Vida Cristã - Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil - OFM

A maior e mais antiga festa cristã

03/05/2014

cristoFrei Luiz Iakovacz

Após a Ressurreição, Cristo deixou esta incisiva ordem aos apóstolos: “Ide, fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a observar tudo quanto vos mandei” (Mt 28,19-20). De fato, eles partiram e evangelizaram vários países onde, também, sofreram o martírio – como nos diz a Tradição da Igreja. A Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo marcaram profundamente os apóstolos. Este fato não só se tornou o núcleo da sua pregação, com também os levou a ler o Antigo Testamento sob a ótica pascal, especialmente, da Ressurreição.  Assim, no dia de Pentecostes, Pedro dirigiu a Palavra a uma multidão de diferentes culturas e nações, reinterpretando vários textos bíblicos e afirmando que Cristo – morto e sepultado – “Deus O ressuscitou, e disto nós somos testemunhas”.

Tal anúncio causou um impacto tão grande que os ouvintes perguntaram: “Que devemos fazer”? A resposta foi: “Arrependei-vos e cada um seja batizado em nome do Senhor Jesus. Naquele dia, cerca de três mil pessoas abraçaram a fé” (cf. At 2, 14-41). Notemos que uma evangelização convincente leva o ouvinte a pedir o batismo.  Por isso, os primeiros cristãos, após um catecumenato de três anos, livremente, pediam este sacramento que era celebrado somente na Vigília Pascal, isto é, na noite em que se anunciava a Ressurreição de Jesus.  Esta experiência era um verdadeiro “sepultar-se com Cristo para, com Ele, ressurgir a uma vida nova” (Rm 6,4). Por isso, a Páscoa se tornou o centro do Ano Litúrgico, e tudo girava ao redor dela.  No entanto, tanto hoje como ontem, pairam “dúvidas” sobre a Ressurreição. Alguns não creem nela, porque o evangelista Mateus diz que as autoridades religiosas, maliciosamente, subornaram os guardas para que desmentissem a Ressurreição de Cristo, dizendo que o corpo foi roubado enquanto dormiam; e “esta versão continua até hoje” (cf. Mt 28,11-15). Outros descreem porque as “aparições” foram poucas e a um grupo seleto: algumas mulheres (cf. Mc 16,1-8), aos apóstolos (cf. Jo 20,19-29) e a uns quinhentos discípulos (cf. 1Cor 15,6).

Mais ainda: quando Paulo anunciou a Ressurreição no areópago de Atenas, os ouvintes  “zombaram dele e disseram: sobre isso te ouviremos numa outra ocasião” (cf. At 17,16-34). Então… onde buscar a certeza da Ressurreição?! Consideremos uma coisa: a Ressurreição não consiste no reavivamento de um cadáver, nem se explica com provas e argumentos. Para os cristãos, junto com o “sepulcro vazio” e as “aparições”, a Ressurreição se fundamenta na dimensão da fé e da liberdade. É o próprio Cristo quem o declara, textualmente: “Eu sou a Ressurreição e a Vida. Quem crer em mim, ainda que esteja morto, viverá. E quem crê em mim, jamais morrerá” (Jo 11,25-26).

Se quisermos anunciar a Ressurreição, comecemos a viver como ressuscitados, isto é, como pessoas que servem e se sacrificam pelo próximo, que sabem amar e dar a vida por amor. Foi assim que Jesus viveu, e é assim que poderemos nos tornar provas vivas da sua Ressurreição. Então, “nosso corpo se revestirá da incorruptibilidade e o nosso ser mortal, da imortalidade” (1Cor 15,54). Este é o verdadeiro sentido da Ressurreição!

Download WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
free download udemy course
download micromax firmware
Download WordPress Themes Free
ZG93bmxvYWQgbHluZGEgY291cnNlIGZyZWU=

Conteúdo Relacionado