Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

Esse lado traspassado

30/04/2020

Frei Almir Ribeiro Guimarães, OFM

Desejo ver o lado traspassado daquele que, abrindo o coração, fez ali um abrigo para mim, tomou-me consigo e rasgou diante de meus olhos um caminho para a casa do Pai onde somente Deus pode estar.
Karl Rahner

♦ Um dos momentos mais impressionantes da liturgia da Sexta-feira Santa é, sem dúvida, o da Adoração da Cruz. O celebrante, diante do povo, desvela um grande crucifixo e canta por três vezes; “Eis o lenho da cruz no qual pendeu a salvação do mundo”. E toda a assembleia se joelha reverentemente. Sempre que chega a primeira sexta-feira do mês, voltamo-nos para o alto da cruz e, interiormente, nos prostramos diante daquele que conhece nosso nome e nos quer um bem incomensurável. “Não existe maior amor do que dar a vida pelos seus”. Somos dele. Morremos para o homem velho. Ressuscitamos com ele. No regime da fé, a vida do Ressuscitado circula em cada um de nós e à nossa volta respiramos a presença do Amado. Karl Ranher, em páginas admiráveis sobre a Sexta-feira Santa, fala do mistério amoroso da cruz (cf. Karl Ranher, L’homme au miroir de l’année chrétienne, Mame, Paris, p. 127-139).

♦ Vem à nossa mente, neste contexto, uma curta e densa oração de São Francisco de Assis, inspirada em textos de São Paulo: “Nós vos adoramos, santíssimo Senhor Jesus Cristo aqui e me todas as igreja do mundo e vos bendizemos porque pela vossa santa cruz remistes o mundo”. Cruz da dor sem limites e de um infinito e indescritível amor.

♦ Um lado rasgado, trespassado… lado do coração. Quando falamos em coração vamos além do músculo quase central situado em nosso peito e que distribui sangue e vida. Pensamos aqui nessa parte mais íntima de nós mesmos. Thomas Merton assim explica o conceito de “coração”: “Refere-se à base mais íntima e profunda de alguém. Trata-se de um santuário interior, onde a autoconsciência ultrapassa a razão analítica e desabrocha em confrontação metafísica com o Abismo do incognoscível e, contudo presente – alguém que no dizer de Santo Agostinho é mais íntimo a nos do que nós somos” (cf. A oração contemplativa, p.51)

♦ Um lado rasgado que expõe o melhor de Jesus, um ser único que veio e vem dizer que a pupila dos olhos do Senhor nos acompanha, mesmo nos momentos de forte neblina existencial e mesmo quando nosso coração e o coração do mundo cria ídolos, esquece que o Amor precisa amado, como dizia São Francisco. Sim, eis o lenho da cruz do qual pendeu a salvação do mundo.

♦ Há os que passam diante da cruz. Passam e nada mais. Seus olho mal e mal se pousam no homem preso ao madeiro. Isso não lhes interessa e fica difícil ao discípulo do Amado furar esta casca dura e chegar à brecha do coração contrito, desse espaço interior nosso que poderia ser susceptível ao amor se deixasse de dançar em torno de quimeras e ilusões. Os que decidem permanecer diante da cruz experimentam um vigor insuspeitado. Passam a ter as batidas de seu interior no mesmo ritmo das batidas do Coração de Jesus. Passam a dar a vida pelos outros e não nos esqueçamos “não existe maior amor do que dar a vida pelos outros”.

Download Nulled WordPress Themes
Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Free Download WordPress Themes
udemy paid course free download
download lava firmware
Download WordPress Themes Free
udemy paid course free download

Conteúdo Relacionado