Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

A prática do diálogo e a saúde da vida fraterna

18/10/2019

Frei Fidêncio Vanboemmel

“Palavra não foi feita para dividir ninguém, palavra é uma ponte onde o amor vai e vem, onde o amor vai e vem”. Este é o refrão da música “A Palavra”, da autoria e composição de Irene Gomes, que por anos seguidos muitos de nós cantamos. Sim, a “palavra é uma ponte” porque dela necessitamos e através dela criamos vínculos fraternos que aproximam uns dos outros.

A prática do diálogo da vida de Jesus

Sabemos que Jesus Cristo, nosso Senhor e Mestre, no mistério da Encarnação, fez-se Palavra-ponte (Caminho, Verdade e Vida) pela qual o Amor divino veio habitar entre nós. E Jesus, qual pontífice do Pai, serviu-se da palavra para anunciar o Reino de Deus. No seu dialogar com todas as pessoas de boa vontade, recriou entre os filhos e filhas do mesmo Pai a dignidade da mútua pertença fraterna: “todos vós sois irmãos” (Cf. Mt 23,8-9). E como irmãos e ministros de Cristo, somos “administradores dos mistérios de Deus” (1Cor 4,1), particularmente a sua Palavra que “trazemos em vasos de barro” (2Cor 4,7). Quando esta Palavra se faz diálogo na vida da comunidade cristã, seus membros se edificam mutuamente: “A palavra de Cristo permaneça em vós com toda a sua riqueza, de sorte que com toda sabedoria possais instruir e exortar-vos mutuamente” (Col 1,16).

A prática do diálogo com o Senhor na vida de São Francisco

O nosso Seráfico Pai São Francisco, com a chegada dos irmãos dados pelo Senhor, fez do diálogo a lei suprema para construir a fraternidade que começa pela acolhida do outro: “Sejam recebidos benignamente” (Rnb 2,1). Foi assim o nascimento da nossa Fraternidade Franciscana: o Santo de Assis, ao perceber a aproximação dos primeiros companheiros, e para não correr o risco do autoritarismo ou da unilateralidade para impor ideias e concepções pessoais, afinal toda ponte possui dois lados, vai “pedir conselho ao Senhor” (AP 10). É o Senhor que foi a ponte entre o “eu” e o “tu”, entre a pessoa de Francisco e a pessoa do irmão. Assim, em clima de oração, dialogam com o Senhor, com a Igreja e entre si e, juntos, chegam a este discernimento: “Esta será a nossa Regra” e “Ide e, da maneira como ouvistes, realizai o conselho do Senhor” (AP 11). Foi a Palavra do Senhor que, a partir daquele momento, os uniu na vida, na vocação e na missão. A Palavra do Senhor foi o novo laço espiritual e a ponte por onde o amor fraterno circulou com zelo e perfeição no “vai e vem” das qualidades e virtudes somadas a partir das diferenças (cf. EP 85), na balada da mesma música: “Palavra não foi feita para dominar, destino da palavra é dialogar. Palavra não foi feita para opressão, destino da palavra é união”.

Diálogo: provocação para qualificar a nossa vida fraterna

O recente subsídio da Ordem, “Nossa Vocação entre abandonos e fidelidade”, Roma, 2019, apontou algumas dificuldades que tocam a questão da fidelidade e da perseverança dos Irmãos na Ordem dos Frades Menores. Nesse sentido, o tema do diálogo como sinal de saúde da nossa vocação e carisma para a vida fraterna se faz presente em todo o texto.

Constatou-se um número significativo de abandonos da Ordem por conta de irmãos que se desencantaram da vida fraterna. Irmãos que adoecem, particularmente pela fragilidade do diálogo e da comunicação nas respectivas fraternidades e entidades. Desta constatação nascem alguns questionamentos: Como podemos melhorar a qualidade da comunicação e das relações fraternas em comunidade? Quais são os motivos pelos quais alguns irmãos permanecem marginalizados da comunidade? Qual o nível do diálogo que é praticado e cultivado nas nossas fraternidades?

Da mesma forma, o último Conselho Plenário da Ordem, ocorrido em Nairóbi, no Quênia (2018), no diálogo ocorrido entre os irmãos, constatou a necessidade de renovar o nosso empenho para melhor qualificar a vida fraterna (cf. CPO, n.181). Esta qualificação da vida fraterna começa no interior de cada Fraternidade quando ela é capaz de recriar entre os irmãos a “comunicação interpessoal… a fim de que possa ser fluida, fraterna, respeitosa, rica de estima, capaz de gerir e superar os eventuais conflitos, uma comunicação radicada na caridade e profundamente animada pela própria vida de fé” (CPO n 182).

A fragilidade do diálogo e da não comunicação não é apenas um questionamento dos nossos dias. Quando estudamos atentamente os Escritos de São Francisco, constatamos o quanto nosso Pai Seráfico bate na tecla da qualidade da vida fraterna que se rege pelo diálogo: manifestar com solicitude fraterno-maternal as necessidades pessoais; evitar toda murmuração e detração entre os irmãos; partilhar e colocar tudo em comum no espírito da mútua confiança e pobreza; usar de misericórdia a quem misericórdia procura; evitar escandalizar-se com o pecado de um irmão; usar da correção fraterna indicada no Evangelho; manter sempre presente e em tudo o espírito da santa oração e devoção; oferecer ao mundo a salvação por meio do testemunho fraterno, etc. E para os nossos dias, Francisco de Assis, certamente, acrescentaria novos desafios que nos adoecem nas relações humanas e empobrecem nosso diálogo fraterno, particularmente o individualismo, o consumismo, a indiferença, o pecado da virtualização das nossas relações fraternas, etc.

Necessidades do diálogo, ponte pela qual flui o amor fraterno

Na missão evangelizadora que abraçamos, particularmente quando nos colocamos na escuta do povo de Deus, deparamo-nos com múltiplas doenças procedentes do não diálogo, do isolamento, da segregação, do preconceito, da discriminação, da produção de inverdades (Fake news), etc. Chegamos à conclusão de que muitas pessoas estão doentes porque não mais encontram espaços e pessoas com quem dialogar! Por isso compreendemos perfeitamente a admoestação do Papa Francisco na sua passagem por Lampedusa, na Itália (foto ao lado), admoestando a humanidade a estar atenta a uma das mais graves epidemias que afligem as pessoas do nosso tempo que é a “globalização da indiferença”. Afirmou o Papa: “Esta cultura do bem-estar leva à indiferença a respeito dos outros; antes, leva à globalização da indiferença. Neste mundo da globalização, caímos na globalização da indiferença. Habituamo-nos ao sofrimento do outro, não nos diz respeito, não nos interessa, não é responsabilidade nossa”. Por isso, continua: “A globalização da indiferença tirou-nos a capacidade de chorar”.

Mas não basta olhar somente para “fora”. Por conta da solidão das pessoas, nós, Frades Menores, necessitamos de muita qualificação humana para melhor ajudar e apoiar o desalento de tantas “ovelhas sem pastor”, ou de tantas pessoas “famintas e sedentas” de um sentido maior para o seu viver. Por isso se faz urgente e necessário olhar com mais seriedade para dentro das nossas fraternidades para rever a qualidade da nossa “saúde fraterna”, particularmente na questão do diálogo.

Nós muito bem sabemos quando as nossas relações fraternas estão fragilizadas, ou estremecidas, ou gravemente doentes. Quando a indiferença pelo irmão ocupa lugar na minha fraternidade, algo de muito grave está acontecendo com a minha própria vocação.

Da mesma forma, sabemos que o diálogo fraterno é o medicinal preventivo que nos livra de todo desencanto vocacional para vivermos o profetismo da vida fraterna. Dialogar na certeza de que o irmão é um dom de Deus é um ato de fé que se renova a cada dia, tanto nas virtudes pessoais que nos engrandecem, como nas fragilidades e diferenças que nos santificam. Em outras palavras: a qualidade da nossa vida franciscana é sadia quando o amor fraterno circula livremente pela ponte do diálogo no “vai e vem” da mesma fé que professamos: “o Senhor me deu irmãos” (Test 14).

Dialogar como Irmãos e Menores é envolver-se de corpo e alma no projeto fraterno que o Senhor revelou a Francisco de Assis e que nos motiva a construir o nosso Projeto Fraterno de Vida e Missão (fraterno e pessoal!). Dialogar é fazer com que a Palavra de Deus seja a ponte que nos aproxima uns dos outros, mesmo sendo uma “margem” diferente. Dialogar elimina as nossas diferenças (abismos) e faz circular entre irmãos a essência do Amor divino no “vai e vem” das nossas relações humanas e fraternas.

Que neste ano dos 800 anos do diálogo de São Francisco com Sultão do Egito, aprendamos a clarear a nossa vocação e missão a partir do diálogo saudável com o Senhor, com os leprosos do nosso tempo e com o diferente de cada irmão com quem devemos compartilhar a vida do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.

E concluo a reflexão com os dois últimos versos da canção “A Palavra”:

Palavra não foi feita para a vaidade, destino da palavra é a eternidade. Palavra não foi feita pra cair no chão, destino da palavra é o coração.

Palavra não foi feita para semear a dúvida, a tristeza e o mal-estar. Destino da palavra é a construção de um mundo mais feliz e mais irmão.


Frei Fidêncio Vanboemmel, ex-Ministro Provincial, é moderador da Formação Permanente da Província da Imaculada Conceição. 

Free Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
Download Best WordPress Themes Free Download
free online course
download redmi firmware
Premium WordPress Themes Download
free download udemy course