Carisma - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

O serafim de Assis

Estigmatização de Francisco de Assis

♦ Setembro e outubro são meses em que nós, franciscanos e amigos de São Francisco, nos abeiramos do mistério da vida e da trajetória desse que é nossa inspiração e nosso guia para melhor vivermos o Evangelho nesse curto tempo que chamamos de nossa vida. Sempre me lembro de um pensamento de Georges Duby: “De parceria com Cristo, foi Francisco o grande herói da história cristã. Pode-se afirmar, sem exagero que aquilo que hoje resta do cristianismo vivo, provém diretamente dele” (Le temps des cathédrales, Gallimard, 1976, p. 170). A 17 de setembro lembramo-nos da estigmatização no Alverne, normalmente cantamos a passagem, o “trânsito” de Francisco à noitinha de 3 de outubro e no dia 4 celebramos as maravilhas que Deus operou no Poverello. Julien Green no seu São Francisco de Assis, falando do tema escreve: “A visão dos serafins de seis asas de fogo que apareceram a Isaías deve ter causado uma impressão que não podemos negligenciar. Lembranças oníricas da Escritura deviam acompanha-lo de sua conversão até à morte. Para toda a Idade Média, o mundo interior tinha tendência a se exteriorizar sob forma de imagens. Irmão Leão, a mais séria das testemunhas da estigmatização, poderíamos dizer a única, está na origem de tudo o que se sabe e ele via pelos olhos do amor. Francisco não queria que se falasse disso e escondia ciumentamente a marca dos estigmas, porque esses ferimentos eram bocas que falavam demais (Julien Green, São Francisco de Assis, Ed. Francisco Alves, Rio, 1988, p. 209).

♦ O que realmente se passava no coração e na alma de Francisco? Qual teria sido o assunto de suas meditações? Podemos levantar a hipótese de que refletia sobre a Cruz. Ocorria a festa da exaltação da Cruz. Essa Cruz vitoriosa invadia o coração de Francisco e o iluminava. Limitamo-nos a transcrever a sucinta e sóbria dissertação do “evento” feita por Éloi Leclerc:

>> “Certa manhã, muito cedinho, enquanto rezava diante da montanha, percebeu vir até ele um ser alado, um ser de fogo e de luz: um serafim com seis asas reluzentes. Como na visão do profeta Ezequiel, duas asas se elevam acima da cabeça, duas outras se desdobravam para o voo e duas outras cobriam todo o corpo. Era um desses espíritos que se postam diante do trono de Deus, e que são irradiação de sua glória e de sua imortalidade. Mas desconcertante era ver esse espírito glorioso e luminoso que sofria: suas as cobriam o corpo de um homem crucificado. Mãos e pés estavam presos a uma cruz”.

>> Diante deste espetáculo a alma de Francisco se rasgava e sentimentos contraditórios se debatiam dentro dele. A inefável beleza do Serafim e seu olha benevolente e cheio de graça o fascinavam e o enchiam de alegria. Ao mesmo tempo, no entanto, o sofrimento do crucificado o aterrorizava. Pergunta-se então: Como um espírito glorioso, imortal e tão belo podia sofrer a mais cruel agonia? Não sabia o que pensar. A agonia estava junto com o êxtase. A Paixão e a Glória, associadas de maneira estranha, pareciam cair sobre ele como um pássaro de rapina.

>> Aos poucos a visão se diluiu e a angustia se acalmou. Abaixando os olhos para a terra, viu em suas mãos as marcas dos cravos. A Glória de Deus acabava de tocá-lo, de transpassá-lo. Era um ser ferido. E como Jacó, depois do combate com o anjo, caminhava com muita dificuldade” (E.Leclerc, Francisco de Assis.O retorno ao Evangelho, Vozes, p. 108).

• Nada mais a acrescentar. “Esses ferimentos eram bocas que falavam demais”. Por isso, o Poverello os escondia. Eram os segredos do Rei. Os serafins da Glória se encontravam com o serafim de Assis.

Frei Almir Ribeiro Guimarães

Download Nulled WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download Premium WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
download udemy paid course for free
download huawei firmware
Premium WordPress Themes Download
udemy paid course free download

Conteúdo Relacionado