Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Somente a fé ilumina nossas mentes

31/08/2022

Jesus entre os dois ladrões, Rubens (1619-1620) Museu Real de Belas Artes de Antuérpia, domínio público (wikipedia)

Inspirado em texto de Ghislain Lafont

Muitos de nós, desde nossa infância, fomos nos familiarizando com temas da fé: Deus, a Trindade, Jesus, Eucaristia, perdão, penitência. Até que ponto realmente toda a Boa Nova foi nos transformando? Até que ponto cremos de verdade? Vejamos como se situa nossa fé diante do silêncio de Deus na morte de Jesus, ou talvez o que ali viveu Jesus, ou como iluminar nossas noites a partir daquele silêncio do Pai no momento final da trajetória humana do Filho.

Por que aquele silêncio do Pai? Todo o cenário da morte de Cristo, em São Marcos, se constrói sobre o tema: “Descerá? Descerá ou não descerá?” As pessoas passam e dizem: “Se tu és o Cristo, desce da cruz (Mc 15,30); o soldado romano dá de beber ao Cristo e diz: “Esperemos para ver se Elias faça com que ele desça da cruz!”(v. 36). Jesus continua suspenso, nada diz, não sente nada que liberasse seus braços e suas pernas, ele que anteriormente havia sentido uma força sair dele ao curar uma mulher. A escuridão que tinha descido sobre a terra corresponde à obscuridade que reina em seu coração. É a noite e ele morre. Desde o momento em que ele morreu o centurião exclama: “Verdadeiramente este era o Filho de Deus” (v.39). A divindade de Jesus se revela, não no fato de que ele pudesse ter descido da cruz, mas no fato de que ele foi até o fim no silêncio de Deus, até a morte e é nesse momento que a mensagem passa. Quando Deus se cala, é o momento da coragem, porque é nesse momento que o Reino se estende sobre a terra. Certamente, Cristo no íntimo não estava “processando” o Pai. Procurava, perguntava: “Por que me abandonaste?”(v.34).

Vivendo nossas noites existenciais e nem sempre temos satisfatórias explicações para o sofrimento e a morte de inocentes, ou simplesmente de tantos humanos que sofrem, pestes, pandemias, dores. O sofrimento e a morte não podem ser um caminho de desespero. Se o Filho de Deus tomou esse caminho não se trata realmente de um caminho de desespero: a Paixão e a Morte de Cristo me impedem de me deixar esmagar pelo sofrimento do mundo. Se o Filho de Deus vindo ao mundo passou por isto, se os homens também passam por isso, é que o sofrimento e a morte são caminhos de divinização.

“Os leitores me dirão: ‘Isso é resposta fácil’. Direi: ‘Encontrem uma melhor’. Trata-se de uma resposta de esperança: nada do que sofrem os homens, aparentemente com um total “não sentido”, não é um total “não sentido”. Não temos o direito de desesperar, mesmo quando a situação possa parecer, desesperadora: seria não acreditar no que fez Jesus., no que Jesus fez” (Ghislain)

Não confundamos “esperança” com sentimento de “bem estar”. Esperança significa que posso confrontar qualquer sofrimento com o sofrimento de Cristo e sei que o sofrimento de Jesus Cristo dá sentido a este sofrimento. Para nós, cristãos, é importante crer nisto. Somente se acreditarmos poderemos viver ao lado de pessoas que sofrem e aparecer como fermento de esperança.

“Antes de morrer, o Cardeal Veillot pedia que os padres não prodigalizassem consolações intempestivas e inoperantes sobre o tema a morte. Penso que não se trata de falar, mas de crer e de “estar com”. Quem crê, diante do homem que sofre, que Jesus Cristo sofre neste homem, esse por sua fé, libera interiormente o outro, ou os outros; não tem necessidade de ver como e em por que: ele sabe que o liberta”

Fonte: “Jusqu’au bout du silence de Dieu”, Ghislain Lafont, in Et la vie jaillira, Lectures Chrétiennes – Éditions Abbaye d’Orval, p.88-89


Frei Almir Ribeiro Guimarães

 

Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes Free
Free Download WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
free online course
download samsung firmware
Download WordPress Themes Free
free download udemy paid course

Conteúdo Relacionado