Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

O centenário de Fátima e a canonização de crianças

26/07/2017

pastorinhos_260717

Frei Luiz Iakovacz (*)

A Bíblia, seguidamente, relata diversas maneiras de Deus se revelar aos homens, mostrando-lhes qual é sua vontade. Às vezes, Ele mesmo faz, como no episódio da “sarça ardente” (Ex 3,1-22). Outras vezes, revela-se através de sinais visíveis, como a nuvem no Monte Horeb, através da qual foram proclamados os mandamentos (Ex 19,9–25), ou da Arca da Aliança que conduziu Israel à Terra Prometida (Nm 10,33).

Manifesta-se, também, em sonhos e visões como São José para que acolhesse Maria, e na fuga ao Egito (Mt 1,20; 2,13). O livro do profeta Naum (Na 1,1), bem como grande parte do Apocalipse (Apoc 1,1–3. 9 – 11) são escritos a partir de visões. Deus envia seu Anjo para acompanhar Tobias em sua viagem (Tb 5,22) e é ele quem anuncia os nascimentos de João Batista e de Jesus (Lc 1,11–12. 26).

E, acima de tudo, manifesta-se através de seu Filho, “imagem visível do Deus invisível” (Cl 1,15) que se “fez carne e armou sua tenda entre nós” (Jo 1,14). O próprio Cristo aparece como Ressuscitado a Madalena (Mc 16,9), aos apóstolos (Lc 24,26) e a mais de quinhentos discípulos (1 Cor 15,6).

Outros textos poderiam ser acrescentados e nos ajudariam a compreender as muitas “aparições” das quais muito se fala, especialmente, as de Nossa Senhora. Desta, há inúmeros relatos, mas a Igreja reconhece apenas dezesseis (16). Dentre eles está o de Nossa Senhora Aparecida que, em outubro, comemorará 300 anos.

Em Portugal, há as aparições de Fátima, cujo início aconteceu em 13 de maio de 1917, portanto, a cem anos atrás. Ela apareceu a três pastorinhos Lúcia, Jacinta e Francisco. Os dois últimos são irmãos carnais e sobrinhos de Lúcia. Esta morreu, recentemente (2005), como Carmelita Descalça, com 97 anos. Os outros dois partiram em idade pueril, vítimas de uma epidemia broco-pneumônica: Francisco, com onze anos (1908 – 1919) e Jacinta, dez (1910 – 1920). Foram canonizados aos 13 de maio de 2017, no centenário de Fátima.

Na história da Igreja, é a primeira vez que se canonizam crianças não-mártires. O milagre que se lhes atribuíram, foi a cura de uma criança brasileira. Na ocasião, a frase “duas crianças cuidaram de uma criança” criou um impacto emocional muito grande. Quem a escreveu foi a postuladora Ir. Ângela de Fátima, licenciada na Faculdade de Medicina do Porto.As aparições são atípicas, não só por envolverem crianças, mas também porque se sucedem durante seis meses seguidos (maio a outubro), no mesmo dia e local. Neste contexto, é normal que, em cada dia 13, muitos se aglomerassem na Cova da Iria, uns, bem intencionados, outros, descrentes ou curiosos. Alguns ouviam e viam o “diálogo da Senhora com os pastorinhos”, os demais, não. Foi o motivo para que houvesse controvérsias.

O fato é que as romarias aumentaram e construiu-se um grande centro de devoção mariana que, anualmente, atrai mais de seis milhões de peregrinos, segundo estatísticas de 2015.

O santuário foi visitado seis vezes pelos Papas: Paulo VI (1967), João Paulo II (1982, 1991, 2000), Bento XVI (2010) e Papa Francisco (2017) – todos no dia 13 de maio.

Há uma tradição litúrgica, 10 de junho, em que se celebra a festa de “Santo Anjo da Guarda de Portugal”, também chamado Anjo da Paz. A partir de 2016, esta devoção cresceu entre os fiéis porque  ele apareceu aos três pastorinhos recomendando-lhes oração e penitência. Esses mesmos apelos são renovados nas aparições de Nossa Senhora, incentivando a reza diária do terço e o sacrifício/penitência pela conversão dos pecadores. (É o período final da Primeira Guerra Mundial 1914 – 1918).

Parece estranho que os apelos de mais oração e sacrifícios sejam feitos a crianças que, de boa vontade, se comprometem com o pedido. Porém, se olharmos seu ambiente familiar, percebe-se que está “dentro da normalidade”. É o que lembra a postuladora da canonização. As famílias dos pastorinhos moravam em Aljustel, pequena comunidade de Fátima (tornou-se município em 1997) “modestas e pacatas, mas modelo de participação ativa na vida local, terço diário em família, respeito por todos e caridade para com os pobres”. As três crianças “pastoreavam durante a maior parte do dia, brincavam e rezavam o terço, após o lanche”, continua a postuladora.

Descreve, também, o jeito de ser de cada um. Francisco era introspectivo e gostava do silêncio. Por isso, demorava-se nas visitas à Igreja, no contato com a natureza, ficando absorto com ela e nela. Ele mesmo dizia: “Sentia que Deus estava em mim, mas não sabia como era”.

Jacinta era mais expansiva, “gostava de partilhar sua merenda escolar e oferecia seus sofrimentos pela conversão dos pecadores”.

Tanto o Anjo da Paz como Nossa Senhora lhes fazem a pergunta: “Quereis oferecer-vos a Deus”?! Mediante resposta afirmativa, lhes diz: “Ireis sofrer muito, mas a graça de Deus será vosso conforto”.  As crianças sentem “seu coração arder” (Lc 24,32) e colocam Deus como centro de suas vidas. Assim escreve a postuladora: “Francisco e Jacinta não são santos porque foram protagonistas das visões e aparições em Fátima. São santos pela relação de amizade com Deus e pelo modo como se comprometeram em oferecer-se a Ele”.

Para concluir, uma breve reflexão sobre a “sarça ardente” (Ex 3,1 – 4,17). Moisés está pastoreando o rebanho e se aproxima para ver a árvore que se queimava sem se consumir. Ouve uma voz: “Tire a sandália porque este lugar é santo! (…) Eu te envio para libertar o meu povo”.

Deus sempre está relacionado com o sagrado e com a libertação do povo, do qual escuta os clamores. O sinal visível que realizará os milagres é o cajado. Ele engolirá as “serpentes dos adivinhos” e a mão estendida com o cajado concretizará as pragas da água em sangue, das rãs/moscas/mosquitos e das demais. O cajado dividirá o Mar Vermelho para que o povo escravizado passe à liberdade e destruirá o perseguidor. É com ele que, batendo na rocha, brotará água.

O que é o cajado? É o instrumento de trabalho do pastor, é o seu dia a dia. Foi com ele que Deus operou os milagres.

O mesmo acontece com a vida. Deus realiza verdadeiros milagres no nosso dia a dia, seja ele de alegrias ou de dores. Se, esporadicamente, nos comtemplar com outras maravilhas – saibamos agradecer ambas, mas privilegiemos as primeiras porque o nosso Deus é o “Deus nosso de cada dia”.


(*) Frei Luiz Iakovacz é missionário em Angola

Download Premium WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
free download udemy course
download coolpad firmware
Download WordPress Themes Free
free online course

Conteúdo Relacionado