Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Os desafios da cidade no século XXI – Final

18/12/2019

 

                                                                                                                   Imagem ilustrativa (fonte: Canva)

COMBLIN, José. Os desafios da cidade no século XXI. São Paulo: Paulus, 2002. 51 p.

Pe. Ademir Guedes Azevedo, cp

Na segunda parte da obra, o autor desenvolve o tema dos Desafios da Igreja na cidade atual. Recorda que o modelo de cristandade dominou a vida eclesial durante muitos séculos. Seu método era impositivo. Misturou o Evangelho com as várias tradições religiosas e culturais existentes. Exemplo clássico foram os monges enviados à Inglaterra, pelo Papa São Gregório. Trocaram as imagens dos deuses pagãos por imagens dos santos católicos. Os povos foram obrigados a prestar culto aos santos católicos se adaptarem a nova liturgia imposta pelos monges. Mas em tal modelo, o Evangelho não sobressaia, pois a adesão era pela força, não pela experiência pessoal com Jesus.

Diante disso, o autor entende que no momento atual reside forte sentimento religioso nos sujeitos. Porém, predomina uma nova religião que compete com o catolicismo oficial. Tal religião, plasmada a partir dos efeitos da cultura pós-moderna, possui o bem-estar como deus absoluto. As pessoas, para entrarem em comunhão com este deus, praticam rituais de cuidado com o corpo, técnicas de meditação que fornecem uma sensação de interação com todo o cosmo. O espírito não é importante, pois a felicidade que o deus da cultura atual transmite é sempre pela via material. Priorizam-se as férias, passeios, contato com a natureza. O compromisso com o Evangelho e suas causas não atrai porque este é exigente e, para muitos, acaba sendo um peso. O individualismo cresce à medida que cada pessoa se sente livre para cuidar de si mesma e desfrutar das oportunidades do sistema que rege a economia.

Outro fator deste contexto é o marketing, o qual incentiva de todas as formas o direito a adquirir aquilo que se produz. O pentecostalismo se utilizou desta ciência de propaganda para convencer e aglomerar pessoas em torno dos produtos divulgados pelas igrejas dessa corrente, tais como saúde, emprego, bens materiais, etc. Pagando e cumprindo com os rituais, acredita-se que uma vida próspera nascerá. Comblin pensa que o modelo neopentecostal substituiu o regime de cristandade, pois este se impunha pela força e poder, enquanto que o regime atual da cultura pós-moderna conquista pela propaganda e persuasão, considerando os produtos da fé que são oferecidos livremente. Basta apenas o crente comprar e acreditar. E isso é feito em total liberdade.

Por fim, o autor indica algumas proposições de como se pode viver o Evangelho na cultura atual. Para ele, as religiões atuais que se pautam no marketing e na aquisição do bem-estar, se distanciaram radicalmente do Evangelho. A Igreja Católica, para evidenciar o compromisso evangélico deveria assumir uma vida alternativa, sem nenhum compromisso incondicional com as práticas de consumo da nova cultura.

Se o Evangelho não compactua com as novas formas de religião, então há que se formar pequenas comunidades no mundo urbano que priorizem a fraternidade e uma vida de unidade. Como os sujeitos das cidades tendem a unir-se em pequenas comunidades afins, então é para elas que se deve voltar a atenção da Igreja.

O modelo de paróquia é homogêneo, pois usa um discurso para multidões, mas as comunidades são plurais porque se unem por afinidades, por isso é urgente uma pedagogia que possa transmitir o Evangelho em linguagem moderna. Cada vez mais se constata a vivência da fé em pequenas comunidades porque é nelas que as pessoas podem ser ouvidas, compartilham seus problemas e há espaço para exporem suas experiências. Nas grandes Igrejas, típicas do modelo paroquial, isso já não é possível, uma vez que as liturgias são homogêneas e não dão espaço para as partilhas individuais. Por isso “[…] em lugar da paróquia, o centro da vida cristã será a pequena comunidade: lugar da iniciação, da formação, dos sacramentos, da educação do discernimento moral, da preparação para o agir dentro da sociedade. A paróquia sobreviverá até que desapareçam os últimos representantes da antiga cristandade” (COMBLIN, 2002, p. 48).

Esta obra teológica de Comblin pode ser considerada um instrumento de confronto entre a Igreja e os dramas da cidade atual. Da mesma forma, nos provoca a buscarmos novas alternativas de anúncio do Evangelho nas várias formas de cultura de hoje. Como o homem do pós-moderno ainda cultiva o sentimento religioso, representado na constante busca de sentido, o Evangelho é a chave que abre a vida para um horizonte mais profundo.

LEIA A PRIMEIRA PARTE DESTE ARTIGO


Pe. Ademir Guedes Azevedo, cpé missionário passionista e mestre  em Teologia Fundamental na Pontifícia Universidade Gregoriana. Atualmente colabora com a missão passionista de Montevidéu, no Uruguai.

Download Premium WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
Download Premium WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
udemy paid course free download
download lenevo firmware
Download WordPress Themes Free
udemy course download free

Conteúdo Relacionado