Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Os desafios da cidade no século XXI – 1

17/12/2019

COMBLIN, José. Os desafios da cidade no século XXI. São Paulo: Paulus, 2002. 51 p.

Pe. Ademir Guedes Azevedo, cp

 Na introdução, o autor apresenta as várias contradições entre a estrutura da cidade e a vida paroquial. Denuncia que estes dois modos de ser não compactuam mais. Por um lado, a paróquia por ser um modelo medieval, atende mais ao interno de si mesma e acaba girando em torno de seus problemas, como liturgia, hierarquia e outras ocupações. Já a vida urbana caminha em outra direção. A economia e as empresas geram exclusões, os congestionamentos e a correria estressam a vida das pessoas e o acelerado ritmo de crescimento desafiam ainda mais a Igreja a dar respostas de sentido aos dramas da vida.

O tema da primeira parte da obra versa sobre o Despertar da Igreja católica para a cidade. Segundo o autor, a distinção entre o rural e o urbano torna-se cada vez mais uma realidade complexa. A cultura pós-moderna não se encontra apenas no mundo urbano, pois o rural também se moldou às influências do pós-moderno.

Em contexto religioso, a cultura pós-moderna não vê com bons olhos a hierarquia. Busca-se seitas, igrejas e outras expressões religiosas que não tenham um poder de controle. Quer-se uma experiência livre e subjetiva da fé. Trava-se uma tensão entre o modelo hierárquico de Igreja e as várias formas de vivência da experiência religiosa. A Igreja Católica cuida, segundo o autor, de garantir suas formas objetivas da fé como a instituição, reta interpretação da Bíblia e a formação clássica de seus seminaristas. Continua dando ênfase à relação com as outras formas de poder civil. Porém, a cultura pós-moderna das cidades não está preocupada com isso. Ela busca empatia com os sujeitos não pela autoridade que exercem, mas pela capacidade de convencimento, preparo intelectual, competência e interação. O modelo atual, por ser individualista e de competição, considera sempre a capacidade profissional e aquilo que os sujeitos podem produzir a partir de seus dotes pessoais. Neste sentido, não adianta a imposição por decretos. Da mesma forma, os sujeitos da atual cultura não ouvem o clero por seus cargos e pela posição que ocupam, pois o que interessa é o discurso de iguais, a argumentação e debate de ideias e não o argumento autoritário. Por isso, “[…] na cultura moderna, somente conseguem ter influência os que reúnem capacidades e se preparam para isso. Não adianta confiar tudo à recepção de um sacramento, o que vale é o talento e a formação desse talento.” (COMBLIN, 2002, p. 18).

Comblin menciona duas importantes características da vida urbana. A primeira é que na cidade o sujeito é autônomo em relação aos vínculos familiares, ao clã ou a qualquer outra realidade que possa vigiar o indivíduo. Se no espaço rural a família limita o contato das pessoas com outros grupos, na cidade um leque de relações se abre. A Igreja, neste contexto, não consegue mais controlar seus membros, pois várias expressões religiosas perpassam a cidade. Por isso, a ideia de território paroquial vem questionada devido a liberdade do crente frente aos diversos grupos de interação.

A segunda característica da cidade pode ser uma oportunidade para a Igreja rever sua postura no trabalho da evangelização. No mundo urbano, segundo Comblin, as pessoas tendem a se unirem em pequenas comunidades. Porém, estas associações são escolhidas de forma livre, de acordo com o gosto particular e afinidades. Se a paróquia insiste em manter o modelo tradicional das massas, usando um discurso homogêneo, então pode ferir a pluralidade e a sensibilidade destes pequenos grupos. O autor acredita que as CEBS ainda podem ser um meio concreto de abertura e diálogo da Igreja para com a cidade, tendo em vista a capacidade que têm de reunir pequenos grupos, ouvir e elaborar um discurso religioso que se identifique com a vida concreta das pessoas.

Esta primeira parte é concluída com a indicação de algumas proposições básicas que deveriam ser opção do cristianismo frente ao mundo urbano. Se é na cidade onde é possível formar pequenas comunidades de convivência, então a Igreja deve intensificar seu processo de formação e acolhida, oferecendo espiritualidade e busca de sentido. Da mesma forma, diante do consumismo e da propaganda de curas religiosas, as lideranças deveriam enfatizar mais a proposta do Evangelho, evitando uma religião de troca, no intuito de fomentar o compromisso com a causa humana e seus dramas. Comblin acredita que o Evangelho pode encontrar terreno fértil no coração das pequenas comunidades que são formadas dentro do universo urbano. A Igreja, com toda sua tradição teológica e modelo paroquial, necessita rever urgentemente sua linguagem e buscar caminhos para uma leveza da instituição, tendo em vista que o crente da cidade parte de uma subjetividade que tende a uma experiência religiosa sem muitas lideranças e conceitos abstratos. É necessário, assim, rever todo o acervo teológico clássico e falar diretamente pelo testemunho e acolhida.

CONTINUA


Pe. Ademir Guedes Azevedo, cpé missionário passionista e mestre  em Teologia Fundamental na Pontifícia Universidade Gregoriana. Atualmente colabora com a missão passionista de Montevidéu, no Uruguai.

Download Premium WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Download Premium WordPress Themes Free
free download udemy course
download lava firmware
Download Nulled WordPress Themes
download udemy paid course for free

Conteúdo Relacionado