Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Não transforme Deus no diabo

29/03/2019

Pe. Ademir Guedes Azevedo, cp

Theodore Francis Powys foi um escritor e romancista britânico. Em um dos seus contos diz que Cristo resolve visitar o Sr. John Pie. Querendo garantir todas as bênçãos para a sua família e a abundância na sua mesa, o Sr. John decide guardar Cristo em um armário para buscá-lo sempre que houvesse alguma necessidade. No entanto, ele nunca prestou atenção ao que Jesus ensinou nos evangelhos: dar de comer aos famintos, visitar os doentes, ser bom samaritano para com os caídos pelas estradas da vida. Além disso, o Sr. John não sentia compaixão com a pobre velhinha mendiga que agonizava à sua porta. Contudo, as coisas andavam muito bem, porque a consciência de ter Cristo no armário, como um Deus privado, garantia o bem-estar de tudo. Mas um dia, o Sr. John caiu e uma das suas costelas lhe perfurou o pulmão. Correu imediatamente ao armário para que Cristo o curasse exatamente naquele momento de extrema necessidade. Abrindo o armário, deparou-se com um diabo em meio a chamas e lhe disse: “A tua maldade com os pobres e esquecidos transformou o teu cristo preso no armário em um diabo. Ele não está mais aqui”. E o Sr. Johan Pie morreu desesperado.

Este conto nos faz recordar da ideia de Deus como um tapa-buraco. Recorremos a Ele só nos momentos difíceis da nossa vida. Foi Dietrich Bonhoeffer quem criticou duramente essa visão equivocada. Diante das grandes guerras que ceifaram inúmeras vidas, a experiência de fé descobriu que, mais do que intervir na história de modo poderoso (pelo menos da maneira como estamos acostumados a interpretar este conceito),  na verdade Deus sofre com os miseráveis, assume também a dor humana e é só assim que Ele se revela. Não como poderoso, mas como solidário com as vítimas (Não esquecemos que a sua fraqueza, a kenosis, é a sua força). Bonhoeffer insistia num cristianismo com uma fé adulta, ou seja, capaz de reencontrar Deus sobretudo quando as circunstâncias dão a entender que Ele está ausente.

Além desta provocação, o conto de Powys provoca outra reflexão: em que coisa estamos transformando Deus hoje? O que andamos dizendo por aí sobre Ele, por acaso corresponde a sua imagem bíblica de Abbá (paizinho de todos) ou será que o manipulamos para alcançar objetivos que não têm nada a ver com a sua atuação histórica? É perigoso engaiolar Deus em nossos conceitos para sustentar as falsas visões sobre o mundo, a política e o próximo. Quando nos achamos no direito de privatizar Deus a partir de slogans de campanhas eleitorais e de visões ultraconservadoras caímos numa sequência de ações irresponsáveis e as relações se transformam naquela experiência do “salve-se quem puder”, ou seja: optamos por combater mais do que acolher; dividir mais do que unir e congregar; mentir mais do que ser honesto com a verdade, etc. Em outras palavras: corremos o risco de ser como o Sr. Pie da estorinha: transformar Deus num diabo mediante a nossa péssima visão da história e do ser humano.

É possível, contudo, libertar-nos dessa armadilha e da enganosa propaganda religiosa que se elabora na penumbra da corte de alguns governantes de grandes países, difundida sem discernimento e responsabilidade por seus falsos profetas, sobretudo aqueles das redes sociais que acrescentam uma pitada de cizânia fundamentalista.

A primeira coisa a considerar sempre é: este ciclo de violência pode ser interrompido quando cessamos de dirigir ataques do mesmo nível. A privatização religiosa que presenciamos é o resultado da pregação dos messias virtuais que correm do debate porque sabem que a vela que acendem é para um deus que não dialoga, mas que se impõe. Querem que todos as explicações religiosas dedutivas e descontextualizadas sejam aceitas, como se até aqui não valesse a pena, por exemplo, o esforço das várias comunidades que trilharam uma rica e profunda caminhada de fé, através do estudo eclesial e libertador da Sagrada Escritura.

A descoberta libertadora que Jesus nos revela, diante daqueles que o abandonaram e o traíram é: Deus crê em nós, antes de qualquer profissão de fé da nossa parte. E a prova de tal constatação reside na renovação da aliança que Jesus fez mediante a sua revolução redentora. São as suas aparições pós-pascais que confirmam isso. Em todas elas, o Ressuscitado faz um segundo chamado aos seus seguidores. O primeiro chamado era para deixar as redes, a família e assumir a sua sequela. O segundo, ao invés, acontece de novo na Galileia, lugar onde o ressuscitado pede para ir os discípulos, a fim de encontrar-se com eles. Lá, onde tudo começou, é revelado um novo elemento da sequela que marcará para sempre a vida dos discípulos e que é a coluna do cristianismo: trata-se do “ide e anunciai”, ou seja, Jesus pede que sejam missionários, seus colaboradores no mundo.

Por isso, a melhor forma de libertar a religião da privatização é saber se a missão (abertura e acolhida ao próximo) faz parte da práxis de vida dos novos messias. Mais uma vez, nos recordemos da estoria do Sr. Johan: ele vivia só para si mesmo e acreditava que Deus era um tipo de escravo sempre disponível para satisfazer as necessidades. É exatamente esta privatização da fé que o mandato missionário desmascara.

Merece destaque o apelo de Papa Francisco quando o mesmo fala dos perigos de uma fé desencarnada da história. O risco que o cristianismo corre é o de anunciar “um Deus sem Cristo, um Cristo sem Igreja e uma Igreja sem povo” (GE 37). Realmente, quando nos esquecemos que somos um povo missionário e privatizamos a fé, colocando-a dentro dos armários de nossas fantasias, estamos dividindo os irmãos, ou seja, transformamos Deus em um diabinho. E isso não queremos para nossa experiência de discípulos.


Pe. Ademir Guedes Azevedo é missionário passionista e mestrando em teologia fundamental na Pontifícia Universidade Gregoriana.

Download Nulled WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes Free
online free course
download lenevo firmware
Download WordPress Themes
free online course

Conteúdo Relacionado