Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

A resistência político-religiosa dos Macabeus da Palestina (1Mc 6,1-13) e a de Zumbi dos Palmares

19/11/2021

     Escultura em bronze de Zumbi na Praça de Sé, Salvador (BA) (Wikimedia Commons)

Frei Jacir de Freitas Faria [1]

O texto sobre o qual vamos refletir é 1Mc 6,1-13. Trata-se da luta de resistência de um grupo de judeus que se rebelou contra a dominação política e religiosa dos greco-sírios na Palestina, entre os anos de 167 e 164 a.E.C. No Brasil Colônia surgiu uma resistência muito parecida com a dos Macabeus, a de Zumbi dos Palmares. Que relação existe entre elas?

A bandeira de luta dos Macabeus era a de não deixar que a fé judaica morresse diante das atrocidades do cruel governante Antíoco IV Epífanes, homem que não respeitava os valores religiosos do povo judeu. Ele proibiu, com decreto, a prática da religião judaica e introduziu o culto ao deus grego Zeus Olimpo, no local mais sagrado dos judeus, o Templo de Jerusalém. Proibiu as práticas de sacrifícios, a observância do sábado e as festas religiosas. Além disso, Antíoco mandou queimar a Torá e obrigou o povo a comer carne de porco, prática proibida pela lei de pureza judaica. Nesse sentido, ficou muito conhecida a resistência da mãe e de seus sete filhos que, por não aceitarem comer carne de porco, foram decepados e assados vivos em um caldeirão com óleo fervendo (2Mc7).

A resistência dos macabeus começou com o pai da família dos matatias, chamado de Matatias. Ele convocou os judeus a resistirem aos gregos. Sua família e os fiéis seguidores da Lei (Torá) se refugiaram nas montanhas, de onde agiam destruindo altares de deuses pagãos, circuncidando meninos e resgatando a Torá. Um ano depois, Matatias morreu. No seu lugar, a liderança da resistência foi assumida pelo seu filho Judas Macabeus, nome que se deu nome à revolta. A luta durou três anos até a retomada e purificação do Templo de Jerusalém.

O texto de 1Mc 6,1-13 narra a morte do opressor Antíoco IV Epífanes. Em 2Mc 9 o relato é trágico. Ele morreu acometido de uma dor de barriga que se manifestou com pontadas agudíssimas em um corpo coberto de vermes que cheirava insuportavelmente mal. O narrador escreve que ele morreu com os mesmos sofrimentos que infligiu ao povo judeu.

À semelhança da luta macabaica, a resistência do povo negro no Brasil Colônia foi liderada pelo escravizado liberto de nome Zumbi ou Zumbi dos Palmares, região de Alagoas, onde viveu entre os anos de 1665 e 1695. Capturado ainda criança e educado como católico por um missionário, casado com a líder negra Dandara, com quem teve três filhos, o adulto Zumbi se uniu ao seu povo que resistia em quilombos, lugares onde viviam os escravizados que fugiam da exploração escravocrata dos grandes fazendeiros de cana-de-açúcar e da dominação holandesa, no nordeste brasileiro.

Zumbi, nome africano que evoca o deus da guerra, foi a última liderança negra do Quilombo de Palmares, serra da Barriga, na luta contra a escravidão, a liberdade de culto e a prática da religião africana no Brasil Colônia. Diante da lenda que se criou de que ele não morreu, o governo mandou decapitá-lo e levar a sua cabeça levada e expô-la em praça pública, na cidade de Recife. Isso ocorreu no dia 20 de novembro de 1695, data escolhida para celebrar o Dia da Consciência Negra no Brasil.

Essas duas resistências políticas e religiosas continuam vivas nas consciências de dois povos: judeus e brasileiros. A vitória dos Macabeus é celebrada ainda hoje em Israel com o nome de Festa das Luzes (Chanucá), no período de oito dias, para recordar esse feito histórico de resistência que garantiu a liberdade religiosa e cultural dos judeus. A referência à luz deve-se ao fato de que, quando Judas Macabeus retomou o templo, foi encontrado um jarro de azeite puro que daria para manter aceso o candelabro somente um dia, mas ele durou oito dias.

No Brasil, a consciência negra é uma luta diária para infundir luzes nas consciências de um povo “branco” de maioria negra que vive adormecido em relação aos direitos de igualdade racial e social em todas as suas esferas. O Brasil é, sim, uma miscigenação de raças, mas não pode, por causa da cor da pele, continuar oprimindo seus filhos e filhas de um passado africano na fé e na cultura, alicerces de nosso país. Basta de racismo!

Como dizia Dom Helder Câmara, no seu poema Mariama: “Nada de escravo de hoje ser senhor de escravo de amanhã. Basta de escravos. Um mundo sem senhor e sem escravos. Um mundo de irmãos”.[2] Por políticas públicas de inclusão racial, social e respeito às diferenças!


[1]Doutor em Teologia Bíblica pela FAJE (BH). Mestre em Ciências Bíblicas (Exegese) pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma. Professor de Exegese Bíblica. É membro da Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica (ABIB). Sacerdote Franciscano. Autor de dez livros e coautor de quinze. Youtube: Frei Jacir Bíblia e Apocrifos. https://www.youtube.com/channel/UCwbSE97jnR6jQwHRigX1KlQ

[2] HELDER, Câmara. Mariama. Disponível em: https://franciscanos.org.br/vidacrista/calendario/invocacao-a-mariama-por-d-helder-camara/#gsc.tab=0 Acesso em: 15 de nov. 2021.

Free Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Premium WordPress Themes Download
Download Nulled WordPress Themes
free download udemy paid course
download samsung firmware
Download Nulled WordPress Themes
free download udemy paid course