Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

O batismo de Jesus na perspectiva judaica e seu significado para os cristãos (Lc 3,15-16.21-22)

06/01/2022

                                                                                                     Imagem: Giotto di Bondone (domínio público)

Frei Jacir de Freitas Faria [1]

O texto sobre o qual vamos refletir hoje é tirado de Lc 3,15-16.21-22. Trata-se do Batismo do Senhor, festa celebrada na Igreja Católica para encerrar o tempo litúrgico do Natal e iniciar o Tempo Comum. O batismo para o cristão é o início de uma vida de fé na comunidade, a partir do qual, ele se torna discípulo de Jesus e filho de Deus.

Tendo como base o texto de Lucas, vamos refletir sobre o batismo de Jesus na perspectiva judaica e seu significado no cristianismo a partir dos simbolismos do tempo, da pomba, da Torá (a Lei judaica), da água e do fogo.

O tempo cronológico de nossas vidas é marcado pelo nascimento e pela morte. E entre esses dois pontos, para o cristão, está a encarnação de Jesus, que veio nos trazer a Boa Nova do Reino de Deus e nos convocar a sermos seus evangelizadores.

Judeus e cristãos das comunidades dos evangelhos não se contentaram em reconhecer que Jesus fora judeu plenamente, mas era preciso demonstrar que a Torá, a Lei, também se encarnou Nele. Como isso aconteceu? É o que diz a memória do batismo de Jesus conservada em todos os evangelhos, quando afirmam: O Espírito Santo desceu sobre ele em forma de pomba” (Mc 1,9-11; Mt 3, 13-17; Lc 3, 22 e Jo 1, 32-34). Por que em forma de pomba? Vejamos.

A pomba, em hebraico Yoná, também Jonas em português, é uma ave frágil, de notória candura e fiel ao seu companheiro. Por isso, os judeus fizeram dela o símbolo da paz e do povo de Israel, que quer a paz, mas vive sempre, por causa da sua fragilidade, perseguido pelas nações do mundo. Em tempos atuais, não sei se poderíamos dizer o mesmo de Israel. Basta ver as suas ações políticas e econômicas em relação aos palestinos.

Assim como a pomba só pode se defender com as suas duas asas, Israel só tem as duas tábuas da Lei, dadas no Sinai a Moisés. Com isso, a pomba passou a ser a imagem da Presença divina e símbolo da Torá, assim como para nós, hoje, uma raposa, um galo ou um tamanduá podem representar um time de futebol.

Portanto, no batismo de Jesus, o que desce sobre Ele é a Torá-Pomba para lhe conferir a dignidade de Torá-Personificada. Torá confirma Torá. Deus envia seu Filho. Os cristãos compreenderam no batismo de Jesus que Deus mesmo se lhes oferecia em Jesus, em forma de Torá.  A presença simbólica de uma pomba no batismo de Jesus quer ser a sua confirmação como israelita, judeu e membro do povo de Deus, que se faz presente como sinal de esperança e de força, na fragilidade e na candura de uma Yoná.

O fato de Jesus ser batizado por João é um dado histórico muito importante. Com isso, Lucas quer dizer que Jesus se une ao movimento penitencial para assumir a cruz, elemento importante na caminhada missionária de Jesus. Ele inicia aí a sua missão com o batismo, mas no fim da estrada está uma cruz esperando-O, assim como ocorre com todo cristão comprometido com a causa do reino anunciado por ele. Por isso, no batismo acolhemos nossas crianças com o sinal da cruz. Não há vida sem cruz.

No momento do batismo de Jesus, o céu rasga-se e o Espírito Santo, em forma de pomba, desce e diz que Ele é o seu Filho amado. O céu rasgou-se, assim como o desejo do profeta Isaías pedindo a Deus que fendesse o céu e descesse (Is 63,19). O povo sonhava novamente com uma descida de Deus no meio de seu povo, assim como ocorreu a manifestação no monte Sinai, a teofania, quando ele estava no deserto. No batismo, Deus se manifesta novamente, agora em seu Filho amado, o judeu e Messias Jesus, conforme previa a tradição (Sl 2,7; Is 42,1). Assim como Deus desceu, no tempo da escravidão no Egito, para libertar o seu povo (Ex 3, 7-8), o Espírito de Deus veio sobre Jesus para iniciar uma nova etapa na história da salvação.

O batismo de João Batista é o da água para a purificação. Nós também hoje realizamos o batismo, utilizando-nos da água. Há diferenças entre esses dois batismos. João Batista insistia na água para demonstrar a vinda do messias. O povo precisava passar por uma purificação para receber o enviado de Deus e começar uma nova história. Já o nosso batismo tem relação com a morte e ressurreição de Jesus e seu discipulado.

No batismo de Jesus, Deus volta a falar com o povo. Uma nova relação é restabelecida. Em e com Jesus não existe mais porta fechada para falar com Deus. Batismo não é para lavar pecados e livrar-se de culpas passadas do simbólico ser humano, chamado Adão. Uma criança batizada é confirmada na Graça de Deus, na qual ela nasceu sem pecado. Ser batizado é um recomeçar nas águas que nos lava no Espírito e no fogo que purifica. Na celebração do Batismo do Senhor renovemos nosso batismo, nosso compromisso com a vida de fé na comunidade e na transformação da sociedade. Sejamos instrumentos de paz e bem!


[1]Doutor em Teologia Bíblica pela FAJE (BH). Mestre em Ciências Bíblicas (Exegese) pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma. Professor de Exegese Bíblica. É membro da Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica (ABIB). Sacerdote Franciscano. Autor de dez livros e coautor de quinze. Youtube: Frei Jacir Bíblia e Apocrifos. https://www.youtube.com/channel/UCwbSE97jnR6jQwHRigX1KlQ

Download Nulled WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download WordPress Themes Free
Download WordPress Themes
download udemy paid course for free
download samsung firmware
Download WordPress Themes Free
udemy course download free