Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Relações humanas = nossas relações com Deus

20/09/2002

Frei Hipólito Martendal

Vamos começar afirmando que existem extraordinárias semelhanças entre as melhores relações humanas e as melhores relações entre um ser humano e Deus. Claro que para podermos nos pôr a meditar sobre tal tema temos de enfrentar uma certa dose de medo, sem cair em ousadias e pretensões baratas. Mas se partirmos da magnífica tradição franciscana de concentrarmos o melhor de nossas meditações e contemplações no mistério da encarnação do Verbo de Deus, tudo fica mais fácil e mais iluminado. A partir deste acontecimento básico, um Deus que se faz um de nós, todos nós nos revestimos de um significado e valor extraordinários. Eu até diria que Deus afirmar que somos criados à sua imagem e semelhança não traduz a riqueza infinita e intraduzível do gesto silencioso de Deus fazer-se gente e escolher a nós, humanos, para sermos seus interlocutores, companheiros de viagem, parceiros de diálogo, amigos e amantes.

Aqui toco o cerne do tema: eu, ou você, em diálogo com Deus. Estou profundamente convencido de que o diálogo é a mais sublime e completa forma de relacionamento entre duas pessoas. Não tenho espaço para expor exaustivamente tudo o que é importante sobre o diálogo. Para o nosso objetivo basta afirmar apenas uma coisa. Para eu dialogar bem preciso ser capaz de esquecer-me o mais possível de mim mesmo e entregar-me inteiramente à escuta daquilo que o outro está revelando através de palavras e de toda linguagem não verbal, seu estado de alma, suas emoções. Só quem aprendeu a amar de verdade pode dialogar bem.

Quanto mais imatura e egocêntrica é uma pessoa, mais precárias serão suas relações com os outros. Em geral, seu relacionamento é interesseiro, explorador e conflituoso, pois dificilmente outras pessoas conseguem preencher todas as suas expectativas e necessidades. Pessoas maduras conseguem realmente usufruir a gratuidade do encontro amoroso ou a presença graciosa do amigo. Elas esquecem-se de si e entregam-se inteiramente à vivência do encontro. O mesmo acontece no diálogo.

A mesma coisa observamos nos relacionamentos de pessoas com Deus. Muitas pessoas relacionam-se com Deus sempre voltadas para seus interesses pessoais e imediatos. Tentam explorar Deus, colocá-lo a seu serviço e quando não são atendidas, partem até para o conflito. Acusam Deus, declaram-se decepcionados, cobram. Na verdade é comum o ser humano imaginar Deus mais à imagem dele próprio do que ele querer reproduzir em si a imagem de Deus. Nós somos tão interesseiros e Deus tão desinteressado e generoso… São Pedro queria mudar a cabeça de Jesus porque desejava participar e liderar os demais ao lado de um Mestre grandioso e sempre vitorioso.

Quando procuramos Deus, precisamos aprender a entregarmo-nos inteiramente e só à alegria do encontro, inteiramente esquecidos de nós, até mesmo de nossas necessidades prementes. Jesus está andando sobre as águas e Pedro pede para ir a seu encontro também andando sobre as águas. Pedro esquece a si próprio e está inteiramente embevecido em Jesus e anda como Jesus. Mas, eis que começa a pensar em sua segurança, sente medo, o milagre se desfaz e Pedro afunda. A boa oração e o diálogo são o mesmo. Quando nos entregamos assim, tudo pode acontecer, até o milagre.

Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
udemy free download
download samsung firmware
Free Download WordPress Themes
udemy course download free

Conteúdo Relacionado