São Clemente I, assim se exprimiu: “Na caridade Deus nos assumiu para si. Pela caridade que tem para conosco, nosso Senhor Jesus Cristo, obediente à vontade divina, por nós entregou o seu sangue e sua carne por nossa carne e a sua alma, por nossa alma” (L.Horas III, p. 74). Esses últimos momentos da vida de Jesus são puro dom. Como puro dom é aquele momento, em que na mais modesta capela, um sacerdote, emprestando sua voz a Jesus, diz: “Isto é o meu corpo que é dado por vos1”.

3. Michel Hubaut, numa bela oração de louvor à água, extasia-se diante da cena do Gólgota. Contempla a Água da cruz que corre paralela ao Sangue. Água para os sedentos, água para os que desejam purificar-se, água que brota da fonte de um novo paraíso. Michel Hubaut, contemplando o Cristo nesse momento, o designa de Deus humilhado. Por isso, os discípulos de Cristo ficam extasiados diante dessa loucura: um Deus que se humilha. E, segundo a expressão poética do frade, Cristo se define: “Eu sou a Ferida que cura o homem que crê!”. Em muitas ocasiões Jesus vai se autodefinindo. Nessa página, ele se define como sendo ferida, chaga, janela. Tudo já estava consumado. Nada mais a fazer. Nada mais a dizer. Um homem que se tornara um verme, sem forças, cambaleante quando ficava em pé antes da crucificação, agora sem energia alguma. Realizava-se naquele momento as palavras de Isaías: “Era desprezado, era o refugo da humanidade, o homem das dores e habituado à enfermidade; era como pessoa de quem se desvia o rosto, tão desprezível que não fizemos caso dele. No entanto, foi ele que carregou as nossas enfermidades e tomou sobre si as nossas dores. E nós o considerávamos, como alguém castigado, ferido por Deus e humilhado. Mas ele foi traspassado por causa de nossas rebeldias, esmagado por causa de nossos crimes; caiu sobre ele o castigo que nos salva, e suas feridas nos curaram” (Is 53, 3-5). Ele reúne ainda o que tem de melhor e de mais expressivo no coração. Trata-se do momento de terminar uma trajetória, momento aparentemente de fracasso, de abandono de uns e de outros, mas suprema revelação do amor que rasga caminhos de salvação. Trata-se do momento de colocar a assinatura na obra de sua vida: Este que morreu de amor e que uma ferida que cura os que crêem.

4. Os que refletem sobre esse amor que vai até o fim procuram, como pede Paulo aos cristãos de Filipos ter os mesmo sentimentos de Cristo Jesus: “Ele, subsistindo na condição de Deus, não se apegou à sua igualdade com Deus, mas esvaziou-se tomando a condição de escravo” (Fl 2, 5 ss).

5. Compreendemos toda a riqueza que aparece no verso de Michel Hubaut: o Deus humilhado, o Deus chagado, com uma ferida que cura os que crêm. E os devotos do Coração de Jesus sabem perfeitamente que, ao longo de suas vidas, nada mais têm a fazer do que contemplar a ferida do amor de Deus que não fecha e cuidar das feridas dos irmãos da face da terra.

Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
free download udemy course
download lenevo firmware
Premium WordPress Themes Download
free download udemy course

Conteúdo Relacionado