Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Franciscanos propõem ações para evitar destruição do planeta

04/07/2019

O Conselho Internacional de Justiça, Paz e Integridade da Criação (JPIC) da Ordem dos Frades Menores (CIJPIC) se reuniu de 3 a 10 de junho de 2019,  em Jerusalém, com o apoio da Custódia da Terra Santa. Organizado pelo Escritório da JPIC da Cúria Geral de, o encontro tratou de temas como as mudanças climáticas,  proteção dos direitos humanos e atenção especial aos problemas e violações reais existentes nos 119 países onde a Ordem dos Frades Menores está presente. Segundo Frei Jaime Campos, diretor do Escritório Geral da JPIC,  essa reunião permitiu avaliar o trabalho que foi feito e planejar, com nossas discussões, futuros trabalhos com atenção constante ao conteúdo da Encíclica Laudato Si’.

O encontro, que contou com a participação de representantes das diversas Conferências dos Frades Menores – Austrália, Brasil, Chile, Colômbia, Coréia, Eslovênia, EUA, Filipinas, França, Itália, México, Polônia e Reino Unido – encerrou-se com o Documento Final, que trata de questões relacionas à crise climática, crise sócio-ambiental, crise migratória, sempre com propostas concretas e partindo da Encíclica Laudato Si’, do Papa Francisco, numa perspectiva de conversão ecológica.

 

Declaração de Jerusalém

“Queremos sonhar e ao mesmo tempo ser profetas de esperança, capazes de anunciar o Evangelho para a construção de Reino, denunciando e combatendo as situações concretas de injustiça e violência do mundo atual. Esta atitude nos fará dar muitos frutos como pessoas consagrada nos …”(CPO 2018 177).

“Laudato si'”: Conversão ecológica integral

Inspirados pela encíclica papal Laudato Si’ acreditamos firmemente que “a sobriedade no estilo de vida e a sensibilidade pela solidariedade ecológica e social são expressões próprias do carisma franciscano, consciente de que o nosso compromisso com a ecologia é parte da conversão integral que nos torna irmãos e irmãs de todas as criaturas. Cada Fraternidade, em seu projeto de vida e missão, desenvolva um programa ecológico que promova estilos e opções concretas de vida que expressem respeito e cuidado para criação” (Cf. CPO /18 114-116)

Os desafios colocados pelo documento do CPO 2018 e pela Encíclica Laudato Si’, nos levam a propor o seguinte:

♦ Renovar a nossa presença profética no mundo de hoje, através de um processo radical de conversão ecológica individual e comunitária.
♦ Adotar a metodologia da não-violência ativa e da paz justa.
♦ Estar abertos a uma maior colaboração “ad intra” e “ad extra” na Igreja.
♦ Comprometer-se com a iniciativa “Catholic Nonviolence Initiave” de Pax Christi International.
♦ Integrar e celebrar ativamente Laudato Si’ na liturgia.
♦ Promover o estudo da Encíclica através dos “Círculos de animação e dos retiros Lautado Si’ do MovimentoCatólico Global pelo Clima.
♦ Fazer memória dos mártires do meio ambiente.
♦ Recolher e criar recursos (homiléticos, catequéticos, práticos…) e compartilhá-los.
♦ Melhorar a comunicação usando as redes sociais e serviços multimídia disponíveis

Crise climática

Nós, membros do CIJPIC, estamos profundamente preocupados com os desastres que ocorrem em todo o mundo e seu impacto negativo sobre os pobres e vulneráveis; e reconhecemos que a intervenção humana indiscriminada está destruindo o sistema climático do nosso planeta. Somos testemunhas da crise climática e constatamos que nos resta pouco tempo para que a humanidade mude sua trajetória e evite as piores consequências desta catástrofe climática mundial para o genro humano e o resto dos seres vivos na terra. Não podemos ficar indiferentes à voz dos jovens que exigem justice climática.

É por isso que propomos:

♦ Promover e celebrar o “Tempo de o Criação”, através da liturgia e atividades solidária.
♦ Colaborar com o Movimento Católico Mundial pelo Clima.
♦ Não fazer investimentos em indústrias de combustíveis fósseis e investir em energias renovável.
♦ Participar dos movimentos que trabalham pela justiça climática.
♦ Aumentar nossa tomada de consciência e aprofundar na compreensão esta problemática.
♦ Recolher experiências de boas práticas e compartilhá-las.
♦ Promover alternativas à cultura consumista (consumo responsável, decrescimento, consumir produtos locais, Km 0, etc.).
♦ Trabalhar pela transformação social com a sociedade civil, autoridades governamentais e empreendedores sociais.
♦ Promover um projeto de plantio ecológico de árvores

Crise socioambiental

Também estamos conscientes das muitas devastações no meio ambiente e na humanidade devido a várias práticas extrativistas, como a mineração e o fracking, ou a agricultura de monocultivos, etc. “Muitas vezes as técnicas de mineração, os despejos e a perda de poder de pessoas, a contaminação dos solos e da água, a corrupção e a prepotência das multinacionais de mineração, com sua distribuição injusta das riquezas que obtêm, nos impele a questionar seu verdadeiro valor.” (Declaração de Verona). Cremos que nós, os franciscanos, estamos chamados à ação solidária com as comunidades atingidas na Amazônia e em outros lugares. Pelo que reconhecemos e promovemos “um tipo diferente de economia: uma economia que é inclusiva e não exclusiva, humana e não desumanizante, que cuida do meio ambiente e não o espolie” (convite do Papa Francisco ao evento “Economia de Francisco” 2019). Concretamente nos esforçaremos para reduzir e reparar os danos sociais, ambientais e econômicos, que se produzem em nossa casa comum.

E por isso propomos:

♦ Recusar-se a fazer parte da cultura consumista de nossa sociedade
♦ Apoiar e solidarizar-se com as vítimas de extrativismo.
♦ Juntar-se à campanha “Direito de dizer não”.
♦ Desenvolver estratégias de “boicote” a determinados produtos.
♦ Não fazer investimentos em empresas que atacam os direitos humanos e ambientais e investirem projetos sustentáveis e éticos.
♦ Continuar colaborando com Franciscans International e com o Fórum Social sobre o Extrativismo.
♦ Incentivar as Entidades da Ordem a trabalhar com as ONGs de seu entorno nesse âmbito.
♦ Envolver as escolas de administração propondo modelos econômicos alternativos ao atual, que apoiem a Responsabilidade Social Corporativa, a conversão ecológica e a justiça climática.

Crise migratória

Vemos a migração como um fenômeno global causado por múltiplos fatores, entre eles a violência, a desigualdade social, a crise política e climática. Seu alcance cada vez maior em todo o mundo desafia nossa “Visão franciscana da vida que encontra seus fundamentos na revelação bíblica, que nos faz entender que um é nosso Pai e que somos todos irmãos e irmãs, e que estamos unidos por vínculos invisíveis, formando uma só família universal com todos os seres do universo. Por tanto nós podemos permanecer indiferentes ante à grave crise da mobilidade humana, e não podemos ser indiferentes à situação de nossos irmãos e irmãs imigrantes”(Cf. CPO / 18, 122 – 123).

Por isso propomos:

♦ Criar uma cultura humanista de hospitalidade; aceitando, acolhendo e cuidando dos imigrantes como irmãos e irmãs nossas.
♦ Abrir nossa casas e conventos para receber, escutar e dialogar com os imigrantes.
♦ Celebrar a Jornada Mundial pelos Refugiados e migrantes, e a Oração contra o Tráfico de Pessoas.
♦ Ajudar e colaborar com os Centros de Imigrantes existentes.
♦ Promover “experiências no terreno”, para os frades em formação inicial e permanente, nos Centros de Atendimento aos Imigrante.
♦ Organizar “campos de trabalho e conscientização” para jovens e frades.
♦ Promover campanhas para superar preconceitos contra imigrantes.
♦ Participar da Rede Franciscana para os Imigrantes na América.
♦ Divulgar ferramentas legais e recursos para migrantes.

Apesar da contínua violência e conflito na região fomos testemunhas e constatamos o trabalho e obras realizadas pelos nossos irmãos da Custódia da Terra Santa pela a paz e os direitos humanos. Também nos demos conta de que nós como Franciscanos, temos que “trabalhar para ser instrumentos de paz e reconciliação, permanecer presentes em lugares de guerra e violência e não abandonar os que sofrem” . (cf. CPO / 18, 168). Com profunda preocupação pela crise política e pelas inacreditáveis violações de direitos humanos em alguns países, expressamos nossa solidariedade com os oprimidos, os menores, os esquecidos e os últimos.

O Conselho Internacional de JPIC leu e discerniu os sinais dos tempos como um chamado, enquanto franciscanos, para responder às crises globais através de uma conversão ecológica integral radical; que inclui as dimensões espirituais, sociais, econômicas e políticas. Como fraternidade contemplativa em missão, nos comprometemos à ação através da contemplação e da oração, do compromisso de solidário com os pobres e a Terra; pedindo a todos os frades da Ordem que aprofundemos nossa vocação e conversão no século XXI.

Free Download WordPress Themes
Download WordPress Themes
Download Nulled WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
udemy course download free
download lenevo firmware
Download WordPress Themes
udemy free download