Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Semana de Oração pela Unidade Cristã

Semana de Oração pela Unidade Cristã

Introdução

Todos os anos, desde 1968, cristãos de diversas denominações dedicam um tempo para refletir e celebrar a Unidade das Igrejas. É a chamada Semana de Oração pela Unidade Cristã (SOUC). No hemisfério Norte, a SOUC é celebrada em janeiro, entre as festas de São Pedro e São Paulo. Já no hemisfério Sul, as Igrejas celebram a SOUC nos dias que antecedem a Festa de Pentecostes, neste ano de 2 a 9 de junho.

A SOUC possui um tema único, que é traduzido para todos os países e adaptado de acordo com a realidade local. Em 2019, o tema é: “Procurarás a justiça, nada além da justiça”(Dt 16, 11-20) e foi produzido pelas Igrejas da Indonésia. No Brasil, o material foi adaptado pelo Regional Minas Gerais do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic).

Segundo o Pastor Inácio Lemke, atual presidente do Conic, as primeiras iniciativas visando a Semana de Oração surgem do Movimento Pentecostal, em 1740, na Escócia.

Mas só a partir de 1968, a SOUC passa a acontecer anualmente, através da preparação de um material único em conjunto com diversas Igrejas, promovida pelo Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos e pelo Conselho Mundial de Igrejas (CMI).

Desde o início do século XX, homens e mulheres de fé se colocam em abertura a Cristo para rogar-lhe o dom da unidade, Nele já existente, mas visivelmente ofuscada por nossas divisões. No desejo de que possamos chegar à “unidade visível do Reino de Deus tal como Cristo a quer, pelos meios que Ele quiser”, todos os anos, o Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, organismo do Vaticano e o CMI, nos convidam para a SOUC, um momento privilegiado de oração comum e convivência.

Celebrar a unidade cristã é valorizar aquilo que é comum, nosso batismo e nossa crença em Jesus Cristo, e aprender na diversidade de dons e carismas. Não é um chamado à conversão a esta ou àquela Igreja, mas um momento de celebrar em unidade, a fé que nos une em Jesus Cristo.

Numa sociedade já tão dividida por diversas ideologias e diferenças sociais, rezar em unidade pode trazer uma nova experiência pessoal e comunitária.

Brasil e Indonésia

A Semana de Oração pela Unidade Cristã em 2019 foi preparada por cristãos da Indonésia. Com uma população de 265 milhões, 86% dos quais se identificam como muçulmanos, a Indonésia é conhecido como o país que tem a maior população muçulmana. No entanto, 10% dos indonésios são cristãos de tradições diversas.A nação se baseia em cinco princípios chamados pancasila, com o lema Bhineka Tunggal Ika (unidade na diversidade).

No meio da diversidade de etnias, linguagem e religião, os indonésios têm vivido pelo princípio de gotong royong, que é viver em solidariedade e com colaboração. Isso significa ter partilha nos diversos campos da vida, no trabalho, nas tristezas e festividades, vendo todos os indonésios como irmãos e irmãs.Essa sempre frágil harmonia é hoje ameaçada de novas maneiras. Muito do crescimento econômico que a Indonésia tem experimentado em décadas recentes tem sido construído com um sistema centrado na competição. Isso está em evidente contraste com a colaboração de gotong royong.

A corrupção é experimentada de muitas maneiras. Ela infecta a política e os empreendimentos, frequentemente com consequências devastadoras para o ambiente. Em particular, a corrupção enfraquece a justiça e a implementação da lei. Movidos por essas considerações, os cristãos da Indonésia sentiram que as palavras do Deuteronômio – “procurarás a justiça, nada além da justiça” (veja Dt 16, 18-20) – falavam fortemente sobre sua situação e suas necessidades. Antes do povo de Deus entrar na terra que Deus lhes tinha prometido, eles fizeram a renovação de seu compromisso com a Aliança que Deus estabelecera com eles.

Para o segundo vice-presidente da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Pastor Mauro Souza, os dois países se assemelham em muitas características, como por exemplo a corrupção e a desigualdade social. “Os dois países sofrem muito com o problema da corrupção. Na verdade podemos falar da pandemia da corrupção. No Brasil, é um problema histórico que nos acompanha há séculos. É também o problema enfrentado na Indonésia. Quando temos a corrupção, boa parte dos recursos que poderiam sobrar para investir no desenvolvimento do país, investir em educação, seguridade social, saúde, estes recursos se esvaem nas mãos de poucos através da corrupção”, assegura o Pastor.

Carta das Igrejas-Membro do CONIC

Carta das Igrejas-Membro do CONIC sobre a Semana de Oração 2019

Procurarás a justiça, nada além da justiça (Dt 16, 18-20)

A Semana de Oração pela Unidade Cristã 2019 nos convida a celebrarmos a Justiça fundamentada na graça de Deus. Esta justiça nos desafia a olharmos para a complexidade dos problemas da humanidade, a revermos as relações de poder e a compreendermos que os interesses individuais ou de grupos econômicos não podem ser colocados acima dos seres humanos, da integridade da Criação e do bem-estar da humanidade.

A Semana de Oração pela Unidade de 2019 foi preparada pelas igrejas da Indonésia, um país multirreligioso e com uma diversidade étnica surpreendente. No entanto, a pluralidade ao invés de ser motivo de alegria e celebração, tem sido em algumas situações, causa de divisões e agressões. Assim como no Brasil, na Indonésia, o fundamentalismo religioso ou a supremacia de um grupo étnico sobre outro, tem significado forte divisão no país, que também é caracterizado por acentuada desigualdade econômica.

As igrejas da Indonésia nos convidam a refletir sobre a justiça a partir da unidade na diversidade, conceito importante para o ecumenismo. A justiça precisa garantir a dignidade e a integridade de todas as expressões culturais e religiosas e precisa zelar pela Criação de Deus.

Talvez estejamos vivendo em um momento da história em que a sobrevivência da Casa Comum está colocada em um risco muito alto. Diariamente, somos alertados e alertadas que precisamos transformar radicalmente nosso estilo de vida, nossas formas de organização, rever nossos valores, e redefinir as prioridades para a humanidade.

Para revertermos as situações de conflito, a agonia pela qual passa a Criação, mais do que nunca, temos a tarefa de superar a compreensão de que os interesses econômicos de poucas pessoas estão acima do bem comum. Da mesma forma, o individualismo não pode ser considerado critério para as relações humanas. Para que a Casa Comum esteja disponível para as gerações futuras, necessitamos recuperar o espírito da coletividade, a solidariedade, empatia, a compreensão de que nós, seres humanos, somos uma pequena parte da Criação de Deus.

No Brasil, a Semana de Oração pela Unidade Cristã foi preparada pelo CONIC/MG, que nos chama a atenção para um novo crime ambiental provocado pelos interesses econômicos de grupos financeiros que têm na mineração a sua geração de riquezas. É impossível não pensarmos nas pessoas de diferentes tradições de fé e também nas pessoas que não se vinculam a tradições religiosas que perderam amigos, amigas e familiares no rompimento da Barragem do Córrego do Feijão.

Queremos orar para que a Justiça da graça de Deus subverta a justiça humana que nem sempre assegura a reparação às pessoas afetadas pela ação de grandes corporações. Que das vidas interrompidas, pela destruição ambiental provocada pelo rompimento desta barragem sejam colocados acima das perdas financeiras das empresas mineradoras.

Nesta Semana de Oração pela Unidade Cristã queremos orar por todas as famílias afetadas pela mineração. Vamos orar pelas pessoas que dependem do rio Doce, do rio Paraopeba e do Rio São Francisco para sobreviverem. Estes rios sofrem os impactos da exploração mineradora. Que possamos atuar para a recuperação dos rios. Em nossas orações, lembremos dos povos indígenas que também sofrem com esta a destruição e pelas inúmeras famílias camponesas que perderam suas roças.

E, por fim, agradecer pela vida das pessoas que se organizaram para manifestar solidariedade, aos bombeiros e sua coragem e dedicação por recuperar as vidas soterradas.

Que o Deus da Justiça e da Graça nos encoraje!

Em Comunhão Ecumênica,

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Secretário Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil

Pastora Sílvia Beatrice Genz
Pastor Presidente da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil

Bispo Naudal Gomes
Bispo Primaz da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil

Presbítera Anita Sue Wright Torres
Moderador da igreja Presbiteriana Unida do Brasil

Dom Paulo Titus
Arcebispo da Igreja Sirian Ortodoxa de Antoquia

Pastor Paulo César Pereira
Presidente da Aliança de Batistas do Brasil

A unidade na busca da justiça

Artigo de Marcelo Barros

Procurarás a justiça, nada além da justiça” (Dt 16, 18- 20) é o tema central da Semana de orações pela unidade dos cristãos em 2019. Cada ano, no hemisfério sul, a Semana da Unidade se realiza entre o domingo da Ascensão e a festa de Pentecostes. Nesse ano, ocorre exatamente nesses dias,   promovida pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC) e pelo Secretariado da Unidade dos Cristãos, organismo da Igreja Católica.

De fato, ainda hoje, muitos cristãos e mesmo ministros de Deus não se deram ainda conta da importância do movimento pela unidade cristã (Ecumenismo). Já em 1964, há 55 anos, todos os bispos católicos do mundo, reunidos no Concílio Vaticano II afirmaram: a divisão do Cristianismo em Igrejas separadas uma da outra é totalmente contrária à vontade de Jesus Cristo. Essa divisão é consequência e expressão do pecado humano e é um escândalo para o mundo. Os cristãos, aos quais Jesus mandou pregar ao mundo o mandamento do amor e da unidade, eles mesmos estão divididos. Por isso, o trabalho para recompor a unidade das Igrejas é essencial à fé e à missão de toda Igreja cristã (Decreto Unitatis Redintegratio, n. 1).

O caminho para reconstituir a unidade é um trabalho de conversão interior e comunitário de todos os cristãos das mais diversas Igrejas. Trata-se de conversão a Jesus Cristo e ao seu projeto de amor e justiça. Essa unidade não se fará como uniformidade institucional e sim no respeito à diversidade e autonomia das Igrejas. Em 1898, o papa Leão XIII propôs a todas as comunidades católicas prepararem a festa de Pentecostes através de uma semana de orações pedindo a manifestação da vinda do Espírito Santo. E o papa indicou que essa semana especial de orações deveria ter como tema central a oração pela unidade das Igrejas. Como a unidade é dom gratuito de Deus, é muito importante orar pela unidade entre as Igrejas cristãs e, sempre que possível, orar juntos.

De fato, orar pela unidade supõe que tenhamos no coração essa angústia que foi a de Jesus. Até na noite em que iria ser preso, antes de partir para o horto das Oliveiras, ele orou: “Pai, te peço por todas as pessoas que, algum dia, ainda crerão em mim. Que elas todas sejam Um, como Tu e eu somos um. Que os meus discípulos sejam Um para que o mundo possa crer que Tu me enviaste” (Jo 17, 19 – 20).

Exatamente, nessa semana, se completam 56 anos do dia 01 de junho de 1963, quando o papa João XXIII entrava em agonia. Em meio a dores fortíssimas e uma agonia que durou três dias, o santo João XXIII declarou que queria oferecer a sua vida e os seus sofrimentos pela unidade dos cristãos. Em 1998, na preparação do solene Jubileu do ano 2000, o papa João Paulo II escreveu a encíclica “Ut unum sint” (Para que sejam UM). Era a primeira vez em que um papa dedicava uma encíclica ao tema da unidade dos cristãos. Ali ele afirmava que o ecumenismo não é apenas uma das tarefas da Igreja Católica, mas é o coração de toda a sua missão (UUS 1).

Infelizmente, embora a maioria dos católicos e mesmo dos padres se diz de acordo com a preocupação pela unidade, até hoje, esse assunto ainda não parece central na vida das comunidades paroquiais e das Igrejas. Mesmo dioceses abertas costumam nomear uma comissão ecumênica. Encarregam seus membros de participarem das relações com outras Igrejas, em nome da diocese. Pronto. Depois disso se sentem descomprometidas com o assunto. Como se a comissão de ecumenismo fosse para substituir e não para representar o conjunto da Igreja que deve ser todo envolvido nesse caminho.

Já em 1968, a coordenação da CNBB publicou um documento preparatório ao Diretório Ecumênico proposto pelo Vaticano. Ali os nossos bispos ensinavam que a pastoral ecumênica e a abertura para outras Igrejas só acontecem se se basearem em uma “ecumenicidade” de toda a pastoral e de todas as atividades eclesiais. Isso significa: ou toda a Igreja se compromete nesse caminho e vive uma abertura espiritual para a unidade, ou a pastoral ecumênica terá sempre poucos resultados positivos.

Atualmente, esse assunto é fundamental não somente para cada Igreja em si, mas para a sociedade contemporânea. Em um mundo no qual, como diz o papa Francisco, milhões de pessoas vivem como descartáveis, governos  se colocam a serviço da economia que mata e propõem reformas trabalhistas, da previdência e outras que vão contra a vida dos mais pobres. É preciso que as Igrejas se unam na defesa da justiça. O Conselho Nacional de Igrejas cristãs propõem que nessa semana da unidade de 2019, as comunidades orem especialmente em solidariedade às muitas vítimas dos crimes ambientais e, especialmente as pessoas afetadas pela ação predadora das empresas mineradoras. A unidade que pedimos a Deus é também comunhão com a natureza ameaçada e especialmente com os rios destruídos pela mineração como estão o rio Doce, o rio Paraopeba e mesmo o grande São Francisco. Que, nessa celebração de Pentecostes, o Espírito Santo nos ilumine para que busquemos a unidade visível das Igrejas no trabalho comum pelo direito dos pobres e demos testemunho de que Deus é Amor e Justiça.

Cartaz da SOUC 2019

O cartaz da SOUC deste ano foi elaborado por Mariana da Silva Souza, de Belo Horizonte (MG).

“Minha visão sobre o tema se fixa na justiça. No desenho, fiz a cruz como uma balança, símbolo da justiça. Representei duas pessoas, ambas com suas diferenças, demonstrando que, diante de Deus, não há distinção de cor, gênero e status social. Em suas mãos, a representação dos dois caminhos que a humanidade pode seguir: o mundo ou a Palavra”, afirma a jovem.

Oração da SOUC

Deus de imensa misericórdia e bondade! Teu projeto de amor e nosso sonho: a realidade sem fim onde “justiça e paz se abraçarão” (Sl 85, 10b).

Sabemos que a paz sem justiça é alienação; e a justiça sem paz é mero legalismo. Confiantes, te pedimos, “transforma nosso coração duro de pedra e dai-nos um coração de carne, compassivo como o vosso (Ez 36, 26), dedicado a “procurar tua justiça, nada além da tua justiça (Dt 16, 20a).

Tu, Trindade Santa, vês “a opressão e a miséria sobre teu povo, ouves seu clamor, por causa dos poderosos deste mundo” (Ex 3, 7). Tanta dor e injustiça de quem deveria lhe proteger a vida e promover toda a dignidade de filhos e filhas de Deus e a cidadania. Também “hoje toda a criação geme e padece, como em dores de parto” (Rm 8, 22), sofrendo as violências da ganância do capital, da escravidão ao deus dinheiro.

Guia-nos, Amor Divino, a discernir na caridade e na fé os caminhos da vida (Mt 25, 31-46) e a vivê-los na espera do teu Reino.

Procurar a Justiça, nada além da Tua Justiça, ó Deus, para cada homem e mulher e toda a criação seja a nossa missão.

É o que te pedimos Pai, teus filhos e filhas, em nome de Jesus o unigênito e de seu Santo Espírito. Amém.

Série de entrevistas

Para falar um pouco mais da SOUC, sua origem, o tema e outros aspectos importantes do ecumenismo, a Província Franciscana da Imaculada Conceição, através da Frente de Evangelização da Comunicação, produziu uma série de entrevistas, disponibilizadas em áudio no Soundcloud, Spotify e outros agregadores de podcast. O material também estará disponível na Rede Católica de Rádio, para retransmissão nas emissoras interessadas.

O objetivo da série de entrevistas é provocar a reflexão sobre o tema do ecumenismo e motivar para que as comunidades se organizem e iniciem ou fortalecem a relação com outras denominações cristãs, valorizando aquilo que os une enquanto seguidores de Cristo.

A série possui 12 episódios e será disponibilizada em duas partes. Acompanhe os temas e entrevistados da parte 1:

Origem e finalidade da SOUC

Entrevistado: Pastor Inácio Lemke

Presidente do Conic e membro da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil.

Tema de SOUC e semelhanças entre Brasil e Indonésia

Entrevistado: Pastor Mauro Souza

Segundo vice-presidente da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil.

A Igreja Católica e a necessidade do diálogo ecumênico

Entrevistado: Monge Marcelo Barros

Monge beneditino, teólogo, biblista, escritor e assessor das comunidades eclesiais de base e de movimentos sociais.

Recuperar o espírito de coletividade

Entrevistada: Reverenda Lucia Dal Pont Sírtoli

Coordenadora da Educação Teológica da Diocese Anglicana do Paraná e membro do Movimento Ecumênico de Londrina (MEL).

A importância do ecumenismo e os desafios na busca da unidade

Entrevistado: Monge Isaac Souza (Secretário executivo da Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia)

A adaptação do material preparatório

Reverendo Jorge Eduardo Diniz (Membro da Igreja Presbiteriana Unida – IPU e presidente do Regional MG do CONIC)

A situação atual em Brumadinho, após o rompimento Barragem do Córrego do Feijão

Frei Rodrigo Péret (Frade da Custódia do Sagrado Coração de Jesus, membro da Rede Igrejas e Mineração da CNBB)

Ouça abaixo: