Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Combate espiritual na pandemia

03/12/2020

                                                                                          Imagem da Wikipedia: Ivan Kramskoy, 1872, domínio público

Dom Jean Kockerols, bispo auxiliar de Malinas-Bruxelas, na Bélgica, faz uma reflexão espiritual sobre o tempo da pandemia, indicando sete combates a serem travados.

O artigo foi publicado em Settimana News, 02-12-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto (http://www.ihu.unisinos.br).

Eis o texto.

Vivemos em uma época muito exigente. Estamos sobrecarregados, em todos os sentidos. Sob todos os pontos de vista: familiar, social, sanitário, financeiro, material e também espiritual.

O que significa “escutar a Palavra e pô-la em prática” e, assim, entrar na relação de fraternidade com Cristo, como Jesus nos convida no Evangelho nestes tempos abalados pelo coronavírus? Qual é o combate espiritual a ser travado?

Trata-se de um verdadeiro combate como o de Jesus com o Tentador no deserto e depois na hora da morte. A nossa época está cheia de desafios e de tentações. Eis uma breve lista.

Temos a impressão de descobrir um mundo frágil, muito frágil. Em outros contextos mundiais ou da nossa sociedade, a fragilidade faz parte do cotidiano. Mas nós, acostumados ao conforto, achamos que removemos a fragilidade. Ou a negamos.

A tentação, de fato, é esconder a fragilidade, crer que ela é superficial, facilmente superável. Não. O fiel sabe que o próprio Deus se fez frágil, vulnerável, no seu Filho crucificado. E que precisamos aí a força de Deus pode se manifestar. “É quando sou fraco que sou forte” (2Cor 12,10). O primeiro combate é aceitar as fragilidades. E isso requer humildade.

Isso pode nos levar a crer que é preciso voltar à situação anterior, ao antes. É uma ilusão, pura ilusão. Devemos arquivar os tempos passados sem muita melancolia, sem olhar para trás, caso contrário corremos o risco de nos transformar em estátuas de sal, como a esposa de Ló (Gn 12,26). Devemos aceitar que “estamos não em uma época de mudança, mas em uma mudança de época” (Papa Francisco). Segundo combate: não olhar para trás.

O clima ansiogênico que nos rodeia faz o medo crescer. Ou, melhor, os medos. Medos identificáveis, angústias sutis que se escondem dentro deles. Medos certamente legítimos, mas que nos paralisam. Medos que dão medo. Exatamente aquilo que o Tentador quer, para que façamos aquilo que ele deseja. Como Cristo, é preciso manter, diante de tudo e contra tudo, um espírito aberto e confiante, ancorado na fé. Terceiro combate: não ter medo do medo.

O distanciamento social, necessário no nível da saúde, infelizmente induz a outros distanciamentos. Um distanciamento psicológico que nos afasta do outro, que alimenta o desinteresse. O meu próximo, mesmo longe, deixará de ser próximo? O Papa Francisco, na sua recente encíclica Fratelli tutti, nos lembra que a fraternidade não conhece distâncias físicas. Quarto combate: ficar perto, fazer-se próximo. Com outras modalidades, é claro, mas querer estar perto.

Usamos máscaras para não respirar o vírus. Mas já usamos máscaras há muito tempo. Mais sutis, mais discretas do que estes pequenos tecidos. Máscaras para nos iludirmos de que somos outros. O Tentador adora quando nos mascaramos, quando interpretamos um personagem que não somos nós. Quinto combate: ser você mesmo, permanecer você mesmo. Para além das nossas vontades de nos mascarar.

Os especialistas não concordam entre si. Os governos estão divididos sobre as regras a serem aplicadas, sobre as restrições a serem implementadas. As tensões se tornam palpáveis. O Tentador adora isso! É o diabolos, o divisor. Sexto combate: que o Espírito Santo, que habita em nós, nos conserve na unidade.

Enfim, uma tentação sutil, discreta e insidiosa: abaixar os braços. De que adianta? Pior ainda? Deixar-se levar pela corrente. Eis o sétimo combate: o desencorajamento.

Que esta crise, como indica o termo crisis, seja verdadeiramente, para cada um, um tempo de discernimento. Que as nossas mãos, tão higienizadas pelo álcool em gel, não nos impeçam de sujá-las a serviço dos irmãos. Que o contágio de que fugimos não nos impeça de sermos contagiosos do amor de Deus.

Porque me foi confirmado lá do alto: não existe cristão assintomático.

Free Download WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Download Best WordPress Themes Free Download
lynda course free download
download lenevo firmware
Download Nulled WordPress Themes
ZG93bmxvYWQgbHluZGEgY291cnNlIGZyZWU=

Conteúdo Relacionado