Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

O Coração do Redentor

23/06/2022

                                                                Imagem: Catholic Pictures (https://www.cathopic.com)

            Deus!? Quantas vezes dizemos ou escrevemos essas quatro letras!  Talvez  de tanto dizer ou ouvir a palavra  ( e a realidade) tenha perdido  força e seu sentido mais profundo. Será que Deus tem ressonância profunda  em nosso templo interior? Talvez tenha se tornado algo rotineiro,  bem diferente da experiência de Santo Agostinho: “Eu te saboreei, agora sinto sede e fome de ti”.  Alguém de quem não se pode separar? João, o evangelista nos lembra que  “Deus é amor” (1Jo 4,8).

Pagola lembra bem: “Não é que Deus nos tenha amor. Deus é amor.  Todo seu ser e seu agir é amor.  De Deus só brotar amor. ‘Deus não sabe, nem quer, nem pode fazer outra coisa senão amar’ (A. Torres Queiruga).  Deus nos ama sempre e para sempre. Ele é assim. Ninguém o obriga a fazê-lo, nada lhe é imposto de fora. Ele é o ‘eterno amante’ (Bruno Forte). E jamais priva alguém de seu amor” (José Antônio Pagola, Anunciar Deus hoje como boa noticia, Vozes, p.140)

Há palavras que,  por si mesmas, anunciam Mistérios, chegam até o mais profundo de nós mesmos. Entre elas  está a palavra coração, que designa o centro mais íntimo, onde toda multiplicidade é uma. Quando dizemos Coração de Jesus evocamos aquilo  que o  Cristo tem de mais íntimo, queremos dizer que esse centro é repleto  do mistério de Deus.  Dizemos que  neste coração reina o amor infinito pelo qual  Deus mesmo se dá, se entrega.  Quando dizemos “Coração de Jesus” é isso que  professamos e confessamos com todas as forças de nosso próprio coração. Professamos em todos os momentos, mas de modo  especial nos momentos de sofrimento. Nessa circunstância é que temos todas as razões de voltar nosso olhar para aquele de quem o coração foi  transpassado,  esse ninho aberto no alto da Cruz.

Para numerosos cristãos,  “Coração de Jesus”  pode ser uma simples duplicata verbal de “Jesus Cristo”, o que se pode compreender. Aquele, no entanto, que na aventura de sua experiência religiosa teve ocasião de experimentar a inaudita altura, profundidade, comprimento e largura da realidade  da salvação vai mais adiante e compreende o alcance desse  Coração.  Um coração traspassado, que nos ama mesmo nos becos se saída, Coração que é o coração  que nos entrega sem se esgotar o mistério de Deus.

Não  há nenhum lugar existencial onde o homem possa entregar inteiramente e sem condições o que ele tem de  mais pessoal, sua salvação sem se aniquilar, sem cair no desespero:  é  Deus experimentado como misericórdia.  Esse abandono tem o nome de fé e de esperança.  Tal só será possível se ele se entrega a Deus como amor.  Ora, colocar esse ato de fé de maneira consciente e refletida será possível  diante de Jesus crucificado e ressuscitado, diante de seu coração traspassado.

A devoção ao Coração de Jesus não pode ser ensinada de fora. Cada um, confiando na Igreja e seu Espírito,  tentará abeirar-se de seu mistério:  nos dias de sol e nas jornadas nubladas deveria repetir:  “Coração de Jesus, tende piedade de mim”. Uma prece que seja como mantra. O que se acerca  de Jesus deve poder fazer a experiência:  o que há de mais de incrível , de mais impossível e, ao mesmo tempo  mais evidente é que Deus ama e que seu amor se tornou irrevogável no Coração de Jesus.

Fonte: Le culte du coeur de Jesus  aujourd’hui, Karl  Rahner, Revista  Vie Consacrée,  set. 1986.p. 270-272


Frei Almir Ribeiro Guimarães

Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Premium WordPress Themes Download
free download udemy course
download coolpad firmware
Download WordPress Themes
lynda course free download

Conteúdo Relacionado