Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Saúde & Religião III

20/09/2002

Frei Hipólito Martendal

No artigo anterior eu afirmava que não existe relação entre santidade e saúde, principalmente no que se refere a doenças hereditárias e infecto-contagiosas.

Temos, contudo, que reconhecer a diferença entre a origem da doença e seu desenvolvimento depois de instalada. Há doentes que mais facilmente desanimam, entregam-se e morrem. Outros são firmes na esperança, crêem na cura, lutam mais e, mesmo em doenças não-curáveis, vivem mais tempo. Aqui entram a fé e as devoções. Pesquisas dos Estados Unidos e Reino Unido comprovam que práticas religiosas simples como a oração do terço e sobretudo a meditação diminuem o consumo de oxigênio, o ritmo respiratório, o ritmo cardíaco, a pressão arterial e aumentam as ondas alfa do cérebro. Ora, isso significa diminuição do estresse e aumento na serenidade do espírito. Do sono e conseqüente bem-estar, o que é muito saudável. Mas isso não é suficiente para curar câncer, depressão, epilepsia, tuberculose e outras doenças sérias.

Outro assunto importante é a origem das doenças. Temos que deixar bem claro: todas as enfermidades começam por razões naturais e nunca por coisas do além, ou sobrenaturais. Mesmo assegurando a origem natural para todos os nossos males, temos ainda de excluir causas naturais que são fruto de superstições. Mau olhado, astrologia, pensamentos e sentimentos não têm o poder de causar malefícios nos outros. Pensar em, ou falar a palavra “câncer”, não atrai esse mal a ninguém. Também temos certeza de que trabalhos de macumba, vodu, ou qualquer ritual espiritual para prejudicar alguém são totalmente inúteis. A única coisa que podem causar é medo (com todas as suas conseqüências) em pessoas muito crédulas e supersticiosas. E atenção! Nenhum ser humano tem o poder de prejudicar aos outros através de maldição, sortilégios ou orações. Deus jamais aceitaria servir de vara de castigo para pessoas que não praticam a compreensão e a caridade para com o próximo. Todas as maldições são inúteis, mesmo que sejam pronunciadas por pais ou autoridades religiosas.

O diabo não tem poder de causar doenças. Deus não lhe daria tal força. É certo que antigamente, nos tempos bíblicos, praticamente todas as enfermidades eram atribuídas aos maus espíritos. Aliás, os antigos imaginavam o mundo povoado por espíritos maus e bons e praticamente tudo o que acontecia aos humanos era determinado por espíritos. Coisas boas como bons pensamentos, sentimentos nobres eram gerados por espíritos benévolos. Os ciúmes de Saul pelo sucesso de Davi, a febre da sogra de Pedro, assim como todas as enfermidades eram gerados por espíritos ruins. Nada se sabia a respeito da química das emoções, nem de micróbios, bactérias e vírus. Coisas semelhantes ainda pensam protestantes e católicos pentecostais, umbandistas, espíritas e outros.

Antes de terminar por hoje, quero ainda garantir que Deus não castiga nem prova a ninguém. Ele conhece tudo a nosso respeito. Não precisa de provas. Não é distribuidor de doenças. Se o fizesse, seria muito injusto. Basta comparar os níveis de saúde e a duração de vida nos países do Primeiro Mundo, bem menos religiosos e mais materialistas, com a mortalidade e doenças dos países pobres, mais religiosos e menos materialistas.

A maior parte dos problemas de saúde do Terceiro Mundo é causada pela pobreza, falta de investimento em educação e sistema hospitalar, ignorância, sujeira, desânimo… numa palavra, são fruto de nossas injustiças. Atribuir à vontade de Deus seria blasfêmia.

Free Download WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
free download udemy course
download samsung firmware
Download WordPress Themes
udemy free download