Notícias - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Papa no Angelus: “Antes de condenar os outros, olhar para dentro de si mesmo”

03/03/2019

Notícias

 

Cidade do Vaticano – O Papa Francisco rezou a oração mariana do Angelus, neste domingo (03/03) de temperatura agradável, na Praça São Pedro, com os fiéis e peregrinos de várias partes do mundo. Na alocução que precedeu a oração, o Pontífice explicou a passagem do Evangelho deste domingo que apresenta parábolas breves, “com as quais Jesus indica aos seus discípulos o caminho a seguir para viver com sabedoria”.

Com a pergunta: “Pode um cego guiar outro cego?”, Jesus sublinha que “um guia não pode ser cego, mas deve ver bem, ou seja, deve ter sabedoria para guiar com sabedoria, caso contrário, corre o risco de prejudicar as pessoas que se confiam a ele”.

“Assim, Jesus chama a atenção daqueles que têm responsabilidades educacionais ou de comando: os pastores de almas, as autoridades públicas, os legisladores, mestres e pais, exortando-os a estar conscientes de seu papel delicado e a discernir sempre a estrada certa na qual conduzir as pessoas.”

Jesus, modelo de mestre e guia a ser seguido
Segundo Francisco, Jesus usa uma expressão sapiencial para indicar-se como modelo de mestre e guia a ser seguido: “Um discípulo não é mais que o mestre, mas aquele bem preparado será como o seu mestre.”

“É um convite a seguir o seu exemplo e seu ensinamento para ser guias seguras e sábias. Este ensinamento está especialmente contido no discurso da montanha, que há três domingos a liturgia nos propõe no Evangelho, indicando a atitude de mansidão e misericórdia para ser pessoas sinceras, humildes e justas.”

“Na passagem de hoje, encontramos outra frase significativa que exorta a não sermos presunçosos e hipócritas.” Diz assim: “Por que você olha o cisco no olho do seu irmão, e não presta atenção na trave que há no seu próprio olho?”

“Muitas vezes, todos nós sabemos, é mais fácil ou conveniente ver e condenar os defeitos e os pecados dos outros, sem conseguir ver os próprios com a mesma lucidez. Nós sempre escondemos os nossos defeitos, os escondemos até de nós mesmos. Ao invés, é fácil ver os defeitos dos outros. A tentação é a de ser indulgentes consigo mesmo, clementes consigo mesmo, duros e condenar os outros.”

Ajudar o próximo com conselhos sábios
O Pontífice disse que “é sempre útil ajudar o próximo com conselhos sábios, mas enquanto observamos e corrigimos os defeitos do nosso próximo, também devemos estar cientes de que temos defeitos”. “Se eu penso que não tenho defeitos, não posso condenar ou corrigir os outros. Todos nós temos defeitos: todos”, observou o Papa.

“Devemos estar conscientes disso e antes de condenar os outros, devemos olhar para dentro de nós mesmos. Podemos assim agir de modo crível, com humildade, testemunhando a caridade.”

“Como podemos entender se o nosso olho é livre ou se está impedido por uma trave?”, perguntou o Papa. Jesus nos responde: ‘Não existe árvore boa que dê frutos ruins, nem árvore ruim que dê frutos bons; porque toda árvore é conhecida pelos seus frutos’.

Das palavras se conhece a qualidade da árvore
“O fruto são as ações, mas também as palavras. Das palavras se conhece a qualidade da árvore. De fato, quem é bom, do seu coração e sua boca saem o bem e quem é mau põe para fora o mal, praticando o exercício mais deletério entre nós que é a murmuração, a fofoca, falar mal dos outros.”

“Isso destrói, destrói a família, destrói a escola, destrói o local de trabalho, destrói o bairro. As guerras começam da língua. Pensemos um pouco nesse ensinamento de Jesus”, exortou o Papa, “e nos façamos a pergunta: falo mal dos outros? Procuro sempre sujar os outros? É mais fácil para mim ver os defeitos dos outros do que os meus? E procuremos nos corrigir pelo menos um pouco: isso nos fará bem a todos”.

Francisco pediu o apoio e a intercessão de Maria para que possamos seguir o Senhor nesse caminho. Após a oração mariana do Angelus, o Papa saudou os fiéis presentes na Praça São Pedro provenientes de vários países. Agradeceu a todos pela presença e os encorajou “a caminhar com alegria e generosidade, testemunhando em todos os lugares a bondade e a misericórdia do Senhor”.