Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

O sofrimento e a fé

30/05/2019

Pe. Ademir Guedes Azevedo, cp

Hoje, mais do que nunca, assistimos a tantos discursos de apologia sobre a fé. Grupos e líderes religiosos levantam a voz para defender o “verdadeiro” Deus. Às vezes, tem-se a impressão de que estamos numa época de cruzada religiosa. As redes sociais são as principais armas e o canal de difusão das sentenças dogmáticas que prolongam um ciclo de divisão entre os assim chamados progressistas e conservadores.

No entanto, deve-se entender o que significa a apologia da fé. A Sagrada Escritura não se interessa com discursos de ordem metafísica. A questão central, quando falamos aqui de apologia tem a ver com um estilo de vida específico capaz de manter a fidelidade ao projeto de Jesus nos momentos mais difíceis e escuros da existência. Jesus pediu a sequela, ou seja, que nós o seguíssemos. Foi só no seguimento de Jesus que os discípulos cresceram na fé a ponto de darem também a própria vida por causa do Reino pregado por Ele. Em outras palavras: a credibilidade da fé é uma questão de seguimento (fidelidade) mais do que de debates sobre normas e preceitos.

A história de Israel, da qual nasceu o cristianismo, não é marcada por teologias abstratas, mas sim por aquela perseverança e fidelidade a Deus. A propósito, Israel se recusa a aceitar as consolações míticas que fornecem uma imagem divina completamente diferente daquela do Êxodo, ou seja, de um Deus libertador. É aqui que entra o drama do sofrimento. A teologia, para ser autêntica, deve aprender a justificar este problema. É somente assim que podemos acolher a revelação de Deus tal como Ele é e não como nós o formulamos com nossas divagações abstratas. Então, se a teologia assume a teodicéia (o problema do sofrimento) podemos nos aproximar melhor – mas não totalmente – do verdadeiro rosto de Deus. Mas a questão é: como justificar o drama do sofrimento? Devemos refleti-lo a partir da fé bíblica. Mas antes, vejamos aquilo que a própria teologia tentou dizer.

Santo Agostinho atribuía a causa do sofrimento ao pecado. Segundo ele, trata-se do mal uso da liberdade humana. Marcião, seu opositor, dizia que a origem está no Deus mau do Antigo Testamento. Para ele, só o Deus do Novo Testamento era bom. Este dualismo é combatido por Agostinho, o qual afirma que, seja o Antigo ou o Novo Testamento, possuem como origem um único Deus, o qual é sempre bom, ou seja, que existe apenas um princípio, a bondade. A origem do mal, para o bispo de Hipona, é de ordem moral, diz respeito ao pecado do homem. Por isso, o mal é a privação do bem. Todo o sofrimento, contudo, serve como uma pena para reparar os nossos pecados. Por meio desta visão, Deus não tem nada a ver com o problema do sofrimento, não pode ser envolvido. É uma questão exclusivamente ligada à liberdade humana, a qual é deturpada quando, através de algumas escolhas, nos distanciamos de Deus.

Para o teólogo alemão, Johann B. Metz, essa teologia agostiniana não contribui em nada na justificação do sofrimento, pois distancia Deus deste drama histórico. Partamos de um exemplo: diante de um jovem que ficou paraplégico devido um acidente automobilístico, seria justo dizer que tal tragédia serve como pena para reparar os seus pecados? Ou que isso não é um problema que envolve Deus, mas é exclusivamente o resultado das escolhas que ele fez? Tem algo que não se encaixa.

A questão remete à experiência bíblica de Jó, o qual nos ensina que não se deve ter medo de pôr o problema diante de Deus. Deve-se interrogá-lo e pedir respostas a Ele. Metz escolhe o grito de Jesus na cruz como legítima experiência de uma fé adulta. Jesus grita: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?” Parece que o seu Pai não responde, o filho morre sem uma resposta. Porém, a chave está na fé de Jesus, a qual não tem medo de pôr diante de Deus a pergunta sobre o sofrimento. A fé de Jesus constitui abandono total em um Deus que silencia, que parece abandoná-lo. Mas Jesus não o abandona jamais. Permanece fiel e credente. Por isso, seu sofrimento é por Deus. A fé bíblica não obriga que Deus diga o que queremos ouvir ou realize aquilo que imaginamos. Não! É exatamente a falsa imagem de Deus, que estamos acostumados a criar, que nos engana e nos deprime. A fé bíblica crê em Deus tal como Ele é e não como nós queremos que Ele seja.

Esse é o segredo e a lição do grito do crucificado. É, sobretudo, esta atitude de fé diante do sofrimento que torna credível a mensagem de Jesus para o mundo de hoje. Por isso, aprendamos a ser testemunhas fiéis, sobretudo nos momentos mais duros que nos confrontam com o mistério da dor.


Pe. Ademir Guedes Azevedo é missionário passionista e mestrando em teologia fundamental na Pontifícia Universidade Gregoriana.

Download WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes
udemy course download free
download huawei firmware
Free Download WordPress Themes
free download udemy paid course

Conteúdo Relacionado