Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

O símbolo da fé

25/05/2013

43_bj_240513Por Frei Alberto Beckhäuser 

Em outra oportunidade refletimos sobre o “Mistério da Fé” celebrado e vivido na Liturgia em geral e particularmente na Eucaristia.

Neste ano da fé convém que nos debrucemos também sobre o “Símbolo da fé”, também chamado “Símbolo dos Apóstolos”, o “Creio em Deus”, o Creio em Deus Pai, Creio em Deus Filho e Creio em Deus Espírito Santo. O “creio” vale para as três Pessoas da Santíssima Trindade.

1. Várias expressões da fé

Desde os tempos apostólicos temos várias expressões ou enunciados da fé cristã. Primeiramente a de São Paulo na Primeira Carta aos Coríntios:

Trago-vos à memória, irmãos, o evangelho que vos tenho anunciado, que recebestes e no qual estais firmes. Por ele sereis salvos, se o conservardes como eu vo-lo anunciei. De outra forma, em vão teríeis abraçado a fé. Eu vos transmiti, em primeiro lugar, o que eu mesmo recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; que foi sepultado; que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as escrituras; que apareceu a Cefas e depois aos Doze  (1Cor 15,1-5).

O Credo responde também ao que São Paulo escreve na Carta aos Efésios:

 Assim já não sois estrangeiros e hóspedes, mas concidadãos dos santos e membros da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, tendo por pedra principal o próprio Cristo Jesus. É nele que todo edifício, harmonicamente disposto, se une e cresce até formar um templo santo no Senhor; nele vós também sois integrados na construção para vos tornardes morada de Deus no Espírito (Ef 2,19-22).

Temos uma primeira Regra da fé que era professada na celebração do batismo de adultos e hoje usada no batismo de crianças. A profissão era feita no próprio ato do batismo através das perguntas: Crês em Deus Pai ? Crês em Jesus Cristo? Crês no Espírito Santo?

Depois temos o “Credo” dos Apóstolos ou Símbolo apostólico, proveniente de um Símbolo batismal da Igreja de Roma que foi ampliado pelos concílios de Niceia e de Constantinopla. Por tradição era atribuído aos apóstolos.

O Símbolo niceno-constantinopolitano, em geral, chamado Credo, surgiu em ambiente polêmico, resultado da reflexão teológica em defesa da fé cristológica e trinitária, fixada nos concílios de Niceia e de Constantinopla. Em Roma, só foi aceito na Missa no ano de 1014.

Finalmente, temos o chamado Símbolo atanasiano, atribuído a Santo Atanásio, de origem bem posterior, provavelmente no sul da França. Até a reforma atual da Liturgia era usado na Festa da Santíssima Trindade. Hoje, já não é mais usado na Liturgia.

2. O Símbolo Apostólico

Queremos deter-nos no Símbolo apostólico ou no Creio em Deus. Ele surgiu pelo século III em ambiente batismal nos ritos das entregas durante o catecumenato.

É chamado símbolo por ser um enunciado dos artigos de fé nas Igrejas cristãs. Símbolo porque contém, revela, evoca e representa a fé cristã. Constitui a Regra da fé para uso da comunidade. No Brasil, o Símbolo apostólico é aprovado também para ser professado na Missa. Convém notar que no Ocidente o Credo só foi introduzido na Missa depois que se perdeu o sentido da profissão de fé trinitária na Oração eucarística e o cânon da Missa era dito em silêncio. Portanto, a Oração eucarística também é lugar de professar sempre de novo a fé cristológica e trinitária cristãs.

O Creio em Deus permaneceu na Liturgia batismal. Muito cedo, porém, passou para a devoção individual ou familiar, bem como para as devoções populares como o Santo Rosário. Começou a fazer parte, por exemplo, da Oração da manhã ou Oração da noite individual e familiar.

Na Liturgia tudo era latim. Na piedade popular fizeram-se as traduções. Por isso, podemos dizer que o Símbolo dos Apóstolos foi o grande veículo da transmissão da fé através das gerações. Onde aprendemos a professar a nossa fé? Certamente guiados por nossos pais e, sobretudo, por nossas mães.

A fé é transmitida de geração em geração. Ela é  transmitida no batismo, ela nasce no batismo da água e do Espírito Santo. Trata-se de uma das virtudes teologais. Mas, é alimentada desde a infância e desabrocha na iniciação e na prática da vida eucarística. A fé constitui um dom de Deus, que dá sentido à nossa existência e ao qual somos chamados a corresponder.

3. Uma profissão de fé trinitária e cristológica

Valeu a pena ter lido recentemente um livro do nosso confrade espanhol Frei Francisco Martínez Fresneda, OFM, membro da Equipe de Liturgia da Ordem, intitulado El Credo Apostólico: Por Cristo, con Cristo y en Cristo, San Pablo, Madrid 2011. Trata-se de uma abordagem do Credo em chave cristológica e bíblica.

Mostra o nosso confrade como o “Credo” dos Apóstolos provém de um Símbolo batismal da Igreja de Roma, que foi ampliado pelos concílios de Niceia e de Constantinopla. Está dividido em doze artigos que a tradição atribui aos Doze Apóstolos. Sem dúvida, a lógica interna do Símbolo constituída pela profissão de fé na Trindade, segundo as últimas palavras que Jesus dirige a seus discípulos antes de subir para a glória do Pai: “Ide, pois, fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a observar tudo quanto vos mandei” (Mt 28,19), e que na História da Salvação, constituem o centro da criação, da redenção e da salvação.

Não obstante a clara divisão do “Credo” segundo as três Pessoas da Trindade, o Autor o enfoca de uma maneira cristológica, visto que a revelação cristã e, portanto, o “Credo”, parte da história e da doutrina de Jesus. E aqui temos o novo, o original da abordagem do “Creio”. Trata-se de uma abordagem toda ela bíblica e cristológica. Apresenta-se um tratado bíblico sobre a Santíssima Trindade ou se quisermos, um tratado de Cristologia todo baseado na Sagrada Escritura.

Para cada artigo de fé abordado ele oferece o contexto escriturístico e dogmático correspondente tratando, em seguida, de sua atualidade na experiência de fé.

O Autor expõe a matéria em quatro capítulos:

No Capítulo I, chamado Creio em…, o autor mostra em que consiste a fé, a dimensão subjetiva da fé que inclui a confiança, a fidelidade, a obediência; a fé de Abrão; Maria, exemplo de mulher de fé; a fé de e em Jesus. Passa, em seguida, a tratar da dimensão objetiva da fé e a confissão de fé.

O Capítulo II se intitula: Creio em Deus Pai. O autor trata das religiões vizinhas de Israel, o Deus de Israel, ou seja, o Deus da Aliança, o Deus como Pai de Israel e o Deus de Israel como centro da vida e da fé de Jesus. Passa a tratar de Deus Pai em Jesus: Deus distinto da Criação como o Criador, o Providente e Salvador; o Pai de Jesus, Doador de bens e obediência, Oração de júbilo e tentação no Getsêmani; Deus Pai é Abba; o Pai é bondade e amor; Todo-poderoso, Criador do céu e da terra, onde trata dos dados atuais da ciência e da Criação em Cristo Jesus.

O Capítulo III é central: Creio em Deus Filho. Os principais temas tratados: Jesus, Cristo, o Messias nos tempos de Jesus, o Messias nos Evangelhos, Jesus Cristo em São Paulo. Depois, citando apenas os tópicos principais: Único Filho, nosso Senhor; Concebido por obra e graça do Espírito Santo, nasceu da Maria Virgem; a Vida de Jesus; Padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos; Foi crucificado, morto e sepultado; Desceu aos infernos; ao terceiro dia ressuscitou dos mortos; Subiu aos céus e está sentado à direita do Pai; Donde há de vir para julgar os vivos e os mortos.

O Capítulo IV tem como título: Creio em Deus Espírito Santo, com os seguintes subtítulos: Creio no Espírito Santo; a santa Igreja Católica; a Comunhão dos Santos; o perdão dos pecados; a ressurreição dos mortos e a vida eterna.

Em 391 páginas o autor procurou expor, de uma forma simples e clara a relação criadora, salvadora e santificadora que Deus estabeleceu com o homem na história concreta de Jesus de Nazaré. E conclui o autor: “Jesus, que confessamos como a encarnação do Verbo eterno de Deus, é o veículo de acesso ao Pai e quem nos dá seu Espírito, que é o mesmo Espírito do Pai. E se é Jesus quem nos oferece uma visão nova de Deus e nova do Espírito, também, com sua vida e doutrina, nos dá um novo sentido que nos conduz à plenitude de ser, à felicidade temporal e eterna. Assim acreditou sempre a comunidade cristã: ‘Eu sou o caminho, a verdade e a vida’ (Jo 14,6)”.

“Em conclusão, diz o autor, o Credo cristão é o relato de uma relação de amor, de um diálogo cordial de Deus conosco e de nós com Ele para viver de uma forma nova. Por isso, ao falar de Deus Pai, Filho e Espírito no Credo, descrevemos qual deve ser nosso sentido de vida e quais são as propostas divinas para alcançar nossa felicidade”.

O evangelista Marcos nos conta que o pai do menino epiléptico endemoniado prostrou-se aos pés de Jesus e exclamou: “Eu creio, mas ajuda a minha falta de fé” (Mc 9,24). Penso que nos cabe fazer o mesmo. A oração diária do Creio em Deus poderá constituir um grande meio para este permanente mergulho em Deus.

Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
lynda course free download
download samsung firmware
Download Best WordPress Themes Free Download
udemy paid course free download

Conteúdo Relacionado