Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Encantamento e enamoramento

03/07/2020

Quando percorremos a vida dos amigos do Senhor, desses que  chamamos de “santos”,  temos diante dos olhos pessoas normais (mas  corajosas!) que cavaram nelas  amplo espaço para a ação do  Mistério. Deixaram-se tocar pelo  Evangelho e suas solicitações. Experimentaram,  como Elias, o Deus da brisa que lhes acariciavam o rosto. Fascinação, encantamento,  assombro.

Com São Francisco Assis vemos que a pessoa de Cristo surge imediatamente diante de seu olhar límpido e extasiado. A essência do  cristianismo não é uma doutrina,  mas uma  pessoa, Cristo vivo e ressuscitado. No caminho   espiritual  de Francisco está precisamente  a pessoa de Jesus, em primeiro plano:  grande, linda, iluminadora, encantadora.  Tudo o mais, mesmo as coisas importantes e  as solicitações do  Evangelho,  não estão no primeiríssimo lugar.  Sempre  o encanto por  Jesus. Sem ele, não se entende  Francisco de Assis.

Frei David de Azevedo, OFM, brilhante frade português,  assim escreve:  “Diante da pessoa de Jesus,  a atitude de  Francisco é toda de amor.  Poderia ser de curiosidade, de interesse, de temor.  Mas não.  É toda gratidão, assombro, encanto.  Quando depois da proeza de beijar o leproso,  Cristo lhe aparece na capelinha de São Damião, crucificado, mendigo,  pedindo-lhe  ajuda, a alma de Francisco fica verdadeiramente e para sempre “colada” à pessoa de Jesus. Toda a sua vida foi um processo de enamoramento.   Progressivo  em intensidade,  mas  a qualidade da relação,  essa  ficou definida desde aquele momento:  era amor,  só amor.  Não queremos dizer que não entrassem nele outros sentimentos: o que queremos acentuar é que nunca houve uma involução  egoísta sobre  si mesmo, nem um diversão distrativa para áreas laterais, mesmo apostólicas,  que desfocassem o seu olhar. A pessoa de Jesus como ponto de mira, e o enamoramento, como forma de relação, definem a sua atitude. Esta referência enamorada  pertence ao cerne da espiritualidade franciscana.  É a fibra mais íntima e mais fina da alma de  Francisco”  (São  Francisco. Fé e Vida, Frei David Azevedo, OFM,  Ed. Franciscana,  Braga,  p. 22).

Terminamos com uma citação de Tomás de Celano, primitivo biógrafo do Poverello:  “Os irmãos que viveram com ele,  sabem com quanta ternura  e suavidade, cada dia e continuamente, falava-lhes de Jesus  Sua boa falava da abundância do coração e gente teria dito que a fonte do puro amor, que enchia sua alma, jorrava de sua superabundância.  Quantos encontros entre  Jesus e ele. Levava Jesus e seu  coração,  Jesus em seus lábios,  Jesus nos ouvidos,  Jesus nos seus olhos, Jesus em suas mãos,  Jesus em toda parte.  Durante as viagens  também,  muitas vezes  de tanto meditar e cantar  Jesus, esquecia-se de  caminhar e convidava todos  os elementos  a louvar  Jesus com ele”  (1Celano 115).

Na Primeira Sexta-feira de cada  mês  contemplamos a  beleza,  o comprimento,  a largura e a profundidade desse  Coração   que nos amou até o fim. Que ele continue nos fascinando e encantando.

         Frei Almir Guimarães

Premium WordPress Themes Download
Download Nulled WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
free download udemy paid course
download lava firmware
Download Nulled WordPress Themes
online free course