Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Fé e política para além do fundamentalismo

17/09/2014

politica_fe

Leonardo Boff (*)

Estamos em tempo de eleições. Muitos setores das várias Igrejas, também da católica, se mobilizam ao redor de projetos para o país e de candidatos a vários cargos. É o momento de esclarecermos um pouco como se dá a relação entre  fé e política.

Antes de mais nada há que se distinguir uma política escrita com P maiúsculo e outra com p minúsculo. Ou então a política social (P) e a política partidária (p).

A política social (P) diz respeito ao bem comum da sociedade;  assim por exemplo, a organização da saúde, a rede escolar, os transportes, os salários tem a ver com  política social. Lutar para conseguir um posto de saúde no bairro, se unir para trazer a linha de ônibus até no alto do morro é fazer política social.

Essa política significa a busca comum do bem comum. Nesse nível todos os cidadãos e todos os cristãos católicos ou evangélicos podem e devem participar.

A política partidária (p) representa a luta pelo poder de estado, para conquistar o governo municipal, estuadual e federal. Os partidos políticos existem em função de se chegar ao poder, seja para mudá-lo (processo libertador), seja para exercê-lo assim como se encontra constituído (governar o estado que existe). O partido, como a palavra já o diz, é parte e parcela da sociedade não toda sociedade. Cada partido tem por trás interesses de grupos ou de classes que elaboram um projeto para toda a sociedade. Se chegarem ao poder de estado (governo) vão comandar as políticas  públicas conforme o seu programa e sua visão partidária dos problemas.

Com referência à política partidária, é importante considerar os seguintes pontos: ver qual é o programa do partido; como o povo entra neste programa: se foi discutido nas bases; se atende aos reclamos históricos do povo; se prevê a participação do povo, mediante seus movimentos e organismos, na sua concepção, implementação e controle;    quem são os candidatos que representam o programa: que biografia têm, se estão na lista da ficha suja, se sempre mantiveram uma ligação orgânica com as bases,se são verdaderiamente aliados e representantes das causas da justiça e da mudança social necessária ou se querem manter as relações sociais assim como são, com as contradições e até injustiças que encerram.

Esse último modo de poder político foi exercido historicamente por nossas elites a fim de se beneficiar dele, esquecendo o sujeito de todo o poder que é o povo.

Como entra a fé nisso tudo?

A fé  diretamente tem a ver com Deus e seu desígnio sobre a humanidade. Mas ela está dentro do  sociedade e é uma das criadoras de opinião e de decisão. Ela funciona como uma bicicleta; possui duas rodas mediante as quais  se torna efetiva na sociedade: a roda da religião e a roda da política.

A roda da religião  se concretiza pela oração, pelas celebrações, pelas pregações e pela leitura das Escrituras.

Pela roda da política a fé se expressa pela prática da justiça,da solidariedade, da denúncia  da corrupção. Como se vê, política aqui é sinônimo de ética. Temos que aprender a nos equilibrar em cima das duas rodas para poder andar corretamente.

A Bíblia considera a roda da política como ética  mais importante que a roda da religião como culto. Sem a ética, a fé fica vazia e inoperante. São as práticas e não as prédicas que contam para Deus. Melhor que proclamar “Senhor, Senhor” é fazer a vontade do Pai que é amor, misericórdia, justiça, coisas todas práticas, portanto, eticas.

Concretamente, fé e política se encontram juntas na vida das pessoas. A fé inclui a política, quer dizer, um cristão pelo fato de ser cristão, deve se empenhar pela justiça e pelo bem-estar social; também deve optar por programas e pessoas que se aproximem o mais possível àquilo que entendeu ser o projeto de Jesus e de Deus na história. Foi o  que o Papa Francisco ressaltou quando esteve no Brasil.

Mas  a fé transcende a política, porque a fé se refere também à vida eterna, à ressureição da carne, à transformação do universo, coisa que nenhuma política social e nenhum partido ou estado podem prometer.

A passagem da fé à política partidária não é direta. Quer dizer, da Bíblia não se deduz diretamente o apoio a um determinado partido e o dever de votar  numa pessoa, nem quanto deve ser o salário mínimo. A Bíblia não oferece soluções, mas inspirações para que se possa escolher bem um partido e criar  um salário digno.   Para um cristão na linha do que o Papa Francisco vem insistindo a política deve ser

– libertadora: não basta reformar a sociedade que está aí; importa um outro modelo de sociedade que permita mais inclusão mediante a  participação, a justiça social.

– libertadora a partir das maiorias pobres e excluídas: deve começar bem em baixo, pois assim não deixa ninguém de fora; se começar pelos assalariados ou pela buguesia, deixa de fora, de saída,  quase metade da população excluida.

– uma política que usa métodos libertadores, quer dizer, que use processos participativos do povo, de baixo para cima e de dentro para fora; essa política pretende mais que uma democracia representativa/delegatícia mas uma democracia participativa pela qual o povo com suas organizações ajuda a discutir, a decidir e a resolver as questões sociais. Esse foi o grande reclamo das manifestações de junho de 2013 e que se exige fortemente agora.

– uma democracia ecológico-social que respeite os direitos da Mãe Terra, dos ecosistemas, dos animais  e dos seres da criação com os quais mantemos relações de interdependência.

Política assim é uma das formas mais altas de amor social.

 (*) Leonardo Boff, teólogo e escritor, é um dos principais autores da Editora Vozes

Download WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
Premium WordPress Themes Download
udemy course download free
download xiomi firmware
Download WordPress Themes
online free course